Por que eu resisti à pressão para abandonar o cristianismo

Stephen Weinberg, ganhador do Prêmio Nobel de Física, disse certa vez: “O mundo precisa acordar do longo pesadelo da religião. Qualquer coisa que nós, cientistas, possamos fazer para enfraquecer o domínio da religião, deve ser feito, e pode, de fato, ser nossa maior contribuição para a civilização ”.

Espero que você não tenha perdido o elemento totalitário que soa sinistro nesta declaração: “qualquer coisa que nós, cientistas, possamos fazer...

Essa atitude não é nova. Eu a conheci há 50 anos, enquanto estudava na Universidade de Cambridge. Eu me vi em um jantar formal na faculdade, ao lado de outro ganhador do Prêmio Nobel. Eu nunca havia encontrado um cientista de tal distinção antes e, para obter o máximo da conversa, tentei fazer-lhe algumas perguntas. Por exemplo, como sua ciência moldou sua visão de mundo - sua grande figura do status e significado do universo? Particularmente, eu estava interessado em saber se seus estudos abrangentes o haviam levado a refletir sobre a existência de Deus.

Ficou claro que ele não estava confortável com essa pergunta, e eu imediatamente recuei. No entanto, no final da refeição, ele me convidou para ir ao seu escritório. Ele também convidou dois ou três outros acadêmicos seniores, mas nenhum outro aluno. Fui convidado a sentar e, até onde me lembro, eles permaneceram de pé.

Ele disse: "Lennox, você quer uma carreira na ciência?"

"Sim, senhor", eu respondi.

“Então,” ele disse, “na frente das testemunhas, esta noite você deve desistir dessa fé infantil em Deus. Se você não o fizer, isso o enfraquecerá intelectualmente e sofrerá em comparação com seus colegas. Você simplesmente não vai conseguir.

Fale sobre pressão! Eu nunca tinha experimentado nada parecido antes. Sentei-me na cadeira paralisado e chocado com o descaramento e o inesperado ataque. Eu realmente não sabia o que dizer, mas eventualmente eu consegui deixar escapar: "Senhor, o que você tem para me oferecer é melhor do que o que eu tenho?" Em resposta, ele me ofereceu o conceito de "Evolução Criativa". ”Apresentado em 1907 pelo filósofo francês Henri Bergson.

De fato, graças a C.S. Lewis, eu sabia um pouco sobre Bergson e respondi que não conseguia ver como a filosofia de Bergson era suficiente para basear uma visão de mundo inteira e fornecer uma base para o significado, a moralidade e a vida. Com uma voz trêmula, e tão respeitosamente quanto pude, eu disse ao grupo que estava ao meu redor que eu achava a cosmovisão bíblica muito mais enriquecedora e a evidência de sua verdade convincente, e então, com todo o respeito, eu assumiria o risco e ficar com ele.

Foi uma situação notável. Aqui estava um cientista brilhante tentando me intimidar a desistir do cristianismo. Eu tenho pensado muitas vezes desde que, se tivesse sido o contrário, e eu tinha sido um ateu na cadeira cercada por acadêmicos cristãos pressionando-me a desistir do meu ateísmo, isso teria causado reverberações ao redor da universidade e provavelmente terminado com processos disciplinares contra os professores envolvidos.

Mas aquele incidente bastante assustador colocou aço em meu coração e mente. Resolvi fazer o melhor que pude para ser um cientista tão bom quanto pudesse e, se alguma vez tive a oportunidade, encorajar as pessoas a pensarem sobre as grandes questões de Deus e da ciência e tomarem as próprias decisões sem serem intimidadas ou pressionadas. Tenho tido o privilégio, nos anos que se seguiram, de me envolver pensativamente com muitas pessoas, jovens e idosas, num espírito de amizade e de investigação aberta sobre essas questões.

O lado negro da academia

Aprendi outra lição valiosa naquele dia sobre a existência de um lado obscuro na academia. Há alguns cientistas que partem com ideias preconcebidas, não desejam realmente discutir evidências, e parecem estar fixados não na busca da verdade, mas na propagação das noções que a ciência e Deus não misturam e que aqueles que acreditam em Deus são simplesmente ignorante.

Isto simplesmente não é verdade. Além do mais, você não precisa ter muita percepção para ver que isso é falso. Pense no Prêmio Nobel de Física, por exemplo. Ele foi conquistado em 2013 por Peter Higgs, um escocês que é ateu, por seu trabalho inovador sobre partículas subatômicas e sua previsão, mais tarde provada, da existência do bóson de Higgs. Alguns anos antes, foi ganho por William Phillips, um americano que é cristão.

Se a ciência e Deus não se misturam, não haveria ganhadores cristãos do Prêmio Nobel. De fato, entre 1901 e 2000, mais de 60% dos ganhadores do Prêmio Nobel eram cristãos. Eu quero sugerir que o que divide os professores Higgs e Phillips não é sua física ou sua posição como cientistas - ambos ganharam o Prêmio Nobel. O que os divide é sua visão de mundo.

Higgs é ateu e Phillips é cristão. Segue-se que a alegação daqueles acadêmicos que tentaram me intimidar em Cambridge tantos anos atrás - que se você deseja ser cientificamente respeitável, você tem que ser um ateu - é obviamente falsa. Não pode haver um conflito essencial entre ser um cientista e ter fé em Deus.

~

John Lennox

Disponível em The Ethics & Religious Liberty Commission.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: