O peregrino - VII



Agora, vi em meu sonho que o cristão não saiu sozinho; pois havia um cujo nome era Esperançoso (sendo assim feito olhando para o cristão e fiel em suas palavras e comportamento em seus sofrimentos na feira), que se juntou a ele, e, entrando em uma promessa fraternal lhe disse que ele seria seu companheiro. Assim, um morreu para mostrar fidelidade à verdade, e outro surgiu de suas cinzas para ser um companheiro com Cristão em sua peregrinação. Este esperançoso também disse a Cristão que havia muitos mais homens na feira que levariam seu tempo e seguiriam depois.

Então vi que, logo depois de saírem da feira, eles alcançaram um que ia antes deles, cujo nome era Por Fim; então eles disseram a ele: "Que homem do campo, senhor? E até onde você está?" Ele lhes disse que ele veio da cidade de Discurso Justo, e ele estava indo para a Cidade Celestial; mas não lhes disse seu nome.

Cristão: "De Discurso Justo! Há algum que seja bom viver lá?"

Por Fim: "Sim", disse Por Fim, "espero."

Cristão: Ore, senhor, como posso chamá-lo?

Por Fim: Eu sou um estranho para você e você para mim: se você está indo para esse lado, ficarei feliz com a sua companhia; se não, devo estar contente.

Cristão: Esta cidade de Discurso Justo, eu ouvi falar disso; e, como eu me lembro, eles dizem que é um lugar rico.

Por Fim:, asseguro-lhe que é; e eu tenho muitos parentes ricos lá.

Cristão: Reze, quem são seus parentes lá? se um homem pode ser tão ousado.

Por Fim: Quase toda a cidade; mas, em particular, meu lorde Virada, meu Senhor Oportunista, meu lorde Discurso Justo, de cujos ancestrais a cidade primeiro tomou seu nome; também Sr. Homem Suave, o Sr. Enfrentando os dois lados, o Sr. Qualquer Coisa; e o pároco da nossa paróquia, o Sr. Duas Línguas, era o irmão da minha mãe ao lado do pai; e para dizer a verdade, eu me tornei um cavalheiro de boa qualidade; ainda meu bisavô era apenas um homem da água, olhando para um lado e remando outro, e eu obtive a maioria dos meus bens pela mesma ocupação.

Cristão: Você é um homem casado?

Por Fim: Sim, e minha esposa é uma mulher muito virtuosa, filha de uma mulher virtuosa; ela era filha de minha senhora Fingida: portanto ela veio de uma família muito honrada, e chegou a esse tipo de criação, que sabe como levá-la a todos, até mesmo ao príncipe e ao camponês. É verdade que diferimos um pouco na religião daqueles do tipo mais estrito, mas em dois pequenos pontos: primeiro, nunca nos esforçamos contra o vento e a maré; em segundo lugar, estamos sempre mais zeloso quando a religião está bem vestido e vai em sua prata chinelos: nós amamos muito a caminhar com ele na rua, se o sol brilha e as pessoas elogiá-lo.

Então, Cristão afastou-se um pouco para seu companheiro Esperançoso, dizendo: "Corre em minha mente que este é um Por Fim, de Discurso Justo; e se for ele, nós temos como um patife em nossa empresa como habita todas essas partes". Então disse Esperançoso: "Pergunte a ele; parece-me que ele não deveria ter vergonha de seu nome". Então Cristão veio com ele novamente, e disse: "Senhor, você fala como se você soubesse algo mais do que todo o mundo faz, e se eu não levar a minha marca errada, eu acho que tenho um palpite de você. Não é seu nome Sr. Por Fim, de Discurso Justo? "

Por Fim: Este não é meu nome; mas, na verdade, é um apelido que me é dado por alguns que não podem me tolerar, e devo me contentar em considerá-lo como uma censura, como outros homens bons deram a eles antes de mim.

Cristão: Mas você nunca deu uma ocasião para os homens chamá-lo por esse nome?

Por Fim: Nunca nunca! O pior que já fiz para dar-lhes uma ocasião para me dar esse nome foi que eu sempre tive a sorte de pular no meu julgamento com o modo atual dos tempos, o que quer que fosse, e minha chance era ganhar assim. Mas se as coisas são assim lançadas sobre mim, considero-as uma bênção; mas não deixe que os mal intencionados me carreguem de censura.

Cristão: Eu pensei, de fato, que você era o homem que eu ouvi falar; e, para dizer o que eu pensar, eu temo este nome pertence a você mais propriamente do que você está disposto devemos pensar que o faz.

Por Fim: Bem, se assim você imaginar, não posso evitá-lo: você me achará uma boa companhia se ainda me admitir sua companheira.

Cristão: Se você for conosco, você deve ir contra o vento e a maré; o que, percebo, é contra a sua opinião; você também deve possuir religião em seus trapos, bem como quando em seus chinelos de prata; e fique ao lado dele também, quando amarrado em ferros, assim como quando ele anda pelas ruas com aplausos.

Por Fim: Você não deve impor ou dominar a minha fé; Deixe isso para minha liberdade e deixe-me ir com você.

Cristão: Não um passo adiante, a menos que você faça o que eu declaro como fazemos.

Por. Então disse Por Fim: "Eu nunca abandonei meus princípios antigos, já que eles são inofensivos e lucrativos. Se eu não puder ir com você, devo fazer o que fiz antes de você me alcançar, até ir sozinho, até que alguns me alcancem ficará feliz com a minha companhia ".

Agora, vi em meu sonho que Cristão e Esperançoso o abandonaram e mantiveram distância à sua frente; mas um deles, olhando para trás, viu três homens seguindo o Sr. Por Fim; e eis que quando eles subiram com ele, ele fez um arco muito baixo, e eles também lhe deram um elogio. Os nomes dos homens eram Sr. Mantenha o Mundo, Sr. Amor ao Dinheiro e Sr. Salve Tudo; homens que o Sr. Por Fim conhecera anteriormente; pois em sua infância eram colegas de escola, e ministrados por um Sr. Frio homem um professor no amor de ganho, que é uma cidade no condado de cobiça, no Norte. Este professor ensinou-lhes a arte de obter, seja por violência, trapaça, bajulação, mentira, ou por fingir-se de religião; e esses quatro cavalheiros haviam aprendido muito da arte de seu mestre, de modo que cada um deles poderia manter essa escola.

Bem, quando eles tinham, como eu disse, assim se saudaram, Sr. Amor ao Dinheiro, o amor disse ao Sr. Por Fim:, "Quem são eles na estrada antes de nós?" para Cristão e esperançoso ainda estavam à vista.

Por Fim: Eles são um par de compatriotas distantes, que, após o seu modo, estão em peregrinação.

Amor ao Dinheiro: Ai! por que eles não ficaram, que poderíamos ter tido uma boa companhia? porque eles, e nós, e você, espero, todos estão indo em peregrinação.

Por Fim: Nós somos assim, de fato; mas os homens diante de nós são tão rígidos, e amam tanto suas próprias noções, e também tão levianamente estimam as opiniões dos outros, que, que um homem seja sempre tão piedoso, ainda, se ele não concorda com eles em todas as coisas, eles o expulsaram completamente de sua companhia.

Salve Tudo: Isso é mau; mas lemos sobre alguns que são justos demais, e a rigidez de tais homens os faz julgar e condenar a todos, menos a si mesmos. Mas eu oro, quantas e quantas coisas você diferenciou?

Por Fim: Ora, eles, após a sua maneira teimosa concluir que é seu dever se apressar em sua jornada todos os tempos; e eu estou esperando por vento e maré. Eles são para assumir o risco de todos por Deus em um aplauso; e eu estou por tomar todas as vantagens para garantir minha vida e propriedade. Eles são para manter suas noções, embora todos os outros homens sejam contra eles; mas eu sou para a religião em que e na medida em que, os tempos e minha segurança irão suportá-lo. Eles são para a religião quando em farrapos e desprezo; mas eu sou para ele quando ele anda em seus chinelos dourados, ao sol e com aplausos.

Aguarde. Ay, e mantenha você lá ainda, bom Sr. Por Fim; pois, da minha parte, posso considerá-lo apenas um tolo, que, tendo a liberdade de guardar o que tem, será tão insensato a ponto de perdê-lo. Sejamos sábios como serpentes. É melhor fazer feno enquanto o sol brilha. Você vê como a abelha permanece ainda durante todo o inverno e a domina somente quando ela pode ter lucro e prazer. Deus envia às vezes chuva e às vezes sol; se eles são tão idiotas para passarem pela chuva, ainda assim, vamos nos contentar em ter tempo bom conosco. De minha parte, eu gosto mais dessa religião que vai ficar com a segurança das boas bênçãos de Deus para nós; pois quem pode imaginar, que é governado por sua razão, já que Deus nos concedeu as coisas boas desta vida, mas que Ele nos faria guardá-las por amor a Ele? Abraão e Salomão enriqueceram em religião; e Jó diz que "um bom homem deitará ouro como pó"; mas ele não deve ser como os homens diante de nós, se eles forem como você os descreveu.

Salve Tudo: Acho que estamos todos de acordo nesse assunto e, portanto, não precisamos de mais palavras sobre isso.

Amor ao Dinheiro: Não, não precisa mais de palavras sobre esse assunto; pois aquele que não acredita nem na Escritura nem na razão (e você vê que temos ambos do nosso lado), não conhece sua própria liberdade nem busca sua própria segurança.

E assim esses quatro homens, Sr. Por Fim, Sr. Amor ao Dinheiro, Sr. Salva Tudo, e o velho Sr. Mantenha o Mundo, caminharam juntos, enquanto Cristão e Esperançoso estavam muito adiantados.

Então Cristão e Esperançoso prosseguiram até chegarem a uma planície delicada, chamada Facilidade, onde foram com muito conteúdo; mas essa planície era estreita, então eles rapidamente superaram isso. Agora, no outro lado da planície, havia uma pequena colina chamada Lucre.[4] e naquela colina uma mina de prata, que alguns dos que anteriormente tinham ido por esse caminho, por causa da raridade, se desviaram para ver; mas, aproximando-se muito da beira do abismo, o chão, sendo enganoso debaixo deles, quebrou-se e eles foram mortos; alguns também haviam sido mutilados lá, e não podiam, em seu dia de morte, ser seus próprios homens novamente.

Então eu vi em meu sonho que um pouco fora da estrada, contra a mina de prata, estava Demas (como um cavalheiro) para chamar os passageiros para virem e verem; que disse a Cristão e a seu companheiro: "Vire-se aqui e eu lhe mostrarei uma coisa".

Cristão: Que coisa tão merecedora a ponto de nos desviar do caminho?

Demas: Aqui está uma mina de prata, e alguns cavando nela um tesouro; se você vier, com um pouco de dor, você pode ricamente se sustentar.

Esperançoso: Então disse Esperançoso: "Vamos ver".

Cristão: "Eu não", disse Cristão. "Eu já ouvi deste lugar antes, e quantos foram mortos; e, além disso, esse tesouro é um laço para aqueles que o procuram, pois isso os atrapalha em sua peregrinação."

Cristão: Cristão chamou Demas, dizendo: "O lugar não é perigoso? Não impediu muitos em sua peregrinação?"

Demas: Não é muito perigoso, exceto para aqueles que são descuidados. Mas ao mesmo tempo, ele corou enquanto falava.

Cristão: Em seguida, disse Cristão Esperançoso: "Não vamos agitar um passo, mas ainda assim continuar em nosso caminho."

Esperançoso: Eu lhe garanto que quando as Extremidades chegarem, se ele tiver o mesmo convite que nós, ele irá para lá para ver.

Cristão: Sem dúvida disso, pois seus princípios o levam dessa maneira; e cem para um, mas ele morre lá.

Demas: Então Demas chamou novamente, dizendo: "Mas você não vem e vê?"

Cristão: Então, Cristão respondeu, dizendo: "Demas, tu és um inimigo dos caminhos certos do Senhor deste caminho, e já estavas condenado por tua própria rejeição, por um dos juízes de Sua Majestade; e por que tu procuras para nos condenar também? Além disso, se nos afastarmos de todos, nosso Senhor Rei certamente a ouvirá e nos envergonhará diante de nós.

Demas chorou de novo que ele também era um de seus companheiros, um peregrino como eles, e que, se eles se demorassem um pouco, ele também andaria com eles.

Cristão: Então, disse Cristão: "Qual é o teu nome? Não é o mesmo pelo qual te chamei?"

Demas: Sim, meu nome é Demas; Eu sou o filho de Abraão.

Cristão: Eu conheço você: Geazi era seu bisavô e Judas seu pai, e você pisou em seus passos. É apenas uma brincadeira diabólica que tu usaste: teu pai foi enforcado por um traidor, e tu não mereces melhor recompensa. Assegure-se de que, quando chegarmos ao rei, contaremos a ele esse teu comportamento. Assim eles seguiram o seu caminho.

A essa altura, Por Fim e seus companheiros voltavam à vista e, no primeiro momento, foram até Demas. Agora, se eles caíssem na cova olhando para a borda, ou se descessem para cavar, ou se fossem sufocados no fundo pelos humildes que comumente surgem, dessas coisas eu não tenho certeza; mas isso eu observei, que eles nunca foram vistos novamente no caminho. Então cantou Cristão:

"Ambulâncias e Demas de prata ambos concordam;
Um chama; o outro corre, para que ele seja
Um participante em seu lucro; assim estes dois
Tomam neste mundo, e não mais longe."

Agora, vi que, do outro lado da planície, os peregrinos chegaram a um lugar onde havia um monumento antigo ao lado da estrada; com a visão de que ambos estavam preocupados, por causa da estranheza da sua forma; pois pareceu-lhes como se tivesse sido uma mulher transformada na forma de um pilar. Aqui, portanto, eles ficaram olhando e olhando para ela, mas não puderam dizer por um tempo o que deviam fazer dela. Finalmente Esperançoso espiou escrito acima, sobre a cabeça do mesmo, um escrito em uma mão incomum; mas ele, não sendo nenhum estudioso, ligou para Cristão (pois ele aprendeu), para ver se ele poderia escolher o significado; então ele veio, e depois de um pouco de colocação de cartas juntas, ele encontrou o mesmo para ser isto, "Lembre-se da esposa de Ló". Então ele leu para o seu companheiro; depois disso, ambos concluíram que aquele era o pilar de sal no qual a esposa de Ló virava, pois ela olhava para trás com um coração cobiçoso quando ia de Sodoma. Que visão súbita e surpreendente lhes deu ocasião para falar assim:

Cristão: Ah meu irmão! esta é uma visão sazonal. Ele veio bem a tempo de nós, segundo o convite que Demas nos deu para vir para ver a colina Lucre; e, se tivéssemos ido, como ele nos desejava, e como você estava inclinado a fazer, meu irmão, nós tínhamos, pelo que sei, sido feitos a nós mesmos, como esta mulher, um espetáculo para aqueles que virão depois de contemplar.

Esperançoso: Eu sinto muito por ter sido tão tolo, e sou levado a pensar que não sou agora a esposa de Ló; pois onde estava a diferença entre o pecado dela e o meu? Ela só olhou para trás e eu tive vontade de ir ver. Deixe a bondade de Deus ser louvada; e deixa-me ter vergonha de que alguma coisa assim esteja em meu coração.

Cristão: Vamos observar o que vemos aqui, por nossa ajuda no tempo futuro. Esta mulher escapou de um julgamento, porque ela não caiu pela destruição de Sodoma; mas ela foi destruída por outro, como vemos: ela se transformou em uma coluna de sal.

Esperançoso: Que misericórdia é que nem tu, mas especialmente eu, não sou eu mesmo este exemplo! Isso nos dá razão para agradecer a Deus, temer diante Dele e sempre lembrar a esposa de Ló.

Eu vi, então, que eles foram a caminho de um rio agradável, que Davi, o rei, chamou de "rio de Deus", mas João, "o rio da água da vida". Agora o caminho deles ficava logo na margem desse rio; aqui, portanto, Cristão e seu companheiro caminhavam com grande prazer; bebiam também da água do rio, que era agradável e vivificante para os seus espíritos cansados. Além disso, nas margens desse rio, de ambos os lados, havia árvores verdes que produziam todos os tipos de frutas; e as folhas das árvores eram boas para remédios; com o fruto dessas árvores, eles também ficaram muito satisfeitos; e as folhas que comiam para prevenir doenças, especialmente aquelas que chegam àqueles que esquentam o sangue em viagens. De cada lado do rio também havia um prado, curiosamente embelezado com lírios, e era verde o ano todo. Nesse prado eles se deitaram e dormiram, pois ali poderiam deitar-se em segurança. Quando eles acordaram, eles se reuniram novamente do fruto das árvores e beberam novamente da água do rio, e eles se deitaram novamente para dormir. Isso eles fizeram vários dias e noites. Então eles cantaram:

"Veja, como estas correntes cristalinas planam,
Para confortar os peregrinos ao lado da estrada;
Os prados verdes, além de seu cheiro perfumado,
Guloseimas para eles; e ele quem pode dizer
Que fruto agradável, sim, folhas, estas árvores fazem rendimento, em
breve vender tudo, que ele pode comprar este campo ".
Então, quando eles estavam dispostos a continuar (pois eles ainda não estavam no fim da jornada), eles comeram e beberam e partiram.

Agora, vi em meu sonho que eles não tinham viajado muito, mas o rio e o caminho por um tempo se separaram, no qual não se arrependeram um pouco; ainda assim, eles não se atrevem a sair do caminho. Ora, o caminho do rio era áspero e os pés doloridos em razão de suas viagens; assim as almas dos peregrinos eram muito desencorajadas por causa do caminho. Portanto, enquanto prosseguiam, eles desejavam um caminho melhor. Agora, um pouco antes deles havia, na mão esquerda da estrada, uma campina e um caminho para passar por ela, e aquela campina é chamada de caminho pelo prado. Em seguida, disse Cristão ao seu companheiro: "Se este prado jaz ao longo do nosso caminho, vamos passar por isso." Então ele foi para o estilo para ver; e eis que um caminho se estendia pelo caminho do outro lado da cerca. "É de acordo com o meu desejo", disse Cristão; "aqui é o caminho mais fácil. Venha, bom Esperançoso, e nos deixe ir."

Esperançoso: Mas como se esse caminho nos levasse para fora do caminho?

Cristão: "Isso não é provável", disse o outro. "Olha, não vai junto no esquecimento?" Então, Esperançoso, sendo persuadido pelo seu companheiro, foi atrás dele ao longo do estilo. Quando eles foram embora e entraram no caminho, acharam muito fácil ficarem de pé; e, além disso, eles, olhando diante deles, espiaram um homem andando como eles, e seu nome era Vã Confiança: então eles chamavam por ele e perguntavam-lhe para onde aquele caminho levava. Ele disse: "Para o Portão Celestial". "Olhe", disse Cristão, "não te disse isso? Por isso você pode ver que estamos certos". Então eles seguiram e ele foi adiante deles. Mas eis que a noite chegou e ficou muito escura; de modo que os que estavam por detrás perderam de vista o que foi antes. Ele, portanto, que foi antes (Vã Confiança pelo nome), não vendo o caminho diante dele, caiu em um poço profundo, que foi propositalmente feito pelo príncipe dessas terras para pegar tolos descuidados, ao mesmo tempo e foi despedaçado com a queda dele.

Agora Cristão e seu companheiro o ouviram cair. Então eles ligaram para saber o assunto; mas não havia ninguém para responder, apenas ouviram um gemido. Então disse Esperançoso: "Onde estamos agora?" Então seu companheiro ficou em silêncio, desconfiando que ele o havia tirado do caminho; e agora começava a chover e a trovejar e a iluminar de uma maneira mais terrível, e a água subiu um pouco.

Então Esperançoso gemeu em si mesmo, dizendo: "Oh, que eu continuei no meu caminho!"

Cristão: Quem poderia ter pensado que esse caminho deveria ter nos tirado do caminho?

Esperançoso: Eu estava com medo no começo e, portanto, dei-lhe aquela gentil cautela. Eu teria falado mais claramente, mas que você é mais velho do que eu.

Cristão: Bom irmão, não se ofenda. Lamento muito ter te tirado do caminho e que te coloquei em tão grande perigo. Ore, meu irmão, perdoe-me: não fiz isso de nenhuma intenção maligna.

Esperançoso: Seja consolado, meu irmão, pois eu te perdoo e acredito também que isso será para o nosso bem.

Cristão: Estou feliz por ter comigo um irmão misericordioso; mas não devemos ficar parados: vamos tentar voltar novamente.

Esperançoso: Mas, bom irmão, deixe-me ir antes.

Cristão: Não, por favor. deixe-me ir primeiro, que, se há algum perigo, eu posso ser primeiro nele, porque pelos meus meios que são ambos saíram do caminho.

Esperançoso: "Não, você não deve ir primeiro; porque sua mente está perturbada pode te tirar do caminho novamente." Então, por seu encorajamento, ouviram a voz de alguém dizendo: "Seja o teu coração para a estrada, até o caminho por onde andas; volta-te". Mas a essa altura as águas estavam muito elevadas, e por isso a maneira de voltar era muito perigosa. (Então eu pensei que é mais fácil sair do caminho quando estamos dentro, do que entrar quando estamos fora.) No entanto, eles se comprometeram a voltar; mas estava tão escuro e o dilúvio tão alto que, ao voltarem, eles gostariam de ter se afogado nove ou dez vezes.

Nem podiam, com toda a habilidade que tinham, voltar ao estilo daquela noite. Portanto, finalmente acendendo-se sob um pequeno abrigo, sentaram-se ali até o amanhecer; mas, cansados, adormeceram. Agora, não muito longe do lugar onde estavam, havia um castelo chamado Castelo da Dúvida, cujo proprietário era o Desespero Gigante, e era em seu terreno que agora estavam dormindo; Por isso, levantando-se de manhã cedo e caminhando de um lado para o outro em seus campos, pegou Cristão e Esperançoso dormindo em seu terreno. Então, com uma voz rouca e mal-humorada, convidou-os a acordar e perguntou-lhes de onde eram e o que faziam em seu terreno. Eles disseram que eram peregrinos, e que haviam se perdido. Então disse o gigante: "Você esta noite invadiu-me pisoteando e deitando-se no meu terreno e, portanto, você deve ir junto comigo." Então eles foram forçados a ir, porque ele era mais forte que eles. Eles também tinham pouco a dizer, pois sabiam que estavam em falta. O gigante, portanto, os levou antes dele, e os colocou em seu castelo, em um calabouço muito escuro, desagradável e cheirando vilmente aos espíritos desses dois homens. Aqui, então, eles ficavam de quarta-feira de manhã até sábado à noite, sem um pedaço de pão ou uma gota de bebida, ou luz, ou qualquer outro para perguntar como eles o faziam; eles estavam, portanto, aqui no mal, e estavam longe de amigos e pessoas que eles conheciam. Agora, neste lugar, Cristão tinha uma dor dupla, porque foi através de sua pressa irrefletida que eles foram trazidos para esta aflição.

Agora, o Desespero Gigante tinha uma esposa e seu nome era Desconfiança. Então, quando ele foi para a cama, ele contou a sua esposa o que ele havia feito; a saber, que ele havia levado alguns prisioneiros e os jogado em seu calabouço por invasão de terras. Então ele perguntou a ela também o que ele tinha de fazer melhor para eles. Então ela perguntou-lhe o que eram, de onde vieram e para onde estavam ligados; e ele disse a ela. Então ela o avisou que quando ele se levantasse pela manhã, ele os venceria sem misericórdia. Então, quando ele se levantou, ele adquire-lhe um porrete caranguejo-árvore grave, e desce para o calabouço para eles, e lá primeiro caiu para abusar delas como se fossem cães, embora nunca lhe deu uma palavra de desagrado . Então ele cai sobre eles e bate-os com medo, de tal forma que eles não foram capazes de se ajudar, ou de colocá-los no chão. Feito isso, ele se retira e os deixa lá para lamentar sua miséria e chorar sob sua aflição. Então, todo aquele dia eles passaram o tempo em nada além de suspiros e tristeza amarga. Na noite seguinte, conversando com o marido sobre eles e compreendendo que ainda estavam vivos, aconselhou-o a dizer-lhes para se livrarem de si mesmos. Então, quando a manhã chegou, ele foi até eles de uma maneira grosseira, como antes e, percebendo que eles estavam muito doloridos com as listras que ele tinha dado no dia anterior, ele lhes disse que, uma vez que eles nunca estavam fora daquele lugar, o único caminho seria cometer um fim para si mesmo, seja com faca, cabresto ou veneno: "Por que", disse ele, "você deveria escolher a vida, visto que é acompanhada de tanta amargura? " Mas eles desejaram que ele os deixasse ir. Com isso, ele parecia feio para eles, e correndo até eles, sem dúvida, tinha acabado eles mesmos, mas ele caiu em um dos seus ataques (porque às vezes, em clima ameno, caía), e perdido por um tempo o uso de suas mãos, por isso ele se retirou, e deixou-os como antes para considerar o que fazer. Então os prisioneiros consultavam entre si, se era melhor seguir seu conselho ou não; e assim começaram a discursar:

Cristão: "Irmão", disse Cristão: "o que faremos? A vida que agora vivemos é miserável. De minha parte, não sei se é melhor viver dessa maneira ou morrer sem controle. Minha alma escolhe estrangular em vez de vida e a sepultura é mais fácil para mim do que esta masmorra. Devemos ser governados pelo gigante?

Esperançoso: De fato, nossa condição atual é terrível; e a morte seria muito mais bem-vinda para mim do que para sempre permanecer. Mas, no entanto, pensemos: o Senhor do país para o qual estamos indo diz: "Não matarás", não, não à pessoa de outro homem; muito mais, então, somos proibidos de seguir seu conselho para nos matarmos. Além disso, aquele que mata outro pode, mas cometer assassinato em seu corpo; mas matar a si mesmo é matar corpo e alma de uma só vez. E, além disso, meu irmão, tu falas de facilidade na sepultura; mas tu esqueceste o inferno, para onde, com certeza, vão os assassinos? porque "nenhum homicida tem a vida eterna". E vamos considerar novamente que toda a lei não está nas mãos do Desespero Gigante: outros, tanto quanto posso entender, foram levados por ele tão bem quanto nós, e ainda assim escaparam de suas mãos. Quem sabe, mas que Deus, que fez o mundo, pode fazer com que o Desespero Gigante morra? ou que, em algum momento, ele pode esquecer de nos trancar? ou que ele possa, em um curto espaço de tempo, ter outro de seus ataques diante de nós, e ele pode perder o uso de seus membros? e se alguma vez acontecer de novo, de minha parte, estou decidido a arrancar o coração de um homem, e tentar ao máximo sair de debaixo de sua mão. Eu fui um tolo que não tentei fazer isso antes. Mas, no entanto, meu irmão, tenha paciência e aguente um pouco: pode chegar o tempo que nos dê uma boa libertação; mas não nos deixe ser nossos próprios assassinos.

Com estas palavras, esperançoso neste momento acalmou a mente de seu irmão; então eles continuaram juntos no escuro naquele dia, em sua triste e triste condição.

Bem, em direção à noite, o gigante desce novamente para a masmorra, para ver se seus prisioneiros haviam tomado seu conselho. Mas, quando ele chegou lá, encontrou-os vivos; e verdadeiramente, vivo era tudo; por enquanto, o que por falta de pão e água, e em razão das feridas que receberam quando os espancou, eles puderam fazer pouco além de respirar. Mas, eu digo, ele os encontrou vivos; em que ele caiu em uma fúria grave, e disse-lhes que, vendo que haviam desobedecido a seu conselho, deveria ser pior com eles do que se nunca tivessem nascido.

Com isso, tremeram muito e acho que Cristão caiu em desmaio; mas, voltando um pouco para si mesmo, eles renovaram o discurso sobre o conselho do gigante e se, no entanto, era melhor aceitar ou não. Agora, Cristão novamente parecia fazer isso; mas esperançoso fez sua segunda resposta como segue:

Esperançoso: "Meu irmão", disse ele, "Lembras-te e não como valente tu tens sido até aqui? Apoliom não poderia esmagar-te, nem podia tudo o que fizeste ouvir ou ver, ou sentir-se no vale da sombra da morte. Que desgraça, terror e assombro você já passou! E agora és nada além de medo? Tu vês que eu estou na masmorra contigo, um homem muito mais fraco por natureza do que tu, também este gigante me feriu também como também tu, e cortares também o pão e a água da minha boca, e contigo, eu choro sem a luz, mas tenhamos um pouco mais de paciência. Lembra-te como te mostraste o homem da Feira das Vaidades, e não foste com medo da corrente, nem da gaiola, nem ainda da morte sangrenta. Portanto, vamos (pelo menos para evitar a vergonha que não se torna um cristão para ser encontrado) suportar a paciência, tanto quanto pudermos.

Agora, chegando a noite novamente, e o gigante e sua esposa estando na cama, ela perguntou a ele sobre os prisioneiros, e se eles tinham seguido o seu conselho: ao que ele respondeu: "Eles são robustos patifes; preferem suportar todas as dificuldades." do que se livrar de si mesmos ". Então ela disse: "Leve-os para o pátio do castelo amanhã, e mostre-lhes os ossos e crânios daqueles que você já matou; e faça-os acreditar, antes que uma semana termine, tu os rasgarás também em pedaços, como tu fizeste seus companheiros diante deles. "

Então, quando a manhã chegou, o gigante vai até eles novamente, e os leva para o pátio do castelo e os mostra como sua esposa o havia mandado. "Estes", disse ele, "eram peregrinos, como você é, uma vez, e eles invadiram meus terrenos como você fez; e quando julguei apropriado, rasguei-os em pedaços; e dentro de dez dias eu os farei. Vá, leve você até sua toca novamente. E, com isso, ele os derrotou todo o caminho até lá. Eles ficam, portanto, o dia todo no sábado, em um caso lamentável, como antes. Agora, quando a noite chegou, e quando a Sra. Desconfiança e seu marido, o gigante foram para a cama, eles começaram a renovar a conversa sobre seus prisioneiros; e, além disso, o velho gigante imaginou que não podia, nem por seus golpes nem pelo conselho, acabar com eles. E, com isso, sua esposa respondeu: "Temo", disse ela, "que eles vivam na esperança de que alguns venham para aliviá-los; ou que eles tenham picles ao redor deles, por meio dos quais eles esperam escapar". "E você diz, minha querida?" disse o gigante: "Por isso vou procurá-los de manhã".

Bem, no sábado, por volta da meia-noite, eles começaram a orar e continuaram em oração até quase romper o dia.

Agora, um pouco antes do dia, o bom cristão, meio espantado, desdobra-se nesse discurso sincero: "Que idiota", ele disse, "devo deitar-me em um calabouço mal-cheiroso, quando também posso ande em liberdade! Eu tenho uma chave em meu peito chamada Promessa, que, tenho certeza, abrirá qualquer fechadura no Castelo da Dúvida. " Então disse esperançoso: "Isso é uma boa notícia, bom irmão:. Arranca-o do teu seio, e tentar"

Então Cristão tirou-o do colo e começou a tentar na porta da masmorra, cuja tranca, quando ele girou a chave, devolveu a porta e a abriu com facilidade, e Cristão e Esperançoso saíram. Então ele foi para a porta de saída que leva para o pátio do castelo, e com a chave dele abriu aquela porta também. Depois, ele foi até o portão de ferro, pois isso também deve ser aberto; mas aquela fechadura ficou extremamente dura, mas a chave abriu-a. Então eles abrem o portão para fugir com rapidez; mas aquele portão, quando aberto, fez um rangido tão grande que despertou o Desespero Gigante que, apressadamente se levantando para perseguir seus prisioneiros, sentiu seus membros fracassarem; porque seus ataques o tomavam de novo, de modo que ele não podia ir atrás deles. Então eles prosseguiram e voltaram para a estrada do Rei, e por isso estavam seguros porque estavam fora do governo do Desespero Gigante.

Agora, quando eles foram embora, eles começaram a inventar consigo mesmos o que deveriam fazer para evitar que aqueles que deveriam vir depois caíssem nas mãos do Desespero Gigante. Então eles concordaram em construir um pilar lá, e para gravar ao lado desta frase: "Sobre este estilo é o caminho para Duvidar do Castelo, que é mantido pelo Desespero Gigante, que despreza o Rei do País Celestial, e procura destruir Seus santos peregrinos ". Muitos, portanto, que se seguiu depois, ler o que estava por escrito, e escapou do perigo. Feito isso, eles cantaram da seguinte forma:

"Fora do caminho fomos, e então encontramos o
que pisar em terra proibida:
E os que vierem depois tenham cuidado, a
fim de que a negligência não os torne como devemos proceder; para
que eles não ultrapassem os seus prisioneiros, sejam eles
quem duvidar do castelo". e cujo nome é Desespero ".

~

John Bunyan

O peregrino. Parte I. Capítulo VII.
Disponível sob o título The Pilgrim's Progress em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: