O peregrino - X


Eu vi então no meu sonho que Esperançoso olhou para trás, e viu a Ignorância, a quem eles haviam deixado para trás, vir depois. "Olhe", disse ele para Cristão, "até onde o jovem anda vagueando atrás".

Cristão: Ay, ai, eu o vejo: ele não se importa com a nossa companhia.

Esperançoso: Mas eu acho que não teria machucado ele, se ele tivesse mantido o ritmo conosco até agora.

Cristão: Isso é verdade; mas eu garanto que ele pensa o contrário.

Esperançoso: Isso eu acho que ele faz; mas, no entanto, vamos nos deter por ele. Então eles fizeram.

Cristão: Então Cristão disse-lhe: "Venha embora, cara; por que você fica tão para trás?"

Ignorância: Eu tenho o prazer de andar sozinho, ainda mais do que em companhia, a menos que eu goste, melhor.

Então disse Cristão a Esperançoso (mas suavemente): "Eu não lhe disse que ele não se importava com a nossa companhia? Mas, no entanto," disse ele, "venha, e deixe-nos falar o tempo neste lugar solitário". Então, dirigindo seu discurso para a Ignorância, ele disse: "Venha, como vai você? Como está isso entre Deus e sua alma agora?"

Ignorância: Eu espero bem; pois estou sempre cheio de bons pensamentos, que me vêm à mente para me consolar enquanto ando.

Cristão: Quais bons movimentos? ore diga-nos.

Ignorância: Por que, penso em Deus e no céu.

Cristão: O mesmo acontece com os demônios e almas perdidas.

Ignorância: Mas penso neles e desejo-os.

Cristão: Então, muitos que nunca gostam de ir até lá. "A alma do preguiçoso deseja e não tem nada."

Ignorância: Mas eu penso neles e deixo tudo para eles.

Cristão: Isso eu duvido, porque partir de tudo é uma questão muito difícil; sim, uma questão mais difícil do que muitos sabem. Mas por que, ou por que, você é persuadido de que deixaste tudo para Deus e para o céu?

Ignorância: Meu coração me diz isso.

Cristão: O sábio diz: "Aquele que confia no seu próprio coração é um tolo."

Ignorância: Isso é falado de um coração maligno; mas o meu é bom.

Cristão: Mas como você prova isso?

Ignorância: Isso me conforta nas esperanças do céu.

Cristão: Isso pode ser por meio de sua falsidade; pois o coração de um homem pode ministrar conforto a ele na esperança daquela coisa para a qual ele ainda não tem motivo para esperar.

Ignorância: Mas meu coração e vida concordam juntos; e, portanto, minha esperança é bem fundamentada.

Cristão:te disse que teu coração e vida concordam juntos?

Ignorância: Meu coração me diz isso.

Cristão: Ao meu companheiro se eu for um ladrão! Teu coração te fala assim! Exceto que a Palavra de Deus te diz neste assunto, outro testemunho não tem valor.

Ignorância: Mas não é um bom coração que tem bons pensamentos? e não é que uma vida boa esteja de acordo com os mandamentos de Deus?

Cristão: Sim, esse é um bom coração que tem bons pensamentos e que é uma boa vida que está de acordo com os mandamentos de Deus; mas é uma coisa, na verdade, ter essas e outra coisa apenas pensar assim.

Ignorância: Ora, que te contam bons pensamentos e uma vida segundo os mandamentos de Deus?

Cristão: Há bons pensamentos de muitos tipos: alguns respeitando a nós mesmos, algum Deus, algum Cristo e algumas outras coisas.

Ignorância: Você vai tão rápido que não consigo acompanhar seu ritmo. Você continua antes: eu devo ficar um pouco para trás.

Então eles disseram:

"Bem, Ignorância, tu ainda serás tolo,
Para um bom conselho, dez vezes te dei?
E se tu ainda recusares, saberás
É muito tempo, o mal de você fazer isso.
Lembre-se, cara, no tempo; inclinar-se, não tenha medo;
Bom conselho, bem recebido, salva; portanto, ouça:
Mas, se tu ainda o ignorares, serás
O perdedor, Ignorância, eu vou te garantir. "

Então Cristão se dirigiu assim ao seu companheiro:

Cristão: Bem, venha, meu bom Esperançoso; Eu percebo que tu e eu devemos andar por nós mesmos novamente.

Então eu vi no meu sonho que eles iam em frente antes, e Ignorância ele veio mancando depois. Em seguida, disse Cristão ao seu companheiro: "Tenho pena de mim por este pobre homem: ele certamente ficará doente com ele afinal."

Esperançoso: Ai! há abundância em nossa cidade em sua condição, famílias inteiras, sim, ruas inteiras e também de peregrinos; e se há tantos em nossas partes, quantos, pensam você, deve haver no lugar onde ele nasceu?

Cristão: De fato, a Palavra diz: "Cegou-lhes os olhos, para que não vejam".

Esperançoso: Bem dito; Eu acredito que você tenha dito a verdade. Já estamos quase passando pelo Campo Encantado?

Cristão: Por que você está cansado de falar?

Esperançoso: Não, em verdade; mas eu saberia onde estamos.

Cristão: Não temos agora mais de duas milhas adiante. Bem, vamos deixar neste momento a nossa vizinha Ignorância, e cair sobre outro assunto.

Esperançoso: Com todo meu coração; mas você ainda deve começar.

Cristão: Bem, então, você não sabia, cerca de dez anos atrás, um Temporário em suas partes, quem era um homem avançado na religião então?

Esperançoso: Conhecê-lo! sim; ele morava em Sem Graça, uma cidade a cerca de três quilômetros de honestidade, e ele morava ao lado de um Voltar.

Cristão: Certo, ele morava sob o mesmo teto com ele. Bem, esse homem foi muito despertado uma vez: creio que então ele teve uma visão dos seus pecados, e da punição que era devido a isso.

Esperançoso: Eu sou da sua mente; pois (minha casa não estando acima de três milhas dele) ele freqüentemente vinha a mim, e isso com muitas lágrimas. Em verdade, senti pena do homem e não estava totalmente sem esperanças dele; mas alguém pode ver, não é todo aquele que clama "Senhor! Senhor!"

Cristão: Ele me disse uma vez que estava decidido a peregrinar como fazemos agora; mas, de repente, ele se familiarizou com um certo eu, e então se tornou um estranho para mim, pois naquela época ele desistiu de ir em peregrinação.

~

John Bunyan

O peregrino. Parte I. Capítulo X.
Disponível sob o título The Pilgrim's Progress em Gutenberg.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: