A conexão entre o conhecimento de Deus e o conhecimento de nós mesmos

A sabedoria verdadeira e substancial consiste principalmente em duas partes, o conhecimento de Deus e o conhecimento de nós mesmos. Mas, embora esses dois ramos do conhecimento estejam tão intimamente conectados, um deles precede e produz o outro, não é fácil descobrir. Pois, em primeiro lugar, ninguém pode tomar um inquérito de si mesmo, mas ele deve voltar imediatamente para a contemplação de Deus, em quem “vive e se move;” [1] , uma vez que é evidente que os talentos que possuímos não são de nós mesmos e que nossa própria existência não é nada senão uma subsistência somente em Deus. Estas recompensas, destilando-nos por gotas do céu, formam, por assim dizer, tantas correntes nos conduzindo à fonte-cabeça. Nossa pobreza conduz a uma demonstração mais clara da infinita plenitude de Deus. Especialmente, a miserável ruína, na qual fomos mergulhados pela deserção do primeiro homem, nos obriga a elevar nossos olhos para o céu, não apenas como famintos e famintos, para procurarmos suprir nossos desejos, mas, excitado pelo medo, aprender a humildade. Pois, como o homem está sujeito a um mundo de misérias e foi mimado por sua disposição divina, essa exposição melancólica descobre uma imensa massa de deformidades: portanto, cada um deve ficar tão impressionado com a consciência de sua própria infelicidade quanto chegar a algum conhecimento de Deus. Assim, um senso de nossa ignorância, vaidade, pobreza, fraqueza, depravação e corrupção nos leva a perceber e reconhecer que somente no Senhor se encontra verdadeira sabedoria, força sólida, bondade perfeita e retidão imaculada; e assim, por nossas imperfeições, estamos entusiasmados com a consideração das perfeições de Deus. Nem podemos realmente aspirar a ele, até começarmos a nos desagradar com nós mesmos. Pois quem não ficaria feliz em ficar satisfeito consigo mesmo? Onde o homem não está realmente absorto em autocomplacência, enquanto ele não está familiarizado com sua verdadeira situação, ou contente com suas próprias qualidades, e ignorante ou esquecido de sua própria miséria? O conhecimento de nós mesmos, portanto, não é apenas um incitamento a buscar a Deus, mas também uma ajuda considerável para encontrá-lo.

II. Por outro lado, é claro que nenhum homem pode chegar ao verdadeiro conhecimento de si mesmo, sem antes ter contemplado o caráter divino, e então descido à consideração de si mesmo. Pois, tal é o orgulho nativo de todos nós, nós nos estimamos invariavelmente justos, inocentes, sábios e santos, até que nos convençamos, por provas claras, de nossa injustiça, torpeza, loucura e impureza. Mas nunca estamos assim convencidos, enquanto limitamos nossa atenção a nós mesmos e não consideramos o Senhor, que é o único padrão pelo qual esse julgamento deve ser formado. Porque, da nossa natural inclinação à hipocrisia, qualquer aparência vã de justiça nos abunda abundantemente em vez da realidade; e, cada coisa dentro e em torno de nós sendo excessivamente corrompida, estamos encantados com o que é menos importante, como extremamente puro, enquanto limitamos nossas reflexões dentro dos limites da corrupção humana. Assim, o olho, acostumado a ver nada além de preto, julga ser muito branco, que é esbranquiçado, ou talvez marrom. De fato, os sentidos de nossos corpos podem nos ajudar a descobrir quão grosseiramente erramos ao estimar os poderes da alma. Pois se, ao meio-dia, olharmos para o chão ou para qualquer objeto circundante, concluímos que nossa visão é muito forte e penetrante; mas quando levantamos os olhos e olhamos fixamente para o sol, eles são ao mesmo tempo ofuscados e confundidos com tal brilho, e somos obrigados a confessar que nossa visão, tão penetrante ao ver coisas terrestres, quando direcionada ao sol é a própria escuridão. Assim também acontece na consideração de nossos dons espirituais. Enquanto nossas visões estiverem limitadas pela terra, perfeitamente satisfeitas com as nossas próprias retidão, sabedoria e força, nos lisonjeamos carinhosamente e imaginamos que somos pouco menos que semideuses. Mas, se uma vez elevarmos nossos pensamentos a Deus, e considerarmos a natureza dele, e a consumada perfeição de sua justiça, sabedoria e força, à qual devemos nos conformar - o que antes nos encantou em nós sob o falso pretexto da justiça. logo será odiado como a maior iniquidade; o que nos enganou estranhamente sob o título de sabedoria será desprezado como uma loucura extrema; e o que usava a aparência de força, provará ser a impotência mais infeliz. Tão distante da pureza divina é o que parece em nós a mais alta perfeição.

III. Daí esse horror e assombro com que a Escritura sempre representa os santos por terem sido impressionados e perturbados, em toda descoberta da presença de Deus. Pois quando vemos aqueles que antes de sua aparência permanecerem seguros e firmes, tão atônitos e atemorizados com a manifestação de sua glória, quanto a desmaiar e quase expirar por medo, - devemos inferir que o homem nunca é suficientemente afetado com o conhecimento de sua própria maldade, até que ele se comparou com a Divina Majestade. Dessa consternação, temos exemplos frequentes nos Juízes e Profetas; de modo que era uma expressão comum entre o povo do Senhor - "Nós morreremos, porque vimos Deus". [2] Portanto, a história de Jó, para humilhar os homens com uma consciência de sua poluição, impotência e loucura, deriva seu principal argumento. a partir de uma descrição da pureza divina, poder e sabedoria. E não sem razão. Para vermos como Abraão, quanto mais próximo ele se aproximava para contemplar a glória do Senhor, mais plenamente se reconhecia como sendo apenas “pó e cinzas”; [3] e como Elias [4] não pôde suportar sua abordagem sem cobrir o rosto, sua aparência é tão formidável. E o que pode o homem, todo desprezível e corrupto, quando o medo constrange até mesmo os querubins a velar seus rostos? É disso que o profeta Isaías fala - “a lua será confundida, e o sol se envergonhará, quando o Senhor dos Exércitos reinará” [5], isto é, quando ele fizer uma exibição mais completa e mais próxima de seu esplendor, eclipsará o esplendor do objeto mais brilhante além. Mas, embora o conhecimento de Deus e o conhecimento de nós mesmos estejam intimamente conectados, a ordem apropriada de instrução exige que primeiro tratemos do primeiro e, então, passemos à discussão do segundo.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] - Atos 17. 2
[2] - Juiz. 13. 22
[3] - Gen. 18. 27
[4] - 1 Reis 19. 13
[5] - Isaías 6. 2; 24. 23

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: