O problema lógico do mal: a resposta de um molinista

Problema lógico do mal

Interpretando as premissas:

Em 1955, JL Mackie postulou que existe uma contradição lógica entre as três proposições a seguir:

1) Deus é onipotente

2) Deus é onibenevolente

3) Há mal no mundo [1]

O ponto crucial do argumento de Mackie é que Deus não pode existir se o mal existir - portanto, Deus não existe. Imediatamente aparentes são as numerosas suposições feitas nas proposições. O mais proeminente, e como o próprio Mackie aceitaria, a divindade em questão deve ser o maior ser concebível, para emprestar a terminologia anselmiana. Este autor, de fato, procederá de acordo com as conclusões bíblicas da teologia do ser perfeito, rejeitando as suposições menos ortodoxas da teologia do processo e da teodiceia de Irineu de John Hick.

Para começar a avaliar a conclusão defeituosa de Mackie, será benéfico dissecar as proposições oferecidas. Mais importante ainda, é evidente (mesmo para o próprio Mackie) que algum conjunto de premissas adicionais ou ocultas deve ser aceito para provar que as três proposições dadas acima são verdadeiramente contraditórias. Mais especificamente, se alguém sustentar que as declarações, (1) um Deus onipotente e onibenevolente existe e (2) o mal existe, são logicamente incompatíveis, mais explicações sobre esses termos devem ser fornecidas. Pois simplesmente afirmar as conclusões acima é assumir um entendimento específico de "onipotência", "onibenevolência" e "mal". Aqui chegamos novamente ao problema com dogmas assumidos e filosofias inadequadas. Pois Mackie apresenta claramente uma visão de Deus remanescente da conclusão de Descartes, na qual mesmo as leis da lógica não impõem um limite a Deus. Relacionada a essa "premissa oculta" está a concepção de onibenevolência, na qual, se Deus é realmente maximamente bom, então Ele desejaria um mundo livre do mal. Visto que Deus é simultaneamente onipotente (e sob a suposição desacartiana, não limitado pela lógica), Eleiria concretizar um mundo sem o mal. Supondo que Deus possa criar qualquer mundo que Ele deseje, é necessária uma premissa não revelada, baseada em lógica estranha ao incompatibilista, como ainda resta mostrar.


Defesa do Livre Arbítrio

Alvin Plantinga ofereceu pela primeira vez a defesa do livre arbítrio, em resposta ao problema lógico do mal de JL Mackie. Destacando as suposições e premissas apresentadas na seção anterior, Plantinga desconstruiu com êxito a contradição proposta. Nas suas próprias palavras,

O cerne da Defesa do Livre Arbítrio é a afirmação de que é possível que Deus não pudesse ter criado um universo contendo bem moral (ou tanto moral como este mundo) sem criar um que também contivesse o mal moral. E se sim, então é possível que Deus tenha uma boa razão para criar um mundo que contenha o mal. [2]   

Para expor esse argumento, deve ser simplesmente possível que os seres humanos tenham livre-arbítrio libertário para que as premissas sobre a natureza da onibenevolência e onipotência de Deus sejam comprovadas como não necessariamente verdadeiras. [3] Mais especificamente, as suposições de que Deus pode criar qualquer mundo que Ele deseja (em virtude de Sua onipotência) e favoreceria um mundo livre do mal (por Sua onibenevolência) não são necessariamente verdadeiras.

Certamente, a possibilidade de liberdade libertária é quintessencial para esse argumento, que mina imediatamente o determinismo calvinista. Mas, novamente, vincular nossas definições de onibenevolência e onipotência a obedecer necessariamente às conclusões de qualquer dogma, como os de Calvino e Descartes, não faz nada para refutar a possibilidade de Deus e o mal existirem simultaneamente. Além disso, o mal natural remanescente presente no mundo atual pode ser o resultado de Satanás e seus companheiros expressarem seu próprio livre arbítrio. [4] Como o próprio Mackie admitiu, essa defesa oferecida por Plantinga realmente elimina o problema lógico do mal. O que devemos abordar agora, no entanto, é o problema probabilístico ou evidencial do mal. No entanto, será benéfico expor primeiro a natureza aparentemente teórica da defesa de Plantinga, mostrar que a mesma lógica de possibilidades pode nos aproximar da probabilidade na área de uma teodiceia bem definida.


Mundos possíveis e viáveis

Seguindo o raciocínio do incompatibilismo, pode-se postular com sucesso a bondade inerente aos seres criadores de Deus com verdadeiro e livre arbítrio libertário. De fato, parece antitético sugerir que Deus criaria meros autômatos, programados para desempenhar a função de adoração, especialmente quando Ele já tem criaturas vinculadas a esse dever. [5] Parece que nosso valor para Deus é talvez maior do que os anjos que nós “julgaremos”. [6]De qualquer forma, parece ainda mais significativo ter humanos que escolhem livremente adorar a Deus, mesmo quando confrontados com a atração oposta de desejos pecaminosos. Do lado negativo, o livre arbítrio também nega qualquer sugestão de que Deus possa ser responsável pelo mal. Se alguém adota uma visão de mundo determinística - em que Deus determina as ações das criaturas - é quase impossível escapar às implicações de uma causa direta.

Com as virtudes de uma visão incompatibilista estabelecida, permanece a tarefa crucial de discernir as razões pelas quais Deus atualizou esse mundo específico. Segundo o molinista, Deus discerne todos os contrafactuais da liberdade criativa de acordo com as circunstâncias contingentes. A procissão coletiva como um todo e derradeira desses contrafatuais constitui, assim, a gama de mundos possíveis que Deus poderia realizar.

Agora, deve-se supor que o maior ser concebível escolheria intencionalmente atualizar um mundo em que Seus propósitos seriam realizados. Além disso, eu ofereceria que, dado Seu raciocínio para criar o homem em particular, Deus traria logicamente um mundo que lhe traria a maior quantidade de glória. Dada a realidade do livre arbítrio, isso deve ser mais explorado. Um mundo em que todos escolhem apenas o bem certamente pode ser possível para Deus realizar, embora provavelmente não seja viável. Podemos imaginar que esse mundo contenha cinco criaturas, que vivem cinco minutos após a criação - um cenário com significativamente menos glória sendo dada a Deus em comparação com o mundo real. É preciso assumir ainda que o raciocínio de Deus é muito mais inescrutável, e a natureza do "inviável" é muito mais complexa para um ser perfeito. Além disso, não parece benéfico adaptar a visão de Leibniz, na qual Deus é visto como atualizando o maior mundo possível. Em vez disso, pode-se supor que Ele atualizou o melhor mundo possível que era viável para Ele e, finalmente, alcançaria Seus propósitos. Adotar a lógica de Leibniz aqui levaria a uma progressão quantitativa infinita de bens, em que um fim é logicamente não localizável. Para concluir esta seção, é uma possível explicação para a existência do mal, utilizando a visão do conhecimento intermediário: “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe.” não parece benéfico adaptar a visão de Leibniz, na qual Deus é visto como atualizando o maior mundo possível. Em vez disso, pode-se supor que Ele atualizou o melhor mundo possível que era viável para Ele e, finalmente, alcançaria Seus propósitos. Adotar a lógica de Leibniz aqui levaria a uma progressão quantitativa infinita de bens, em que um fim é logicamente não localizável. Para concluir esta seção, é uma possível explicação para a existência do mal, utilizando a visão do conhecimento intermediário: “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe. ” não parece benéfico adaptar a visão de Leibniz, na qual Deus é visto como atualizando o maior mundo possível. Em vez disso, pode-se supor que Ele atualizou o melhor mundo possível que era viável para Ele e, finalmente, alcançaria Seus propósitos. Adotar a lógica de Leibniz aqui levaria a uma progressão quantitativa infinita de bens, em que um fim é logicamente não localizável. Para concluir esta seção, é uma possível explicação para a existência do mal, utilizando a visão do conhecimento intermediário: “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe. ” pode-se supor que Ele atualizou um mundo melhor possível, que era viável para Ele e, finalmente, alcançaria Seus propósitos. Adotar a lógica de Leibniz aqui levaria a uma progressão quantitativa infinita de bens, em que um fim é logicamente não localizável. Para concluir esta seção, é uma possível explicação para a existência do mal, utilizando a visão do conhecimento intermediário: “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe. ” pode-se supor que Ele atualizou um mundo melhor possível, que era viável para Ele e, finalmente, alcançaria Seus propósitos. Adotar a lógica de Leibniz aqui levaria a uma progressão quantitativa infinita de bens, em que um fim é logicamente não localizável. Para concluir esta seção, é uma possível explicação para a existência do mal, utilizando a visão do conhecimento intermediário: “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe. ” “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe.” “Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem quanto o mundo real, mas tivesse menos mal, tanto em quantidade quanto em qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe.” [7] Agora é tarefa deste escritor abordar o problema evidencial do mal usando o raciocínio indutivo.


Trabalhos citados:
[1] JL Mackie, "Evil and Onipotence" In Mind , (Oxford: Oxford University Press, 1955), 200-212.
[2] Alvin Plantinga, Deus, Liberdade e Mal, (Grand Rapids: Eerdmans, 2008), 31.
[3] William Lane Craig, JP Moreland, Philosophical Foundations for a Christian Worldview - Fundamentos Filosóficos para uma cosmovisão cristã, (Downers Grove: InterVarsity Press, 2004), 1601-04.
[4] Plantinga, Deus, 58.
[5] Cf. Isaías 6: 2-3. Apocalipse 4: 8.
[6] Cf. 1 Coríntios 6: 3, veja também Hebreus 1: 4.
[7] Craig, Foundations, 1609.
~

Por: Austin Doucette

Disponível em: molinism.com
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: