Como todos, sem exceção, são encarregados de se dedicar a Deus

EU TENHO nos capítulos precedentes, passei pelos vários grandes exemplos de devoção cristã, e mostrei que todas as partes de nossa vida em comum, nossos empregos, nossos talentos e dons de fortuna, devem ser santificados e aceitos por Deus. um uso sábio e religioso de tudo, e direcionando nossas ações e projetos para tais fins que sejam adequados à honra e glória de Deus.

Mostrarei agora que essa regularidade da devoção, essa santidade da vida comum, esse uso religioso de tudo o que temos, é uma devoção que é o dever de todas as ordens do povo cristão.

Fulvius [1] teve uma educação instruída e tirou seus diplomas na universidade; Ele veio daí, que ele poderia estar livre de quaisquer regras da vida. Ele não adquire nenhum emprego sobre ele, nem entra em qualquer negócio, porque ele pensa que todo emprego ou negócio chama as pessoas para o desempenho cuidadoso e apenas o cumprimento de seus vários deveres. Quando ele é grave, ele lhe dirá que ele não entrou em ordens sagradas, porque ele considera ser um estado que requer grande santidade de vida, e que não convém ao seu temperamento ser tão bom. Ele lhe dirá que nunca pretende se casar, porque não pode se comprometer com essa regularidade de vida e bom comportamento, o que ele considera ser o dever daqueles que estão à frente de uma família. Ele se recusou a ser padrinho de seu sobrinho, porque ele não terá confiança de nenhum tipo para responder.

Fúlvio pensa que é consciencioso nessa conduta e, portanto, está contente com a vida mais ociosa, impertinente e descuidada.

Ele não tem religião, nem devoção, nem pretensões à piedade. Ele não vive de nenhuma regra, e acha que tudo está muito bem, porque ele não é nem sacerdote, nem pai, nem guardião, nem tem qualquer emprego ou família para cuidar.

Mas Fulvius, você é uma criatura racional e, como tal, é tão obrigado a viver de acordo com a razão e a ordem, quanto um padre é obrigado a comparecer ao altar ou um guardião para ser fiel ao seu. Mas Fulvius, você é uma criatura racional e, como tal, é tão obrigado a viver de acordo com a razão e a ordem, quanto um padre é obrigado a atender ao altar ou um guardião a ser fiel à sua confiança: se você vive contrário à razão , você não comete um pequeno crime, você não quebra uma pequena confiança; mas você quebra a lei de sua natureza, você se revolta contra Deus que lhe deu essa natureza, e se coloca entre aqueles a quem o Deus da razão e da ordem punirá como apóstatas e desertores.

Embora você não tenha emprego, no entanto, ao ser batizado na profissão da religião de Cristo, você é tão obrigado a viver de acordo com a santidade do espírito cristão quanto a cumprir todas as promessas feitas no seu batismo, como qualquer homem é obrigado a fazer. para ser honesto e fiel em seu chamado. Se você abusar deste grande chamado, você não é falso em um assunto pequeno, mas você abusar do precioso sangue de Cristo; você crucifica o Filho de Deus novamente; você negligencia as mais altas instâncias da bondade divina; você desgraça a Igreja de Deus; você mancha o corpo de Cristo; você abusar dos meios da graça e das promessas da glória; e será mais tolerável para Tiro e Sidon no dia do julgamento do que para você.

Portanto, é uma grande loucura para qualquer um pensar-se em liberdade para viver como lhe apraz, porque ele não está em tal estado de vida como alguns outros são: pois se há algo de terrível no abuso de qualquer confiança; se há algo a ser temido pela negligência de qualquer chamado; não há nada mais a ser temido do que o uso errado de nossa razão, nem nada mais para ser temido do que a negligência de nosso chamado cristão, que não é servir aos pequenos usos de uma vida curta, mas redimir almas a Deus, Encha o Céu com os santos e termine um reino de eterna glória para Deus.

Nenhum homem, portanto, deve se considerar dispensado da exatidão da piedade e da moralidade, porque escolheu ser ocioso e independente no mundo; pois as necessidades de uma vida razoável e santa não estão fundamentadas nas diversas condições e empregos desta vida, mas na natureza imutável de Deus e na natureza do homem. Um homem não deve ser razoável e santo, porque é padre ou pai de família; mas ele deve ser um sacerdote piedoso e um bom pai, porque a piedade e a bondade são as leis da natureza humana. Poderia algum homem agradar a Deus, sem viver de acordo com a razão e a ordem, não haveria nada que desagrade a Deus em um padre ocioso ou um pai réprobo? Ele, portanto, que abusa de sua razão, é como ele que abusa do sacerdócio; e aquele que negligencia a santidade da vida cristã é como o homem que desconsidera a mais importante confiança.

Se um homem escolhesse apagar os olhos, em vez de desfrutar da luz, e ver as obras de Deus; se ele voluntariamente se matar, recusando-se a comer e beber; cada um seria dono de que tal pessoa fosse um rebelde contra Deus, que justamente merecia a mais alta indignação. Você não diria que isso era apenas pecaminoso em um padre, ou um mestre de uma família, mas em todo homem como tal.

Agora, em que consiste a pecaminosidade desse comportamento? Não consiste nisso, que ele abusa de sua natureza, e se recusa a agir daquela parte para a qual Deus o criou? Mas se isso for verdade, então todas as pessoas que abusam de sua razão, que agem de forma diferente daquela para a qual Deus as criou, são como este homem, rebeldes contra Deus e, da mesma maneira, sujeitos à Sua ira.

Suponhamos que esse homem, em vez de tirar os olhos, só os empregou para olhar para coisas ridículas ou encerrá-las durante o sono; que, em vez de morrer de fome, não comendo nada, deveria transformar cada refeição em um banquete e comer e beber como um epicurista; Pode-se dizer que ele viveu mais para a glória de Deus? Poderia ele mais ser dito para representar a parte para a qual Deus o criou, do que se ele tivesse posto os olhos e morrido de fome?

Agora, suponha que um homem esteja agindo de maneira irracional; Suponha, porém, que ele extingue sua razão, em vez de apagar os olhos e viver em um curso de insensatez e impertinência, em vez de morrer de fome; e então você descobriu um grande rebelde contra Deus.

Pois aquele que tira os olhos, ou se mata, só tem essa culpa, que ele abusa dos poderes que Deus lhe deu; que ele se recusa a agir daquela parte para a qual ele foi criado, e se coloca em um estado que é contrário à vontade Divina. E certamente esta é a culpa de todo aquele que vive uma vida insensata, profana e tola.

Como, portanto, nenhum estado particular, ou vida privada, é uma desculpa para o abuso de nossos corpos, ou auto-estima, então nenhum estado particular, ou vida privada, é uma desculpa para o abuso de nossa razão, ou a negligência da santidade. da religião cristã. Pois certamente é tanto a vontade de Deus que devemos fazer o melhor uso de nossas faculdades racionais, que devemos nos conformar com a pureza e santidade do cristianismo, como é a vontade de Deus que devemos usar nossos olhos, e comer e beber para a preservação de nossas vidas.

Até que, portanto, um homem possa mostrar que ele sinceramente se esforça para viver de acordo com a vontade de Deus, para ser aquilo que Deus exige que ele seja; até que ele possa mostrar que está se esforçando para viver de acordo com a santidade da religião cristã; seja ele quem for, ou onde quer que ele seja, ele tem tudo para responder, que tem, que se recusa a viver, que abusa dos maiores trustes e negligencia o mais alto chamado do mundo.

Todos reconhecem que todas as ordens de homens devem ser igualmente e exatamente honestas e fiéis; não há exceção a ser feita nesses deveres, para qualquer estado particular ou particular da vida. Agora, se quisermos apenas atender à razão e à natureza das coisas, se considerarmos apenas a natureza de Deus e a natureza do homem, devemos encontrar a mesma necessidade para qualquer outro uso correto de nossa razão, para cada graça, ou temperamento religioso da vida cristã; deveríamos achar absurdo supor que um homem deve ser exato em piedade, e outro não precisa, como supor que um homem deve ser exato em honestidade, mas outro não precisa; para a humildade cristã, a sobriedade, a devoção e a piedade são partes tão grandes e necessárias de uma vida racional, quanto a justiça e a honestidade. E, por outro lado, orgulho, sensualidade e cobiça, são tão grandes desordens da alma, são um abuso tão grande da nossa razão e, ao contrário de Deus, como trapaça e desonestidade. O roubo e a desonestidade parecem, na verdade, para os olhos vulgares, para serem pecados maiores, porque são tão prejudiciais para a sociedade civil e são tão severamente punidos pelas leis humanas. Mas se considerarmos a humanidade em uma visão mais elevada, como ordem de Deus ou sociedade de seres racionais, que devem glorificá-Lo pelo uso correto de sua razão, e agindo de acordo com a ordem de sua natureza, descobriremos que todo temperamento que é igualmente contrário à razão e à ordem, que se opõe aos fins e desígnios de Deus e desordena a beleza e a glória do mundo racional, é igualmente pecaminoso no homem e igualmente odioso para Deus.

Isso nos mostraria que o pecado da sensualidade é como o pecado da desonestidade e nos torna grandes objetos do desprazer divino.

Novamente: se considerarmos a humanidade em uma visão mais distante, como uma ordem redimida de espíritos decaídos, que são batizados em uma comunhão com o Filho de Deus; ser templos do Espírito Santo; viver de acordo com suas inspirações sagradas; oferecer a Deus o sacrifício razoável de uma vida humilde, piedosa e grata; purificar-se dos distúrbios de sua queda; fazer uso correto dos meios da graça, para serem filhos da glória eterna; Se olharmos para a humanidade nesta verdadeira luz, então descobriremos que todos os temperamentos que são contrários a esta sociedade santa, que são abusos desta infinita misericórdia, todas as ações que nos tornam diferentes de Cristo, que desgraça o Seu corpo, que abusam do mundo. meios de graça, e opor nossas esperanças de glória, tem tudo neles que pode nos fazer para sempre odiosos para Deus. De modo que, embora o orgulho e a sensualidade, e outros vícios do mesmo tipo, não prejudiquem a sociedade civil, como a trapaça e a desonestidade fazem; todavia, eles prejudicam essa sociedade e se opõem a esses fins, que são maiores e mais gloriosos aos olhos de Deus do que todas as sociedades que se relacionam com esse mundo.

Nada, portanto, pode ser mais falso do que imaginar que, por sermos pessoas privadas, que não assumiram nenhum encargo ou emprego de vida, portanto podemos viver mais amplamente, satisfazer nossos apetites e ser menos cuidadosos com os deveres. de piedade e santidade; pois é uma boa desculpa para trapacear e desonestidade. Porque aquele que abusa de sua razão, que se entrega à luxúria e sensualidade, e negligencia a ação da parte sábia e razoável de um verdadeiro cristão, tem tudo em sua vida para torná-lo odioso para Deus, que é encontrado em fraude e desonestidade.

Se, portanto, preferir escolher um epicurista ocioso do que ser infiel; se preferir viver na luxúria e sensualidade, do que ferir o próximo nos bens dele; você não fez melhor provisão para o favor de Deus do que aquele que prefere roubar uma casa do que roubar uma igreja.

Pois o abuso de nossa própria natureza é uma desobediência tão grande contra Deus, quanto o ferir nosso próximo; e aquele que quer piedade para com Deus fez tanto para se condenar como aquele que quer a honestidade para com os homens. Todo argumento, portanto, que prova que é necessário que todos os homens em todas as posições da vida sejam verdadeiramente honestos, prova ser igualmente necessário que todos os homens em todas as posições da vida sejam verdadeiramente santos e piedosos, e façam todas as coisas de tal maneira. é adequado para a glória de Deus.

Novamente: outro argumento para provar que todas as ordens de homens são obrigadas a ser assim santas e devotas no curso comum de suas vidas, no uso de tudo o que elas desfrutam, pode ser tirado de nossa obrigação de orar.

É concedido que a oração é um dever que pertence a todos os estados e condições dos homens: agora, se investigarmos a razão disso, por que nenhum estado de vida deve ser dispensado da oração, nós acharemos que é uma boa razão para que cada estado de vida deve ser feito um estado de piedade e santidade em todas as suas partes.

Pelo motivo de orarmos a Deus e glorificá-lo com hinos e salmos de ação de graças, é porque devemos viver inteiramente para Deus e glorificá-Lo de todas as formas possíveis. Não é porque os louvores das palavras, ou formas de ação de graças, são mais particularmente partes da piedade, ou mais a adoração a Deus do que outras coisas; mas é porque são possíveis maneiras de expressar nossa dependência, nossa obediência e devoção a Deus. Agora, se esta é a razão dos louvores verbais e ações de graças a Deus, porque devemos viver para Deus de todas as maneiras possíveis, então segue-se claramente que somos igualmente obrigados a adorar e glorificar a Deus em todas as outras ações que podem ser transformadas em atos. de piedade e obediência a ele. E, como as ações têm muito mais significado do que palavras, deve ser uma adoração muito mais aceitável a Deus, glorificá-lo em todas as ações de nossa vida em comum, do que com qualquer pequena forma de palavras em qualquer momento específico.

Assim, se Deus é para ser adorado com formas de ações de graças, aquele que faz uma regra de ser contente e agradecido em cada parte e acidente de sua vida, porque vem de Deus, louva a Deus de uma maneira muito mais elevada do que ele. algum tempo definido para cantar salmos. Aquele que não ousa dizer uma palavra mal-intencionada, ou faz uma coisa irracional, porque considera Deus como presente em todo lugar, realiza uma devoção melhor do que aquele que não ousa perder a Igreja. Viver no mundo como um estranho e um peregrino, usando todos os seus prazeres como se não os tivéssemos usado, fazendo de todas as nossas ações tantos passos rumo a uma vida melhor, é oferecer um sacrifício melhor a Deus do que qualquer forma de oração santa e celestial. .

Ser humilde em todas as nossas ações, evitar toda aparência de orgulho e vaidade, ser manso e humilde em nossas palavras, ações, vestimenta, comportamento e desígnios, em imitação de nosso abençoado Salvador, é adorar a Deus de uma maneira mais elevada do que aqueles que só têm tempo de se ajoelhar em devoções. Aquele que se contenta com o necessário, para dar o restante àqueles que o querem; que não ousa gastar dinheiro insensatamente, porque ele considera isto como um talento de Deus que deve ser usado de acordo com a Sua vontade, louva a Deus com algo que é mais glorioso do que cânticos de louvor.

Aquele que designou tempos para o uso de orações sábias e piedosas, realiza um exemplo apropriado de devoção; mas aquele que não se permite nenhum tempo, nem lugares, nem quaisquer ações, mas que são estritamente conformes à sabedoria e à santidade, adora a natureza Divina com a mais verdadeira e substancial devoção. Pois quem não sabe que é melhor ser puro e santo do que falar de pureza e santidade? Não, quem não sabe que um homem não deve ser considerado tão puro, santo ou justo, quanto é puro, santo e justo no curso comum de sua vida? Mas se isso for claro, então também é claro que é melhor ser santo do que ter orações sagradas.

As orações, portanto, estão tão longe de ser uma devoção suficiente, que são as menores partes dela. Devemos louvar a Deus com palavras e orações, porque é uma maneira possível de glorificar a Deus, que nos deu tais faculdades, como pode ser usado. Mas então, como as palavras são apenas pequenas coisas em si mesmas, como os momentos de oração são pouco, se comparados com o resto de nossas vidas; de modo que a devoção que consiste em tempos e formas de oração é apenas uma coisa muito pequena, se comparada àquela devoção que deve aparecer em todas as outras partes e circunstâncias de nossas vidas.

Novamente: como é fácil adorar a Deus com formas de palavras e observar os tempos de oferecê-las a Ele, também é o menor tipo de piedade. E, por outro lado, como é mais difícil adorar a Deus com a nossa substância, honrá-Lo com o uso correto do nosso tempo, para oferecer a Ele o contínuo sacrifício de abnegação e mortificação; como requer mais piedade para comer e beber somente para tais fins que possam glorificar a Deus, não empreender nenhum trabalho, nem permitir qualquer desvio, mas onde podemos agir em nome de Deus; como é mais difícil sacrificar todos os nossos temperamentos corruptos, corrigir todas as nossas paixões e tornar a piedade a Deus a regra e a medida de todas as ações de nossa vida em comum; Assim, a devoção desse tipo é um serviço muito mais aceitável para Deus do que aquelas palavras de devoção que oferecemos a Ele, seja na Igreja ou em nosso armário.

Todo leitor sóbrio perceberá facilmente que não pretendo diminuir o verdadeiro e grande valor das orações, públicas ou privadas; mas apenas para mostrar a ele que eles são certamente uma parte muito esbelta da devoção, quando comparados a uma vida devota.

Para ver isso em uma luz ainda mais clara, suponhamos que uma pessoa tenha designado horários para louvar a Deus com salmos e hinos, e ser estrito na observação deles; Suponhamos também que, em sua vida em comum, ele esteja inquieto e inquieto, cheio de murmurações e reclamações em relação a tudo, nunca satisfeito, mas por acaso, já que seu temperamento acontece de carregá-lo, mas murmurando e repelindo nas próprias estações; ter algo a não gostar em tudo o que acontece com ele.
Agora, você pode conceber algo mais absurdo e irracional do que um personagem como esse? Tal pessoa deve ser considerada grata a Deus, porque ele tem formas de louvor que ele oferece a Ele? Não, não é certo que tais formas de louvor devam estar tão longe de ser uma devoção aceitável a Deus, que devam ser abominadas como uma abominação? Agora, o absurdo que você vê neste caso é o mesmo em qualquer outra parte de nossa vida; se a nossa vida comum tem alguma contrariedade às nossas orações, é a mesma abominação que cânticos de agradecimento na boca dos murmuradores.

Joelhos dobrados, enquanto você está vestido de orgulho; petições celestiais, enquanto você está acumulando tesouros na terra; devoções santas, enquanto você vive nas loucuras do mundo; orações de mansidão e caridade, enquanto o seu coração é a sede do orgulho e do ressentimento; horas de oração, enquanto você desiste de dias e anos para desvios ociosos, visitas impertinentes e prazeres tolos; são serviços absurdos e inaceitáveis ​​para Deus, como formas de ação de graças de uma pessoa que vive em repulsa e descontentamento.

De modo que, a menos que o curso comum de nossas vidas esteja de acordo com o espírito comum de nossas orações, nossas orações estão tão longe de ser um grau real ou suficiente de devoção, que elas se tornam um trabalho labial vazio ou, o que é pior, uma hipocrisia notória.

Vendo, portanto, que devemos tornar o espírito e temperamento de nossas orações o espírito comum e temperamento de nossas vidas, isso pode servir para nos convencer de que todas as ordens de pessoas devem trabalhar e aspirar pela mesma perfeição máxima da vida cristã. Pois como todos os cristãos devem usar as mesmas devoções santas e celestes, como todos eles são com a mesma sinceridade para orar pelo Espírito de Deus, assim é uma prova suficiente de que todas as ordens de pessoas são, ao máximo de seu poder, para tornar a vida deles agradável àquele Espírito, pelo qual todos devem orar.

Tão certo, portanto, como a mesma santidade de orações requer a mesma santidade de vida, tão certo é que todos os cristãos são chamados à mesma santidade de vida.

Um soldado ou comerciante não é chamado para ministrar no altar ou pregar o Evangelho; mas todo soldado ou comerciante é tão obrigado a ser devoto, humilde, santo e celestial, em todas as partes de sua vida comum, como um clérigo é obrigado a ser zeloso, fiel e laborioso, em todas as partes de sua vida. profissão.

E tudo isso por esta razão simples, porque todas as pessoas devem orar pela mesma santidade, sabedoria e temperamento Divino, e fazerem o melhor que puderem pelo mesmo Céu. Todos os homens, portanto, como homens, têm um e o mesmo negócio importante, agir de acordo com a excelência de sua natureza racional, e fazer razão e ordenar a lei de todos os seus desígnios e ações. Todos os cristãos, como cristãos, têm um e o mesmo chamado, viver de acordo com a excelência do espírito cristão e fazer dos sublimes preceitos do Evangelho a regra e a medida de todos os seus ânimos na vida comum. A única coisa necessária para uma, é a única coisa necessária para todos.

O mercador não deve mais acumular tesouros na terra; o soldado não deve mais lutar pela glória; o grande erudito não deve mais se orgulhar das profundezas da ciência; mas eles devem todos com um espírito "considerar todas as coisas, mas perda, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus". [Filipenses 3. 8]

A bela dama deve ensinar seus olhos a chorar e ser vestida com humildade. O educado cavalheiro deve trocar os pensamentos gays da inteligência e da fantasia por um coração partido e contrito. O homem de qualidade deve, até agora, renunciar à dignidade de seu nascimento, a ponto de se considerar infeliz até nascer de novo. Os servos devem considerar seu serviço como feito para Deus. Os mestres devem considerar seus servos como seus irmãos em Cristo, que devem ser tratados como seus companheiros do corpo místico de Cristo.

As moças devem se dedicar à piedade, à oração, à autonegação e a todas as boas obras, em estado de vida virgem; ou então casar, ser santo, sóbrio e prudente no cuidado de uma família, educando seus filhos em piedade, humildade e devoção, e abundando em todas as outras boas obras, ao máximo de seu estado e capacidade. Eles não têm escolha de mais nada, mas devem se dedicar a Deus em um desses estados. Eles podem escolher uma vida casada ou única; mas não é deixado à sua escolha, se eles farão qualquer estado um estado de santidade, humildade, devoção e todos os outros deveres da vida cristã. Não é mais deixado em seu poder, porque eles têm fortunas, ou são nascidos de pais ricos, dividir-se entre Deus e o mundo, ou tomar prazeres como a sua fortuna lhes dará, do que é permitido que eles sejam às vezes casto e modesto, e às vezes não.

Eles não devem considerar quanta religião pode garantir a eles um caráter justo, ou como eles podem adicionar devoção a uma vida impertinente, vaidosa e tonta; mas deve olhar para o espírito e temperamento de suas orações, para a natureza e fim do cristianismo; e então descobrirão que, casados ​​ou solteiros, eles têm apenas um negócio em mãos; ser sábios, piedosos e santos, não em pequenos modos e formas de adoração, mas em toda a volta de suas mentes, em toda a forma de todo o seu comportamento e no curso diário da vida comum.

Jovens cavalheiros devem considerar o que nosso bendito Salvador disse ao jovem cavalheiro no Evangelho; ele pediu que vendesse tudo o que tinha e desse aos pobres. Agora, embora este texto não obrigue todas as pessoas a venderem todos, certamente obriga todos os tipos de pessoas a empregar todas as suas propriedades de maneira tão sábia, razoável e caridosa, que mostre suficientemente que tudo o que eles têm é dedicado a Deus, e que nenhuma parte dela é mantida dos pobres para gastar em despesas desnecessárias, vãs e tolas.

Se, portanto, jovens cavalheiros propõem a si mesmos uma vida de prazer e indulgência, se eles gastam suas propriedades em alta vida, em luxo e intemperança, em estado e equipamento, em prazeres e diversões, em esportes e jogos, e tais gratificações de suas paixões tolas, eles têm tanto motivo para se considerarem anjos como discípulos de Cristo.

Que eles tenham a certeza de que é o único negócio de um cavalheiro cristão, distinguir-se por boas obras, ser eminente nas mais sublimes virtudes do Evangelho, suportar a ignorância e a fraqueza do vulgar, seja amigo e patrono de todos os que nele habitam, que vivam nas mais altas alturas da sabedoria e da santidade e mostrem, ao longo de toda a sua vida, uma verdadeira grandeza religiosa. Eles devem aspirar depois de tal gentileza, como eles poderiam ter aprendido ao ver o abençoado Jesus, e não mostrar nenhum outro espírito de cavalheiro, mas eles poderiam ter conseguido viver com os santos Apóstolos. Devem aprender a amar a Deus de todo o coração, com toda a sua alma e com toda a sua força e com o próximo como a si mesmos; e então eles têm toda a grandeza e distinção que podem ter aqui, e estão aptos para uma felicidade eterna no Céu a seguir.

Assim, em todas as ordens e condições, tanto de homens como de mulheres, esta é a única santidade comum, que é ser a vida comum de todos os cristãos.

O mercador não deve deixar a devoção ao clérigo, nem o clérigo para deixar a humildade ao trabalhador; as mulheres afortunadas não devem deixar que os pobres de seu sexo sejam discretos, castos, guardiões em casa, para adornar-se com trajes modestos, vergonha e sobriedade; nem as mulheres pobres deixam para os ricos participar da adoração e serviço de Deus. Grandes homens devem ser eminentes para a verdadeira pobreza de espírito; e as pessoas de um estado baixo e aflito devem grandemente se regozijar em Deus.

O homem de força e poder é perdoar e orar por seus inimigos, e o sofredor inocente, que está acorrentado na prisão, deve, com Paulo e Silas, à meia noite cantar louvores a Deus. Porque Deus é para ser glorificado, a santidade deve ser praticada, e o espírito da religião deve ser o espírito comum de todo cristão, em todo estado e condição de vida.

Pois o Filho de Deus não veio de cima para acrescentar uma forma externa de adoração aos vários modos de vida que existem no mundo, e assim deixar as pessoas viverem como antes, em temperamentos e prazeres como a moda e a moda. o espírito do mundo aprova; mas como Ele desceu do Céu completamente Divino e celestial em Sua própria natureza, assim foi para chamar a humanidade para uma vida divina e celestial; para a mais alta mudança de sua própria natureza e temperamento; nascer de novo do Espírito Santo; andar na sabedoria e luz e amor de Deus e ser como Ele ao máximo do seu poder; renunciar a todos os modos mais plausíveis do mundo, seja de grandeza, negócios ou prazer; a uma mortificação de todas as suas paixões mais agradáveis; e viver em tal sabedoria, pureza e santidade, como poderia ser glorioso no desfrute de Deus para toda a eternidade.

Seja o que for, portanto, tolo, ridículo, vaidoso ou mundano, ou sensual, na vida de um cristão, é algo que não deveria estar lá; é um local e uma impureza que deve ser lavada com lágrimas de arrependimento. Mas se algo desse tipo se estender ao longo de toda a nossa vida, se nos permitirmos em coisas que são vaidosas, tolas ou sensuais, renunciamos à nossa profissão.

Por mais certo que Jesus Cristo fosse sabedoria e santidade, tão certo quanto Ele veio para nos tornar semelhantes a Si mesmo, e para ser batizado em Seu Espírito, tão certo é isto, que ninguém pode ser dito para manter sua profissão cristã, mas aqueles que , ao máximo de seu poder, viva uma vida sábia, santa e celestial. Isso e somente isso é cristianismo; uma santidade universal em todas as partes da vida, uma sabedoria celestial em todas as nossas ações, não conforme o espírito e temperamento do mundo, mas transformando todos os prazeres mundanos em meios de piedade e devoção a Deus.

Mas agora, se este estado de coração devoto, se esses hábitos de santidade interior, forem verdadeiras religiões, então a verdadeira religião é igualmente o dever e a felicidade de todas as ordens de homens; pois não há nada para recomendá-lo a um, que não é a mesma recomendação para todos os estados de pessoas.

Se é a felicidade e a glória de um bispo viver neste espírito devoto, cheio desses santos temperamentos, fazendo tudo como para Deus, é tanto a glória e a felicidade de todos os homens e mulheres, jovens ou velhos, viverem no mesmo espírito. E quem quer que encontre alguma razão para um bispo antigo se dedicar às coisas divinas, transformando toda a sua vida nos mais elevados exercícios de piedade, sabedoria e devoção, encontrará tantas razões pelas quais ele deveria, ao máximo de seu poder, faça o mesmo.

Se você diz que um bispo deve ser um exemplo eminente de santidade cristã, por causa de seu alto e sagrado chamado, você diz certo. Mas se você diz que é mais vantajoso para ele ser exemplar do que é seu, você comete um grande erro: pois não há nada que faça os mais altos graus de santidade desejáveis ​​a um bispo, mas o que os torna igualmente desejáveis ​​para todos os jovens. de cada família.

Para uma piedade exaltada, alta devoção e o uso religioso de tudo, é tanto a glória e a felicidade de um estado de vida, quanto de outro.

Mas imagine em sua mente que espírito de piedade você teria no melhor bispo do mundo, como gostaria que ele amasse a Deus, como você o faria imitar a vida de nosso Salvador e Seus Apóstolos, como você o faria viva acima do mundo, resplandecendo em todas as instâncias de uma vida celestial, e então você descobrirá o espírito que deveria tornar o espírito de sua própria vida.

Desejo que todo leitor permaneça por algum tempo sobre essa reflexão, e talvez ele encontre mais convicção dela do que imagina. Cada um pode dizer quão bom e piedoso ele gostaria que algumas pessoas fossem; cada um sabe quão sábia e razoável é uma coisa de um bispo estar inteiramente acima do mundo e ser um exemplo eminente da perfeição cristã; Assim que você pensa em um sábio e antigo bispo, você adquire certo grau de piedade, um exemplo vivo de todos os santos temperamentos que você encontra descritos no Evangelho.

Agora, se você se perguntar, qual é a coisa mais feliz para um jovem clérigo fazer? você deve ser forçado a responder, que nada pode ser tão feliz e glorioso para ele, como ser como aquele excelente bispo sagrado.

Se você continuar e perguntar: Qual é a coisa mais feliz para qualquer jovem cavalheiro ou suas irmãs fazerem? a resposta deve ser a mesma; que nada pode ser tão feliz ou glorioso para eles como viver em tais hábitos de piedade, em tais exercícios de uma vida Divina, como faz este bom e velho bispo. Para tudo que é grande e glorioso na religião, é tanto a verdadeira glória de todo homem ou mulher, como é a glória de qualquer bispo. Se altos graus de amor Divino, se caridade fervorosa, pureza imaculada, afeição celestial, se mortificação constante, devoção freqüente, for o melhor e mais feliz modo de vida para qualquer cristão, é assim para todo cristão.

Considere novamente: se você fosse ver um bispo em todo o curso de sua vida vivendo abaixo de seu caráter, conformando-se a todos os temperamentos tolos do mundo, e governado pelos mesmos cuidados e medos que governam homens vãos e mundanos, o que você faria? pensa nele? Você acha que ele foi culpado de um pequeno erro? Não, você o condenaria como errante naquilo que não é apenas o mais, mas o único assunto importante que se relaciona com ele. Permaneça por algum tempo nessa consideração, até que sua mente esteja completamente convencida de como é um erro terrível em um bispo viver uma vida mundana descuidada.

Enquanto você está pensando dessa maneira, volte seus pensamentos para algum de seus conhecidos, seu irmão ou irmã, ou qualquer jovem. Agora, se você vê que o curso comum de suas vidas não está de acordo com as doutrinas do Evangelho, se você vê que o seu modo de vida não pode ser considerado como um esforço sincero para entrar no portão estreito, você vê algo que você deve condenar, no mesmo grau e pelas mesmas razões. Eles não cometem um pequeno erro, mas estão errados naquilo que é seu tudo, e confundem sua verdadeira felicidade, tanto quanto aquele bispo, que negligencia os altos deveres de seu chamado. Aplique este raciocínio a você mesmo; se você se vir vivendo uma vida ociosa, indulgente e vaidosa, preferindo satisfazer suas paixões do que viver de acordo com as doutrinas do cristianismo e praticar os claros preceitos de nosso bendito Senhor, você terá toda aquela cegueira e irracionalidade a cobrar de si mesmo. , que você pode cobrar sobre qualquer bispo irregular.

Pois todas as virtudes da vida cristã, sua pureza perfeita, seus temperamentos celestiais, são tanto a única regra de sua vida, como a única regra da vida de um bispo. Se você negligenciar esses temperamentos sagrados, se você não ansiosamente aspirar por eles, se você não mostrar um exemplo visível deles, você está tão caído de sua verdadeira felicidade, você é um inimigo tão grande para si mesmo e fez como má escolha, como aquele bispo, que escolhe antes enriquecer sua família do que ser como um apóstolo. Pois não há motivo para pensar que a mais alta santidade, o temperamento mais celestial, seja o dever e a felicidade de um bispo, mas qual é a razão pela qual você deve pensar que os mesmos temperamentos são o dever e a felicidade de todos. Cristãos E como o bispo mais sábio do mundo é aquele que vive nas maiores alturas da santidade, que é mais exemplar em todos os exercícios de uma vida divina, a juventude mais sábia, a mulher mais sábia, casada ou solteira, é ela que vive nos mais altos graus de santidade cristã, e todos os exercícios de uma vida divina e celestial.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo X.

Disponível em CCEL (inglês).




Notas:
[1] Fúlvio, o nome de uma grande família patrícia em Roma, sugere poder e pompa mundanos.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: