Confissões - Livro I

Grande és, ó Senhor, e mui digno de louvor; grande é Teu poder e Tua sabedoria infinita. E tu louvaria ao homem; homem, mas uma partícula de Tua criação; homem que leva sobre ele a mortalidade dele, a testemunha do pecado dele, a testemunha que Você resiste o orgulhoso: contudo o homem o louva; ele, mas uma partícula de Tua criação. Tu nos despertas para deleitar-te no teu louvor; porque tu nos fazes loucamente a ti mesmo, e o nosso coração está inquieto, até que se repouse em ti. Conceda-me, Senhor, conhecer e entender o que é primeiro, invocar-Te ou louvar-te? e, novamente, para conhecê-lo ou chamá-lo? pois quem pode invocar-te, não te conhecendo? porque o que não te conhece, pode invocar-te como outro do que tu és. Ou será que chamamos a Ti que podemos conhecê-lo? mas como chamarão a quem não creram? ou como eles acreditarão sem um pregador? e os que buscam ao Senhor o louvarão; porque os que buscam, o acharão, e os que o acharem, o louvarão. Eu Te buscarei, Senhor, chamando a Ti; e te invocará, crendo em ti; porque a nós tens sido pregado. A minha fé, Senhor, invocar-te-ei através da encarnação do teu Filho, através do ministério do pregador, que me deste, com que me inspiraste.

E como vou invocar o meu Deus, meu Deus e Senhor, uma vez que quando eu clamar por ele, vou chamá-lo para mim? e que lugar há dentro de mim, para onde meu Deus pode entrar em mim? para onde Deus pode entrar em mim, Deus que fez o céu e a terra? Há, sim, ó Senhor meu Deus, algo em mim que possa te conter? faze então o céu e a terra que fizeste e onde me fizeste te contiver? ou, porque nada que existe poderia existir sem Ti, portanto tudo o que existe contém Ti? Visto que também eu existo, por que procuro que entres em mim que não existiram em mim? Por quê? porque eu não estou no inferno, e ainda assim você está lá. Pois se eu for para o inferno, Tu estás aí. Eu não poderia ser então, ó meu Deus, não poderia ser de todo, não Tu em mim; ou melhor, a menos que eu estivesse em Ti, de quem são todas as coisas, por quem são todas as coisas, em quem são todas as coisas? Mesmo assim, Senhor, mesmo assim. Para onde te chamo, já que estou em ti? ou de onde podes entrar em mim? pois para onde posso ir além do céu e da terra, para que meu Deus venha a mim, que disse: Eu encho os céus e a terra.

Então o céu e a terra contêm Ti, desde que os tens preenchido? ou tu os encheste e ainda transborda, visto que eles não contêm Ti? E quando o céu e a terra se enchem, derramaste o restante de ti mesmo? ou não precisas tu que alguma coisa te contenha, que contém todas as coisas, desde que aquilo que Tu encheste, enchendo-o de contê-lo? porque os vasos que Tu tens enchido não te apegam, porque, ainda que quebrados, não derramaste. E quando fores derramado sobre nós, não é derrubado, mas tu nos edifica; Tu não és dissipado, mas tu nos reúne. Mas tu, que encheste todas as coisas, tu as encheste com todo o teu eu? ou, já que todas as coisas não podem te conter completamente, elas contêm parte de Ti? e de uma só vez a mesma parte? ou cada um a sua parte, quanto maior mais, menor menor? E é, então, uma parte de Ti maior, outro menos? ou, tu és totalmente em todo lugar, enquanto nada te contém inteiramente?

O que és tu então, meu Deus? o que, mas o Senhor Deus? Pois quem é o Senhor senão o Senhor? ou quem é Deus, salve o nosso Deus? Mais alto, mais bom, mais potente, mais onipotente; mais misericordioso, mas mais justo; mais oculto, ainda mais presente; mais belo, porém mais forte, estável, mas incompreensível; imutável, mas tudo em mudança; nunca novo, nunca velho; renovando tudo, e trazendo a idade sobre os orgulhosos, e eles não sabem disso; sempre trabalhando, sempre em repouso; ainda reunindo, mas nada faltando; apoio, enchimento e espalhamento; criar, nutrir e amadurecer; buscando, ainda tendo todas as coisas. Tu amais sem paixão; arte ciumento, sem ansiedade; arrependimento, ainda que não sofra; arte zangada, mas serena; modifica as tuas obras, o teu propósito inalterado; receba de novo o que Tu achares, mas nunca perdeste; nunca em necessidade, mas regozijando-se em ganhos; nunca ambicioso, mas exigindo usura. Tu recebes mais e mais, para que Tu possas; e quem tem algo que não é teu? Tu pagas dívidas, nada devedor; dívidas remitidas, não perdendo nada. E o que eu tinha dito agora, meu Deus, minha vida, minha santa alegria? ou o que alguém diz quando fala de ti? Todavia ai daquele que não fala, já que mudo é o mais eloquente.

Oh! que eu possa repousar em Ti! Oh! que tu queres entrar no meu coração, e embebedá-lo, para que eu possa esquecer meus males, e abraçar-te, meu único bem! O que és tu para mim? Em tua piedade, ensina-me a expressá-lo. Ou o que eu sou para Ti que Tu exiges meu amor e, se eu não o der, a arte se enfurece comigo e me ameaça com aflições terríveis? É então um ligeiro ai amar não? Oh! por amor das tuas misericórdias, diz-me, Senhor meu Deus, que és para mim. Dize à minha alma: Eu sou a tua salvação. Então fala, para que eu possa ouvir. Eis que, Senhor, meu coração está diante de ti; Abre os ouvidos e diz à minha alma: Eu sou a tua salvação. Depois dessa voz, deixe-me me apressar e tomar conta de ti. Não escondas o teu rosto de mim. Deixe-me morrer - para que eu não morra - só me deixe ver o Teu rosto.

Estreita é a mansão da minha alma; engrandece-te, para que entres. É ruinoso; Repara tu. Tem aquilo dentro do qual deve ofender os Teus olhos; Eu confesso e sei disso. Mas quem deve limpá-lo? ou a quem devo chorar, Te salvar? Senhor, purifica-me das minhas falhas secretas e poupa o teu servo do poder do inimigo. Eu acredito e, portanto, falo. Senhor tu sabes. Não confessei a mim mesmo as minhas transgressões a Ti e Tu, meu Deus, perdoaste a iniquidade do meu coração? Eu não contesto em juízo com Ti que és a verdade; Tenho medo de me enganar; para que a minha iniquidade não seja mentirosa. Portanto, não contesto juízo com Ti; porque, se tu, Senhor, marcasses as iniquidades, ó Senhor, quem as suportará?

No entanto, permita-me falar à Tua misericórdia, a mim, pó e cinzas. No entanto, permita-me falar, pois falo com Tua misericórdia e não com o homem desdenhoso. Tu também, talvez, me despreza, contudo, devolverás e terás compaixão de mim. Pois o que eu diria, ó Senhor meu Deus, mas que eu não sei de onde vim a esta vida agonizante (devo chamá-la?) Ou a morte viva. Então, imediatamente, o conforto de Tua compaixão me subjugou, como eu ouvi (pois não me lembro disto) dos pais de minha carne, de cuja substância Tu alguma vez me formaste. Assim, recebi-me o conforto do leite da mulher. Pois nem minha mãe nem minhas enfermeiras guardaram seus próprios seios para mim; mas tu deste a comida da minha infância através deles, segundo a tua ordenança, por meio da qual distribues as tuas riquezas pelas fontes ocultas de todas as coisas. Tu também me deste desejo mais do que Tu me deste; e às minhas enfermeiras de bom grado para me dar o que Tu lhes deste. Pois eles, com uma afeição ensinada pelos céus, voluntariamente me deram o que abundaram de Ti. Para isto meu bem deles, era bom para eles. Nem, na verdade, era deles, mas através deles; porque de Ti, ó Deus, são todas as coisas boas, e do meu Deus é toda a minha saúde. Isto eu aprendi, Tu, através destes Tuas dádivas, dentro e fora de mim, proclamando-se a Mim. Pois então eu sabia mas chupar; repousar no que agradou, e chorar no que ofendeu minha carne; nada mais.

Depois comecei a sorrir; primeiro no sono, depois no despertar; pois assim me disseram de mim mesmo e acreditei; pois vemos o mesmo em outras crianças, embora eu não me lembre disso. Assim, pouco a pouco, tornei-me consciente de onde estava; e ter um desejo de expressar meus desejos àqueles que pudessem contê-los, e eu não poderia; porque os desejos estavam dentro de mim e eles sem; nem poderiam, por qualquer senso deles, entrar em meu espírito. Então eu me joguei ao acaso em membros e voz aleatórios, fazendo os poucos sinais que pude, e o máximo que pude, embora, na verdade, muito pouco como o que eu desejava. E quando eu não fui presentemente obedecida (meus desejos sendo prejudiciais ou ininteligíveis), então fiquei indignado com meus anciãos por não se submeterem a mim, com aqueles que não me deviam nenhum serviço, por não me servirem; e me vinguei deles com lágrimas. Eu aprendi que as crianças são de observá-las; e que eu era assim, todos, inconscientes, mostraram-me melhor do que as minhas enfermeiras que sabiam disso.

E eis! minha infância morreu há muito tempo e eu vivo. Mas tu, Senhor, que para sempre vivo, e em quem nada morre: antes da fundação dos mundos, e diante de todos os que podem ser chamados "antes", és, e és Deus e Senhor de tudo o que Criaste: em ti permanece, fixa para sempre, as primeiras causas de todas as coisas inabaláveis; e de todas as coisas mutáveis, as fontes permanecem em Ti imutáveis: e em Ti vivem as razões eternas de todas as coisas irracionais e temporais. Diga, Senhor, para mim, Teu Suplicante; Dizei-me todo compassivo, Teu lamentável; digamos, minha infância teve sucesso em outra era minha que morreu antes dela? Foi isso que passei no ventre de minha mãe? por isso ouvi um pouco e vi mulheres com filhos? e o que antes daquela vida novamente, ó Deus, minha alegria, eu estava em algum lugar ou em qualquer corpo? Por isso não tenho nada a dizer-me, nem pai nem mãe, nem experiência de outros, nem minha própria memória. Tu zombas de mim por perguntar isto, e pede-me que te louvem e te reconheçam, por isso eu sei?

Eu te reconheço, Senhor do céu e da terra, e louvo-Te pelos meus primeiros rudimentos de ser e por minha infância, dos quais não me lembro de nada; porque tu determinaste que o homem, dos outros, adivinhe quanto a si mesmo; e acredito muito na força das mulheres fracas. Mesmo assim, eu tinha sido e vida, e (na minha infância, perto) eu poderia procurar por sinais que tornassem conhecidos para os outros as minhas sensações. De onde poderia ser tal ser, salvo de Ti, Senhor? Qualquer um será seu próprio artífice? ou pode haver em outro lugar qualquer veia que possa fluir essência e vida para dentro de nós, salvo de ti, ó Senhor, em quem essência e vida são uma só? pois tu mesmo és supremamente Essência e Vida. Pois tu és altíssimo, e não és modificado, e em ti não chegamos ao fim hoje; todavia em ti chega ao fim; porque todas essas coisas também estão em Ti. Pois eles não tinham como passar, a menos que Tu os defendesse. E desde que os teus anos não falham, os teus anos são um para hoje. Quantos anos nossos e de nossos pais fluíram através de Teu "hoje", e dela recebeu a medida e o molde de tal ser como eles tinham; e ainda outros fluirão, e assim receberão o molde de seu grau de ser. Mas Tu ainda és o mesmo, e todas as coisas de amanhã, e todas além, e todas de ontem, e todas as de trás, Tu tens feito hoje. O que é para mim, embora algum não compreenda isto? Que ele também se regozije e diga: Que coisa é essa? Que ele se regozija mesmo assim! e esteja contente em vez de não descobrir descobrir Te, do que descobrindo não descobrir Te.

Ouça, ó Deus. Infelizmente, pelo pecado do homem! Assim diz o homem, e tu o padeis; porque tu o fazes, mas nele o pecado não o fazes. Quem me lembra dos pecados da minha infância? pois a Tua vista ninguém é puro de pecado, nem mesmo o infante cuja vida é apenas um dia sobre a terra. Quem me lembra? Cada pequena criancinha, em quem eu vejo o que de mim não me lembro? Qual foi então o meu pecado? foi que eu pendurei no peito e chorei? porque agora eu deveria fazer por comida adequada à minha idade, justamente eu deveria ser ridicularizado e reprovado. O que eu fiz então foi digno de repreensão; mas desde que eu não pude entender a reprovação, o costume e a razão me proibiram de ser reprovado. Para esses hábitos, quando crescidos, nós extirpamos e jogamos fora. Agora, nenhum homem, embora tenha podado, elimina intencionalmente o que é bom. Ou então era bom, mesmo que por algum tempo, chorar pelo que, se dado, doeria? amargamente se ressentir, que as pessoas livres e seus próprios anciãos, sim, os próprios autores de seu nascimento, não o serviram? que muitos além disso, mais sábios do que isso, não obedeceram ao aceno de seu bom prazer? fazer o seu melhor para atacar e ferir, porque os comandos não foram obedecidos, os quais foram obedecidos à sua dor? A fraqueza dos membros infantis, não sua vontade, é sua inocência. Eu mesmo vi e conheci até mesmo um bebê com inveja; não sabia falar, mas empalideceu e olhou amargamente para seu irmão adotivo. Quem não conhece isso? As mães e as enfermeiras dizem-lhe que acalmam estas coisas, não sei quais são os remédios. Isso é inocência demais, quando a fonte de leite está fluindo em abundante abundância, não para perdurar alguém para compartilhá-la, embora em extrema necessidade, e cuja própria vida ainda depende dela? Suportamos suavemente tudo isso, não como males pequenos ou ligeiros, mas porque desaparecerão com o aumento dos anos; pois, embora tolerado agora, os mesmos temperamentos são totalmente intoleráveis ​​quando encontrados em anos mais maduros.

Tu, então, ó Senhor meu Deus, que deu vida a esta minha infância, fornecendo assim com os sentidos (como vemos) a moldura que Tu deste, compactando seus membros, ornamentando suas proporções, e, para seu bem e segurança gerais, implantando em todas as funções vitais, Tu me ordenaste para louvar a Ti nestas coisas, para te confessar, e cantar para o Teu nome, Tu Supremo. Pois tu és Deus Todo-Poderoso e Bom, nada fizeste senão apenas isto, o qual ninguém poderia fazer senão Tu: cuja Unidade é o molde de todas as coisas; quem de Tua própria justiça faça todas as coisas justas; e ordena todas as coisas pela tua lei. Esta era então, Senhor, da qual eu não tenho nenhuma lembrança, que eu aceito a palavra de outros, e adivinhe de outras crianças que eu passei, embora seja verdade, eu ainda sou inclinado a contar nesta minha vida que eu vivo neste mundo. Pois não menos do que aquilo que gastei no ventre de minha mãe, está escondido de mim nas sombras do esquecimento. Mas, se fui formado em iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe, onde, eu suplico, ó meu Deus, onde, Senhor, ou quando, fui Teu servo sem culpa? Mas eis! esse período eu passo; e o que tenho agora a ver com isso, do qual não me lembro de nenhum vestígio?

Passando da infância, cheguei à infância, ou melhor, veio a mim, deslocando a infância. Tampouco isso partiu - (para onde foi?) - e, no entanto, não existia mais. Pois eu não era mais uma criança sem palavras, mas um menino falante. Isso eu lembro; e desde então observei como aprendi a falar. Não foi que meus anciãos me ensinaram palavras (como, logo depois, outro aprendizado) em qualquer método estabelecido; mas eu, ansiando por gritos e acentos quebrados e vários movimentos de meus membros para expressar meus pensamentos, para que eu pudesse ter a minha vontade, e ainda incapaz de expressar tudo o que desejava, ou a quem desejava, eu mesmo, pelo entendimento que Tu, meu Deus, me deste, pratique os sons em minha memória. Quando eles nomearam alguma coisa, e enquanto falavam se viraram para ela, eu vi e lembrei que eles chamavam o que eles apontavam pelo nome que eles pronunciavam. E que eles queriam dizer isso e nenhum outro estava claro pelo movimento de seu corpo, a linguagem natural, por assim dizer, de todas as nações, expressa pelo semblante, olhares dos olhos, gestos dos membros e tons da voz. , indicando as afeições da mente, enquanto persegue, possui, rejeita ou evita. E assim, ao ouvir constantemente as palavras, como ocorriam em várias frases, eu me reunia gradualmente para o que elas representavam; e, quebrando a minha boca a estes sinais, deste modo pronunciei a minha vontade. Assim, troquei com aqueles sobre mim os atuais sinais de nossas vontades e, assim, me aprofundei na relação tempestuosa da vida humana, ainda que dependesse da autoridade dos pais e do bando dos anciãos.

Ó Deus meu Deus, que misérias e zombarias eu experimentei agora, quando a obediência aos meus professores foi proposta a mim, como apropriada em um menino, a fim de que neste mundo eu pudesse prosperar e me destacar na ciência da língua, que deveria servir ao "louvor dos homens" e às riquezas enganosas. Em seguida, fui colocado na escola para aprender, no qual eu (pobre coitado) não sabia que uso havia; e ainda, se ocioso na aprendizagem, fui espancado. Pois isso foi julgado pelos nossos antepassados; e muitos, passando o mesmo curso diante de nós, emolduravam-nos caminhos cansados ​​pelos quais éramos desejosos de passar; multiplicando labuta e tristeza pelos filhos de Adão. Mas, Senhor, descobrimos que os homens chamavam a Ti, e aprendemos com eles a pensar em Ti (de acordo com nossos poderes) como de algum Grande, que, embora escondido de nossos sentidos, poderia nos ouvir e nos ajudar. Pois assim comecei, quando menino, a orar a Ti, minha ajuda e refúgio; e parti os grilhões da minha língua para chamá-Te, rezando, embora pequeno, mas sem grande seriedade, para que eu não fosse espancado na escola. E quando Tu não me ouves (não me entregando assim à insensatez), meus anciãos, sim meus pais, que ainda não me desejaram doente, zombaram de meus traços, meu então grande e grave mal.

Existe, Senhor, alguma alma tão grande, e se apegando a Ti com tão intenso afeto (pois uma espécie de estupidez de certo modo o fará); mas há alguém que, apegando-se devotamente a Ti, é dotado de um espírito tão grande, que ele pode pensar levianamente nas prateleiras, ganchos e outros tormentos (contra os quais, em todas as terras, os homens o chamam com extrema pavor) zombando daqueles por quem são temidos mais amargamente, como nossos pais zombaram dos tormentos que sofremos na infância de nossos mestres? Pois não temíamos nossos tormentos menos; nem rezamos menos a Ti para escapar deles. E ainda assim pecamos, por escrito, lendo ou estudando menos do que se exigia de nós. Pois não queríamos, ó Senhor, memória ou capacidade que a Tua vontade tenha dado o suficiente para nossa época; mas nosso único prazer era brincar; e por isso fomos punidos por aqueles que ainda estavam fazendo o mesmo. Mas a ociosidade dos idosos é chamada de "negócios"; a dos meninos, sendo a mesma, é punida pelos anciãos; e nenhum comiseraliza meninos ou homens. Pois será que alguma discrição boa aprova que eu fui espancado quando era menino, porque, jogando uma bola, eu progredi menos em estudos que aprendi, só que, como homem, eu poderia jogar de forma mais inflexível? e o que mais ele fez comigo? Quem, se fatigado em alguma conversa trivial com seu companheiro de tutor, estava mais amargurado e ciumento do que eu quando espancado no baile por um companheiro de jogo?
E, no entanto, eu pequei aqui, ó Senhor Deus, o Criador e Descartador de todas as coisas na natureza, do pecado do Disposer apenas, ó Senhor meu Deus, eu pequei transgredindo os mandamentos de meus pais e dos meus mestres. Pois o que eles, com qualquer motivo, quisessem que eu aprendesse, eu poderia depois ter feito bom uso. Pois eu desobedeci, não por uma escolha melhor, mas por amor ao jogo, amando o orgulho da vitória em minhas competições, e por ter meus ouvidos cócegas em fábulas mentirosas, para que eles pudessem coçar ainda mais; a mesma curiosidade piscando dos meus olhos cada vez mais, pelos espetáculos e jogos dos meus idosos. No entanto, aqueles que dão esses espetáculos têm essa estima, que quase todos desejam o mesmo para seus filhos e, no entanto, estão dispostos a serem espancados, se esses mesmos jogos os detiverem dos estudos, por meio dos quais eles teriam que ser atingidos. os doadores deles. Olhe com piedade, Senhor, sobre estas coisas, e livrai-nos que clamam a Ti agora; livra aqueles que não te chamam ainda, para que possam chamá-lo e tu os entregues.
Quando menino, eu já ouvira falar de uma vida eterna, prometi-nos, através da humildade do Senhor, nosso Deus, inclinar-se ao nosso orgulho; e mesmo do ventre de minha mãe, que muito esperava em ti, fui selado com a marca da cruz e salgado com o sal. Viste, Senhor, como quando ainda menino, sendo preso em um tempo com súbita opressão do estômago, e como próximo da morte - Viste, meu Deus (pois Tu foste meu guardador), com que ansiedade e que fé busquei do piedoso cuidado de minha mãe e de Tua Igreja, mãe de todos nós, o batismo de Teu Cristo, meu Deus e Senhor. Pelo que a mãe de minha carne, estando muito perturbada (pois, com um coração puro em Tua fé, ela ainda mais amorosamente suportada no nascimento de minha salvação), teria ansiosamente apressado prover minha consagração e purificação pelos sacramentos que promovem a saúde. confessando-te, Senhor Jesus, pela remissão dos pecados, a menos que eu tivesse recuperado de repente. E assim, como se eu precisasse ser poluído outra vez, se eu vivesse, minha limpeza seria adiada, porque as impurezas do pecado, depois da lavagem, trariam culpa maior e mais perigosa. Eu então já acreditava: e minha mãe, e toda a família, exceto meu pai: ainda não prevaleceu sobre o poder da piedade de minha mãe em mim, que como ele ainda não acreditava, eu também não deveria. Pois era ela cuidado sincero para que o meu Deus, e não ele, seja meu pai; e neste Tu a ajudaste a prevalecer sobre seu marido, a quem ela, melhor, obedeceu, também obedecendo a Ti, que assim ordenou.
Suplico-Te, meu Deus, gostaria de saber, se assim desejas, para que propósito meu batismo foi então adiado? Foi para meu bem que as rédeas foram soltas, por assim dizer, sobre mim, para eu pecar? ou não foi solto? Se não, por que ele ainda ecoa em nossos ouvidos por todos os lados: "Deixe-o em paz, deixe-o fazer o que quiser, pois ele ainda não é batizado?" mas, quanto à saúde do corpo, ninguém diz: "Que ele seja pior ferido, porque ainda não está curado". Quanto melhor então, se eu tivesse sido curado imediatamente? e então, por meus amigos e por mim mesmo, a saúde recuperada da minha alma tinha sido mantida em segurança em Teu sustento que a deu. Melhor de verdade. Mas quantas ondas de tentação pareciam pairar sobre mim depois da minha infância! Estes minha mãe previu; e preferi expor-lhes o barro de onde eu poderia mais tarde ser moldado do que o molde, quando feito.
Na infância, porém, (muito menos temida por mim do que a juventude), eu não amava estudar e odiava ser forçado a isso. No entanto, fui forçado; e isso foi bem feito para mim, mas eu não estava bem; porque, a menos que forçado, não aprendi. Mas ninguém faz bem contra sua vontade, mesmo que o que ele faça esteja bem. No entanto, nem eles bem que me forçou, mas o que foi bem veio a mim de Ti, meu Deus. Pois eles eram indiferentes sobre como eu deveria empregar o que eles me forçaram a aprender, exceto para satisfazer os insaciáveis ​​desejos de uma rica mendicância e uma glória vergonhosa. Mas tu, por quem estão contados os cabelos da nossa cabeça, usou para o meu bem o erro de todos os que me exortavam a aprender; e o meu próprio, que não aprenderia, usou para o meu castigo - uma penalidade por um, tão pequeno e tão grande pecador. Assim, pelos que não fizeram bem, tu me deste bem; e pelo meu próprio pecado Tu me puniu justamente. Pois tu ordenaste, e assim é que todo afeto desordenado deveria ser o seu próprio castigo.
Mas por que eu odiava tanto o grego, que estudei quando menino? Eu ainda não sei totalmente. Para o latim que amei; não o que meus primeiros mestres, mas o que os chamados gramáticos me ensinaram. Para as primeiras lições, leitura, escrita e aritmética, eu achava um fardo e uma pena tão grandes quanto qualquer grego. E, no entanto, de onde também era isso, mas do pecado e da vaidade desta vida, porque eu era carne e a respiração que passa e não volta? Pois aquelas primeiras lições foram melhores, certamente, porque mais certas; por eles eu obtive, e ainda retenho, o poder de ler o que eu acho escrito, e eu mesmo escrevendo o que quero; enquanto nos outros, fui forçado a aprender as andanças de um Enéias, esquecido do meu próprio, e a chorar por Dido morto, porque ela se matou por amor; o tempo, com os olhos secos, suportei meu miserável eu morrendo entre essas coisas, longe de Ti, ó Deus, minha vida.

Pois o que é mais miserável do que um ser miserável que não se compadece de si mesmo; chorando a morte de Dido por amor a Enéas, mas chorando não sua própria morte por falta de amor a Ti, ó Deus. Luz do meu coração, pão da minha alma mais profunda, tu poder que dá vigor à minha mente, que vivifica os meus pensamentos, eu não te amava. Eu cometi fornicação contra Ti, e tudo ao meu redor, assim fornicando, ecoou "Muito bem! Bem feito!" porque a amizade deste mundo é fornicação contra Ti; e "Muito bem! bem feito!" ecoa até que alguém se envergonhe de não ser assim um homem. E por tudo isso eu não chorei, eu que chorei por Dido morto, e "buscando pela espada um golpe e ferida extrema", eu mesmo buscando o tempo um pior extremo, o mais extremo e mais baixo de Tuas criaturas, tendo te abandonado, terra passando na terra. E, se não posso ler tudo isso, fiquei triste por não ler o que me entristeceu. Loucura como essa é considerada um aprendizado superior e mais rico do que aquele pelo qual eu aprendi a ler e a escrever.

Mas agora, meu Deus, clamai tu em voz alta na minha alma; e que a Tua verdade me diga: "Não é assim, nem tanto. Muito melhor foi o primeiro estudo". Pois eis que esquecerei prontamente as peripécias de Enéias e todo o resto, em vez de como ler e escrever. Mas sobre a entrada da Escola de Gramática é um vail desenhado! verdade; contudo, isso não é tanto um emblema de qualquer coisa recôndita, como um manto de erros. Não deixe aqueles contra quem eu já não temo clamarem contra mim, enquanto eu confesso a Ti, meu Deus, tudo quanto minha alma desejar, e consentir na condenação de meus maus caminhos, para que eu possa amar Teus bons caminhos. Não deixe compradores ou vendedores de aprendizagem de gramática gritarem contra mim. Pois, se eu lhes perguntar se é verdade que Enéias chegou a Carthage, como o poeta diz, quanto menos instruídos responderão que não sabem, mais aprendidos ele nunca fez. Mas devo perguntar com que letras o nome "Enéias" está escrito, todo aquele que aprendeu isso me responderá corretamente, quanto aos sinais que os homens estabeleceram convencionalmente. Se, mais uma vez, eu deveria perguntar o que poderia ser esquecido com o mínimo de detrimento das preocupações da vida, da leitura e da escrita ou dessas ficções poéticas? quem não prevê o que todos devem responder que não se esqueceram completamente? Eu pequei, então, quando garoto, eu preferia aqueles vazios àqueles estudos mais lucrativos, ou melhor, amei um e odiei o outro. "Um e um, dois"; "dois e dois, quatro"; isto para mim era um cantor odioso: "o cavalo de madeira ladeado de homens armados" e "a queima de Tróia", e "a sombra de Creusa e a triste similitude", eram o espetáculo escolhido de minha vaidade.

Por que então eu odeio os clássicos gregos, que têm os mesmos contos? Pois Homer também, curiosamente, tecia as mesmas fofocas e é muito docemente vaidoso, mas era amargo ao meu gosto de menino. Então, suponho, Virgil seria para as crianças gregas, quando forçado a aprendê-lo como eu era Homero. Dificuldade, na verdade, a dificuldade de uma língua estrangeira, frustrada, por assim dizer, com toda a doçura da fábula grega. Por não uma palavra disso eu entendi, e para me fazer entender, fui incitado veementemente com ameaças e punições cruéis. O tempo também era (quando criança) eu não sabia latim; mas isso eu aprendi sem medo ou sofrimento, por mera observação, em meio às carícias do meu berçário e brincadeiras de amigos, sorrindo e incentivando-me esportivamente. Isso eu aprendi sem qualquer pressão de punição para me encorajar, pois meu coração me incentivou a dar à luz suas concepções, o que eu só poderia fazer aprendendo palavras não daqueles que ensinavam, mas daqueles que conversavam comigo; em cujos ouvidos eu também dei à luz os pensamentos, o que quer que eu tenha concebido. Sem dúvida, então, que uma curiosidade livre tem mais força em nossa aprendizagem dessas coisas, do que uma aplicação assustadora. Somente essa imposição restringe as conquistas dessa liberdade, através de Tuas leis, ó meu Deus, Tuas leis, da bengala do mestre às provações do mártir, sendo capaz de temperar para nós um amargo saudável, lembrando-nos a Ti mesmo daquele prazer mortal que atrai. nós de Ti.

Ouça, Senhor, minha oração; não desfaleça a minha alma com a tua disciplina, nem desmaie em confessar a Ti todas as tuas misericórdias, pelas quais me tirastes de todos os meus caminhos mais perversos, para que me tornes mais que feliz do que todas as seduções que uma vez busquei ; para que eu possa te amar mais completamente, e apertar Tua mão com todas as minhas afeições, e Tu ainda poderás resgatar-me de toda tentação, até o fim. Pois eis, ó Senhor, meu Rei e meu Deus, que o Teu serviço seja o mais útil que minha infância aprendeu; para o teu serviço, que eu falo, escrevo, leio e concordo. Pois tu me deste a disciplina, enquanto eu aprendia vaidades; e meu pecado de deleitar-se naquelas vaidades que você perdoou. Nelas, na verdade, aprendi muitas palavras úteis, mas elas podem ser aprendidas em coisas que não são vãs; e esse é o caminho seguro para os passos da juventude.

Mas ai de ti, torrente de costume humano! Quem estará contra ti? até quando não secarás? Quanto tempo rolam os filhos de Eva naquele oceano imenso e hediondo, que nem sequer ultrapassam os que escalam a cruz? Porventura não li em Júpiter o trovejador e o adúltero? ambos, sem dúvida, ele não poderia ser; mas assim o trovão fingido poderia aprovar e tolerar o verdadeiro adultério. E agora qual de nossos mestres faz um ouvido sóbrio para alguém que de sua própria escola grita: "Estas eram as ficções de Homero, transferindo coisas humanas para os deuses; ele teria trazido coisas divinas para nós!" Ainda mais verdadeiramente ele disse: "Estas são de fato suas ficções; mas atribuindo uma natureza divina a homens perversos, que crimes podem não ser mais crimes, e aqueles que os cometem podem parecer imitar não homens abandonados, mas os deuses celestes".

E, no entanto, torrente infernal, em ti são lançados os filhos dos homens com ricas recompensas, por compenetrar tal aprendizado; e uma grande solenidade é feita disto, quando isto está acontecendo no fórum, dentro da visão das leis que nomeiam um salário ao lado dos pagamentos do erudito; e golpeia as tuas pedras e rugas: "Por isso as palavras são aprendidas; daí a eloquência; mais necessária para obter teus propósitos ou manter opiniões". Como se nunca tivéssemos conhecido palavras como "chuva de ouro", "colo", "sedutor", "templos dos céus", ou outros naquela passagem, a menos que Terence tivesse trazido uma juventude lasciva ao palco, estabelecendo Júpiter. como seu exemplo de sedução.
"Visualizando uma foto, onde o conto foi desenhado,
          De Júpiter descendo em uma chuva de ouro
          Para o colo de Danae, uma mulher para seduzir.
E então marque como ele se excita à luxúria como pela autoridade celestial:
"E que Deus? Grande Júpiter,
          Quem sacode os templos mais altos do céu com o seu trovão
          E eu, pobre homem mortal, não faço o mesmo!
          Eu fiz isso e com todo meu coração eu fiz isso ".
Nem com mais facilidade são as palavras aprendidas por toda essa vileza; mas por seus meios a vileza é cometida com menos vergonha. Não que eu culpe as palavras, sendo, por assim dizer, escolha e vasos preciosos; mas aquele vinho do erro que nos é embriagado por professores embriagados; e se nós também não bebermos, somos espancados e não temos juízo sóbrio a quem podemos apelar. No entanto, ó meu Deus (em cuja presença agora eu, sem ferir, posso lembrar disso), tudo isso infelizmente eu aprendi voluntariamente com grande prazer, e por isso foi pronunciado um menino esperançoso.

Suporta comigo, meu Deus, enquanto eu digo um pouco da minha sagacidade, Tua dádiva, e em que pontos eu desperdicei. Pois uma tarefa me foi colocada, incômoda o bastante para minha alma, em termos de louvor ou vergonha, e medo de riscas, para falar as palavras de Juno, enquanto ela se enfurecia e lamentava por não poder fazê-lo.

"Este príncipe troiano de volta de Latinum."

Que palavras eu ouvi que Juno nunca pronunciou; mas fomos forçados a nos desviar dos passos dessas ficções poéticas e a dizer em prosa muito o que ele expressou em verso. E seu discurso foi muito aplaudido, em quem as paixões de ira e tristeza eram mais preeminentes, e vestidas na linguagem mais adequada, mantendo a dignidade do personagem. O que é para mim, ó minha vida verdadeira, meu Deus, que minha declamação foi aplaudida acima de tantos da minha idade e classe? não é tudo isso fumaça e vento? e não havia mais nada aonde exercitar minha inteligência e língua? Teus louvores, Senhor, Teus louvores poderiam ter permanecido o broto ainda tenro do meu coração pelo suporte de Tuas Escrituras; assim não se arrastou em meio a essas ninharias vazias, uma presa contaminada pelas aves do ar. Pois de mais maneiras do que os homens se sacrificam aos anjos rebeldes.

Mas que maravilha eu fui levado assim às vaidades, e saí de Tua presença, ó meu Deus, quando os homens foram postos diante de mim como modelos, que, se em relacionar alguma ação deles, em si mesmo não doente, eles cometeram alguma barbárie ou solecismo, sendo censurado, ficaram embaraçados; mas quando em discurso rico, adornado e bem ordenado eles relataram sua própria vida desordenada, sendo elogiados, eles se glorificaram? Estas coisas vês, Senhor, e reténs a tua paz; longânime e abundante em misericórdia e verdade. Porventura conservas a tua paz para sempre? E, mesmo agora, arranjas deste horrível abismo a alma que te busca, que tem sede dos teus prazeres, cujo coração te disse: Busquei-te a face; Tua face, Senhor, procurarei. Para afeições obscurecidas é a remoção de Ti. Pois não é por nossos pés, ou mudança de lugar, que os homens te deixam, ou retornam para Ti. Ou será que Teu filho mais novo cuidou de cavalos, carros ou navios, voa com asas visíveis ou viaja pelo movimento de seus membros, para que ele possa, num país longínquo, desperdiçar em tumultos viventes tudo o que Tu deste à sua partida? um Pai amoroso, quando Tu deste e mais amoroso para ele, quando ele voltou vazio. Então, em concupiscência, isto é, em afeições escuras, está a verdadeira distância do Teu rosto.

Eis que, ó Senhor Deus, sim, contemplai com paciência, como bem sabereis, com que cuidado os filhos dos homens observam as regras da aliança de sílabas e cartas recebidas daqueles que falaram antes deles, negligenciando o pacto eterno da salvação eterna recebida de Ti. De tal maneira que um professor ou aprendiz das leis hereditárias de pronúncia ofenderia mais os homens falando sem o aspirado, de um "ser humano", apesar das leis da gramática, do que se ele, um "ser humano", odeia um "ser humano" apesar de Tua. Como se qualquer inimigo pudesse ser mais doloroso do que o ódio com o qual ele está enfurecido contra ele; ou poderia ferir mais profundamente aquele a quem ele persegue, do que ferir sua própria alma por sua inimizade. Seguramente, nenhuma ciência de letras pode ser tão inata como o registro de consciência, "que ele está fazendo a outro o que de outro ele estaria inclinado a sofrer". Quão profundos são Teus caminhos, ó Deus, Tu és somente grande, que se sentam em silêncio no alto e por uma lei infatigável dispensando cegueira penal a desejos sem lei. Em busca da fama da eloquência, um homem diante de um juiz humano, cercado por uma multidão humana, declamando contra seu inimigo com ódio mais feroz, observará atentamente, a menos que, por um erro da língua, ele mate a palavra " ser humano"; mas não se preocupa com o fato de que, através da fúria de seu espírito, ele mata o ser humano real.

Este era o mundo em cujo portão infeliz eu estava na minha infância; essa era a fase em que eu mais temia cometer uma barbárie do que ter cometido uma, invejar aqueles que não tinham cometido. Estas coisas eu falo e confesso a Ti, meu Deus; pelo qual recebi elogios deles, a quem eu então achava que toda a virtude agradava. Porque não vi o abismo da grosseria, em que fui lançado fora dos teus olhos. Antes deles o que era mais sujo do que eu já era, desagradando até mesmo a mim mesmo? com inumeráveis ​​mentiras enganando meu tutor, meus mestres, meus pais, por amor à brincadeira, vontade de ver espetáculos vãos e inquietude para imitá-los! Também cometi roubos, da adega e da mesa dos meus pais, escravizados pela ganância, ou que poderia ter de dar aos meninos, que me vendiam suas peças, que durante todo o tempo gostavam nada menos do que eu. Nessa peça também, Muitas vezes busquei conquistas injustas, me conquistei, entretanto, com vã desejo de preeminência. E o que eu poderia suportar, ou, quando eu o detectei, censurei tão ferozmente como eu estava fazendo com os outros? e para o qual se, detectado, eu fui repreendido, eu escolhi bastante brigar do que ceder. E isso é a inocência da infância? Não é assim, Senhor, não é assim; Eu choro a Tua misericórdia, meu Deus. Por esses mesmos pecados, à medida que os anos mais maduros são bem-sucedidos, esses mesmos pecados são transferidos de tutores e mestres, de nozes e bolas e pardais, para magistrados e reis, para ouro, mansões e escravos, assim como punições mais severas substituem a bengala. Foi a baixa estatura da infância que Tu, nosso Rei, recomendou como emblema de humildade, quando disseste: De tal é o reino dos céus.

No entanto, Senhor, para Ti, o Criador e Governador do universo, o mais excelente e o mais bom, graças a Ti nosso Deus, mesmo que Tu tivesses destinado somente a mim a infância. Pois mesmo assim eu era, vivi e senti; e tinha uma providência implantada sobre o meu bem-estar - um traço daquela misteriosa Unidade de onde eu era derivado; Eu guardava no sentido interno a inteireza de meus sentidos, e nessas buscas minuciosas, e em meus pensamentos sobre as coisas minuciosas, aprendi a me deliciar na verdade, detestava ser enganado, tinha uma memória vigorosa, era dotado de fala, era acalmada pela amizade, evitou a dor, baixeza, ignorância. Em uma criatura tão pequena, o que não era maravilhoso, não admirável? Mas todos são dons do meu Deus; não fui eu quem me deu; e bom estes são, e estes juntos são eu mesmo. Bom, então, é aquele que me fez e é meu bem; e antes dele exultarei para cada bem que de um menino eu tive. Pois foi meu pecado, que não Nele, mas em Suas criaturas - eu mesmo e outros - busquei prazeres, sublimidades, verdades e assim caí de cabeça em tristezas, confusões, erros. Graças a Ti, minha alegria e minha glória e minha confiança, meu Deus, graças a Ti por Tuas dádivas; mas tu os preservas para mim. Pois assim me preservas, e essas coisas serão ampliadas e aperfeiçoadas, as quais me deste, e eu mesmo serei contigo, já que foste dado a mim.

~

Santo Agostinho

Confissões (397-400)

Disponível em Gutenberg (inglês, tradução de Edward Bouverie Pusey).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: