Fé, o trabalho de Deus

"Então eles lhe disseram: Que faremos para fazermos as obras de Deus? Respondeu-lhes Jesus: Esta é a obra de Deus, que acreditais naquele que ele enviou." - João 6:28,29 


No contexto precedente, Jesus repreende as pessoas por segui-Lo, não porque viram seus milagres e em seus milagres a prova de que Ele veio de Deus, mas por causa dos pães e dos peixes; e depois aproveita para exortá-los a "não trabalhar pela carne que perece, mas por aquilo que persevera para a vida eterna". Com isso, eles começam com a pergunta - o que é esse "trabalho" de que você fala? O que devemos fazer para assegurar essa vida eterna?

Para isso, Jesus responde em nosso texto: "Esta é a obra de Deus, que credes naquele que ele enviou".

Ao discutir o assunto aqui apresentado, devo

I. NOTIFICAR A DIFERENÇA ENTRE A LETRA E O ESPÍRITO DE UM MANDAMENTO.

II. MOSTRE O QUE NÃO É O TRABALHO QUE DEUS REQUER REALMENTE.

III O QUE É ISSO.

IV. O QUE É IMPLICADO NELA.

V. NOTIFICAR ALGUNS DELUSÕES EM QUAIS AS PESSOAS QUEREM SOBRE ESTE ASSUNTO.


I. A letra respeita o fazer externo - o ato executivo, ou como às vezes chamado, o ato próximo, (como sendo o último da série), como distinto do fim último ou intenção que na ordem da natureza vem primeiro em as séries. Por exemplo, no ato de ir à reunião; o mero ato externo de ir é o último ou ato próximo, e pode ser obediência à simples carta do preceito. Se tudo estiver certo, o fim próximo pode ser juntar-se ao canto, à oração ou participar das instruções do santuário; mas o fim último será adorar e glorificar a Deus. A letra de um preceito diz - Faça isto - Abster-se disso; e, no entanto, todos sabem que todos os atos de fato procedem de algum fim último ao qual o espírito do preceito se refere. No caso de ir à igreja, a letra do preceito só respeita a ida para o exterior e, é claro, a ida externa cumpre a letra do preceito. Mas o preceito também tem um espírito, e isto se refere à intenção última do ato, e requer que isto esteja correto diante de Deus.

Essa distinção não é apenas muito clara, mas na moral é fundamental. Um ato deve ter um caráter ruim, um bom caráter ou nenhum, de acordo com sua qualidade moral final. Por exemplo: dar aos pobres pode resultar de uma grande variedade de motivos, e seu caráter real só pode ser determinado a partir de seu fim último.

Deus, portanto, não requer apenas o exterior, mas muito mais e, acima de tudo, os motivos; de modo que um homem obedecesse que tivesse um espírito correto, mesmo que fosse impedido do ato exterior. Por exemplo, os preceitos que exigiam a participação no culto público e a doação aos pobres, seriam obedecidos na mera intenção, desde que as circunstâncias fossem absolutamente proibitivas para o ato exterior. No entanto, não se deve esquecer que, se o ato exterior é possível, a intenção sincera sempre exigirá e assegurará isso. Ainda assim, é verdade que, se a intenção existe, a ação, tão longe quanto a sua moralidade está realmente feita, se a intenção estiver errada, a ordem é desobedecida; se estiver correto, é obedecido, se o homem é capaz de executá-lo em ação externa ou não. Se a intenção não for correta, não há obediência, quanto mais a carta pode ser observada.


II. Qual não é a obra de Deus? Isto é - o que não constitui aquela obediência que é aceitável a Deus?

1. Não é o cumprimento da mera carta de qualquer preceito. No que diz respeito aos atos executivos da vontade, nenhum desses é o trabalho que Deus requer.

2. Não é fazer qualquer coisa com referência final para agradar a nós mesmos ou promover nosso próprio interesse próprio. Em outras palavras, não é uma ação determinada pela esperança do bem pessoal ou pelo medo do mal pessoal. Isso não pode mais fazer a obra de Deus do que um homem contratado faria o trabalho de seu empregador, que deveria ser puramente egoísta e visar apenas agradar a si mesmo, em vez de agradar seu empregador. Se ele não sente interesse em seu trabalho pelo bem de seu patrão, e está interessado apenas em servir a si mesmo, suas mãos podem desligar um pouco o negócio de uma maneira pobre para seu mestre; mas onde não há coração, não há serviço valioso.

Então, e muito mais, na religião. A menos que um homem saia de si mesmo pelo seu fim, ele está realmente servindo a si mesmo e não a Deus. Suponha que ele ore ou pregue ou vá a reuniões; se seu objetivo final é assegurar algum bem a si mesmo, ele não está fazendo a obra do Senhor, mas apenas a sua. Ele está realmente fazendo seu próprio trabalho como ele que vai para a Califórnia para cavar ouro em suas minas. A diferença moral não está nos negócios realizados, mas no espírito do ato. Um vai com uma pá e uma picareta para cavar ouro - tudo para si mesmo sozinho - outro vai para seu armário ou para a igreja para fazer seus serviços religiosos, e para desenvolver sua própria salvação. Se este último é feito realmente para si mesmo como o outro, e como verdadeiramente sem uma consideração final à vontade e glória de Deus, não é mais aceitável a Deus do que o anterior. Não importa qual seja o curso da vida, se o eu e o ego são apenas o fim.

3. Nada é feito em obediência ao costume. É surpreendente ver o quanto é feito por nenhuma outra razão que a igreja o faça. Os usos e costumes da igreja são mantidos e considerados como lei. Mas a obediência a esta lei não é a obra de Deus a qual nosso texto alude.

4. Nenhuma obediência ao sentimento público é religião real. É maravilhoso ver o quanto aquilo que passa por religião é feito em relação ao sentimento público. Em lugares onde o padrão de piedade determinado pelo sentimento público é muito baixo, você dificilmente distinguirá essa classe de pessoas dos homens mais mundanos. Mas transferi-los para outras circunstâncias e relações onde o sentimento público exige muito deles, e você verá suas vidas grandemente modificadas. Eles se tornarão muito rigorosos em seus deveres religiosos, e muito cuidadosos para atender a todas as reivindicações que o sentimento público atual lhes faz.

Não é estranho que em algumas situações essas pessoas pareçam ser muito religiosas. Desde que eu vivi em Oberlin, conversei com centenas de pessoas que me contaram o quanto sua vida religiosa melhorou desde que elas estiveram aqui. Mas essa mudança pode ter sido simplesmente o resultado de circunstâncias externas - nenhum princípio, no fundo, controlando sua conduta, exceto uma consideração à opinião pública. Tais pessoas correm um grande risco de julgar mal o seu próprio caráter, e de se tornarem muito complacentes na ideia de fazer grandes progressos na santidade, enquanto na verdade deveriam apenas se condenar por estarem sob o controle do sentimento público e não da fé. trabalhando pelo amor.

5. Nada feito em obediência aos mandamentos dos homens é fazer a obra de Deus. As leis humanas estão bem - nos governos civis, na escola e na família; mas supor que obedecê-los é fazer todo o nosso dever para com Deus é um grande erro. É uma parte do nosso dever para com Deus, sem dúvida, mas não é a grande coisa que Deus requer. E quando a autoridade humana é o motivo final, e não vamos além disso, então claramente prestamos obediência simplesmente aos pais, e não a Deus - isto é, se nesta mesma obediência eles não têm nenhuma consideração a Deus , eles não lhe dão nenhuma obediência. Fazer isso não é "obedecer aos pais no Senhor".

6. Nada feito de pura superstição. Isso é mais óbvio. Se eu tivesse tempo, gostaria de salientar várias coisas aqui, que são verdadeiras superstições. As superstições não se restringem aos católicos romanos. Eles também se abrigam entre os protestantes, na forma de tradições dos anciãos, com os quais as pessoas são extremamente cuidadosas em obedecer, e assim pensam em desenvolver grande e importante retidão.

Nada feito a partir de um simples senso de dever, sem fé ou amor. Todo mero legalista sabe o que é fazer as coisas a partir de um mero senso de dever. Na verdade, nada é mais comum do que as pessoas agirem de acordo com esse princípio. Eles atendem a uma demanda de consciência, e a consciência em algumas pessoas parece ser desenvolvida apenas em certas direções e em referência a certas coisas. Geralmente os homens que dizem agir da consciência têm referência apenas a atos externos. Dizem que é certo que eu faça assim e assim para com meu próximo; mas nisso eles pensam apenas no ato externo, não no motivo interno.

Mas ouça aquele homem que age a partir de um simples senso de dever: "Eu tenho me encontrado duas vezes hoje. Eu fui porque achei que era meu dever". Você fez, de fato! E este é o espírito dos requisitos de Deus? Onde está a fé e o amor do evangelho neste ato! Não está lá. Não há uma partícula de obediência evangélica em tais ações. Nenhum homem atribui como motivo de amor verdadeiro a Deus - eu fiz isso porque achei que era meu dever! Para ter certeza, um homem que faz do amor a Deus é consciente de se conformar à sua consciência; mas ele não age porque está amarrado ao dever por um flagelo que não se atreve a resistir e não pode suportar.

8. Não fazer, seja o que for, sem respeito ao fim último, é a obediência.

9. Nada feito para obter uma esperança, ou para apoiar ou reviver uma velha esperança, é fazer a obra de Deus. Muitos labutam fervorosamente por esses fins, mas não trabalham com bons propósitos.

10. Nada feito para obter conforto é religião real. Se eles tivessem esperança de sucesso, eles poderiam labutar e trabalhar para este evento no inferno. O homem rico que reza por uma gota de água para resfriar sua língua, pode também se lisonjear de que ele está fazendo assim a obra de Deus, como eles. Quão vaidoso é supor que seus esforços para obter descanso mental são realmente obra de Deus, a menos que esses trabalhos sigam a direção da fé e do amor. Intuitivamente, a alma grita:

"Oh, onde será encontrado 

repouso, descanso para a alma cansada". 

No entanto, existe o perigo extremo de que os homens o busquem como um fim último, e de outro modo que não seja o caminho de Deus. Os homens precisam de um monitor para segui-los, chorando cada vez mais em seus ouvidos - irmão, irmã, essa não é a obra de Deus. O que, você diz, talvez - o que! Deus não exige que eu ore? Sim; mas com fé, não sem fé. Deus não exige que eu dê aos pobres? Sim; mas não sem fé e amor. Oh, como alguns homens precisam continuamente de um anjo no cotovelo para evitar que caiam no buraco - eles são tão propensos a cometer erros. Muitos precisam ser avisados ​​mais seriamente e fazer com que seus grandes esforços para obter isenção de agonias mentais, convicção e angústia, não sejam realmente obra de Deus.

De fato, não importa qual seja o esforço, embora feito em conformidade sempre tão exata com a letra, ainda assim não é aceitável a obediência a menos que seja feita em fé. Nada que não seja fé e amor, ou os resultados espontâneos desses exercícios, pode ser considerado uma verdadeira obediência a Deus. Isso é mais manifesto e precisa ser completamente entendido.


III. Qual é a obra de Deus?

O texto abrange tudo em uma palavra - FÉ.

Quando os ouvintes de Cristo fizeram essa pesquisa em nosso texto, eles se referiam apenas a atos executivos ou externos. Eles tinham caído inteiramente da apreensão espiritual dos mandamentos de Deus, e supunham suas requisições para mentir meramente no ato externo. Eles entenderam que Deus requeria um mero curso externo da vida. Cristo, portanto, os entendeu como inquiridores - devemos nos sacrificar? Vamos dar esmola aos pobres? Vamos fazer muitas oferendas no templo?

Cristo entendeu a pergunta deles e viu que eles ficaram muito aquém da verdade; portanto, por enquanto, foi deixado fora de vista, total e propositadamente, tudo o que eles chamavam de obras. Sem dúvida eles consideravam essa uma resposta maravilhosa. Para eles, sua resposta deve ter parecido equivalente a isso: não faça absolutamente nada. Você pergunta, diz Cristo, o que você deve fazer para realizar as obras de Deus. Eu vejo que você errou infinitamente o caso. Este é o trabalho - que você acredita em Deus - exercer fé. 'Fé? o que é isso?' eles respondem. "Diga-nos o que faremos!" Não faça nenhuma dessas coisas que você tem em suas mentes.

Contudo, não devemos supor que Cristo proibiu a realização de quaisquer atos externos corretos. Ele sabia perfeitamente bem como nós também, que se o coração pudesse entrar no estado certo, tudo estaria bem. Ele, portanto, visou um golpe para eliminá-los de todas as suas dependências vãs. "Não faça nenhuma dessas coisas", disse Ele, "como a obra de Deus, mas creia". Suponha que eles responderam: "Nós já acreditamos". Muitas centenas disseram isso para mim que ainda estavam em um estado semelhante ao daqueles judeus. Nós certamente acreditamos, dizem eles; e há um sentido em que eles fazem; mas não é tal sentido que envolve obediência e amor. É apenas um consentimento puramente intelectual da verdade; mas isso não é fé no evangelho.


Nosso texto levanta a grande indagação - Qual é a condição da salvação?

Você observará que não estamos agora investigando os fundamentos, mas simplesmente as condições da salvação. Cristo não pretendia ensinar que a fé pode ser o fundamento meritório da salvação; mas simplesmente aquilo sem o qual os homens não podem ser salvos.

É notável que Cristo fala como se a fé compreendesse todos os requisitos de Deus. Obviamente, é aqui falado apenas como o amor é onde se diz que é o cumprimento da lei. No amor real, nós realmente cumprimos toda a lei; porque o amor está conectado com todo o círculo de atividades obedientes e deve ser a mola móvel de todas as nossas ações externas. A fé sustenta as mesmas relações com todas as nossas atividades que o amor faz.

Mas qual é essa fé que é a obra de Deus?

Eu respondo:

1. Não é uma convicção meramente intelectual. Não é opinião ou qualquer conjunto de opiniões. Não é uma mera especulação; nem um sistema de teologia, por mais firme ou inteligente que seja; não é um estado intelectual meramente intelectual.

2. Mas é confiança ou confiança no caráter de Deus. Não pode haver algo como uma crença racional do que Deus diz, somente quando acreditamos que ele seja confiável. Nunca confiamos nas declarações de qualquer ser apenas quando pressupomos a confiança em seu caráter. Na fé, portanto, voluntariamente nos lançamos e confiamos na veracidade, sabedoria, amor e poder de Deus. Confiança em Deus é o mesmo tipo de confiança no homem. Ao exercitar a confiança no homem, realmente nos repousamos no caráter daqueles em quem confiamos. Tomemos por exemplo o caso de um estudante. Ele não tem meios de apoio. É natural, portanto, que ele esteja ansioso, inquieto e aflito, para não ser obrigado a abandonar em breve a busca de uma educação. Para todas as probabilidades humanas, ele deve logo se afastar de seus livros e de seus estudos, e procurar meios de subsistência em outras atividades. Mas amanhã o correio traz uma carta de um amigo - um homem de grande generosidade, integridade e riqueza. Sua carta diz: "Ouvi falar do seu caso, das suas ansiedades, dos seus constrangimentos e do seu forte desejo de prosseguir com a sua educação. Dá-me prazer dizer-lhe que pode recorrer a mim à vista para qualquer quantia que você precisar. "

Agora, suponha que o aluno não acredite nisso - suponha que ele não tenha confiança no escritor. O, ele diz, isso parece muito justo, mas temo que ele falhe em seus negócios, ou pelo menos que ele mude de ideia. Não acredito que possa confiar em sua promessa. Agora, neste estado de espírito, ele não estará em repouso. Talvez ele esteja tão ansioso como sempre. Mas por outro lado, se ele acredita, ele estará em repouso. Se ele tem toda a confiança no caráter de seu amigo, ele se sentirá tão calmo quanto à noite. Ele pode dormir tão silenciosamente quanto um bebê. Ele não deixará seu peito queimar com ansiedades intensas e desperdiçadas.

Então, de toda confiança na sabedoria e poder de Deus.

Se algum de vocês alguma vez esteve no mar em uma tempestade feroz e terrível, quando toda onda se abateu sobre você, cada tábua rangeu como se devesse estar em pedaços, você sabe o quão ansiosamente você olhou para o capitão - como você assistiu seu semblante e estudou especialmente sua confiança em seu navio e em sua capacidade de resistir à tempestade - e notou com que compostura ele viu seus mastros se dobrarem quase em dois e se inclinarem como dedos, mas não quebrando; então você teve uma ilustração de fé. Você confiou no julgamento e habilidade do capitão; ele confiava na navegabilidade de seu navio e em sua própria experiência.

Então, de fé em Deus. Você quer fé que Deus ama a si mesmo e a todo o resto; pois se você acreditasse que Ele te ama, e ainda assim não acreditasse que Ele ama todos os outros, você pode ter problemas. Então, se você admitir que Ele ama os outros, mas não a si mesmo, você descobrirá que mais fé do que isso é necessária antes que você possa ter a paz universal.

Você sabe como a criança se sente em relação ao pai. Você pode ter um machado na mão ou uma espada - a criança não tem medo, pois ele sabe que você é pai. Ele se apoderará dela e brincará com ela como uma pena, pois não pode sonhar com perigo ou medo, desde que o instrumento esteja na mão do pai. Ele acredita que você o ama; e sabe que você não vai machucá-lo, de modo que mesmo uma espada em sua mão não desperta medo em seu peito.

Então de Deus. Você não tem mais medo quando Deus brinca com o raio bifurcado do que quando ele pinta seu arco no céu abobadado na quietude do pôr-do-sol se aproximando. Isso é fé. Ele confia em Deus em meio à tempestade como na calma, certo de que Ele é para sempre o mesmo e sempre infinitamente bom e sábio.

Mas você está doente - sim, você está doente. O que então? Suponha que sua mãe possa salvar sua vida e restaurar sua saúde a qualquer momento. Você se sentiria muito calmo - e por quê? Porque você tem muita confiança em seu amor. Ah, mas você diz - eu tenho confiança no amor de Deus; mas talvez Deus não veja melhor salvar minha vida. Então sua mãe pode não ver melhor salvar sua vida; e se ela fosse tão boa quanto Deus é, e como sábia, ela faria a mesma coisa. Portanto, agora você pode ser tão pacífico quanto se o seu destino estivesse nas mãos do pai mais gentil e mais sábio da Terra, pois você pode saber que viverá ou morrerá, assim como o Amor e a Sabedoria infinitos designarão.

Cristo provou a morte por todos os homens - conseqüentemente, tanto para você como para mim. Agora a fé que Deus exige envolve a plena crença disso. A fé inclui a confiança de que Cristo está pronto, capacitado e disposto a salvá-lo. Suponha que você esteja nas águas profundas e pareça pronto para afundar - quando, de repente, você vê um homem por perto, e sabe que ele está pronto, hábil e disposto a salvá-lo. O fato de você acreditar nisso vai te deixar quieto sob quaisquer circunstâncias de perigo. Essa confiança vai deixar você tão calmo como se seus pés já estivessem sobre uma rocha.

A fé implica que você confia em Cristo como sustentar para si todas as suas relações reveladas - como sendo de Deus feito para você sabedoria e justiça, santificação e redenção. Você confia na suficiência presente e plenitude de sua graça. Você sabe que é adequado atender e suprir todos os desejos, e está pronto e à mão agora. Você vê e acredita que Ele pode fazer por você tudo que você precisa.

Você também vê em Cristo provisão feita para todo o futuro, para que você não tenha mais ocasião de estar ansioso pelo futuro do que pelo presente. De fato, você acredita em todas as suas promessas - tomando cada palavra delas como endereçada a si mesmo, e tão boa para o seu uso atual. Você se entrega à sua providência, certo de que ele se compromete a fazer todas as coisas cooperarem para o bem do seu povo. Ao seu dispor, portanto, você se entrega inteiramente e com mais tranquilidade pelo tempo e pela eternidade. Você sabe que pode confiar na sabedoria dele, e pode alegremente se comprometer com a conduta e a preservação dele.

Alguns de vocês viram o poder desta fé ilustrado nos santos agonizantes de Deus. Ao conversar com eles, você achou impossível nomear uma coisa que lhes desse alguma ansiedade. "Deus", disseram eles, "manterá tudo em sua mão de amor". Você fala àquela mulher e mãe que estão morrendo - "Você vai deixar seu marido? Como você pode suportar ir?" Deus cuidará dele. "Mas como você pode deixar todos os seus filhos?" Deus cuidará deles. "Mas o seu filho mais novo - essa querida coisa fraca?" Deus cuidará disso. "Você não tem medo de morrer debaixo de uma nuvem?" Deus cuidará disso. "Mas você pode desonrar a Deus e pecar contra o seu nome nas últimas lutas?" Sim, Deus sabe como cuidar disso. Essa é a resposta universal. Tudo está comprometido com Deus.

Pressione esta mãe agonizante ainda mais longe. Diga - você deve deixar seus filhos em um mundo iníquo - um mundo cheio de tentações e armadilhas. Seu marido pode se casar mal e seus filhos podem sofrer por falta da simpatia de uma mãe; você não sabe quantos perigos e males podem ser afetados. O que ela responde? Deus, ela diz, cuidará disso. Este é o antídoto para todos os cuidados e ansiedades. O caráter imutável e as promessas de Deus são uma grande âncora para sua alma. Ficou sobre eles, ela não tem medo de pular sobre o próprio inferno - fazendo toda a varredura sobre a sua cratera em chamas.

Essa fé não é visionária - não é mera especulação. Nada foi mais abundantemente atestado por testemunhas vivas e competentes.

Mas vá ao crente especulativo. Lá ele está deitado em sua cama moribunda. "Você está perto do seu fim?" Sem dúvida eu sou. "Você tem alguma ansiedade?" Sim, ansiedades suficientes. Eu tenho medo dos meus filhos, minha esposa, minha propriedade - mil coisas.

Agora todo esse medo e ansiedade é a verdadeira incredulidade.

IV. Várias coisas implicadas em fazer as obras de Deus.

1. Ter o mesmo fim com ele. Você deve simpatizar com Deus no grande fim que Ele buscou. Essa simpatia será um resultado natural de realmente amá-lo. Quando no espírito do amor real você chega a confiar em sua bondade universal, amor e fidelidade, você não pode deixar de ter uma simpatia universal com Ele em relação a todo o seu curso em seu governo.

2. Obediência espontânea à letra de seus comandos. Eu já disse que a fé e o amor estão conectados naturalmente com os atos exteriores correspondentes; daí a obediência da fé é perfeitamente espontânea. Como é com a esposa confiante? Ela tem uma simpatia perfeita com o marido em relação aos seus fins e motivos. Suponha que, com um objeto comum, partam para uma jornada para realizar esse objeto. A esposa sabe perfeitamente que o marido entende melhor como alcançar esse objetivo. Consequentemente, ela não precisa de comando; ela precisa apenas de uma expressão de sua vontade, pela simples razão de que ela simpatiza com ele no objeto comum e confia em sua sabedoria para efetuá-lo.

Então, em relação a Deus. Quando você tem perfeita confiança em seu caráter e simpatia com seus fins, você só precisa saber que sua vontade e obediência não serão forçadas, mas inteiramente espontâneas - não menos do que com um anjo, tanto quanto você tem. verdadeira fé em Deus.

3. Ausência de todo o medo que tem tormento. Você vê isso lindamente exemplificado no caso de muitos santos em seus leitos de morte, quando você não pode nomear uma coisa que eles não comprometem de bom grado e docemente com Deus, de modo a não ter ansiedades remanescentes em suas mentes.

4. Domínio da paz de Deus na alma. Este é o resultado inevitável da fé. A fé de Deus em Si mesmo (se assim posso falar) é a base de sua própria paz. Ele tem perfeita confiança em sua própria integridade e em todos os seus atributos, tanto morais quanto físicos. Tendo dedicado esses atributos ao grande trabalho de fazer o bem com a garantia do sucesso, Ele não pode deixar de desfrutar da perfeita paz de espírito. Agora deixe um cristão acreditar no que Deus acredita, e ele terá a paz que Deus tem. Deus não treme através do medo do futuro, nem ele.

5. Calma e equanimidade da alma. Com isto não quero dizer que não haverá desigualdades no estado da sensibilidade; havia em Cristo mesmo. No entanto, as profundezas da alma estarão calmas, pois os elementos de calma e equanimidade estão naturalmente presentes.

6. Satisfação com as atribuições atuais da providência. Seja doente ou saudável, tudo está bem, tudo vem, você claramente vê, de Deus, e você confia nEle para fazer todas as coisas da melhor maneira possível.

7. Um estado de espírito quieto em relação a todo o futuro. Todos ignorantes do futuro, embora ele seja, ainda assim o crente está em repouso sobre isso, e não deseja catequizar o Onisciente como se ele não pudesse esperar pelo tempo para revelar os eventos futuros. Ele não diz - oh que Deus me deixaria entregar as folhas do futuro - que eu poderia entregar a folha de amanhã hoje; basta saber que, como presente, todo o futuro está nas mãos de Deus, que sempre faz todas as coisas bem.

8. Divina alegria de temperamento.

Este é o resultado natural e inevitável da fé, mesmo que a amargura e a morosidade do temperamento sejam de incredulidade. Antes da minha conversão, pude perceber que, se tivesse confiança universal no arbítrio atual, sabedoria e bondade de Deus, não poderia deixar de me acalmar e ser alegre em todas as circunstâncias. Vi que os cristãos eram as únicas pessoas que tinham o direito de serem alegres.

9. Simpatia universal com bondade.

10. A oposição universal a todo mal.

11. O que são chamados deveres religiosos são espontaneidade; tão realmente quanto o afeto e os deveres de uma mãe para com seus filhos. Ela se senta entre seus filhos, no meio do amor - nunca tanto em seu elemento como quando ela está pegando seus sorrisos e respondendo com os seus próprios. Não são seus deveres e afetos maternos as espontaneidades do coração? Mesmo assim, são os cristãos quando a fé trabalha pelo amor e purifica o coração.

V. Delírios incidentes a este assunto.

1. Muitos olham apenas para a letra.

Eles têm substancialmente as noções judaicas de religião. Tudo o que eles pensam é, fazer, fazer, sem jamais recair na fé como a fonte principal de tudo.

2. A consciência de muitos é desenvolvida apenas em relação à letra. Eles parecem nunca ter desenvolvido sua consciência em relação a qualquer coisa além das moralidades externas da religião. Que ilusão é essa! Ter uma consciência somente em relação à vida exterior, mas que não convença de errado em relação à fé - quão ampla é esta da doutrina de Cristo! Ele disse do Espírito Santo - quando Ele vier, "Ele reprovará o pecado, porque eles não creem em mim". Cristo disse - Ele reprovará o mundo por não jejuar duas vezes em uma semana - por não dar os dízimos de toda a hortelã, anis e cominho - por mentir, por licenciosidade? Não, em verdade; mas por não acreditar Nele. Cristo parecia ter seu estado perfeitamente diante de sua mente e, portanto, disse que o Espírito, vindo, deveria ensinar-lhes uma lição melhor do que jejuar e fazer longas orações nas esquinas das ruas para serem vistas pelos homens; ele lhes ensinaria o pecado da incredulidade.

Quão notável que os homens tenham essa consciência! Uma consciência não desenvolvida em relação às coisas reais da religião; mas todas as suas idéias de certo e errado se relacionam com assuntos nos quais não há uma partícula de certo e errado, qualquer que seja! Devo chamar isso de consciência? Não é digno do nome; ainda assim, pode responder ao meu propósito atual de usar o nome, pois aquilo de que falo fornece-lhes o lugar e executa as funções que a consciência deve preencher e executar. A ilusão muitas vezes permanece inabalável até a morte, que a religião se refere a nada mais do que à vida exterior. Por exemplo, uma mulher está ausente da reunião de oração porque seus filhos estão doentes e sua consciência está extremamente perturbada. O que aflige essa mulher? Oh, ela cometeu um pecado tão grande! Ela não sabe que pode ter cometido mais pecado em sua incredulidade do que jamais poderia cometer, em qualquer circunstância, por estar ausente da reunião de oração?

Uma ocorrência em minha história pessoal fez impressões em minha mente do pecado da incredulidade que eu nunca posso esquecer. Um amigo meu havia manifestado tão grande consideração pelos meus desejos pessoais, e uma determinação tão forte em supri-los, que quando cheguei a notar seu efeito em meus próprios sentimentos em relação a ele, me impressionou com veemência que eu não tinha tanta confiança. afinal em Deus como eu tinha naquele homem. Esse pensamento veio como uma onda de morte sobre minha alma. É possível, disse eu, que depois de todas as revelações que Deus fez de seu amor para mim, eu não confiei n'Ele tanto quanto confio em um de meus companheiros mortais? E Deus nunca será capaz de ganhar minha confiança? Minha incredulidade deve sempre afligir seu coração e me barrar de seu peito?

Essa linha de pensamento serviu para me mostrar a grandeza de meus próprios pecados de incredulidade.

3. Muitos se julgam mais pela vida exterior do que pela fé. Eles sabem muito bem que sua fé não corresponde às reivindicações de Deus sobre eles; então eles são avessos a olhar para esse ponto. Mas sua vida exterior se aproxima de seu próprio ideal. Assim, com grande prazer, buscam algum testemunho favorável para apoiar sua esperança.

4. Muitos se obrigam a obedecer à carta e depois se satisfazem com isso, como se tivessem cumprido todos os seus deveres. Que erro!

5. Muitas pessoas, tornando-se um pouco convencidas, começam a se sentir insatisfeitas consigo mesmas, e então se colocam a respeito dos sentimentos corretos e corretos, ao invés de acreditarem. Alguém lhes diz: Vá, visite e trabalhe e ore pelas almas. Então você terá alegria e paz. Então, eles correm em busca de alívio e descanso mental. Cristo diria a tais coisas - Você saberia o que fazer para poder trabalhar a obra de Deus? Esta é a obra de Deus - que você acredita. Mas você diz - "eu acredito". O que você acredita? E você acredita com todo o seu coração? Você aceita sinceramente o verdadeiro evangelho e todo o evangelho?

6. Outros confundem convicção por fé. Eles pensam que as visões da verdade são realmente a mesma coisa que a fé. Ao passo que alguém pode ter fortes convicções de verdade, e ainda assim estar muito longe de entregar o coração ao domínio apropriado dessa verdade.

7. Outros recorrem a obras para obter fé. Sim, eles entram em uma perfeita efervescência de sentimentos e agitação para tentar alcançar a fé.

Agora tudo isso resulta da compreensão errônea do que é a fé. Muitos parecem não ver que a fé é a coisa mais simples do mundo. As crianças pequenas entendem e exercitam todos os dias. Eles têm fé em seus pais e amigos, e não lhes custa uma luta terrível e uma grande fermentação de sentimentos para consegui-lo. Parece tão natural para eles quanto a própria respiração. Por que eles não deveriam ter confiança em seus pais? Por que não confiar-se implicitamente ao cuidado de seus pais?

8. Outros descansam em uma fé perfeitamente espúria.

9. Outros tropeçam em uma fé parcial. Eles não abraçam todo o evangelho. Eles parecem entender apenas um pouco disso. Daí a fé deles não abraçar a Cristo como um salvador do pecado, presente e futuro. Eles não conseguem abraçar a plenitude das promessas da salvação do evangelho e continuam a tropeçar cada vez mais pela falta de uma visão mais completa e ampla da verdade do evangelho.

10. Muitos começam no lado errado de sua religião. Eles gastam seus esforços nas obras primeiro e não na fé. Daí eles estão sempre trabalhando e subindo a colina. Eles não encontram a ajuda do Espírito para ajudá-los, pela boa razão de não tomarem as promessas de Deus pela fé para essa bênção. É claro que eles se arrastam pela vida em sua desgraça, clamando enquanto gemia - "Ó homem miserável que eu sou! Quem me livrará deste corpo de pecado e morte". Na verdade, eles vivem e morrem na experiência de Rom. 7. Se eles, de uma vez, acreditassem e agissem como Paulo, em quanto tempo eles poderiam passar para a experiência de Rom. 8. Que eles só agradeçam a Deus através de Jesus Cristo, seu Senhor - então abra os olhos para ver que "agora não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus", e também para ver que "a lei do espírito de Deus". a vida em Cristo Jesus pode libertá-los da lei do pecado e da morte "; e quão natural e rapidamente poderiam entrar em um novo estágio da experiência cristã! Em Rom. 7, Paulo descreve o caso de alguém que começa no lado errado, e trabalha duro colina acima, porque ele trabalha sem fé.

11. Aqueles que começam assim no lado errado não concebem corretamente um estado de espírito justificado ou evangélico. Tome o homem de Rom. 7: que concepção ele tem de um estado de espírito justificado, conforme descrito em Rom. 8? O que ele sabe em sua experiência daquela fé e amor espontâneos, descritos tão belos e tão vividamente em João 4 e 7? Ali Cristo diz das verdadeiras águas da vida - "A água que eu lhe der será nele uma fonte de água que jorrará para a vida eterna"; e "do seu ventre fluirão rios de água viva". O amor e a fé do evangelho, tendo enraizado-se no interior, desenvolvem-se espontaneamente e derramam suas influências jorrantes sobre toda a vida exterior.

Ó quando os cristãos entenderão a diferença entre começar do lado de fora como se pensassem em trabalhar em sua religião através da pele, em vez de começar com o coração e plantar suas fundações profundas em fé e amor?

12. Uma classe de legalistas considera simplesmente a letra e, claro, sua religião é composta de fazer perpétuo; enquanto outra classe teve um vislumbre da lei e, portanto, está insatisfeita consigo mesma e geme como em Rom. 7, sob um corpo de pecado e morte, que eles não vêm com Cristo para alívio e salvação. Eles viram tanto da pureza da lei e do pecado de seus próprios corações que se sentem condenados; mas não vindo pela fé a Jesus Cristo, eles permanecem sob condenação e impuros do pecado. Ocasionalmente, eles têm períodos de melhores sentimentos, ocorrendo talvez nas horas do culto do sábado ou sob algumas circunstâncias especialmente excitantes; mas por muito tempo essas emoções diminuem e elas ficam tão enojadas com sua experiência como sempre.

Muitas vezes é o caso de que sua classe de pessoas não apenas está insatisfeita consigo mesma, mas com todo o resto. Eles olham para o estado religioso de seus irmãos através de olhos ictéricos e não vêem nada como acham que deveria ser. Como é que, dizem eles, você pode estar satisfeito com o seu estado atual ou ter alguma paz de espírito? Estou em um estado tão bom quanto você, mas de modo algum estou satisfeito comigo mesmo. Vivo tão bem quanto você, mas certamente estou longe de estar certo. Você deve estar totalmente iludido. Você se acha quase ou totalmente livre de pecado; mas sei que você não é, porque se você é, eu também sou; mas sei que não sou e, portanto, sei que você não é.

Ora, tais pessoas não parecem considerar que a vida exterior nem sempre é um índice do interior e de duas pessoas cuja vida exterior é substancialmente a mesma, uma pode viver pela fé e andar humildemente com Deus, enquanto a outra vive apenas pelas obras e na mais profunda culpa da incredulidade.

OBSERVAÇÕES

1. Cristo fala da fé como se fosse toda a religião. Nós vimos porque ele deveria. É a raiz natural da qual brota uma vida religiosa.

2. Podemos ver porque Paulo diz que a fé estabelece a lei. Isso acontece porque abraça e honra o sistema de expiação de Deus, e porque funciona por amor e, portanto, gera um espírito de obediência sincera à lei.

3. A diferença exata entre uma vida legal e uma vida evangélica é esta: a vida do evangelho é uma espontaneidade de fé e amor. Uma vida legal é uma espontaneidade do egoísmo. A obediência sincera e saudável flui naturalmente da fé e do amor. Deve ser assim e sempre será. Assim como naturalmente o egoísmo, quando se pretende ser religioso, coloca o tipo de legalidade.

4. Os pecadores olham para a religião sob uma luz egoísta e, portanto, consideram-na sombria e desanimadora; e suas abnegas como uma vida de penosidade. Julgando seus deveres por seu próprio estado de espírito e princípios de ação, eles o vêem apenas repulsivo e sem lucro. Uma vez que não lhes promete riquezas terrenas, ou honras terrenas, nem deleite sensual, eles não vêem nela beleza alguma que eles desejem. Uma vez que exige uma sujeição razoável desses apetites que eles gostam de saciar, eles acham que é um sistema muito oneroso. Se eles olhassem para isto, em um ponto de vista diretamente oposto, eles poderiam ver isto como é. É alguma negação ou dificuldade para o Amor procurar agradar? Há afeição real entre aquela mãe e seu filho. Agora, por que ela faz um pouco de ramos de flores e trazê-lo tão alegremente e docemente para sua pequena? Isso é um ato grave de autonegação para a mãe afetuosa?

Ou observe como o capitão do mar reúne as melhores coisas que pode dos confins da terra para levar para a esposa que ele ama. Isso é uma dificuldade? Será que ele arrasa uma escravidão miserável na prestação de serviços desse tipo para sua amada esposa? Se não, então você pode saber julgar as abnegas e dificuldades da verdadeira vida cristã. Não é o evangelho cristão, mas o legalista, que está arrastando o passo de seu caracol para o alto da sua vida religiosa. Ah, toda a sua religião não é nada melhor do que a penitência - uma penitência do tipo que Deus não pede nem aceita. Pecador, você interpreta erroneamente a religião e seu equívoco resulta do seu egoísmo. Se no lugar do egoísmo você tivesse amor verdadeiro a Deus, você veria muito mais coisas na religião do que o que você vê agora. Vá e peça aos jovens que convertam como todas essas águas da vida lhe são saborosas. Ele lhe dirá que eles são mais doces do que o mel ou o favo de mel. Se você souber disso, tente. Ó, quando você entenderá o que é a religião e, entendendo-a, entregará seu coração de uma vez em obediência às suas alegações? Então a tua paz será como o rio e a tua justiça como as ondas do mar.

~

Por: Charles Finney
Disponível em Sermon Index.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: