A certeza da sagrada teologia

Embora as observações que eu já ofereci na explicação do Objeto, o Autor e o Fim da teologia sagrada, e outras observações que poderiam ter sido feitas, se eles tivessem caído nas mãos de um intérprete competente, embora todos eles contenham admirável elogios desta teologia, e nos convencer de que é totalmente divino, uma vez que é ocupado com Deus, é derivado de Deus e leva a Deus; todavia, não poderão excitar dentro da mente de qualquer pessoa o desejo sincero de entrar em tal estudo, a menos que seja ao mesmo tempo encorajado pelos brilhantes raios de uma esperança assegurada de chegar a um conhecimento do Objeto desejável, e de obter o abençoado fim. Pois, uma vez que a perfeição do movimento é repouso, vão e inúteis o movimento que não é capaz de alcançar o repouso, o limite de sua perfeição. Mas nenhuma pessoa prudente desejará sujeitar-se ao trabalho inútil e inútil. Toda nossa esperança, então, de alcançar este conhecimento é colocada na revelação Divina. Pois a antecipação dessa concepção tão justa envolveu as mentes dos homens, "que Deus não pode ser conhecido senão através de si mesmo, a quem também não pode haver aproximação senão através de si mesmo". Por isso, torna-se necessário tornar evidente para o homem que uma revelação foi feita por Deus; que a revelação que foi dada é fortificada e defendida por tais argumentos seguros e aprovados, o que fará com que seja considerada e reconhecida como divina; e que há um método pelo qual um homem pode entender os significados declarados na palavra e pode apreendê-los por uma fé firme e assegurada. Para a elucidação da última proposição, esta terceira parte do nosso trabalho deve ser dedicada. Que Deus conceda que eu possa neste discurso seguir novamente a orientação de sua palavra, conforme revelado nas escrituras, e possa trazer à luz e oferecer ao seu conhecimento coisas que possam contribuir para estabelecer nossa fé e promover a glória de Deus, para a união de todos nós no Senhor. Eu oro e peço a você também, meus ouvintes muito famosos e mais talentosos, para não desdenhar de me favorecer com uma audição benevolente e paciente, enquanto eu faço esta oração fraca em sua presença.

Como estamos entrando agora em uma consideração da Certeza da Sagrada Teologia, não é necessário que a contemplemos sob o aspecto de Jurídico e Evangélico; porque em ambos existe a mesma medida da verdade e, portanto, a mesma medida de conhecimento, e isso é certeza. Vamos tratar sobre este assunto, então, de maneira geral, sem qualquer referência ou aplicação particular.
Mas para que a nossa oração proceda em um curso ordenado, será necessário, em primeiro lugar, descrever brevemente a Certeza em geral; e depois tratar com mais profundidade a Certeza da Teologia.

I. A certeza, então, é uma propriedade da mente ou entendimento, e um modo de conhecimento de acordo com o qual a mente conhece um objeto como ele é, e é certo que ele conhece esse objeto como ele é. É distinto do Parecer; porque é possível que a opinião conheça uma questão como ela é, mas seu conhecimento é acompanhado por uma suspeita da falsidade oposta. Duas coisas, portanto, são necessárias para constituir a certeza. (1) A verdade da coisa em si, e (2) tal apreensão dela em nossas mentes como acabamos de descrever. Essa mesma apreensão, considerada como sendo formada a partir da verdade da coisa em si, e moldada de acordo com tal verdade, também é chamada Verdade por causa da semelhança; assim como a coisa em si é certa, por causa da ação da mente que a apreende dessa maneira. Assim, essas duas coisas (certeza e verdade), por causa de sua admirável união, fazem uma transferência mútua de seus nomes, um para o outro.

Mas a verdade pode, na realidade, ser vista em dois aspectos - um simples e o outro composto. (1.) O primeiro, em relação a uma coisa como estando no número de entidades; (2.) o último, em referência a algo inerente a uma coisa, estando presente com ela ou uma de suas circunstâncias - ou em referência a uma coisa como produzir algo mais, ou como sendoproduzido por algum outro - e se houver quaisquer outras afeições e relações entre si. O processo da verdade na mente é da mesma maneira. Sua ação é de dois tipos. (1) Em um simples ser ou entidade que é chamado de "simples apreensão"; e (2.) em um ser complexo, que é denominado composição. "O modo da verdade é igualmente, na realidade, duplo - necessário e contingente; segundo o qual, uma coisa, seja simples ou complexa, é chamada "necessário" ou "contingente". A necessidade de uma coisa simples é a existência necessária da coisa em si, se obtém o lugar de um sujeito ou de um atributo. A necessidade de uma coisa complexa é a disposição inevitável e essencial e habitude que subsiste entre o sujeito e o atributo.

Essa necessidade que, como acabamos de afirmar, deve ser considerada em coisas simples, não existe em nada, exceto em Deus e naquelas coisas que, embora concordem com ele em sua natureza, ainda são distinguidas dele pelo nosso modo de considerá-las. Todas as outras coisas, quaisquer que sejam suas qualidades, são contingentes, a partir da circunstância de serem levadas à ação pelo poder; nem são contingentes apenas em razão de seu começo, mas também de sua duração continuada. Assim, a existência de Deus é uma questão de necessidade; Sua vida, sabedoria, bondade, justiça, misericórdia, vontade e poder, também têm uma existência necessária. Mas a existência e preservação das criaturas não são necessariamente necessárias. Assim também a criação, a preservação, o governo e quaisquer outros atos atribuídos a Deus em relação às suas criaturas não são necessariamente necessários. O fundamento da necessidade é a natureza de Deus; o princípio da contingência é o livre arbítrio da Deidade. Quanto mais durável tiver agradado a Deus para criar qualquer coisa, mais próximo está sua abordagem da necessidade, e quanto mais ela se afasta da contingência; embora nunca ultrapasse os limites da contingência e nunca alcance a inacessível morada da necessidade.

A necessidade complexa existe não somente em Deus, mas também nas coisas de sua criação. Existe em Deus, em parte por causa do fundamento de sua natureza e em parte por causa do princípio de seu livre-arbítrio. Mas a sua existência nas criaturas é somente do livre arbítrio de Deus, que imediatamente resolveu que esta deveria ser a relação e a habilidade entre dois objetos criados. Assim, "Deus vive, compreende e ama" é uma verdade necessária por sua própria natureza como Deus. "Deus é o Criador", "Jesus Cristo é o salvador", "Um anjo é um espírito criado dotado de inteligência e vontade" e "Um homem é uma criatura racional", são todas as verdades necessárias do livre arbítrio de Deus.

Desta afirmação, parece que os graus podem ser constituídos na necessidade de uma verdade complexa; que o mais alto pode ser atribuído a essa verdade que repousa sobre a natureza de Deus como seu fundamento; que o resto, que procede da vontade de Deus, pode ser superado por aquilo que (por meio de uma afeição maior de sua vontade), Deus quis investir com tal direito de precedência; e que pode ser seguido por aquilo que Deus desejou por menos carinho de sua vontade. O movimento do sol é necessário a partir da própria natureza dessa luminária; mas é mais necessário que os filhos de Israel sejam preservados e vingados de seus inimigos; o sol é, portanto, ordenado a ficar parado no meio dos céus. (Josué 10. 13). É necessário que o sol se ter ao longo do leste para o oeste, pelo movimento diurno dos céus. Mas é mais necessário que Ezequias receba, por um sinal seguro, uma confirmação do prolongamento de sua vida; o sol, portanto, quando comandado, retorna dez graus para trás; (Isaías 18 : 8), e assim é apropriado que a menor necessidade ceda ao maior, e que do livre arbítrio de Deus, que impôs uma lei sobre ambos. Como esse tipo de necessidade realmente existe nas coisas, a mente, observando as mesmas gradações, apreende e sabe disso, se tal modo de cognição pode realmente merecer o nome de "conhecimento".

Mas as causas desta Certeza são três. Pois é produzido na mente, seja pelos sentidos, pelo raciocínio e pelo discurso, ou pela revelação. O primeiro é chamado a certeza da experiência; o segundo, o do conhecimento; e o último, o da fé. A primeira é a certeza de objetos particulares que estão dentro do alcance e sob a observação dos sentidos; o segundo é o das conclusões gerais deduzidas de princípios conhecidos; e o último é o das coisas remotas do conhecimento dos sentidos e da razão.

II. Deixe essas observações agora serem aplicadas ao nosso propósito atual. O Objeto de nossa Teologia é Deus, e Cristo em referência a ele ser Deus e Homem. Deus é um verdadeiro Ser, e o único necessário, por causa da necessidade dele e ele é também um Ser necessário, porque ele permanecerá por toda a eternidade. As coisas que são atribuídas a Deus em nossa teologia: pertencem em parte à sua natureza e em parte concordam com ela por sua livre vontade. Por sua natureza, vida, sabedoria, bondade, justiça, misericórdia, vontade e poder pertencem a ele, por uma necessidade natural e absoluta. Por seu livre arbítrio, todas as suas volições e ações concernentes às criaturas concordam com sua natureza, e isso imutavelmente; porque ele quis, ao mesmo tempo, que eles não deveriam ser retirados ou revogados. Todas as coisas que são atribuídas a Cristo, pertencem a ele pelo livre arbítrio de Deus, mas sob esta condição, que "Cristo seja o mesmo ontem, e hoje, e para sempre" (Hebreus 8 : 8), inteiramente isenta de qualquer mudança futura, seja de um sujeito ou seus atributos, ou do afeto que existe entre os dois. Todas as outras coisas, que se encontram em toda a natureza superior e inferior das coisas (sejam consideradas simplesmente em si mesmas ou como são mutuamente afetadas entre si), não se estendem a nenhum grau dessa necessidade. A verdade e necessidade de nossa teologia, portanto, excede em muito a necessidade de todas as outras ciências, na medida em que ambas [a verdade e a necessidade] estão situadas nas próprias coisas. A certeza da mente, enquanto está engajada no ato de apreender e conhecer as coisas, não pode exceder a Verdade e a Necessidade da coisa em si; pelo contrário, muitas vezes não pode alcançá-los, [a verdade e a necessidade], através de algum defeito em sua capacidade. Pois os olhos de nossa mente estão na mesma condição com respeito à pura verdade das coisas, assim como os olhos das corujas com respeito à luz do sol. Por essa razão, portanto, é necessário que o objeto de nenhuma ciência possa ser conhecido com maior certeza do que o da teologia; mas segue, antes, que um conhecimento deste objeto pode ser obtido com o maior grau de certeza, se for apresentado de maneira qualificada e apropriada à inspeção do entendimento de acordo com sua capacidade. Pois este objeto não é de tal natureza e condição que seja apresentado aos sentidos externos; nem seus atributos, propriedades, afetos, ações e paixões podem ser conhecidos por meio da observação e experiência dos sentidos externos. É sublime demais para eles; e os atributos, propriedades, afetos, ações e paixões, que concordam com ela, são tão altos que a mente, mesmo quando auxiliada pela razão e pelo discurso, não pode conhecê-la, investigar seus atributos, nem demonstrar que concorda com o assunto, quaisquer que sejam os princípios que ele tenha aplicado, e a todas as causas pelas quais ele possa ter recorrido, sejam eles aqueles que surgem do próprio objeto, de seus atributos ou do acordo que subsiste entre eles. O objeto é conhecido por si só; e toda a verdade e necessidade são apropriada e imediatamente conhecidas por Ele a quem pertencem; para Deus em primeiro lugar e em um grau adequado; para Cristo, em segundo lugar, através da comunicação de Deus. Para si, de maneira adequada, em referência ao conhecimento que tem de si mesmo; em um grau inferior a Deus, em referência ao seu conhecimento dele, [Cristo]. Portanto, a Revelação é necessária pela qual Deus pode exibir a si mesmo e a seu Cristo como um objeto de visão e conhecimento de nosso entendimento; e esta exposição a ser feita de tal maneira a desdobrar de uma só vez todos os seus atributos, propriedades, afetos, ações e paixões, na medida em que lhes seja permitido conhecer, acerca de Deus e seu Cristo, para nossa salvação e para sua glória; e que Deus pode assim revelar toda e qualquer porção daqueles teoremas nos quais ambos os sujeitos e todos os seus atributos presentes são compreendidos. A revelação é necessária, se é verdade que Deus e seu Cristo devem ser conhecidos, e ambos são dignos de receber honras divinas e adoração. Mas ambos devem ser conhecidos e adorados; a revelação, portanto, de ambos é necessária; e porque é assim necessário, foi feito por Deus. Pois se a natureza, como participante e comunicadora de um bem que é apenas parcial, não é deficiente nas coisas que são necessárias; quanto menos devemos suspeitar de tal deficiência em Deus, o Autor e Artífice da natureza, que é também o Chefe Bom?

Mas inspecionar este assunto um pouco mais profundamente e em particular, irá amplamente retribuir nosso problema; pois é semelhante ao fundamento sobre o qual deve repousar o peso da estrutura - as outras doutrinas que se seguem. Pois, a menos que pareça certo e evidente, que uma revelação tenha sido feita, será em vão inquirir e discutir sobre a palavra em que essa revelação foi feita e está contida. Em primeiro lugar, então, a própria natureza de Deus evidencia claramente que uma revelação foi feita de si mesmo e de Cristo. Sua natureza é boa, benéfica e comunicativa de sua bem-aventurança, seja ela a que procede dela pela criação, seja aquela que é o próprio Deus. Mas não há comunicação feita do bem divino, a menos que Deus seja dado a conhecer e seja desejado pelas afeições e pela vontade. Mas ele não pode se tornar um objeto de conhecimento, exceto por revelação. Uma revelação, portanto, é feita como um instrumento necessário de comunicação.

2. A necessidade desta revelação pode de várias maneiras ser inferida e ensinada a partir da natureza e condição do homem. Primeiro. Por natureza, o homem possui uma mente e compreensão. Mas é apenas que a mente e a compreensão devem ser voltadas para o seu Criador; isso, entretanto, não pode ser feito sem o conhecimento do Criador, e tal conhecimento não pode ser obtido exceto por revelação; uma revelação, portanto, foi feita. Em segundo lugar. O próprio Deus formou a natureza do homem capaz do Bem Divino. Mas em vão teria tido tal capacidade, se não pudesse em algum momento participar deste Bem Divino; mas disto a natureza do homem não pode ser feita como participante exceto pelo conhecimento dela; o conhecimento deste Bem Divino foi, portanto, manifestado. Em terceiro lugar. Não é possível que o desejo que Deus implantou no homem seja inútil e infrutífero. Esse desejo é para o desfrute de um Bem Infinito, que é Deus; mas esse Infinito Bem não pode ser desfrutado, a menos que seja conhecido; uma revelação, portanto, foi feita, pela qual pode ser conhecida.

3. Que seja apresentada essa relação que subsiste entre Deus e o homem, e a revelação que foi feita se manifestará imediatamente. Deus, o Criador do homem, tem merecido como seu devido, receber adoração e honra da obra de suas mãos, por causa do benefício que ele conferiu pelo ato da criação. Religião e piedade são devidas a Deus, do homem a sua criatura; e esta obrigação é coeva com o próprio nascimento do homem, como o vínculo que contém esta requisição foi dado no mesmo dia em que ele foi criado. Mas a religião não poderia ser uma invenção humana. Pois é a vontade de Deus receber adoração de acordo com a regra e designação de sua própria vontade. Uma revelação foi feita, portanto, que exige do homem a religião devida a Deus, e prescreve aquela adoração que está de acordo com seu prazer e sua honra.

4. Se voltarmos nossa atenção para Cristo, é surpreendente quão grande é a necessidade de uma manifestação, e quantos argumentos imediatamente se apresentam em favor de uma revelação sendo comunicada. A sabedoria deseja ser reconhecida como a criadora da maravilhosa tentativa e qualificação da justiça e da misericórdia. Bondade e misericórdia graciosa, pois os administradores de tão imenso benefício procuravam ser adorados e honrados. E o poder, como a donzela de tal sabedoria estupenda e bondade, e como a executora do decreto feito por ambos, merecia receber adoração. Mas os diferentes atos de serviço que eram devidos a cada um deles não podiam ser prestados a eles sem revelação. A sabedoria, misericórdia e poder de Deus foram, portanto, reveladas e expostas de maneira copiosa em Cristo Jesus. Ele realizou uma multidão de obras maravilhosas, pelas quais podemos obter a salvação que havíamos perdido; Ele suportou os tormentos mais horríveis e o sofrimento inexprimível que, quando advogados a nosso favor, serviram para obter essa salvação para nós; e pelo dom do Pai ele possuía uma abundância de graças e, por ordem Divina, tornou-se seu distribuidor. Tendo, portanto, sustentado todos esses ofícios para nós, é seu prazer receber esses reconhecimentos, e aqueles atos de honra e adoração Divina, que são devidos a ele por causa de seus extraordinários méritos. Mas em vão, ele esperará a realização desses atos do homem, a menos que ele seja revelado. Uma revelação de Cristo, portanto, foi feita. Consulte a experiência real e isso lhe fornecerá inúmeros casos dessa manifestação. O próprio diabo, que é o rival de Cristo, imitou esses exemplos de manifestações graciosas, manteve conversas com homens sob o nome e semelhança do verdadeiro Deus, exigiu atos de devoção deles, e prescreveu-lhes um modo de religião adoração. Temos, portanto, a verdade e a necessidade de nossa teologia concordar em conjunto no mais alto grau; temos uma noção adequada disso na mente de Deus e de Cristo, de acordo com a palavra que é chamada emfutov "enxertada". (Tiago 2:1) Temos uma revelação desta Teologia feita aos homens pela palavra pregada; que revelação concorda tanto com as coisas em si e com a noção que mencionamos, mas de uma maneira que é usada e adaptada à capacidade humana. E como todos estes são preliminares para a certeza que entretemos a respeito desta Teologia, foi necessário notá-los nestas observações introdutórias.

Vamos agora considerar esta Certeza em si. Mas desde que uma revelação foi feita na palavra que foi publicada, e desde que a totalidade dela está contida naquela palavra (de modo que Esta Palavra é em si mesma nossa Teologia), nós não podemos determinar nada a respeito da certeza da Teologia em qualquer outra mais do que oferecendo alguma explicação sobre nossa certa apreensão dessa palavra. Assumiremos isso como um fato que é permitido e confirmado, que esta palavra não deve ser encontrada em nenhum outro lugar a não ser nos livros sagrados do Antigo e do Novo Testamento; e nós, neste relato, confinaremos esta certa apreensão de nossa mente a essa palavra. Mas, ao cumprir este projeto, três coisas exigem nossa consideração atenta: primeiro. A Certeza, e o tipo de certeza que Deus exige de nós, e pelo qual é seu prazer que esta palavra seja recebida e apreendida por nós como a Certeza Principal. Em segundo lugar. As razões e argumentos pelos quais a verdade dessa palavra, que é sua divindade, pode ser provada. Em terceiro lugar. Como uma persuasão dessa divindade pode ser trabalhada em nossas mentes, e esta Certeza pode estar impressa em nossos corações.

I. A Certeza "com a qual Deus deseja que esta palavra seja recebida, é a da fé; e, portanto, depende da veracidade daquele que a pronuncia". Por essa certeza "é recebido", não apenas como verdadeiro, mas como divino; e não é desse tipo de fé "envolvida e mista" pela qual qualquer um, sem entender os significados expressos pela palavra como por um sinal, acredita que aqueles livros que estão contidos na Bíblia são divinos: pois não é apenas uma opinião duvidosa contra a fé, mas uma concepção obscura e perplexa é igualmente inimiga. Tampouco é essa espécie "de fé histórica" ​​que acredita que a palavra seja divina e que compreende apenas por um entendimento teórico. Mas Deus exige que a fé seja dada à sua palavra, pela qual os significados expressos nesta palavra podem ser entendidos, tanto quanto for necessário para a salvação dos homens e a glória de Deus; e pode ser tão seguramente conhecido por ser divino, que eles podem ser acreditados para abraçar não só a verdade principal, mas também o chefe bom do homem. Esta fé não só acredita que Deus e Cristo existem, não só dá crédito a eles quando fazem declarações de qualquer tipo, mas acredita em Deus e em Cristo quando afirmam tais coisas concernentes a eles mesmos, como, sendo apreendidos pela fé, criam um crença em Deus como nosso Pai e em Cristo como nosso salvador. Isto nós consideramos ser o escritório de um entendimento que não é meramente teórico, mas de um que é prático. Por esta causa não só é asfaleia (certeza), atribuída nas Escrituras à fé verdadeira e viva, mas a ela são igualmente atribuídas wlhroforia (uma garantia completa, Hebreus. 6. 2), e wewoiqhsiv (confiança ou confiança, 2 Coríntios). 3, 4,) e é Deus quem exige e exige tal espécie de certeza e de fé.

II. Podemos agora ser autorizados a prosseguir por graus a partir deste ponto, para uma consideração daqueles argumentos que nos provam a divindade da palavra; e à maneira pela qual a certeza e a fé exigidas são produzidas em nossas mentes. Para constituir a visão natural, sabemos que (além de um objeto capaz de ser visto), não apenas uma luz externa é necessária para brilhar sobre ela e torná-la visível, mas também uma força interna do olho, que pode receber em si mesma. a forma e aparência do objeto que foi iluminado pela luz externa, e pode assim ser realmente permitido contemplá-lo. Os mesmos acompanhamentos são necessários para constituir a visão espiritual; pois, além dessa luz externa de argumentos e raciocínio, uma luz interna da mente e da alma é necessária para aperfeiçoar essa visão de fé. Mas infinito é o número de argumentos sobre os quais este mundo constrói e estabelece sua divindade. Nós selecionaremos e observaremos brevemente alguns dos que são mais usuais, a fim de que, com uma prolixidade muito grande, nos tornemos muito incômodos e desagradáveis ​​ao nosso auditório.


1. A DIVINDADE DAS ESCRITURAS

Deixe a própria escritura avançar, e execute a parte principal ao afirmar sua própria Divindade. Vamos inspecionar sua substância e seu assunto. É tudo concernente a Deus e seu Cristo, e está ocupado em declarar a natureza de ambos, em explicar melhor o amor, a benevolência, e os benefícios que foram conferidos por ambos na raça humana, ou que ainda ser conferido; e prescrevendo, em retorno, os deveres dos homens em relação aos seus Divinos Benfeitores. A escritura, portanto, é divina em seu objeto.

(2) Mas como se ocupa em tratar desses assuntos? Explica a natureza de Deus de tal maneira que não atribui nada estranho a ela, e nada que não concorde perfeitamente com ela. Ele descreve a pessoa de Cristo de tal maneira, que a mente humana, ao contemplar a descrição, deve reconhecer que "tal pessoa não poderia ter sido inventada ou inventada por qualquer intelecto criado", e que é descrita com tal aptidão, adequação e sublimidade, até o ponto de exceder a maior capacidade de um entendimento criado. Da mesma maneira, a escritura é empregada para relacionar o amor de Deus e Cristo para conosco e para dar conta dos benefícios que recebemos. Assim, o apóstolo Paulo, quando escreveu aos Efésios sobre esses assuntos, diz que, de seus escritos anteriores, a extensão de "seu conhecimento do mistério de Cristo" poderia ser manifestada a eles; (Efésios 3. 4.) Isto é, era divino e derivava somente da revelação de Deus. Contemplemos a lei em que se compreende o dever dos homens para com Deus. O que encontraremos, em todas as leis de todas as nações, que seja de todo semelhante a isto, ou (omitindo toda menção de "igualdade") que possa ser colocado em comparação com aquelas dez sentenças curtas? No entanto, mesmo aqueles mandamentos, por mais breves e abrangentes que sejam, foram ainda mais reduzidos a dois chefes principais - o amor de Deus e o amor ao próximo. Esta lei parece, na realidade, ter sido esboçada e escrita pela mão direita de Deus. Que este era realmente o caso, Moisés mostra com estas palavras: Que nação há tão grande que tem estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que eu pus diante de vós neste dia? ”(Deuteronômio 4. 8). da mesma forma, diz que tão grande e manifesta é a divindade que é inerente a esta lei, que forçou as nações pagãs, depois que a ouviram, a declarar em êxtase a sua admiração. ”Certamente esta grande nação é um povo sábio e compreensivo." (Deuteronômio 4. 6). A escritura, portanto, é completamente divina, da maneira como trata os assuntos que são seus súditos.

(3) Se considerarmos o Fim, isso nos indicará claramente a divindade desta doutrina. Esse fim é inteiramente divino, sendo nada menos que a glória de Deus e a salvação eterna do homem. O que pode ser mais justo do que todas as coisas devem ser referidas a ele de quem elas derivaram sua origem? O que pode ser mais consonante à sabedoria, bondade e poder de Deus do que restaurar a sua integridade original o homem que foi criado por ele, mas que por sua própria culpa se destruiu; e que ele deveria fazer dele um participante de sua própria benção divina? Se por meio de qualquer palavra que Deus quisesse manifestar ao homem, que propósito teria ele proposto que seria mais honroso para si mesmo e mais salutar para o homem? Que a palavra, portanto, foi divinamente revelada, não poderia ser discernida por qualquer marca que fosse melhor ou mais legível, do que a de mostrar ao homem o caminho da salvação, tomando-o como pela mão e conduzindo-o àquele caminho, e não deixando de acompanhá-lo até que o introduzisse no pleno desfrute da salvação: Em tal consumação como esta, a glória de Deus brilha mais abundantemente e se mostra. Aquele que quiser contemplar o que estamos declarando sobre este Fim, numa parte pequena mas nobre desta palavra, deve colocar "a oração do Senhor" diante dos olhos de sua mente; ele deveria olhar mais atentamente para isso; e, tanto quanto for possível para os olhos humanos, ele deve investigar minuciosamente todas as suas partes e belezas. Depois de ter feito isso, a menos que confesse, que nesta dupla extremidade é proposta de uma maneira que é ao mesmo tempo tão nervosa, breve e precisa, a ponto de estar acima da força e capacidade de toda inteligência criada, e a menos que ele reconheça, que esta forma de oração é puramente divina, ele deve necessariamente ter uma mente cercada e cercada por mais do que a escuridão egípcia.


2. O ACORDO DESTA DOUTRINA EM SUAS PARTES

Vamos comparar as partes dessa doutrina juntas, e descobriremos em todas elas um acordo e harmonia, mesmo em pontos no mais ínfimo, que é tão grande e evidente que nos leva a acreditar que não poderia ser manifestado por nós. homens, mas deve ter implícita credência colocada nele como tendo certamente procedido de Deus.

Deixe as previsões apenas, que foram promulgadas a respeito de Cristo em diferentes épocas, sejam comparadas juntas. Para o consolo dos primeiros pais de nossa raça, Deus disse à serpente: "A semente da mulher lhe ferirá a cabeça". (Gênesis 3. 15.) A mesma promessa foi repetida por Deus, e foi especialmente feita a Abraão: "Na tua semente todas as nações serão abençoadas". (Gênesis 22. 18.) O patriarca Jacó, quando na hora da morte, predisse que esta semente deveria vir da linhagem e família de Judá, com estas palavras: "O cetro não se apartará de Judá, nem um legislador de entre os seus pés, até que venha Siló, e para ele se congregará o povo. (Gênesis 49. 10.) Que o profeta estrangeiro também seja levado adiante, e a estas previsões ele acrescentará aquela declaração oracular que ele pronunciou por inspiração e sob o comando do Deus de Israel, nestas palavras: Balaão disse: "Virá de Jacó uma estrela, e um cetro sairá de Israel, e ferirá os cantos de Moabe, e destruirá todos os filhos de Sete." (Números 24. 17) Esta semente abençoada foi depois prometida a Davi, por Natã, com estas palavras: "Levantar-te-ei a tua descendência depois de ti, a qual procederá de tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino". (2 Samuel 7. 12.) Por esse motivo, Isaías diz: "Virá uma vara do tronco de Jessé, e um ramo brotará de suas raízes". (11, 1.) E, ao sugerir que uma virgem seria sua mãe, o mesmo profeta diz: "Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel!" (Isaías 14: 14). Seria tedioso repetir cada declaração que ocorre nos salmos e nos outros Profetas, e que concorda mais apropriadamente com esse assunto. Quando essas profecias são comparadas com aquelas ocorrências que foram descritas no Novo Testamento a respeito de seu cumprimento, será evidente, pela completa harmonia do todo, que todas elas foram ditas e escritas pelo impulso de um Espírito Divino. Se algumas coisas nesses livros sagrados parecem contradições, elas são facilmente reconciliadas por meio de uma interpretação correta. Acrescento que não apenas todas as partes desta doutrina concordam entre si, mas também se harmonizam com essa Verdade Universal que se espalhou por toda a Filosofia; para que nada seja descoberto na Filosofia, o que não corresponde a essa doutrina. Se alguma coisa parece não possuir uma correspondência tão exata, ela pode ser claramente refutada por meio da verdadeira Filosofia e da razão correta.

Deixe que o estilo e o caráter das escrituras sejam produzidos e, nesse instante, um espelho da majestade que é refletido de maneira luminosa e refulgente, será exibido de maneira mais divina. Relaciona coisas que são colocadas a uma grande distância além do alcance da imaginação humana - coisas que superam em muito as capacidades dos homens. E simplesmente relaciona essas coisas sem empregar qualquer modo de argumentação, ou o aparato usual de persuasão: ainda assim, seu desejo óbvio é ser compreendido e acreditado. Mas que confiança ou razão tem para esperar obter a realização desse desejo? Não possui nenhum, exceto que depende puramente de sua própria autoridade não misturada, que é divina. Publica seus comandos e seus interditos, suas promulgações e suas proibições a todas as pessoas; para reis e súditos, para nobres e plebeus, para os instruídos e os ignorantes, para aqueles que "exigem um sinal" e aqueles que "buscam a sabedoria" para os velhos e os jovens; sobre tudo isso, a regra que tem e o poder que exerce são iguais. Coloca sua confiança exclusiva, portanto, em sua própria potência, que é capaz, da maneira mais eficaz, de restringir e obrigar todos aqueles que são refratários, e de recompensar aqueles que são obedientes.

Que as recompensas e as punições sejam examinadas, pelas quais os preceitos são sancionados, e há uma promessa de vida eterna e uma denúncia de punições eternas. Aquele que faz um começo como esse, pode calcular quando se torna um objeto de ridículo, a menos que ele possua uma consciência interior tanto de seu próprio direito quanto de poder; e, a não ser que ele saiba que, para subjugar as vontades dos mortais, é uma questão igualmente fácil de realizar com ele, como executar suas ameaças e cumprir suas premissas. Às próprias escrituras, permita que ele recorra a quem possa estar desejoso de provar com a maior certeza a sua majestade, do tipo de dicção que ele adota: Que leia o encantador Canto de Moisés, cântico de Moisés, descrito nos capítulos finais do Livro de Deuteronômio: Que ele, com seus olhos mentais, examine diligentemente o início da profecia de Isaías: Que ele, em espírito devoto, considere o centésimo quarto Salmo. Então, com estes, que ele compare quaisquer espécimes de escolha de poesia e eloquência que os gregos e os romanos possam produzir da maneira mais eminente de seus arquivos; e ele será convencido pelas evidências mais demonstrativas de que as últimas são produções do espírito humano, e que as primeiras poderiam proceder de nenhum outro além do Espírito Divino. Deixe um homem do maior gênio, e, em erudição, experiência e eloquência, o mais completo de sua raça - permita que um mortal tão bem instruído entre nas listas e tente terminar uma composição similar a esses escritos, e ele encontre-se em uma perda e totalmente desconcertado, e sua tentativa terminará em desconfiança. Esse homem então confessará que o que São Paulo declarou a respeito de sua maneira de falar, e de seus companheiros de trabalho, pode ser verdadeiramente aplicado a toda a escritura: "As quais também falamos, não com palavras que a sabedoria do homem ensina, mas que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais ". (1 Corintios 2. 13.)


3. AS PROFECIAS

Examinemos em seguida as profecias espalhadas por todo o corpo da doutrina; alguns dos quais pertencem à substância da doutrina, e outros contribuem para obter autoridade para a doutrina e seus instrumentos. Deve ser particularmente observado, com que eloqüência e distinção eles predizem os assuntos maiores e mais importantes, que estão muito longe da investigação minuciosa de toda mente humana e angelical, e que não poderia ser realizada senão pelo poder Divino: Que seja percebeu ao mesmo tempo com que precisão as previsões são respondidas pelos períodos que intervêm entre eles, e por todas as suas circunstâncias concomitantes; e o mundo inteiro será compelido a confessar que tais coisas não poderiam ter sido previstas e preditas, exceto por uma Deidade onisciente. Eu não preciso aqui adicionar exemplos; porque eles são óbvios para qualquer um que abra o volume divino. Eu produzirei apenas uma ou duas passagens, nas quais essa concordância precisa da previsão e seu cumprimento é descrita. Ao falar dos filhos de Israel sob o cativeiro egípcio, e sua libertação dele de acordo com a previsão que Deus havia comunicado a Abraão em um sonho, Moisés diz: "E aconteceu no final dos quatrocentos e trinta anos até mesmo no mesmo dia aconteceu que todas as hostes do Senhor saíram da terra do Egito: "(Êxodo 12. 41). Ezra fala assim acerca da libertação do cativeiro babilônico, que evento, Jeremias predisse, deveria ocorrer dentro de setenta anos: "Agora no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, que a palavra do Senhor pela boca de Jeremias poderia ser cumprida, o Senhor despertou o espírito de Ciro, rei da Pérsia, "& c. (Esdras 1: 1). Mas o próprio Deus declara por Isaías, que a divindade da Escritura pode ser provada, e deve ser concluída, deste tipo de profecias. Estas são as suas palavras: "Mostrem as coisas que virão no futuro, para que saibamos que sois deuses". (Isaías 23:23)


4. MILAGRES

Uma evidência ilustre da mesma divindade é concedida nos milagres, que Deus realizou pelos mordomos de sua palavra, seus profetas e apóstolos, e pelo próprio Cristo, para a confirmação de sua doutrina e para o estabelecimento de sua autoridade. Pois esses milagres são de tal descrição que excedem infinitamente os poderes unidos de todas as criaturas e todos os poderes da própria natureza, quando suas energias são combinadas. Mas o Deus da verdade, queimando com zelo pela sua própria glória, nunca poderia ter oferecido testemunhos tão fortes como estes aos falsos profetas e à sua falsa doutrina: nem poderia ter dado tal testemunho a qualquer doutrina, mesmo quando era verdade, contanto que fosse não a dele, isto é, desde que não fosse divino. Cristo, portanto, disse: "Se eu não fizer as obras de meu Pai, não acredite em mim; mas se eu fizer, embora você não acredite em mim, acredite nas obras." (João 1:37 e 38). Foi a mesma causa que induziu a viúva de Sarepta a dizer, ao receber das mãos de Elias seu filho, que, após sua morte, havia sido ressuscitado pelo profeta: "Ora, com isto sei que tu és homem de Deus, e que a palavra do Senhor na tua boca é verdade." (1 Reis 17. 24.) Essa expressão de Nicodemos tem o mesmo significado: "Rabi, sabemos que és professor vindo de Deus, porque ninguém pode fazer esses milagres que fazes, a não ser que Deus esteja com ele." (João 3. 2) E foi por uma razão semelhante que o apóstolo disse: "Os sinais de um apóstolo foram operados entre vós em toda a paciência, em sinais, prodígios e milagres". (2 Coríntios 12:12) Há, de fato, milagres registrados que foram feitos entre os gentios, e sob os auspícios dos deuses que eles invocaram: Também é predito, com relação aos falsos profetas, e ao próprio Anticristo, que eles exibirão muitos sinais e maravilhas: (Apocalipse 19. 20.) Mas nem em número, nem em magnitude, são iguais aos que o verdadeiro Deus tem operado perante todo o Israel, e na visão de todo o mundo. Nem foram os feitos de seus verdadeiros milagres, mas apenas operações espantosas realizadas pela ação e poder de Satanás e seus instrumentos, por meio de causas naturais, que estão ocultas do entendimento humano e escapam à cognição dos homens. Mas negar a existência daqueles grandes e admiráveis ​​milagres que estão relacionados a terem realmente acontecido, quando eles também têm o testemunho de judeus e gentios, que eram os inimigos da verdadeira doutrina - é um sinal evidente de impudência descarada e estupidez execrável.


5. A ANTIGUIDADE DA DOUTRINA

Que a antiguidade, a propagação, a preservação e a defesa verdadeiramente admirável dessa doutrina sejam acrescentadas - e elas proporcionarão um testemunho claro e perspicaz de sua divindade. Se aquilo que é da mais alta antiguidade possui a maior porção da verdade, "como Tertuliano mais sábia e justamente observa, então esta doutrina é uma das maiores verdades, porque pode traçar sua origem até a mais alta antiguidade. É igualmente Divina, porque se manifestou numa época em que não poderia ter sido inventado por qualquer outra mente, pois tinha seu início no mesmo período em que o homem foi trazido à existência.Um anjo apóstata não teria então proposto nenhuma de suas doutrinas ao homem, a menos que Deus tenha se revelado anteriormente à criatura inteligente que ele havia formado recentemente: isto é, Deus impediu o anjo caído, e não havia então nenhuma causa na existência pela qual ele pudesse ser impelido a se engajar em tal empreendimento. sofrer homem, que tinha sido criado depois da própria imagem dele, ser tentado pelo inimigo dele por meio de doutrina falsa, até que, depois de ser abundantemente instruído naquele que era verdade, ele foi habilitado para saber o que era falso e ejetar. Tampouco qualquer sentimento odioso de inveja contra o homem atormentou Satanás, a não ser que Deus o tenha considerado digno da comunicação de sua palavra, e se dignou, por meio dessa comunicação, a torná-lo participante do eterno. Felicidade, da qual Satanás teve naquele período infelizmente caído.

A Propagação, Preservação e Defesa dessa doutrina, mais admiráveis ​​quando consideradas separadamente, serão todas encontradas como divinas, se, em primeiro lugar, fixarmos atentamente nossos olhos naqueles homens entre os quais ela é propagada; então nos inimigos e adversários desta doutrina; e, finalmente, sobre a maneira como sua propagação, preservação e defesa têm sido e ainda são realizadas. (1) Se considerarmos aqueles homens entre os quais esta sagrada doutrina floresce, descobriremos que sua natureza, por causa de sua corrupção, rejeita essa doutrina por uma razão dupla; (i) A primeira é, porque em uma de suas partes é tão inteiramente contrária à sabedoria humana e mundana, como sujeitar-se à acusação da Loucura de homens de mentes corruptas. (ii.) A segunda razão é porque, em outra de suas partes, é decididamente hostil e hostil às concupiscências mundanas e aos desejos carnais. É, portanto, rejeitado pelo entendimento humano e recusado pela vontade, que são as duas principais faculdades no homem; pois é de acordo com suas ordens e comandos que as outras faculdades são colocadas em movimento ou permanecem em repouso. No entanto, apesar de toda essa repugnância natural, ela foi recebida e acreditada. A mente humana, portanto, foi conquistada, e a vontade subjugada foi conquistada por Aquele que é o autor de ambas. (2)

Esta doutrina tem alguns inimigos mais poderosos e amargos: Satanás, o príncipe deste mundo, com todos os seus anjos, e o mundo seu aliado: Estes são inimigos com os quais não pode haver reconciliação. Se a sutileza, o poder, a malícia, a audácia, a impudência, a perseverança e a diligência desses inimigos, forem colocados em oposição à simplicidade, à inexperiência, à fraqueza, ao medo, à inconstância e à indolência de a maior parte daqueles que concordam com essa doutrina celestial; então a maior maravilha será excitada, como esta doutrina, quando atacada por tantos inimigos, e defendida por tais defensores arrependidos, pode permanecer e permanecer segura e indiferente. Se esta maravilha e admiração forem sucedidas por uma investigação sobrenatural e divina de sua causa, então o próprio Deus será descoberto como o propagador, preservador e defensor dessa doutrina. (3) A maneira também na qual sua propagação, preservação e defesa são conduzidas, indica a divindade por muitos símbolos irrefutáveis. Esta doutrina é levada a efeito, sem arco ou espada - sem carruagens ou cavaleiros; mas prossegue prosperamente, permanece numa postura ereta e permanece inconquistável, em nome do Senhor dos Exércitos: enquanto seus adversários, embora apoiados por auxiliares aparentemente capazes e confiando em tal ajuda poderosa, são derrubados, caem juntos, e pereça. É realizado, não por manter sedutoras promessas de riquezas, glória e prazeres terrenos, mas por uma declaração anterior da temida cruz, e pela prescrição de tal paciência e tolerância que excede em muito toda a força e capacidade humana. "Ele é um vaso escolhido para mim, para levar o meu nome aos gentios, aos reis e aos filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei o quanto ele deve sofrer por causa do meu nome." (Atos 13 : 16). "Eis que vos envio como ovelhas no meio dos lobos." (Mateus 10. 16)

Sua conclusão não é efetuada pelos conselhos dos homens, mas em oposição a todos os conselhos humanos - sejam eles dos professores dessa doutrina ou de seus adversários. Pois muitas vezes acontece que os conselhos e maquinações que foram planejados para a destruição desta doutrina, contribuem grandemente para a sua propagação, enquanto os príncipes das trevas se atormentam e se debatem em vão, e ficam atônitos e confundidos, em uma questão tão contrária. às expectativas que haviam formado a partir de seus conselhos mais astutos e sutis.

São Lucas diz: "Saul devastou a igreja, entrando em todas as casas, e, lançando homens e mulheres, os entregou à prisão. Portanto, os que foram dispersos, foram por toda parte pregando a palavra." (Atos 7. 3, 4) E por isso Samaria recebeu a palavra de Deus. Em referência a este assunto, São Paulo também diz: "Mas quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para o progresso do evangelho, a fim de que minhas atitudes se manifestassem em todo o palácio". e em todos os outros lugares". (Filipenses 1 : 12,13) Pela mesma causa, essa observação comum adquiriu toda a sua justa fama: "O sangue dos mártires é a semente da igreja". O que devemos dizer a estas coisas? "A pedra que os construtores recusaram, tornou-se a pedra principal da esquina: Isto é obra do Senhor; é maravilhoso aos nossos olhos." (Salmo 118. 22, 23)

Junte a estes os tremendos juízos de Deus sobre os perseguidores desta doutrina e a miserável morte dos tiranos. Um deles, no exato momento em que exalava seu espírito poluído e infeliz, internamente constrangido foi constrangido a proclamar, embora num tom frenético e escandaloso, a divindade desta doutrina nestas notáveis ​​palavras: "Tu foste conquistada, ó Galileu!

Quem está lá agora, que, com os olhos libertos de todo preconceito, olhará para tais provas claras da divindade da Escritura, e isso não confessará instantaneamente: o apóstolo Paulo tinha as melhores razões para exclamar: "Se nosso evangelho se esconder? está escondido para aqueles que estão perdidos, nos quais o Deus deste mundo cegou os entendimentos dos que não creem, para que a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus, não resplandeça neles. (2 Coríntios 3: 4) Como se ele tivesse dito: "Isto não é trevas humanas, nem é atraído como um véu espesso sobre a mente pelo próprio homem; mas é trevas diabólicas, e espalhadas pelo diabo, o príncipe das trevas, sobre a mente do homem, sobre quem, pelo julgamento justo de Deus, ele exerce a seu prazer a tirania mais absoluta.Se não fosse esse o caso, seria impossível que esta escuridão permanecesse; Quão grande seja a sua densidade, ela seria dispersada por essa luz que brilha com um brilho tão avassalador ".


6. A SANTIDADE DOS AQUELES A QUE FOI ADMINISTRADA

A santidade daqueles por quem a palavra foi anunciada pela primeira vez aos homens e por quem ela estava comprometida a escrever, conduz ao mesmo propósito - provar sua Divindade. Pois, uma vez que parece que aqueles a quem foi confiado o cumprimento deste dever, haviam se despojado da sabedoria do mundo, e dos sentimentos e afeições da carne, inteiramente adiando o velho homem - e que eles foram completamente devorados. e consumido pelo seu zelo pela glória de Deus e pela salvação dos homens - é evidente que tão grande santidade como esta havia sido inspirada e infundida neles, por Aquele que é o Santo dos Santos.

Seja Moisés o primeiro a ser apresentado: ele foi tratado de maneira muito injuriosa por um povo ingrato e foi freqüentemente marcado para destruição; ainda assim ele estava preparado para comprar sua salvação por seu próprio banimento. Ele disse, quando implorava a Deus: "Agora, porém, se queres, perdoa o seu pecado; e se não, apaga-me, peço-te, do teu livro que escreveste." (Êxodo 32:32.) Eis o seu zelo pela salvação do povo confiado ao seu encargo - um zelo pela glória de Deus! Você veria outro motivo para esse desejo ser dedicado à destruição? Leia o que ele havia dito anteriormente: "Por que os egípcios deveriam falar e dizer? Por travessura o Senhor os fez sair para matá-los nas montanhas" (Êxodo 22:12), "porque ele não foi capaz de tirá-los até a terra que ele jura aos seus pais. (Números 16). Observamos o mesmo zelo em Paulo, quando ele deseja que ele mesmo "seja aniquilado de Cristo por seus irmãos, os judeus, seus parentes segundo a carne" (Romanos 9) de quem ele havia sofrido. muitas e grandes indignidades.

David não se envergonhava publicamente de confessar seus pesados ​​e enormes crimes, e de entregá-los à escrita como um memorial eterno à posteridade. Samuel não se esquivou de marcar nos registros da perpetuidade a conduta detestável de seus filhos; e Moisés não hesitou em prestar testemunho público contra a iniquidade e a loucura de seus antepassados. Se até mesmo o menor desejo de uma pequena glória possuía suas mentes, eles certamente teriam sido capazes de se entregar à taciturnidade e esconder em silêncio essas circunstâncias de desgraça. Aqueles que estavam engajados em descrever os feitos e realizações de outras pessoas, não estavam familiarizados com a arte de oferecer adulação a grandes homens e nobres, e de atribuir erroneamente a seus inimigos qualquer feito ou motivo indigno. Com respeito apenas à verdade, ao promover a glória de Deus, colocaram todas as pessoas em igualdade; e não fez outra distinção entre eles do que aquilo que o próprio Deus ordenou que fosse feito entre a piedade e a iniquidade. Ao receber da mão de Deus a sua nomeação para este ofício, eles imediatamente se despediram de todo o mundo e de todos os desejos que estão nele. "Cada um deles disse ao pai e à mãe: Não o vi, nem reconheceu seus irmãos; porque observavam a palavra de Deus e guardavam o seu pacto". (Deuteronômio. 33. 9.)


7. A CONSTÂNCIA DOS SEUS PROFESSORES E MÁRTIRES

Mas o que diremos a respeito da constância dos professores e mártires, que eles demonstraram nos tormentos que suportaram para a verdade desta doutrina? De fato, se submetermos essa constância à visão dos inimigos mais inflexíveis da doutrina, extorquiremos de juízes indispostos uma confissão de sua Divindade. Mas, para que a força desse argumento seja colocada em uma luz mais clara, a mente deve ser direcionada a quatro particularidades: a multidão dos mártires e sua condição; os tormentos que os inimigos lhes infligiam e a paciência que demonstravam ao suportá-los.

(1) Se direcionar nossas investigações para a multidão deles, é inumerável, muito superior a milhares de milhares; por causa disso, está fora do poder de qualquer um dizer que, por ser apenas a escolha de algumas pessoas, isso deve ser imputado ao frenesi ou ao cansaço de uma vida cheia de problemas.

(2) Se investigarmos a sua condição, encontraremos nobres e camponeses, aqueles em autoridade e seus súditos, os instruídos e os iletrados, os ricos e os pobres, os velhos e os jovens; pessoas de ambos os sexos, homens e mulheres, casados ​​e solteiros, homens de constituição vigorosa e acostumados a perigos, e moças de ternos hábitos educados com delicadeza e cujos pés quase nunca haviam tropeçado no menor pedregulho que se levantara. acima da superfície do seu caminho suave e nivelado. Muitos dos primeiros mártires eram pessoas honradas desta descrição, que ninguém poderia pensar que eles estavam inflamados por um desejo de glória, ou se esforçando para ganhar aplausos pela perseverança e magnanimidade que eles tinham evidenciado na manutenção dos sentimentos que eles tinham. abraçado.

(3) Alguns dos tormentos infligidos a tantas pessoas e de várias circunstâncias na vida eram comuns, e outros incomuns, alguns deles rápidos em sua operação e outros lentos. Parte das vítimas infratores foram pregadas em cruzes e parte delas foram decapitadas; alguns foram afogados em rios, enquanto outros foram assados ​​antes de um fogo lento. Vários foram moídos em pó pelos dentes de animais selvagens, ou foram rasgados em pedaços por suas presas; muitos foram serrados ao meio, enquanto outros foram apedrejados; e não poucos deles foram sujeitos a punições que não podem ser expressas, mas que são consideradas mais vergonhosas e infames, devido à sua extrema torpeza e indelicadeza. Nenhuma espécie de crueldade selvagem foi omitida, que tanto a ingenuidade da malignidade humana poderia inventar, que a raiva mais visível e furiosa poderia excitar, ou que até mesmo o trabalho infernal da corte do inferno poderia fornecer.

(4) E, no entanto, para que possamos chegar imediatamente à paciência desses santos confessores, eles suportaram todas essas torturas com constância e equanimidade; ou melhor, eles os suportaram com um coração tão alegre e um semblante alegre, como a fadiga até mesmo a fúria inquieta de seus perseguidores, que muitas vezes foram compelidos, quando cansados, a ceder à inconquistável força de sua paciência e a confessar-se completamente. vencido. E qual foi a causa de toda essa resistência? Consistia em sua relutância em recuar no ponto mínimo daquela religião, cuja negação era a única circunstância que poderia permitir-lhes escapar ao perigo e, em muitos casos, conquistar a glória. Qual foi então a razão da grande paciência que demonstraram sob seus aguçados sofrimentos? Era porque acreditavam que, quando esta curta vida terminasse, e depois das dores e aflições que eles eram chamados a suportar na Terra, eles obteriam uma imortalidade abençoada. Nesse particular, o combate que Deus manteve com Satanás parece ter parecido um duelo; e o resultado disso foi que a Divindade da Palavra de Deus foi levantada como uma superestrutura da infâmia e ruína de Satanás.


8. O TESTEMUNHO DA IGREJA

A divina Onipotência e Sabedoria empregou principalmente esses argumentos para provar a Divindade dessa palavra abençoada. Mas, para que a Igreja não se contamine com esse vício mais vil, ingratidão de coração, e que ela possa realizar um serviço suplementar em auxílio de Deus, seu Autor e de Cristo, seu Cabeça, ela também pelo seu testemunho aumenta a Divindade desta palavra. Mas é apenas uma adição; ela não lhe dá divindade; sua província é meramente uma indicação da natureza Divina desta palavra, mas ela não lhe comunica a marca da Divindade. Pois, a menos que esta palavra tivesse sido Divina, quando não havia Igreja em existência, não teria sido possível que seus membros "tivessem nascido desta palavra, como de semente incorruptível" (1 Pedro 1:23), para se tornarem filhos de Deus e, através da fé nesta palavra, "tornar-se participantes da Natureza Divina". (2 Pedro 1 4.) O próprio nome de "autoridade" tira da Igreja o poder de conferir Divindade a essa doutrina. Pois a Autoridade é derivada de um Autor: Mas a Igreja não é o Autor, ela é apenas o lactente desta palavra, sendo posterior a ela em causa, origem e tempo. Nós não ouvimos aqueles que levantam essa objeção: "A Igreja é de maior antiguidade que a escritura, porque no tempo em que essa palavra não havia sido destinada à escrita, a Igreja tinha até então uma existência." Brincar em assuntos sérios com tais expedientes, é altamente impróprio em cristãos, a menos que eles tenham mudado suas antigas maneiras piedosas e sejam transformados em jesuítas. A Igreja não é mais antiga que este ditado: "A semente da mulher ferirá a cabeça da serpente"; (Gênesis 3:15), embora ela tivesse uma existência antes que essa sentença fosse registrada por Moisés nas Escrituras. Pois foi pela fé que eles exerceram nesta palavra, que Adão e Eva se tornaram a Igreja de Deus; já que, antes disso, eles eram traidores, desertores e o reino de Satanás - aquele grande desertor e apóstata. A Igreja é de fato o pilar da verdade, (1 Timóteo 3:15), mas é edificada sobre essa verdade como sobre um fundamento, e assim dirige-se à verdade, e a leva à visão dos homens. Deste modo, a Igreja desempenha o papel de diretor e testemunha desta verdade, e seu guardião, arauto e intérprete. Mas em seus atos de interpretação, a Igreja está confinada ao sentido da própria palavra, e está ligada às expressões da Escritura: pois, de acordo com a proibição de São Paulo, ela não se torna sábia acima daquilo que está escrito; "(1 Coríntios 4: 6), nem é possível que seja assim, visto que ela é impedida tanto por sua própria imbecilidade quanto pela profundidade das coisas divinas.

Mas recompensará nosso trabalho, se em poucas palavras examinarmos a eficácia desse testemunho, pois é esse o prazer dos papistas, que constituem "a autoridade da Igreja", o começo e o término de nossa certeza, quando ela tem testemunha da escritura que é a palavra de Deus. Em primeiro lugar, a eficácia do testemunho não excede a veracidade da testemunha. A veracidade da Igreja é a veracidade dos homens. Mas a veracidade dos homens é imperfeita e inconstante, e é sempre de modo a dar ocasião a isso a observação da verdade: "Todos os homens são mentirosos". Nem é a veracidade de quem fala, suficiente para obter crédito ao seu testemunho, a menos que a veracidade daquele que dá testemunho da verdade pareça clara e evidente para aquele a quem ele faz a declaração. Mas de que maneira será possível tornar clara e evidente a veracidade da Igreja? Isto deve ser feito, seja por uma noção concebida, muito tempo antes, ou por uma impressão feita recentemente nas mentes dos ouvintes. Mas os homens não possuem tal noção inata da veracidade da Igreja como equivale àquilo que declara: "Deus é verdadeiro e não pode mentir". (Tito 1. 2.) É necessário, portanto, que fique impressionado com alguma ação recente; essa impressão é feita de dentro ou de fora. Mas a Igreja não é capaz de causar qualquer impressão interior, pois ela só presta seu testemunho por meio de instrumentos externos e não se estende às partes mais íntimas da alma. A impressão, portanto, será externa; que não pode ser outra senão uma exibição e indicação de seu conhecimento e probidade, bem como testemunho, muitas vezes verdadeiramente chamado. Mas todas essas coisas podem produzir nada mais do que uma opinião nas mentes daqueles a quem são oferecidos. A opinião, portanto, e não o conhecimento, é o efeito supremo dessa eficácia.

Mas os Papistas replicam: "que o próprio Cristo estabeleceu a autoridade de sua Igreja com esta declaração:" Quem vos ouve, ouve-me. "(Lucas 10. 16). Quando esses infelizes raciocinadores falam assim, parecem não estar cientes de que eles estão estabelecendo a autoridade da Escritura antes da da Igreja, pois é necessário que seja dado crédito àquela expressão como foi pronunciada por Cristo, antes que qualquer autoridade possa, por sua conta, ser concedida à Igreja. A razão será tão defensável em relação a toda a Escritura quanto a esta expressão.Agora deixe a Igreja se contentar com a honra que Cristo conferiu a ela quando ele fez dela a guardiã de sua palavra, e nomeou-a para ser a diretora e testemunha de ele, o arauto e o intérprete.

III No entanto, uma vez que os argumentos que surgem de todas as observações que temos até agora, e de quaisquer outros que sejam calculados para provar a Divindade das escrituras, não podem nos revelar um entendimento correto das escrituras, nem selar em nossas mentes os significados que nós entendemos, (embora a certeza da fé que Deus exige de nós, e requer que exercitemos em sua palavra, consiste nestes significados,) é uma conseqüência necessária, que a todas estas coisas deveria ser acrescentada outra coisa, por a eficácia de que essa certeza pode ser produzida em nossas mentes. E este é o próprio assunto sobre o qual não estamos preparados para tratar, nesta terceira parte do nosso discurso


9. O TESTEMUNHO INTERNO DO ESPÍRITO SANTO

Declaramos, portanto, e continuamos a repetir a declaração, até que as portas do inferno re-ecoam o som, "que o Espírito Santo, por cuja inspiração homens santos de Deus falaram esta palavra, e por cujo impulso e orientação eles têm como seus amanuenses, consignou-o a escrever, que este Espírito Santo é o autor daquela luz pela ajuda da qual obtemos uma percepção e uma compreensão dos significados divinos da palavra, e é o Eficaz daquela Certeza pela qual nós acredite naqueles que significam ser verdadeiramente divinos, e que Ele é o Autor necessário, o suficiente Efetuador. " (1.) A Escritura demonstra que Ele é o Autor necessário, quando diz: "As coisas de Deus não conhecem o homem, senão o Espírito de Deus. (1 Corintios 11,11). Ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, mas pelo Espírito Santo ". (1 Coríntios 12:13) (2) Mas a Escritura apresentou-o como o suficiente e mais que suficiente Efetuador, quando declara: "A sabedoria que Deus ordenou perante o mundo para a nossa glória, ele nos revelou pelo seu Espírito, porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. (1 Corintios 2. 7, 10). A suficiência, portanto, do Espírito procede da plenitude de seu conhecimento dos segredos de Deus e da revelação muito eficaz que ele faz deles. Essa suficiência do Espírito não pode ser mais louvada do que em uma passagem subsequente, na qual o mesmo apóstolo o recomenda amplamente, declarando: "Aquele que é espiritual [participante desta revelação] julga todas as coisas" (verso 15), como tendo a mente de Cristo através de seu Espírito, que ele recebeu. Da mesma suficiência, o apóstolo São João é o mais ilustre arauto. Em sua epístola geral, ele escreve estas palavras: "Mas a unção que dele recebestes, permanece em vós; e não tendes necessidade de que alguém vos ensine, mas, como a mesma unção vos ensina todas as coisas, e é verdade, e não é mentira, e assim como te ensinou, permanecereis nele. (1 João 2. 27.) "Aquele que crê no Filho de Deus, tem o testemunho em si mesmo." (1 João v. 10) Para os tessalonicenses, outro apóstolo escreve assim: "Nosso Evangelho não chegou a vós somente em palavras, mas também em poder e no Espírito Santo, e em muita certeza" (1 Tessalonicenses 3: 3). Nesta passagem ele atribui abertamente ao poder do Espírito Santo a Certeza pela qual os fiéis recebem a palavra do evangelho.Os Papistas respondem: "Muitas pessoas se gabam da revelação do Espírito, que, no entanto, são destituídas de tal revelação. É impossível, portanto, que os fiéis repousem com segurança nela. "São estas belas palavras? Fora com tal blasfêmia! Se os judeus se gloriam em seu Talmude e sua cabala, e os maometanos em seu Alcorão, e se ambos se gabam eles são Igrejas, não pode creditar, portanto, ser dado com segurança suficiente às escrituras do Antigo e do Novo Testamento, quando eles afirmam sua Divina Origem? A verdadeira Igreja será menos uma Igreja porque os filhos do estranho arrogam esse título para Esta é a distinção entre opinião e conhecimento. É a opinião deles, que eles sabem daquilo que são realmente ignorantes, mas aqueles que o conhecem, têm uma percepção assegurada de seu conhecimento. "É o Espírito que dá testemunho que o Espírito é a verdade "(1 João 5. 8), isto é, a doutrina e os significados compreendidos nessa doutrina são a verdade".

"Mas aquele testemunho do Espírito que é revelado em nós, não pode convencer os outros da verdade da Palavra Divina." O que então? Ela os convencerá quando também tiver soprado sobre eles: respirará sua Divina inspiração sobre eles, se forem os filhos da igreja, e todos eles serão ensinados por Deus: todos eles ouvirão e aprenderão sobre o Pai. e virá a Cristo "(João 6. 45). Nem o testemunho de nenhuma Igreja pode convencer todos os homens da verdade e divindade dos escritos sagrados. Os papistas, que se arrogam exclusivamente o título de" a Igreja, "experimentar o pequeno grau de crédito que é dado aos seus testemunhos, por aqueles que não receberam uma inspiração do espírito da Sé Romana.

"Mas é necessário que haja um testemunho na Igreja de caráter tão elevado a ponto de tornar imperativo que todos os homens o paguem por sua devida deferência". Verdade. Foi o dever incumbente dos judeus de pagar deferência ao testemunho de Cristo quando ele estava falando com eles; os fariseus não deveriam ter contradito Estêvão no meio de seu discurso; e judeus e gentios, sem qualquer exceção, estavam fadados a dar crédito à pregação dos apóstolos, confirmada como foi por tantos e tão surpreendentes milagres. Mas os deveres aqui recitados foram desconsiderados por todos esses partidos. Qual foi a razão disso ser sua negligência? O endurecimento voluntário de seus corações e aquela cegueira de suas mentes, que foi introduzida pelo diabo.

Se os papistas ainda argumentam que "tal testemunho como este deve existir na Igreja, contra o qual ninguém realmente oferece qualquer contradição", nós negamos a afirmação. E a experiência testifica que um testemunho desse tipo nunca teve uma existência, que ela não existe agora e (se pudermos formar nosso julgamento a partir das escrituras), certamente pensamos que ela nunca existirá.

"Mas talvez o Espírito Santo, que é o Autor e Efetuador deste testemunho, tenha entrado em um compromisso com a Igreja, não para inspirar e selar nas mentes dos homens essa certeza, exceto através dela, e pela intervenção de sua autoridade. " O Espírito Santo faz, indubitavelmente, de acordo com o bom prazer de sua própria vontade, fazer uso de algum órgão ou instrumento para realizar esses seus ofícios. Mas esse instrumento é a palavra de Deus, que é compreendida nos livros sagrados das escrituras; um instrumento produzido e apresentado por Si mesmo e instruído em sua verdade. O Apóstolo dos Hebreus, de maneira excelente, descreve a eficácia que é imprimida neste instrumento pelo Espírito Santo, com estas palavras: "Porque a palavra de Deus é rápida e poderosa, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, perfurando até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é um discernidor dos pensamentos e intenções do coração ". (Heb. Iv, 10.) Seu efeito é chamado de "Fé" pelo apóstolo. "A fé vem pelo ouvir e ouvir pela palavra de Deus." (Romanos 10. 7). Se algum ato da Igreja ocorre neste lugar, é por meio do qual ela está ocupada na pregação sincera desta palavra, e pela qual ela se esforça diligentemente em promover sua publicação. Mas mesmo assim não é propriamente a ocupação da Igreja, como dos "Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Professores", a quem Cristo constituiu seus obreiros "para edificação de seu corpo, que é a Igreja". Efes. 11: 11. Mas devemos, neste lugar, deduzir uma observação da própria natureza das coisas em geral, bem como desta coisa em particular; é que a Primeira Causa pode se estender muito mais por sua própria ação do que é possível para uma causa instrumental; e que o Espírito Santo dá à palavra toda aquela força que ele depois emprega, sendo essa a grande eficácia com a qual ela é dotada e aplicada, aquela a quem ele aconselha apenas por palavra, ele mesmo persuade dando sentidos Divinos à palavra, iluminando a mente como com uma lâmpada, e inspirando e selando isto por sua própria ação imediata. Os papistas fingem que certos atos são necessários para a produção da verdadeira fé; e eles dizem que esses atos não podem ser realizados, exceto pelo julgamento e testemunho da Igreja - como acreditar que qualquer livro é a produção de Mateus ou Lucas - para discernir entre um verso canônico e um apócrifo, e distinguir entre isto ou essa leitura, de acordo com a variação em diferentes cópias. Mas, uma vez que existe uma controvérsia sobre o peso e a necessidade desses atos, e uma vez que a disputa não é menor do que o quão longe eles podem ser realizados pela Igreja - para que eu não fatigue minha mais ilustre auditiva por duas grandes prolixidades, omitirei presentemente qualquer menção adicional destes tópicos; e pela ajuda divina, explicá-los em alguma oportunidade futura.

Meus ouvintes mais ilustres e realizados, já percebemos que ambas as páginas da nossa teologia sagrada estão cheias de Deus e Cristo, e do Espírito de ambas. Se alguma pergunta for feita para o Objeto, Deus e Cristo pelo Espírito são apontados para nós. Se buscarmos o Autor, Deus e Cristo pela operação do Espírito ocorrerão espontaneamente. Se considerarmos o fim proposto, nossa união com Deus e Cristo se oferece - um fim a não ser obtido, exceto através da comunicação do Espírito. Se nós perguntamos sobre a Verdade e Certeza da doutrina; Deus em Cristo, por meio da eficácia do Espírito Santo, mais claramente convence nossas mentes da verdade, e de uma forma muito poderosa sela a certeza em nossos corações.

Toda a glória, portanto, desta revelação é merecidamente devida a Deus e a Cristo no Espírito Santo: e muito merecidamente são graças devido de nós a eles, e devem ser dados a eles, através do Espírito Santo, por tal augusto e necessário. beneficiar como este que eles nos conferiram. Mas podemos apresentar ao nosso Deus e Cristo no Espírito Santo nenhuma gratidão mais grata, e não podemos atribuir nenhuma glória mais gloriosa, do que isso, a aplicação de nossas mentes a uma contemplação assídua e uma meditação devota sobre o conhecimento de um objeto tão nobre. Mas em nossas meditações sobre isso (para nos impedir de nos desviarmos para os caminhos do erro), vamos nos direcionar para a revelação que foi feita desta doutrina. Apenas a partir da palavra desta revelação, aprendamos a sabedoria de nos esforçarmos, por um ardente desejo e em um curso incansável, para atingir aquele desígnio final que deveria ser nosso objetivo constante - aquele fim mais abençoado de nossa união com Deus e Cristo. Nunca nos deixe duvidar da verdade dessa revelação; mas, "a plena certeza da fé sendo impressa em nossas mentes e corações pela inspiração e selamento do Espírito Santo, vamos aderir a esta palavra", até que [completamente] todos nós venhamos na unidade da fé e da fé. conhecimento do Filho de Deus, a um homem perfeito, à medida da estatura da plenitude de Cristo." (Efésios 13: 13). Eu mais humildemente suplicar e intrometer Deus nosso Pai misericordioso, que ele teria o prazer de concede esta grande bênção a nós, através do Filho de seu amor, e pela comunicação de seu Espírito Santo, e a ele seja atribuído todo louvor, honra e glória para todo o sempre.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 1.

Disponível em CCEL.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: