Confissões - Livro IV

Por este espaço de nove anos (do meu décimo nono ano até o meu vigésimo oitavo) vivíamos seduzidos e sedutores, iludidos e enganadores, em diversas concupiscências; abertamente, pelas ciências que eles chamam de liberais; secretamente, com uma religião de nome falso; aqui orgulhoso, ali supersticioso, em todo lugar vaidoso. Aqui, caçando o vazio do louvor popular, até mesmo para aplausos teatrais, e prêmios poéticos, e lutas por guirlandas de grama, e as loucuras dos espetáculos, e a intemperança dos desejos. Lá, desejando ser purificado dessas impurezas, carregando comida para aqueles que foram chamados "eleitos" e "santos", dos quais, no local de trabalho de seus estômagos, eles deveriam forjar para nós Anjos e Deuses, pelos quais poderíamos ser limpo. Essas coisas eu segui e pratico com meus amigos, enganados por mim e comigo. Deixe o arrogante zombar de mim, e aqueles que não foram, para a saúde de sua alma, atingidos e derrubados por Ti, ó meu Deus; mas eu ainda confesso a Ti a minha própria vergonha em Teu louvor. Suplica-me, peço-te, e dá-me graça para passar em minha lembrança atual as peregrinações do meu tempo escalado e para oferecer a Ti o sacrifício de ação de graças. Pois o que eu sou para mim mesmo sem Ti, mas um guia para a minha própria queda? ou o que sou eu mesmo no melhor dos casos, mas uma criança que chupa leite ordena e se alimenta de ti, a comida que não perece? Mas que tipo de homem é qualquer homem, vendo que ele é apenas um homem? Deixe agora o forte e o poderoso rir de nós, mas vamos pobre e necessitado confessar a Ti.

Naqueles anos, ensinei retórica e, vencida pela cupidez, vendi uma loquacidade para superar. No entanto, eu preferia (Senhor, Tu sabes) estudiosos honestos (como eles são contabilizados), e estes eu, sem artifícios, ensinava artifícios, não para serem praticados contra a vida do inocente, embora às vezes pela vida do culpado. E tu, ó Deus, de longe percebi-me tropeçando naquele curso escorregadio, e em meio a muita fumaça emitindo algumas fagulhas de fidelidade, que mostrei em minha orientação de tal amada vaidade, e procurei por mentira, eu mesmo sua companheira. Naqueles anos eu tive um, não naquele que é chamado de casamento legal, mas que eu havia descoberto em uma paixão rebelde, sem entendimento; mas ainda assim, permanecendo fiel até a ela; em quem eu, no meu caso, experimentei a diferença entre o autocontrole do pacto do casamento, por causa da questão e a barganha de um amor concupiscente, em que os filhos nascem contra a vontade dos pais, embora, uma vez nascidos, eles constrangem o amor.

Lembro-me também de que, quando me decidi a entrar nas listas para um prêmio teatral, algum mago me perguntou o que eu daria a ele para ganhar; mas eu, detestando e detestando tais mistérios repugnantes, respondi: "Embora a guirlanda fosse de ouro imperecível, eu não permitiria que uma mosca fosse morta para me ganhar". Pois ele deveria matar algumas criaturas vivas em seus sacrifícios e, por essas honras, convidar os demônios para me favorecerem. Mas este mal também rejeitei, não por puro amor por Ti, ó Deus do meu coração; porque eu não sabia como amar a Ti, que não sabia como conceber algo além de um brilho material. E não uma alma, suspirando depois de tais ficções, cometer fornicação contra Ti, confiar em coisas irreais e alimentar o vento? Ainda assim, eu não teria nenhum sacrifício oferecido aos demônios por mim, a quem eu estava me sacrificando com essa superstição. Pois o que mais é para alimentar o vento, mas para alimentá-los, isto é, desviar-se para tornar-se seu prazer e escárnio?

Aqueles impostores então, a quem eles denominam matemáticos, eu consultei sem escrúpulos; porque eles pareciam não usar nenhum sacrifício, nem orar a qualquer espírito por suas adivinhações: arte que, no entanto, a piedade cristã e verdadeira constantemente rejeita e condena. Pois é bom confessar-se a Ti e dizer: Tem misericórdia de mim, cura a minha alma, porque pequei contra Ti; e para não abusar de Tua misericórdia por uma licença para pecar, mas para lembrar as palavras do Senhor, eis que te curas, não peques mais, para que não te suceda coisa pior. Tudo o que conselho saudável eles trabalham para destruir, dizendo: "A causa do teu pecado é inevitavelmente determinada no céu"; e "Isto fez Vênus, ou Saturno, ou Marte": aquele homem, em verdade, carne e sangue, e corrupção orgulhosa, pode ser irrepreensível; enquanto o Criador e Ordenador do céu e das estrelas é para levar a culpa. E quem é ele senão o nosso Deus? a própria doçura e fonte da justiça, que presta a cada um segundo as suas obras; e o coração quebrantado e contrito não desprezarás.

Havia naqueles dias um homem sábio, muito hábil em física e renomado nisso, que tinha com sua própria mão proconsular colocar a guirlanda agonística sobre a minha cabeça destemperada, mas não como um médico: para esta doença só curas, quem resistir à orgulhoso, e dá graça aos humildes. Mas tu me falhaste até mesmo com aquele velho homem, ou deixaste de curar minha alma? Por ter-se tornado mais familiarizado com ele, e pendurado assiduamente e fixamente em seu discurso (pois, embora em termos simples, era vívido, vivo e sério), quando ele reuniu pelo meu discurso que eu era dado aos livros de nascimento. caster, ele gentilmente e paternamente me aconselhou a jogá-los fora, e não infrutiferamente conceder um cuidado e diligência, necessário para coisas úteis, sobre estas vaidades; dizendo que, nos primeiros anos de sua vida, ele havia estudado essa arte, de modo a torná-la a profissão pela qual ele deveria viver, e que, compreendendo Hipócrates, ele logo poderia ter entendido tal estudo como este; e, no entanto, ele havia cedido e levado ao físico, por nenhuma outra razão, mas achava-o totalmente falso; e ele, um homem sério, não ganharia a vida iludindo pessoas. "Mas tu", diz ele, "tem retórica para se manter, de modo que tu sigas este de livre arbítrio, não por necessidade: quanto mais deves dar-me crédito aqui, que trabalhou para adquiri-lo tão perfeitamente a ponto de obter minha vida sozinha. " De quem, quando eu exigi, como então poderiam muitas coisas verdadeiras serem preditas por ele, ele me respondeu (como pôde) "que a força do acaso, difundida por toda a ordem das coisas, trouxe isto. Pois se quando um homem por casualidade abre as páginas de algum poeta, que cantava e pensava em algo totalmente diferente, um verso muitas vezes caía, maravilhosamente agradável ao presente negócio: não era de se admirar, se fora da alma do homem, inconsciente Nele, por algum instinto superior, uma resposta deve ser dada, por acaso, não pela arte, correspondendo ao negócio e às ações do demandante ".

E assim muito, seja de ou através dele, Tu me transmitiste, e traçou em minha memória, o que eu poderia daqui em diante examinar por mim mesmo. Mas naquela época nem ele, nem meu querido Nebrídio, um jovem singularmente bom e de um santo temor, que ridicularizava todo o corpo de adivinhações, poderiam me persuadir a deixá-lo de lado, a autoridade dos autores me balançando ainda mais, e como todavia, não encontrara nenhuma prova (por assim dizer) que, sem dúvida alguma, poderia parecer que o que fora verdadeiramente predito pelos consultados era o resultado de um acaso, não da arte dos observadores de estrelas.

Naqueles anos em que comecei a ensinar retórica em minha cidade natal, fiz de um amigo meu, mas muito querido para mim, de uma comunidade de buscas, de minha própria idade e, como eu, na primeira flor de abertura juventude. Ele havia crescido de criança comigo e nós dois éramos colegas de escola e brincalhões. Mas ele ainda não era meu amigo como depois, nem mesmo então, como a verdadeira amizade é; pois, na verdade, não pode ser, a não ser em que Tu cinges unido, Apegando-Te a ti, pelo amor que é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo, que nos é dado. No entanto, foi doce demais, amadurecido pelo calor dos estudos de parentesco: pois, da verdadeira fé (que ele, quando jovem, não absorvia profunda e completamente), eu também o distorcia para aquelas fábulas supersticiosas e perniciosas, pelas quais mãe me lamentou. Comigo ele agora errava na minha mente, nem minha alma poderia estar sem ele. Mas eis que estás perto dos passos dos teus fugitivos, ao mesmo tempo Deus de vingança e fonte de misericórdia, fazendo-nos chegar a ti mesmo por meios maravilhosos; Tu tiraste esse homem desta vida, quando ele tinha escassamente enchido um ano inteiro da minha amizade, doce para mim acima de tudo doçura daquela minha vida.

Quem pode contar todos os Teus louvores que ele sentiu em seu próprio eu? O que você fez então, meu Deus, e quão insondável é o abismo de seus julgamentos? Por muito tempo, dolorido e com febre, ele ficou sem sentidos num suor de morte; e sua recuperação sendo desesperada, ele foi batizado, sem saber; eu mesmo, entretanto, pouco a respeito, e presumindo que sua alma reteria, antes, o que recebera de mim, não o que foi forjado em seu corpo inconsciente. Mas isso foi muito diferente: pois ele foi renovado e restaurado. Imediatamente, assim que pude falar com ele (e eu pude, assim que ele pôde, porque eu nunca o deixei, e ficamos muito uns sobre os outros), eu tentei brincar com ele, como se ele fosse Brincadeira comigo naquele batismo que ele recebeu, quando totalmente ausente em mente e sentimento, mas agora tinha entendido que ele tinha recebido. Mas ele se encolheu tanto de mim como de um inimigo; e com uma liberdade maravilhosa e súbita me disse, como eu continuaria com seu amigo, abstenha-se dessa linguagem para ele. Eu, todo atônito e espantado, suprimi todas as minhas emoções até que ele crescesse bem, e sua saúde era forte o suficiente para eu lidar com ele como eu faria. Mas ele foi tirado do meu frenesi, que com Ti ele poderia ser preservado para o meu conforto; alguns dias depois, na minha ausência, ele foi novamente atacado pela febre e assim partiu.

Nesse pesar, meu coração ficou totalmente escuro; e tudo o que eu vi foi a morte. Meu país natal era um tormento para mim e a casa de meu pai uma infelicidade estranha; e o que quer que eu tenha compartilhado com ele, querendo-o, tornou-se uma tortura distraída. Os meus olhos procuraram-no em todos os lugares, mas ele não lhes foi concedido; e odiei todos os lugares, porque eles não o tinham; nem podiam dizer-me agora "ele está vindo", como quando estava vivo e ausente. Tornei-me um grande enigma para mim mesmo e perguntei à minha alma por que ela estava tão triste e por que ela me inquietava muito: mas ela não sabia o que me responder. E se eu dissesse: Confie em Deus, ela não me obedeceu com razão; porque aquela amiga mais querida, que ela perdera, era, sendo homem, mais verdadeira e melhor do que a fantasia que ela tinha em mente. Somente lágrimas eram doces para mim, pois sucederam a minha amiga, no mais querido dos meus afetos.

E agora, Senhor, estas coisas passaram e o tempo acalmou a minha ferida. Aprendi de ti, que és a Verdade, e chego de ouvidos atentos ao meu coração, para que me digas por que é que o choro é doce para os miseráveis? Tu, embora presente em todo lugar, jogou fora nossa miséria longe de Ti? E tu permaneces em ti mesmo, mas somos lançados em diversas provações. E, a menos que choremos em Teu ouvido, não devemos ter mais esperança. De onde vem então o doce fruto da amargura da vida, dos gemidos, lágrimas, suspiros e queixas? Isto adoça isto, que nós esperamos que você ouça? Isto é verdade da oração, pois há um desejo de se aproximar de Ti. Mas é também em pesar por uma coisa perdida, e a tristeza com a qual eu estava então oprimido? Pois eu não esperava que ele voltasse à vida nem desejasse isso com minhas lágrimas; mas eu chorei e fiquei triste. Pois eu estava infeliz e perdi minha alegria. Ou está chorando, de fato, uma coisa amarga, e por muito repugnância das coisas que antes desfrutávamos, então, quando nos afastamos delas, nos agradam?

Mas o que eu falo dessas coisas? por enquanto não é hora de questionar, mas confessar a Ti. Miserável eu estava; e miserável é toda alma ligada pela amizade de coisas perecíveis; ele é despedaçado quando os perde, e então sente a miséria que tinha antes de perdê-los. Então foi comigo então; Chorei amargamente e encontrei meu repouso na amargura. Assim eu era infeliz e aquela vida miserável que eu possuía mais querida do que minha amiga. Pois embora eu tivesse voluntariamente mudado isso, ainda assim, eu não estava mais disposta a separar isso do que com ele; sim, eu não sei se eu teria me separado com ele até mesmo por ele, como é relacionado (se não fingido) de Pylades e Orestes, que eles teriam alegremente morrido um pelo outro ou juntos, não morar juntos sendo para eles pior do que morte. Mas em mim havia surgido algum sentimento inexplicável, muito contrário a isso, pois de uma vez eu odiava muito viver e temia morrer. Eu suponho que quanto mais eu o amava, mais eu odiava, e temia (como um inimigo cruel) a morte, que me privava dele: e eu imaginei que isso acabaria rapidamente com todos os homens, já que tinha poder sobre ele. Assim foi comigo, lembro-me. Eis o meu coração, ó meu Deus, e vê e vê em mim; porque bem me lembro, ó minha Esperança, que me purifica da impureza de tais afeições, dirigindo meus olhos para Ti e arrancando meus pés da armadilha. Pois me perguntei que os outros, sujeitos à morte, viviam, pois aquele a quem eu amava, como se nunca morresse, estava morto; e me perguntei ainda mais que eu, que era para ele um segundo eu, poderia viver, ele estar morto. Bem disse um dos seus amigos, "metade da minha alma"; pois senti que minha alma e sua alma eram "uma alma em dois corpos": e, portanto, era a minha vida um horror para mim, porque eu não viveria pela metade. E, portanto, talvez eu morresse de medo de que ele, a quem eu amara, morresse por completo.

Ó loucura, que não sabe amar homens, como homens! Ó homem tolo que eu era então, suportando impacientemente o lote do homem! Eu me afligi então, suspirei, chorei, estava distraído; não tinha descanso nem conselho. Pois eu suportava uma alma despedaçada e ensanguentada, impaciente por ser suportada por mim, mas onde repousar, não encontrei. Não em bosques calmos, não em jogos e música, nem em lugares perfumados, nem em curiosos banquetes, nem nos prazeres da cama e do sofá; nem (finalmente) em livros ou poesias, achou que era o repouso. Todas as coisas pareciam horrendas, sim, a própria luz; não era o que ele era, era revoltante e odioso, exceto gemidos e lágrimas. Pois naqueles só encontrei um pouco de refresco. Mas quando minha alma foi retirada deles, uma enorme carga de miséria me pesou. A Ti, ó Senhor, deveria ter sido levantado, para ti aliviar; Eu sabia; mas nem podia nem faria; o mais, desde que, quando eu pensei em Ti, Tu não era para mim qualquer coisa sólida ou substancial. Pois tu não foste tu mesmo, mas um mero fantasma, e o meu erro foi o meu Deus. Se eu me oferecesse para descarregar minha carga sobre ele, para que pudesse descansar, ele deslizou através do vazio e desceu correndo de novo sobre mim; e eu tinha permanecido para mim um ponto infeliz, onde eu não podia nem ser, nem ser de lá. Para onde meu coração deveria fugir do meu coração? Para onde devo fugir de mim mesmo? Para onde não me seguir? E mesmo assim fugi do meu país; pois assim meus olhos deveriam procurar menos por ele, onde eles não estavam acostumados a vê-lo. E assim, de Tagaste, cheguei a Cartago.

Os tempos não perdem tempo; nem rolam à toa; através de nossos sentidos, eles operam estranhas operações na mente. Eis que eles foram e vieram dia a dia, e indo e vindo, introduziram em minha mente outras imaginações e outras recordações; e pouco a pouco me remendou com meu velho tipo de prazer, ao qual minha tristeza cedeu. E ainda assim sucederam, na verdade não outras mágoas, mas as causas de outras tristezas. Pois de onde aquele antigo pesar tão facilmente alcançou minha alma mais íntima, mas que eu derramei minha alma sobre o pó, amando alguém que deve morrer, como se ele nunca morresse? Pois o que mais me restituiu e me refrescou foi o conforto de outros amigos, com quem amei, que em vez de Ti amei; e esta foi uma grande fábula e mentira prolongada, cujo estímulo adúltero, nossa alma, que jazia em nossos ouvidos, estava sendo corrompida. Mas essa fábula não morreria para mim, assim como qualquer um dos meus amigos morreu. Havia outras coisas que nelas mais me levaram à mente; conversar e brincar juntos, fazer gentis ofícios por turnos; ler juntos livros honrados; para bancar o tolo ou ser sincero juntos; discordar às vezes sem descontentamento, como um homem poderia com seu próprio eu; e mesmo com a raridade dessas dissenções, para temperar nossos mais frequentes consentimentos; às vezes para ensinar e às vezes aprender; anseia pelo ausente com impaciência; e saúdo a vinda com alegria. Essas e outras expressões semelhantes, procedentes dos corações daqueles que amavam e eram amados novamente, pelo semblante, a língua, os olhos e mil gestos agradáveis, eram muito combustível para fundir nossas almas, e de muitos faça apenas um.

É isso que é amado em amigos; e tão amado, que a consciência de um homem se condena, se ele não ama aquele que o ama de novo, ou não ama novamente aquele que o ama, não procurando nada de sua pessoa, mas indicações de seu amor. Daí o luto, se alguém morrer, e as trevas das tristezas, aquela embriaguez do coração em lágrimas, toda a doçura transformou-se em amargura; e sobre a perda de vida dos moribundos, a morte dos vivos. Bendito seja quem o ama e seu amigo em ti e seu inimigo por ti. Pois somente ele não perde a ninguém a ele, a quem todos são queridos Nele que não pode ser perdido. E quem é este senão o nosso Deus, o Deus que fez o céu e a terra e os encheu porque, enchendo-os, os criou? Ninguém perde, mas quem deixa. E quem te deixa, para onde vai ou para onde foge, mas de ti te agradou a ti? Pois onde não acha a tua lei no seu próprio castigo? E a tua lei é a verdade, e a verdade.

Torna-nos, ó Deus dos exércitos, mostra-nos o teu semblante e seremos íntegros. Pois para onde quer que a alma do homem se converta, a menos que para Ti esteja fascinada pelas tristezas, ainda que seja fixada nas coisas belas. E ainda assim eles, de Ti e da alma, não eram, a menos que fossem de Ti. Eles se levantam e se põem; e subindo, eles começam como se fossem; eles crescem, para que sejam aperfeiçoados; e aperfeiçoados, envelhecem e murcham; e todos crescem não velhos, mas todos murcham. Então, quando eles se levantam e tendem a ser, mais rapidamente eles crescem para que possam ser, tanto mais eles não se apressam em ser. Esta é a lei deles. Assim, muito lhes atribuiu, porque são porções de coisas, que não existem todas de uma vez, mas passando e tendo sucesso, elas juntas completam esse universo, do qual elas são porções. E mesmo assim nossa fala é completada por sinais emitindo um som: mas isto novamente não é aperfeiçoado a menos que uma palavra passe quando soar sua parte, que outra possa ter sucesso. De todas estas coisas que a minha alma te louve, ó Deus, Criador de tudo; contudo não deixe minha alma ser fixada a estas coisas com a cola do amor, através dos sentidos do corpo. Porque eles vão para onde devem ir, para que não sejam; e eles a rasgam com desejos pestilentos, porque ela anseia por ser, mas gosta de repousar naquilo que ama. Mas nestas coisas não há lugar de repouso; eles não suportam, eles fogem; e quem pode segui-los com os sentidos da carne? sim, quem pode entendê-los quando estão difíceis? Pois o sentido da carne é lento, porque é o sentido da carne; e assim é limitado. É suficiente para isso que foi feito; mas basta não deixar as coisas correrem de seu lugar de partida designado até o final designado. Pois na Tua Palavra, pela qual eles são criados, eles ouvem seu decreto, "daqui e até agora".

Não seja tolo, ó minha alma, nem fique surdo aos ouvidos do teu coração com o tumulto da tua loucura. Ouve também tu.

A própria Palavra te chama para retornar: e há o lugar de repouso imperturbável, onde o amor não é abandonado, se não se aparta. Eis que estas coisas passam, para que outros possam substituí-las, e assim este universo inferior seja completado por todas as suas partes. Mas eu deixo qualquer um para onde? diz a Palavra de Deus. Ali fixa a tua habitação, confia nela tudo o que tens, ó minha alma, pelo menos agora estás cansado de vaidades. Confia a verdade, tudo o que tens da verdade, e não perderás nada; e tua cárie florescerá novamente, e todas as tuas doenças serão curadas, e tuas partes mortais serão reformadas e renovadas, e amarradas ao redor de ti: nem te porão aonde quer que descubram; mas eles permanecerão firmes contigo e permanecerão para sempre diante de Deus, que permanece e permanece para sempre.

Por que, então, ser pervertido e seguir a tua carne? Seja convertido e siga-te. O que quer que ela tenha sentido, é em parte; e o todo, do qual estas são partes, tu não sabes; e ainda eles te encantam. Mas se o sentido da tua carne fosse uma capacidade de compreender o todo, e não de si mesmo também, por tua punição ter sido justamente restrita a uma parte do todo, tu querias que tudo o que existe neste presente passasse, para que assim Tudo pode ser melhor para você. Pois pelo que falamos também, pelo mesmo sentido da carne que tu ouves; todavia não permitirias que as sílabas permanecessem, mas voassem para longe, que outras pessoas viessem e ouvissem o todo. E assim sempre, quando qualquer coisa é composta de muitos, todos os quais não existem juntos, todos coletivamente agradariam mais do que individualmente, todos poderiam ser percebidos coletivamente. Mas muito melhor do que estes é aquele que fez tudo; e ele é o nosso Deus, e não passa, porque nenhum deles o sucede.

Se os corpos agradam a ti, louvem a Deus por ocasião deles, e voltem o teu amor ao seu Criador; para que, nestas coisas que te agradam, desagradas. Se as almas agradarem a ti, sejam elas amadas em Deus, pois também elas são mutáveis, mas nele estão firmemente estabelecidas; mais eles passariam e morreriam. Nele, então, sejam eles amados; levai a Ele junto com ti as almas que possas e dize-lhes: "Amamo-Lo, ama-nos: Ele os fez, e não está longe. Porque Ele não os fez, e assim partem, mas eles são Dele, e Nele. Veja lá Ele é, onde a verdade é amada. Ele está dentro do próprio coração, mas o coração se desviou Dele. Volte ao seu coração, ó transgressores, e apegue-se a Ele que o fez Esteja Com Ele, e permanecereis em jejum. Descansa Nele, e estais em repouso. Aonde irás de maneira rude? Aonde vai? O bem que ama é Dele, mas é bom e prazeroso. referência a Ele, e justamente será amargurado, porque injustamente é qualquer coisa amada que é dele, se ele for abandonado por isso.Para que fim, então, você ainda e ainda andam estes caminhos difíceis e difíceis? Não há descanso, onde procurardes, busca o que procurais, mas não é lá onde procurais. Busco uma vida abençoada na terra da morte, não é ali. Pois como deve haver um abençoado vida onde a vida em si não é?

"Mas a nossa verdadeira Vida desceu aqui, e levou a nossa morte, e o matou da abundância da sua própria vida; e Ele trovejou, chamando-nos em voz alta para voltarmos a Ele naquele lugar secreto, de onde Ele veio nós, primeiro no ventre da Virgem, onde Ele abraçou a criação humana, nossa carne mortal, para que não fosse para sempre mortal, e daí como um noivo saindo de seu quarto, regozijando-se como um gigante para seguir seu curso. não demorou, mas correu, chamando em voz alta por palavras, atos, morte, vida, ascendência, ascensão, chorando em voz alta para nos voltarmos a Ele. E Ele partiu de nossos olhos, para que pudéssemos voltar ao nosso coração e encontrá-Lo. Pois ele partiu e eis que está aqui, não tardará a nos deixar, mas não nos deixou, porque partiu para lá, de onde nunca se separou, porque o mundo foi feito por ele. neste mundo Ele veio para salvar os pecadores, a quem minha alma confessa, e Ele a cura, porque pecou contra Ele. Ó filhos de mim n, quanto tempo tão lento de coração? Mesmo agora, depois da descida da Vida a você, você não ascenderá e viverá? Mas para onde subirás quando estiveres no alto, e puser a tua boca contra o céu? Descei para que subamos e ascendamos a Deus. Pois caíteis, subindo contra ele. "Diga-lhes isto, para que possam chorar no vale das lágrimas, e assim levá-los a Deus; porque do seu Espírito falarás assim a eles, se falares, queimando com o fogo da caridade.

Essas coisas eu então não sabia, e eu amava essas belezas mais baixas, e eu estava afundando até as profundezas, e para meus amigos eu disse: "Nós amamos alguma coisa além da bela? O que então é o belo? E o que é beleza? "O que é que atrai e nos conquista para as coisas que amamos? A menos que houvesse neles uma graça e beleza, eles não poderiam de modo algum atraí-los para eles". E eu marquei e percebi que, nos próprios corpos, havia uma beleza, de formarem uma espécie de todo e, novamente, outra de correspondência adequada e mútua, de uma parte do corpo com o todo, ou de um sapato com um pé. , e similar. E essa consideração surgiu em minha mente, fora do meu íntimo coração, e eu escrevi "no justo e em forma", eu acho, dois ou três livros. Tu sabes, ó Senhor, pois se foi de mim; porque não os tenho, mas se desviam de mim, não sei como.

Mas o que me moveu, ó Senhor meu Deus, a dedicar estes livros a Hierius, um orador de Roma, a quem eu não conhecia, mas amado pela fama de seu conhecimento que era eminente nele, e algumas palavras dele eu tinha ouviu, o que me agradou? Mas mais ele me agradou, pois ele agradou a outros, que o exaltaram muito, espantado que, de um sírio, primeiro instruído na eloquência grega, fosse depois formado um maravilhoso orador latino, e um dos mais instruídos em coisas relacionadas à filosofia. Um é elogiado e, invisível, ele é amado: esse amor entra no coração do ouvinte pela boca do encarregado? Não tão. Mas quem ama é outro aceso. Pois daí ele é amado, que é elogiado, quando se acredita que o elogio o exalta com um coração não fingido; isto é, quando alguém que o ama, elogia-o.

Porque assim amei os homens no juízo dos homens, não os teus, ó meu Deus, em quem nenhum homem é enganado. Mas, no entanto, por que não por qualidades, como as de um famoso cocheiro, ou lutador com feras no teatro, conhecido em toda parte por uma popularidade vulgar, mas muito diferente, e sinceramente, e assim como eu seria elogiado? Pois eu não seria elogiado ou amado, como os atores são (embora eu mesmo tenha elogiado e ame-os), mas sim ser desconhecido, do que tão conhecido; e até mesmo odiado, do que tão amado. Onde estão agora os impulsos para esses vários e diversos tipos de amores depositados em uma só alma? Por que, desde que somos igualmente homens, eu amo em outro o que, se eu não odiasse, eu não deveria rejeitar e lançar de mim mesmo? Pois não se sustenta que, como um bom cavalo é amado por ele, quem não seria, embora pudesse, aquele cavalo, portanto, o mesmo pode ser dito de um ator que compartilha nossa natureza. Eu então amo em um homem, o que eu odeio ser, quem sou homem? O próprio homem é um grande abismo, cujos pelos são os mais numerosos, ó Senhor, e não caem no chão sem Ti. E, no entanto, os cabelos de sua cabeça são mais fáceis de serem contados do que seus sentimentos e as batidas de seu coração.

Mas aquele orador era daquele tipo que eu amava, como desejando ser eu mesmo assim; e eu errei através de um orgulho inchado, e fui arremessado com todo vento, mas ainda assim fui guiado por Ti, embora muito secretamente. E de onde eu sei, e de onde confiro confiantemente a Ti que o amei mais pelo amor de seus comendadores do que pelas próprias coisas pelas quais ele foi elogiado? Porque, se ele tivesse sido desprezado, e esses homens mesmos o haviam desprezado, e com desprezo e desprezo contando as mesmas coisas sobre ele, eu nunca tinha estado tão excitado e empolgado para amá-lo. E, no entanto, as coisas não tinham sido outras nem ele mesmo; mas apenas os sentimentos dos relatores. Veja onde a alma impotente está, que ainda não se manteve pela solidez da verdade! Assim como os vendavais de línguas sopram do peito do opinativo, o mesmo acontece com ele e com o que é dirigido para a frente e para trás, e a luz é transbordada para ele, e a verdade não vista. E eis que está diante de nós. E foi para mim um grande assunto, que meus discursos e trabalhos fossem conhecidos por aquele homem: o que ele deveria aprovar, eu era o mais inflamado; mas se ele desaprovou, meu coração vazio, vazio de Tua solidez, tinha sido ferido. E, ainda assim, o "justo e em forma", em que lhe escrevi, permaneci com prazer, examinei-o e o admirei, embora nenhum deles se juntasse a ele.

Mas ainda não vi em que lugar esse assunto pesado se baseou em Tua sabedoria, ó Tu Onipotente, que só faz maravilhas; e minha mente percorria formas corpóreas; e "justo", eu defini e distingui o que é em si mesmo e "adequado", cuja beleza está em correspondência com alguma outra coisa: e isso eu apóio em exemplos corporais. E eu me voltei para a natureza da mente, mas a falsa noção que eu tinha das coisas espirituais, não me deixa ver a verdade. No entanto, a força da verdade brilhou em meus olhos, e eu afastei minha alma ofegante da substância incorpórea para lineamentos, cores e magnitudes volumosas. E não sendo capaz de ver isso na mente, achei que não conseguia enxergar minha mente. E enquanto na virtude eu amava a paz, e em crueldade eu aborrecia a discórdia; no primeiro, observei uma unidade, mas, no outro, uma espécie de divisão. E nessa unidade eu concebi a alma racional, e a natureza da verdade e do bem principal a consistir; mas nesta divisão imagino miseravelmente haver alguma substância desconhecida da vida irracional, e a natureza do mal principal, que não deve ser apenas uma substância, mas também a vida real, e ainda assim não derivada de Ti, ó meu Deus, de quem são todas as coisas. E ainda assim, primeiro chamei uma Mônada, como se fosse uma alma sem sexo; mas este último um Duad - perigo, em atos de violência, e em flagelismo, luxúria; Não sabendo do que eu falei. Pois eu não sabia ou não sabia que nem o mal era uma substância, nem a nossa alma esse bem principal e imutável.

Pois assim como surgem atos de violência, se essa emoção da alma for corrompida, de onde surgem ações veementes, agitando-se insolentemente e desregradamente; e luxúria, quando aquele afeto da alma é desgovernado, pelo qual os prazeres carnais são bebidos, assim também os erros e as falsas opiniões contaminam a conversação, se a própria alma razoável for corrompida; como era então em mim, que não sabia que devia ser iluminado por outra luz, que pode ser participante da verdade, ver a si mesmo não é essa natureza da verdade. Porque tu acenderás a minha candeia, ó Senhor meu Deus, iluminarás as minhas trevas; e da tua plenitude todos nós recebemos, porque tu és a verdadeira luz que ilumina a todo o homem que vem ao mundo; pois em ti não há mudança nem sombra de mudança.

Mas eu me pressionei em direção a Ti, e fui empurrado de Ti, para que eu provasse a morte, pois tu resistes aos soberbos. Mas o que mais orgulhoso, do que para mim com uma estranha loucura para me manter ser aquele por natureza que Tu és? Pois enquanto eu estava sujeito a mudar (tanto me manifestando, meu próprio desejo de tornar-me sábio, sendo o desejo, de pior para tornar-se melhor), ainda preferi imaginar Te sujeito a mudar, e a mim mesmo não ser aquele que tu és. Por isso fui repelido por Ti, e tu resististe à minha vã obstinação, e eu imaginava formas corpóreas e, eu mesmo carne, eu acusava carne; e, um vento que passa, não voltei a ti, mas passei adiante para coisas que não têm, nem em Ti, nem em mim, nem no corpo. Nem foram criados para mim por Tua verdade, mas por minha vaidade inventada das coisas corpóreas. E eu costumava perguntar aos Teus pequeninos fiéis, meus concidadãos (dos quais, desconhecido para mim mesmo, eu estava exilado), eu costumava, tagarelando e tolamente, perguntar a eles: "Por que então a alma erra que Deus criou?" " Mas eu não seria perguntado: "Por que então Deus errou?" E afirmei que Tua substância imutável errou com a restrição, em vez de confessar que minha substância mutável se desviou voluntariamente, e agora, em punição, estava em erro.

Eu tinha então uns seis ou sete e vinte anos quando escrevi esses volumes; revolvendo dentro de mim ficções corpóreas, zumbindo nos ouvidos do meu coração, que eu virei, oh doce verdade, para a tua melodia interior, meditando sobre o "justo e em forma", e desejando estar de pé e escutar a Ti, e me regozijar grandemente em a voz do noivo, mas não conseguiu; pois pelas vozes de meus próprios erros, fui apressado para o exterior e, com o peso do meu próprio orgulho, afundava-me no poço mais baixo. Pois tu não me fizeste ouvir alegria e alegria, nem exultaram os ossos que ainda não foram humilhados.

E o que me ajudou, aquele escasso vinte anos, um livro de Aristóteles, que eles chamam de dez Predicamentos, caindo em minhas mãos (em cujo nome eu pendurei, como em algo grande e divino, tão freqüentemente quanto meu mestre retórico). de Cartago, e outros, considerados sábios, balbuciou com as bochechas cheias de orgulho), eu li e entendi sem ajuda? E em minha conversa com os outros, que disseram que dificilmente compreendiam isso com tutores muito capazes, não apenas explicando oralmente, mas desenhando muitas coisas na areia, eles não podiam mais me contar do que eu aprendi, lendo-o sozinho. E o livro me pareceu falar muito claramente de substâncias, como "homem", e de suas qualidades, como a figura de um homem, de que tipo é; e estatura, quantos pés de altura; e seu relacionamento, cujo irmão ele é; ou onde colocado; ou quando nasceu; ou se ele se levanta ou se senta; ou ser calçado ou armado; ou sofre ou sofre qualquer coisa; e todas as inumeráveis ​​coisas que podem ser encontradas sob estes nove Predicamentos, dos quais eu dei alguns espécimes, ou sob aquele Chefe de Predicamento de Substância.

O que fez tudo isso mais além de mim, vendo que isso me atrapalha? quando, imaginando o que quer que fosse, foi compreendido sob aqueles dez Predicamentos, eu ensaiava de tal maneira a entender, ó meu Deus, a Tua Unidade maravilhosa e imutável também, como se Tu também tivesse sido submetido à Tua própria grandeza ou beleza; de modo que (como nos corpos) eles deveriam existir em Ti, como o seu assunto: enquanto tu mesmo és a tua grandeza e beleza; mas um corpo não é grande ou justo, pois é um corpo, visto que, embora fosse menos grande ou justo, não deveria ser um corpo. Mas era falsidade que de Ti concebi, não verdade, ficções de minha miséria, não as realidades de Tua benção. Pois tu ordenaste, e em mim foi praticado que a terra produzisse espinhos e espinhos para mim, e que no suor das minhas testas eu comesse o meu pão.

E o que me aproveitou, que todos os livros que consegui obter das chamadas artes liberais, eu, o vil escravo das afeições vis, leio por mim mesmo e entendi? E eu me deleitava neles, mas não sabia de onde vinha tudo, que isso era verdadeiro ou certo. Pois eu estava de costas para a luz e o meu rosto para as coisas iluminadas; de onde o meu rosto, com o qual eu discerni as coisas iluminadas, em si não era iluminado. O que quer que tenha sido escrito, seja em retórica ou lógica, geometria, música e aritmética, por mim mesmo sem muita dificuldade ou qualquer instrutor, eu entendi, Tu sabes, ó Senhor meu Deus; porque tanto a rapidez de entendimento como a perspicácia no discernimento são o Teu dom; todavia eu não fiz sacrifício a Ti. Então não serviu para meu uso, mas para minha perdição, já que eu estava conseguindo uma porção tão boa da minha substância em minha própria manutenção; e não retive a minha força, mas te desviei para um país longínquo, para gastá-lo sobre prostituições. Pois o que me beneficiou de boas habilidades, não empregado para bons usos? Pois não senti que essas artes fossem alcançadas com grande dificuldade, até mesmo pelos estudiosos e talentosos, até que tentei explicá-las a isso; quando ele mais se destacou neles que me seguiram não muito devagar.

Mas o que isso me fez mais, imaginando que Tu, ó Senhor Deus, a Verdade, era um corpo vasto e brilhante, e eu um fragmento desse corpo? Perversidade muito grande! Mas tal era eu. Nem eu coro, ó meu Deus, para confessar a Ti tuas misericórdias para comigo, e para invocar-Te, que não corou então para professar aos homens minhas blasfêmias, e latir contra Ti. O que me beneficiou, então, da minha inteligência ágil nessas ciências e em todos aqueles volumes mais nítidos, desvendados por mim, sem ajuda da instrução humana; vendo que eu errei tão obscuramente, e com tamanha vergonha sacrílega, na doutrina da piedade? Ou que obstáculo era muito mais lento para os Teu pequenino, uma vez que eles não se afastaram de Ti, que no ninho da Tua Igreja eles poderiam ser salvos com segurança, e nutrir as asas da caridade, pela comida de uma fé sadia. Ó Senhor nosso Deus, sob a sombra de Tuas asas, esperemos; nos proteja e nos leve. Tu nos transportarás quando pouco, e até mesmo para cabelos brancos nos transportarás; para nossa firmeza, quando é Tu, então é firmeza; mas quando é nossa, é enfermidade. Nosso bem sempre vive com Ti; a partir do qual, quando nos afastamos, somos desviados. Retornemos agora, ó Senhor, para que não sejamos derrubados, porque com Ti as nossas boas vidas, sem qualquer decadência, que bem vais; nem precisamos temer, para que não haja lugar para onde voltar, porque caímos disso: pois através de nossa ausência, nossa mansão não caiu - Tua eternidade.

~

Santo Agostinho

Confissões (397-400)

Disponível em Gutenberg (inglês, tradução de Edward Bouverie Pusey).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: