Em relação a devoção nos momentos de oração

Quanto à parte da devoção relacionada aos tempos e horas de oração. De oração diária antecipada pela manhã. Como devemos melhorar nossas formas de oração e como aumentar o espírito de devoção.

TENDO nos capítulos anteriores mostrado a necessidade de um espírito devoto, ou hábito mental, em cada parte de nossa vida comum, no cumprimento de todos os nossos negócios, no uso de todos os dons de Deus; Venho agora considerar essa parte da devoção, relacionada a tempos e horas de oração.

Eu tomo como certo, que todo cristão, que está com saúde, acorda cedo de manhã; pois é muito mais razoável supor uma pessoa cedo, porque ele é cristão, do que porque ele é um trabalhador, ou um comerciante, ou um servo, ou tem negócios que o querem.

Nós naturalmente concebemos alguma repulsa por um homem que está na cama quando deveria estar em seu trabalho ou em sua loja. Não podemos dizer como pensar em algo bom dele, que seja tão escravo da sonolência, que negligencie seu trabalho por isso.

Que isto, portanto, nos ensine a conceber quão odiosos devemos parecer à vista do Céu, se estamos na cama, calados no sono e nas trevas, quando deveríamos estar louvando a Deus; e são tão escravos da sonolência, quanto negligenciar nossas devoções por ela.

Pois, se é para ser culpado como um zangão preguiçoso, que prefere a indulgência preguiçosa do sono, do que desempenhar sua parte adequada dos negócios mundanos; quanto mais ele deve ser reprovado, que preferiria deitar-se dobrado em uma cama, do que elevar seu coração a Deus em atos de louvor e adoração!

A oração é a aproximação mais próxima a Deus, e o maior desfrute dEle, de que somos capazes nesta vida.

É o mais nobre exercício da alma, o uso mais exaltado de nossas melhores faculdades e a mais alta imitação dos benditos habitantes do céu.

Quando nossos corações estão cheios de Deus, enviando desejos santos ao trono da graça, estamos então em nosso estado mais elevado, estamos nas mais altas alturas da grandeza humana; Não estamos perante reis e príncipes, mas na presença e audiência do Senhor de todo o mundo, e não podemos ser mais elevados, até que a morte seja tragada pela glória.

Por outro lado, o sono é o mais pobre e tedioso refresco do corpo, que está longe de ser um prazer, que somos forçados a recebê-lo em estado de insensibilidade ou na loucura dos sonhos.

O sono é um estado de existência tão monótono e estúpido que, mesmo entre os meros animais, nós os desprezamos mais que são mais sonolentos.

Ele, portanto, que escolhe ampliar a indulgência preguiçosa do sono, ao invés de chegar cedo às suas devoções a Deus, escolhe o mais tolo refresco do corpo, antes do emprego mais nobre e mais elevado da alma; ele escolhe aquele estado que é uma reprovação para meros animais, em vez daquele exercício que é a glória dos anjos.

Você talvez diga, embora se levante tarde, mas sempre tenha cuidado com suas devoções quando estiver de pé.

Pode ser assim. Mas o que então? Está bem feito de você se levantar tarde, porque você reza quando está acordado?

É perdoável desperdiçar grande parte do dia na cama, porque algum tempo depois de você dizer suas orações?

É muito mais seu dever levantar-se para orar, orar quando você é ressuscitado. E se você está atrasado em suas orações, você oferece a Deus as orações de um adorador ocioso e preguiçoso, que se eleva a orações enquanto os servos ociosos se levantam para seu trabalho.

Mais; se você pensa que é cuidadoso com suas devoções quando está de pé, embora seja seu costume levantar-se tarde, você se engana; pois você não pode executar suas devoções como deveria. Pois aquele que não pode negar a si mesmo essa indulgência sonolenta, mas deve passar boa parte da manhã nela, não está mais preparado para a oração quando está em pé, do que está preparado para o jejum, a abstinência ou qualquer outra abnegação. Ele pode, de fato, ler mais facilmente uma forma de oração do que ele pode realizar esses deveres; mas ele não está mais disposto a entrar no verdadeiro espírito de oração do que está disposto a jejuar. Pois o sono assim permitido dá uma suavidade e ociosidade a todos os nossos temperamentos, e nos torna incapazes de saborear qualquer coisa que não seja adequada a um estado mental ocioso, e satisfaz nossos temperamentos naturais, como o sono faz. De modo que uma pessoa que é escrava dessa ociosidade está no mesmo temperamento quando está acordada; e embora ele não esteja dormindo, ele está sob os efeitos dele; e tudo o que é ocioso, indulgente ou sensual, agrada-o pela mesma razão que o sono lhe agrada; e, por outro lado, tudo o que requer cuidado, ou problema, ou autonegação, é odioso para ele, pela mesma razão que ele odeia levantar-se. Aquele que coloca qualquer felicidade nesta indulgência matinal, ficaria feliz em ter todo o dia feito feliz da mesma maneira; embora não com sono, mas com prazeres como gratificar e satisfazer o corpo da mesma maneira que o sono; ou, pelo menos, com o mais próximo que puder. A lembrança de uma cama quente está em sua mente o dia todo, e ele fica feliz quando não é um daqueles que estão sentados morrendo de fome em uma igreja.

Agora você não imagina que tal pessoa possa verdadeiramente mortificar o corpo que ele assim induz: ainda assim você pode pensar isso, assim como ele pode verdadeiramente realizar suas devoções; ou viver em um estado de indolência tão sonolento, e ainda apreciar as alegrias de uma vida espiritual.

Pois certamente ninguém fingirá dizer que conhece e sente a verdadeira felicidade da oração, que não acha que valha a pena ser cedo para isso.

Não é possível na natureza que um epicure seja verdadeiramente devoto: ele deve renunciar a esse hábito de sensualidade, antes de poder apreciar a felicidade da devoção.

Agora, aquele que transforma o sono em uma indulgência ociosa, faz tanto para corromper e desordenar sua alma, para torná-la escrava dos apetites corporais, e mantê-la incapaz de todos os temperamentos devotos e celestiais, como aquele que transforma as necessidades de comer em um curso de indulgência.

Uma pessoa que come e bebe demais não sente tais efeitos, como aqueles que vivem em casos notórios de glutonaria e intemperança: mas ainda assim seu curso de indulgência, embora não seja escandaloso aos olhos do mundo, nem tal como atormenta sua própria consciência, é um grande e constante obstáculo ao seu aperfeiçoamento na virtude; dá-lhe olhos que não vêem e ouvidos que não ouvem; cria uma sensualidade na alma, aumenta o poder das paixões corporais e o torna incapaz de entrar no verdadeiro espírito da religião. Agora este é o caso daqueles que perdem seu tempo no sono; não perturba suas vidas, nem fere suas consciências, como fazem atos notórios de intemperança; mas, como qualquer outro curso mais moderado de indulgência, ele silenciosamente, e em graus menores, desgasta o espírito da religião e afunda a alma em um estado de aridez e sensualidade.

Se você considera a devoção apenas como um tempo de tanta oração, talvez possa realizá-la, embora viva nessa indulgência diária; mas se você considerar isso como um estado do coração, como um vivo fervor da alma, que é profundamente afetado com um senso de sua própria miséria e enfermidades, e deseja o Espírito de Deus mais do que todas as coisas no mundo: você irá descubra que o espírito de indulgência e o espírito de oração não podem subsistir juntos. A mortificação de todos os tipos é a própria vida e alma da piedade; mas aquele que não tem um grau tão pequeno, a ponto de poder chegar cedo às suas orações, não pode ter razão para pensar que tomou a sua cruz e está seguindo a Cristo.

Que conquista ele conquistou? que mão direita ele cortou; para que provas ele está preparado? Que sacrifício ele está pronto a oferecer a Deus, que não pode ser tão cruel consigo mesmo a ponto de se levantar para orar no momento em que a parte penosa do mundo se contenta em subir ao seu trabalho?

Algumas pessoas não terão escrúpulos em lhe dizer que se entregam ao sono porque não têm nada para fazer; e essa; se tivessem negócios ou prazer, não perderiam tanto do seu tempo no sono. Mas essas pessoas devem ser informadas de que elas confundem o assunto; que eles têm muito trabalho a fazer; eles têm um coração endurecido para mudar; eles têm todo o espírito da religião para conseguir. Pois certamente aquele que pensa que a devoção é de menos momento do que negócios ou prazer; ou que ele não tem nada a fazer porque nada além de suas orações o querem, pode-se dizer que todo o espírito da religião deve procurar.

Você não deve, portanto, considerar quão pequeno é um crime se levantar tardiamente, mas deve considerar quão grande é a miséria querer o espírito da religião, ter um coração que não é corretamente afetado pela oração; e viver com tanta suavidade e ociosidade, como se você fosse incapaz dos deveres mais fundamentais de uma vida verdadeiramente cristã e espiritual.

Esta é uma maneira correta de julgar o crime de desperdiçar grande parte do seu tempo na cama.

Você não deve considerar a coisa por si só, mas de onde provém; que virtudes mostra estar querendo; o que vícios naturalmente fortalece. Pois todo hábito desse tipo descobre o estado da alma e mostra claramente toda a sua mente.

Se nosso abençoado Senhor costumava orar cedo antes do dia; se Ele passasse noites inteiras em oração; se a devota Ana fosse dia e noite no templo; [Lucas 2,36,37] se São Paulo e Silas à meia-noite cantassem louvores a Deus; [Atos 16. 35] se os cristãos primitivos, durante várias centenas de anos, além de suas horas de orações durante o dia, se reunissem publicamente nas igrejas à meia-noite, para participar de salmos e orações; Não é certo que essas práticas mostrem o estado de seu coração? Não são tantas as provas claras de toda a mente?

E se você vive em um estado contrário, desperdiçando grande parte de cada dia no sono, pensando em qualquer momento em breve para estar em suas orações; Não é igualmente certo que esta prática mostre o estado do seu coração e toda a sua mente?

Assim, se esta indulgência é o seu modo de vida, você tem tanta razão para acreditar que está destituído do verdadeiro espírito de devoção, quanto você tem que acreditar que os apóstolos e santos da igreja primitiva eram verdadeiramente devotos. Porque, como o modo de vida deles era uma demonstração de sua devoção, um modo de vida contrário é uma prova tão forte de uma falta de devoção.

Quando você lê as Escrituras, você vê uma religião que é toda vida, e espírito, e alegria, em Deus; que supõe nossas almas levantadas dos desejos terrestres e indulgências corporais, para se preparar para outro corpo, outro mundo e outros prazeres. Você vê os cristãos representados como templos do Espírito Santo, como filhos do dia, como candidatos a uma coroa eterna, como virgens atentas, que têm suas lâmpadas sempre acesas, na expectativa do noivo. Mas pode-se pensar que ele tenha essa alegria em Deus, esse cuidado da eternidade, esse espírito vigilante, que não tem zelo suficiente para elevar suas orações?

Quando você olha para os escritos e vidas dos primeiros cristãos, você vê o mesmo espírito que você vê nas Escrituras. Tudo é realidade, vida e ação. Assistir e orar, abnegação e mortificação, era o negócio comum de suas vidas.

Daquele momento em diante, não houve pessoa como eles, eminente pela piedade, que não foi, como eles, eminente para abnegação e mortificação. Este é o único caminho real que leva a um reino.

Mas quão longe você está deste modo de vida, ou melhor, quão contrário a isso, se, ao invés de imitar sua austeridade e mortificação, você não pode mais do que renunciar a uma indulgência tão pobre, a ponto de ser capaz de se elevar às suas orações? ! Se abnegação e sofrimentos corporais, se observadores e jejuns, serão marcas de glória no dia do juízo, onde devemos esconder nossas cabeças, que adormeceram nosso tempo em indolência e suavidade?

Você talvez agora encontre alguns pretextos para desculpar-se daquela severidade de jejum e abnegação, que os primeiros cristãos praticaram. Você imagina que a natureza humana está ficando mais fraca e que a diferença de climas pode tornar impossível que você observe seus métodos de autonegação e austeridade nesses países mais frios.

Mas tudo isso é apenas fingimento: pois a mudança não está no estado exterior das coisas, mas no estado interior de nossas mentes. Quando há em nós o mesmo espírito que havia nos apóstolos e nos cristãos primitivos, quando sentimos o peso da religião como eles, quando temos fé e esperança, devemos tomar nossa cruz, negar a nós mesmos e viver. em tais métodos de mortificação como eles fizeram.

Se São Paulo tivesse vivido em um país frio, se ele tivesse uma constituição enfraquecida com um estômago doentio e, freqüentemente, enfermidades, ele teria feito como aconselhou Timóteo, ele teria misturado um pouco de vinho com sua água. Mas ainda assim ele teria vivido em um estado de abnegação e mortificação. Ele teria dado este mesmo relato de si mesmo: - "Eu, portanto, corro, não com tanta incerteza; assim, lute, não como alguém que bata no ar; mas eu mantenho debaixo do meu corpo, e o sujeito: para que, por qualquer meio, quando eu tenho pregado para os outros, eu mesmo deveria ser um náufrago ". [1 Cor. 9, 26, 27]

Afinal de contas, suponhamos agora, que você imagine que não há necessidade de você ser tão sóbrio e vigilante, tão temeroso de si mesmo, tão atento às suas paixões, tão apreensivo do perigo, tão cuidadoso com a sua salvação, como os Apóstolos. estavam. Suponhamos que você imagine que deseja menos autonegação e mortificação, subjugar seus corpos e purificar suas almas do que eles desejavam; que você não precisa ter seus lombos cingidos, e suas lâmpadas acesas, como tinham feito; você vai, portanto, viver em um estado totalmente contrário? Você tornará sua vida como um curso constante de suavidade e indulgência, como a deles era de rigor e abnegação?

Portanto, se você acha que tem tempo suficiente, tanto para oração quanto para outros deveres, embora se levante tarde; contudo, permita-me persuadi-lo a levantar-se cedo, como um exemplo de autonegação. É tão pequeno que, se você não puder cumpri-lo, não terá razão para se considerar capaz de qualquer outro.

Se eu desejasse que você não estudasse as gratificações de seu paladar, nas sutilezas de carnes e bebidas, eu não insistiria muito no crime de desperdiçar seu dinheiro dessa maneira, embora seja ótimo; mas eu desejaria que você renunciasse a tal modo de vida, porque o apoia em tal estado de sensualidade e indulgência, o que o torna incapaz de saborear as doutrinas mais essenciais da religião.

Pela mesma razão, não insisto muito no crime de desperdiçar tanto do seu tempo no sono, apesar de ser ótimo; mas desejo que renunciem a esta condescendência, porque ela dá uma suavidade e ociosidade à sua alma, e é tão contrária àquele espírito vivaz, zeloso, vigilante e abnegado que não era apenas o espírito de Cristo e Seus Apóstolos, o espírito de todos os santos e mártires que alguma vez estiveram entre os homens, mas deve ser o espírito de todos aqueles que não se afundariam na corrupção comum do mundo.

Aqui, portanto, devemos fixar nossa acusação contra essa prática; devemos culpá-lo, não como tendo este ou aquele mal em particular, mas como um hábito geral, que se estende por todo o nosso espírito e sustenta um estado de espírito totalmente errado.

É contrário à piedade; não como deslizes acidentais e erros de vida são contrários a isso, mas de tal maneira, como um mau hábito do corpo é contrário à saúde.

Por outro lado, se você levantasse cedo todas as manhãs, como um exemplo de autonegação, como um método de renunciar à indulgência, como um meio de redimir seu tempo e ajustar seu espírito à oração, você encontraria grandes vantagens isto. Esse método, embora pareça uma circunstância tão pequena da vida, seria, com toda probabilidade, um meio de grande piedade. Ele iria mantê-lo constantemente em sua cabeça, que a suavidade e a ociosidade deveriam ser evitadas, que a abnegação era uma parte do cristianismo. Ensiná-lo-ia a exercitar poder sobre si mesmo, e torná-lo capaz, por graus, de renunciar a outros prazeres e temperamentos que guerreiam contra a alma. Essa regra lhe ensinaria a pensar nos outros: ela colocaria sua mente na exatidão e provavelmente traria a parte restante do dia sob regras de prudência e devoção.

Mas acima de tudo, um certo benefício deste método que você terá certeza de ter, ele se ajustará melhor e o preparará para a recepção do Espírito Santo. Quando você assim começa o dia no espírito da religião, renunciando ao sono, porque você deve renunciar à suavidade e redimir seu tempo; esta disposição, como coloca seu coração em um bom estado, assim buscará a assistência do Espírito Santo: o que é assim plantado e regado certamente terá um aumento de Deus. Você então falará do seu coração, sua alma estará desperta, suas orações irão refrescar você como carne e bebida, você sentirá o que você diz, e começará a saber o que santos e homens santos significaram, por fervor de devoção.

Aquele que está assim preparado para a oração, que se levanta com essas disposições, está em um estado muito diferente daquele que não tem regras desse tipo; que se levanta por acaso, quando está cansado de sua cama ou não consegue mais dormir. Se tal pessoa ora apenas com a boca - se o coração não sente nada daquilo que ele diz - se suas orações são apenas coisas, é claro - se elas são uma forma sem vida de palavras, que ele só repete porque eles são logo disse, - não há nada para se pensar em tudo isso; pois tais disposições são o efeito natural de tal estado de vida.

Esperando, portanto, que agora você esteja convencido o suficiente da necessidade de se levantar cedo para suas orações, eu vou apresentar a vocês um método de oração diária.

Não me é permitido prescrever-lhe o uso de quaisquer formas particulares de oração, mas apenas para mostrar-lhe a necessidade de orar em tais ocasiões e de tal maneira.

Você encontrará aqui algumas ajudas, como se mobiliar com tais formas de oração, que lhe serão úteis. E se você é tão proficiente no espírito de devoção, que seu coração está sempre pronto para orar em sua própria língua, neste caso eu não pressiono a necessidade de formas emprestadas.

Pois embora eu ache que uma forma de oração é muito necessária e conveniente para a adoração pública, ainda que qualquer um possa encontrar um modo melhor de elevar seu coração a Deus em particular, do que por formas preparadas de oração, não tenho nada a objetar contra isso; Meu design sendo apenas para auxiliar e direcionar os que necessitam de assistência.

Assim, creio eu, é certo que a generalidade dos cristãos deve usar formas de oração em todos os momentos regulares da oração. Parece certo para cada um começar com uma forma de oração; e se, no meio de suas devoções, ele encontra seu coração pronto para irromper em novas e mais altas tensões de devoção, ele deve deixar sua forma por um tempo, e seguir aqueles fervor de seu coração, até que novamente queira a assistência de Deus. suas petições usuais.

Esta parece ser a verdadeira liberdade da devoção privada; deve estar sob a direção de alguma forma; mas não tão ligado a isso, mas que pode ser livre para tomar tais novas expressões, como o seu presente fervor acontece para fornecê-lo; o que às vezes é mais afetivo, e leva a alma mais poderosamente a Deus, do que qualquer expressão que já tenha sido usada antes.

Todas as pessoas que alguma vez fizeram alguma reflexão sobre o que passa em seus próprios corações, devem saber que são imensamente mutáveis ​​em relação à devoção. Às vezes nossos corações estão tão despertos, têm tão fortes apreensões da Presença Divina, estão tão cheios de profunda compunção pelos nossos pecados, que não podemos confessá-los em qualquer língua que não seja a das lágrimas.

Às vezes a luz do semblante de Deus brilha tanto sobre nós, vemos tão longe no mundo invisível, somos tão afetados com as maravilhas do amor e da bondade de Deus, que nossos corações adoram e adoram em uma língua mais alta que a das palavras e sentimos o transporte da devoção, que só pode ser sentida.

Por outro lado, às vezes estamos tão afundados em nossos corpos, tão insossos e não afetados com o que diz respeito a nossas almas, que nossos corações são tão baixos demais para nossas orações; não podemos acompanhar as nossas formas de confissão, ou sentir metade disso em nossos corações que temos em nossas bocas; Agradecemos e louvamos a Deus com formas de palavras, mas nossos corações têm pouca ou nenhuma participação nelas.

Portanto, é altamente necessário prover contra essa inconstância de nossos corações, tendo à mão as formas de oração que melhor nos convêm quando nossos corações estão em seu melhor estado, e também com maior probabilidade de levantá-las e levantá-las quando estão afundado em dulness. Pois, como as palavras têm um poder de afetar nossos corações em todas as ocasiões, como a mesma coisa expressa diferentemente tem efeitos diferentes em nossas mentes, então é razoável que devemos aproveitar essa vantagem da linguagem e nos fornecer tais formas de expressão são mais propensos a mover e animar nossas almas e preenchê-los com sentimentos adequados para eles.

A primeira coisa que você deve fazer, quando está de joelhos, é fechar os olhos e, com um breve silêncio, deixar sua alma se colocar na presença de Deus; isto é, você deve usar isto, ou algum outro método melhor, para se separar de todos os pensamentos comuns, e fazer o seu coração o mais sensato que puder da presença Divina.

Agora, se esta lembrança do espírito é necessária, como quem pode dizer que não é? - então, quão mal devem eles realizar suas devoções, que estão sempre com pressa; que começam com pressa e dificilmente se dão tempo para repetir sua própria forma, com qualquer gravidade ou atenção! Deles está dizendo corretamente orações, em vez de orar.

Para prosseguir: se você fosse usar a si mesmo (tanto quanto puder) para orar sempre no mesmo lugar; se você reservasse esse lugar para devoção, e não se permitisse fazer nada de comum nisso; se você nunca fosse estar lá sozinho, mas em tempos de devoção; se alguma pequena sala, ou (se isso não pode ser) se alguma parte específica de uma sala fosse assim usada, esse tipo de consagração dela como um lugar sagrado para Deus, teria um efeito sobre sua mente, e o colocaria em tais temperamentos. , como muito ajudaria sua devoção. Por ter um lugar assim sagrado em seu quarto, ele se pareceria em alguma medida com uma capela ou casa de Deus. Isso permitiria que você estivesse sempre no espírito da religião, quando estivesse lá; e te encha de pensamentos sábios e santos, quando você estava sozinho. Seu próprio apartamento elevaria em sua mente os sentimentos que você tem quando está perto de um altar; e você teria medo de pensar ou fazer qualquer coisa que fosse tola perto daquele lugar, que é o lugar da oração e do relacionamento sagrado com Deus.

Quando você começar suas petições, use várias expressões dos atributos de Deus, que possam torná-lo mais sensível à grandeza e poder da Natureza Divina.

Comece, portanto, em palavras como estas: O Ser de todos os seres, Fonte de toda luz e glória, gracioso Pai de homens e Anjos, cujo espírito universal está presente em todos os lugares, dando vida, luz e alegria a todos os Anjos no Céu. e todas as criaturas na terra, etc.

Pois estas representações dos atributos Divinos, que nos mostram em certo grau a Majestade e a grandeza de Deus, são excelentes meios de elevar nossos corações a atos de adoração e adoração.

Qual é a razão que a maioria das pessoas são tão afetadas com esta petição no Serviço de Enterro de nossa Igreja: No entanto, ó Senhor Deus santíssimo, ó Senhor mais poderoso, Ó santo e misericordioso Salvador, não nos entregue as amargas dores de morte eterna? É, porque a união de tantas grandes expressões dá tal descrição da grandeza da Majestade Divina, como naturalmente afeta toda mente sensível.

Embora, portanto, a oração não consista em palavras bonitas ou em expressões estudadas; contudo, como as palavras falam à alma, como elas têm um certo poder de levantar pensamentos na alma; assim, aquelas palavras que falam de Deus da maneira mais elevada, que expressam mais plenamente o poder e a presença de Deus, que elevam os pensamentos na alma mais adequada à grandeza e providência de Deus, são as mais úteis e mais edificantes em nossas orações.

Quando você direcionar qualquer uma de suas petições ao nosso abençoado Senhor, que seja em algumas expressões desse tipo: Ó Salvador do mundo, Deus de Deus, Luz da Luz; Tu que és o brilho da glória do teu Pai, e a expressa imagem da sua pessoa; Tu és o Alfa e Ômega, o Princípio e o Fim de todas as coisas; Tu que destruíste o poder do diabo; que venceu a morte; Tu que entraste no Santo dos Santos, aquele que está assentado à destra do Pai, é o que está acima de todos os tronos e principados, que faz intercessão por todo o mundo; Tu que és o Juiz do rápido e morto; Tu, que desmaiarás rapidamente na glória do teu Pai, para recompensar a todos os homens segundo as suas obras, sê tu a minha luz e a minha paz, etc.

Pois tais representações, que descrevem tantos caracteres da natureza e do poder de nosso Salvador, não são apenas atos apropriados de adoração, mas, se forem repetidos com qualquer atenção, preencherão nossos corações com o mais elevado fervor da verdadeira devoção.

Novamente; se você pedir alguma graça particular de nosso bendito Senhor, seja de alguma maneira assim: Ó Santo Jesus, Filho do Deus Altíssimo, Tu que foi flagelado em um pilar, esticado e pregado em uma cruz, pelos pecados de Deus. o mundo, una-me à Tua cruz e encha minha alma com Teu espírito santo, humilde e sofredor. Ó fonte de misericórdia, Tu que salvaste o ladrão na cruz, salva-me da culpa de uma vida pecaminosa; Tu que expulsaste sete demônios de Maria Madalena, expulsou do meu coração todos os maus pensamentos e más intenções. Ó Doador da vida, Tu que ressuscitou Lázaro dos mortos, levante minha alma da morte e das trevas do pecado. Tu que deste ao poder dos teus apóstolos sobre os espíritos imundos, dai-me poder sobre o meu coração. Tu que apareceste aos teus discípulos quando as portas estavam fechadas, apareces a mim no apartamento secreto do meu coração. Tu que limpaste os leprosos, curaste os doentes e dás a vista aos cegos, purificai meu coração, curou as desordens de minha alma e me encheu de luz celestial.

Agora, esse tipo de recurso tem uma dupla vantagem; Primeiro, como são muitos atos apropriados de nossa fé, por meio dos quais não apenas mostramos nossa crença nos milagres de Cristo, mas os transformamos ao mesmo tempo em muitos exemplos de adoração e adoração.

Em segundo lugar, à medida que fortalecem e aumentam a fé de nossas orações, apresentando em nossas mentes muitos exemplos desse poder e bondade, que pedimos para nossa própria assistência.

Pois aquele que apela a Cristo, como expulsando demônios e ressuscitando os mortos, tem então um motivo poderoso em sua mente para orar fervorosamente e depender fielmente de Sua assistência.

Novamente: para preencher suas orações com excelentes tensões de devoção, pode ser útil para você observar essa regra:

Quando a qualquer momento, seja lendo a Escritura ou qualquer livro de piedade, você se encontra com uma passagem que mais do que ordinariamente afeta sua mente, e parece, por assim dizer, dar ao seu coração um novo movimento para Deus, você deve tentar transforme-o na forma de uma petição e, em seguida, dê-lhe um lugar nas suas orações. Por este meio você estará freqüentemente melhorando suas orações, e armazenando-se com as formas apropriadas de tornar os desejos de seu coração conhecidos por Deus.

Em todas as horas declaradas de oração, será de grande benefício para você ter algo fixo, e algo em liberdade, em suas devoções.

Você deve ter algum assunto fixo, que é constantemente a principal questão de sua oração naquele momento específico; e ainda ter liberdade para adicionar outras petições, como sua condição pode exigir.

Por exemplo: como a manhã é para você o começo de uma nova vida; assim como Deus lhe deu um novo desfrute de si mesmo e uma nova entrada no mundo; É altamente apropriado que suas primeiras devoções sejam um louvor e ações de graças a Deus, como por uma nova criação; e que você deve oferecer e dedicar corpo e alma, tudo o que você é, e tudo o que você tem, para o Seu serviço e glória.

Receba, portanto, todos os dias como uma ressurreição da morte, como um novo desfrute da vida; Conhecer todos os nascentes com sentimentos de bondade de Deus, como se você tivesse visto, e todas as coisas, novas criadas em sua conta: e sob o sentido de tão grande bênção, deixe seu coração alegre louvar e magnificar tão bom e glorioso O Criador.

Seja, portanto, louvor e ação de graças, e sua oblação a Deus, seja sempre o assunto fixo e certo de suas primeiras orações pela manhã; e então tome a liberdade de adicionar outras devoções, como a diferença acidental de seu estado, ou a diferença acidental de seu coração, então tornará mais necessário e conveniente para você.

Pois um dos maiores benefícios da devoção privada consiste em adaptar corretamente nossas orações a essas duas condições - a diferença de nosso estado e a diferença de nossos corações.

Pela diferença de nosso estado, entende-se a diferença de nosso estado ou condição externa, como de doença, saúde, dores, perdas, desapontamentos, problemas, misericórdias particulares ou juízos de Deus; todo tipo de gentileza, injúria ou reprovação de outras pessoas.

Agora, como estas são grandes partes do nosso estado de vida, como elas fazem grande diferença, mudando continuamente; Assim, nossa devoção será duplamente benéfica para nós, quando ela observar receber e santificar todas essas mudanças de nosso estado, e as transformará em tantas ocasiões em uma aplicação mais particular a Deus de tal ação de graças, tal resignação, tal petições, como nosso estado atual exige mais especialmente.

E aquele que faz com que cada mudança em seu estado seja uma razão para apresentar a Deus algumas petições específicas adequadas a essa mudança, logo descobrirá que ele tomou um excelente meio, não apenas de orar com fervor, mas de viver como ele ora.

A próxima condição, à qual sempre devemos adaptar parte de nossas orações, é a diferença de nossos corações; por que se entende o estado diferente dos ânimos de nossos corações, como de amor, alegria, paz, tranquilidade, dulness e secura de espírito, ansiedade, descontentamento, movimentos de inveja e ambição, pensamentos sombrios e desconsolados, ressentimentos, irritabilidade, e temperamento impertinente.

Agora, como esses temperamentos, através da fraqueza de nossa natureza, terão sua sucessão, mais ou menos, mesmo em mentes piedosas; por isso devemos constantemente tornar o presente estado do nosso coração a razão de alguma aplicação particular a Deus.

Se estamos na encantadora calma de paixões doces e fáceis, de amor e alegria em Deus, devemos então oferecer o agradecido tributo de ação de graças a Deus pela posse de tanta felicidade, felizmente possuindo e reconhecendo-O como o generoso doador dela. todos.

Se, por outro lado, nos sentimos carregados de pesadas paixões, com falta de espírito, ansiedade e desconforto, devemos então olhar para Deus em atos de humildade, confessando nossa indignidade, abrindo nossas dificuldades para Ele, implorando a Ele Seu bom momento para diminuir o peso de nossas enfermidades e nos livrar de paixões que se opõem à pureza e perfeição de nossas almas.

Agora, observando e atendendo ao presente estado de nossos corações, e adequando algumas de nossas petições exatamente às suas necessidades, nós não apenas estaremos bem familiarizados com os distúrbios de nossas almas, mas também seremos bem exercitados no método de curá-los. .

Por esta aplicação prudente e sábia de nossas orações, obteremos todo o alívio que lhes é possível: e a própria mutabilidade de nossos corações será um meio de exercitar uma maior variedade de temperamentos santos.

Agora, por tudo o que foi dito aqui, você facilmente perceberá que as pessoas cuidadosas com o maior benefício da oração devem ter uma grande participação na formação e composição de suas próprias devoções.

Quanto à parte de suas orações, que é sempre fixa para um determinado assunto, na medida em que podem usar a ajuda de formas compostas por outras pessoas; mas, nessa parte de suas orações, que devem sempre atender ao estado atual de sua vida e ao presente estado de seu coração, devem deixar que o sentido de sua própria condição os ajude a tais petições, ações de graça ou resignação, como o estado atual exige mais especialmente.

Felizes são aqueles que têm este negócio e emprego em suas mãos!

E agora, se as pessoas de lazer, sejam homens ou mulheres, que estão tão perdidos como dispor de seu tempo, que são forçados a invenções pobres, visitas ociosas e diversões ridículas, apenas para se livrar de horas que pendem pesadamente em suas mãos; se tais fossem designar alguns espaços de seu tempo para o estudo da devoção, buscando todos os meios e ajudando a alcançar um espírito devoto; se quisessem coletar as melhores formas de devoção, usar-se para transcrever as melhores passagens das orações das Escrituras; se colecionassem as devoções, confissões, petições, louvores, resignações e ações de graças, que estão espalhadas nos Salmos, e os colocam sob a devida atenção, como combustível suficiente para a chama de sua própria devoção; se suas mentes eram freqüentemente empregadas, às vezes meditando sobre elas, às vezes ficando com elas de coração, e tornando-as tão habituais quanto seus próprios pensamentos, com que fervorosamente eles oravam, que vinham assim preparados para a oração! E quanto melhor seria, para aproveitar esse tempo de lazer, do que ser perdida nas perversas impertinências de uma vida de brincar, visitar e vagar!

Quanto melhor seria ser assim equipado com hinos e hinos dos santos, e ensinar suas almas a ascender a Deus, do que corromper, desconcertar e confundir seus corações com as fantasias selvagens, os pensamentos lascivos de poetas lascivos!

Agora, embora as pessoas de lazer pareçam mais particularmente chamadas a este estudo da devoção, ainda assim pessoas de muito trabalho ou trabalho não devem se achar dispensadas disso, ou algum método melhor de melhorar sua devoção.

Quanto maior for o seu negócio, mais necessitarão de algum método como este, para evitar o seu poder sobre os seus corações, para assegurar que eles afundem nos temperamentos mundanos e preservem um sentido e um gosto das coisas celestiais nas suas mentes. E um pouco de tempo regular e constantemente empregado para qualquer um uso ou fim, vai fazer grandes coisas e produzir efeitos poderosos.

E é por querer considerar a devoção a esta luz, como algo que deve ser cuidado e valorizado com cuidado, como algo que deve fazer parte do nosso negócio, que deve ser melhorado com cuidado e artifício, pela arte e método. e um uso diligente das melhores ajudas; é por falta de consideração, a esta luz, que tantas pessoas são tão pouco beneficiadas por ela e vivem e morrem estranhas a esse espírito de devoção, que, por um uso prudente dos meios apropriados, poderiam ter desfrutado em alto grau.

Pois, embora o espírito de devoção seja o dom de Deus, e não atingível por qualquer mero poder nosso, ainda assim ele é principalmente dado e nunca retido àqueles que, por um uso sábio e diligente de meios apropriados, se preparam para a recepção do mesmo.

E é incrível ver como os homens empregam avidamente suas partes, sua sagacidade, tempo, estudo, aplicação e exercício: como todos os auxílios são chamados para ajudá-los, quando qualquer coisa é desejada e desejada em assuntos mundanos; e como eles são maçantes, negligentes e não aprimorados; Quão pouco eles usam suas partes, sagacidade e habilidades para aumentar e aumentar sua devoção!

Mundanus [1] é um homem de excelentes partes e clara apreensão. Ele está bem avançado

em idade, e fez uma grande figura nos negócios. Cada parte do comércio e negócios que caiu em seu caminho teve algumas melhorias dele; e ele está sempre planejando levar todo método de fazer qualquer coisa até a sua maior altura. Mundanus visa a maior perfeição em tudo. A solidez e força de sua mente, e sua maneira justa de pensar nas coisas, fazem com que ele tenha a intenção de remover todas as imperfeições.

Ele pode dizer-lhe todos os defeitos e erros em todos os métodos comuns, seja de comércio, construção ou melhoria de terra ou fabrica. A clareza e a força de seu entendimento, que ele está constantemente melhorando por meio do exercício contínuo nesses assuntos, por digerir freqüentemente seus pensamentos por escrito e tentar tudo de todas as maneiras, tornaram-no um grande mestre da maioria das preocupações da vida humana.

Assim Mundanus continuou, aumentando seu conhecimento e julgamento, tão rápido quanto seus anos vieram sobre ele.

A única coisa que não caiu em sua melhora, nem recebeu qualquer benefício de sua mente judiciosa, é sua devoção: isto é apenas no mesmo estado deplorável que era, quando ele tinha apenas seis anos de idade, e o velho o homem reza agora naquela pequena forma de palavras que sua mãe costumava ouvir repetindo a noite e a manhã.

Este Mundano, que quase nunca viu o utensílio mais pobre, ou alguma vez levou a mais insignificante mole à sua mão, sem considerar como poderia ser feito ou aproveitado, passou a vida toda rezando da mesma maneira de quando era criança; sem nunca considerar quanto melhor ou mais freqüente ele poderia orar; sem considerar quão improvável é o espírito de devoção, quantos ajudam um homem sábio e sensato a pedir sua ajuda, e quão necessário é, que nossas orações sejam ampliadas, variadas e adequadas ao estado e condição particular de nossas vidas.

Se Mundanus vê um livro de devoção, ele passa por ele, como ele faz um livro de ortografia, porque ele lembra que ele aprendeu a orar, há muitos anos, sob sua mãe, quando ele aprendeu a soletrar.

Agora quão pobre e digna de pena é a conduta deste homem sensato, que tem tanto juízo e compreensão em tudo, mas aquilo que é toda a sabedoria do homem!

E quão miseravelmente muitas pessoas, mais ou menos, imitam essa conduta!

Tudo isso parece ser devido a um estranho e apaixonado estado de negligência, que impede as pessoas de considerarem o que é devoção. Pois, se o fizessem apenas uma vez, a ponto de refletirem sobre isso, ou se perguntarem alguma coisa a respeito, logo veriam que o espírito de devoção era como qualquer outro sentido ou entendimento, que só é melhorado pelo estudo, cuidado. , aplicação e uso de tais meios e ajuda o que for necessário para tornar um homem proficiente em qualquer arte ou ciência.

Classicus [2] é um homem de aprendizagem e bem versado em todos os melhores autores da antiguidade. Ele

leu-os tanto que entrou em seu espírito e pode muito engenhosamente imitar a maneira de qualquer um deles. Todos os seus pensamentos são seus pensamentos, e ele pode se expressar em sua língua. Ele é um amigo tão grande para essa melhora da mente, que se ele ilumina um jovem estudioso, ele nunca deixa de aconselhá-lo sobre seus estudos.

Classicus diz a seu jovem, ele não deve pensar que fez o suficiente quando aprendeu apenas línguas; mas que ele deve estar diariamente familiarizado com os melhores autores, lê-los de novo e de novo, captar seu espírito vivendo com eles, e que não há outra maneira de se tornar como eles, ou de se tornar um homem de bom gosto e julgamento.

Quão sábio poderia ter sido Classicus e quanto bem ele poderia ter feito no mundo, se tivesse pensado tão justamente em devoção quanto em aprender!

Ele nunca, de fato, diz algo chocante ou ofensivo sobre devoção, porque ele nunca pensa ou fala sobre isso. Não sofre nada dele, mas negligencia e desrespeita.

Os dois Testamentos não teriam tido tanto lugar entre seus livros, mas ambos em grego.

Classicus acha que ele mostra suficientemente sua consideração pela Sagrada Escritura, quando ele diz que não tem outros livros de piedade além deles.

É muito bom, Classicus, que você prefira a Bíblia a todos os outros livros de piedade: ele não tem julgamento, isso não está longe de sua opinião.

Mas se você não tiver outro livro de piedade além da Bíblia, porque é o melhor, como vem, Classicus, que você não se contenta com um dos melhores livros entre os gregos e romanos? Como é que você é tão ganancioso e ansioso depois de todos eles? Como é que você acha que o conhecimento de um é uma ajuda necessária para o conhecimento do outro? Como é que você é tão sincero, tão trabalhoso, tão caro ao seu tempo e dinheiro, para restaurar períodos quebrados e recados dos antigos?

Como é que você lê tantos comentaristas sobre Cícero, Horácio e Homero, e não sobre o Evangelho? Como é que você ama ler um homem? Como é possível que seu amor por Cícero e Ovídio faça você gostar de ler um autor que escreve como eles; e, no entanto, sua estima pelo Evangelho não lhe dá nenhum desejo, ou melhor, impede que você leia livros como o próprio espírito do Evangelho?

Como é que você diz ao seu jovem estudioso, ele não deve se contentar em apenas entender seus autores, mas deve estar continuamente lendo-os todos, como o único meio de entrar em seu espírito, e formar seu próprio julgamento de acordo com eles?

Por que então a Bíblia deve estar sozinha em seu estudo? O espírito dos santos, a piedade dos santos seguidores de Jesus, não é um meio bom e necessário para penetrar no espírito e no gosto do evangelho, pois a leitura dos antigos é de entrar no espírito da antiguidade?

O espírito da poesia só pode ser obtido com muita leitura de poetas e oradores? E não é o espírito de devoção a ser obtido da mesma maneira, lendo freqüentemente os pensamentos sagrados e as tensões piedosas de homens devotos?

É o seu jovem poeta que procura cada linha que possa dar novas asas à sua imaginação ou direcionar sua imaginação? E não é tão razoável para aquele que deseja melhorar na vida Divina, isto é, no amor das coisas celestiais, procurar por toda tensão de devoção que possa mover-se, acender e inflamar o santo ardor de sua alma?

Você aconselha o seu orador a traduzir as melhores orações, a memorizar muitas delas, a estar exercendo freqüentemente seu talento dessa maneira, que hábitos de pensar e falar justamente podem ser formados em sua mente? E não há o mesmo benefício e vantagem a ser feito pelos livros de devoção? Um homem não deveria usá-los da mesma maneira, que hábitos de devoção e aspiração a Deus em pensamentos santos podem ser bem formados em sua alma?

Agora, a razão pela qual Classicus não pensa e julga assim razoavelmente de devoção, é devido a ele nunca pensar nisso de qualquer outra maneira senão como a repetição de uma forma de palavras. Nunca em sua vida entrou em sua cabeça, pensar em devoção como um estado do coração, como um talento improvável da mente, como um temperamento que deve crescer e aumentar como nossa razão e julgamento, e ser formado em nós por tal uso regular e diligente dos meios apropriados, necessários para formar qualquer outro hábito mental sábio.

E é por falta disso que ele tem contentado toda a sua vida com a carta nua de oração, e ansiosamente inclinado a entrar no espírito dos poetas e oradores pagãos.

E é muito lamentável que o número de estudiosos seja mais ou menos exigível com essa loucura excessiva; tão negligente de melhorar sua devoção, e tão desejoso de outras realizações pobres; como se eles achassem um talento mais nobre poder escrever um epigrama na virada de Martial, do que viver, pensar e rezar para Deus, no espírito de St. Austin.

E, no entanto, para corrigir esse temperamento e encher um homem com um espírito totalmente contrário, parece não haver mais necessidade do que a simples crença na verdade do cristianismo.

E se você perguntasse a Mundano e a Classicus, ou a qualquer homem de negócios ou aprendizado, se a piedade não é a mais alta perfeição do homem, ou a devoção é a maior conquista do mundo, ambos devem ser forçados a responder afirmativamente, ou então desista da verdade do Evangelho.

Pois estabelecer qualquer realização contra a devoção, ou pensar qualquer coisa, ou todas as coisas neste mundo, tem qualquer proporção de sua excelência, é o mesmo absurdo em um cristão, como seria em um filósofo preferir a carne de uma refeição ao máximo. melhoria no conhecimento. Pois, como a filosofia professa puramente a busca e investigação após o conhecimento, o Cristianismo supõe, pretende, deseja e visa a nada mais que o homem caído em ascensão a uma vida Divina, a tais hábitos de santidade, a esses graus de devoção entrar entre os santos habitantes do reino dos céus.

Aquele que não acredita no cristianismo, pode ser considerado um infiel; e aquele que crê assim tem fé suficiente para lhe dar um julgamento correto do valor das coisas, para apoiá-lo em uma mente sã e capacitá-lo a conquistar todas as tentações que o mundo colocar em seu caminho.

Para concluir este capítulo. A devoção não é senão apreensões corretas e afeições corretas para com Deus.

Todas as práticas, portanto, que aumentam e melhoram nossas verdadeiras apreensões de Deus, todos os modos de vida que tendem a nutrir, elevar e fixar nossas afeições sobre Ele, devem ser consideradas como muitos meios e ajudas para nos encher de devoção.

Como a Oração é o combustível apropriado desta chama sagrada, devemos usar todo o nosso cuidado e artifício para dar à oração todo o seu poder: como esmolas, abnegação, aposentadorias freqüentes e leituras sagradas, compondo formas para nós mesmos, ou usando o fogo. O melhor que podemos conseguir, acrescentando tempo e observando horas de oração: mudando, melhorando e adequando nossas devoções à condição de nossas vidas e ao estado de nossos corações.

Aqueles que têm mais lazer parecem mais especialmente chamados para uma observância mais eminente dessas regras sagradas de uma vida devota. E eles, que, pela necessidade de seu estado, e não por sua própria escolha, têm pouco tempo para empregar assim, devem fazer o melhor uso daquele pouco que possuem. Pois esta é a maneira certa de fazer com que a devoção produza uma vida devota.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XIV.

Disponível em CCEL (inglês).




Notas:
[1] Mundanus = homem sábio mundano.
[2] Classicus, ou seja, um estudioso clássico.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: