A imitação de Cristo - Primeiro Livro

ADMONIÇÕES RENTÁVEIS PARA A VIDA ESPIRITUAL


CAPÍTULO I

Da imitação de Cristo e do desprezo do mundo e de todas as suas vaidades

Quem me segue não andará em trevas, (1) diz o Senhor. Estas são as palavras de Cristo; e nos ensinam até onde devemos imitar sua vida e caráter, se buscarmos a verdadeira iluminação e a libertação de toda a cegueira do coração. Portanto, seja o nosso mais diligente estudo a dedicar-se à vida de Jesus Cristo.

2. Seu ensino supera todo ensino de homens santos, e aqueles que têm o Seu Espírito encontram nele o maná escondido. (2) Mas há muitos que, embora freqüentemente ouçam o Evangelho, ainda sentem pouco desejo depois dele, porque eles têm não a mente de Cristo. Ele, portanto, que compreenderá plenamente e com verdadeira sabedoria as palavras de Cristo, esforce-se por conformar toda a sua vida àquela mente de Cristo.

3. O que te faz entrar em profunda discussão sobre a Santíssima Trindade, se você não tiver humildade, e assim desagradar à Trindade? Pois, na verdade, não são palavras profundas que tornam um homem santo e reto; é uma boa vida que faz um homem querido por Deus. Eu preferia sentir contrição do que ser hábil na sua definição. Se você conhecesse toda a Bíblia e os ditos de todos os filósofos, o que tudo isso deveria lucrar sem o amor e a graça de Deus? Vaidade de vaidades, tudo é vaidade, exceto amar a Deus, e somente Ele servir. Essa é a mais alta sabedoria, lançar o mundo para trás e alcançar o reino celestial.

4. É vaidade, então, buscar e confiar nas riquezas que perecerão. Também é vaidade cobiçar honras e elevar-nos ao alto. É vaidade seguir os desejos da carne e ser conduzido por eles, pois isso trará miséria no final. É vaidade desejar uma vida longa e ter pouco cuidado por uma vida boa. É vaidade pensar apenas na vida que é agora, e não olhar para as coisas que serão daqui em diante. É vaidade amar o que rapidamente passa, e não apressar onde a eterna alegria permanece.

5. Muitas vezes, é consciente do ditado, (3) O olho não está satisfeito com a visão, nem o ouvido com a audição. Esforça-te, portanto, para afastar teu coração do amor das coisas que são vistas, e colocá-lo sobre as coisas que não são vistas. Para aqueles que seguem suas próprias concupiscências carnais, contaminam a consciência e destroem a graça de Deus.

(1) João 8. 12. (2) Apocalipse 2. 17. (3) Eclesiastes 1. 8


CAPÍTULO II

De pensar humildemente em si mesmo

Há naturalmente em todo homem o desejo de saber, mas o que aproveita sem o temor de Deus? Melhor do que a certeza é um humilde camponês que serve a Deus, do que um orgulhoso filósofo que observa as estrelas e negligencia o conhecimento de si mesmo. Quem se conhece bem é vil aos seus olhos; nem ele considera os louvores dos homens. Se eu soubesse todas as coisas que estão no mundo, e não estivesse em caridade, o que deveria me ajudar diante de Deus, quem deve me julgar de acordo com minhas ações?

2. Descanse do desordenado desejo de conhecimento, pois aí se encontra muita distração e engano. Aqueles que têm conhecimento desejam parecer aprendidos e ser chamados de sábios. Há muitas coisas para saber que aproveitam pouco ou nada para a alma. E tolo fora de medida é aquele que cuida de outras coisas, em vez daqueles que servem à saúde de sua alma. Muitas palavras não satisfazem a alma, mas uma boa vida refresca a mente, e uma consciência pura dá grande confiança a Deus.

3. Quanto maior e mais completo for o teu conhecimento, mais severamente serás julgado, a menos que tenhais vivido em santidade. Portanto, não sejas levantado por nenhuma habilidade ou conhecimento que possas; antes teme acerca do conhecimento que te é dado. Se te parece que sabes muitas coisas e as entende bem, sabe também que há muito mais coisas que não conheces. Não seja obstinado, mas confesse sua ignorância. Por que desejas elevar-te acima de outro, quando se encontram muitos mais instruídos e mais habilidosos nas Escrituras do que tu? Se tu queres saber e aprender qualquer coisa com lucro, ama ser tu desconhecido e ser contado por nada.

4. Essa é a maior e mais proveitosa lição, quando um homem verdadeiramente conhece e julga humilde de si mesmo. Para não considerar nada de si mesmo e pensar sempre gentilmente e em grande parte dos outros, essa é uma grande e perfeita sabedoria. Mesmo tu deves ver o teu próximo pecar aberta ou gravemente, mas não deverás considerar-te melhor do que ele, porque não sabes quando guardares a tua integridade. Todos nós somos fracos e frágeis; não abraças homem mais frágil do que tu mesmo.


CAPÍTULO III

Do conhecimento da verdade

Feliz é o homem que a Verdade por si mesmo ensina, não por figuras e palavras transitórias, mas como é em si mesmo. (1) Nosso próprio julgamento e sentimentos muitas vezes nos enganam, e discernimos pouco da verdade. O que é proveitoso discutir sobre coisas ocultas e obscuras, sobre as quais não seremos nem mesmo reprovados no julgamento, porque não os conhecemos? Ó loucura dolorosa, negligenciar as coisas que são proveitosas e necessárias, e entregar nossas mentes a coisas curiosas e dolorosas! Tendo olhos, não vemos.

2. E o que temos a ver com falar sobre gênero e espécie! Aquele a quem a Eterna Palavra fala está livre de questionamentos múltiplos. Desta Palavra Única são todas as coisas, e todas as coisas falam d'Ele; e este é o princípio que também nos fala. (2) Nenhum homem sem que Ele compreenda ou julgue corretamente. O homem a quem todas as coisas são uma só, que traz todas as coisas para uma, que vê todas as coisas em uma, ele é capaz de permanecer firme no espírito e em repouso em Deus. Ó Deus, que és a Verdade, faz-me um com Ti em amor eterno. Muitas vezes me faz ler e ouvir muitas coisas; em Ti é tudo o que desejo e desejo. Que todos os médicos se calem; Que toda a criação mantenha o silêncio diante de Ti: fala somente para mim.

3. Quanto mais o homem tiver unidade e simplicidade em si mesmo, tanto mais coisas e coisas mais profundas ele entenderá; e que sem trabalho, porque ele recebe a luz do entendimento de cima. O espírito que é puro, sincero e firme, não é distraído, embora tenha muitas obras a fazer, porque faz todas as coisas para a honra de Deus, e se esforça para ser livre de todos os pensamentos de egoísmo. Quem é tão cheio de obstáculo e aborrecimento para ti como o teu próprio coração indisciplinado? Um homem que é bom e devoto arranjar de antemão dentro de seu próprio coração as obras que ele tem que fazer no exterior; e assim não é atraído pelos desejos de sua má vontade, mas sujeita tudo ao julgamento da razão correta. Quem tem mais dificuldade em lutar do que aquele que luta pelo autocontrole? E este deve ser o nosso esforço, até mesmo para dominar a si mesmo e, assim, diariamente, crescer mais forte que o ego e seguir em direção à perfeição.

4. Toda perfeição tem alguma imperfeição a ela associada nesta vida, e todo o nosso poder de visão não está sem algumas trevas. Um conhecimento humilde de si mesmo é um caminho mais seguro para Deus do que a busca profunda do aprendizado do homem. Não que o aprendizado seja o culpado, nem a consideração de qualquer coisa que seja boa; mas uma boa consciência e uma vida santa são melhores que todas. E, porque muitos buscam o conhecimento, em vez de o bem viver, desgarram-se e dão pouco ou nenhum fruto.

5. Oh, se eles dessem aquela diligência para erradicar o vício e o plantio de virtude que eles dão a questionamentos vãos: não havia tantos maus feitos e pedras de tropeço entre os leigos, nem tal mal viver entre as casas dos leigos. religião. Com certeza, no Dia do Juízo será exigido de nós, não o que lemos, mas o que fizemos; não quão bem falamos, mas quão sagradamente vivemos. Diga-me, onde estão agora todos aqueles mestres e mestres que você conhecia bem, enquanto eles ainda estavam com você e floresceram no aprendizado? Suas barracas agora são preenchidas por outras pessoas, que talvez nunca tenham um pensamento a respeito delas. Enquanto viviam, pareciam ser um pouco, mas agora ninguém fala deles.

Oh, quão rapidamente passa a glória do mundo! Será que sua vida e conhecimento concordaram juntos! Pois então eles teriam lido e inquirido até um bom propósito. Quantos perecem através da aprendizagem vazia neste mundo, que pouco se importam em servir a Deus. E porque eles amam ser grandes mais do que serem humildes, portanto eles "tornaram-se vaidosos em suas imaginações". Ele é verdadeiramente grande e tem grande caridade. Ele é verdadeiramente grande, que se considera pequeno, e considera toda a altura da honra como nada. Ele é o homem verdadeiramente sábio, que considera todas as coisas terrenas como esterco para ganhar a Cristo. E ele é o homem verdadeiramente instruído, que faz a vontade de Deus e renuncia a sua própria vontade.

(1) Salmo 94. 12; Números 12. 8. (2) João 8. 25 (Vulg.).


CAPÍTULO IV

De prudência em ação

Não devemos confiar em cada palavra dos outros ou sentir dentro de nós mesmos, mas com cautela e paciência, tentar o assunto, seja de Deus. Infelizmente, somos tão fracos que achamos mais fácil acreditar e falar mal dos outros, em vez de sermos bons. Mas aqueles que são perfeitos não dão atenção imediata a todos os portadores de notícias, pois conhecem a fraqueza do homem que é propensa ao mal e instável em palavras.

2. Esta é uma grande sabedoria, não ser apressada em ação, ou teimosa em nossas próprias opiniões. Uma parte dessa sabedoria também não é acreditar em cada palavra que ouvimos, nem contar aos outros tudo o que ouvimos, embora acreditemos nisso. Tome conselho com um homem que é sábio e de boa consciência; e procure ser instruído por alguém melhor que a si mesmo, em vez de seguir suas próprias invenções. Uma boa vida faz um homem sábio para com Deus e dá-lhe experiência em muitas coisas. Quanto mais humilde o homem é em si mesmo, e quanto mais obediente a Deus, mais sábio ele estará em todas as coisas, e mais sua alma estará em paz.


CAPÍTULO V

Da leitura das Sagradas Escrituras

É a Verdade que devemos procurar nas Escrituras Sagradas, não astúcia das palavras. Toda a Escritura deve ser lida no espírito em que foi escrita. Nós devemos, antes, buscar o que é proveitoso na Escritura do que aquilo que ministra a sutileza no discurso. Portanto, devemos ler livros que sejam devocionais e simples, bem como aqueles que são profundos e difíceis. E que o peso do escritor não seja uma pedra de tropeço para ti, seja ele de pouco ou de grande aprendizado, mas o amor da pura verdade te faça ler. Não pergunte, quem disse isso ou aquilo, mas olhe para o que ele diz.

2. Passam os homens, mas a verdade do Senhor permanece para sempre. Sem respeitar as pessoas, Deus nos fala de diversas maneiras. Nossa própria curiosidade freqüentemente nos atrapalha na leitura de escritos sagrados, quando procuramos entender e discutir, onde devemos simplesmente passar. Se você se beneficiar com a leitura, leia humildemente, com simplicidade, honestidade e não deseje ganhar um caráter para aprender. Peça livremente e ouça em silêncio as palavras dos homens santos; nem se desagradem das palavras duras dos homens mais velhos do que tu, porque eles não são proferidos sem causa.


CAPÍTULO VI

De desordens excessivas

Sempre que um homem deseja algo acima da medida, imediatamente ele fica inquieto. O homem orgulhoso e avarento nunca está em repouso; enquanto os pobres e humildes de coração habitam na multidão da paz. O homem que ainda não está totalmente morto para si mesmo, logo é tentado e é vencido em assuntos pequenos e insignificantes. É difícil para aquele que é fraco de espírito, e ainda em parte carnal e inclinado aos prazeres dos sentidos, se retirar completamente dos desejos terrenos. E, portanto, quando ele se retira destes, muitas vezes fica triste e se enfurece com facilidade, se alguém se opõe à sua vontade.

2. Mas se, por outro lado, ele ceder à sua inclinação, imediatamente ele é sobrecarregado pela condenação de sua consciência; por isso ele seguiu seu próprio desejo, e ainda assim não alcançou de modo algum a paz que ele esperava. Pois a verdadeira paz de coração pode ser encontrada em resistir à paixão, não em ceder a ela. E, portanto, não há paz no coração de um homem que é carnal, nem naquele que é entregue às coisas que estão sem ele, mas somente naquele que é fervoroso para com Deus e vive a vida do Espírito.


CAPÍTULO VII

De fugir da esperança e do orgulho vãos

Vaidosa é a vida daquele homem que coloca sua confiança nos homens ou em qualquer Coisa criada. Não se envergonhe de ser servo dos outros pelo amor de Jesus Cristo e ser considerado pobre nesta vida. Não repouse sobre ti mesmo, mas construa tua esperança em Deus. Faça o que jaz no teu poder e Deus ajudará a tua boa intenção. Não confie em teu aprendizado, nem na esperteza de qualquer um que viva, mas antes confie no favor de Deus, que resiste aos orgulhosos e dá graça aos humildes.

2. Não te glorias nas tuas riquezas, se as tens, nem em teus amigos, se são poderosos, mas em Deus, que dá todas as coisas, e além de todas as coisas, deseja dar-se a si mesmo. Não seja levantado por causa de tua força ou beleza de corpo, pois com apenas uma ligeira enfermidade ele falhará e murchará. Não seja em vão a tua destreza ou habilidade, para não desagradares a Deus, de quem provém toda boa dádiva que temos.

3. Não conteis melhor do que os outros, para que não pareça pior aos olhos de Deus, que conhece o que está no homem. Não se orgulhe de suas boas obras, pois os juízos de Deus são de um tipo diferente dos julgamentos do homem, e o que agrada ao homem muitas vezes desagrada a ele. Se tens algum bem, acredita que os outros têm mais, e assim podes preservar a tua humildade. Não te fará mal se te colocares abaixo de todos os outros; mas é um grande dano se te colocares acima de um só. A paz está sempre com o homem humilde, mas no coração dos orgulhosos há inveja e ira contínua.


CAPÍTULO VIII

Do perigo de muita familiaridade

Não abra o teu coração a todo homem, mas trate aquele que é sábio e teme a Deus. Seja raramente com os jovens e com estranhos. Não seja um adulador dos ricos; nem de bom grado buscar a sociedade dos grandes. Seja a tua companhia o humilde e o simples, o devoto e o gentil, e que o teu discurso seja relativo às coisas que edificam. Não esteja familiarizado com nenhuma mulher, mas elogie todas as boas mulheres para Deus. Escolha somente para teus companheiros Deus e Seus Anjos, e fuja da atenção dos homens.

2. Devemos amar todos os homens, mas não fazer companhia íntima de todos. Às vezes, cai-se que alguém que é desconhecido para nós é altamente considerado através de um bom relatório dele, cuja pessoa real é, no entanto, desagradável para aqueles que a contemplam. Às vezes pensamos em agradar os outros por nossa intimidade, e depois desagradá-los mais pela falta de caráter que eles percebem em nós.


CAPÍTULO IX

De obediência e sujeição

É realmente uma grande coisa viver em obediência, estar sob autoridade e não estar à nossa disposição. Muito mais seguro é viver em sujeição do que em um lugar de autoridade. Muitos estão em obediência por necessidade e não por amor; estes entendem errado e repousam por causa pequena. Nem ganharão liberdade de espírito, a menos que de todo o coração se submetam pelo amor de Deus. Embora andes para cá e para cá, não acharás paz, senão em humilde sujeição à autoridade daquele que está arraigado sobre ti. As fantasias sobre lugares e a mudança delas enganaram a muitos.

2. É verdade que todo homem segue voluntariamente a sua própria inclinação, e é mais inclinado àqueles que concordam com ele. Mas se Cristo está entre nós, então é necessário que às vezes cedamos nossa própria opinião em prol da paz. Quem é tão sábio a ponto de ter perfeito conhecimento de todas as coisas? Portanto, não confie demais em sua própria opinião, mas esteja preparado também para ouvir as opiniões dos outros. Ainda que a tua própria opinião seja boa, ainda que, se por amor de Deus o deixares e seguirdes o de outro, farás mais lucro.

3. Muitas vezes ouvi dizer que é mais seguro ouvir e receber conselhos do que dar. Pode também acontecer que cada opinião seja boa; mas recusar-se a dar ouvidos a outros quando a razão ou a ocasião o requer, é uma marca de orgulho ou disposição.


CAPÍTULO X

Do perigo de superfluidade de palavras

1. Evite até onde puder o tumulto dos homens; porque falar sobre as coisas do mundo, embora seja inocentemente realizado, é um obstáculo, tão rapidamente somos levados cativos e contaminados pela vaidade. Muitas vezes desejei ter mantido minha paz e não ter ido entre os homens. Mas por que falamos e fofocamos de forma tão contínua, vendo que raramente retomamos nosso silêncio sem alguma mágoa na consciência? Gostamos muito de conversar porque esperamos, por nossas conversas, ganhar algum conforto mútuo, e porque procuramos refrescar nossos espíritos cansados ​​pela variedade de pensamentos. E nós, de bom grado, falamos e pensamos naquelas coisas que amamos ou desejamos, ou naquelas que mais não gostamos.

2. Mas ai de mim! muitas vezes é sem propósito e em vão. Pois este consolo exterior não é um pequeno obstáculo para o conforto interior que vem de Deus. Portanto, devemos vigiar e orar para que o tempo passe não a distância. Se estiver certo e desejável para você falar, fale coisas que são para edificação. O costume maligno e a negligência de nosso lucro real tendem a nos deixar desatentos em vigiar nossos lábios. No entanto, a conversa devota sobre as coisas espirituais não ajuda um pouco no progresso espiritual, sobretudo quando os da mente e do espírito afins encontram seu terreno de comunhão em Deus.


CAPÍTULO XI

De buscar a paz mental e o progresso espiritual

Podemos gozar de abundância de paz, se nos abstermos de ocupar-nos com os ditos e feitos dos outros e com as coisas que não nos interessam. Como ele pode permanecer por muito tempo em paz, que se ocupa com os assuntos de outros homens e com as coisas sem si mesmo, e enquanto isso, presta pouca ou rara atenção ao seu eu interior? Bem-aventurados os de coração puro, porque terão abundância de paz.

2. Como aconteceu que muitos dos santos eram tão perfeitos, tão contemplativos das coisas divinas? Porque procuraram firmemente se mortificar de todos os desejos mundanos, e assim foram capazes de se apegar de todo o coração a Deus, e serem livres e livres para o pensamento Dele. Estamos muito ocupados com nossas próprias afeições e ansiosos demais com as coisas transitórias. Raramente, também, conquistamos inteiramente uma única falha, nem somos zelosos pelo crescimento diário da graça. E assim continuamos mornos e não espirituais.

3. Estivemos totalmente vigilantes de nós mesmos, e não ligados em espírito às coisas exteriores, então poderemos ser sábios para a salvação e progredir na contemplação Divina. Nosso grande e penoso empecilho é que, não sendo livres de nossos afetos e desejos, nos esforçamos para não entrar no caminho perfeito dos santos. E quando um pequeno problema nos acontece, depressa demais nos precipitamos e voamos para o mundo para nos consolar.

4. Se nos abandonarmos como homens e nos esforçarmos para permanecer firmes na batalha, então devemos ver o Senhor nos ajudando do céu. Pois Ele mesmo está sempre pronto para ajudar aqueles que se esforçam e confiam n'Ele; sim, Ele providencia para nós ocasiões de luta, para que possamos ganhar a vitória. Se considerarmos nosso progresso na religião como um progresso apenas em observâncias e formas externas, nossa devoção em breve chegará ao fim. Mas vamos colocar o machado na raiz da nossa vida, que, sendo purificados das afeições, podemos possuir nossas almas em paz.

5. Se, a cada ano, uma falha for revelada por nós, devemos avançar rapidamente para a perfeição. Mas, pelo contrário, muitas vezes sentimos que fomos melhores e mais santas no início de nossa conversão do que depois de muitos anos de profissão. O zelo e o progresso devem aumentar dia a dia; no entanto, agora parece ótimo que alguém seja capaz de reter alguma parte de seu primeiro ardor. Se quisermos colocar um pouco de estresse sobre nós mesmos no começo, então, depois, devemos ser capazes de fazer todas as coisas com facilidade e alegria.

6. É difícil romper com um hábito, e ainda mais difícil ir contra nossa própria vontade. Contudo, se tu não superar obstáculos leves e fáceis, como vencerás os maiores? Suporta a tua vontade no princípio e desaprende um mau hábito, para que não te leve, pouco a pouco, a piores dificuldades. Oh, se tu soubesses que paz a ti mesmo a tua santa vida traria a ti mesmo, e que alegria para os outros, pensas que serias mais zeloso para o lucro espiritual.


CAPÍTULO XII

Dos usos da adversidade

É bom para nós que às vezes tenhamos tristezas e adversidades, pois muitas vezes fazem um homem rejeitar que ele é apenas um estranho e peregrino, e não pode colocar sua confiança em qualquer coisa mundana. É bom que às vezes suportamos contradições e somos julgados de forma justa e injusta, quando fazemos e queremos dizer o que é bom. Porque estas coisas nos ajudam a ser humildes e nos protegem da vanglória. Pois então buscamos com mais fervor o testemunho de Deus, quando os homens falam mal de nós, e não nos dão crédito pelo bem.

2. Portanto, o homem deve repousar totalmente em Deus, para que ele não precise de muito consolo nas mãos dos homens. Quando um homem que teme a Deus é afligido ou provocado ou oprimido por maus pensamentos, então ele vê que Deus é o mais necessário para ele, visto que sem Deus nada pode fazer de bom. Então ele é pesado de coração, ele geme, ele clama pela própria inquietação de seu coração. Então ele fica cansado da vida e deseja sair e estar com Cristo. Por tudo isso, ele é ensinado que no mundo não pode haver perfeita segurança ou plenitude de paz.


CAPÍTULO XIII

De resistir à tentação

Enquanto vivermos no mundo, não podemos ficar sem problemas e provações. Portanto, está escrito em Jó: A vida do homem na Terra é uma provação. (1) E, portanto, devemos dar ouvidos a cada um sobre provações e tentações, e vigiar a oração, para que o diabo não ache motivo para enganar; porque ele nunca dorme, mas vai em busca de quem possa devorar. Nenhum homem é tão perfeito em santidade que nunca tenha tentações, nem podemos estar totalmente livres delas.

2. Ainda assim, as tentações se voltam grandemente para nosso proveito, ainda que sejam grandes e difíceis de suportar; porque através deles somos humildes, purificados, instruídos. Todos os santos passaram por muita tribulação e tentação e se beneficiaram disso. E os que não suportaram a tentação tornaram-se réprobos e caíram. Não há posição tão sagrada, nem lugar tão secreto, que seja sem tentações e adversidades.

3. Não há homem totalmente livre de tentações enquanto vive, porque temos a raiz da tentação dentro de nós mesmos, porque nascemos em concupiscência. Uma tentação ou tristeza passa e outra vem; e sempre teremos um pouco que sofrer, pois caímos da felicidade perfeita. Muitos que procuram fugir das tentações caem ainda mais profundamente neles. Só pelo vôo não podemos vencer, mas pela perseverança e pela verdadeira humildade somos mais fortes que todos os nossos inimigos.

4. Aquele que apenas resiste exteriormente e não puxa pela raiz, pouco aproveitará; antes, as tentações retornarão a ele mais rapidamente e serão mais terríveis. Pouco a pouco, com paciência e longanimidade, conquistarás com a ajuda de Deus, e não com violência e tua própria força de vontade. No meio da tentação, muitas vezes buscam conselho; e não lidar com dificilmente com alguém que é tentado, mas consolá-lo e fortalecê-lo como você teria feito para si mesmo.

5. O começo de todas as tentações ao mal é instabilidade de temperamento e falta de confiança em Deus; pois assim como um navio sem leme é jogado pelas ondas, assim é um homem descuidado e enfermo de tentado, agora deste lado, agora sobre isso. Como o fogo testifica o ferro, assim também a tentação o justo. Muitas vezes não sabemos que força temos; mas a tentação nos revela o que somos. No entanto, devemos observar, especialmente nos começos da tentação; pois então o inimigo é mais facilmente dominado, quando ele não é penalizado para entrar na mente, mas é encontrado do lado de fora da porta assim que ele bateu. Portanto um diz:

   Confira os inícios; Uma vez que você pode ter curado,
   Mas agora é passado a sua habilidade, por muito tempo ele suportou.
Pois primeiro vem à mente a simples sugestão, depois a forte imaginação, depois o prazer, a má afeição, o assentimento. E assim pouco a pouco o inimigo entra completamente, porque ele não resistiu no princípio. E quanto mais tempo um homem adia a sua resistência, mais fraco ele cresce, e mais forte cresce o inimigo contra ele.

6. Alguns homens sofrem suas mais terríveis tentações no começo de sua conversão, alguns no final. Alguns são duramente experimentados a vida toda. Há alguns que são tentados, mas de ânimo leve, segundo a sabedoria e a justiça da ordenação de Deus, que conhece o caráter e as circunstâncias dos homens e ordena todas as coisas para o bem-estar de seus eleitos.

7. Portanto, não devemos nos desesperar quando somos tentados, mas quanto mais fervorosamente devemos clamar a Deus, Ele nos concederá para nos ajudar em toda a nossa tribulação; e que Ele, como diz São Paulo, tentará com a tentação escapar para que possamos ser capazes de suportá-lo. (2) Portanto, nos humilhemos debaixo da poderosa mão de Deus em toda tentação e aflição, pois Ele salvará e exaltará os que são de espírito humilde.

8. Nas tentações e aflições, um homem é provado, que progresso ele fez, e aí está sua recompensa maior, e sua virtude aparece mais. Nem é grande coisa que um homem seja devoto e zeloso, desde que não sofra aflições; mas se ele se comportar com paciência no tempo da adversidade, então há esperança de grande progresso. Alguns são mantidos a salvo de grandes tentações, mas são surpreendidos naqueles que são pequenos e comuns, que a humilhação pode ensiná-los a não confiar em si mesmos em grandes coisas, sendo fracos em pequenas coisas.

(1) Jó 7. 1 (Vulg.) (2) 1 Coríntios 10. 13


CAPÍTULO XIV

Evitando o julgamento precipitado

Olhe bem para si mesmo e tome cuidado para não julgar as ações dos outros. Ao julgar os outros, o homem trabalha em vão; ele freqüentemente erra e cai facilmente em pecado; mas ao julgar e examinar a si mesmo, ele sempre trabalha com bom propósito. De acordo com a matéria, nossa fantasia muitas vezes a julgamos; pois facilmente falhamos no verdadeiro julgamento por causa de nosso próprio sentimento pessoal. Se Deus fosse sempre o único objetivo de nosso desejo, deveríamos menos facilmente ser perturbados pelo julgamento errante de nossa fantasia.

2. Mas muitas vezes algum pensamento secreto escondido dentro de nós, ou mesmo alguma circunstância exterior, nos vira de lado. Muitos estão buscando secretamente seus próprios fins naquilo que fazem, mas não sabem disso. Eles parecem viver em boa paz de espírito enquanto as coisas vão bem com eles, e de acordo com seus desejos, mas se seus desejos forem frustrados e quebrados, imediatamente eles serão abalados e desagradados. Diversidade de sentimentos e opiniões muitas vezes provoca dissensões entre amigos, entre compatriotas, entre homens religiosos e piedosos.

3. O costume estabelecido não é facilmente abandonado, e nenhum homem é facilmente levado a ver com os olhos do outro. Se repousar mais sobre sua própria razão ou experiência do que sobre o poder de Jesus Cristo, a tua luz virá lenta e dificilmente; porque Deus nos quer perfeitamente sujeitos a si mesmo, e toda a nossa razão para ser exaltado pelo amor abundante para com ele.


CAPÍTULO XV

De obras de caridade

Para nenhum bem mundano, e para o amor de ninguém, algo deve ser feito que é mal, mas para a ajuda do sofrimento um bom trabalho deve algumas vezes ser adiado, ou ser mudado para melhor; pois aqui um bom trabalho não é destruído, mas melhorado. Sem caridade nenhuma obra aproveita, mas tudo que é feito em caridade, por menor que seja e sem reputação, produz bons frutos; porque Deus considera verdadeiramente o que o homem é capaz de fazer mais do que a grandeza do que ele faz.

2. Ele ama muito quem ama muito. Ele faz muito bem. Ele bem que ministra para o bem público, em vez de para o seu próprio bem. Muitas vezes, parece ser caridade, que é antes uma carnalidade, porque brota de inclinação natural, vontade própria, esperança de pagamento, desejo de lucro.

3. Aquele que tem verdadeira e perfeita caridade, de modo algum procura o seu próprio bem, mas deseja que somente Deus seja totalmente glorificado. Ele não tem inveja de ninguém porque não deseja alegria egoísta; nem deseja se alegrar em si mesmo, mas deseja ser abençoado em Deus como o bem maior. Ele atribui o bem a ninguém, exceto a Deus somente, a Fonte de onde todo bem procede, e o Fim, a Paz, a alegria de todos os santos. Oh, aquele que tem apenas uma centelha de verdadeira caridade, aprendeu verdadeiramente que todas as coisas do mundo estão cheias de vaidade.


CAPÍTULO XVI

De suportar as faltas dos outros

Aquelas coisas que um homem não pode emendar em si mesmo ou em outros, ele deve pacientemente suportar, até que Deus ordene de outra maneira. Tu te julgas que talvez seja melhor para a tua provação e paciência, sem a qual os nossos méritos têm pouco valor. Não obstante, tu deverás, quando encontrares tais impedimentos, implorar a Deus que Ele conceda segurança para sustentar-te, para que possas suportá-los com uma boa vontade.

2. Se alguém que é uma ou duas vezes admoestado se recusar a escutar, não se esforçar com ele, mas comprometer tudo a Deus, que Sua vontade seja feita e Sua honra seja demonstrada em Seus servos, pois Ele sabe bem como converter o mal em Boa. Esforça-te para ser paciente em suportar as faltas e enfermidades de outros homens, pois também tens muitas coisas que precisam ser carregadas por outros. Se tu não podes fazer o teu próprio eu o que tu desejas, como tu poderás formar outro para o teu próprio gosto. Estamos prontos para ver os outros aperfeiçoados e, no entanto, não corrigimos nossas próprias falhas.

3. Nós queremos que os outros sejam corrigidos, mas não seremos corrigidos por nós mesmos. A liberdade dos outros nos desagrada, mas estamos insatisfeitos que nossos próprios desejos nos sejam negados. Desejamos que as regras sejam feitas restringindo os outros, mas de maneira alguma nos permitiremos ser contidos. Assim, portanto, parece claramente que raramente pesamos nosso próximo no mesmo equilíbrio com nós mesmos. Se todos os homens fossem perfeitos, o que então deveríamos ter que sofrer dos outros por Deus?

4. Mas agora Deus assim ordenou, para que aprendamos a suportar os fardos uns dos outros, porque nenhum é sem defeito, nenhum sem um fardo, nenhum suficiente de si mesmo, nenhum suficientemente sábio de si mesmo; mas cabe-nos suportar um ao outro, confortar uns aos outros, ajudar, instruir, admoestar uns aos outros. Quanta força cada homem tem é provada em ocasiões de adversidade: pois tais ocasiões não deixam o homem frágil, mas mostram que temperamento ele é.


CAPÍTULO XVII

De uma vida religiosa

Cabe a ti aprender a se mortificar em muitas coisas, se você viver em amizade e concordar com outros homens. Não é pouca coisa habitar em uma comunidade religiosa ou congregação, e viver lá sem reclamar, e aí permanecer fiel até a morte. Abençoado é aquele que viveu uma boa vida em tal corpo e trouxe para um final feliz. Se queres ficar firme e teres lucro como deves, considera-te como um exilado e um peregrino sobre a terra. Tu deves ser contado como um tolo por Cristo, se tu levares uma vida religiosa.

2. As roupas e aparência são de pequena conta; é mudança de caráter e mortificação total das afeições que tornam um homem verdadeiramente religioso. Aquele que busca algo a não ser Deus e a saúde de sua alma, só encontrará tribulação e tristeza. Nem ele pode permanecer por muito tempo em paz, que não se esforça para ser o menor de todos e o servo de todos.

3. Tu és chamado a perseverar e a trabalhar, não a uma vida de tranquilidade e conversa fútil. Aqui, portanto, são homens julgados como ouro na fornalha. Nenhum homem pode suportar, a menos que com todo o seu coração ele se humilhe pelo amor de Deus.


CAPÍTULO XVIII

Do exemplo dos Santos Padres

Considere agora os exemplos vivos dos santos pais, nos quais resplandece a verdadeira perfeição e religião, e verás quão pouco, como nada, é tudo o que fazemos. Ah! Qual é a nossa vida quando comparada com a deles? Eles, santos e amigos de Cristo como eram, serviram ao Senhor em fome e sede, em frio e nudez, em trabalho e cansaço, em vigílias e jejuns, em orações e santas meditações, em perseguições e muita repreensão.

2. Quantas e dolorosas tribulações os apóstolos, os mártires, os confessores, as virgens suportaram? e todos os outros que andariam nos passos de Cristo. Porque eles odiavam suas almas neste mundo para que pudessem mantê-las para a vida eterna. Quão estrita e reformada era a vida dos santos pais que habitavam no deserto! que longas e dolorosas tentações sofreram! quantas vezes eles foram agredidos pelo inimigo! que frequentes e fervorosas orações eles ofereceram a Deus! que jejuns rigorosos eles suportaram! que zelo fervoroso e desejo após o lucro espiritual eles manifestaram! Quão bravamente eles lutaram para que seus vícios não ganhassem a maestria! quão completa e firmemente alcançaram a Deus! De dia trabalhavam, e de noite eles se davam muitas vezes à oração; sim, mesmo quando estavam trabalhando, não cessaram da oração mental.

3. Eles gastaram todo o seu tempo com lucro; cada hora parecia curta para se aposentar com Deus; e através da grande doçura da contemplação, até mesmo a necessidade de renovação corporal foi esquecida. Eles renunciaram a todas as riquezas, dignidades, honras, amigos e parentes; eles não desejaram nada do mundo; eles comeram as necessidades básicas da vida; eles não estavam dispostos a ministrar ao corpo, mesmo em necessidade. Assim eles eram pobres nas coisas terrenas, mas ricos acima da medida em graça e virtude. Embora pobres para o olho exterior, dentro deles estavam cheios de graça e bênçãos celestiais.

4. Eles eram estranhos para o mundo, mas para Deus eram parentes e amigos. Eles pareciam para si mesmos como sem reputação, e nos olhos do mundo desprezíveis; mas aos olhos de Deus eram preciosos e amados. Permaneceram firmes na verdadeira humildade, eles viveram em obediência simples, andaram em amor e paciência; e assim se fortaleceram em espírito e obtiveram grande favor diante de Deus. Para todos os homens religiosos eles foram dados como exemplo, e eles deveriam nos induzir mais a boas vidas do que o número dos mornos tentam a negligência da vida.

5. Quão grande foi o amor de todas as pessoas religiosas no início desta instituição sagrada! Oh, que devoção à oração! que rivalidade na santidade! que disciplina estrita foi observada! Que reverência e obediência sob o domínio do mestre mostrou-lhes em todas as coisas! Os vestígios dos que permanecem até agora atestam que eram homens verdadeiramente santos e perfeitos, que lutavam tão bravamente pelo mundo. Ora, um homem é considerado grande se ele não for um transgressor, e se ele só puder suportar com paciência o que ele empreendeu.

6. Oh, a frieza e negligência de nossos tempos, que nós tão rapidamente declinamos do amor anterior, e isto se tornou um cansaço para viver, por causa da preguiça e da indiferença. Que o progresso na santidade não adormeça em ti, que muitas vezes viu muitos exemplos de homens devotos!


CAPÍTULO XIX

Dos exercícios de um homem religioso

A vida de um cristão deve ser adornada com todas as virtudes, para que ele seja interiormente o que ele exteriormente parece aos homens. E, em verdade, deve ser ainda melhor dentro do que fora, porque Deus é um discernidor de nosso coração, a quem devemos reverenciar com todo nosso coração onde quer que estejamos, e andar puro em Sua presença como os anjos. Devemos diariamente renovar nossos votos e acender nossos corações para zelar, como se cada dia fosse o primeiro dia de nossa conversão, e dizer: "Ajudai-me, ó Deus, em minhas boas resoluções e em teu santo serviço". e concede que neste dia eu possa fazer um bom começo, pois até agora não fiz nada!

2. De acordo com a nossa resolução, assim é a taxa do nosso progresso, e muita diligência é necessária para aquele que faria bom progresso. Porque, se aquele que resolve com bravura muitas vezes fica aquém, como será com ele quem resolver com dificuldade ou fraqueza? Mas muitas causas trazem o abandono de nossa resolução, mas uma omissão trivial de exercícios sagrados dificilmente pode ser feita sem alguma perda para nós. A resolução dos justos depende mais da graça de Deus do que de sua própria sabedoria; porque n'Ele sempre depositam sua confiança, seja qual for a sua mão. Pois o homem propõe, mas Deus dispõe; e o caminho de um homem não está em si mesmo.

3. Se um exercício sagrado for às vezes omitido por causa de algum ato de piedade, ou de alguma bondade fraternal, pode facilmente ser retomado depois; mas se for negligenciada por desgosto ou preguiça, então é pecaminoso, e o dano será sentido. Esforçar-nos tão sinceramente quanto pudermos, ainda seremos insuficientes em muitas coisas. Sempre alguma resolução distinta deve ser feita por nós; e, acima de tudo, devemos nos esforçar contra os pecados que mais facilmente nos afligem. Ambas as nossas vidas exterior e interior devem ser examinadas e governadas por nós, porque ambas têm a ver com o nosso progresso.

4. Se não podes estar sempre a examinar-te, tu podes em certas estações, e pelo menos duas vezes ao dia, à tarde e à manhã. Pela manhã toma as tuas ordens, e à tarde consulta a tua vida, como tens avançado hoje em palavras, atos e pensamentos; pois dessa maneira você freqüentemente ofendeu a Deus e a seu próximo. Cinge os teus leões como um homem contra os assaltos do diabo; refreie teu apetite, e logo poderás refrear toda inclinação da carne. Seja você nunca sem algo para fazer; ler, escrever, orar, meditar ou fazer algo que seja útil para a comunidade. Exercícios corporais, no entanto, devem ser realizados com discrição, nem devem ser usados ​​por todos iguais.

5. Os deveres que não são comuns a todos não devem ser feitos abertamente, mas são mantidos em sigilo com maior segurança. Mas observe que não é descuidado nos deveres comuns e mais devoto no segredo; mas fielmente e honestamente cumpra os deveres e ordens que se apossam de ti, então depois, se ainda tens lazer, entrega-te a ti mesmo como tua devoção te leva. Nem todos podem ter um exercício, mas um serve melhor a esse homem e outro a isso. Mesmo para a diversidade da estação são necessários exercícios diferentes, alguns servem melhor para festas, outros para jejuns. Precisamos de um tipo no tempo das tentações e outros em tempo de paz e tranquilidade. Alguns são adequados aos nossos momentos de tristeza e outros quando estamos alegres no Senhor.

6. Quando nos aproximamos do tempo das grandes festas, os bons exercícios devem ser renovados, e as orações dos homens santos são fervorosamente solicitadas. Devemos fazer nossas resoluções de uma festa para outra, como se cada um fosse o período de nossa partida deste mundo e de entrar na festa eterna. Assim, devemos nos preparar fervorosamente em estações solenes, e mais solenemente viver, e manter o mais correto em cada santa observância, como se estivéssemos prestes a receber a recompensa de nossos esforços às mãos de Deus.

7. E se isso for adiado, vamos acreditar que ainda estamos mal preparados e indignos da glória que será revelada em nós na época determinada; e vamos estudar para nos prepararmos melhor para o nosso fim. Bem-aventurado aquele servo, como o evangelista Lucas o tem, a quem, quando o Senhor vier, achará vigiando. Em verdade vos digo que ele o governará sobre tudo o que ele tem.

(1) Jeremias 10. 23. (2) Lucas 12. 43, 44.


CAPÍTULO XX

Do amor da solidão e do silêncio

Busque um momento adequado para a meditação e pense com frequência nas misericórdias de Deus para você. Deixe perguntas curiosas. Estude assuntos como trazer tristeza pelo pecado em vez de diversão. Se nos afastarmos da conversa frívola e dos acontecimentos ociosos, bem como das novidades e fofocas, encontraremos o seu tempo suficiente e apto para uma boa meditação. Os maiores santos costumavam evitar, tanto quanto podiam, a companhia dos homens, e escolheram viver em segredo com Deus.

2. Um disse: "Quanto mais tenho andado entre os homens, também menos tenho retornado um homem". Isso é o que muitas vezes sentimos quando passamos muito tempo conversando. Pois é mais fácil ficar completamente em silêncio do que não exceder em palavra. É mais fácil ficar escondido em casa do que manter guarda suficiente sobre si mesmo ao ar livre. Ele, portanto, que busca alcançar o que é oculto e espiritual, deve ir com Jesus "à parte da multidão". Nenhum homem sai em segurança para o estrangeiro, que não gosta de descansar em casa. Ninguém fala em segurança, senão aquele que ama a sua paz. Ninguém governa em segurança senão aquele que ama ser sujeito. Nenhum homem manda em segurança senão aquele que ama obedecer.

3. Ninguém se alegra com segurança senão aquele que tem em si o testemunho de uma boa consciência. A ousadia dos santos estava sempre cheia do temor de Deus. Nem eram eles os menos sinceros e humildes em si mesmos, porque brilhavam com grandes virtudes e graça. Mas a ousadia dos ímpios brota do orgulho e da presunção, e no final se volta para sua própria confusão. Nunca prometa a si mesmo segurança nesta vida, não importa quão bom seja um monge ou um devoto solitário.

4. Muitas vezes, aqueles que são mais elevados na estima dos homens, caem mais gravemente por causa de sua grande confiança. Por isso, é muito proveitoso para muitos que eles não devam ficar sem tentações interiores, mas devem ser freqüentemente assaltados, para que não sejam mais confiantes, para que não sejam realmente elevados em orgulho, ou se inclinem demasiadamente livremente nas consolações do mundo. Oh, quão boa deve ser a consciência daquele homem, que nunca buscou uma alegria que passe, que nunca se enredou com o mundo! Oh, quão grande deve ser a paz eo sossego que rejeitariam todo cuidado vã e pensariam apenas em coisas saudáveis ​​e divinas, e edificarão toda a sua esperança sobre Deus!

5. Nenhum homem é digno de consolo celestial, mas aquele que diligentemente se exercitou em santo castigo. Se queres sentir compaixão no teu coração, entra no teu quarto e esconde os tumultos do mundo, como está escrito: Consultai com o teu próprio coração no teu próprio quarto e fica parado. (1) Descansando, encontrarás o que muitas vezes tu perderás no exterior. A aposentadoria, se tu continuares, cresce doce, mas se tu não permaneceres nisso, gerará cansaço. Se no início de sua conversa você habita nela e a mantém bem, ela será depois um querido amigo e um consolo muito agradável.

6. Em silêncio e quietude a alma devota segue em frente e aprende as coisas ocultas das Escrituras. Aí descobre que ela é uma fonte de lágrimas, onde se lava e se purifica a cada noite, a fim de tornar-se mais querida para seu Criador, à medida que ela se afasta de todas as distrações do mundo. Para aquele que se retira de seus conhecidos e amigos, Deus com seus santos anjos se aproximará. É melhor ser desconhecido e prestar atenção a si mesmo do que negligenciar-se e fazer maravilhas. É louvável que um homem religioso vá raramente para o exterior, não voe para ser visto, não tenha desejo de ver homens.

7. Por que verias o que tu não podes ter? O mundo passa e a sua luxúria. Os desejos da sensualidade te atraem para o exterior, mas quando uma hora é passada, o que você traz para casa, mas um peso sobre a sua consciência e distração de coração? Um feliz sair traz com freqüência um triste retorno, e uma noite alegre faz uma manhã triste? Assim toda a alegria carnal começa agradavelmente, mas no final ela destrói e destrói. O que você pode ver no exterior que não vê em casa? Contemple o céu e a terra e os elementos, pois destas são feitas todas as coisas.

8. O que você pode ver em qualquer lugar que possa continuar por muito tempo sob o sol? Tu acreditas, por acaso, que ficarás satisfeito, mas nunca serás capaz de alcançar isto. Se tu deves ver todas as coisas diante de ti de uma vez, o que seria senão uma visão vã? Levanta os teus olhos para Deus no alto e ora para que os teus pecados e negligências sejam perdoados. Deixa coisas vãs para os homens vadios, e pensa nas coisas que Deus te ordenou. Fecha a tua porta sobre ti e chama a ti mesmo a ti, teu amado. Permanece com Ele em tua câmara, pois em outro lugar não acharás tanta paz. Se tu não tivesses saído, nem ouvido falar em vão, melhor te manterias em paz. Mas porque às vezes te agrada ouvir novas coisas, tu deves, portanto, sofrer problemas de coração.

(1) Salmos 4. 4


CAPÍTULO XXI

De compunção de coração

Se você fizer algum progresso, mantenha-se no temor de Deus, e deseje não ser livre demais, mas restrinja todos os seus sentidos sob disciplina e não entregue-se à alegria sem sentido. Dá-te à compunção do coração e encontrarás devoção. A compunção abre caminho para muitas coisas boas, que a dissolução não vai perder rapidamente. É maravilhoso que qualquer homem possa se alegrar de coração nesta vida que considera e pesa seu banimento, e os múltiplos perigos que envolvem sua alma.

2. Por leveza de coração e negligência de nossas falhas, não sentimos tristeza de nossa alma, mas frequentemente rimos em vão quando temos boas causas para chorar. Não há verdadeira liberdade nem verdadeira alegria, a não ser no temor de Deus com uma boa consciência. Feliz é aquele que pode rejeitar toda causa de distração e levar-se ao único propósito da santa compunção. Feliz é aquele que tira de si tudo o que pode manchar ou sobrecarregar a sua consciência. Esforce-se com coragem; personalizado é superado pelo costume. Se tu sabes como deixar os homens em paz, de bom grado te deixarão fazer as tuas próprias obras.

3. Não te ocupes com os assuntos dos outros, nem te envolvas com os negócios dos grandes homens. Mantém sempre teu olho sobre ti mesmo antes de tudo e aconselha-te especialmente diante de todos os teus queridos amigos. Se tu não tens o favor dos homens, não te refieis assim, mas estás preocupado que não te retenhas tão bem e circunspectamente, como se torna um servo de Deus e um monge devoto. Muitas vezes é melhor e mais seguro para um homem não ter muitos confortos nesta vida, especialmente aqueles que dizem respeito à carne. Mas que nos faltam confortos divinos ou os sentimos raramente é nossa culpa, porque não buscamos a compunção de coração, nem descartamos totalmente os confortos que são vãos e mundanos.

4. Conhece a si mesmo como indigno de consolo divino e digno de muita tribulação. Quando um homem tem perfeita compunção, todo o mundo é oneroso e amargo para ele. Um bom homem encontrará motivo suficiente para lamentar e chorar; porque, quer ele se considere, quer pondere a respeito de seu próximo, ele sabe que ninguém mora aqui sem tribulação, e quanto mais completamente ele se considera, tanto mais sofre. Motivos para apenas tristeza e compunção interior existem em nossos pecados e vícios, em que nos deitamos tão enredados que raramente somos capazes de contemplar as coisas celestiais.

5. Se você pensasse em sua morte com mais freqüência do que por quanto tempo deveria ser sua vida, sem dúvida você se esforçaria mais seriamente para melhorar. E se você considerasse seriamente as futuras dores do inferno, acredito que você suportaria de bom grado o trabalho ou a dor e o medo, não a disciplina. Mas porque estas coisas não alcançam o coração, e nós ainda amamos as coisas agradáveis, portanto permanecemos frios e miseravelmente indiferentes.

6. Muitas vezes é da pobreza de espírito que o corpo miserável é tão facilmente levado a reclamar. Reze, pois, humildemente ao Senhor para que Ele lhe conceda o espírito de compaixão e diga na língua do profeta: Alimenta-me, ó Senhor, com o pão de lágrimas, e dá-me abundância de lágrimas para beber.

(1) Salmo 75. 5


CAPÍTULO XXII

Sobre a contemplação da miséria humana

Tu és miserável onde quer que tu estás e aonde quer que vens, a menos que te voltes a Deus. Por que você está inquieto porque isso não acontece com você de acordo com seus desejos e desejos? Quem é aquele que tem tudo segundo a sua vontade? Nem eu, nem tu, nem homem algum na terra. Não há homem no mundo livre de problemas ou angústias, embora fosse rei ou papa. Quem é ele que tem o mais feliz? Mesmo aquele que é forte para sofrer um pouco por Deus.

2. Há muitos homens insensatos e instáveis ​​que dizem: "Vejam que vida próspera o homem tem, quão rico e quão grande ele é, quão poderoso, quão exaltado". Mas levante os teus olhos para as coisas boas do céu, e verás que todas estas coisas mundanas não são nada, elas são totalmente incertas, sim, são cansativas, porque nunca são possuídas sem cuidado e medo. A felicidade do homem não reside na abundância de coisas temporais, mas uma porção moderada lhe basta. Nossa vida na terra é, na verdade, miséria. Quanto mais o homem deseja ser espiritual, mais amarga a vida presente se torna para ele; porque ele entende melhor e vê os defeitos da corrupção humana. Comer, beber, vigiar, dormir, descansar, trabalhar e estar sujeito às outras necessidades da natureza é verdadeiramente uma grande miséria e aflição para um homem devoto, que deseja ser libertado e livre de todo pecado.

3. Pois o homem interior está sobrecarregado com as necessidades do corpo neste mundo. Pelo que o profeta ora fervorosamente para ser liberto deles, dizendo: Livra-me das minhas necessidades, ó Senhor. (1) Mas ai dos que não conhecem a sua própria miséria, e contudo grande aflição para os que amam esta vida miserável e corruptível. Pois, a tal ponto, alguns se apegam a ela (embora, trabalhando ou implorando, não consigam obter o necessário para a subsistência) que, se vivessem aqui sempre, não se importariam com o Reino de Deus.

4. Oh tolos e infiéis de coração, que estão enterrados tão profundamente nas coisas mundanas, que eles não apreciam nada a não ser as coisas da carne! Miseráveis! eles irão, infelizmente, descobrir, no final, quão vil e sem valor era aquilo que eles amavam. Os santos de Deus e todos os amigos leais de Cristo não possuíam nada que satisfizesse a carne, ou aqueles que floresciam nesta vida, mas toda a sua esperança e afeição aspiravam às coisas que estão acima. Todo o seu desejo foi levado para cima, para as coisas eternas e invisíveis, para que não fossem atraídas para baixo pelo amor das coisas visíveis.

5. Não perca, irmão, teu desejo leal de progredir para as coisas espirituais. Ainda há tempo, a hora não passou. Por que tu adiarás a tua resolução? Levante-se, comece neste exato momento, e diga: "Agora é a hora de fazer: agora é a hora de lutar, agora é a hora apropriada para a emenda". Quando estiveres pouco à vontade e perturbado, então é a hora em que tu estás mais perto da bênção. Tu deves atravessar o fogo e a água para que Deus te traga em um lugar rico. A menos que tu ponha força sobre ti mesmo, não vais conquistar teus defeitos. Enquanto levarmos conosco este corpo frágil, não podemos ficar sem pecado, não podemos viver sem cansaço e problemas. Felizmente teríamos descanso de toda a miséria; mas porque através do pecado nós perdemos a inocência, nós perdemos também a verdadeira felicidade. Portanto, devemos ser pacientes e esperar pela misericórdia de Deus, até que essa tirania seja superada, e essa mortalidade seja engolida pela vida.

6. quão grande é a fragilidade do homem, que é sempre inclinado ao mal! Hoje confesses os teus pecados e amanhã poderás de novo confessar os pecados que confessaste. Agora tu resolves evitar uma falta, e dentro de uma hora tu te comportas como se nunca tivesses resolvido. Por isso, devemos nos humilhar e nunca pensar muito em nós mesmos, visto que somos tão frágeis e instáveis. E, rapidamente, isso pode ser perdido por nossa negligência, que por muito trabalho dificilmente foi atingido pela graça.

7. O que será de nós no final, se no princípio estivermos mornos e ociosos? Ai de nós, se escolhermos descansar, como se fosse um tempo de paz e segurança, enquanto ainda nenhum sinal aparece em nossa vida de verdadeira santidade. Antes, precisávamos que pudéssemos começar ainda de novo, como bons noviços, a ser instruídos a viver bem, se por acaso houvesse esperança de alguma emenda futura e maior aumento espiritual.

(1) Salmo 25. 17


CAPÍTULO XXIII

De meditação sobre a morte

Muito rapidamente haverá um fim de ti aqui; por isso, observe como será contigo em outro mundo. Hoje o homem é, e amanhã ele não será mais visto. E sendo removido fora da vista, rapidamente também está fora da mente. Ó estupidez e dureza do coração do homem, que pensa apenas no presente, e não olha para o futuro. Tu deves em todo ato e pensamento ordenar a ti mesmo, como se tu querias morrer neste dia. Se você tivesse uma boa consciência, não teria muito medo da morte. Era melhor para ti vigiar contra o pecado do que voar da morte. Se hoje não estiveres pronto, como estarás pronto amanhã? Amanhã é um dia incerto; e como sabes que terás um amanhã?

2. O que vale a pena viver por muito tempo, quando nos emendamos tão pouco? Ah! a vida longa nem sempre se altera, mas muitas vezes aumenta a culpa. Oh, que possamos passar um único dia neste mundo como deveria ser gasto! Muitos há que consideram os anos desde que foram convertidos e, no entanto, muitas vezes, quão pouco é o seu fruto. Se é uma coisa terrível morrer, talvez seja uma coisa ainda mais assustadora viver por muito tempo. Feliz é o homem que tem a hora de sua morte sempre diante de seus olhos, e se prepara diariamente para morrer. Se você já viu um dado, considere que também passará pelo mesmo caminho.

3. Quando for de manhã, reflita que pode ser que você não veja a noite e, ao anoitecer, não ouse se gabar do dia seguinte. Esteja sempre preparado e viva a morte que talvez nunca te ache despreparado. Muitos morrem repentina e inesperadamente. Pois numa hora como a que não pensais, o Filho do Homem vem. (1) Quando esta última hora chegar, começarás a pensar muito diferentemente de toda a tua vida passada, e chorarás amargamente por teres sido tão negligente e preguiçoso.

4. Feliz e sábio é aquele que agora se esforça para ser assim na vida como ele seria encontrado na morte! Por um perfeito desprezo do mundo, um desejo fervoroso de primar pela virtude, o amor pela disciplina, a penosidade do arrependimento, a prontidão para obedecer, a negação do eu, a submissão a qualquer adversidade por amor a Cristo; estas são as coisas que darão grande confiança a uma morte feliz. Enquanto tu estás com saúde, tens muitas oportunidades de boas obras; mas, quando estiveres doente, não sei quanto poderás fazer. São poucos os que se tornam melhores por causa da enfermidade, assim como os que vagam muito no exterior raramente se tornam santos.

5. Não confie em teus amigos e parentes, nem adie a obra da tua salvação para o futuro, pois os homens se esquecerão de ti mais cedo do que tu pensas. É melhor para ti agora prover a tempo, e enviar algum bem diante de ti, do que confiar na ajuda de outros. Se não estás ansioso por ti agora, quem, pensas, ficará ansioso por ti depois? Agora o tempo é mais precioso. Agora é o tempo aceito, agora é o dia da salvação. Mas ai de mim! que desta vez não gastes bem, em que possas depositar tesouros que te tirem proveito para sempre. Chegará a hora em que desejareis um dia, sim, uma hora, para correção de vida, e não sei se obterás.

6. Oh, querido amado, a partir de que perigo tu poderás libertar-te, de que grande medo, se apenas tu viveres sempre com medo, e na expectativa da morte! Esforce-se agora para viver de tal maneira que na hora da morte você possa se alegrar mais do que o medo. Aprende agora a morrer para o mundo, assim começarás a viver com Cristo. Aprenda agora a desprezar todas as coisas terrenas, e então você pode ir livremente a Cristo. Mantenha-se sob o seu corpo por penitência, e então você poderá ter uma confiança segura.

7. Ah, um tolo! por que pensas que viverás muito tempo, quando não tiveres certeza de um único dia? Quantos foram enganados e, de repente, foram arrancados do corpo! Quantas vezes ouviste como alguém foi morto à espada, outro se afogou, outro, caindo do alto, partiu-lhe o pescoço, outro morreu à mesa e outro a brincar! Um morreu pelo fogo, outro pela espada, outro pela peste, outro pelo ladrão. Assim vem a morte para todos e a vida dos homens passa rapidamente como uma sombra.

8. Quem se lembrará de ti depois da tua morte? E quem vai pedir por você? Trabalhe, trabalhe agora, oh amado, trabalhe tudo que puder. Pois não sabes quando morrerás, nem o que te sucederá após a morte. Enquanto tiveres tempo, ajunta-te para ti riquezas imortais. Não penses em nada senão em tua salvação; cuide apenas das coisas de Deus. Faça a si mesmo amigos, venerando os santos de Deus e caminhando em seus passos, para que, quando falhares, serás recebido em moradas eternas. (2)

9. Mantenha-se como um estranho e um peregrino sobre a terra, a quem as coisas do mundo não pertencem. Mantenha o coração livre, e levante-se em direção a Deus, pois aqui não temos cidade contínua. (3) A Ele dirija suas orações diárias com choro e lágrimas, para que seu espírito seja considerado digno de passar felizmente após a morte a seu Senhor. Um homem.

(1) Mateus 24. 44. (2) Lucas 16. 9. (3) Hebreus 13. 14


CAPÍTULO XXIV

Do julgamento e castigo dos ímpios

Em tudo o que fizeres, lembra-te do fim e de como ficarás diante de um juiz estrito, de quem nada está oculto, que não seja subornado com dons, nem aceite desculpas, mas que julgue o justo julgamento. Ó pecador mais miserável e tolo, que às vezes teme o rosto de um homem irado, o que responderás a Deus, que conhece todas as tuas maldades? Por que não cuidas de ti mesmo contra o dia do juízo, quando nenhum homem poderá ser desculpado ou defendido por outro, mas cada um terá seu fardo sozinho? Agora a tua seara produz frutos, agora o teu choro é aceitável, o teu gemido escutado, a tua tristeza agradável a Deus e a limpeza da tua alma.

2. Mesmo aqui na terra, o homem paciente encontra uma grande ocasião para purificar sua alma. Ao sofrer ferimentos, ele se aflige mais pela malícia do outro do que por seu próprio erro; quando ele ora fervorosamente por aqueles que o usam inoportunamente, e os perdoa de seu coração; quando ele não demora a pedir perdão aos outros; quando ele é mais rápido do que de raiva; quando ele freqüentemente se nega e luta totalmente para subjugar a carne ao espírito. Melhor agora é purificar a alma do pecado do que apegar-se aos pecados dos quais devemos ser purificados a partir de agora. Verdadeiramente nos enganamos pelo amor desordenado que levamos para com a carne.

3. O que é que aquele fogo devorará, senão os teus pecados? Quanto mais você se esforça e segue a carne, mais pesada será a sua punição, e mais combustível você está acumulando para o incêndio. Porque onde um homem pecou, ​​será castigado mais intensamente. Ali os preguiçosos serão levados para a frente com aguilhões em chamas, e os glutões serão atormentados com fome e sede intoleráveis. Lá, o luxuoso e os amantes do prazer serão mergulhados em breu ardente e fétido enxofre, e os invejosos uivarão como cães loucos por muito pesar.

4. Não haverá pecado que não seja visitado com a sua própria punição. Os orgulhosos se encherão de total confusão, e os cobiçosos serão beliscados de pobreza miserável. A dor de uma hora será mais dolorosa do que cem anos aqui da mais amarga penitência. Não haverá silêncio, nenhum conforto para os perdidos, embora aqui às vezes haja descanso da dor e desfrute do consolo dos amigos. Sê ansioso agora e triste pelos teus pecados, para que no dia do juízo tenhas coragem para com os abençoados. Porque então o justo ficará em grande ousadia diante da face daqueles que o afligem e não contam com o seu trabalho. (1) Então se levantará para julgar, aquele que agora se submete em humildade aos juízos dos homens. . Então o pobre e humilde homem terá grande confiança, enquanto o soberbo será tomado com medo de todos os lados.

5. Então, será visto que ele era o homem sábio neste mundo que aprendeu a ser tolo e desprezado por Cristo. Então toda a tribulação, com paciência, nos alegra, enquanto a boca do ímpio se detém. Então se regozijará todo homem piedoso, e todo homem profano se lamentará. Então a carne aflita se alegra mais do que se tivesse sido sempre nutrida em delícias. Então a vestimenta humilde se revestirá de beleza, e o manto precioso se esconderá como vil. Então a casinha pobre será mais recomendada do que o palácio dourado. Então, a paciência duradoura terá mais poder do que todo o poder do mundo. Então a simples obediência será mais altamente exaltada do que toda sabedoria mundana.

6. Então uma consciência pura e boa deve se alegrar mais do que a filosofia aprendida. Então, o desprezo pelas riquezas terá mais peso do que todo o tesouro dos filhos deste mundo. Então você encontrará mais conforto em ter orado devotadamente do que em ter se saído suntuosamente. Então, você prefere se alegrar por ter mantido silêncio do que por ter feito uma longa fala. Então as ações sagradas serão muito mais fortes do que muitas belas palavras. Então, uma vida estrita e uma penitência sincera trarão prazeres mais profundos do que todo deleite terrestre. Aprenda agora a sofrer um pouco, para que então você possa escapar de sofrimentos mais pesados. Prova primeiro aqui, o que tu és capaz de suportar daqui em diante. Se agora és capaz de suportar tão pouco, como serás capaz de suportar tormentos eternos? Se agora um pouco de sofrimento te faz tão impaciente, o que o fogo do inferno fará então? Contemplem com certeza que não és capaz de ter dois paraísos, para te satisfazer ou desfrutar aqui neste mundo, e para reinar com Cristo no futuro.

7. Se até o dia de hoje tivesses vivido em honras e prazeres, o que o proveito faria se agora a morte viesse a ti num instante? Tudo, portanto, é vaidade, exceto amar a Deus e servi-lo somente. Porque aquele que ama a Deus de todo o coração não tem medo da morte, nem da punição, nem do julgamento, nem do inferno, porque o amor perfeito dá certo acesso a Deus. Mas aquele que ainda se deleita no pecado, não é de admirar se ele tem medo da morte e do julgamento. No entanto, é uma coisa boa, se o amor ainda não pode impedi-lo do mal, que pelo menos o medo do inferno deveria impedi-lo. Mas aquele que põe de lado o temor de Deus não pode continuar no bem, mas cairá rapidamente nas armadilhas do diabo.

(1) Sabedoria 5. 1.


CAPÍTULO XXV

Da zelosa emenda de toda a nossa vida

Seja vigilante e diligente no serviço de Deus, e pense bem em ti por que renunciou ao mundo. Não era que você pudesse viver para Deus e se tornar um homem espiritual? Sê, pois, zeloso pelo teu benefício espiritual, porque em breve receberás o galardão dos teus trabalhos, e não haverá medo nem tristeza nas tuas fronteiras. Agora, tu trabalharás um pouco, e encontrarás grande descanso, alegria eterna. Se permaneceres fiel e zeloso no trabalho, não duvidas de que Deus será fiel e generoso em recompensar-te. É teu dever ter uma boa esperança de que alcanças a vitória, mas não deves cair em segurança para que não te tornes preguiçoso ou levantado.

2. Um certo homem que está ansioso mentalmente, continuamente lançado entre a esperança e o medo, e estando em um certo dia oprimido pela tristeza, lançou-se em oração diante do altar em uma igreja e meditou dentro de si mesmo, dizendo: Se eu soubesse que ainda deveria perseverar, "e ouvi em seu interior uma voz de Deus": "E se tu o sabias, o que fizeste? Faze agora o que tu fizeste então, e estarás muito seguro". " E logo sendo consolado e fortalecido, comprometeu-se com a vontade de Deus e a perturbação do espírito cessou, ele não tinha mais a intenção de procurar curiosamente para saber o que deveria acontecer a ele no futuro, mas estudou em vez de perguntar o que era bom e vontade aceitável de Deus, para o começo e aperfeiçoamento de toda boa obra.

3. Esperar no Senhor e fazer o bem, diz o Profeta; habite na terra e serás alimentado (1) com suas riquezas. Há uma coisa que retém muitos do progresso e da emenda fervorosa, até mesmo o pavor da dificuldade ou o trabalho do conflito. Não obstante, eles avançam acima de todos os outros em virtude que se esforçam vividamente para conquistar aquelas coisas que são mais dolorosas e contrárias a eles, pois lá um homem aproveita e merece maior graça onde ele mais se supera e se mortifica em espírito.

4. Mas todos os homens não têm as mesmas paixões para conquistar e mortificar, mas aquele que é diligente obterá mais lucro, embora tenha paixões mais fortes, do que outro que é mais moderado de disposição, mas é ainda menos fervoroso na busca de virtude. Duas coisas servem especialmente para a melhoria da santidade, a saber, a firmeza de nos retirarmos do pecado ao qual somos mais inclinados pela natureza, e zelo sincero pelo bem em que nos falta mais. E esforce-se também muito sinceramente para proteger e subjugar as falhas que mais o desagradam nos outros.

5. Reúna algum lucro para a tua alma onde quer que você esteja, e onde quer que vejas ou ouça os bons exemplos, estimula-te a segui-los, mas onde vês alguma coisa que seja culpada, guarda-te que não o fazes; ou se a qualquer momento tu o fizeste, esforça-te rapidamente para te corrigir. Como o teu olho observa os outros, também os olhos dos outros estão sobre ti. Quão doce e agradável é ver zelosos e piedosos irmãos temperados e de boa disciplina; e como é triste e doloroso vê-los andando desordenadamente, não praticando os deveres a que são chamados. Quão dolorosa é negligenciar o propósito de seu chamado e voltar suas inclinações para coisas que não são da sua conta.

6. Esteja atento aos deveres que empreendeste e coloque sempre diante de ti a lembrança do Crucificado. Em verdade, deveras estarás envergonhado da vista da vida de Jesus Cristo, porque ainda não tentaste te conformar mais a ele, ainda que demoreis muito no caminho de Deus. Um homem religioso que se exercite com seriedade e devoção na vida e na paixão mais santas de nosso Senhor encontrará abundantemente todas as coisas que são proveitosas e necessárias para ele, e não é necessário que ele busque algo melhor além de Jesus. Oh! se Jesus crucificado entrasse em nossos corações, com que rapidez e completamente nós deveríamos ter aprendido tudo o que precisamos saber!

7. Aquele que é sincero recebe e suporta bem todas as coisas que são colocadas sobre ele. Aquele que é descuidado e morno tem dificuldade em angústia e sofre angústia por todos os lados, porque ele não tem consolo interior e é proibido buscar o que é exterior. Aquele que vive sem disciplina é exposto a grave ruína. Aquele que busca a disciplina mais fácil e leve sempre estará em perigo, porque uma coisa ou outra lhe causará desprazer.

8. O! se não houvesse outro dever além de louvar ao Senhor nosso Deus com todo o nosso coração e voz! Oh! se você nunca precisou comer ou beber, ou dormir, mas sempre foi capaz de louvar a Deus e de se dedicar apenas aos exercícios espirituais; então deverias ser muito mais feliz do que agora, quando para tantas necessidades deves servir a carne. O! que essas necessidades não eram, mas apenas os refrescos espirituais da alma, que infelizmente provamos muito raramente.

9. Quando alguém chega a este ponto, que procura conforto em coisa alguma criada, então ele começa a desfrutar de Deus com perfeição, e também ficará contente com tudo o que lhe acontecer. Então ele não se regozijará por muito nem será triste por pouco, mas ele se comprometerá totalmente e com total confiança a Deus, que é tudo em todos a ele, a quem nada perece nem morre, mas todas as coisas vivem para Ele e obedecem a palavra sem demora.

10. Lembre-se sempre de seu fim e de como o tempo perdido não volta. Sem cuidado e diligência, nunca obterás virtude. Se tu começares a ficar com frio, ele começará a ficar doente contigo, mas se te entregares ao zelo, encontrarás muita paz e acharás o teu trabalho mais leve por causa da graça de Deus e do amor da virtude. Um homem zeloso e diligente está pronto para todas as coisas. É maior trabalho resistir a pecados e paixões do que trabalhar em trabalhos corporais. Aquele que não pratica pequenas falhas torna-se pouco a pouco maior. Ao anoitecer, você sempre será feliz se você passar o dia com lucro. Vigiai a ti mesmo, revolve-te, admoesta-te e, seja qual for, com os outros, não te negues a ti mesmo. Quanto mais violência fizeres a ti mesmo, mais aproveitarás. Um homem.

(1) Salmo 37. 3

~

Tomás de Kempis

Imitação de Cristo. Livro 1.

Disponível em inglês em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: