A imitação de Cristo - Quarto Livro


DO SACRAMENTO DO ALTAR

Uma exortação devota à sagrada comunhão

A voz de Cristo

Vinde a mim, todos os que trabalham e estão sobrecarregados, e eu vos aliviarei, (1) diz o Senhor. O pão que eu darei é a minha carne que eu dou para a vida do mundo. (2) Tome, coma: este é meu corpo, que é dado para você; isso faz em memória de mim. (3) Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. As palavras que eu falo para vocês, elas são espírito, e elas são vida. (4)

(1) Mateus 11. 28 (2) João 6. 51. (3) Mateus 21. 26; Lucas 22. 19. (4) João 6. 51, 63.


CAPÍTULO I

Com quão grande reverência deve ser recebido por Cristo

A voz do discípulo

Estas são as tuas palavras, ó Cristo, verdade eterna; embora não tenha sido proferida uma vez nem escrita em conjunto em um único lugar das Escrituras. Porque, portanto, são Tuas palavras e verdadeiras, devo agradecidamente e fielmente recebê-las todas. Eles são teus e tu os proferiste; e eles são meus também, porque tu os falaste para minha salvação. Com prazer, recebo-os da tua boca, para que possam estar mais profundamente implantados no meu coração. Palavras de tão grande graça me despertam, pois são cheias de doçura e amor; mas meus próprios pecados me aterrorizam, e minha consciência impura me afasta de receber tão grandes mistérios. A doçura de Tuas palavras me encoraja, mas a multidão de minhas faltas me pressiona.

2. Tu ordenas que eu me aproxime de Ti com firme confiança, se eu tivesse parte com Ti, e que eu receba o alimento da imortalidade, se eu desejar obter a vida eterna e glória. Vinde a mim, diz todo o trabalho e pesado, e eu vos aliviarei. Ó doce e amável palavra no ouvido do pecador, para que Tu, ó Senhor meu Deus, convide os pobres e necessitados para a Comunhão do Teu santíssimo corpo e sangue. Mas quem sou eu, ó Senhor, para que eu possa me aproximar de Ti? Eis que o céu dos céus não te pode conter, e ainda assim dizes: Vinde todos vós a mim.

3. O que significa essa condescendência mais graciosa, esse convite mais adorável? Como devo ousar vir, que não sabe nada de mim, de onde eu posso presumir? Como te levarei para dentro de minha casa, visto que tantas vezes pequei em Tua visão mais amorosa? Anjos e Arcanjos ficam admirados por Ti, os Santos e justos homens Te temem, e Tu dizes: Vinde a Mim! Exceto que Tu, Senhor, disseste aquilo, quem deveria acreditar que é verdade? E exceto que Tu ordenaste, quem deveria tentar se aproximar?

4. Eis que Noé, o homem justo, trabalhou cem anos na construção da arca, para que fosse salvo com poucos; e eu, como poderei em uma hora me preparar para receber o construtor do mundo com reverência? Moisés, teu servo, teu grande e especial amigo, fez uma arca de madeira incorruptível, a qual também ele cobriu de mais puro ouro, a fim de que nele pusessem as tábuas da lei, e eu, criatura corruptível, ousaria assim facilmente para receber-te, o Criador da Lei e o Doador da vida? Salomão, o mais sábio dos reis de Israel, foi sete anos construindo seu magnífico templo para o louvor do Teu Nome, e por oito dias celebrou a festa de sua dedicação, ofereceu mil ofertas de paz e solenemente trouxe a Arca da Aliança. para o lugar preparado para isto, com o som das trombetas e grande alegria, e eu, infeliz e pobre da humanidade, como Te introduzirei em minha casa, que mal sabe gastar meia hora em devoção? E oh que era mesmo uma meia hora dignamente gasto!

5. Ó meu Deus, quão diligentemente esses homens santos se esforçaram para agradar-Te! E ai! Quão pouco e insignificante é aquilo que faço! Quão curto tempo gasto, quando estou me preparando para a Comunhão. Raramente coletado, raramente purificado de toda distração. E certamente, na presença salvadora de Tua Divindade, nenhum pensamento desconhecido deve se intrometer, e nenhuma criatura deve tomar posse de mim, porque não é um Anjo, mas o Senhor dos Anjos, que estou prestes a receber como meu Hóspede.

6. No entanto, existe uma vasta diferença entre a Arca da Aliança com suas relíquias e Teu corpo mais puro com suas virtudes inefáveis, entre aqueles sacrifícios da lei, que eram figuras das coisas por vir, e o verdadeiro sacrifício de Teu Corpo. , a conclusão de todos os sacrifícios antigos.

7. Por que, então, não anseio mais ardentemente após Tua adorável presença? Por que não me preparo com maior solicitude para receber Tuas coisas santas, quando aqueles santos patriarcas e profetas dos antigos, reis e príncipes, com todo o povo, manifestaram tão grande afeição de devoção ao Teu Divino Serviço?

8. O rei mais devoto David dançou com todas as suas forças diante da Arca de Deus, lembrando os benefícios concedidos a seus antepassados ​​nos últimos dias; formava instrumentos musicais de vários tipos, apresentava Salmos e os designava para serem cantados de alegria; tocava também muitas vezes na harpa, sendo inspirado pela graça do Espírito Santo; Ele ensinou o povo de Israel a louvar a Deus de todo o coração e com unidade de voz para abençoar e louvá-lo todos os dias. Se tão grande devoção foi então exercitada, e celebração do louvor divino foi realizada diante da Arca do Testemunho, quão grande reverência e devoção deve agora ser demonstrada por mim e por todas as pessoas cristãs no ministério do Sacramento, ao receber o mais precioso Corpo e Sangue de Cristo.

9. Muitos correm para diversos lugares para visitar os memoriais dos santos que partiram e regozijam-se ao ouvir seus feitos e a contemplar os belos edifícios de seus santuários. E eis que Tu estás aqui presente comigo, ó meu Deus, Santo dos Santos, Criador dos homens e Senhor dos Anjos. Muitas vezes, ao olhar para esses memoriais, os homens são movidos pela curiosidade e pela novidade, e muito pouco fruto de emendas é retirado, especialmente quando há tanta negligência insignificante e tão pouca verdadeira contrição. Mas aqui no sacramento do altar, Tu estás presente de uma vez, meu Deus, o homem Jesus Cristo; onde também é dado abundante fruto da vida eterna a todo aquele que O receber digna e devotadamente. Mas para isso não há leviandade, nenhuma curiosidade, nem sensualidade, somente fé firme, devota esperança e sincera caridade.

10. Ó Deus, invisível Criador do mundo, quão maravilhosamente tu trabalhas conosco, quão docemente e graciosamente Tratarás com os teus eleitos, a quem Tu Te ofereceres para ser recebido neste Sacramento! Pois isto ultrapassa todo entendimento, isso atrai especialmente os corações dos devotos e inflama suas afeições. Pois mesmo os verdadeiros fiéis, que ordenam toda a sua vida à emenda, muitas vezes ganham deste excelente sacramento grande graça de devoção e amor de virtude.

11. Ó admirável e oculta graça do Sacramento, que só os fiéis de Cristo conhecem, mas os sem fé e os que servem ao pecado não podem experimentar! Neste Sacramento é conferida graça espiritual, e a virtude perdida é reconquistada na alma, e a beleza que foi desfigurada pelo pecado volta novamente. Tão grande, às vezes, é essa graça que, da plenitude da devoção dada, não apenas a mente, mas também o corpo fraco sente que mais força é fornecida a ela.

12. Mas muito devemos lamentar e lamentar pela nossa indiferença e negligência, que não somos atraídos por uma afeição maior para nos tornarmos participantes de Cristo, em quem consiste toda a esperança e o mérito daqueles que devem ser salvos. Pois Ele mesmo é a nossa santificação e redenção. (1) Ele é o consolo dos peregrinos e a eterna fruição dos santos. Por isso, é dolorosamente lamentável que muitos tão pouco considerem esse mistério que dá saúde, que alegra o céu e preserva o mundo inteiro. Ai da cegueira e dureza do coração do homem, que ele não considera mais este dom indescritível, e mesmo escorrega pelo uso diário, para o descuido.

13. Pois se este Santíssimo Sacramento fosse celebrado em um único lugar, e fossem consagrados somente por um sacerdote em todo o mundo, com que grande desejo você pensa, os homens seriam afetados em direção àquele lugar e em direção a tal sacerdote de Deus, que eles podem contemplar os mistérios divinos celebrados? Mas agora são muitos homens feitos sacerdotes e em muitos lugares o Sacramento é celebrado, para que a graça e o amor de Deus para com os homens possam aparecer, quanto mais amplamente a Santa Comunhão se espalhar por todo o mundo. Obrigado a Ti, ó bom Jesus, Pastor Eterno, que concedeu a renovação para nós, pobres e exilados, com Teu precioso Corpo e Sangue, e para nos convidar a participar nestes santos mistérios pelo convite da Tua própria boca, dizendo: Vinde a mim, vós que trabalham e estão sobrecarregados, e eu vou te refrescar.

(1) 1 Coríntios 1. 30


CAPÍTULO II

Que a grandeza e caridade de Deus é mostrada aos homens no
Sacramento
A voz do discípulo

Confiando na Tua bondade e grande misericórdia, ó Senhor, eu me aproximo, o enfermo ao curador, o faminto e sedento da Fonte da vida, a pobreza atingida pelo Rei do Céu, o servo do Senhor, a criatura para o Criador, o desolado para o meu próprio Consolador gentil. Mas de onde me vem isso para que vens a mim? Quem sou eu para me ofereceres a ti mesmo? Como um pecador se atreve a aparecer diante de Ti? E como tu vens a chegar ao pecador? Tu conheces o teu servo, e tu sabes que ele não tem nada de bom para o qual lhe deves conceder esta graça. Eu confesso, portanto, a minha própria vileza, eu reconheço a Tua bondade, eu louvo a Tua ternura, e Te dou graças pelo Teu grandíssimo amor. Pois tu fazes isto por amor a Mim, não por meus méritos, para que Tua bondade me seja mais manifesta, Tua misericórdia mais abundantemente derramada sobre mim, e Tua mais humildade me é perfeitamente recomendada. Portanto, porque isto agrada a Ti, e ordenaste que assim seja: A tua condescendência me agrada também; e oh, que a minha iniquidade não a impede.

2. Ó Jesus, o mais doce e terno, que reverência, que graças a Ti é devotado perpétuo pelo recebimento do Teu sagrado Corpo e Sangue, a dignidade de que nenhum homem é capaz de se expressar. Mas o que devo pensar nesta Comunhão ao aproximar-se de meu Senhor, a quem não posso dignamente honrar, e não obstante, a quem tenho saudade de receber? Qual será a melhor e mais saudável meditação para mim, do que completa humilhação diante de Ti e exaltação de Tua bondade infinita para comigo? Louvo-te, ó meu Deus, e exalta-Te para sempre. Eu me desprezo e me coloco diante de ti no profundo da minha vileza.

3. Eis que tu és o Santo dos santos e eu o refugo dos pecadores; eis que tu me rebelaste a mim, que não és digno de olhar para ti; Eis que tu me vens, tu queres estar comigo, tu me convidares para a tua festa. Tu queres me dar a comida celestial e pão de anjos para comer; nenhum outro, na verdade, do que tu mesmo, o pão vivo que desceu do céu; e dar vida ao mundo. (1)

4. Veja, de onde vem este amor! Que tipo de condescendência faz brilhar aqui. Que grande doação de agradecimento e louvor é devido a Ti por estes benefícios! Oh quão salutar e proveitoso é Tua finalidade quando Tu ordenaste isto! Quão doce e agradável é a festa quando te deste a comida! Quão admirável é o teu trabalho, ó Senhor, quão poderoso é o teu poder, quão indescritível é a tua verdade! Pois tu falaste a palavra, e todas as coisas foram feitas; e isto é feito que tu ordenaste.

5. Maravilhosa e digna de fé, e superando toda a compreensão do homem, para que Tu, ó Senhor meu Deus, mui deus e homem mesmo, nos dê todo em um pouco de pão e vinho, e seja tão inesgotável. Comida. Tu, ó Senhor de todos, que não precisas de nada, tens desejado habitar em nós através do Teu Sacramento. Preserve meu coração e meu corpo sem mácula, que com uma consciência alegre e pura eu possa ser capaz de [comemorar e] (2) receber minha saúde perpétua. Teus mistérios, que Tu consagrou e instituiu para tua própria honra e para um memorial perpétuo.

6. Alegra-te, ó minha alma, e dai graças a Deus por tão grande dom e preciosa consolação, deixada contigo neste vale de lágrimas. Pois assim como tu chamas este mistério para mente e recebes o corpo de Cristo, muitas vezes tu celebra a obra da tua redenção, e a arte torna-te participante de todos os méritos de Cristo. Porque a caridade de Cristo nunca cresce menos e a grandeza de Sua propiciação nunca se esgota. Portanto, pela contínua renovação do teu espírito, tu deves dispor a ti mesmo e pesar o grande mistério da salvação com consideração atenta. Tão grande, novo e alegre deve parecer a ti quando chegas à comunhão, como se naquele mesmo dia Cristo pela primeira vez descesse ao ventre da Virgem e se fizesse homem, ou pendurado na cruz, sofrendo e sofrendo. morrendo pela salvação da humanidade.

(1) João 6. 51. (2) As palavras entre parênteses são adequadas apenas para um padre.


CAPÍTULO III

Que é proveitoso se comunicar frequentemente

A voz do discípulo

Eis que venho a Ti, ó Senhor, para que eu seja abençoado com o Teu dom e alegre-te em Teu santo banquete que Tu, ó Deus, da Tua bondade preparaste para os pobres. (1) Eis que em Ti é tudo o que Eu posso e devo desejar, Tu és minha salvação e redenção, minha esperança e força, minha honra e glória. Portanto regozijai-vos hoje a alma do teu servo, pois a ti, Senhor Jesus, elevo a minha alma (2). Agora desejo muito receber Tua devoção e reverência, desejo trazê-lo para minha casa, para que com Zaqueu, posso ser considerado digno de ser abençoado por Ti e contado entre os filhos de Abraão. Minha alma tem um desejo sincero pelo Teu Corpo, meu coração deseja unir-se a Ti.

2. Dá-me a ti mesmo e basta, pois além de ti não há consolo. Sem Ti não posso ser e sem Tua visitação não tenho poder para viver. E por isso tenho necessidade de aproximar-me de Ti muitas vezes, e recebo-Te para a cura da minha alma, para que não desmaie pelo caminho se for privado de comida celestial. Pois assim Tu, o mais misericordioso Jesus, pregando ao povo e curando a muitos doentes, disseste uma vez: Não os enviarei jejum para as suas próprias casas, para que não desfalecem pelo caminho. (3) Lide, pois, agora para mim em semelhante maneira, pois tu te deixaste para o consolo dos fiéis no Sacramento. Porque tu és o doce refresco da alma, e aquele que comê-lo dignamente será participante e herdeiro da glória eterna. Necessariamente, é para mim, que tantas vezes deslizei para trás e para o pecado, tão rapidamente esfria e desmaiei, para renovar, purificar, me acender com freqüentes orações e penitências e receber do Teu sagrado Corpo e Sangue, para que não tardasse a abstinência. fica aquém das minhas sagradas resoluções.

3. Pois a imaginação do coração do homem é má desde a sua mocidade (4) e, exceto que a medicina divina o socorre, o homem se afasta continuamente para o pior. Portanto, a Sagrada Comunhão nos traz de volta do mal e nos fortalece para sempre. Pois se agora eu sou tão negligente e morno quando me comunico [ou celebro], como deveria estar comigo, se eu não receber este remédio e não buscasse uma ajuda tão grande? [E embora eu não esteja todos os dias em forma, nem bem preparado para celebrar, eu prestarei atenção diligente no devido tempo, para receber os mistérios divinos e para me tornar participante de tão grande graça]. Pois esta é a única consolação principal de uma alma fiel, desde que esteja ausente de Ti em corpo mortal, que sendo continuamente consciente de seu Deus, ela recebe seu Amado com espírito devoto.

4. Ó maravilhosa condescendência de Tua piedade nos cercando, que Tu, ó Senhor Deus, Criador e Acelerador de todos os espíritos, seja digno de vir a uma alma tão pobre e fraca, e apaziguar sua fome com Tua Divindade e Humanidade. Ó mente feliz e alma abençoada, à qual é concedido devotamente para receber-Te seu Senhor Deus, e assim Te receber para ser preenchido com toda a alegria espiritual! Oh, quão grande o Senhor entretém, quão amado o Convidado traz, quão delicioso um Companheiro recebe, quão fiel Amigo o acolhe, quão linda e exaltada é um Esposo, acima de todos os outros Amados, abraça, Um para ser amado acima de todas as coisas que podem ser desejadas! Oh meu amado mais amado, deixe o céu e a terra e toda a glória deles, seja silencioso em Tua presença; vendo qualquer elogio e beleza que eles têm é da Tua bondade generosa; e nunca alcançarão a beleza de Teu Nome, cuja Sabedoria é infinita. (5)

(1) Salmo 68. 10. (2) Salmo 86. 4. (3) Mateus 15. 32. (4) Gênesis 8. 21. (5) Salmo 147. 5


CAPÍTULO IV

Que muitos bons presentes são concedidos àqueles que se comunicam devotadamente

A voz do discípulo

Ó Senhor meu Deus, impede o teu servo com as bênçãos da Tua doçura, para que eu seja capaz de aproximar-me digna e devotadamente do Teu glorioso sacramento. Desperta meu coração para Ti e me livra do sono pesado. Visita-me com a Tua salvação para que, em espírito, provare Tua doçura, que abundantemente jaz neste Sacramento como em uma fonte. Iluminai também os meus olhos para contemplar este grande mistério e fortalecer-me para que eu possa acreditar com fé indiscutível. Porque é a tua palavra, não o poder humano; é a tua santa instituição, não a invenção do homem. Pois ninguém se acha apto a receber e compreender essas coisas, que transcendem até mesmo a sabedoria dos anjos. Que porção então eu, pecador indigno, que sou senão pó e cinzas, poderei pesquisar e compreender de tão profundo Sacramento?

2. Ó Senhor, na simplicidade do meu coração, na boa e firme fé e segundo a Tua vontade, aproximo-me Deles de esperança e reverência, e verdadeiramente creio que Tu estás presente aqui no Sacramento, Deus e homem. Tu desejas, portanto, que eu te receba e me uno a Ti na caridade. Por isso peço-te a Tua misericórdia, e imploro-Te que me dê Tua graça especial, para que eu possa estar totalmente dissolvido e transbordar de amor por Ti e não mais sofrer qualquer outra consolação para entrar em mim. Para este mais alto e mais glorioso sacramento é a saúde da alma e do corpo, o remédio de todas as doenças espirituais, por meio do qual eu sou curado dos meus pecados, minhas paixões são freadas, as tentações são conquistadas ou enfraquecidas, mais graça é derramada em mim a virtude é aumentada, a fé fortalecida, a esperança fortalecida e a caridade acesa e ampliada.

3. Pois neste sacramento concedeste muitas coisas boas e ainda as concedeste continuamente aos teus eleitos que se comunicam com devoção, ó meu Deus, levantador da minha alma, reparador da enfermidade humana e doador de todo o consolo interior. Pois Tu derramas sobre eles muita consolação contra todos os tipos de tribulações, e das profundezas de sua própria miséria os elevas à esperança de Tua proteção, e com sempre nova graça, interiormente os refresca e ilumina; para que aqueles que se sentissem ansiosos e sem afeição diante da Comunhão, depois de se refrescarem com comida e bebida celestiais, se mudassem para melhor. E mesmo de maneira tão sábia, você lida várias vezes com os seus eleitos, para que eles possam realmente reconhecer e fazer claramente a prova de que não têm nada próprio, e que bondade e graça lhes vêm de Ti; porque estando em si mesmos frios, com coração duro, indevidos, através de Ti tornam-se fervorosos, zelosos e devotos. Pois quem chega humildemente à fonte da doçura, não leva embora pelo menos um pouco dessa doçura? Ou quem, parado junto a um grande incêndio, não sente dali um pouco do seu calor? E tu és sempre uma fonte cheia e transbordante, um fogo continuamente queimando e nunca apagando.

4. Portanto, se não me é permitido tirar a plenitude da fonte, nem beber para satisfazer, todavia porei os meus lábios na boca do canal celestial, para que ao menos eu receba uma pequena gota para saciar. minha sede, que eu não secar no meu coração. E se eu ainda não puder ser completamente celestial e tão acesa como os Querubins e Serafins, ainda assim me esforçarei para entregar-me à devoção e preparar meu coração, para que eu possa ganhar se for apenas uma pequena chama do divino. fogo, através da recepção humilde do sacramento que dá vida. Mas tudo o que me falta, ó Jesus misericordioso, Santíssimo Salvador, tu és da tua benignidade e da tua graça, que tens dado para chamar tudo a ti, dizendo: Vinde a mim, todos os que estão cansados ​​e sobrecarregados, e eu vai te refrescar.

5. Eu realmente trabalho no suor do meu rosto, estou atormentado pela tristeza de coração, estou carregado de pecados, estou inquieto com as tentações, estou enredado e oprimido com muitas paixões, e não há ninguém para me ajudar, lá não há quem me livre e alivie, mas tu, ó Senhor Deus, meu Salvador, a quem eu me comprometo e todas as coisas que são minhas, a fim de que me preserves e me conduza à vida eterna.

Recebe-me para o louvor e glória de Teu nome, que preparou Teu Corpo e Sangue para ser minha carne e bebida. Conceda, ó Senhor Deus, meu Salvador, que, vindo com frequência aos Teus mistérios, o zelo da minha devoção pode aumentar.


CAPÍTULO V

Da dignidade deste sacramento e do ofício do sacerdote

A voz do amado

Se você tivesse a pureza angélica e a santidade do santo João Batista, não seria digno de receber ou ministrar este sacramento. Para isso não é merecido pelo mérito do homem que um homem deve consagrar e ministrar o sacramento de Cristo, e levar para alimentar o pão dos anjos. Vast é o mistério, e grande é a dignidade dos sacerdotes, a quem é dado o que não é concedido aos anjos. Somente para os sacerdotes, corretamente ordenados na igreja, têm o poder de consagrar e celebrar o Corpo de Cristo. O sacerdote é de fato o ministro de Deus, usando a Palavra de Deus pelo mandamento e instituição de Deus; no entanto, Deus está lá, o principal Autor e o Trabalhador invisível, aquele a quem tudo o que Ele quer está sujeito, e tudo o que Ele ordena é obediente.

2. Portanto, você deve acreditar em Deus Todo-Poderoso neste Sacramento excelente, mais do que seu próprio sentido ou qualquer sinal visível. E, portanto, com medo e reverência, este trabalho deve ser abordado. Tome cuidado, portanto, e veja o que é que o ministério está comprometido com você pela imposição da mão do Bispo. Eis que tu és feito sacerdote e consagrado à arte para celebrar. Veja agora que você faz isso diante de Deus fiel e devotamente no devido tempo, e mostre-se sem culpa. Tu não aliviaste o teu fardo, mas a arte agora está ligada com um laço mais estreito de disciplina, e a arte promete um grau mais elevado de santidade. Um padre deve ser adornado com todas as virtudes e dar aos outros um exemplo de boa vida. Sua conversa não deve ser com os modos populares e comuns dos homens, mas com os anjos no céu ou com os homens perfeitos na terra.

3. Um sacerdote vestido com vestes sagradas toma o lugar de Cristo para que ele possa orar a Deus com toda a súplica e humildade para si e para todo o povo. Ele deve sempre lembrar da Paixão de Cristo. Ele deve diligentemente olhar os passos de Cristo e esforçar-se fervorosamente por segui-los. Ele deve suportar humildemente por Deus quaisquer males que lhe sejam causados ​​por outros. Ele deve lamentar por seus próprios pecados e pelos pecados cometidos por outros, e não pode se tornar descuidado da oração e santa oblação, até que ele prevaleça para obter graça e misericórdia. Quando o sacerdote celebra, ele honra a Deus, dá alegria aos Anjos, edifica a Igreja, ajuda os vivos, comunga com os defuntos e faz-se participante de todas as coisas boas.


CAPÍTULO VI

Um inquérito sobre a preparação para a comunhão

A voz do discípulo

Quando considero a tua dignidade, ó Senhor, e a minha própria ignorância, tremo muitíssimo e confundo-me em mim. Pois, se não me aproximo, voo da vida; e se eu me intrometer indignamente, eu me deparo com o teu desagrado. O que então eu devo fazer, ó meu Deus, Tu ajudas e Conselheiro em necessidades.

2. Ensina-me o caminho certo; Proponho-me algum breve exercício condizente com a Sagrada Comunhão. Pois é proveitoso saber como devo preparar meu coração com devoção e reverência para Ti, para que eu possa receber Teu Sacramento da saúde de minha alma [ou pode ser também para celebrar este tão grande e divino mistério].


CAPÍTULO VII

Do exame de consciência, e propósito de emenda

A voz do amado

Acima de tudo, o sacerdote de Deus deve se aproximar, com toda humildade de coração e reverência suplicante, com plena fé e desejo piedoso pela honra de Deus, para celebrar, ministrar e receber este sacramento. Examine diligentemente a sua consciência e com todo o seu poder com verdadeira contrição e humilde confissão, limpe-a e purifique-a, para que não se sinta sobrecarregado, nem saiba nada que lhe traga remorso e impeça a sua livre aproximação. Tenha desagrado contra todos os seus pecados em geral e, especialmente, lamente e lamente por causa de suas transgressões diárias. E se tiveres tempo, confessa a Deus no segredo do teu coração, todas as misérias da tua própria paixão.

2. Lamentar-se dolorosamente e lamentar-se, porque ainda és tão carnal e mundano, tão desmortificado de tuas paixões, tão cheio do movimento de concupiscência, tão descuidado em teus sentidos externos, tão frequentemente enredado em muitas fantasias vãs, tão propenso a coisas exteriores, tão negligentes do interno; tão pronto para o riso e dissolução, tão despreparado para chorando e contrição; Tão propenso a facilidade e indulgência da carne, tão maçante ao zelo e fervor; tão curioso para ouvir novidades e contemplar belezas, por isso abraçar as coisas humildes e desprezadas; tão desejoso de ter muitas coisas, tão relutante em dar, tão perto de manter; tão imprudente ao falar, tão relutante em guardar silêncio; tão desordenado de maneiras, tão imprudente em ações; tão ansioso por comida, tão surdo para com a Palavra de Deus; tão ansioso depois do descanso, tão lento para o trabalho; tão vigilante depois de contos, tão sonolento para as sagradas observâncias; tão ansiosos pelo fim deles, tão vagando em atenção a eles; tão negligente em observar as horas de oração, tão morno em celebrar, tão infrutífero em se comunicar; tão rapidamente distraído, tão raramente recolhido consigo mesmo; tão rapidamente mudou-se para a ira, tão pronta para o desprazer dos outros; tão propenso a julgar, tão severo na reprovação; tão alegre na prosperidade, tão fraca na adversidade; muitas vezes fazendo muitas boas resoluções e trazendo-as a tão pouco efeito.

3. Quando confessares e lamentares estas e outras vossas deficiências, com tristeza e desagrado em vossa própria enfermidade, fazeis então uma firme resolução de contínuas alterações da vida e do progresso em tudo o que é bom. Além disso, com plena resignação e completo, oferecer-te-eis a honra do Meu nome no altar do teu coração, como holocausto perpétuo, apresentando fielmente o teu corpo e alma a Mim, até ao fim de que assim seja contabilizado. digno de aproximar-se para oferecer este sacrifício de louvor e ação de graças a Deus e para receber o Sacramento do Meu Corpo e Sangue para a saúde da sua alma. Pois não há oblação mais digna, nenhuma satisfação maior para a destruição de pecado, que um homem se oferece a Deus puramente e inteiramente com a oblação do Corpo e Sangue de Cristo na Santa Comunhão. Se alguém tiver feito o que nele há e verdadeiramente se arrepender, então quantas vezes quiser se aproximar de Mim para perdão e graça, vivo eu, diz o Senhor, não tenho prazer na morte de um pecador. , mas sim que ele deveria ser convertido e viver. Todas as transgressões que cometeu não serão mencionadas a ele.

(1) Ezequiel 18. 22, 23.


CAPÍTULO VIII

Da oblação de Cristo na cruz e da renúncia do ego

A voz do amado

Assim como eu mesmo da minha vontade me ofereci a Deus Pai, na cruz, por teus pecados com as mãos estendidas e corpo nu, de maneira que nada permaneceu em Mim que não se tornasse um sacrifício pela Divina propiciação; assim também tu deves todos os dias oferecer-te voluntariamente a Mim por uma oblação pura e santa com todas as tuas forças e afeições, até os mais extremos poderes do teu coração. O que mais te peço do que estudas para te resignares totalmente a Mim? Tudo o que tu deste além de ti mesmo, nada me importa, pois não peço a tua dádiva, mas a ti.

2. Como não seria suficiente para ti, se tivesses todas as coisas, senão a mim, assim também o que quer que me dessem, se não me desses, não poderia me agradar. Ofereça-se a Mim e dê-se totalmente por Deus, assim será aceita a tua oferta. Eis que ofereci-me totalmente ao Pai por ti; também dou todo o meu corpo e sangue por comida, para que tu ficasse completamente meu e eu. Mas se tu estiveres em ti mesmo, e não te ofereceres livremente à Minha vontade, a tua oferta não é perfeita, nem a união entre nós será completa. Por isso, a oferta voluntária de ti mesmo nas mãos de Deus é ir adiante de todas as tuas obras, se alcançares liberdade e graça. Pois esta é a causa de tão poucos serem iluminados e libertados interiormente, que eles não sabem como se negar completamente. A minha palavra é certa: se alguém deixar tudo, não pode ser meu discípulo. (1) Portanto, se queres ser meu discípulo, oferece-te a ti com todas as tuas afeições.

(1) Lucas 14. 33


CAPÍTULO IX

Que devemos nos oferecer e tudo o que é nosso para Deus, e orar por todos

A voz do discípulo

Senhor, tudo o que existe no céu e na terra é Teu. (1) Desejo oferecer-me a ti como oferta voluntária, e continuar Tua para sempre. Senhor, na retidão de meu coração, de bom grado ofereço-me a Ti hoje para ser Teu servo para sempre, em humilde submissão e por um sacrifício de louvor perpétuo. Receber-me com esta sagrada Comunhão do Teu precioso Corpo, que celebro diante de Ti neste dia na presença dos Anjos em torno invisível, para que seja para a salvação de mim e de todo o teu povo.

2. Senhor, eu ponho diante de Ti nesta celebração todos os meus pecados e ofensas que cometi diante de Ti e dos teus santos anjos, desde o dia em que pude pecar até esta hora; para que você possa consumir e queimá-los cada um com o fogo da Tua caridade, e pode acabar com todas as manchas dos meus pecados, e purificar a minha consciência de toda ofensa, e restaurar-me ao Teu favor que com o pecado eu perdi, perdoando me todos, e misericordiosamente me admitir para o beijo da paz.

3. O que posso fazer em relação aos meus pecados, salvo humildemente confessar e lamentar e incessantemente implorar a Tua propiciação? Eu te imploro, seja propício para mim e me ouça, quando eu estiver diante de Ti, ó meu Deus. Todos os meus pecados me desagradam gravemente: nunca mais os cometerei; mas sofro por eles e lamento enquanto vivo, decididamente me arrependendo verdadeiramente e fazendo a restituição o mais longe possível. Perdoa, ó Deus, perdoa-me os meus pecados por amor do teu santo nome; salva a minha alma, que resgataste com o teu precioso sangue. Eis que eu me comprometo com Tua misericórdia, eu me resigno a tuas mãos. Lide comigo de acordo com Tua benevolência, não de acordo com a minha maldade e iniquidade.

4. Ofereço também a Ti toda a minha bondade, embora seja extremamente pequena e imperfeita, para que Tu a conserte e santifique, para que a faças agradável e agradável à Tua aparência, e sempre a atraia para a perfeição; e além disso me traga seguramente, preguiçosa e inútil criatura pobre que eu sou, para um final feliz e abençoado.

5. Além disso, ofereço a Ti todos os piedosos desejos dos devotos, necessidades dos pais, amigos, irmãos, irmãs e todos os que são queridos para mim e para aqueles que fizeram o bem a mim, ou para outros por Teu amor; e aqueles que desejaram e suplicaram minhas orações para si e para todos os que pertencem a eles; que todos se sintam ajudados pela Tua graça, enriquecidos pela consolação, protegidos dos perigos, livres das dores; e que, sendo libertos de todos os males, eles podem alegremente dar a Ti uma gratidão superior.

6. Ofereço também a Ti orações e intercessões sacramentais para aqueles especialmente que me feriram em alguma coisa, me fizeram triste, ou falaram mal a respeito de mim, ou me causaram qualquer perda ou desprazer; para todos aqueles que também tenho, em qualquer momento, tornado triste, perturbado, sobrecarregado e escandalizado, por palavras ou atos, consciente ou de forma ignorante; que para todos nós, Tu também perdoar nossos pecados e ofensas mútuas. Tire, ó Senhor, de nossos corações toda suspeita, indignação, raiva e contenda, e tudo o que for capaz de ferir a caridade e diminuir o amor fraterno. Tenha misericórdia, tenha misericórdia, Senhor, daqueles que imploram a Tua misericórdia; dê graça aos necessitados; e nos torne tais que possamos ser dignos de desfrutar da Tua graça e seguir adiante para a vida eterna. Um homem.

(1) 1 Crônicas 29. 11. (2) 1 Crônicas 29. 17


CAPÍTULO X

Que a Sagrada Comunhão não é levemente para ser omitida

A voz do amado

Tu deverás frequentemente chamar-te para a Fonte da graça e da divina misericórdia, para a Fonte da bondade e toda a pureza; até o fim que você possa obter a cura de suas paixões e vícios, e pode tornar-se mais forte e mais vigilante contra todas as tentações e artimanhas do diabo. O inimigo, sabendo que proveito e remédio forte existe na Sagrada Comunhão, luta por todos os meios e ocasiões para recuar e atrapalhar os fiéis e devotos, tanto quanto puder.

2. Pois quando alguns se preparam para a Sagrada Comunhão, eles sofrem das mais más sugestões de Satanás. O próprio espírito maligno (como está escrito em Jó), vem entre os filhos de Deus, para os perturbar com o seu mal tratado costumeiro, ou torná-los tímidos e perplexos; com a intenção de que ele diminua suas afeições, ou tire sua fé por seus ataques, se por acaso ele puder prevalecer sobre eles para abandonar completamente a Sagrada Comunhão, ou vir até ela com corações mornos. Mas suas artimanhas e ilusões não devem ser ouvidas, por mais perversas e terríveis que sejam; mas toda a sua ilusão deve ser devolvida à sua própria cabeça. O infeliz deve ser desprezado e ridicularizado: a Comunhão também não deve ser omitida por causa de seus insultos e dos problemas internos que ele suscita.

3. Muitas vezes, também muito cuidado ou alguma ansiedade ou outra confissão tocante impede a devoção. Faz conforme o conselho dos sábios, e põe de lado a ansiedade e o escrúpulo, porque impede a graça de Deus e destrói a devoção da mente. Por causa de alguma pequena aflição ou dificuldade, não negligencie a Sagrada Comunhão, mas apresse-se em confessá-la e perdoar livremente todas as ofensas cometidas contra ti. E se tu tiveres ofendido qualquer homem, humildemente implore por perdão, e Deus te perdoará livremente.

4. O que é proveitoso adiar por muito tempo a confissão dos teus pecados ou adiar a sagrada comunhão? Limpe-se imediatamente, cuspa o veneno a toda velocidade, apresse-se a tomar o remédio e sentir-se-á melhor do que se o fizeste há muito tempo. Se hoje você adiar em um relato, amanhã talvez surja algum obstáculo maior, e assim você poderá ficar muito tempo impedido de se comunicar e tornar-se mais inapto. Tão logo possas, sacode-te do teu presente e preguiça, pois nada aproveita para estar ansioso por muito tempo, para percorrer o teu caminho com tristeza de coração, e por causa dos pequenos obstáculos diários para te separares das coisas divinas; É muito doloroso adiar a tua Comunhão por muito tempo, pois isso costuma trazer grande torpor. Ai! há alguns, indiferentes e indisciplinados, que de bom grado encontram desculpas para retardar o arrependimento, e desejam adiar a Sagrada Comunhão, para que não sejam obrigados a manter-se mais vigilantes sobre si mesmos.

5. Ai de mim! quão pouca caridade, que devoção flagrante, têm aqueles que tão levemente adiar a Santa Comunhão. Quão feliz é ele, quão aceitável a Deus, que assim vive, e em tal pureza de consciência guarda a si mesmo que a qualquer dia ele poderia estar pronto e bem disposto a se comunicar, se estivesse em seu poder, e poderia ser feito sem o aviso prévio. de outros. Se um homem às vezes se abstém por causa da humildade ou de alguma causa sadia, ele deve ser elogiado por sua reverência. Mas se a sonolência apoderou-se dele, ele deve despertar a si mesmo e fazer o que nele há; e o Senhor ajudará seu desejo pela boa vontade que ele tem, o que Deus especialmente aprova.

6. Mas quando ele é impedido por causa suficiente, ainda assim ele terá uma boa vontade e uma intenção piedosa de se comunicar; e assim ele não faltará no fruto do Sacramento. Pois qualquer homem devoto é capaz, todos os dias e todas as horas, de aproximar-se da comunhão espiritual com Cristo para a saúde de sua alma e sem impedimentos. Não obstante, em certos dias e no tempo determinado, ele deve receber o Corpo e o Sangue de seu Redentor com reverência afetuosa, e, em vez disso, buscar o louvor e a honra de Deus, mais do que seu próprio conforto. Por tantas vezes ele se comunica misticamente, e é invisivelmente renovado, como ele devotamente chama a atenção para o mistério da encarnação de Cristo e sua paixão, e está inflamado com o amor Dele.

7. Aquele que somente se prepara quando uma festa está à mão ou sob demanda compelida, muitas vezes não estará preparado. Bem-aventurado aquele que se oferece a Deus por todo o holocausto, tanto quanto ele celebra ou comunica! Não seja demasiado lento nem apressado em celebrar, mas preserve o bom costume recebido por aqueles com quem vive. Tu não deves produzir cansaço e aborrecimento nos outros, mas observar o costume recebido, de acordo com a instituição dos anciãos; e ministrar para o benefício dos outros e não para a sua própria devoção ou sentimento.


CAPÍTULO XI

Que o Corpo e Sangue de Cristo e as Sagradas Escrituras são mais necessárias para uma alma fiel

A voz do discípulo

Ó mui doce Senhor Jesus, quão grande é a bem-aventurança da alma devota que se alimenta de Ti em Teu banquete, onde não há outro alimento além de Teu Único Amado, mais desejável que todos os desejos do coração? E para mim seria verdadeiramente doce derramar minhas lágrimas em Tua presença do fundo do meu coração, e com a piedosa Madalena para regar Tuas pés com minhas lágrimas. Mas onde é essa devoção? Onde o fluxo abundante de lágrimas sagradas? Certamente, em Tua presença e na presença dos santos Anjos, todo o meu coração deve arder e chorar de alegria; pois tenho Tua no Sacramento verdadeiramente presente, embora oculto sob outra forma.

2. Pois em Teu próprio brilho Divino, meus olhos não puderam subsistir para contemplá-lo, nem o mundo inteiro poderia estar diante do esplendor da glória de Tua Majestade. Nisto, pois, consideras a minha fraqueza, que te escondes debaixo do sacramento. Eu verdadeiramente possuo e adoro Aquele a quem os anjos adoram no céu; Eu ainda por um tempo pela fé, mas eles pela vista e sem um véu. É bom para mim estar contente com a luz da verdadeira fé, e andar nela até o dia do eterno brilho amanhecer, e as sombras das figuras fugirem. (1) Mas quando o que é perfeito vem, o uso de Os Sacramentos cessarão, porque os Abençoados na glória celestial não precisam de remédio Sacramental. Porque eles se regozijam incessantemente na presença de Deus, contemplando Sua glória face a face, e sendo mudados de glória em glória (2) do infinito Deus, eles provam a Palavra de Deus feito carne, como Ele era no princípio e permanece por eterno.

3. Quando penso nessas coisas maravilhosas, até mesmo em conforto espiritual, seja por alguma fadiga para mim; porque enquanto não vejo abertamente meu Senhor em Sua própria Glória, não conto para nada tudo o que vejo e ouço no mundo. Tu, ó Deus, sou testemunha de que nada é capaz de me confortar, nenhuma criatura é capaz de me dar descanso, salvo tu, ó meu Deus, a quem desejo contemplar eternamente. Mas isso não é possível, desde que permaneça nesse estado mortal. Portanto, devo me entregar a grande paciência e submeter-me a Ti em todo desejo. Pois até mesmo os Teus Santos, ó Senhor, que agora se alegram com Ti no reino dos céus, esperaram a vinda da Tua glória enquanto eles viviam aqui, com fé e grande glória. O que eles acreditavam, que acreditam que eu; o que eles esperavam, espero; para onde eles alcançaram, para lá através da Tua graça espero que eu venha. Eu andarei na fé, fortalecido pelos exemplos dos santos. Eu terei também livros sagrados para conforto e para um espelho da vida, e acima de todos os Teu santíssimo Corpo e Sangue será para mim um remédio especial e refúgio.

4. Por duas coisas sinto-me extremamente necessário nesta vida, sem a qual esta vida miserável seria intolerável para mim; Sendo detido na prisão deste corpo, confesso que preciso de duas coisas, até comida e luz. Tu me deste, portanto, aquele que é tão fraco, Teu sagrado Corpo e Sangue, para a renovação da minha alma e corpo, e pus a Tua Palavra como uma lanterna aos meus pés. (3) Sem estes dois eu não poderia viver adequadamente; porque a Palavra de Deus é a luz da minha alma e o Teu Sacramento o pão da vida. Estas também podem ser chamadas as duas mesas, colocadas neste lado e naquele, no tesouro da Tua santa Igreja. Uma mesa é a do altar sagrado, levando o pão sagrado, que é o precioso Corpo e Sangue de Cristo; a outra é a mesa da Lei Divina, contendo a doutrina sagrada, ensinando a verdadeira fé, e avançando firmemente até mesmo para aquilo que está dentro do véu, onde está o Santo dos Santos.

5. Graças a Ti, ó Senhor Jesus, Luz de Luz eterna, por essa mesa da santa doutrina que Tu nos forneceu por Teus servos, os Profetas e Apóstolos e outros mestres. Obrigado a Ti, ó Criador e Redentor dos homens, que para tornar conhecido o Teu amor ao mundo inteiro preparou uma grande ceia, na qual Tu tens estabelecido para o bem não o típico cordeiro, mas o Teu próprio Corpo e Sangue Santo; fazendo todos os Teus fiéis alegres com este santo banquete e dando-lhes a beber o cálice da salvação, onde estão todas as delícias do Paraíso, e os santos Anjos se alimentam conosco, e com ainda mais doce doçura.

6. Oh, quão grande e honroso é o ofício dos sacerdotes, a quem é dado consagrar o sacramento do Senhor de majestade com palavras sagradas, abençoá-lo com os lábios, segurá-lo nas mãos, recebê-lo com sua própria boca e administrá-la aos outros! Oh, quão limpas devem ser aquelas mãos, quão pura a boca, quão santo é o corpo, quão limpo o coração do sacerdote, a quem tantas vezes o Autor da pureza entra! Da boca do sacerdote nada deve prosseguir senão o que é santo, o que é honesto e proveitoso, porque muitas vezes recebe o sacramento de Cristo.

7. Seus olhos devem ser únicos e puros, visto que eles estão acostumados a olhar para o Corpo de Cristo; as mãos devem ser puras e erguidas para o céu, as quais costumam conter o Criador do céu e da terra. Aos sacerdotes é especialmente dito na Lei: Sede santos, porque eu, o Senhor teu Deus, sou santo (4).

8. Ajudai-nos com Tua graça, ó Deus Todo-Poderoso, para que nós, que tomamos sobre nós o ofício sacerdotal, possamos conversar digna e devotadamente com Ti em toda pureza e boa consciência. E se não formos capazes de ter nossa conversa em tal inocência de vida como deveríamos, contudo, concedamos-nos dignamente a lamentar os pecados que cometemos e, no espírito de humildade e pleno propósito de boa vontade, para Te servir mais fervorosamente para o futuro.

(1) Cânticos 2. 17. (2) 2 Coríntios 3. 18. (3) Salmo 119. 105. (4) Levítico 19. 2


CAPÍTULO XII

Que aquele que está prestes a se comunicar com Cristo deve preparar-se com grande diligência

A voz do amado

Eu sou o Amante da pureza e o Doador da Santidade. Eu busco um coração puro, e existe o lugar do Meu descanso. Prepara-me o maior santuário mobilado, e guardarei a Páscoa em tua casa com os meus discípulos: 1) Se queres que venho a ti e fique contigo, purgue o fermento velho, 2 e limpe o fermento; habitação do teu coração. Feche o mundo inteiro e toda a multidão de pecados; Sente-se como um pardal sozinho no topo da casa, (3) e pense em suas transgressões com amargura de sua alma. Porque todo aquele que ama, prepara o melhor e mais belo lugar para o seu amado, porque assim se conhece o afeto daquele que entretém seu amado.

2. Sabei, porém, que não podes fazer preparo suficiente do mérito de nenhuma das tuas ações, mesmo que deves preparar-te para um ano inteiro e nada mais tenha em mente. Mas da Minha ternura e graça só tu és permitido aproximar-te da Minha mesa; como se um mendigo fosse chamado ao jantar de um homem rico, e não tivesse outra recompensa para oferecê-lo pelos benefícios que lhe eram prestados, mas para se humilhar e dar-lhe graças. Portanto, tanto quanto habite em ti, e diligentemente, não de costume, nem de necessidade, mas com temor, reverência e afeição, receba o Corpo de teu amado, o Senhor Deus, que se digna de vir a ti. Eu sou aquele que te chamou; Eu ordenei que fosse feito; Eu suprirei o que está faltando a ti; vem e me recebe.

3. Quando eu der a graça da devoção, dê graças ao teu Deus; não é porque tu és digno, mas porque tive misericórdia de ti. Se você não tem devoção, mas sente-se seco, ore em oração, não cesse de gemer e bata; não cesse até que você prevaleça para obter alguma migalha ou gota de graça salvadora. Tu precisas de mim, eu não tenho necessidade de ti. Nem tu vens para me santificar, mas venho santificar-te e fazer-te melhor. Tu vens que tu podes ser santificado por mim, e ser unido a mim; para que possas receber nova graça e se acenda novamente à modificação da vida. Veja que tu não negligencia esta graça, mas prepara teu coração com toda a diligência, e recebe teu amado a ti.

4. Mas tu deves não somente te preparar para a devoção antes da Comunhão, mas também te manter com toda a diligência após receber o Sacramento; nem é necessária menos vigilância do que a preparação devota de antemão: pois a boa vigilância depois se torna, por sua vez, a melhor preparação para ganhar mais graça. Por este meio é um homem feito inteiramente indisposto para o bem, se ele retornar imediatamente da Comunhão para entregar-se a consolos externos. Cuidado com muita fala; permaneça em um lugar secreto e mantenha comunhão com o teu Deus; porque tu tens a quem todo o mundo não pode tirar de ti. Eu sou aquele a quem tu deves entregar totalmente a ti mesmo; de modo que agora você não pode viver totalmente em si mesmo, mas em mim, livre de toda ansiedade.

(1) Marcos 14. 14, 15. (2) 1 Coríntios 5. 7. (3) Salmo 102. 7


CAPÍTULO XIII

Que a alma devota deve, com todo o coração, ansiar pela união com Cristo no Sacramento.

A voz do discípulo

Quem me concederá, ó Senhor, que eu possa encontrar-te sozinho, e abrir todo o meu coração para Ti, e Te aproveitar tanto quanto a minha alma deseja; e para que ninguém mais olhe para mim a partir de agora, nem qualquer criatura me mova ou tenha respeito por mim, mas só Tu falas a mim e eu a Ti, como amado costuma falar ao amado, e amigo de festa com amigo? Por isso eu oro, anseio por isto, que eu possa estar totalmente unida a Ti, e retirar meu coração de todas as coisas criadas, e através da Santa Comunhão e celebração freqüente, aprendo cada vez mais para saborear o celestial e eterno. coisas. Ah, Senhor Deus, quando serei inteiramente unida e perdida em Ti, e completamente esquecida de mim mesmo? Tu em mim, e eu em Ti, (1) assim também concede que possamos, da mesma forma, continuar juntos em um.

2. Verdadeiramente, és o meu amado, o escolhido entre dez mil, (2) em quem a minha alma se deleita em habitar todos os dias da sua vida. Verdadeiramente Tu és o meu pacificador, em quem é perfeita paz e verdadeiro descanso, além de quem é o trabalho, a tristeza e a miséria infinita. Em verdade, Tu és um Deus que te oculta, e teu conselho não é com os iníquos, mas a tua palavra é com os humildes e os simples. Quão doce é, ó Senhor, o teu Espírito, para que, na tua benignidade, digas a tua doçura para os teus filhos, tolerai-os, para o refrescar com o pão cheio de doçura, que desce do céu. Em verdade, não há outra nação tão grande, que tenha seus deuses perto deles, como Tu, nosso Deus, esteja presente a todos os Teus fiéis, (3) a quem para seu consolo diário, e para elevar seu coração ao céu Tu te dás por sua comida e deleite.

3. Por que outra nação existe tão renomada quanto o povo cristão? Ou que criatura é tão amada sob o céu como a alma devota a qual Deus entra para alimentá-la com Sua carne gloriosa? Ó graça indescritível! Ó maravilhosa condescendência! O amor incomensurável especialmente concedido aos homens! Mas que recompensa darei ao Senhor por esta graça, por caridade tão poderosa? Não há nada que eu possa apresentar mais aceitável do que dar meu coração totalmente a Deus e uni-lo a Ele interiormente. Então todas as minhas partes interiores se regozijarão, quando minha alma estará perfeitamente unida a Deus. Então me dirá: Se estiveres comigo, serei contigo. E eu lhe responderei: "Conceda, ó Senhor, para permanecer comigo, Terei o prazer de estar com Ti; este é todo o meu desejo, mesmo que meu coração seja unido a Ti".

(1) João 15. 4. (2) Cânticos 5. 10. (3) Deuteronômio 4. 7


CAPÍTULO XIV

Do fervoroso desejo de certas pessoas devotas de receber o
Corpo e Sangue de Cristo
A voz do discípulo

Quão grande é a abundância da tua doçura, ó Senhor, que guardaste para os que te temem. Quando eu me lembro de algumas pessoas devotas que se aproximam de Teu Sacramento, ó Senhor, com a mais profunda devoção e afeição, então muitas vezes eu estou confuso em mim mesmo e coro de vergonha, que eu me aproximo Teu altar e mesa da Sagrada Comunhão e friamente, que eu permaneço tão seco e sem afeição, que não estou totalmente inflamado de amor diante de Ti, meu Deus, nem tão veementemente atraído e afetado como muitas pessoas devotas foram, que fora do sincero desejo da Comunhão, E carinhosa afeição de coração, não podia deixar de chorar, mas como se fosse com a boca do coração e do corpo igualmente ofegante internamente depois de Ti, ó Deus, ó Fonte da Vida, não tendo poder para apaziguar ou saciar sua fome, a não ser receber Tua Corpo com toda alegria e ânsia espiritual.

2. Ó fé verdadeiramente ardente daqueles, tornando-se uma prova da Tua Presença Sagrada! Porque eles verdadeiramente conhecem o seu Senhor no partir do pão, cujo coração tão ardentemente queima dentro deles (1) quando Jesus caminha com eles pelo caminho. Ah eu! Longe de mim, na maior parte, existe amor e devoção como esse, amor e ardor tão veementes. Seja misericordioso comigo, ó Jesus, bom, meigo e bondoso, e conceda a Teu pobre coitado que sinta algumas vezes, na Sagrada Comunhão, embora seja um pouco, a afeição cordial do Teu amor, que minha fé se torne mais forte, minha esperança em Tua bondade aumenta, e minha caridade, uma vez acesa em mim pela degustação do maná celestial, pode nunca falhar.

3. Mas a Tua misericórdia é capaz de conceder-me a graça que tanto anseio e de me visitar com o espírito de fervor quando o dia de Tua boa vontade chegar. Pois, embora eu não queime com desejo tão veemente quanto os deles que são especialmente devotos a Ti, ainda, através da Tua graça, eu tenho um desejo depois daquele desejo grandemente inflamado, orando e desejando ser feito participante de todos aqueles que tão fervorosamente te amam. e ser contado entre a sua santa companhia.

(1) Lucas 24. 32


CAPÍTULO XV

Que a graça da devoção é adquirida pela humildade e abnegação

A voz do amado

Deves procurar fervorosamente a graça da devoção, pedir fervorosamente, esperar pacientemente e fielmente recebê-la com gratidão, preservá-la com humildade, trabalhar com diligência e deixar a Deus o tempo e a maneira celestial. visitação até que venha. Devemos principalmente te humilhar quando nos sentimos interiormente com pouca ou nenhuma devoção, mas não para sermos demasiadamente abatidos, nem para nos entristecermos. Deus muitas vezes dá em um curto momento o que Ele negou por muito tempo; Ele às vezes dá no final o que no início da oração Ele adiou para dar.

2. Se graça fosse sempre dada imediatamente, e estivesse à mão no desejo, dificilmente seria suportável ao homem fraco. Portanto, a graça da devoção deve ser esperada com uma boa esperança e com humilde paciência. No entanto, impute-a a ti mesmo e aos teus pecados quando isso não for dado, ou quando for misteriosamente retirado. Às vezes é uma coisa pequena que atrapalha e esconde a graça; (se, de fato, deve ser chamado de pequeno e não grande, o que impede um bem tão grande); mas se tu removeres isto, seja pequeno ou grande, e perfeitamente superar isto, tu terás o que tu pediste.

3. Pois logo que te entregaste a Deus de todo o teu coração, e não buscaste nem isto nem aquilo segundo a tua vontade e prazer, mas te estabeleceste em Deus, te encontrarás unido e em paz; porque nada te dará prazer e deleite tão doce como o bom prazer da vontade Divina. Aquele que, pois, tiver levantado a vontade de Deus com singeleza de coração e se tiver livrado de todo desordenado amor ou aversão a qualquer coisa criada, será o mais apto para receber a graça e digno do dom da devoção. Pois onde o Senhor encontra vasos vazios, (1) dá sua bênção. E quanto mais perfeitamente o homem deixa as coisas que não podem tirar proveito, e quanto mais ele morre, mais depressa vem a graça, mais abundantemente ela penetra, e mais elevado eleva o coração livre.

4. Então ele verá, e fluirá junto, e maravilha, e seu coração será aumentado dentro dele, (2) porque a mão do Deus está com ele, e ele se pôs inteiramente em Sua mão, até mesmo para sempre. Eis que assim será abençoado o homem que busca a Deus de todo o seu coração, e não recebe a sua alma em vão. Este homem, ao receber a Santa Eucaristia, obtém a grande graça da União Divina; porque ele não considera a sua própria devoção e conforto, mas acima de tudo devoção e conforto, para a glória e honra de Deus.

(1) 2 Reis 4. (2) Isaías 60. 5


CAPÍTULO XVI

Que devemos abrir nossas necessidades a Cristo e exigir Sua graça

A voz do discípulo

Ó o mais doce e amoroso Senhor, a quem agora desejo devotamente receber, Tu sabes minha fraqueza e a necessidade que sofro, em que males e vícios eu me encontro; Quantas vezes sou sobrecarregado, tentado, perturbado e contaminado. Eu venho a Ti por remédio, peço-Te de consolação e apoio. Eu falo a Ti que sabe todas as coisas, a quem todos os meus segredos estão abertos, e quem sozinho pode perfeitamente me confortar e me ajudar. Tu sabes o que mais me agrada, e quão pobre sou em virtudes.

2. Eis que estou pobre e nu diante de Ti, requerendo graça e implorando misericórdia. Refresque o suplicante faminto, acenda minha frieza com o fogo de Teu amor, ilumine minha cegueira com o brilho de Tua presença. Transforme todas as coisas terrenas em amargura para mim, todas as coisas cruéis e contrárias em paciência, todas as coisas sem valor e criadas em desprezo e esquecimento. Ergue o meu coração para Ti no Céu e não me deixes perambular pela terra. Sê doce para mim, deste dia em diante para sempre, porque só Tu és a minha carne e bebida, meu amor e alegria, minha doçura e todo o meu bem.

3. Oh, que Tu desejes completamente por Tua presença, acenda, consuma e me transforme em Ti mesmo; para que eu seja feito um só espírito com Ti, pela graça da união interior e o derretimento do amor sincero! Não me deixe afastar de Ti com fome e seco; mas misericordiosamente me considere, como muitas vezes trataste maravilhosamente com os teus santos. Que maravilha se eu fosse totalmente aceso de Ti, e em mim deveria fracassar totalmente, já que Tu és sempre ardente e nunca falha, amor purificando o coração e iluminando o entendimento.


CAPÍTULO XVII

De fervoroso amor e veemente desejo de receber a Cristo

A voz do discípulo

Com a mais profunda devoção e fervoroso amor, com todo carinho e fervor de coração, anseio receber Te, ó Senhor, tantos santos e pessoas piedosas te desejaram na comunicação, que foram totalmente agradáveis ​​a Ti por sua santidade de vida. e habitou em toda devoção ardente. Ó meu Deus, Amor Eterno, todo o meu Bem, Felicidade sem medida, anseio recebê-lo com o mais veemente desejo e tornando-se reverência que qualquer Santo já teve ou poderia ter.

2. E embora eu seja indigno de ter todos esses sentimentos de devoção, ofereço-lhe todo o carinho do meu coração, como se eu tivesse todos aqueles desejos inflamados e gratos. Sim, também, tudo o que uma mente piedosa é capaz de conceber e anseia, tudo isso com a mais profunda veneração e fervor interior que ofereço e apresento a Ti. Desejo não reservar nada para mim mesmo, mas livre e inteiramente para oferecer a mim mesmo e tudo o que tenho a Ti para um sacrifício. Ó Senhor meu Deus, meu Criador e Redentor! Com tanto carinho, reverência, louvor e honra, com gratidão, dignidade e amor, com tanta fé, esperança e pureza, desejo recebê-lo hoje, como Tua Santíssima Mãe, a gloriosa Virgem Maria, recebeu e Te desejei, quando ela, com humildade e devoção, respondeu ao Anjo que lhe trouxe as boas-novas do mistério da Encarnação. Eis a serva do Senhor; seja para mim segundo a tua palavra. (1)

3. E como Teu abençoado precursor, o mais excelente dos Santos, João Batista, estando cheio de alegria em Tua presença, pulou ainda no ventre de sua mãe, com alegria no Espírito Santo; e depois, Jesus, andando entre os homens, humilhou-se grandemente e disse, com devota afeição: O amigo do noivo, que está em pé e o ouve, regozija-se muito por causa da voz do noivo, (2) assim como eu desejo estar inflamado grandes e santos desejos, e apresentar-me a Ti de todo o meu coração. Daí também, em meu nome e de todos os elogiados em oração, ofereço e apresento a Ti o júbilo de todos os corações devotos, suas afeições ardentes, seus êxtases mentais e iluminações sobrenaturais e visões celestes, com todas as virtudes e louvores. celebrado e a ser celebrado por toda criatura no céu e na terra; até o fim para que por todos Tu seja dignamente louvado e glorificado para sempre.

4. Receber minhas orações, ó Senhor meu Deus, e meus desejos de Te dar infinito louvor e bênção ilimitada, que, de acordo com a multidão de Tua grandeza indescritível, são justamente devidos a Ti. Estes Te dou e desejo dar todos os dias e todos os momentos; e com súplicas e desejos afetuosos, conclamo a todos os espíritos celestiais e a todas as pessoas fiéis a se unirem a mim para agradecer e louvar.

5. Todos os povos, nações e línguas te louvem e magnifiquem o teu santo e adocicado nome, com os mais altos votos e ardente devoção. E que todos os que reverentemente e devotamente celebram o teu sumo Sacramento, e o recebam com plena certeza de fé, sejam considerados dignos de encontrar graça e misericórdia contigo, e interceda com toda a súplica por mim um pecador; e quando eles tiverem atingido a sua devoção desejável e união jubilosa com Ti, e partirem cheios de consolo e maravilhosamente renovados da Tua santa mesa celestial, que eles se comprometam a estarem atentos a mim, pois eu sou pobre e necessitado.

(1) Lucas 1. 38. (2) João 3. 29


CAPÍTULO XVIII

Que um homem não deve ser um curioso pesquisador do Sacramento, mas um humilde imitador de Cristo, submetendo seu sentido à fé santa.

A voz do amado

Tu deves tomar cuidado com a curiosa e inútil busca deste Sacramento mais profundo, se não fores mergulhado no abismo da dúvida. Aquele que é um buscador de Majestade será oprimido pela sua glória. (1) Deus é capaz de fazer mais do que o homem pode entender. Uma busca piedosa e humilde da verdade deve ser permitida, quando ela está sempre pronta para ser ensinada, e se esforça para andar atrás das opiniões sãs dos pais.

2. Bem-aventurada é a simplicidade que deixa apenas os caminhos difíceis dos questionamentos e segue os passos claros e firmes dos mandamentos de Deus. Muitos perderam a devoção enquanto procuravam investigar coisas mais profundas. A fé é exigida de ti, e uma vida sincera, não alta de intelecto, nem profunda nos mistérios de Deus. Se tu não entendes nem compreendes as coisas que estão abaixo de ti, como compreenderás aqueles que estão acima de ti? Submete-te a Deus, e humilha os teus sentidos para a fé, e a luz do conhecimento te será dada, como te será bem útil e proveitoso.

3. Há alguns que são gravemente tentados em relação à fé e ao sacramento; mas isso não deve ser imputado a eles mesmos, mas sim ao inimigo. Não te preocupes pois, disputa não com os teus próprios pensamentos, nem responda às dúvidas que te são lançadas pelo diabo; mas creia nas palavras de Deus, acredite em Seus santos e profetas, e o inimigo perverso fugirá de ti. Muitas vezes, é muito proveitoso que o servo de Deus suporte tais coisas. Pois o inimigo não tenta os incrédulos e os pecadores, porque já tem a posse segura deles; mas ele tenta e assedia os fiéis e devota por vários meios.

4. Siga em frente, portanto, com fé simples e indiscutível, e aproxime-se do Sacramento com uma reverência suplicante. E tudo o que tu não és capacitado para entender, que comete sem ansiedade ao Deus Todo-Poderoso. Deus não te engana; ele é enganado, quem crê muito em si mesmo. Deus anda com o simples, revela-se aos humildes, dá entendimento aos bebês, abre o sentido para as mentes puras e esconde graça dos curiosos e orgulhosos. A razão humana é fraca e pode ser enganada; mas a verdadeira fé não pode ser enganada.

5. Toda razão e investigação natural devem seguir a fé, não preceder nem quebrá-la. Pois a fé e o amor fazem aqui, especialmente, o lugar mais elevado, e trabalham de maneira oculta neste santíssimo e extraordinário Sacramento. Deus que é eterno e incompreensível, e de poder infinito, faz grandes e inescrutáveis ​​coisas no céu e na terra, e Suas maravilhosas obras estão sendo descobertas. Se as obras de Deus fossem de tal ordem que pudessem ser facilmente compreendidas pela razão humana, não deveriam mais ser chamadas de maravilhosas ou indizíveis.

(1) Provérbios 25. 27 (Vulgata)

~

Tomás de Kempis

Imitação de Cristo. Livro 4.

Disponível em inglês em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: