Vantagens da Revelação em relação a razão natural

quicquid dignum sapiente bonoque est.
Hor. Lib. I. Ep. 4. 1. 5.
—O que beneficia os sábios e os bons. 
A RELIGIÃO pode ser considerada sob duas cabeças gerais. O primeiro compreende o que devemos acreditar, o outro o que devemos praticar. Por aquelas coisas em que devemos acreditar, quero dizer o que nos é revelado nos escritos sagrados, e que não poderíamos ter obtido o conhecimento à luz da natureza; pelas coisas que devemos praticar, quero dizer todos aqueles deveres a que somos dirigidos pela razão ou pela religião natural. O primeiro deles distinguirei pelo nome da fé, o segundo pelo nome da moralidade.

Se olharmos para a mera parte séria da humanidade, encontraremos muitos que enfatizam tanto a fé que negligenciam a moralidade; e muitos que constroem tanto a moralidade, que não prestam a devida atenção à fé. O homem perfeito deve estar com defeito em nenhum desses detalhes, como será muito evidente para aqueles que consideram os benefícios que surgem de cada um deles, e que farei o assunto do artigo deste dia.

Não obstante essa divisão geral do dever cristão em moralidade e fé, e que eles tenham ambas as suas peculiaridades peculiares, o primeiro tem a preeminência em vários aspectos.

Primeiro, porque a maior parte da moralidade (como afirmei a noção dela) é de natureza eterna fixa e perdurará quando a fé falhar e se perder em convicção.

Segundo, porque uma pessoa pode ser qualificada para fazer um bem maior à humanidade e se tornar mais benéfica para o mundo, pela moralidade sem fé, do que pela fé sem moralidade.

Terceiro, porque a moralidade dá uma maior perfeição à natureza humana, aquietando a mente, moderando as paixões e promovendo a felicidade de todo homem em sua capacidade privada.

Quarto, porque a regra da moralidade é muito mais certa do que a da fé: todas as nações civilizadas do mundo concordam nos grandes pontos da moralidade, tanto quanto diferem nos da fé.

Quinto, porque a infidelidade não é de natureza tão maligna quanto a imoralidade; ou, para colocar a mesma razão sob outra luz, porque geralmente é possuída, pode haver salvação para um infiel virtuoso (particularmente no caso de ignorância invencível), mas nenhuma para um crente cruel.

Em sexto lugar, porque a fé parece extrair seu princípio, se não toda a sua excelência, da influência que exerce sobre a moralidade; como veremos mais amplamente, se considerarmos em que consiste a excelência da fé ou a crença da religião revelada; e isso eu acho que é,

Primeiro, ao explicar e levar a maiores alturas vários pontos de moralidade.

Em segundo lugar, ao fornecer motivos novos e mais fortes para reforçar a prática da moralidade.

Terceiro, ao nos dar idéias mais amáveis ​​do Ser Supremo, noções mais afetuosas um do outro e um estado mais verdadeiro de nós mesmos, tanto no que diz respeito à grandeza quanto à vileza de nossa natureza.

Quarto, mostrando-nos a negritude e a deformidade do vício, que, no sistema cristão, é tão grande que aquele que possui toda a perfeição e o juiz soberano dela é representado por vários de nossos divinos, como tendo pecar no mesmo grau em que ama a pessoa sagrada que foi propiciada.

Em quinto lugar, sendo o método comum e prescrito de tornar a moralidade eficaz para a salvação.

Eu apenas toquei nessas várias cabeças, que todos os que estão familiarizados com discursos dessa natureza facilmente se expandirão em seus próprios pensamentos, e tirar conclusões deles que podem ser úteis para ele na conduta de sua vida. Um, tenho certeza, é tão óbvio que ele não pode faltar, a saber, que um homem não pode ser perfeito em seu esquema de moralidade que não o fortalece e apóia com o da fé cristã.

Além disso, estabelecerei duas ou três outras máximas que, penso, podemos deduzir do que foi dito.

Primeiro, que devemos ser particularmente cautelosos em transformar qualquer coisa em uma regra de fé que não contribua para a confirmação ou melhoria da moralidade.

Em segundo lugar, que nenhuma regra de fé pode ser verdadeira e autêntica, o que enfraquece ou subverte
a parte prática da religião, ou o que até agora chamei de moralidade.

Em terceiro lugar, que o maior amigo da moralidade, ou religião natural, não pode apreender qualquer perigo de abraçar o cristianismo, pois ele é preservado puro e incorreto nas doutrinas de nossa igreja nacional.

Da mesma forma, há outra máxima, que eu acho que pode ser extraída das considerações anteriores, que é esta: que devemos, em todos os pontos duvidosos, considerar quaisquer conseqüências ruins que possam surgir delas, supondo que elas devam ser errôneas, antes de desistirmos de consentimento para eles.

Por exemplo, naquele ponto discutível de perseguir os homens por causa da consciência, além de amargurar suas mentes com ódio, indignação e toda a veemência de ressentimento, e convencê-los a professar o que não acreditam, nós os cortamos dos prazeres e vantagens da sociedade, afligem seus corpos, afligem suas fortunas, prejudicam sua reputação, arruínam suas famílias, tornam suas vidas dolorosas ou acabam com elas. Certamente, quando vejo conseqüências terríveis surgindo de um princípio, ficaria tão plenamente convencido da verdade quanto de uma demonstração matemática, antes de me aventurar a agir de acordo com ela ou torná-la parte da minha religião.

Nesse caso, o dano causado ao nosso vizinho é claro e evidente; o princípio que nos leva a fazê-lo de natureza duvidosa e discutível. A moralidade parece altamente violada por alguém; e se um zelo pelo que um homem pensa que o verdadeiro sistema de fé pode justificá-lo é muito incerto. Não posso deixar de pensar que, se nossa religião produz caridade, além de zelo, não será por se mostrar em casos tão cruéis. Mas, para concluir com as palavras de um excelente autor: "Temos religião suficiente para nos fazer odiar, mas não o suficiente para nos fazer amar um ao outro".

Quanto menos coisas queremos, mais parecemos com Deus.

Era o orgulho comum dos filósofos pagãos que, pela eficácia de suas várias doutrinas, fizeram com que a natureza humana se parecesse com o divino. Por mais enganados que possam estar nos vários meios que propuseram para esse fim, deve-se reconhecer que o design foi excelente e glorioso. As melhores obras de invenção e imaginação têm muito pouco peso quando colocadas em equilíbrio com o que refina e exalta a mente racional. Longinus desculpa Homer de maneira muito generosa, quando ele diz que o poeta fez seus deuses como homens, para que ele pudesse fazer com que seus homens parecessem com deuses. Mas deve ser permitido que vários dos filósofos antigos agissem como Cícero deseja que Homero fizesse: eles se esforçaram mais para tornar os homens como deuses do que deuses como os homens.

De acordo com essa máxima geral da filosofia, alguns deles se empenharam em colocar os homens em tal estado de prazer ou indolência, pelo menos, pois imaginavam em vão a felicidade do Ser Supremo em consistir. Por outro lado, os mais virtuosos A seita dos filósofos criou um sábio quimérico, a quem eles eximiram da paixão e da dor, e acharam suficiente o suficiente para pronunciá-lo.

Esse último caráter, quando despojado do brilho da filosofia humana que o cerca, significa não mais do que que um homem bom e sábio se arme com paciência para não ceder docilmente à violência da paixão e da dor; que ele deveria aprender a suprimir e contrair seus desejos de modo a ter poucos desejos; e que ele apreciasse tantas virtudes em sua alma que tivesse uma força perpétua de prazer em si mesmo.

A religião cristã exige que, depois de elaborar a melhor idéia que possamos ter da natureza divina, deva ser nosso próximo cuidado nos conformarmos a ela até onde nossas imperfeições permitirem. Eu poderia mencionar várias passagens nos escritos sagrados sobre essa cabeça, às quais eu poderia acrescentar muitas máximas e sábias palavras de autores morais entre gregos e romanos.

Apenas exemplificarei uma passagem notável para esse fim dos Cæsars de Julian. O imperador tendo representado todos os imperadores romanos, com Alexandre, o Grande, passando em revista diante dos deuses e lutando pela superioridade, deixa-os todos cair, exceto Alexandre, Cæsar, Augustus Cæsar, Trajano, Marco Aurélio e Constantino. Cada um desses grandes heróis da antiguidade estabelece sua reivindicação pelo lugar superior: e, para isso, expõe suas ações da maneira mais vantajosa. Mas os deuses, em vez de ficarem deslumbrados com o brilho de suas ações, investigam, por Mercúrio, os motivos e princípios de governo adequados que os influenciaram durante toda a série de suas vidas e façanhas. Alexandre diz a eles que seu objetivo era conquistar; Julius Cæsar, que ele deveria ganhar o posto mais alto em seu país; Augusto, para governar bem; Trajan, que o dele era o mesmo de Alexandre, a saber, conquistar. Por fim, a pergunta foi feita a Marco Aurélio, que respondeu com grande modéstia, que sempre teve o cuidado de imitar os deuses. Essa conduta parece ter lhe valido o maior número de votos e o melhor lugar em toda a assembléia. Marcus Aurelius, mais tarde, sendo solicitado a se explicar, declara que, imitando os deuses, ele tentou imitá-los no uso de seu entendimento e de todas as outras faculdades; e, em particular, que sempre foi seu estudo ter o mínimo de desejos possível em si mesmo e fazer todo o bem que pôde aos outros.

Entre os muitos métodos pelos quais a religião revelada tem moralidade avançada, este é um, que nos deu uma ideia mais justa e perfeita daquele Ser a quem toda criatura razoável deveria imitar. O jovem de uma comédia pagã poderia justificar sua lascívia com o exemplo de Júpiter: como de fato havia escasso qualquer crime que não pudesse ser considerado por aquelas noções da Deidade que prevaleciam entre as pessoas comuns no mundo pagão. A religião revelada estabelece um objeto apropriado para imitação, naquele Ser que é o padrão, bem como a fonte, de toda perfeição espiritual.

Enquanto permanecermos nesta vida, estamos sujeitos a inúmeras tentações, que, se ouvidas, nos farão desviar da razão e da bondade, as únicas coisas em que podemos imitar o Ser Supremo. Na próxima vida, não encontraremos nada para excitar nossas inclinações que não as merecem. Portanto, devo demitir meu leitor com essa máxima, viz. "Nossa felicidade neste mundo procede da supressão de nossos desejos, mas no próximo mundo da gratificação deles."
—Quis enim virtutem amplectitur ipsam,Præmia si tollas?Juv. Sat. x. I. 141.
Para quem feriu virtude, por si mesma, respeito,
Ou casar, sem a parte da recompensa?
É comum os escritores polêmicos oporem projetos ruins a seus adversários. Isso transforma seu argumento em sátira, que, em vez de mostrar um erro no entendimento, tende apenas a expor a moral daqueles a quem eles escrevem. Não devo agir dessa maneira com relação aos pensadores livres. A virtude e a felicidade da sociedade são os grandes fins que todos os homens devem promover, e pensaria-se que algumas dessas seitas tivessem no coração acima do resto da humanidade. Mas, supondo que aqueles que fazem essa profissão tenham um bom design na simplicidade de seus corações e, de acordo com seus melhores conhecimentos, ainda há muito a temer que essas almas bem-intencionadas, enquanto tentam recomendar a virtude, tenham realmente promovendo os interesses do vício, os quais, como considero proceder à ignorância da natureza humana, podemos esperar que, quando se tornarem sensíveis ao seu erro,, em conseqüência do princípio benéfico que pretendem agir, reformarão prática para o futuro.

Os sábios, a quem tenho nos olhos, falam da virtude como a coisa mais amável do mundo; mas, ao mesmo tempo em que exaltam sua beleza, cuidam de diminuir sua porção. Essas criaturas inocentes são elas, e tão estranhas para o mundo, que acham que esse é um método provável para aumentar o número de admiradores dela.

A virtude possui em si os encantos mais atraentes; e o cristianismo, que a coloca sob a luz mais forte e adornada com todas as suas atrações nativas, acende um novo fogo na alma, acrescentando a eles as recompensas indescritíveis que atendem aos seus eleitores em um estado eterno. Ou, se há homens de pele saturnina e pesada, que não são facilmente levantados pela esperança, existe a perspectiva de punição eterna para agitar suas almas e amedrontá-las na prática da virtude e uma aversão ao vício.

Enquanto seus sóbrios pensadores livres lhe dizem que a virtude é realmente bela e o vício deformado; o primeiro merece o seu amor, e o segundo a sua aversão; mas é por causa deles ou por causa do bem e do mal que imediatamente os atendem e são inseparáveis ​​de suas respectivas naturezas. Quanto à imortalidade da alma, ou castigos e recompensas eternos, esses são abertamente ridicularizados ou tornados suspeitos pelo artifício mais astuto e trabalhado.

Não direi que esses homens agem de maneira traiçoeira na causa da virtude: mas alguém negará que eles agem de maneira tola que pretendem promover seus interesses, destruindo ou enfraquecendo os motivos mais fortes, que são acomodados a todas as capacidades e adequados trabalhar em todas as disposições e aplicar somente aquelas que podem afetar apenas uma mente generosa e exaltada?

Certamente eles devem ser destituídos de paixão e desconhecidos da força que tem sobre as mentes de outros, que podem imaginar que a mera beleza de fortaleza, temperança e justiça é suficiente para sustentar a mente do homem em um curso severo de abnegação contra todas as tentações do presente lucro e sensualidade.

Na minha opinião, os pensadores livres devem ser tratados como um conjunto de pobres criaturas ignorantes, que não têm sentido em descobrir a excelência da religião: é evidente que esses homens não são bruxos; nem é provável que seja culpado de qualquer dignidade profunda, que proclamam em voz alta ao mundo que têm menos motivos de honestidade do que o resto de seus colegas; que têm todos os incentivos ao exercício de qualquer virtude que um pensador livre possa ter e, além disso, a expectativa de felicidade ou miséria sem fim, como conseqüência de sua escolha.

Os homens não são movidos por suas paixões? e não são a esperança e o medo a mais poderosa das nossas paixões? e existem objetos que podem despertar e despertar nossas esperanças e medos, como aquelas perspectivas que aquecem e penetram o coração de um cristão, mas que não são consideradas por um pensador livre?

Não é apenas um ponto claro, que um cristão rompe compromissos mais fortes sempre que se entrega a cometer uma ação criminosa, e é picado por um remorso mais agudo depois dela do que um pensador livre: mas deve parecer mesmo que um homem que acredita que nenhum estado futuro desempenharia um papel tolo em ser completamente honesto. Por que razão existe por que alguém deveria adiar seu próprio interesse ou prazer particular para o cumprimento de seu dever? Se um cristão renuncia a alguma vantagem presente por causa de sua consciência, ele age de maneira responsável, porque é com o objetivo de obter um bem futuro maior. Mas aquele que, não tendo essa visão, ainda deve conscientemente negar a si mesmo um bem presente, em qualquer incidente em que possa salvar a aparência, é tão estúpido quanto aquele que confiaria nele em tal momento.

Talvez se diga que a virtude é sua própria recompensa; que uma gratificação natural atende a boas ações, que são suficientes para excitar os homens para o desempenho delas. Mas, embora não exista nada mais amável que a virtude, e a prática dela é o caminho mais seguro para a felicidade natural sólida, mesmo nesta vida: todavia, títulos, propriedades e prazeres fantásticos são mais ardentemente procurados pela maioria dos homens do que as gratificações naturais de uma pessoa. mente razoável; e não se pode negar que virtude e inocência nem sempre são os métodos mais rápidos para alcançar esse tipo de felicidade. Além disso, os vapores da paixão devem ser dissipados, e a razão deve queimar mais que o normal, para permitir que os homens vejam e apreciem todas as belezas e delícias nativas de uma vida virtuosa. E, embora devêssemos conceder aos nossos pensadores livres um conjunto de espíritos refinados, capazes apenas de se apaixonar pela virtude, mas o que seria da maior parte da humanidade, que tem entendimentos grosseiros, mas sentidos vivos e paixões fortes? Que dilúvio de luxúria, fraude e violência transbordaria, em pouco tempo, a nação inteira, se esses sábios defensores da moralidade fossem universalmente ouvidos? Por fim, as oportunidades às vezes oferecem, nas quais um homem pode fazer sua fortuna perversamente ou desfrutar de um prazer, sem medo de danos temporais, seja em reputação, saúde ou fortuna. Em tais casos, sob que restrição eles se encontram e que não têm consideração além do túmulo? os apertos internos de um ímpio, bem como as alegrias de uma mente reta, sendo enxertados no sentido de outro estado.

O pensamento de que nossa existência termina com essa vida naturalmente controla a alma em qualquer busca generosa, contrai suas opiniões e as fixa em fins temporários e egoístas. Destrói a razão, extingue todos os sentimentos nobres e heroicos e submete a mente à escravidão de toda paixão presente. Os sábios pagãos da antiguidade não ignoravam isso; portanto, eles tentaram, por fábulas e conjecturas, e os reflexos da natureza, possuir as mentes dos homens com a crença em um estado futuro, que desde então foi trazido à luz pelo evangelho, e agora é mais inconsistentemente criticado por alguns fracos. homens, que gostariam de acreditar que eles promovem a virtude transformando a religião em ridículo.
Mens agitat molem.—Virg. Æn. vi. I. 727.
Deus atua nessa estrutura universal.
Para quem considera as coisas com um olhar filosófico e tem uma alma capaz de se deliciar com a sensação de que a verdade e o conhecimento prevalecem entre os homens, deve ser uma reflexão agradecida pensar que as verdades mais sublimes que entre os pagãos, somente aqui e ali, uma das partes mais brilhantes e com mais lazer do que o comum, agora é familiar aos habitantes mais pobres dessas nações.

De onde veio essa mudança surpreendente: as regiões antes habitadas por pessoas ignorantes e selvagens agora deveriam ofuscar a Grécia antiga e os outros países do leste, tão renomados da antiguidade, nas noções mais elevadas de teologia e moralidade? É o efeito de nossas próprias peças e indústria? Nossa mecânica comum tem uma compreensão mais refinada do que os filósofos antigos? É devido ao Deus da verdade, que desceu do céu e condescendeu em ser ele mesmo nosso professor. É como somos cristãos que professamos verdades mais excelentes e divinas do que o resto da humanidade.

Se houver algum dos pensadores livres que não sejam ateus diretos, a caridade inclina alguém a acreditar que eles ignoram o que está aqui avançado. E é pela informação deles que escrevo este artigo; cujo objetivo é comparar as idéias que os cristãos nutrem do ser e dos atributos de um Deus, com as noções grosseiras do mundo pagão. É possível que a mente do homem conceba uma ideia mais augusta da Deidade do que é apresentado nas escrituras sagradas? Vou juntar algumas passagens relacionadas a esse assunto, que proponho apenas, como sentimentos filosóficos, a serem consideradas por um pensador livre.

Embora existam chamados deuses, para nós existe apenas um Deus. Ele fez o céu, e o céu dos céus, com todo o seu exército; a terra e todas as coisas que nela existem; os mares, e tudo o que nela existe. Ele disse, deixe-os estar, e foi assim. Ele havia estendido os céus. Ele fundou a terra e não a pendurou. Ele fechou o mar com portas, e disse até agora que você virá, e não mais; e aqui ficarão as tuas ondas orgulhosas. O Senhor é um espírito invisível, em quem vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Ele é a fonte da vida. Ele preserva homens e animais. Ele dá comida a toda carne. Na mão dele está a alma de todo ser vivo, e o fôlego de toda a humanidade. O Senhor torna-se pobre e enriquece. Ele abate e levanta. Ele mata e vive. Ele fere e cura. Por ele reis reinam, e príncipes decretam justiça; e nem um pardal cai no chão sem ele. Todos os anjos, autoridades e poderes estão sujeitos a ele. Ele designa a lua para as estações, e o sol sabe que ele se põe. Ele troveja com sua voz, e a dirige sob todo o céu, e seus raios até o fim da terra. Fogo e granizo, neve e vapor, vento e tempestade, cumprem sua palavra. O Senhor é rei para todo o sempre, e seu domínio é um domínio eterno. A terra e os céus perecerão; mas tu, Senhor! restante. Todos envelhecerão como uma roupa, e como um pergaminho as dobrarás e serão trocadas; mas tu és o mesmo, e teus anos não terão fim. Deus é perfeito em conhecimento; seu entendimento é infinito. Ele é o pai das luzes. Ele olha para os confins da terra e vê debaixo de todo o céu. O Senhor contempla todos os filhos dos homens do lugar de sua habitação, e considera todas as suas obras. Ele conhece o nosso assentar e levantar-se. Ele percorre o nosso caminho e conta os nossos passos. Ele conhece todos os nossos caminhos; e quando entramos em nosso armário e fechamos a porta, ele nos vê. Ele conhece as coisas que vêm à nossa mente, cada uma delas: e nenhum pensamento pode ser negado a ele. O Senhor é bom para todos, e suas misericórdias são sobre todas as suas obras. Ele é pai dos órfãos e juiz da viúva. Ele é o Deus da paz, o Pai das misericórdias e o Deus de todo conforto e consolo. O Senhor é grande, e nós não o conhecemos; sua grandeza é insondável. Quem, senão ele mediu as águas na cavidade da sua mão, e mediu os céus com um palmo? Tua, ó Senhor, é a grandeza, e o poder, e a glória, e a vitória, e a majestade. Tu és muito grande, estás vestido com honra. O céu é o teu trono, e a terra é o teu escabelo.

Pode a mente de um filósofo chegar a uma ideia mais justa e magnífica e, ao mesmo tempo, mais amável da Deidade, do que é apresentado aqui nas imagens mais fortes e na linguagem mais enfática? e ainda assim é a linguagem dos pastores e pescadores. Os judeus analfabetos e os pobres cristãos perseguidos mantiveram esses nobres sentimentos, enquanto as nações educadas e poderosas da terra foram entregues a esse tipo de adoração escocesa, da qual a descrição elegante a seguir é extraída de um dos escritores inspirados.

“Quem formou um deus, ou fundiu uma imagem que é rentável por nada? O ferreiro de tenaz trabalha nos carvões, e o molda com martelos, e trabalha com a força dos seus braços; sim, ele está com fome e sua força falha. Ele não bebe água e é fraco. Um homem planta cinzas, e a chuva o nutre. Ele queima parte dela no fogo. Ele assa assado. Ele se aqueceu. E o seu resíduo faz um deus. Ele cai nela, e a adora, e ora a ela, e fé: Livra-me; pois tu és meu deus. Ninguém considera em seu coração que eu queimei parte dele no fogo; também cozi pão sobre as brasas; assei carne e a comi; e então eu faço abominação o seu resíduo? cairei no tronco de uma árvore? ”

Em circunstâncias como estas, para um homem declarar livre-pensamento e se libertar do jugo da idolatria, estavam honrando a natureza humana, e um trabalho que se tornava os grandes defensores da razão. Mas em uma igreja, onde nossa adoração é dirigida ao Ser Supremo, e (para dizer o mínimo), onde não há nada no objeto ou na maneira de adoração que contradiga a luz da natureza, ali, sob o pretexto do livre-pensamento, ofender as instituições religiosas de seu país, mostra um gênio inconfundível que confunde oposição com liberdade de pensamento. E, de fato, apesar das pretensões de alguns poucos entre os nossos pensadores livres, mal posso pensar que haja homens tão inconsistentes consigo mesmos que tenham um sério respeito pela religião natural e, ao mesmo tempo, envidem seus maiores esforços para destruir o crédito desses escritos sagrados, que, como têm sido o meio de levar essas partes do mundo ao conhecimento da religião natural, para que, caso percam sua autoridade sobre as mentes dos homens, devemos, é claro, mergulhar na mesma idolatria que nós vemos praticados por outras nações não iluminadas.

Se uma pessoa, que se esforça da maneira moderna do livre-pensamento, não é um idólatra idiota, é inegável que contribui com tudo o que pode para tornar os outros homens assim, por ignorância ou desígnio; que o coloca sob o dilema, não direi de ser um tolo ou um idiota, mas de incorrer no desprezo ou no desprezo da humanidade.

~

Por: Joseph Addison
The Evidences of the Christian Religion, with Additional Discourses
Disponível em ccel.org

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: