A lei como esperança pela vinda de Cristo

A lei dada, não para confinar o povo antigo a si mesmo, mas para incentivar sua esperança de salvação em Cristo, até o tempo de sua vinda

I. Pela dedução que fizemos, pode-se facilmente deduzir que a lei foi superada cerca de quatrocentos anos após a morte de Abraão, não para desviar a atenção do povo escolhido de Cristo, mas para manter suas mentes esperando por ele. advento, para inflamar seus desejos e confirmar suas expectativas, para que não desanime por tanto tempo. Pela palavra lei, pretendo não apenas o decálogo, que prescreve o governo de uma vida piedosa e justa, mas a forma de religião libertada por Deus pelas mãos de Moisés. Pois Moisés não foi feito legislador para abolir as bênçãos prometidas à semente de Abraão; pelo contrário, o vemos em todas as ocasiões lembrando aos judeus aquela aliança graciosa feita com seus pais, aos quais eram herdeiros; como se o objetivo de sua missão tivesse sido renová-la. Foi claramente manifestado nas cerimônias. Pois o que poderia ser mais vaidoso ou frívolo do que os homens oferecerem o fedor fétido resultante da gordura do gado, a fim de se reconciliarem com Deus? ou recorrer a qualquer aspersão da água ou do sangue, para se purificar da poluição? Em suma, todo o culto legal, se for considerado em si mesmo, e não contiver sombras e figuras de verdades correspondentes, parecerá perfeitamente ridículo. Portanto, não é sem razão que, tanto no discurso de Estevão quanto na Epístola aos Hebreus, essa passagem é tão cuidadosamente declarada, na qual Deus ordena que Moisés faça todas as coisas pertinentes ao tabernáculo “de acordo com o padrão que lhe foi mostrado no monte.” [1] Porque, a menos que houvesse algum desígnio espiritual, ao qual foram direcionados, os judeus teriam trabalhado sem nenhum objetivo nessas observâncias, como os gentios faziam em suas múmias. Homens profanos, que nunca se dedicaram seriamente à busca da piedade, não têm paciência para ouvir esses rituais tão diversos: eles não apenas se perguntam por que Deus deveria cansar seu povo antigo com tanta massa de cerimônias, mas até os desprezam e zombam deles. como pueril e ridículo. Isso decorre da desatenção até o fim das figuras legais, das quais, se essas figuras são separadas, elas devem ser condenadas como vãs e inúteis. Mas o “padrão”, mencionado, mostra que Deus ordenou os sacrifícios, não com o objetivo de ocupar seus adoradores em exercícios terrestres, mas antes de elevar suas mentes a objetos subliminares. Isso também pode ser evidenciado por sua natureza; pois como ele é um Espírito, ele está satisfeito com nada além de adoração espiritual. Testemunhos dessa verdade podem ser encontrados nas inúmeras passagens dos Profetas, nas quais eles reprovam a estupidez dos judeus por suporem que os sacrifícios possuem algum valor real aos olhos de Deus. Eles pretendem derrogar a lei? De modo nenhum; mas, sendo verdadeiros intérpretes, eles projetaram, por esse método, direcionar os olhos das pessoas para o ponto em que a multidão estava vagando. Agora, pela graça oferecida aos judeus, é inferido como uma certa verdade que a lei não era independente de Cristo; pois Moisés mencionou a eles esse fim de sua adoção, para que "pudessem ser para Deus um reino de sacerdotes"; [2] que não poderiam ser alcançados sem uma reconciliação maior e mais excelente do que poderia surgir do sangue de animais. Pois o que é mais improvável do que o fato de que os filhos de Adão, que por contágio hereditário nascem todos escravos do pecado, devem ser exaltados à dignidade real, e assim se tornarem participantes da glória de Deus, a menos que uma bênção eminente proceda de outra pessoa. fonte que eles mesmos? Como também o direito do sacerdócio poderia permanecer entre eles, cuja poluição de cujos crimes os tornavam abomináveis ​​a Deus, a menos que tivessem sido consagrados em uma santa cabeça? Por isso, Pedro faz uma bela aplicação dessa observação de Moisés, sugerindo que a plenitude dessa graça, da qual os judeus desfrutavam de um gosto sob a lei, seja exibida em Cristo. “Vós sois”, diz ele, “uma geração escolhida, um sacerdócio real.” [3] Esta aplicação das palavras tende a mostrar que eles, a quem Cristo apareceu sob o evangelho, obtiveram mais do que seus antepassados; porque todos são investidos de honras sacerdotais e reais, para que, dependendo de seu Mediador, possam se aventurar a entrar ousadamente na presença de Deus.

II. E aqui deve ser observado, a propósito, que o reino, que finalmente foi erigido na família de Davi, faz parte da lei e é composto pelo ministério de Moisés; daí se segue que, tanto na posteridade de Davi quanto em toda a tribo levítica, como em um espelho duplo, Cristo foi exibido à vista de seu povo antigo. Pois, como acabei de observar, era impossível que, na visão divina, fossem reis e sacerdotes, que eram escravos do pecado e da morte, e poluídos por suas próprias corrupções. Daí aparece a verdade da afirmação de Paulo, de que os judeus estavam sujeitos, por assim dizer, à autoridade de um professor de escola, até o advento dessa semente, por cuja causa a promessa foi feita. [4] Por Cristo ainda não ser descoberto familiarmente, eles eram como crianças, cuja imbecilidade ainda não podia suportar o pleno conhecimento das coisas celestiais. Mas como eles foram levados a Cristo pelas cerimônias, já foi declarado e pode ser melhor aprendido com os testemunhos dos Profetas. Pois, embora todos os dias fossem obrigados a se aproximar de Deus com novos sacrifícios, para satisfazê-lo, Isaías lhes promete a expiação de todas as suas transgressões por um único sacrifício, [5] que é confirmado por Daniel. [6] Os sacerdotes escolhidos da tribo de Levi costumavam entrar no santuário; mas, com relação a esse sacerdote, foi dito uma vez, que ele foi divinamente escolhido sob juramento, para ser “sacerdote para sempre após a ordem de Melquisedeque”. [7] Havia, então, uma unção de óleo visível; mas Daniel, em sua visão, prediz uma unção de um tipo diferente. Mas, para não insistir em muitas provas, o autor da Epístola aos Hebreus, do quarto ao décimo primeiro, demonstra de maneira suficientemente abundante e clara que, independentemente de Cristo, todas as cerimônias da lei são inúteis e vãs. . E no que diz respeito ao decálogo, devemos prestar atenção à declaração de Paulo, de que "Cristo é o fim da lei da justiça para todo aquele que crê"; [8] e também que Cristo é o "Espírito", que dá " vida ”para a letra morta. [9] Pois, na passagem anterior, ele significa que a justiça é ensinada em vão pelos preceitos, até que Cristo a conceda tanto por uma imputação gratuita quanto pelo Espírito de regeneração. Portanto, ele justamente denomina Cristo o cumprimento ou o fim da lei; pois não devemos tirar proveito do conhecimento do que Deus exige de nós, a menos que tenhamos sido socorridos por Cristo quando trabalhamos e oprimidos sob seu jugo e carga intolerável. Em outro lugar, ele afirma que "a lei foi adicionada por causa de transgressões" [10], isto é, para humilhar os homens, convencendo-os de serem as causas de sua própria condenação. Agora, sendo esta a verdadeira e única preparação para buscar a Cristo, as várias declarações que ele faz estão em perfeita harmonia entre si. Mas como ele se envolveu em uma controvérsia com professores errôneos, que fingiram que merecemos a justiça pelas obras da lei - para refutar o erro deles, ele às vezes era obrigado a usar o termo lei em um sentido mais restrito, como meramente preceptivo, embora de outra forma estivesse relacionado ao pacto da adoção gratuita.

III. Mas é digno de uma pequena indagação a forma como somos tornados mais indesculpáveis ​​pelas instruções da lei moral, a fim de que um sentimento de nossa culpa possa nos excitar a pedir perdão. Se é verdade que a lei mostra perfeição da justiça, segue-se também que a observação completa dela é aos olhos de Deus uma justiça perfeita, na qual um homem seria estimado e reputado justo no tribunal do céu. Portanto, Moisés, quando promulgou a lei, hesitou em não "chamar o céu e a terra para registrar" [11] que ele havia proposto aos israelitas vida e morte, bem e mal. Também não podemos negar que a recompensa da vida eterna aguarda uma obediência justa à lei, de acordo com a promessa divina. Mas, por outro lado, é apropriado examinar se cumprimos essa obediência, cujo mérito pode garantir nossa expectativa confiante dessa recompensa. Por quão sem importância é, descobrir que a recompensa da vida eterna depende da observância da lei, a menos que também determinemos se é possível chegarmos à vida eterna dessa maneira! Mas neste ponto a fraqueza da lei é manifesta. Pois, como nenhum de nós observa a lei, somos excluídos das promessas da vida e caímos completamente sob a maldição. Agora estou mostrando, não apenas o que acontece, mas o que necessariamente deve acontecer. Por a doutrina da lei estar muito acima da capacidade humana, o homem pode ver as promessas, de fato, à distância, mas não pode colher frutos delas. Resta somente a ele, da bondade deles, formar uma estimativa mais verdadeira de sua própria miséria, enquanto ele reflete que toda a esperança de salvação está cortada e que ele está em perigo iminente de morte. Por outro lado, somos instados com terríveis sanções, que vinculam não apenas alguns de nós, mas todos os indivíduos da humanidade; eles pedem, eu digo, e nos perseguem com rigor inexorável, para que na lei nada vejamos além da morte presente.

IV. Portanto, se direcionarmos nossos pontos de vista exclusivamente para a lei, os efeitos em nossas mentes serão apenas desânimo, confusão e desespero, pois condenam e amaldiçoam a todos nós e nos mantêm afastados da bem-aventurança que ela propõe aos que a observam. . O Senhor, então, você dirá que, neste caso, nada mais do que zombar de nós? Quão pouco difere da zombaria, exibir uma esperança de felicidade, convidá-la e exortá-la, declarar que está pronta para nossa recepção, enquanto o caminho para ela é fechado e inacessível! Eu respondo, embora as promessas da lei, sendo condicionais, dependam de uma perfeita obediência à lei, que não pode ser encontrada em nenhum lugar, mas elas não foram dadas em vão. Pois quando tivermos aprendido que eles serão vaidosos e ineficazes para nós, a menos que Deus nos abraça com sua bondade gratuita, sem levar em conta nossas obras, e a menos que também tenhamos abraçado pela fé essa bondade, como exibida a nós no evangelho, - essas promessas não perdem seu uso, mesmo com a condição anexa a elas. Pois então ele gratuitamente nos confere tudo, de modo que acrescenta isso também ao número de seus favores, que não rejeitando nossa obediência imperfeita, mas perdoando suas deficiências, ele nos dá para desfrutar o benefício das promessas legais, como se nós mesmos cumprimos a condição. Mas, como discutiremos mais completamente essa questão quando tratarmos da justificação da fé, não a aprofundaremos no momento.

V. Nossa afirmação, respeitando a impossibilidade de observar a lei, deve ser brevemente explicada e comprovada; pois geralmente é considerado um sentimento muito absurdo, para que Jerome não tenha escrúpulo em denunciá-lo como amaldiçoado. Qual era a opinião de Jerônimo, eu não considero; vamos perguntar o que é verdade. Não entrarei aqui em uma longa discussão sobre as várias espécies de possibilidade; Eu chamo isso de impossível que nunca aconteceu ainda, e que é impedido pela ordenação e decreto de Deus de acontecer no futuro. Se investigarmos desde o período mais remoto da antiguidade, afirmo que nunca existiu um santo que, cercado de um corpo de morte, pudesse alcançar tanto grau de amor, como amar a Deus de todo o coração, de todo o coração. alma e com toda a mente; e, além disso, que nunca houve alguém que não fosse alvo de algum desejo desordenado. Quem pode negar isso? Eu sei, de fato, que tipo de santos a loucura da superstição imagina para si mesma, como quase supera até os anjos do céu em pureza; mas tal imaginação é repugnante tanto para as Escrituras quanto para os ditames da experiência. Afirmo também que nenhum homem, que existirá no futuro, alcançará o padrão da verdadeira perfeição, a menos que seja libertado do fardo do corpo. Isso é estabelecido por testemunhos claros das Escrituras: Salomão diz: “Não há homem justo na terra que faça o bem e não peque”. [12] Davi; "À tua vista, nenhum homem vivo será justificado." [13] Jó, em muitas passagens, afirma a mesma coisa; [14] mas Paulo claramente: "a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne". [15] Ele também não prova que "todas as obras da lei estão amaldiçoadas" por qualquer outro motivo, mas porque "está escrito, amaldiçoado é todo aquele que não permanece em todas as coisas que estão escritas em o livro da lei para fazê-las;” [16] evidentemente sugerindo, e até mesmo dando como certo, que ninguém pode continuar neles. Agora, o que quer que seja predito nas Escrituras, deve ser considerado perpétuo e até necessário. Com uma falácia semelhante, Agostinho costumava ser provocado pelos pelagianos, que sustentavam que isso é um ferimento a Deus, ao dizer que ele ordena mais do que os fiéis por sua graça são capazes de realizar. Para evitar a desgraça deles, ele admitiu que o Senhor poderia, se quisesse, exaltar um homem mortal à pureza dos anjos; mas que ele nunca o havia feito, nem o faria, porque havia declarado o contrário nas Escrituras. [17] Isso eu não nego; mas acrescento que é absurdo contestar a respeito do poder de Deus, em oposição à sua veracidade; e que, portanto, não oferece espaço para espeleologia, quando alguém afirma que isso é impossível, o que as Escrituras declaram que nunca acontecerá. Mas se a disputa é sobre o termo, o Senhor, em resposta a uma pergunta de seus discípulos, “Quem, então, pode ser salvo?” Diz: “Para os homens isso é impossível; mas com Deus todas as coisas são possíveis. ”[18] Agostinho sustenta, com um argumento muito poderoso, que nesta carne nunca damos a Deus o amor legítimo que lhe devemos. “O amor”, diz ele, “é um efeito do conhecimento, de modo que nenhum homem pode amar perfeitamente a Deus, que primeiro não tem um conhecimento completo de sua bondade. Durante nossa peregrinação neste mundo, vemos através de um meio obscuro; a conseqüência disso, então, é que nosso amor é imperfeito. ”Portanto, deve ser admitido sem controvérsia, que é impossível nesse estado carnal cumprir a lei, se considerarmos a impotência de nossa natureza, como em outros lugares também será provado por Paulo. [19]

VI Mas, para uma melhor elucidação do assunto, declaremos, em uma ordem generosa, o ofício e o uso do que é chamado de lei moral. Está contido, até onde eu entendo, nesses três pontos. A primeira é que, enquanto descobre a justiça de Deus, ou seja, a única justiça que é aceitável a Deus, adverte cada um de sua própria injustiça, coloca-a além de qualquer dúvida, convence e o condena. Pois é necessário que o homem, cego e embriagado pelo amor próprio, seja assim levado a um conhecimento de si mesmo e a uma confissão de sua própria imbecilidade e impureza. Desde que, a menos que sua vaidade seja evidentemente reprovada, ele é inflado com uma confiança tola em sua força, e nunca pode ser levado a perceber sua fraqueza, desde que a mede pela regra de sua própria fantasia. Mas assim que ele começa a compará-lo com a dificuldade da lei, ele encontra imediatamente sua insolência e orgulho. Por quão grande seja sua opinião preconcebida, ele percebe imediatamente ofegar sob uma carga tão pesada, depois cambalear e, finalmente, cair. Assim, sendo instruído sob as instruções da lei, ele deixa de lado a arrogância com a qual ele estava cego anteriormente. Ele também deve ser curado da outra doença, do orgulho, com a qual, como observamos, ele é afligido. Desde que ele possa permanecer em seu próprio julgamento, ele substitui a hipocrisia em vez da justiça; contente com o qual, ele se levanta com o que não sei quais pretensas justas, em oposição à graça de Deus. Mas quando ele é obrigado a examinar sua vida de acordo com as regras da lei, ele não mais presume sua justiça falsificada, mas percebe que está a uma distância infinita da santidade; e também que ele está repleto de inúmeros vícios, dos quais antes ele supunha ser puro. Pois os males da concupiscência estão ocultos em recantos tão profundos e intrincados, que facilmente escapam à visão do homem. E não é sem motivo que o apóstolo diz: "Eu não conhecia a luxúria, exceto que a lei havia dito: Não cobiçarás"; [20] porque, a menos que seja despojado de seus disfarces, e levado a luz pela lei, destrói o homem infeliz de maneira tão secreta, que ele não percebe seu dardo fatal.

VII. Assim, a lei é como um espelho, no qual contemplamos, primeiro, nossa impotência; segundo, a nossa iniquidade, que dela procede; e, finalmente, a conseqüência de ambos, a nossa antipatia pela maldição; assim como um espelho representa para nós os pontos em nosso rosto. Pois quando um homem é destituído de poder para praticar a justiça, ele deve necessariamente cair nos hábitos do pecado. E o pecado é imediatamente seguido pela maldição. Portanto, quanto maior a transgressão que a lei nos convence, mais severo é o julgamento com o qual ela nos condena. Isso resulta da observação do apóstolo, que "pela lei é o conhecimento do pecado". [21] Pois ele fala apenas do primeiro ofício da lei, que é experimentado em pecadores ainda não regenerados. O mesmo sentimento é transmitido nas seguintes passagens: que “a lei entrou, para que a ofensa pudesse abundar”; [22] e que é, portanto, “o ministério da morte que opera a ira e mata”. [23] Sem dúvida, a iniquidade aumenta cada vez mais, proporcionalmente à clareza desse sentimento de pecado que atinge a consciência; porque à transgressão da lei, há então maior teimosia contra o legislador. Resta, portanto, que a lei arme a ira divina contra o pecador; por si só, só pode acusar, condenar e destruir. E, como diz Agostinho, se não temos o Espírito da graça, a lei serve apenas para condenar e matar-nos. Mas essa afirmação não reflete desonra à lei, nem derroga sua excelência. Certamente, se nossa vontade estivesse totalmente em conformidade com a lei e disposta a obedecê-la, o mero conhecimento dela seria evidentemente suficiente para a salvação. Mas como nossa natureza carnal e corrupta está em um estado de hostilidade contra a espiritualidade da lei Divina, e não é alterada por sua disciplina, segue-se que a lei, que foi dada para a salvação, se pudesse ter encontrado a atenção adequada, se torna um ocasião de pecado e morte. Pois, como todos somos condenados por transgredi-la, mais claramente mostra a justiça de Deus; assim, pelo contrário, mais detecta nossa iniquidade e mais certamente confirma a recompensa de vida e salvação reservada aos justos. , tanto mais certo ele torna a perdição dos iníquos. Essas expressões, portanto, estão tão longe de serem desonrosas para a lei, que servem de maneira mais ilustrativa para recomendar a bondade divina. Pois, portanto, parece realmente que nossa iniquidade e depravação nos impedem de desfrutar da vida abençoada que é revelada a todos os homens na lei. Portanto, a graça de Deus, que nos socorre sem a assistência da lei, se torna mais doce; e sua misericórdia, que a confere a nós, mais amável; pelo qual aprendemos que ele nunca se cansa de repetir suas bênçãos e de nos carregar com novos favores.

VIII. Mas, embora a iniquidade e a condenação de todos nós sejam confirmadas pelo testemunho da lei, isso não é feito (pelo menos se tivermos o lucro adequado) para nos fazer afundar no desespero e cair sobre o precipício do desânimo. É verdade que os iníquos ficam confusos com isso, mas isso é ocasionado pela obstinação de seus corações. Com os filhos de Deus, suas instruções devem terminar de uma maneira diferente. De fato, o apóstolo declara que todos somos condenados pela sentença da lei, "que toda boca pode ser parada e todo o mundo se tornar culpado diante de Deus". [24] No entanto, o mesmo apóstolo em outros lugares nos informa que “Deus tem concluíram todos eles na incredulidade ", não para que ele destrua ou permita que todos pereçam, mas" para que ele tenha misericórdia de todos"; [25] isto é, que deixando sua opinião tola de sua própria força, eles podem saber que permaneça e seja sustentado apenas pelo poder de Deus; estando nus e indigentes, eles podem recorrer à sua misericórdia, reclinam-se inteiramente nela, escondem-se inteiramente nela, e a abraçam sozinhos por justiça e méritos, uma vez que é oferecido em Cristo a todos os que com verdadeira fé a imploram e espere. Pois nos preceitos da lei, Deus aparece apenas, por um lado, como recompensador da perfeita justiça, da qual todos somos destituídos; e, por outro, como juiz severo das transgressões. Mas em Cristo, seu rosto brilha com uma plenitude de graça e leniência, mesmo para pecadores miseráveis ​​e indignos.

IX Ao fazer uso da lei para implorar a assistência de Deus, Agostinho trata frequentemente; como quando ele escreve para Hilário: “A lei ordena, para que, se esforçando para executá-las e se cansando de nossa enfermidade sob a lei, possamos aprender a orar pela ajuda da graça.” Também para Asellius: “ a utilidade da lei é convencer o homem de sua própria enfermidade e obrigá-lo a orar pelo gracioso remédio fornecido em Cristo. ”Também a Innocentius Romanus:“ A lei ordena: a graça fornece força para a performance. ”Novamente, para Valentine : “Deus ordena o que não podemos realizar, para que possamos saber por que bênçãos devemos suplicá-lo.” Novamente: “A lei foi dada para condená-lo; que, sendo condenado, você pode temer, ter medo de orar por perdão, e não presumir por sua própria força. ”Novamente:“ O fim pelo qual a lei foi dada era diminuir o que era grande, demonstrar que você tem de você mesmo não tem capacidade de fazer justiça, para que, sendo pobre, indigente e indigente, possa recorrer à graça para obter alívio. ”Depois, ele se dirige a Deus:“ Assim faça, ó Senhor! assim faz, ó misericordioso Senhor! ordena o que não pode ser realizado; ordena mesmo o que não pode ser realizado sem a tua graça: que quando os homens não puderem executá-lo com sua própria força, toda boca poderá ser parada, e nenhum homem parecer grande em sua própria opinião. Que todos os homens sejam maus e que todo o mundo se prove culpado diante de Deus. ”Mas eu não sou sábio em reunir tantos testemunhos, quando este homem santo escreveu um tratado expressamente sobre esse assunto, que ele intitulou De Spiritu et Litera (Sobre o Espírito e a Letra). O segundo uso da lei que ele não descreve tão claramente, seja porque ele sabia que depende da primeira, ou porque ele não a entendia completamente, ou porque ele queria palavras para explicá-la com distinção e perspicácia adequada às suas idéias disso. No entanto, esse primeiro ofício da lei não se limita aos piedosos, mas se estende também aos réprobos. Pois embora eles não avancem, com os filhos de Deus, até que, após a mortificação da carne, sejam renovados e floresçam novamente no homem interior, mas, confundidos com os primeiros horrores da consciência, permaneçam em desespero. , ainda assim, eles contribuem para manifestar a equidade do julgamento divino, por suas consciências serem agitadas com emoções tão violentas. Pois eles estão sempre desejosos de se esquivar do julgamento de Deus; mas agora, embora ainda não esteja manifestado, eles estão, no entanto, tão confusos com o testemunho da lei e de sua própria consciência, que traem em si mesmos o que mereceram.

X. O segundo cargo da lei é fazer com que aqueles que, a menos que sejam constrangidos, não se preocupem com a justiça e a retidão, quando ouvem suas terríveis sanções, sejam pelo menos reprimidos pelo medo de suas sanções. E eles são reprimidos, não porque isso influencie ou afete internamente suas mentes, mas porque, sendo acorrentados, por assim dizer, abstêm-se de atos externos e reprimem sua depravação dentro deles, que de outra forma eles teriam descaradamente libertado. Isso os torna nem melhores nem mais justos na visão divina. Pois, embora sejam impedidos pelo medo ou pela vergonha, eles não ousam executar o que suas mentes inventaram, nem descobrem abertamente a fúria de suas paixões, mas seus corações não estão dispostos a temer e obedecer a Deus; e quanto mais eles se reprimem, mais violentamente ficam inflamados por dentro; eles fermentam, fervem, prontos para irromper em atos externos, se não forem impedidos por esse pavor da lei. E não apenas isso, eles também odeiam inveteradamente a própria lei e execram a Deus, o legislador, de modo que, se pudessem, desejariam aniquilar aquele a quem não podem suportar, seja mandando o que é certo ou punindo os desprezadores. de sua majestade. Em alguns, de fato, esse estado de espírito é mais evidente, em outros mais ocultos; mas é realmente o caso de todos os que ainda não são regenerados, que são induzidos a cumprir a lei, não por uma submissão voluntária, mas com relutância e resistência, apenas pela violência do medo. Porém, essa justiça restrita e extorquida é necessária à comunidade, cuja tranquilidade pública é providenciada por Deus nesse caso, enquanto ele evita que todas as coisas sejam envolvidas em confusão, o que certamente seria o caso, se todos os homens tivessem permissão de perseguir seus direitos. próprias inclinações. Além disso, é útil até para os filhos de Deus, ser exercido por sua disciplina antes de sua vocação, enquanto eles são destituídos do Espírito de santificação e são absorvidos na loucura carnal. Pois quando o pavor da vingança divina os impede mesmo da licenciosidade externa, embora suas mentes ainda não sejam subjugadas, elas fazem apenas um lento progresso no momento, mas, de certa forma, estão acostumadas a suportar o jugo da justiça; de modo que, quando são chamados, podem não estar totalmente acostumados à sua disciplina, como algo totalmente desconhecido. A este cargo da lei, o apóstolo parece ter mencionado, quando diz, “que a lei não é feita para um homem justo, mas para os sem lei e desobedientes; para os ímpios e para os pecadores; para profano e profano; para assassinos de pais e assassinos de mães; para os homicidas, para os delinquentes, para os que se contaminam com a humanidade, para os ladrões de homens, para os mentirosos, para as pessoas que juraram falsamente, e se existe algo que seja contrário à sã doutrina.” [26] Pois ele aqui significa que é restringe a violência dos desejos carnais, que de outro modo se entregariam à licenciosidade mais ilimitada.

XI. Mas podemos aplicar a ambos o que ele afirma em outro lugar: que para os judeus "a lei era um professor para trazê-los a Cristo"; [27] porque existem dois tipos de pessoas que são levadas a Cristo por sua disciplina. Alguns, a quem mencionamos em primeiro lugar, por muita confiança em sua própria força ou em sua própria justiça, são inadequados para receber a graça de Cristo, até que tenham sido despojados de tudo. A lei, portanto, reduz-os à humildade pelo conhecimento de sua própria miséria, para que assim possam estar preparados para orar por aquilo que antes eles supunham não serem destituídos. Outros precisam de um freio para impedi-los, para que não se abandonem à licenciosidade carnal, a ponto de se afastarem totalmente de toda prática de justiça. Pois onde o Espírito ainda não reina, às vezes há uma ebulição tão violenta das paixões, que ocasiona um grande perigo de a alma que está sob sua influência ser engolida pelo esquecimento e pelo desprezo por Deus; o que certamente seria o caso, se o Senhor não fornecesse esse remédio contra ele. Aqueles, portanto, a quem ele destinou à herança de seu reino, se ele não os regenerar imediatamente, ele fica com medo pelas obras da lei até o momento de sua visitação; não aquele medo puro e puro que deve ser sentido por seus filhos, mas um medo que, no entanto, é útil para treiná-los, de acordo com sua capacidade, à verdadeira piedade. Disto temos tantas provas, que não há necessidade de apresentar nenhum exemplo. Pois todos os que viveram por um tempo considerável na ignorância de Deus confessaram que foi sua experiência, que foram constrangidos pela lei a um certo tipo de medo e reverência de Deus, até que, sendo regenerados por seu Espírito, começaram amá-lo de seus corações.

XII. O terceiro uso da lei, que é o principal, e que está mais próximo do fim apropriado, refere-se aos fiéis, em cujos corações o Espírito de Deus já vive e reina. Pois, embora a lei seja inscrita e gravada em seus corações pelo dedo de Deus, isto é, embora eles sejam tão excitados e animados pela direção do Espírito, que desejam obedecer a Deus, eles tiram uma vantagem dupla de a lei. Pois eles acham um excelente instrumento dar-lhes, dia após dia, um entendimento melhor e mais certo da vontade divina à qual aspiram, e confirmá-los no conhecimento dela. Como, embora um servo já seja influenciado pelo desejo mais forte de obter a aprovação de seu mestre, é necessário que ele indague cuidadosamente e observe as ordens de seu mestre, a fim de se conformar a elas. Nem qualquer um de nós se exime dessa necessidade; pois nenhum homem já adquiriu tanta sabedoria que não poderia, pela instrução diária da lei, fazer novos avanços em um conhecimento mais puro da vontade divina. Em segundo lugar, como precisamos não apenas de instruções, mas também de exortação, o servo de Deus obterá essa vantagem adicional da lei; por meditação frequente, ele ficará entusiasmado com a obediência, será confirmado nela e impedido de seguir o caminho escorregadio da transgressão. Pois, dessa maneira, os santos devem se estimular, porque, com qualquer entusiasmo que trabalhem pela justiça de Deus segundo o Espírito, eles sempre estão sobrecarregados com a indolência da carne, o que impede que eles procedam com a devida prontidão. Para essa carne, a lei serve como chicote, incitando-a, como um animal aborrecido e tardio, a avançar para sua obra; e mesmo para o homem espiritual, que ainda não está liberto do peso da carne, será um estímulo perpétuo, que não permitirá que ele se demore. Davi se referiu a esse uso da lei, quando a celebrou em lugares notáveis ​​como estes: “A lei do Senhor é perfeita, convertendo a alma: os estatutos do Senhor são corretos, regozijando o coração: o mandamento do Senhor é puro, ilumina os olhos ”etc. [28] Novamente:“ Tua palavra é uma lâmpada para os meus pés, e uma luz para o meu caminho;” [29] e muitos outros, que ele introduz em todas as partes deste salmo. Tampouco essas afirmações são repugnantes às de Paulo, nas quais ele mostra, não que serviço a lei presta aos regenerados, mas o que ela pode conceder ao homem apenas por si; enquanto o salmista nessas passagens celebra a grande vantagem derivada, através do ensino divino, da leitura da lei, por aqueles a quem Deus inspira com uma prontidão interior de obediência. E ele adverte não apenas os preceitos, mas também a promessa de graça anexada ao desempenho deles, que por si só faz com que aquilo que é amargo se torne doce. Pois o que seria menos amável do que a lei, se por demandas e ameaças ele apenas afligia a mente com medo e a assediava com terror? Mas Davi mostra particularmente que, na lei, ele descobriu o Mediador, sem o qual não há nada agradável ou agradável.

XIII. Alguns homens inábeis, incapazes de discernir essa distinção, explodem precipitadamente Moisés por completo e descartam as duas tábuas da lei; porque consideram impróprio para os cristãos aderirem a uma doutrina que contém a administração da morte. Longe de nós, essa opinião profana; pois Moisés nos ensinou abundantemente que a lei, que nos pecadores só pode produzir a morte, deveria ter um uso melhor e mais excelente nos santos. Pois, pouco antes de sua morte, ele se dirigiu assim ao povo: “Põe seu coração em todas as palavras que hoje testifico entre vós hoje, as quais ordenareis que vossos filhos observem, para fazer todas as palavras desta lei. Pois não é uma coisa vã para você; porque é a sua vida.” [30] Mas se ninguém pode negar que a lei exibe um modelo perfeito de justiça, não devemos ter regras para uma vida justa e justa, ou é criminoso nos desviarmos dela. . Pois não existem muitas regras de vida, mas uma, que é perpetuamente e imutavelmente a mesma. Portanto, quando Davi representa a vida de um homem justo como gasta em contínuas meditações sobre a lei, [31] não devemos encaminhá-la apenas a um período de tempo, porque é muito adequado para todas as idades, até o fim do mundo. Portanto, não sejamos dissuadidos, nem fugamos de suas instruções, porque prescreve uma santidade muito mais completa do que alcançaremos, enquanto permanecermos na prisão do corpo. Pois ele não exerce mais sobre nós a parte de um rigor rigoroso, apenas para ser satisfeito pelo desempenho perfeito de toda injunção; mas nessa perfeição, para a qual nos exorta, mostra-nos uma meta, uma meta que, durante toda a nossa vida, seria igualmente propícia ao nosso interesse e consistente com o nosso dever; em que tentativa é feliz por nós se não falharmos. Pois toda essa vida é um curso que, quando tivermos completado, o Senhor nos concederá alcançar esse objetivo, para o qual, a uma distância tão grande, nossos esforços são agora vigorosamente direcionados.

XIV. Agora, porque a lei, em relação aos fiéis, tem a força de uma exortação, não para prender suas consciências com uma maldição, mas por suas frequentes advertências para despertar sua indolência e reprovar sua imperfeição - muitas pessoas, quando planejam para expressar essa libertação de sua maldição, diga que a lei (ainda falo da lei moral) é revogada aos fiéis; não que não exija mais deles o que é certo, mas apenas que deixe de lhes ser o que era antes, não mais aterrorizando e confundindo suas consciências, condenando-as e destruindo-as. E essa revogação da lei é claramente ensinada por Paulo. Parece também ter sido pregado por nosso Senhor, já que ele não teria refutado a opinião sobre a abolição da lei, a menos que ela tivesse prevalecido entre os judeus. Agora, como essa opinião não poderia prevalecer sem nenhum pretexto, é provável que ela tenha procedido de uma falsa interpretação de sua doutrina; da mesma maneira que quase todos os erros geralmente tiram alguma cor da verdade. Mas, para que não caíssemos no mesmo erro, vamos distinguir com precisão o que é revogado na lei e o que ainda permanece em vigor. Quando o Senhor declara que ele veio “não para destruir a lei, mas para cumpri-la”, e que “até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til deve de maneira alguma passar da lei, até que tudo seja cumprido”. [32] ele prova suficientemente que seu advento nada prejudicaria a observância da lei. E com razão suficiente, já que o fim expresso de seu advento foi curar as transgressões dele. A doutrina da lei permanece, portanto, através de Cristo, inviolável; que, por instrução, repreensão, correção e correção, forma e nos prepara para todo bom trabalho.

XV. As afirmações de Paulo respeitando a revogação da lei evidentemente se relacionam, não com a própria instrução, mas com o poder de vincular a consciência. Pois a lei não apenas ensina, mas requer autoridade, obediência aos seus mandamentos. Se essa obediência não é cedida, e mesmo se houver uma deficiência parcial de dever, ela lança o raio de sua maldição. Por essa razão, o apóstolo diz que “todas as obras da lei estão sob a maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não continuar em todas as coisas.” [33] Agora, ele afirma que aqueles são“ das obras da lei ”, que não colocam sua justiça na remissão de pecados, pela qual nós são liberados do rigor da lei. Ele nos ensina, portanto, que devemos ser libertados da escravidão da lei, a menos que perecemos na miséria sob ela. Mas que escravidão? o cativeiro dessa austera e rígida exação, que nada retira de seus mais estritos requisitos e não permite que nenhuma transgressão passe impunemente; Eu digo que Cristo, para nos redimir desta maldição, foi “feito uma maldição por nós. Pois está escrito: Maldito todo aquele que se pendura na árvore.” [34] No capítulo seguinte, de fato, ele nos diz que Cristo foi“ feito debaixo da lei, para resgatar os que estavam debaixo da lei ”; no mesmo sentido; pois ele acrescenta imediatamente: "para que possamos receber a adoção de filhos". [35] O que é isso? para que não sejamos oprimidos com uma servidão perpétua, que manteria nossas consciências em contínua angústia com o pavor da morte. Ao mesmo tempo, essa verdade permanece para sempre inabalável, que a lei não diminuiu sua autoridade, mas deve sempre receber de nós a mesma veneração e obediência.

XVI. O caso das cerimônias, que foram revogadas, não quanto ao seu efeito, mas apenas quanto ao seu uso, é muito diferente. O fato de terem sido abolidos pelo advento de Cristo está tão longe de derrogar sua santidade, que o recomenda e o torna mais ilustre. Pois, como eles devem ter exibido para o povo, nos tempos antigos, um espetáculo vã, a menos que eles descobrissem a virtude da morte e ressurreição de Cristo, então, se eles não tivessem cessado, deveríamos, na era atual, ter sido incapaz de discernir para que finalidade eles foram instituídos. Para provar, portanto, que a observância deles não é apenas desnecessária, mas também prejudicial, Paulo nos ensina que elas eram sombras, cujo corpo temos em Cristo. [36] Vemos, então, que a verdade brilha com maior esplendor em sua abolição, do que se eles ainda continuassem a dar uma representação distante e obscura de Cristo, que apareceu abertamente. Por esse motivo, na morte de Cristo, "o véu do templo foi rasgado em dois, de alto a baixo"; [37] porque, segundo o autor da Epístola aos Hebreus, a imagem viva e expressa de as bênçãos celestiais, que antes eram esboçadas apenas em linhas obscuras, agora eram claramente reveladas. A mesma verdade é transmitida na declaração de Cristo, que “a lei e os profetas foram até João; desde aquela época o reino de Deus é pregado.” [38] Não que os santos pais tenham sido destituídos daquela pregação que contém a esperança da salvação e da vida eterna, mas porque eles viam apenas à distância e sob sombras, o que agora contemplamos em dia aberto. Mas a razão pela qual era necessário que a Igreja de Deus ascendesse desses rudimentos a alturas subliminares é explicada por João Batista: "a lei foi dada por Moisés, mas a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo". [39] Pois, embora a expiação do pecado tenha sido verdadeiramente prometida nos sacrifícios antigos, e a arca da aliança fosse uma certa promessa do favor paterno de Deus, tudo isso teria sido meras sombras, se não tivessem sido fundadas na graça de Cristo, onde somente nós podemos encontrar estabilidade verdadeira e eterna. Vamos manter firmemente, então, que, embora os ritos legais tenham deixado de ser observados, sua própria descontinuidade nos dá um melhor conhecimento de sua grande utilidade antes do advento de Cristo, que, abolindo a observância deles, confirmou sua virtude e eficácia em sua morte.

XVII. O raciocínio de Paulo é acompanhado com mais dificuldade: “E você, morto em seus pecados, e na incircuncisão de sua carne, ele se apressou com ele, tendo perdoado todas as suas transgressões; apagando a escrita à mão das ordenanças que eram contra nós, que eram contrárias a nós, e as tiraram do caminho, pregando-a na sua cruz ”, etc. [40] Pois parece estender um pouco a abolição da lei além disso, como se agora não tivéssemos preocupação com suas “ordenanças”. Pois elas estão em um erro que a entendem simplesmente da lei moral, cuja abolição elas, no entanto, explicam como relacionadas à sua inexorável severidade, e não à sua preceitos. Outros, considerando de maneira mais aguda e cuidadosa as palavras de Paulo, percebem que elas pertencem particularmente à lei cerimonial; e prove que a palavra “ordenanças” é mais de uma vez usada por Paulo nessa significação. Pois ele se expressa assim aos efésios: “Ele é a nossa paz, que criou os dois; tendo abolido a lei dos mandamentos contidos nas ordenanças; pois fazer de si mesmo um homem novo.” [41] Que ele ali fala das cerimônias, é muito evidente; pois ele chama a lei de "muro do meio da divisória", pelo qual os judeus foram separados dos gentios. Portanto, permito que os ex-comentaristas sejam justamente censurados por eles; mas mesmo estes não me parecem claramente explicar o significado do apóstolo. Pois comparar essas duas passagens como em todos os aspectos semelhantes é o que eu de modo algum aprovo. Quando ele pretende garantir aos efésios sua admissão em comunhão com os israelitas, ele os informa que o impedimento que antes o impedia foi removido. Isso consistia em cerimônias. Pois os ritos de abluções e sacrifícios, pelos quais os judeus foram consagrados ao Senhor, causaram uma separação entre eles e os gentios. Mas na Epístola aos Colossenses, ele trata de um mistério subliminar. A controvérsia ali se refere às observâncias mosaicas, às quais os falsos apóstolos tentavam arduamente sujeitar os cristãos. Mas, como na Epístola aos Gálatas, ele vai ao fundo dessa controvérsia e a reduz à sua fonte, assim também neste lugar. Pois se nos ritos você contempla nada além da necessidade de realizá-los, com que propósito eles foram chamados de “escrita à mão que era contra nós”? e quase toda a nossa redenção consistiu em ser "apagada?". Portanto, é evidente que aqui há algo a ser considerado além das cerimônias externas. E estou convencido de que descobri o significado genuíno, pelo menos se isso me for concedido como uma verdade, que Agostinho em algum lugar realmente afirma, e que ele até mesmo emprestou das expressões positivas de um apóstolo, [42] que em nas cerimônias judaicas havia mais uma confissão de pecados do que uma expiação deles. Pois o que eles fizeram ao oferecer sacrifícios, mas confessaram-se dignos da morte, uma vez que substituíram as vítimas para serem mortas em seu lugar? Quais foram suas purificações, exceto confissões de que eles próprios eram impuros? Assim, a escrita manual de seus pecados e impurezas era frequentemente renovada por eles; mas essa confissão não proporcionou libertação. Por essa razão, o apóstolo diz que a morte de Cristo efetuou "a redenção das transgressões que estavam sob o primeiro testamento". [43] O apóstolo, portanto, justamente denomina as cerimônias como "uma escrita manual contra aqueles que as observam"; porque por eles eles publicamente atestaram sua condenação e impureza. Tampouco surge qualquer objeção por terem participado da mesma graça conosco. Por isso eles obtiveram em Cristo, não nas cerimônias que o Apóstolo ali distingue de Cristo; por serem praticados naquele tempo após a introdução do evangelho, obscureceram a glória de Cristo. Concluímos, então, que as cerimônias, consideradas por si mesmas, são lindamente e apropriadamente chamadas de “escrita à mão que era contra” a salvação dos homens; porque eram instrumentos solenes que testemunhavam sua culpa. Quando os falsos apóstolos desejavam trazer a Igreja de volta à observância deles, o apóstolo investigou profundamente sua significação, e muito justamente advertiu os colossenses em que circunstâncias eles recidivariam, caso se permitissem ser escravizados por eles. Pois eles seriam ao mesmo tempo privados do benefício de Cristo; desde que, pela eterna expiação que ele efetuou, ele aboliu aquelas observâncias diárias, que só podiam atestar seus pecados, mas nunca poderiam cancelá-los.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Atos 7. 44. Hebreus 8. 5. Êxodo 25. 40.
[2] Êxodo 19. 6.
[3] 1 Pedro 2. 9.
[4] Gálatas 3. 24.
[5] Isaías 53. 5, etc.
[6] Daniel 9. 26, etc.
[7] Salmo 110. 4.
[8] Romanos 10. 4.
[9] 2 Coríntios 3. 17.
[10] Gálatas 3. 19.
[11] Deuteronômio 30. 15, 19.
[12] Eclesiastes 7. 20.
[13] Salmo 143. 2.
[14] Jó 4. 17; 9. 2; 15. 14; 25. 4.
[15] Gálatas 5. 17.
[16] Gálatas 3. 10.
[17] Lib. de Nat. et Grat.
[18] Mateus19. 25, 26.
[19] Romanos 8. 3, etc.
[20] Romanos 7. 7.
[21] Romanos 3. 20.
[22] Romanos 5. 20.
[23] 2 Coríntios 3. 7. Romanos 4. 15.
[24] Romanos 3. 19.
[25] Romanos 11. 32.
[26] 1 Timóteo 1. 9, 10.
[27] Gálatas 3. 24.
[28] Salmo 19. 7, 8.
[29] Salmo 119. 105.
[30] Deuteronômio 32. 46, 47.
[31] Salmo 1. 2.
[32] Mateus 5. 17, 18.
[33] Gálatas 3. 10.
[34] Gálatas 3. 13.
[35] Gálatas 4. 4, 5.
[36] Colossenses 2. 17.
[37] Mateus 27. 51.
[38] Lucas 16. 16.
[39] João 1. 17.
[40] Colossenses 2. 13, 14.
[41] Efésios 2. 14, 15.
[42] Hebreus 10. 3-14.
[43] Hebreus 9. 15.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: