A operação de Deus no coração dos homens

I. Compreendo agora que foi suficientemente provado que o homem é tão escravizado pelo pecado, que é de sua própria natureza incapaz de um esforço, ou mesmo de uma aspiração, em direção ao que é bom. Nós também estabelecemos uma distinção entre coação e necessidade, da qual parece que, embora ele peca necessariamente, ele ainda assim peca voluntariamente. Mas desde que, enquanto ele é dedicado à servidão do diabo, ele parece ser acionado por sua vontade, ao invés de por sua própria vontade, resta para nós explicar a natureza de ambos os tipos de influência. Há também esta questão a ser resolvida, se alguma coisa deve ser atribuída a Deus em ações más, em que a Escritura sugere que alguma influência dele está em causa. Agostinho em algum lugar compara a vontade humana a um cavalo, obediente à direção de seu cavaleiro; e Deus e o diabo ele compara aos cavaleiros. “Se Deus o montar, ele, como um cavaleiro sóbrio e hábil, o administrará de maneira graciosa; estimula seu atraso; restringe sua celeridade desmedida; reprime sua devassidão e selvageria; domina sua perversidade e a conduz ao caminho certo. Mas se o diabo tomou posse dele, ele, como um cavaleiro tolo e devasso, o força através de lugares sem caminhos, o arremessa em valas, o arremessa sobre precipícios e o estimula a obstinação e ferocidade. ” Com esta similitude, como não há melhor ocorrência, estaremos presentemente contentes. Quando se diz que a vontade de um homem natural está sujeita ao poder do diabo, de modo a ser dirigida por ele, o significado não é que resista e seja obrigado a uma submissão relutante, como os senhores obrigam os escravos a um desempenho de seus comandos, mas que, sendo fascinado pelas falácias de Satanás, necessariamente se submete a todas as suas direções. Para aqueles a quem o Senhor não favorece com o governo do seu Espírito, ele abandona, em julgamento justo, a influência de Satanás. Por isso o Apóstolo diz que “o deus deste mundo cegou a mente dos que não creem”, que estão destinados à destruição, “para que a luz do evangelho não resplandeça neles”. [1] E em outro lugar, que ele “Trabalha nos filhos da desobediência”. [2] A cegueira dos ímpios e todas as enormidades que a acompanham são chamadas de obras de Satanás; cuja causa deve ser procurada somente na vontade humana, da qual procede a raiz do mal, e na qual repousa o fundamento do reino de Satanás, isto é, o pecado.

II. Muito diferente, nesses casos, é o método da operação Divina. E para que possamos ter uma visão mais clara disso, tomemos como exemplo a calamidade que o santo Jó sofreu com os caldeus. [3] Os caldeus massacraram seus pastores e cometeram depredações hostis em seu rebanho. Agora, a maldade de seu procedimento é evidente; contudo, nessas transações, Satanás não estava despreocupado; pois com ele a história afirma que todo o caso se originou. Mas o próprio Jó reconhece nele a obra do Senhor, a quem ele afirma ter tirado dele as coisas de que ele havia sido saqueado pelos caldeus. Como podemos referir a mesma ação a Deus, a Satanás e ao homem, como sendo cada um deles o autor disso, sem desculpar Satanás associando-o a Deus ou fazendo de Deus o autor do mal? Muito facilmente, se examinarmos, primeiro, o fim para o qual a ação foi projetada e, em segundo lugar, a maneira pela qual ela foi efetuada. O desígnio do Senhor é exercitar a paciência do seu servo pela adversidade; Satanás se esforça para levá-lo ao desespero: os caldeus, desafiando a lei e a justiça, desejam enriquecer-se pela propriedade de outro. Tão grande diversidade de design faz uma grande distinção na ação. Não há menos diferença na maneira. O Senhor permite que seu servo seja afligido por Satanás: os caldeus, que ele comissiona para executar seu propósito, ele permite e renuncia a ser impelido por Satanás: Satanás, com suas ferroadas envenenadas, instiga as mentes dos caldeus, de outra forma muito depravados, para perpetrar o crime: eles se apressam furiosamente no ato de injustiça e se sobrepõem à criminalidade. Satanás, portanto, é propriamente dito que trabalha nos réprobos, nos quais ele exerce o seu domínio; isto é, o reino da iniquidade. Também se diz que Deus opera de maneira apropriada a si mesmo, porque Satanás, sendo o instrumento de sua ira, se entrega de um lado para outro em sua nomeação e comando, para executar seus justos julgamentos. Aqui eu aludo não à influência universal de Deus, pela qual todas as criaturas são sustentadas, e da qual elas derivam a habilidade de realizar o que fazem. Falo apenas daquela influência especial que aparece em todo ato particular. Vemos, então, que a mesma ação é sem absurdo atribuída a Deus, a Satanás e ao homem; mas a variedade no final e na maneira, faz com que a justiça de Deus brilhe sem o menor defeito, e a iniquidade de Satanás e do homem se entregue à sua própria desgraça.

III. Os padres são por vezes escrupulosos demais quanto a esse assunto, e temem uma simples confissão da verdade, para que não tenham ocasião de impiedade para falar de modo irreverente e reprovador sobre as obras de Deus. Embora eu admita muito essa sobriedade, ainda assim acho que não estamos em perigo, se simplesmente mantivermos o que as Escrituras entregam. Até mesmo Agostinho não foi libertado dessa escrupulosidade; como quando ele diz que o endurecimento e a cegueira não pertencem à operação, mas à presciência de Deus. Mas essas sutilezas são inconsistentes com numerosas expressões da Escritura, que evidentemente importam alguma intervenção de Deus além da mera presciência. E o próprio Agostinho, em seu quinto livro contra Juliano, sustenta, em grande parte, que os pecados procedem não apenas da permissão ou da presciência, mas do poder de Deus, a fim de que os pecados anteriores possam, desse modo, ser punidos. Assim também o que eles avançam em relação à permissão é muito fraco para ser suportado. Diz-se com muita freqüência que Deus cega e endurece os réprobos, e se volta, inclina e influencia seus corações, como já afirmei em outra parte. Mas não oferece nenhuma explicação sobre a natureza dessa influência para recorrer à presciência ou permissão. Respondemos, portanto, que ela opera de duas maneiras. Pois, desde quando sua luz é removida, nada permanece além de escuridão e cegueira; desde que, quando seu espírito é retirado, nossos corações endurecem em pedras; desde que, quando sua direção cessa, eles são distorcidos em obliquidade; ele é dito corretamente para cegar, endurecer e inclinar aqueles a quem ele priva do poder de ver, obedecer e agir corretamente. O segundo modo, que é muito mais consistente com a estrita propriedade da linguagem, é quando, para a execução de seus julgamentos, ele, por meio de Satanás, o ministro de sua ira, dirige seus conselhos para o que lhe agrada, e excita sua vontades e fortalece seus esforços. Assim, quando Moisés relata que Siom, o rei, não concederia uma passagem livre ao povo, porque Deus havia “endurecido seu espírito e feito seu coração obstinado”, ele imediatamente uniu o fim do desígnio de Deus: “Que ele pudesse entregá-lo tua mão. ” [4] Desde que Deus desejou sua destruição, o resultado de seu coração, portanto, foi a preparação Divina para sua ruína.

IV. As seguintes expressões parecem relacionar-se com o primeiro método: “Ele remove o discurso do fiel e tira a compreensão do idoso. Tira o coração do povo principal da terra e faz com que andem errantes num deserto onde não há caminho.” [5] Novamente: “ Ó Senhor, por que nos fizeste errar dos teus caminhos e endureceu o nosso coração? do teu medo? ” [6] Pois estas passagens indicam o que Deus faz aos homens, abandonando-os, do que mostra como ele realiza suas operações dentro deles. Mas há outros testemunhos que vão além; como aqueles que se relacionam com o endurecimento de Faraó: "Vou endurecer o coração dele (Faraó), para que não deixe o povo ir." [7] Depois, o Senhor diz: "Eu endureci o seu coração." [8] Ele endureceu por não apaziguando isso? Isso é verdade; mas ele fez um pouco mais, pois entregou seu coração a Satanás para ser confirmado em obstinação; de onde ele havia dito antes, "endurecerei seu coração". O povo sai do Egito; os habitantes do país os encontram de maneira hostil: por quem eles estavam excitados? Moisés declarou expressamente ao povo que foi o Senhor que endureceu seus corações. [9] O salmista, recitando a mesma história, diz: “Ele virou o coração para odiar o seu povo”. [10] Agora, não se pode dizer que eles caíram por causa da privação do conselho de Deus. Pois se eles são "endurecidos" e "virados", eles estão positivamente inclinados a esse ponto. Além disso, sempre que lhe agradou punir as transgressões de seu povo, como executou seu trabalho por meio do réprobo? De tal maneira que qualquer um pode ver, que a eficácia da ação procedeu dele, e que eles eram apenas os ministros de sua vontade. Pelo que ele ameaçou algumas vezes que ele iria chamá-los por assobios, [11] vezes que ele iria usá-los como uma rede de [12] para enredar, às vezes como um martelo [13] para atacar o povo de Israel. Mas ele particularmente declarou estar operando neles, quando ele chamou Senaqueribe de um machado, [14] que foi dirigido e dirigido por sua mão. Agostinho em algum lugar faz a seguinte distinção correta: “que eles pecam, procedem de si mesmos; que pecando eles realizam esta ou aquela ação particular, é do poder de Deus, que divide as trevas de acordo com o seu prazer.”

V. Agora que o ministério de Satanás está preocupado em instigar os réprobos, sempre que o Senhor os dirige para cá ou para lá por sua providência, pode ser suficientemente provado até mesmo em uma passagem. Pois é freqüentemente afirmado em Samuel que um espírito maligno do Senhor e um espírito maligno do Senhor agitavam ou deixavam Saul. [15] Referir isto ao Espírito Santo era ímpio. Um espírito impuro, portanto, é chamado de espírito de Deus, porque age de acordo com seu comando e por seu poder, sendo mais um instrumento na execução da ação do que o próprio autor dela. Devemos acrescentar, também, o que é avançado por Paulo, que “Deus enviará forte ilusão, para que os que não creram na verdade, creiam na mentira.” [16] Ainda há sempre uma grande diferença, mesmo no mesmo trabalho, entre a operação de Deus e as tentativas de Satanás e de homens iníquos. Ele faz os maus instrumentos, que ele tem na mão, e pode se transformar como quiser, para ser subserviente à sua justiça. Eles, como são maus, produzem a iniquidade que a depravação de sua natureza concebeu. Os outros argumentos, que tendem a reivindicar a majestade de Deus de toda calúnia, e a evitar os espinhos do ímpio, já foram avançados no capítulo relativo à Providência. Pois, no momento, pretendo apenas mostrar brevemente como Satanás reina no homem réprobo e como o Senhor opera neles ambos.

VI. Mas o que a liberdade do homem possui naquelas ações que em si mesmas não são justas nem perversas, e pertencem mais ao corpo do que à vida espiritual, embora tenhamos sugerido antes, ainda não foi explicitamente declarado. Alguns o admitiram em tais coisas para possuir uma escolha livre; antes, como suponho, de uma relutância em disputar um assunto sem importância, do que de uma intenção de afirmar positivamente aquilo que eles concedem. Agora, embora eu conceda que aqueles que acreditam que não possuem poder para justificar a si mesmos, acreditem no que é principalmente necessário ser conhecido para a salvação, ainda assim eu penso que este ponto também não deve ser negligenciado, para que possamos conhecê-lo. ser devido ao favor especial de Deus, sempre que nossa mente está disposta a escolher aquilo que é vantajoso para nós; sempre que a nossa vontade se inclinar para ela; e, por outro lado, sempre que nossa mente e compreensão evitam o que de outra forma nos prejudica. E o poder da providência de Deus se estende até agora, não apenas para fazer com que esses eventos tenham sucesso, o que ele prevê que seja o melhor, mas também para inclinar as vontades dos homens para os mesmos objetos. De fato, se considerarmos a administração de coisas externas com nossa própria razão, não devemos duvidar de sua sujeição à vontade humana; mas se ouvirmos os numerosos testemunhos, que proclamam que nestas coisas também os corações dos homens são governados pelo Senhor, eles nos constrangem a submeter a vontade a influência especial de Deus. Quem conciliou a mente dos egípcios para com os israelitas, [17] de modo a induzi-los a emprestar-lhes o mais valioso de seus móveis? Eles nunca teriam sido induzidos a fazer isso por vontade própria. Segue-se, portanto, que seus corações foram guiados pelo Senhor e não por uma inclinação própria. E Jacó, se não tivesse sido persuadido de que Deus infunde várias disposições em homens segundo o seu prazer, não teria dito a respeito de seu filho José, a quem ele pensava ser algum egípcio profano: “Deus Todo-Poderoso te dê misericórdia diante do homem”. [18] Como toda a Igreja confessa nos Salmos, que, quando Deus escolheu para compadecê-la, ele suavizou os corações das nações cruéis em clemência. [19] Novamente, quando Saul estava tão inflamado de raiva, a ponto de se preparar para a guerra, é expressamente mencionado como a causa, que ele foi impelido pelo Espírito de Deus. [20] Quem desvia a mente de Absalão de adotar o conselho de Aitofel, que costumava ser estimado como um oráculo? [21] Quem inclinou Roboão para ser persuadido pelo conselho dos jovens? [22] Quem causou as nações, que antes eram muito valentes, a sentir terror na aproximação dos israelitas? Raabe, a prostituta, confessou que essa era a obra de Deus. Quem, por outro lado, abatía a mente dos israelitas com medo e terror, mas ele que ameaçava na lei que "enviaria uma fraqueza aos seus corações?" [23]

VII. Alguém se oporá, que estes são exemplos peculiares, à regra dos quais, as coisas não devem de modo algum ser reduzidas universalmente. Mas eu afirmo que eles são suficientes para provar aquilo que eu defendo; que Deus, sempre que ele planeja preparar o caminho para sua providência, inclina e move as vontades dos homens até mesmo em coisas externas, e que sua escolha não é tão livre, mas que sua liberdade está sujeita à vontade de Deus. Para que sua mente dependa mais da influência de Deus, do que da liberdade de sua escolha, você deve ser obrigado a concluir, quer esteja disposto ou não, a partir dessa experiência diária, que, em casos sem perplexidade, seu julgamento e compreensão freqüentemente falhou; que em empreendimentos não é árduo o seu espírito enfraquecer; por outro lado, nas coisas o conselho mais obscuro e adequado é imediatamente oferecido; nas coisas grandes e perigosas, sua mente se mostra superior a todas as dificuldades. E assim explico a observação de Salomão: “O ouvido que ouvem e o olho que vê, o Senhor os fez a ambos”. [24] Pois ele me parece falar, não de sua criação, mas do peculiar favor de Deus. exibidos em suas funções. Quando ele diz que “o coração do rei está nas mãos do Senhor; como os rios de água, ele os entrega aonde quiser”; [25] sob uma espécie ele compreende claramente todo o gênero. Pois, se a vontade de qualquer homem é livre de toda sujeição, esse privilégio pertence eminentemente à vontade de um rei, que exerce um governo em certa medida sobre as vontades dos outros; mas se a vontade do rei estiver sujeita ao poder de Deus, a nossa não pode ser isenta da mesma autoridade. Agostinho tem uma notável passagem sobre este assunto: “A Escritura, se for diligentemente examinada, mostra não apenas que a boa vontade dos homens, que ele transforma do mal em bom, e direciona para boas ações e para o eterno vida, mas também que as vontades que se relacionam com a vida presente, estão sujeitas ao poder de Deus, de modo que ele, por um mais secreto, mas ainda assim um julgamento mais justo, faz com que eles se inclinem para o que lhe agrada, e quando ele agrada, seja para a comunicação de benefícios, seja para a imposição de punições”.

VIII. Aqui deixe o leitor lembrar que a capacidade da vontade humana não deve ser estimada a partir do evento das coisas, como alguns homens ignorantes estão absurdamente acostumados a fazer. Pois eles se concebem plena e engenhosamente para estabelecer a servidão da vontade humana, porque mesmo os monarcas mais exaltados não cumpriram todos os seus desejos. Mas essa capacidade, da qual falamos, deve ser considerada dentro do homem e não ser medida pelo sucesso externo. Pois na disputa sobre o livre-arbítrio, a questão não é se um homem, apesar dos impedimentos externos, pode executar e executar qualquer coisa que possa ter resolvido em sua mente, mas se em todo caso seu julgamento exerce liberdade de escolha e sua liberdade de inclinação. Se os homens possuírem ambos, então Attilius Regulus, quando confinado à pequena extensão de um barril preso com pregos, possuirá tanto livre arbítrio quanto César Augusto, ao governar uma grande parte do mundo com seu aceno de cabeça.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.




Notas:
[1] 2 Coríntios 4. 4
[2] Efésios 2. 2
[3] Jó 1.
[4] Deuteronômio 2. 30
[5] Jó 12. 20, 24.
[6] Isaías 63. 17
[7] Êxodo 4. 21
[8] Êxodo 7. 3
[9] Deuteronômio 2. 30
[10] Salmo 105. 25
[11] Isaías 5. 26; 7. 18
[12] Ezequiel 12. 13; 17. 20
[13] Jeremias 1. 23
[14] Isaías 10. 15
[15] 1 Samuel 16. 14; 18. 19; 19. 19
[16] 2 Tessalonicenses 2. 11, 12.
[17] Êxodo 11. 3
[18] Gênesis 43. 14
[19] Salmo 106. 46
[20] 1 Samuel 11. 6
[21] 2 Samuel 17. 14
[22] 1 Reis 12. 10
[23] Levítico 26. 36
[24] Provérbios 20. 12
[25] Provérbios 21. 1

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: