Ir à mesa



"Mas, que cada homem se examine, e assim coma desse pão e beba desse cálice." - 1 Coríntios 11. 28 (KJL).


As palavras que formam o título deste artigo se referem a um assunto de grande importância. Esse assunto é o Sacramento da Ceia do Senhor.

Talvez nenhuma parte da religião cristã seja tão completamente incompreendida quanto a Ceia do Senhor. Em nenhum momento houve tantas disputas, contendas e controvérsias por quase 1800 anos. Em nenhum momento os erros fizeram tanto mal. Mesmo neste dia, a batalha ainda está travando, e os cristãos parecem irremediavelmente divididos. A própria ordenança destinada à nossa paz e proveito se tornou a causa da discórdia e a ocasião do pecado. Essas coisas não deveriam ser assim!

Não me desculpo por incluir a Ceia do Senhor entre os principais pontos do cristianismo prático. Acredito firmemente que pontos de vista ignorantes ou falsa doutrina sobre esse sacramento estão na raiz de metade das atuais divisões dos professos cristãos. Alguns a negligenciam completamente; alguns entendem completamente errado; alguns a exaltam para uma posição que nunca deveriam ocupar e a transformaram em um ídolo. Se eu puder lançar um pouco de luz e esclarecer as dúvidas de algumas mentes, ficarei muito agradecido. Receio que seja inútil esperar que a controvérsia sobre a Ceia do Senhor seja finalmente encerrada até que o Senhor venha. Mas não é demais esperar que o nevoeiro, o mistério e a obscuridade com que está cercado em algumas mentes possam ser eliminados pela pura verdade bíblica.

Ao examinar o Sacramento da Ceia do Senhor, me contentarei em fazer quatro perguntas práticas e oferecer respostas a elas.

I. Por que a ceia do Senhor foi ordenada?

II. Quem deve ir à mesa e ser comungante?

III. O que os comungantes podem esperar da Ceia do Senhor?

IV. Por que muitos dos chamados cristãos nunca vão à mesa do Senhor?

Eu acho que será impossível lidar com essas quatro perguntas de maneira justa, honesta e imparcial, sem ver o assunto deste artigo com mais clareza e sem obter algumas ideias práticas e distintas sobre alguns dos principais erros de nossos dias. Eu digo "prático" enfaticamente. Meu principal objetivo neste volume é promover o cristianismo prático.


I. Em primeiro lugar, por que a Ceia do Senhor foi ordenada?

Eu respondo a essa pergunta nas palavras do Catecismo da Igreja. Tenho certeza de que não posso consertá-los. Foi ordenado "para a lembrança contínua do sacrifício da morte de Cristo e dos benefícios que recebemos por isso". O pão que na Ceia do Senhor é quebrado, dado e comido tem o objetivo de lembrar-nos da vida de Cristo. corpo dado na cruz por nossos pecados. O vinho que é derramado e recebido, deve nos lembrar do sangue de Cristo derramado na cruz pelos nossos pecados. Aquele que come aquele pão e bebe esse vinho é lembrado, da maneira mais impressionante e forçada, dos benefícios que Cristo obteve para sua alma, e da morte de Cristo como a dobradiça e o ponto de virada do qual todos esses benefícios dependem.

Agora, a visão aqui declarada é a doutrina do Novo Testamento? Se não for, para sempre seja rejeitado, deixado de lado e recusado pelos homens. Se for assim, nunca tenhamos vergonha de abraçá-lo com firmeza, professar nossa crença nele, depositar nossa fé nela e recusar firmemente qualquer outra visão, não importa por quem ela seja ensinada. Em assuntos como este, não devemos chamar homem de mestre. Significa pouco o que grandes bispos e especialistas em adivinhação acham adequado apresentar sobre a Ceia do Senhor. Se eles ensinam mais do que a Palavra de Deus contém, não devem crer.

Pego minha Bíblia e volto para o Novo Testamento. Lá encontro nada menos que quatro relatos separados da primeira designação da Ceia do Senhor. São Mateus, São Marcos, São Lucas e São Paulo, todos os quatro o descrevem: os quatro concordam em nos dizer o que nosso Senhor fez nesta ocasião memorável. Dois apenas nos dizem a razão que nosso Senhor designou por que Seus discípulos deviam comer o pão e beber o cálice. São Paulo e São Lucas registram as notáveis ​​palavras: "Faça isso em memória de Mim". Paulo acrescenta seu próprio comentário inspirado: "Sempre que você come este pão e bebe este cálice, mostra (ou declara ou proclama) a morte do Senhor até que Ele venha" (Lucas 22. 19; 1 Coríntios 11. 25, 26). Quando as Escrituras falam tão claramente, por que os homens não podem se contentar com ela? Por que devemos mistificar e confundir um assunto que no Novo Testamento é tão simples? A "lembrança contínua da morte de Cristo" era o único grande objetivo para o qual a Ceia do Senhor foi ordenada. Aquele que vai além disso está adicionando à Palavra de Deus, e o faz ao grande perigo de sua alma.

Agora, é razoável supor que nosso Senhor designaria uma ordenança para um propósito tão simples como "guardar Sua morte em memória"? Certamente é. De todos os fatos em Seu ministério terrestre, nenhum é igual em importância ao de Sua morte. Foi a grande satisfação pelo pecado do homem, que havia sido designado na aliança de Deus desde a fundação do mundo. Foi a grande expiação do poder onipotente, para o qual todo sacrifício de animais, desde a queda do homem, apontava continuamente. Foi o grande fim e propósito para o qual o Messias veio ao mundo. Era a pedra angular e o fundamento de todas as esperanças do homem de perdão e paz com Deus. Em resumo, Cristo teria vivido, ensinado, pregado, profetizado e realizado milagres em vão, se Ele não tivesse coroado tudo morrendo por nossos pecados como nosso Substituto! A morte dele foi a nossa vida. Sua morte foi o pagamento de nossa dívida com Deus. Sem a Sua morte, deveríamos ter sido de todas as criaturas mais miseráveis. Não é de admirar que uma ordenança tenha sido especialmente designada para nos lembrar da morte de nosso Salvador. É exatamente isso que o homem pobre, fraco e pecador precisa ser continuamente lembrado.

O Novo Testamento justifica os homens dizendo que a Ceia do Senhor foi ordenada como sacrifício e que nela o corpo e o sangue de Cristo estão presentes sob as formas de pão e vinho? Certamente que não! Quando o Senhor Jesus disse aos discípulos: "Este é o meu corpo" e "este é o meu sangue", ele evidentemente quis dizer: "Este pão na minha mão é um emblema do meu corpo, e este copo de vinho na minha mão contém um emblema do meu sangue". Os discípulos estavam acostumados a ouvi-lo usar essa linguagem. Eles se lembraram de Seu ditado: "O campo é o mundo", "A boa semente são os filhos do reino" (Mateus 13. 38). Nunca ocorreu à mente deles que Ele pretendia dizer que estava segurando Seu próprio corpo e Seu próprio sangue nas mãos, e literalmente dando a eles Seu literal corpo e sangue para comer e beber. Nenhum dos escritores do Novo Testamento fala do sacramento como sacrifício, nem chama a Mesa do Senhor de altar, nem sugere que um ministro cristão é um sacerdote sacrificador. A doutrina universal do Novo Testamento é que, após a única oferta de Cristo, não resta mais necessidade de sacrifício [1].

O livro de orações em inglês justifica algum clérigo ao dizer que a Ceia do Senhor deveria ser um sacrifício e que o corpo e o sangue de Cristo estão presentes sob as formas de pão e vinho? Mais uma vez respondo: Certamente que não! Nem a palavra altar encontra-se no livro de orações: nem a Ceia do Senhor é chamada sacrifício. Em todo o serviço de comunhão, a única ideia da ordenança continuamente pressionada por nossa atenção é a de uma "lembrança" da morte de Cristo. Quanto a qualquer presença do corpo e sangue naturais de Cristo sob as formas de pão e vinho, a rubrica no final do Serviço dá a contradição mais plana e distinta à ideia. Essa rubrica afirma expressamente que "o corpo e o sangue naturais de Cristo estão no céu, e não aqui". Os muitos clérigos, chamados, que gostam de falar sobre o "altar", o "sacrifício", o "sacerdote" e a "presença real" na Ceia do Senhor, fariam bem em lembrar que estão usando uma linguagem que é totalmente não utilizada pela Igreja da Inglaterra.

O ponto diante de nós é de grande importância. Vamos segurá-lo firmemente, e nunca deixá-lo ir. É exatamente o ponto em que nossos reformadores tiveram sua maior controvérsia com os romanistas, e foram à fogueira, em vez de ceder. Antes de admitir que a Ceia do Senhor era um sacrifício, eles alegremente deram a vida. Trazer de volta a doutrina da "presença real" e transformar a boa e velha comunhão inglesa na "massa" romana é despejar nossos mártires e perturbar os primeiros princípios da Reforma Protestante. Antes, é ignorar o claro ensino da Palavra de Deus e desonrar o ofício sacerdotal de nosso Senhor Jesus Cristo. A Bíblia ensina expressamente que a Ceia do Senhor foi ordenada para ser "uma lembrança do corpo e sangue de Cristo", e não uma oferta. A Bíblia ensina que a morte vicária de Cristo na cruz foi o único sacrifício perfeito pelo pecado, que nunca precisa ser repetido. Sejamos firmes nesses dois grandes princípios da fé cristã. Uma visão clara da intenção da Ceia do Senhor é uma das melhores salvaguardas da alma contra as ilusões dos dias modernos.


II. Em segundo lugar, deixe-me tentar mostrar: quem deve ser comungante? Que tipo de pessoa deveria ir à mesa e receber a Ceia do Senhor?

Será melhor esclarecido se eu mostrar primeiro quem não deve participar dessa ordenança. A ignorância que prevalece sobre isso, assim como sobre todas as partes do assunto, é vasta, lamentável e assustadora. Se eu puder contribuir com algo que possa esclarecer isso, ficarei muito agradecido. Os principais gigantes que John Bunyan descreve, em "O Peregrino", como perigosos para os peregrinos cristãos, eram dois, Papa e Pagão. Se o bom e velho puritano tivesse previsto os tempos em que vivemos, ele teria dito algo sobre a gigantesca ignorância.

(a) Não é correto exortar todas as pessoas batizadas a se tornarem comungantes. Existe aptidão e preparação para a ordenança. Não funciona como um medicamento, independentemente do estado de espírito daqueles que o recebem. O ensino daqueles que pressionam toda a sua congregação a comparecer à Mesa do Senhor, como se a vinda necessariamente fizesse todo o bem, é inteiramente sem garantia das Escrituras. Antes, é o ensino que é calculado para causar imenso dano às almas dos homens e transformar a recepção do sacramento em uma mera formalidade. A ignorância nunca pode ser a mãe da adoração aceitável, e um comungante ignorante que chega à mesa do Senhor sem saber por que ele vem, está completamente no lugar errado. "Deixe um homem se examinar, e assim coma daquele pão e beba aquele cálice.", " Discernir o corpo do Senhor ", isto é, entender o que os elementos do pão e do vinho representam, e por que eles são designados, e qual é o uso particular de se lembrar da morte de Cristo, é essencial qualificação de um verdadeiro comungante. Deus "ordena que todos os homens em todos os lugares se arrependam" e creiam no Evangelho (Atos 17. 30); mas Ele não do mesmo modo, ou da mesma maneira, ordena que todo corpo venha à mesa do Senhor. Não: essa coisa não deve ser tomada de maneira desajeitada, leve ou descuidada! É uma ordenança solene e, solenemente, deve ser usada.

(b) Mas isso não é tudo. Os pecadores que vivem em pecado aberto, e determinados a não desistir, não devem, de forma alguma, comparecer à Mesa do Senhor. Fazer isso é um insulto positivo a Cristo e derramar desprezo em Seu Evangelho. Não faz sentido professar que desejamos lembrar a morte de Cristo, enquanto nos apegamos à coisa amaldiçoada que tornou necessário a morte de Cristo. O simples fato de um homem continuar pecando é uma evidência clara de que ele não se importa com Cristo e não sente gratidão pela redenção. O papista ignorante que vai ao confessionário do padre e recebe absolvição pode pensar que está apto a ir à missa papista e depois da missa pode retornar aos seus pecados. Ele nunca lê a Bíblia e não conhece melhor! Mas o inglês que habitualmente quebra qualquer mandamento de Deus e ainda vai ao Sacramento, como se isso lhe fizesse bem e limpasse seus pecados, é realmente muito culpado. Desde que ele opte por continuar com seus maus hábitos, ele não pode receber o menor benefício das ordenanças de Cristo, e está apenas acrescentando pecado ao pecado. Levar o pecado sem arrependimento até o Caminho da Comunhão, e receber pão e vinho, sabendo em nossos corações que nós e a maldade ainda somos amigos, é uma das piores coisas que um homem pode fazer e uma das mais endurecedoras da consciência. Se um homem deve ter seus pecados e não pode abandoná-los, fique longe da Ceia do Senhor. Existe algo como "comer e beber indignamente" e para a nossa "condenação". A ninguém essas palavras se aplicam tão completamente a um pecador aberto.


(c) Mas ainda não o fiz. As pessoas hipócritas, que pensam que devem ser salvas por suas próprias obras, não têm nada a ver com a mesa do Senhor. Por mais estranho que possa parecer à primeira vista, essas pessoas são as menos qualificadas de todas para receber o Sacramento. Eles podem ser externamente corretos, morais e respeitáveis ​​em suas vidas, mas, desde que confiem em sua própria bondade para a salvação, eles estão inteiramente no lugar errado na Ceia do Senhor. Pois o que declaramos na Ceia do Senhor? Professamos publicamente que não temos nenhuma bondade, justiça ou dignidade própria e que toda a nossa esperança está em Cristo. Professamos publicamente que somos culpados, pecadores e corruptos, e naturalmente merecemos a ira e a condenação de Deus. Nós professamos publicamente que o mérito de Cristo e não o nosso, a justiça de Cristo e não a nossa, é a única causa pela qual procuramos aceitação com Deus. Agora, o que um homem honesto tem a ver com uma ordenança como essa? Claramente nada. De qualquer forma, uma coisa é muito clara: um homem honesto não tem nada a ver com receber o sacramento na Igreja da Inglaterra. O Serviço de Comunhão da Igreja pede que todos os comungantes declarem que "eles não pretendem vir à Mesa confiando em sua própria justiça, mas nas múltiplas e grandes misericórdias de Deus". - É dito para que digam: - "Nós não somos dignos tanto quanto reunir as migalhas debaixo de Tua mesa", "a lembrança de nossos pecados é dolorosa para nós; o fardo deles é intolerável". Como qualquer membro da Igreja hipócrita pode jamais ir à Mesa do Senhor e levá-los palavras em sua boca, está longe da minha compreensão! Isso mostra apenas que muitos cristãos professos usam excelentes "formas" de adoração sem se preocupar em considerar o que querem dizer.

A pura verdade é que a Ceia do Senhor não foi feita para almas mortas, mas para almas vivas. Os descuidados, os ignorantes, os iníquos, os justos, não estão mais aptos para chegar ao trilho da Comunhão do que um cadáver morto para se sentar no banquete do rei. Para desfrutar de um banquete espiritual, precisamos ter um coração, um gosto e um apetite espirituais. Supor que as ordenanças de Cristo possam fazer o bem a um homem não espiritual é tão tolo quanto colocar pão e vinho na boca de uma pessoa morta. Os descuidados, os ignorantes e os iníquos, contanto que continuem nesse estado, são totalmente impróprios para serem comungantes. Exortá-los a participar não é fazê-los bem, mas prejudicar. A Ceia do Senhor não é uma ordenança de conversão ou justificativa. Se um homem for à mesa sem conversão ou sem perdão, absolutamente ele não se sairá melhor.

Mas, afinal de contas, depois de limpo o erro, a questão ainda precisa ser respondida: Quem são os tipos de pessoas que deveriam ser comungantes? Eu respondo a essa pergunta nas palavras do Catecismo da Igreja. Eu encontro a pergunta feita: "O que é exigido daqueles que vêm à Ceia do Senhor?". Em resposta, acredito que foi ensinado que as pessoas deveriam "examinar a si mesmas se realmente se arrependem de seus pecados anteriores, com o firme propósito de levar uma nova vida"; se "têm uma fé viva na misericórdia de Deus por meio de Cristo, com uma lembrança agradecida por Sua morte"; e se eles "estão em caridade com todos os homens". Em uma palavra, acho que comungante digno é aquele que possui três marcas e qualificações simples: arrependimento, fé e caridade. Um homem realmente se arrepende do pecado e odeia? Um homem deposita sua confiança em Jesus Cristo como sua única esperança de salvação? Um homem vive em caridade para com os outros? Aquele que pode realmente dizer a cada uma dessas perguntas: "Eu aceito", ele é um homem qualificado pelas Escrituras para a Ceia do Senhor. Deixe-o vir corajosamente. Que nenhuma barreira seja colocada em seu caminho. Ele chega ao padrão bíblico de comungantes. Ele pode se aproximar com confiança e sentir-se seguro de que o grande mestre do banquete não está descontente.

O arrependimento de um homem assim pode ser muito imperfeito. Não se preocupe! É real? Ele realmente se arrepende? Sua fé em Cristo pode ser muito fraca. Não se preocupe! É real? Um centavo é tão verdadeiramente a moeda atual do reino e tão estampado na imagem da rainha como um soberano. Sua caridade pode ser muito defeituosa em quantidade e grau. Não se preocupe!! Isso é genuíno? O grande teste do cristianismo de um homem não é a quantidade de graça que ele tem, mas se ele tem alguma graça. 

Os doze primeiros comungantes, quando o próprio Cristo deu o pão e o vinho, eram realmente fracos - fracos em conhecimento, fracos em fé, fracos em coragem, fracos em paciência, fracos em amor! Mas onze deles possuíam aquilo que superava todos os defeitos: eram reais, genuínos, sinceros e verdadeiros.

Que esse grande princípio esteja sempre enraizado em nossas mentes - o único comungante digno é o homem que conhece experimentalmente o arrependimento para com Deus, que possui fé em nosso Senhor Jesus Cristo e amor prático para com os outros. Você é este homem? Então você pode se aproximar da mesa e levar o sacramento para seu conforto. Abaixo disso, não me atrevo a apresentar meu padrão de comungante. Jamais encorajarei alguém a receber a Ceia do Senhor, de forma descuidada, ignorante e hipócrita. Nunca direi a ninguém, entretanto, que se afaste até que ele seja perfeito e espere até que seu coração fique tão inquieto quanto o de um anjo. Não farei isso, porque acredito que nem meu Mestre nem Seus apóstolos o teriam feito. Mostre-me um homem que realmente sente seus pecados, realmente se apoia em Cristo, realmente luta para ser santo, e eu lhe darei as boas-vindas em nome do meu Mestre. Ele pode se sentir fraco, errante, vazio, débil, duvidoso, miserável e pobre. O que importa? São Paulo, creio, o teria recebido como um comungante correto, e farei o mesmo.


III. Em terceiro lugar, consideremos que benefício os comungantes podem esperar ao ir à Mesa e assistir à Ceia do Senhor. Este é um ponto de extrema importância e sobre o qual abundam muitos erros. Em nenhum momento, talvez, relacionado a essa ordenança, as opiniões dos cristãos sejam tão vagas, nebulosas e indefinidas.

Uma ideia comum entre os homens é que "tomar o sacramento deve fazer bem a eles". Porque, eles não podem explicar. Quão bom, eles não podem dizer exatamente. Mas eles têm uma noção geral frouxa de que é a coisa certa ser comungante, e que, de uma maneira ou de outra, é útil para suas almas! Obviamente, isso não é nada melhor que a ignorância. Não é razoável supor que esses que comungam possam agradar a Cristo ou receber qualquer benefício real do que fazem. Se existe algum princípio claramente estabelecido na Bíblia sobre qualquer ato de culto religioso, é este: que deve ser com entendimento. O adorador deve pelo menos entender algo sobre o que está fazendo. A mera adoração corporal, desacompanhada da mente ou do coração, é totalmente inútil. O homem que caminha até uma grade da comunhão, come o pão e bebe o vinho, como uma mera questão de formalidade, porque seu ministro lhe diz, sem nenhuma ideia clara do que tudo isso significa, não obtém nenhum benefício. Ele pode muito bem ficar em casa!

Outra ideia comum entre os homens é que "levar o sacramento os ajudará a ir para o céu e tirar seus pecados". Com essa ideia ilusória, você pode descobrir o hábito em algumas paróquias de ir ao sacramento uma vez por ano, para, como disse um velho fazendeiro, "limpar os pecados do ano". Com essa ideia novamente, você pode seguir a prática muito comum de enviar um ministro em tempos de doença, a fim de receber o sacramento antes da morte. Infelizmente, quantos se sentem consolados com seus parentes, depois de terem vivido uma vida muito ímpia, por nenhuma razão melhor do que essa: que levaram o sacramento quando estavam morrendo! Quer se arrependessem, cressem e tivessem novos corações, eles nem parecem saber ou se importar. Tudo o que sabem é que "eles tomaram o sacramento antes de morrerem". Meu coração afunda dentro de mim quando ouço pessoas descansando em evidências como essa.

Ideias como essas são provas tristes da ignorância que enche a mente dos homens sobre a Ceia do Senhor. São ideias para as quais não há a menor garantia nas Escrituras ou no livro de orações. Quanto mais cedo eles forem deixados de lado e abandonados, melhor para a Igreja e o mundo.

Vamos estabelecer firmemente em nossas mentes que a Ceia do Senhor não foi dada como um meio de justificação ou de conversão. Ele nunca foi concebido para dar graça onde já não existe, ou para fornecer perdão quando o perdão ainda não é desfrutado. Não pode, possivelmente, suprir a ausência de arrependimento para Deus e fé em relação ao Senhor Jesus Cristo. É uma ordenança para os penitentes, não para os impenitentes - para os que creem, não para os incrédulos - para os convertidos, não para os não convertidos. O homem não convertido, que imagina que pode encontrar um caminho curto para o céu ao tomar o sacramento, sem pisar os passos desgastados do arrependimento e da fé, descobrirá, às suas custas, um dia que está totalmente enganado. A Ceia do Senhor foi criada para aumentar e ajudar a graça que um homem tem, mas não para transmitir a graça que ele não tem. Certamente nunca foi planejado fazer as pazes com Deus, justificar ou converter.

A declaração mais simples do benefício daquele que comunga sinceramente pode esperar receber da Ceia do Senhor é o que é fornecido pelo Catecismo da Igreja: "O fortalecimento e a renovação de nossa alma". Visões mais claras de Cristo e Sua expiação, visões mais claras de todos os ofícios que Cristo ocupa como nosso Mediador e Advogado, visões mais claras da redenção completa que Cristo obteve para nós por Sua morte vicária na cruz, visões mais claras de nossa total e perfeita aceitação em Cristo diante de Deus, novas razões pelo profundo arrependimento do pecado, novas razões para a fé viva - esses estão entre os principais retornos que um crente pode esperar obter com confiança de sua presença na Mesa do Senhor. Quem come o pão e bebe o vinho com o espírito certo, se sentirá atraído a uma comunhão mais estreita com Cristo, e sentirá conhecê-Lo mais e entendê-Lo melhor.

(a) A recepção correta da Ceia do Senhor tem um efeito humilhante sobre a alma. A visão desses emblemas do corpo e do sangue de Cristo nos lembra como deve ser o pecado pecaminoso, se algo menos que a morte do próprio Filho de Deus poderia satisfazê-lo ou nos redimir de sua culpa. Nunca deveríamos estar tão "vestidos de humildade", como quando nos ajoelhamos no parapeito da Comunhão.

(b) A recepção correta da Ceia do Senhor tem um efeito animador na alma. A visão do pão quebrado e do vinho derramado nos lembra o quão plena, perfeita e completa é a nossa salvação. Esses emblemas vivos nos lembram que um preço enorme foi pago por nossa redenção. Eles pressionam sobre nós a poderosa verdade: que, acreditando em Cristo, não temos nada a temer, porque foi feito um pagamento suficiente por nossa dívida. O "sangue precioso de Cristo" responde a toda acusação que pode ser feita contra nós. Deus pode ser um "Deus justo, e ainda assim o justificador de todo aquele que crê em Jesus" (Romanos 3. 26).

(c) A recepção correta da Ceia do Senhor tem um efeito santificador na alma. O pão e o vinho nos lembram quão grande é a nossa dívida de gratidão a nosso Senhor, e quão completamente somos obrigados a viver por Ele que morreu por nossos pecados. Eles parecem nos dizer: "Lembre-se do que Cristo fez por você e pergunte a si mesmo se há algo demais para fazer por ele".

(d) A correta recepção da Ceia do Senhor nos corações tem um efeito restritivo sobre a alma. Toda vez que um crente sobe para o caminho da Comunhão, ele é lembrado de que coisa séria é ser cristão e que obrigação é imposta a ele de levar uma vida consistente. Comprado com um preço tal que o pão e o vinho pedem sua lembrança, ele não deve glorificar a Cristo em corpo e espírito, quais são Seus? O homem que vai  de forma regular e consciente à mesa do Senhor acha cada vez mais difícil ceder ao pecado e se conformar ao mundo.

Essa é uma breve descrição dos benefícios daquele que comunga de bom coração pode esperar receber da Ceia do Senhor. Ao comer esse pão e beber o cálice, esse homem terá seu arrependimento aprofundado, sua fé aumentada, seu conhecimento aumentado, seu hábito de viver santo fortalecido. Ele perceberá mais a "presença real" de Cristo em seu coração. Comendo esse pão pela fé, ele sentirá uma comunhão mais próxima com o corpo de Cristo. Bebendo esse vinho pela fé, ele sentirá uma comunhão mais próxima com o sangue de Cristo. Ele verá mais claramente o que Cristo é para ele e que ele é para Cristo. Ele entenderá mais profundamente o que é ser "um com Cristo, e Cristo um com ele". Ele sentirá as raízes da vida espiritual de sua alma regadas, e a obra da graça em seu coração estabilizada, edificada e levada adiante. Todas essas coisas podem parecer e soar tolices para um homem natural, mas para um cristão verdadeiro essas coisas são luz, saúde, vida e paz. Não é de admirar que um verdadeiro cristão ache a Ceia do Senhor uma fonte de bênção!

Lembre-se, não pretendo dizer que todos os cristãos experimentem a bênção completa da Ceia do Senhor, que acabei de tentar descrever. Ainda não digo que o mesmo crente sempre encontre sua alma na mesma estrutura espiritual e sempre receba a mesma quantidade de benefício do sacramento. Mas vou dizer com ousadia: você raramente encontrará um verdadeiro crente que não dirá que ele considera a Ceia do Senhor uma de suas melhores ajudas e mais altos privilégios. Ele lhe dirá que, se ele fosse privado da Ceia do Senhor, consideraria a perda dela uma grande desvantagem para sua alma. Há algumas coisas das quais nunca sabemos o valor até que elas sejam tiradas de nós. Então eu acredito que é com a Ceia do Senhor. O mais fraco e humilde dos filhos de Deus recebe uma bênção desse sacramento, a uma extensão da qual ele não está ciente.


IV. Em último lugar, tenho que considerar por que muitos dos chamados cristãos nunca vêm à Ceia do Senhor.

É uma questão simples, de fato, que uma quantidade inumerável de pessoas batizadas nunca vêm à Mesa do Senhor. Eles não suportariam ser informados de que negam a fé e praticamente não estão em comunhão com Cristo. Quando eles adoram, eles frequentam um local de adoração cristã; quando ouvem o ensino religioso, é o ensino do cristianismo; quando são casados, usam um serviço cristão; quando seus filhos são batizados, eles pedem o sacramento do batismo. No entanto, durante todo esse tempo, eles nunca vêm à Ceia do Senhor! Eles frequentemente vivem nesse estado de espírito por muitos anos e, para todos os aspectos, não têm vergonha. Muitas vezes morrem nessa condição sem nunca terem recebido o sacramento e, no entanto, professam sentir esperança no final, e seus amigos expressam uma esperança sobre eles. E, no entanto, eles vivem e morrem em desobediência aberta a uma ordem clara de Cristo! Estes são fatos simples. Deixe alguém olhar ao seu redor e negue-os, se puder. Desafio qualquer um a negar que os não-comungantes em todas as congregações inglesas formam a maioria, e que são a minoria dos adoradores.


Agora, por que isso? Como podemos explicar? As últimas prescrições de Nosso Senhor Jesus Cristo a Seus discípulos são claras, simples e inconfundíveis. Ele diz a todos: "Coma, beba: faça isso em memória de Mim". Ele deixou ao nosso critério se atenderíamos à sua ordem ou não? Ele quis dizer que isso não significava se Seus discípulos mantinham ou não a ordenança que acabara de estabelecer? Certamente não. A própria ideia é absurda, e certamente nunca se sonhou nos tempos apostólicos. Paulo evidentemente toma como certo que todo cristão é um comungante. Uma classe de adoradores cristãos que nunca compareceram à mesa era uma classe cuja existência lhe era desconhecida. O que dizer, então, daquela grande multidão de não-comungantes que sai de nossas igrejas todo domingo de sacramento, descaradamente, sem humilhação, sem medo, sem o menor vergonha? Por que isso? Como podemos explicar? O que tudo isso significa? Vamos olhar essas perguntas de maneira justa e procurar dar uma resposta para elas.

(1) Por um lado, muitos não são comungantes porque são totalmente descuidados e impensados ​​em relação à religião e ignoram os primeiros princípios do cristianismo. Eles vão à igreja, por uma questão de formalidade, porque outras pessoas vão; mas eles não sabem, nem se importam com o que é feito, na igreja! A fé de Cristo não tem lugar em seus corações, cabeças, consciências, vontades ou entendimentos. É um mero caso de "palavras e nomes", sobre o qual eles não sabem mais que Festo ou Gálio [2]. Havia muito poucos cristãos assim nos tempos de São Paulo, se é que havia algum. Existem muitos nos últimos dias do mundo, quando tudo parece estar se esgotando e se espalhando. Eles são o peso morto das igrejas e o escândalo do cristianismo. O que essas pessoas precisam é de luz, conhecimento, graça, uma consciência renovada, um coração mudado. No estado atual, eles não têm parte ou porção em Cristo; e morrendo neste estado, são impróprios para o céu. Desejo que eles venham à Ceia do Senhor? Certamente não, até que sejam convertidos. Exceto se um homem se converter, ele nunca entrará no reino de Deus.

(2) Por outro lado, muitos não são comungantes porque sabem que estão vivendo na prática habitual de algum pecado ou na negligência habitual de algum dever cristão. Sua consciência lhes diz que, enquanto viverem nesse estado e não se libertarem de seus pecados, não poderão comparecer à Mesa do Senhor. Bem: até agora eles estão certos! Eu desejo que nenhum homem seja um comungante se ele não pode desistir de seus pecados. Mas aviso essas pessoas a não esquecerem que, se forem impróprias para a Ceia do Senhor, não serão capazes de morrer e que, se morrerem em sua condição atual, serão perdidas eternamente. Os mesmos pecados que os desqualificam para o sacramento, certamente os desqualificam para o céu. Quero que eles venham à Ceia do Senhor como estão? Certamente não! Mas quero que eles se arrependam e se convertam, que deixem de fazer o mal e se livrem de seus pecados. Lembre-se sempre de que o homem impróprio para a Ceia do Senhor é inadequado para morrer.

(3) Por outro lado, alguns não são comungantes porque pensam que isso aumentará sua responsabilidade. Eles não são, como muitos, ignorantes e descuidados com a religião. Eles até participam regularmente dos meios da graça e gostam da pregação do Evangelho. Mas eles dizem que temem se apresentar e fazer uma profissão. Eles temem que depois possam cair e trazer escândalo à causa do cristianismo. Eles acham mais sensato estar do lado seguro e não se comprometerem. Essas pessoas fariam bem em lembrar que, se evitarem a responsabilidade de um tipo por não comparecerem à Mesa do Senhor, incorrem em responsabilidade de outro tipo, tão grave e prejudicial à alma. Eles são responsáveis ​​pela desobediência aberta a um mandamento de Cristo. Eles estão se esquivando de fazer o que seu Mestre ordena continuamente a Seus discípulos - de confessá-Lo diante dos homens. Sem dúvida, é um passo sério avançar e receber o sacramento. É um passo que ninguém deve tomar de ânimo leve e sem auto exame. Mas não é menos um passo sério se afastar e recusar a ordenança, quando nos lembramos de Quem nos convida a recebê-la e com que finalidade ela foi designada! Eu aviso as pessoas com as quais estou lidando agora a prestar atenção no que estão fazendo. Não se lisonjeiem de que possa ser uma linha de conduta sábia, prudente e segura para negligenciar um mandamento claro de Cristo. Eles podem descobrir depois de muito tempo, a seu custo, que apenas aumentaram sua culpa e abandonaram suas misericórdias.

(4) Por outro lado, alguns não são comungantes porque pensam que ainda não são dignos. Eles esperam e ficam estáticos, sob a noção equivocada de que ninguém é qualificado para a Ceia do Senhor, a menos que sinta dentro dele algo como perfeição. Eles lançam a ideia de um comungante tão alto que se desesperam em alcançá-lo. Esperando a perfeição interior, eles vivem, e esperando por isso com frequência, eles morrem. Agora, essas pessoas fariam bem em entender que estão completamente enganadas em sua estimativa do que "dignidade" realmente significa. Eles estão esquecendo que a Ceia do Senhor não foi destinada a anjos sem graça, mas a homens e mulheres com compaixão pela enfermidade, vivendo em um mundo cheio de tentações e precisando de misericórdia e graça todos os dias em que vivem. Uma sensação de nossa própria total indignidade é a melhor dignidade que podemos trazer para o caminho da Comunhão. Um sentimento profundo de toda a nossa dívida com Cristo por tudo o que temos e esperamos, é o melhor sentimento que podemos trazer conosco. As pessoas que tenho agora em vista devem considerar seriamente se o terreno que ocuparam é defensável e se não estão à sua própria luz. Se estão esperando até sentirem em si mesmos corações perfeitos, motivos perfeitos, sentimentos perfeitos, arrependimento perfeito, amor perfeito, fé perfeita, eles esperarão para sempre. Nunca houve tais comungantes em nenhuma época - certamente não nos dias de nosso Senhor e dos apóstolos -, nunca haverá enquanto o mundo permanecer. Antes, o próprio pensamento de que nos sentimos literalmente dignos é um sintoma da justiça própria secreta e prova que somos impróprios para a comunhão aos olhos de Deus. Somos pecadores quando chegamos ao trono da graça - pecadores seremos até morrermos; convertidos mudados, renovados, santificados, mas pecadores ainda. Em resumo, nenhum homem é um comungante realmente digno que não sinta profundamente que é um "pecador miserável".

(5) Em último lugar, alguns objetam ser comungantes porque veem outros chegando à mesa do Senhor que não são dignos e não estão em um estado de espírito correto. Como outros comem e bebem indignamente, eles se recusam a comer e beber. De todos os motivos adotados pelos não-comungantes para justificar sua própria negligência da ordenança de Cristo, devo dizer claramente que não conheço nenhum que me pareça tão tolo, tão fraco, tão irracional e não bíblico como este. É tão bom quanto dizer que nunca receberemos a Ceia do Senhor! Quando é que vamos encontrar na Terra um corpo de comungantes do qual todos os membros são convertidos? 

- Está nos estabelecendo na atitude mais prejudicial de julgar os outros. "Quem és tu que julgas outro?", "O que é isso para você? Siga-me". 

- É privar-nos de um grande privilégio apenas porque outros o profanam e fazem mau uso dele.

- Fingir ser mais sábio do que o próprio Mestre. Se as palavras de São Lucas significam alguma coisa, Judas Iscariotes esteve presente na primeira comunhão e recebeu pão e vinho entre outros. 

- Está ocupando terreno para o qual não há justificativa nas Escrituras. São Paulo repreende fortemente os coríntios pelo comportamento irreverente de alguns dos comungantes; mas não consigo encontrá-lo dando uma única dica de que, quando alguns chegaram à mesa indignamente, outros deveriam recuar ou ficar longe. 

Permitam-me aconselhar os não-comungantes que tenho agora, a fim de tomar cuidado com a prudência acima do que foi escrito. Que eles estudem a parábola do Joio e do Trigo e marquem como os dois deveriam "crescer juntos até a colheita" (Mateus 13. 30). Igrejas perfeitas, congregações perfeitas, corpos perfeitos de comungantes são todos inatingíveis neste mundo de confusão e pecado. Desejemos os melhores dons e façamos tudo o que pudermos para controlar o pecado nos outros; mas não vamos morrer de fome porque outros são pecadores ignorantes e transformamos sua carne em veneno. Se outros forem tolos o suficiente para comer e beber indignamente, não vamos dar as costas à ordenança de Cristo e recusar-nos a comer e beber.

Essas são as cinco desculpas comuns pelas quais uma quantidade inumerável nos dias atuais, apesar de professarem-se cristãos, nunca vêm à Ceia do Senhor. Uma observação comum pode ser feita sobre eles: não há uma única razão entre as cinco que mereça ser chamada de "boa" e que não condena o homem que a dá. Desafio qualquer um a negar isso. Eu disse repetidamente que não quero que ninguém seja um comungante que não esteja adequadamente qualificado. Mas peço aos que ficam longe que nunca esqueçam que as mesmas razões que atribuem à sua conduta são a condenação. Eu digo a eles que eles são condenados diante de Deus por serem muito ignorantes sobre o que é um comungante e o que é a Ceia do Senhor; ou então, de pessoas que não estão vivendo corretamente, e estão incapazes de morrer. Em resumo, dizer que não sou comungante é tão bom quanto dizer uma destas três coisas: "Estou vivendo em pecado e não posso vir; sei que Cristo me ordena, mas não vou obedecê-Lo; Eu sou um homem ignorante e não entendo o que significa a Ceia do Senhor. "


Não sei em que estado de espírito este livro pode encontrar o leitor deste artigo, ou quais podem ser suas opiniões sobre a Ceia do Senhor. Mas concluirei o assunto inteiro oferecendo a todos alguns avisos, que me atrevo a achar que são peculiarmente exigidos pelos tempos.

(1) Em primeiro lugar, não negligencie a Ceia do Senhor. O homem que, fria e deliberadamente, se recusa a usar uma ordenança que o Senhor Jesus Cristo designou para seu benefício, pode ter muita certeza de que sua alma está em um estado muito errado. Ainda há um julgamento por vir; há uma conta a ser prestada de toda a nossa conduta na terra. Como alguém pode esperar ansiosamente por esse dia e esperar encontrar Cristo com conforto e em paz, se ele recusou toda a sua vida a encontrar Cristo em Sua própria ordenança, é algo que não consigo entender. Isso se aproxima de você? Cuidado com o que você está fazendo.

(2) Em segundo lugar, não receba a Ceia do Senhor de forma descuidada, irreverentemente e por uma questão de formalidade. O homem que caminha até o parapeito da Comunhão, come o pão e bebe o vinho, enquanto seu coração está longe, está cometendo um grande pecado e roubando-se de uma grande bênção. Nisso, como em todos os outros meios da graça, tudo depende do estado de espírito em que a ordenança é usada. Aquele que se aproxima sem arrependimento, com fé e amor, e com um coração cheio de pecado e do mundo, certamente não será nada melhor, mas pior.  Isso se aproxima de você? Cuidado em como você está.

(3) Em terceiro lugar, não faça um ídolo da Ceia do Senhor. O homem que lhe diz que é a primeira e principal ordenança do cristianismo, está lhe dizendo o que ele achará difícil de provar. Na grande maioria dos livros do Novo Testamento, a Ceia do Senhor nem mesmo é nomeada. Na carta a Timóteo e Tito, sobre os deveres de um ministro, o assunto nem é mencionado. Arrepender-se e converter-se, crer e ser santo, nascer de novo e ter graça em nossos corações - todas essas coisas são muito mais importantes do que ser comungante. Sem eles, não podemos ser salvos. Sem a Ceia do Senhor, podemos. O ladrão penitente não era um comungante, e Judas Iscariotes era! Você está tentado a fazer com que a Ceia do Senhor anule e ofusque tudo no Cristianismo, e coloque-a acima da oração e da pregação? Cuide-se. Cuidado em como você está.

(4) Em quarto lugar, não use a Ceia do Senhor de maneira irregular. Nunca fique ausente quando essa ordenança for administrada. Faça todo sacrifício para estar no seu lugar. Hábitos regulares são essenciais para a manutenção da saúde de nossos corpos. O uso regular de todos os meios da graça é essencial para a prosperidade de nossas almas. O homem que acha cansativo comparecer em todas as ocasiões em que a Mesa do Senhor é oferecida, pode muito bem duvidar se tudo está bem dentro dele e se ele está pronto para a Ceia das Bodas do Cordeiro. Se Tomé não estivesse ausente quando o Senhor apareceu pela primeira vez aos discípulos reunidos, ele não teria dito as coisas tolas que disse. Ausência o fez perder uma bênção. Esse é o seu caso? Cuidado em como você está.

(5) Em quinto lugar, não faça nada para desacreditar sua profissão como comungante. O homem que, depois de assistir à mesa do Senhor, corre para o pecado, talvez cause mais mal do que qualquer pecador. Ele é um sermão ambulante em nome do diabo. Ele dá ocasião aos inimigos do Senhor para blasfemarem. Ele ajuda a manter as pessoas afastadas de Cristo. Mentirosos, bebedores, comungantes adúlteros, desonestos e apaixonados são os ajudantes do diabo e os piores inimigos do Evangelho. Esse é o seu caso? Cuidado em como você está.

(6) Em último lugar, não desanime e seja derrotado, se com todos os seus desejos você não sentir muito bem com a Ceia do Senhor. Muito provavelmente você está esperando demais. Muito provavelmente você é um péssimo juiz de seu próprio estado. As raízes da sua alma podem estar se fortalecendo e crescendo, enquanto você pensa que não está se saindo bem. Muito provavelmente você está esquecendo que a terra não é o céu, e que aqui andamos pela vista e não pela fé, e não devemos esperar nada perfeito. Coloque essas coisas no coração. Não escreva coisas amargas contra si mesmo sem justa causa.

A todo leitor em cujas mãos este artigo possa cair, recomendo todo o assunto como merecedor de consideração séria e solene. Não sou nada melhor do que um pobre homem falível. Mas se eu me decidi em algum ponto, é isso: que não há verdade que exija palavras tão claras quanto a verdade sobre a Ceia do Senhor.


[NOTA FINAL DO CAPÍTULO]

Peço a atenção especial de meus leitores para os seguintes extratos da última incumbência do falecido Dr. Longley [3], arcebispo de Canterbury.

O cargo ocupado pelo arcebispo, a notável gentileza e brandura de seu caráter, o fato de que essa incumbência contém seus últimos sentimentos e que não foi tornada pública até depois de sua morte - tudo isso me parece investir esses extratos sobre o Ceia do Senhor com interesse peculiar.

"Está longe de minha intenção imputar a todos aqueles que tomaram o passo desaconselhável de adotar as vestimentas sacrificiais (na administração da Ceia do Senhor) qualquer simpatia pelo erro romano; mas sou obrigado a admitir que há indicações claras em algumas das publicações que foram publicadas como manifestos das opiniões daquela seção de nossa Igreja, de que alguns de seus membros professos, sim, até mesmo de seus ministros, se consideram livres para manter as doutrinas da Igreja de Roma em relação a o sacrifício da missa, e ainda assim mantêm sua posição sob o pálido da Igreja Anglicana, com o objetivo declarado de eliminar de seus formulários todos os vestígios da Reforma, no que diz respeito a seu protesto contra o erro romano totalmente incompatível com a lealdade à Igreja à qual professam pertencer, e chamam de "uma comunhão profundamente contaminada pela heresia protestante": "Nosso dever", dizem eles, "é a expulsão do mal, ou fugir dele". Portanto, não é falta de caridade declarar que eles permanecem conosco para que possam substituir a Missa pela Comunhão; o objetivo óbvio de nossos reformadores foi substituir a Comunhão pela Missa. Sem dúvida, a Igreja da Inglaterra admite de considerável latitude nas visões que podem ser tomadas do mais misterioso de todos os mistérios, o Sacramento da Ceia do Senhor. E enquanto essas palavras solenes de sua instituição original: 'Este é o meu Corpo', 'Este é o meu Sangue, 'permanecerá na sentença de consagração (e eles nunca poderão ser apagados dela), por tanto tempo haverá variedades de interpretação dessas palavras, as quais podem ser consistentes com uma verdadeira lealdade à nossa Igreja, desde que essas três condições sejam observados:

"1. Que eles não sejam interpretados para significar que o Corpo Natural de Cristo está presente no Sacramento:

"2. Nem admitir qualquer adoração do pão e vinho sacramental recebido corporalmente ou de qualquer presença corporal do Corpo e Sangue Natural de Cristo:

"3. Nem para justificar a crença de que o Corpo e o Sangue são novamente oferecidos como uma satisfação pelo pecado; visto que a oferta de Cristo feita uma vez foi uma perfeita redenção, propiciação e satisfação pelos pecados do mundo inteiro, originais e reais.

"Estes são os limites que nossa Igreja impõe à liberdade de interpretação das palavras de nosso abençoado Senhor.

"O uso dessas vestimentas de sacrifício está na mente de muitos intimamente ligados à ideia de que um elemento essencial na Santa Comunhão é a oferta a Deus de um sacrifício do corpo e do sangue de Cristo, que habita os elementos de maneira misteriosa. Após o ato da consagração, o ministro veste as vestes da época como sacerdote sacrificador. De acordo com essa visão, parece que a parte mais importante deste sacramento é o que oferecemos a Deus, não o que recebemos dele.

"Esta visão não é reconhecida pela Igreja da Inglaterra em seus formulários. A definição geral no Artigo XXV afirma que os sacramentos são 'certas testemunhas seguras e sinais efetivos de graça, pelos quais [Deus] trabalha invisivelmente em nós'; e é dito especificamente da Ceia do Senhor (Art. XXVIII), que 'é um sacramento de nossa redenção pela morte de Cristo: de modo que para quem, com justiça, dignidade e fé, recebe o mesmo, o pão que partimos é uma participação do Corpo de Cristo; e da mesma forma a Taça da Bênção é uma participação do Sangue de Cristo. A ideia do sacrifício desse corpo e sangue não encontra lugar em nenhuma dessas definições estritas. O catecismo fala a mesma linguagem quando define um sacramento como "um sinal externo e visível de uma graça interior e espiritual que nos foi dada". O exame do Ofício da Santa Comunhão também não dará nenhuma importância à ideia em questão. A única oblação ou oferta distinta mencionada nesse Ofício é anterior à Consagração dos elementos, na Oração pelo Militante da Igreja e, portanto, não pode ser uma oferta ou sacrifício do Corpo e Sangue de Cristo; e o único sacrifício de que somos falados é a oferta de 'nós mesmos, nossas almas e corpos, para ser um sacrifício razoável, santo e vivo'. [4] Nossa Igreja parece muito estudiosamente ter evitado qualquer expressão que pudesse aceitar a noção de um perpétuo sacrifício de Cristo, enquanto, por outro lado, fala da morte de Cristo na cruz como 'Sua própria oblação de Si mesmo uma vez oferecida como completa. , sacrifício perfeito e suficiente pelos pecados do mundo inteiro. ' Não há espaço para a repetição desse sacrifício ou para a admissão de qualquer outro sacrifício pelo pecado.

"A noção romana de um verdadeiro, real e substancial sacrifício do corpo e do sangue de Cristo, como é chamado no Concílio de Trento, implicava o uso do termo altar. Mas esse termo não aparece em nenhum lugar no Livro de Oração Comum e, sem dúvida, foi omitido, a fim de que nenhum semblante devesse ser dado à visão sacrificial. A noção, portanto, de fazer nos elementos materiais uma oferta perpétua do Corpo e Sangue de Cristo, é tão estranha ao espírito e à letra de nosso Serviço quanto eu considero ser à doutrina dos primeiros Pais, também como dos principais teólogos de nossa Igreja. Este último ponto também tentarei estabelecer a seguir.

Enquanto isso, não se pode negar, por outro lado, que a doutrina da Presença Real é, em certo sentido, a doutrina da Igreja da Inglaterra. Ela afirma que o Corpo e o Sangue de Cristo são 'verdadeiramente e de fato tomados e recebidos pelos fiéis na Ceia do Senhor. E ela afirma igualmente que essa presença não é material ou corporal; mas que o Corpo de Cristo 'é dado, tomado e comido, na Ceia, somente segundo uma maneira celestial e espiritual' (Art. XXVIII). A presença de Cristo é eficaz para todas as intenções e propósitos pelos quais Seu Corpo foi quebrado e Seu Sangue derramado. Quanto a uma presença em outro lugar que não no coração do crente, a Igreja da Inglaterra fica em silêncio, e as palavras de Hooker, portanto, representam seus pontos de vista: 'A presença real do mais abençoado Corpo e Sangue de Cristo não deve ser procurada no Sacramento, mas no digno receptor do Sacramento'. "

~

J. C. Ryle

Practical Religion (1879). Disponível em Gutenberg.


Notas:
[1] - Se alguém imagina que as palavras de São Paulo aos hebreus: "Temos um altar", são uma prova de que a mesa do Senhor é um altar, aconselho-o a ler o que Waterland diz sobre o assunto: "Os cristãos têm um altar do qual participam. Esse altar é Cristo, nosso Senhor, que é altar, sacerdote e sacrifício, tudo em um". Waterland's Works, vol. V., 268. Edição de Oxford.
[2] - Pórcio Festo governou a província romana da Judeia, entre os anos de 60 a 62 d. C e Lúcio Júnio Gálio Aniano (5 a.C-65 d.C.) foi um senador romano e irmão do famoso escritor Sêneca, conhecido por seu julgamento imparcial de um caso judicial envolvendo o Apóstolo Paulo em Corinto.
[3] - Charles Thomas Longley (1794-1868).
[4] - Ver "A New History of the Book of Common Prayer", Francis Procter, página 320.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: