Sobre a origem do pecado

Aquele homem não foi mais forçado a pecar, e sobre "contingentia".


A sexta coisa, da qual também devemos falar, e sobre quais grandes conflitos muitas vezes surgiram no mundo, é esta: sempre que alguém diz que Deus sustenta todas as coisas criadas, alguém imediatamente pergunta sobre a origem do pecado.

O que é pecado, queremos explicar mais completamente depois; No momento, queremos simplesmente fazer a breve declaração em 1 João 3: 4: "O pecado é tudo que é contrário ao mandamento de Deus". Nessas poucas palavras, João, como um verdadeiro mestre da dialética, apontou significativamente o que é o pecado. É como se alguém respondesse à pergunta "O que é a escuridão?" dizendo que a escuridão é uma falta de luz. Aqui, a sabedoria e a vontade de Deus são a eterna imutável regra e medida da justiça. E essa regra ele proclamou em sua lei, que é sua eterna sabedoria precisamente duplicada em palavras. Tudo o que diverge dessa regra e quebra essa ordem divina está errado; é chamado pecado e é condenado pelo julgamento e pela ira de Deus.

É muito necessário reconhecer que o pecado não é causado por Deus. Deus não tem prazer nisso, não deseja e não faz nada para efetivá-lo; ele não obriga nem leva ninguém a pecar. Pelo contrário, ele é um inimigo sério e punidor do pecado. A vontade do homem e a vontade do diabo são as fontes do pecado! Primeiro, os demônios e depois os próprios homens, por vontade própria, não forçados por Deus, partiram de Deus e caíram no pecado.


Verificação e testemunhos definidos sobre este artigo

Gênesis 1:31: "Deus viu tudo o que havia feito e eis que era muito bom".

Salmo 5: 4: "Porque tu não és um Deus que se deleita na maldade."

Zacarias 8:16 e seguintes: "Em seus portões prestem julgamentos verdadeiros e que tragam paz, não invente o mal em seus corações uns contra os outros e não ame nenhum juramento falso, por todas essas coisas que odeio, diz o Senhor."

João 8:44: "Quando o diabo mente, ele fala de acordo com sua própria natureza, pois é mentiroso e pai da mentira." Aqui está uma distinção entre a criação que é de Deus e a corrupção pecaminosa que não é de Deus, mas do diabo. Por essa razão, o texto diz que uma mentira é o trabalho particular do diabo.

Romanos 5:12: "O pecado veio ao mundo através de um homem".

1 João 2: 16: "A concupiscência dos olhos não é do Pai, mas é do mundo".

Primeiro João 3: 8: "Quem comete pecado é do diabo; porque o diabo pecou desde o princípio".

Por esses testemunhos claros e definidos, devemos permanecer firmes; confiadamente, repudiaremos as mentiras diabólicas dos estoicos e as blasfêmias dos maniqueus e compreenderemos que o pecado não é algo causado por Deus. O pecado é uma corrupção, uma brecha, uma desordem na ordem racional, muito bonita, boa e nobre de coisas criadas, espíritos e homens, e essa desordem veio primeiro pelo livre arbítrio dos demônios e depois por Adão e Eva, que se afastaram livremente de Deus, como será discutido mais adiante.

As duas idéias a seguir não são contrárias uma à outra: O ser dos espíritos, o corpo e a alma dos homens foram criados por Deus e também são sustentados por Deus; no entanto, a desordem e o aluguel, ou brecha, na criação não são de Deus, mas são do livre arbítrio dos demônios e dos primeiros homens. E mesmo depois que o aluguel ocorreu, Deus sustentou a natureza quebrada, como é o caso agora.

Falando mais sobre o pecado real após a queda de Adão: Embora os homens tenham sido corrompidos após a queda de Adão, o pecado original é inato em nós, e nós, por nossa própria força, não somos capazes de curar esse grande dano ou deixá-lo de lado, no entanto, a ferida em Adão e Eva vieram pela primeira vez, não forçados, de livre arbítrio.

Também devemos admitir, mesmo como certifica as Escrituras, que após a queda de Adão essa liberdade permanece, no que diz respeito à atividade externa racional. Somos capazes de restringir membros externos, como mãos e pés, língua e olhos, para manter a disciplina e abster-nos de fazer trabalhos externos de vergonha.

Embora Caim queimasse com ciúmes, ódio e raiva, no entanto, falando dos poderes nele, ele ainda poderia ter segurado sua mão e não assassinado seu irmão. E embora o diabo o tenha levado, e a inclinação do mal era forte nele, mesmo assim ele ainda tinha esse poder e liberdade, de modo que não foi forçado a usar seus membros externos para cometer o mal, como desejo logo demonstrar claramente em o artigo sobre livre arbítrio.

A Sagrada Escritura proclama abertamente que há uma retidão externa que o homem pode, por seu próprio poder. Nesta medida, o livre arbítrio permanece; o homem pode controlar e governar seus membros externos, assim como Aquiles. Embora tenha sido provocado pela raiva e sacou a espada, e pudesse ter perfurado Agamenon, ele se conteve. Disso, mais tarde.

Porque Deus não deseja e não tem prazer no pecado, e porque o pecado se originou não da vontade de Deus, mas do livre arbítrio dos demônios e de Adão e Eva, e porque o homem retém a liberdade nas obras externas, segue-se que devemos não fique dizendo que nossas vontades foram primeiro forçadas a pecar, ou que ainda somos forçados a cometer atos externos de maldade, ou que Davi teve que tomar a esposa de seu fiel e justo servo, e assim por diante.

Segue-se também que não devemos insistir em que tudo o que acontece deve acontecer da mesma maneira (como os estoicos disseram sobre seu destino), e que Deus e as vontades dos homens estão vinculados. Se tudo o que acontece deve acontecer como acontece, então Nero necessariamente praticou seus horríveis vícios. Mentiras horríveis e sujas não devem ser trazidas à Igreja diante dos ouvidos de Deus e dos anjos. Oro para que todas as pessoas tementes a Deus se protejam contra isso.

Para combater isso, as pessoas citam a passagem sobre o Faraó: "Endurecerei o coração do Faraó" [Ex. 4:21; 7: 3]. Aqui as palavras são lidas como se o endurecimento fosse uma ação que o próprio Deus deseja e produz no coração do faraó. Para isso, a resposta verdadeira, estabelecida e correta é que há uma grande distinção entre fazer algo por si mesmo e permitir ou não impedir que outro o faça. O que o próprio Deus faz e cria é bom. Além disso, quando os demônios ou homens agem contra Deus, isso não é Deus agindo, mesmo que Deus permita que isso aconteça e na verdade não o impeça, exceto em seu próprio tempo.

Agora o hebraico lê assim: "Eu o endurecerei", isto é, com o tempo deixarei que ele se torne ainda mais difícil, mais arrogante, furioso e delirante. No hebraico, essa é uma maneira muito geral de falar; as palavras são usadas como na oração do Senhor: "Não nos deixeis cair em tentação", isto é, não nos deixemos cair em tentação, etc.

Seria superficial compilar tais exemplos em grande número, mas eles devem ser notados especialmente onde a punição é mencionada em particular, como no Salmo 89:39: "Você renunciou à aliança com teu servo; contaminou sua coroa no pó..." São palavras, por assim dizer, que têm um véu. O próprio Deus não torna a adoração genuína impura, mas oculta a punição daqueles que matam os santos, assim como os maometanos, turcos e papistas.

Isso levanta argumentos muito complicados sobre necessidade e continência, de necessidade e contingencia, isto é, se tudo - o bem e o mal, o santo e o pecador - deve acontecer como acontece, se Davi teve de cometer adultério, e assim por diante. em. Não quero falar muito sobre isso agora, mas peço a todos os piedosos que sejam avisados, e pelo bem da honra de Deus mantenha com firmeza que Deus não deseja o pecado, que ele não afeta nada a respeito do pecado, e que ações pecaminosas não acontecem necessariamente. Pensar sobre esse assunto é curiosidade vergonhosa ou obstinação maliciosa. No entanto, para fins de instrução, apresentaremos algumas coisas a serem lembradas.

Essa passagem muito consoladora e amada em Mateus 10: 30, "Até os cabelos da sua cabeça estão numerados", é citada para mostrar que tudo deve prosseguir em uma ordem definida e não pode prosseguir de outra maneira.

A resposta para isso e para muitas declarações semelhantes é que existem promessas consoladoras divinas que proclamam que Deus de fato contempla nossa miséria, cuida dos fiéis, graciosamente nos preserva de cair em tentação, ouve nossos gritos e apelos e nos ajuda; como está escrito no Salmo 34: 15, "Os olhos do Senhor estão voltados para os justos", para proteger, guiar, sustentar e, finalmente, levá-los à bênção eterna.

De tais palavras de conforto e promessas, somente isso se segue: Deus cuida dos fiéis, os preserva e deseja ajudá-los contra seus inimigos, demônios e tiranos. Não se segue que demônios e tiranos devam, necessariamente, empreender sua blasfêmia, falta de castidade e assassinato.

Muitas pessoas também usam esse argumento: Deus sabe tudo, e ele decidiu o que fará e o que esconderá, e tudo acontece exatamente como ele conhece. Alguns concluem disso que tudo deve acontecer assim e assim.

Para responder a isso, é necessário saber que "ser necessário" ou "deve ser" tem várias distinções marcadas e graus de significado.

O primeiro grau é o seguinte: algumas coisas são imediatas e necessárias em si mesmas, e devem assim ser por toda a eternidade, a saber, Deus é; ele é eterno, onipotente, vivo, sábio, bom e justo. Isso é necessário; deve ser assim e não pode ser de outra maneira. Isso é chamado de necessitas absoluta, "necessidade absoluta".

O segundo grau: algumas coisas estão necessariamente de acordo com a ordem em que são criadas. O curso do sol exige a ordem do dia e da noite; é da natureza do fogo dar calor, da água dar umidade etc. Deus pode alterar essas coisas, como quando o sol parou na batalha de Josué. Por esse motivo, eles não são completamente necessários, mas estão de acordo com a ordem natural. Quando Deus não altera a natureza, ele executa exatamente como é criado.

O terceiro grau diz respeito às boas obras nas quais a vontade de Deus é efetiva, mas que não são necessárias em si mesmas e, é claro, Deus é completamente não forçado, mas elas [essas boas obras] seguem conforme necessário. Embora sejam decididos por Deus e sejam proclamados para que certamente aconteçam - como, por exemplo, todos os homens serão ressuscitados dentre os mortos, Israel será levado do Egito para Canaã e os judeus voltarão da Babilônia para Jerusalém - estes e outros trabalhos semelhantes não acontecem por si mesmos. Invariavelmente, no entanto, acontecem desde que são decididos e anunciados. E enquanto forem boas ações, a vontade e a obra de Deus estão nela. O Filho Jesus Cristo é enviado, os mortos são ressuscitados e Israel é libertado do Egito.

O quarto grau diz respeito às obras más, que Deus não deseja. Embora ele os conheça e os veja, pois nada está oculto aos seus olhos, eles não são sua vontade e trabalho. Ele oculta o castigo ordenado por eles. Ele próprio fala de Senaqueribe, dizendo que colocará uma rédea na boca e o levará de volta.

Assim, Deus desenha uma cortina sobre Faraó e Saulo e estabelece um limite para que a ousadia e a arrogância terminem. Enquanto a punição é decidida, o fim do Faraó vem das causas precedentes e não é necessário. É necessário apenas porque segue, requer conseqüências. Faraó, Saul e outros não foram forçados a praticar seu despeito e devassidão, e se tivessem desistido, o castigo não teria seguido, como no caso de Nínive, que foi poupado.

Esses graus devem ser cuidadosamente anotados, para que tudo não seja agrupado e tornado igualmente necessário, sem considerar as causas particulares. A loucura em Caim, Faraó, Saul e Judas é de seu próprio livre arbítrio, mesmo que o diabo os conduza com ela, como o texto diz: "Satanás entrou no coração de Judas" [Lucas 22:31]. No entanto, eles não foram forçados, e isso não é atividade e obra de Deus.

E observe a resposta ao argumento que declara que, porque Deus conhece todas as coisas, como está escrito, e porque Deus não é enganado, então tudo deve acontecer como acontece. A verdade é que o conhecimento de Deus não força a vontade humana a cometer pecado, e Deus não deseja realizar sua vontade através do pecado. O pecado não é necessário.

Embora muitas questões desconcertantes sejam levantadas sobre esse assunto, no entanto, um homem piedoso a Deus deve ser vinculado e governado pela palavra de Deus, que diz significativa e freqüentemente: "Deus não é a causa do pecado; pelo contrário, ele é definitivamente o inimigo do pecado." E a disputa também deve ter um limite, pois não podemos compreender tudo, e os piedosos que desejam mais informações e melhor entendimento podem falar sobre isso com pessoas que amam a verdade e não buscam discussões desnecessárias. O seguinte artigo sobre livre arbítrio explica mais.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: