A Preciosidade das Promessas

As promessas de Deus são para o crente uma mina inesgotável de riquezas. Feliz será para ele se souber descobrir suas veias secretas e se enriquecer com seus tesouros escondidos. Eles são um arsenal, contendo todos os tipos de armas ofensivas e defensivas. Bem-aventurado aquele que aprendeu a entrar no arsenal sagrado, a colocar a couraça e o elmo e a levar a mão à lança e à espada. Eles são uma cirurgia, na qual o crente encontrará todos os tipos de restauradores e elixires abençoados; nem falta um unguento para cada ferida, um cordial para cada fraqueza, um remédio para cada doença. Bem-aventurado aquele que é bem hábil na farmácia celestial e sabe como se apegar às virtudes curativas das promessas de Deus. As promessas são para o cristão um depósito de alimentos. Eles são como os celeiros que José construiu no Egito, ou como o pote de ouro onde o maná foi preservado. Bem-aventurado aquele que pode pegar os cinco pães de cevada e peixes da promessa e parti-los até que todas as suas cinco mil necessidades sejam supridas, e ele é capaz de juntar cestos cheios de fragmentos. As promessas são a Magna Carta da liberdade do cristão; eles são os títulos de propriedade de sua propriedade celestial. Feliz é aquele que sabe lê-los bem e chamá-los todos de sua propriedade. Sim, eles são a sala de joias na qual os tesouros da coroa do cristão são preservados. Os trajes são dele, para admirar secretamente hoje, que ele usará abertamente no Paraíso no futuro. Ele já é privilegiado como rei com a chave de prata que destranca a casa-forte; ele pode agora mesmo agarrar o cetro, usar a coroa e colocar sobre os ombros o manto imperial. Ó, quão indescritivelmente ricas são as promessas de nosso Deus fiel e que guarda a aliança! Se tivéssemos a língua do mais poderoso dos oradores, e se essa língua pudesse ser tocada com uma brasa viva do altar, ainda assim não poderia proferir um décimo dos louvores das grandíssimas e preciosas promessas de Deus. Não, aqueles que entraram em repouso, cujas línguas estão sintonizadas com a eloquência elevada e arrebatadora de querubins e serafins, mesmo eles nunca podem dizer a altura e profundidade, o comprimento e largura das riquezas insondáveis ​​de Cristo, que estão armazenadas em o tesouro de Deus - as promessas da aliança de Sua graça.

~

Charles Spurgeon

Gleanings Among The Sheaves, 1869.

Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: