As discussões privadas de Armínio - XI

A igreja no Antigo Testamento
A igreja no Novo Testamento
Sobre a cabeça e as marcas da Igreja
Sobre a Igreja Católica
Sobre o poder da Igreja em relação as doutrinas


DISCUSSÃO LI. SOBRE A IGREJA DO ANTIGO TESTAMENTO OU SOB A PROMESSA

I.Como Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre - como ele é a principal ou mais profunda pedra de esquina, sobre a qual a superestrutura da igreja é elevada, sendo edificada tanto por profetas como apóstolos, e como ele é a cabeça de todos aqueles que serão participantes da salvação, toda a igreja, portanto, pode, nesse sentido, ser chamada de "cristã", embora sob essa denominação, peculiarmente, venha a igreja quando ela começou a ser reunida após o real ascensão de Cristo ao céu.

II. Mas, embora a igreja seja uma em relação ao seu fundamento e às coisas que ainda dizem respeito à substância em si, porque agradou a Deus governá-la de acordo com métodos diferentes, em referência a isso, a igreja pode, da maneira mais adequada, ser distinguido na igreja que existia nos tempos do Antigo Testamento antes de Cristo, e na que floresceu nos tempos do Novo Testamento e depois que Cristo apareceu na terra.

III. "A igreja, antes do advento de Cristo, sob a dispensação do Antigo Testamento", é aquela que foi chamada (pela palavra da promessa relativa à semente da mulher e à semente de Abraão, e ao Messias que subsequentemente viria) do estado de pecado e miséria, à participação da justiça da fé e da salvação, e à fé depositada nessa promessa - e pela palavra da lei, para prestar adoração a Deus em confiança de obter misericórdia nesta semente abençoada e no Messias prometido, de maneira adequada à idade infantil da própria igreja.

IV. A palavra da promessa foi proposta, no início, de uma maneira muito geral e com muita obscuridade, mas nas épocas seguintes, mais especialmente e com maior distinção, e ainda mais, como os tempos do advento do Messias na carne. aproximou-se.

V. A lei que contribuiu para esse chamado era moral e cerimonial; (pois, neste local, o forense não é considerado;) e ambos são entregues oralmente e compreendidos e propostos por escrito por Moisés, em cujo último respeito, a lei é principalmente tratada nas Escrituras das Escrituras. Antigo e o Novo Testamento.

VI. A lei moral serve a esse ofício de maneira dupla: primeiro, demonstrando a necessidade da promessa graciosa, que faz convencendo [homens] dos pecados contra a lei, e da fraqueza [do homem] de cumprir a lei. . Para esse fim, ela foi rígida e estritamente proposta; e é considerado como proposto, de acordo com estas passagens: "O homem que os pratica viverá neles" e "Maldito é todo aquele que não continuar em todas as coisas que estão escritas no livro da lei para fazê-las. " Em segundo lugar, por ewieikwv moderadamente, ou com clemência, exigindo a observância disso daqueles que eram partes da aliança da promessa.

VII. Embora a observância da lei cerimonial não seja, por si mesma, e por conta de si mesma, agradável a Deus, a observância dela foi prescrita para dois propósitos:

(1) para convencer a culpa dos pecados e dos pecados. maldição, e pode assim declarar a necessidade da promessa graciosa.

(2.) E para que ele possa sustentar os crentes pela esperança da promessa, que foi confirmada pela presignificação típica das coisas futuras. No primeiro desses dois aspectos, a lei cerimonial era o selo dos pecados; mas no último, era o selo da graça e da remissão.

VIII. A igreja daqueles tempos deve, portanto, ser considerada, tanto como é chamada herdeira quanto como chamada criança, de acordo com sua substância ou de acordo com a dispensação e a economia adequadas a essa época. De acordo com o primeiro desses aspectos, a igreja estava sob a promessa ou o pacto da promessa; e de acordo com esse último respeito, ela estava sob a lei e sob o Antigo Testamento, com relação à qual esse povo é chamado servil, ou em servidão, e o herdeiro infantil "não difere em nada do servo", como, em relação para a promessa, as mesmas pessoas são denominadas livres, nascidas de uma mulher livre, e de acordo com Isaac "contaram a semente" a quem a promessa foi feita.

IX. De acordo com a promessa, a igreja era um povo disposto - de acordo com o Antigo Testamento, um povo carnal; de acordo com a relação anterior, o herdeiro das bênçãos espirituais e celestiais; de acordo com este último, o herdeiro das bênçãos espirituais e terrenas, especialmente da terra de Canaã e de seus benefícios. De acordo com a relação anterior, a igreja era dotada do Espírito de adoção; de acordo com o último, ela tinha esse Espírito misturado com o da escravidão enquanto a promessa continuasse.

X. A consideração aberta dessas relações, e uma comparação e oposição adequadas entre o pacto da promessa e a lei ou o Antigo Testamento, contribuem muito para a [correta] interpretação de várias passagens das Escrituras, que, de outra forma, dificilmente poderiam ser de todo modo explicado, ou pelo menos com grande dificuldade.

COROLÁRIOS

I. Como o Antigo Testamento foi forçado a ser revogado, portanto, deveria ser confirmado, não pelo sangue de um testador ou mediador, mas de animais brutos.

II "O Antigo Testamento" nunca é usado nas Escrituras para o pacto da graça.

III A confusão da promessa e do Antigo Testamento é produtiva de muita obscuridade na teologia cristã, e é a causa de mais do que um único erro.


DISCUSSÃO LII. SOBRE A IGREJA DO NOVO TESTAMENTO OU SOB O EVANGELHO

I. A Igreja do Novo Testamento é aquela que, a partir do momento em que esse Testamento foi confirmado pelo sangue de Cristo, o mediador do Novo Testamento, ou a partir do período de sua ascensão ao céu, começou a ser chamado de um estado de pecado. que foi manifestada claramente pela palavra do evangelho e pelo Espírito adequado aos herdeiros que atingiram a idade dos adultos - a uma participação da justiça da fé e da salvação, através da fé colocada no evangelho, e prestar adoração a Deus e a Cristo na unidade do mesmo Espírito; e esta igreja continuará sendo chamada da mesma maneira até o fim do mundo, para o louvor da glória da graça de Deus e de Cristo.

II. A causa eficiente é o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que agora se manifestou claramente como Jeová e o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; e é o próprio Cristo, elevado à destra do Pai, investido com pleno poder no céu e na terra, e dotado da palavra do evangelho e do Espírito além da medida. A causa antecedente ou única causa que move é a graça e misericórdia de Deus Pai e de Cristo, e até a justiça de Deus, à qual, através do bom prazer do Pai, a satisfação mais completa foi feita em Jesus Cristo e que é claramente manifestado no evangelho.

III. O Espírito de Cristo é a causa administradora, de acordo com a economia, como ele é o substituto de Cristo e recebe daquilo que é de Cristo, para glorificar a Cristo por esse chamado em sua igreja, com apenas um poder total para administrar todas as coisas de acordo com a economia. para seu próprio prazer. O Espírito usa a palavra do evangelho colocada na boca de seus servos, que imediatamente executa essa vocação, e a palavra da lei, escrita ou implantada na mente; o evangelho serve tanto como antecedente que um lugar possa ser criado para essa vocação e, conseqüentemente, quando for recebido pela fé.

IV. O objetivo dessa evocação é, não apenas os judeus, mas também os gentios, a parede intermediária da separação que antigamente separava os gentios dos judeus, sendo levados pela carne e sangue de Cristo; isto é, o objetivo é todos os homens de maneira geral e promíscua, sem qualquer diferença, mas são todos os homens realmente pecadores, sejam aqueles que se reconhecem como tais e para quem a pregação do evangelho é constantemente exibida, ou aqueles que ainda estão por cumprir. ser levado ao reconhecimento de seus pecados.

V. Como esta igreja tem idade adulta e não requer mais tutor e governador, ela está livre da escravidão econômica da lei e é governada pelo espírito de plena liberdade, que não é de modo algum misturado. com o espírito de escravidão; e, portanto, ela está livre do uso da lei cerimonial, na medida em que servia para testemunhar pecados e como era "a escrita à mão que era contra nós".

VI. Esta igreja, também, com o rosto revelado ou aberto, contempla a glória do Senhor como em um copo, e tem a imagem muito expressa das coisas celestiais, e Cristo, a imagem do Deus invisível, a imagem expressa da pessoa do Pai, e o brilho de sua glória, e o próprio corpo de coisas vindouras que são de Cristo. Ela, portanto, não precisa da lei, que tem a sombra das coisas boas que estão por vir; por esse motivo, ela está livre da mesma lei cerimonial, pela qual ela tipicamente prefigurava Cristo e as coisas boas que estão por vir.

VII. A igreja do Novo Testamento não experimentou, agora não experimenta, e não experimentará, até o fim do mundo, em todo o seu curso, nenhuma mudança em relação à palavra em si ou ao espírito; Pois, nestes últimos tempos, Deus falou conosco em seu Filho e por aqueles que o ouviram.

VIII. Essa mesma igreja é chamada de "católica", em um sentido peculiar e distinto em oposição à igreja que estava sob o Antigo Testamento, na medida em que ela foi difundida em todo o mundo e abraçou dentro de sua fronteira todas as nações, tribos, pessoas e línguas. Essa universalidade não é prejudicada pela rejeição da maior parte dos judeus, pois eles também serão adicionados à igreja, daqui a algum tempo, em uma grande multidão, e como um exército formado em colunas.

IX. Podemos denominar, não de maneira imprópria ou inadequada, o estado da igreja, como ela existia desde o tempo de João até o consentimento de Cristo no céu, "temporário ou intermediário" entre o estado da promessa e do evangelho, ou o do Antigo Testamento e do Novo.

X. Por essa razão, colocamos o ministério de João entre o ministério dos profetas e o dos apóstolos, e claramente, e em todos os aspectos, conformável a nenhum deles. Por isso, também, João é chamado de "profeta maior" e diz-se que é "menos do que o menor no reino dos céus.

COROLÁRIO

O batismo de João era até agora o mesmo de Cristo, que depois não havia necessidade de ser restaurado.


DISCUSSÃO LIII. SOBRE A CABEÇA E AS MARCAS DA IGREJA

I. Embora a cabeça e o corpo sejam de uma natureza, e embora, de acordo com a natureza, constituam propriamente uma única subsistência, ainda assim, aquele que, de acordo com a natureza, é o chefe da igreja, não pode ter comunhão da natureza com ela, pois ela é. a criatura dele.

II. Mas tem sido o bom prazer de Deus, que é ao mesmo tempo a cabeça da igreja de acordo com a natureza, e seu criador, conceder à sua igreja seu Filho Jesus Cristo, feito homem, como sua cabeça, por quem, igualmente, foi sua vontade de criar sua igreja - isto é, uma nova criatura, para que a união entre a igreja e a cabeça dela estivesse mais próxima, e a comunicação mais livre e confidencial.

III. Mas existe uma relação tríplice entre a igreja e sua cabeça:

(1) Que a cabeça contém em si mesma, da maneira mais perfeita, todas as coisas necessárias e suficientes para a salvação.

(2.) Que ele está adequadamente unido à igreja, seu corpo, pelas "articulações e faixas" do Espírito e da fé.

(3) Que a cabeça possa infundir nela a virtude de sua própria perfeição, e que ela possa recebê-la de acordo com a ordem de pré-ordenação e subordinação que correspondam adequadamente a ela de acordo com a diferença de ambas.

IV Mas essas três coisas pertencem somente a Cristo; não, nenhum dos três concorda com qualquer pessoa ou coisa, exceto com Cristo. Portanto, ele, somente, é o chefe da igreja, a quem ela imediatamente adere de acordo com sua essência interna e real.

V. Mas ninguém pode, de acordo com essa relação, ser vigário ou substituí-lo; nem o apóstolo Pedro, nem qualquer pontífice romano; não, Cristo não pode ter ninguém entre os homens como seu vigário, de acordo com a administração externa da igreja; e, além do mais, ele não pode ter um ministro universal, cujo termo é menor que o de vigário.

VI No entanto, não negamos que as pessoas que são constituídas por esse chefe como seus ministros desempenhem funções que pertencem ao chefe; porque foi seu prazer reunir sua igreja para si mesmo e governá-la por meios humanos.

VII Mas, de acordo com sua essência interna, esta igreja é conhecida por ninguém, exceto por sua cabeça. Da mesma forma, ela é divulgada aos outros por sinais e indicações que têm sua origem em sua verdadeira essência interna, se são reais, e não são falsas e enganosas em sua aparência.

VIII Esses sinais são a profissão da verdadeira fé e a instituição ou condução da vida de acordo com a direção e a instigação do Espírito - um assunto que pertence a atos externos, sobre os quais, sozinho, um julgamento pode ser formado por humanidade.

IX Dizemos que essas são as marcas de uma igreja que se conduz externamente com propriedade. Mas pode acontecer que uma mera profissão de fé possa obter nesta igreja através da pregação e audição pública da palavra, através da administração e uso dos sacramentos, e através de orações e ações de graças; e, no entanto, em toda a sua vida ela pode degenerar da profissão; e, por fim, ela pode negar em suas ações a Cristo, a quem professa conhecer em palavras; nesse caso, ela não deixa de ser uma igreja desde que seja um prazer de Deus e de Cristo suportar suas más maneiras, e não lhe enviar uma declaração de divórcio.

X. Mas aconteceu que, em sua própria profissão, ela começa a misturar falsidades com a verdade e a adorar, ao mesmo tempo, Jeová e Baal. Então, de fato, sua condição é muito ruim e "quase destruída", e todos os que a aderem são ordenados a abandoná-la, pelo menos até o momento, para não se tornarem participantes de suas abominações e se contaminarem com ela. as poluições de sua idolatria; mais, eles são ordenados a acusar a mãe de ser prostituta e de ter violado o pacto com o marido.

XI. Em uma deserção como essa, aqueles que a abandonam não são a causa da dissensão, mas ela que está justamente abandonada, porque primeiro recusou a Deus e a Cristo, a quem todos os crentes, e cada um deles em particular, devem aderir. uma conexão inseparável.

XII. O pontífice romano não é o chefe da igreja; e porque ele se orgulha de ser essa cabeça, o nome de "Anticristo", por esse motivo, pertence merecidamente a ele.

XIII. As marcas da igreja da qual os papistas se gabam - antiguidade, universalidade, duração, amplitude, sucessão ininterrupta de professores e concordância na doutrina - foram inventadas além daquelas que estabelecemos, porque são acomodadas ao estado atual. da igreja de Roma.


DISCUSSÃO LIV. SOBRE A IGREJA CATÓLICA, SUAS PARTES E RELAÇÕES

I. A igreja católica é a companhia de todos os crentes, convocados de todas as línguas, tribos, pessoas, nação e vocação, que foram, são agora e serão chamados pela vocação salvadora de Deus, de um estado de corrupção à dignidade dos filhos de Deus, através da palavra da aliança da graça, e enxertados em Cristo, como membros vivos à cabeça através da verdadeira fé, para o louvor da glória da graça de Deus. A partir disso, parece que a igreja católica difere de igrejas particulares em nada que pertença à substância de uma igreja, mas apenas em sua amplitude.

II. Mas como ela é chamada "a igreja católica" em referência à sua questão, que abrange todos os que já foram, são agora, e ainda serão, feitos participantes dessa vocação e recebidos na família de Deus, da mesma forma , ela é denominada "a igreja única e santa", por sua forma, que consiste na relação mútua da igreja, que pela fé abraça Cristo como cabeça e esposa, e de Cristo, que une a igreja a si mesmo , como seu corpo e esposa, pelo seu Espírito, que a igreja vive pela vida do próprio Cristo e é participante dele e de todos os seus benefícios.

III. A Igreja Católica é "UM", porque, sob um Deus e Pai, que está acima de todas as pessoas, e através de todas as coisas, e em todos nós, ela foi unida como um corpo a uma cabeça, Cristo Senhor, através de uma Espírito, e através de uma fé colocada na mesma palavra, através de uma esperança semelhante da mesma herança, e através da caridade mútua, ela foi "adequadamente enquadrada e construída para um templo sagrado e uma habitação de Deus através do Espírito". Portanto, toda essa unidade é espiritual, embora aqueles que foram assim unidos consistam em parte em corpo e em parte em espírito.

IV. Ela é "SANTA"; porque, pela bênção do Santo dos Santos, ela foi separada do mundo impuro, lavada de seus pecados pelo Seu sangue, embelezada com a presença e graciosa habitação de Deus, e adornada com verdadeira santidade pela santificação do Espírito Santo .

V. Mas, embora essa igreja seja uma, ainda assim ela se distingue de acordo com os atos de Deus para com ela, desde que tenha se tornado o destinatário de qualquer um desses atos ou de alguns deles. Diz-se que a igreja que recebeu apenas o ato de sua criação e preservação está no caminho e é chamada "a igreja militante", como sendo aquela que ainda deve enfrentar o pecado, a carne, o mundo e Satanás. A igreja que, além disso, é feita participante da consumação, diz-se que está em sua terra natal e é chamada "a igreja triunfante"; pois, depois de vencer todos os seus inimigos, ela descansa de seu trabalho e reina com Cristo no céu. Na parte que ainda é militante na terra, o título de "católico" também é atribuído, na medida em que ela abraça dentro de seus limites todas as igrejas militantes específicas.

VI. Mas a igreja católica é distribuída, de acordo com suas partes, em muitas igrejas particulares, uma vez que ela consiste em muitas congregações distantes umas das outras, com relação ao local, e bastante distintas. Mas como essas igrejas em particular têm várias vezes o nome de "uma igreja", também têm a coisa significada pelo nome e por toda a definição como partes semelhantes que participam do nome e da definição do todo; e a igreja católica difere de cada uma delas unicamente em sua universalidade, e em nenhuma outra coisa o que pertence à essência de uma igreja. Portanto, é facilmente aprendido de que maneira pode ser entendido que, como igrejas únicas e particulares podem errar, a igreja universal não pode errar; isto é, nesse sentido, que nunca haverá um tempo futuro em que alguns crentes não existam e que não erram no fundamento da religião. Mas desta interpretação, é evidente que não se pode concluir da circunstância da igreja católica, sendo dito neste sentido, livre de erros, que qualquer congregação, por mais numerosa que seja, está isenta de erro, a menos que há nela uma pessoa, ou mais, que são tão guiadas em toda a verdade que são incapazes de errar.

VII. Portanto, uma vez que a evocação da igreja é feita interiormente pelo Espírito, e externamente pela palavra pregada, e desde que os que são chamados respondem interiormente pela fé e exteriormente pela profissão de fé, como os que são chamados têm a interioridade. e o homem exterior, portanto, a igreja, em referência a essas pessoas chamadas, se distingue na igreja visível e na invisível, do acidente externo subordinado - invisível, como ela "crê com o coração para a justiça" e visível, como "confissão é feita com a boca para a salvação". E essa visibilidade ou invisibilidade não pertence nem mais nem menos a toda a igreja católica, do que a cada igreja em particular.

VIII. Então, desde que a igreja é coletada fora deste mundo ", que jaz no ímpio", e freqüentemente por ministros que, além da palavra de Deus, pregam outra palavra, e uma vez que essa igreja consiste em homens suscetíveis de serem enganados e queda, não, de homens que foram enganados e caíram, portanto, a igreja se distingue em relação à doutrina da fé, em uma igreja ortodoxa e herética - em relação à adoração divina, em uma igreja idólatra e em uma aquele é um adorador correto de Deus e Cristo, e com respeito à moral prescrita na segunda tabela da lei, em uma igreja mais pura ou mais impura. Em todos estes, também devem ser observados os graus segundo os quais uma igreja é mais herética, idólatra e impura do que outra; sobre todas essas coisas, um julgamento correto deve ser formado de acordo com as Escrituras. Assim, da mesma forma, a palavra "católico" é usada em relação às igrejas que não trabalham sob nenhuma heresia destrutiva, nem são idólatras.


DISCUSSÃO LV. SOBRE O PODER DA IGREJA NA ENTREGA DE DOUTRINAS

I. O poder da igreja pode ser considerado de várias maneiras, de acordo com vários objetos; pois está ocupado tanto com a entrega de doutrinas, a promulgação de leis, a convocação de assembleias, a nomeação de ministros ou, finalmente, sobre jurisdição.

II Na instituição das doutrinas, ou na primeira entrega delas, o poder da igreja é uma mera nulidade, seja ela considerada em geral ou de acordo com suas partes; pois ela é a esposa de Cristo e, portanto, é obrigada a ouvir a voz de seu marido. Ela não pode prescrever para si mesma a regra de querer, acreditar, fazer e esperar.

III Mas todo o seu poder, relativo às doutrinas, reside na dispensação e administração daquelas que foram entregues por Deus e Cristo - necessariamente anteriores às quais é a humilde e piedosa aceitação das doutrinas divinas, cuja conseqüência é que: ela justamente preserva o nome que já foi recebido.

IV Como a aceitação e a preservação de doutrinas podem ser consideradas de acordo com as palavras ou no sentido correto, da mesma forma, a entrega das doutrinas recebidas e preservadas deve ser distinguida com relação às palavras ou com relação às suas significado correto.

V. A entrega ou tradição de doutrinas de acordo com as palavras, é quando a igreja declara ou publica as mesmas palavras que recebeu (depois de terem sido entregues a ela por Deus, por escrito ou oralmente), sem nenhuma adição, diminuição, mudança ou transposição, seja dos repositórios em que ela ocultou os escritos divinos, seja de sua própria memória, na qual preservou cuidadosa e fielmente as coisas que foram entregues oralmente. Ao mesmo tempo, ela testemunha solenemente que aquelas mesmas coisas que recebeu de cima são [transmitidas através dela] puras e inalteradas (e é preparada até pela própria morte para confirmar esse testemunho), tanto quanto as variações de cópias nas línguas originais permitem que um tradutor para outras línguas [assim testemunhe]; todavia, eles não dizem respeito ao fundamento, a ponto de poderem duvidar dele devido a essas variações.

VI A entrega ou tradição de acordo com o significado é a explicação e aplicação mais ampla das doutrinas propostas e compreendidas nas palavras divinas, nas quais explicação, a igreja deve se conter dentro dos termos da própria palavra que foi publicada, publicando nenhuma interpretação particular de uma doutrina ou passagem, que não repousa sobre todo o fundamento e que não pode ser totalmente provada em outras passagens. Isso ela evitará com mais clareza se aderir o máximo possível às expressões da palavra proferida e se abster, na medida do possível, do uso de palavras ou frases estrangeiras.

VII A esse poder, é anexado o direito de examinar e formar um julgamento sobre doutrinas, quanto ao tipo de espírito pelo qual elas foram propostas; nisto, ela também empregará a regra da palavra que garante evidências de que é divina e foi recebida como tal; e, de fato, eles empregarão apenas a regra dessa palavra, se ela desejar instituir um exame adequado e formar um julgamento correto. Mas se ela empregar quaisquer escritos humanos, por regra ou guia, a luz da manhã não brilhará sobre ela e, portanto, ela tateará na escuridão.

VIII Mas a igreja deve ser protegida contra três coisas:

(1) Não esconder de ninguém as palavras que foram divinamente entregues a ela, ou impedir qualquer homem de lê-las ou meditar sobre elas.

(2.) Quando, por certas razões, ela declara doutrinas divinas com suas próprias palavras, para não obrigar ninguém a recebê-las ou aprová-las, exceto nessa condição, na medida em que elas são. consentimento com o significado compreendido nas palavras divinas.

(3.) E não proibir qualquer homem que deseje examinar, de maneira legítima, as doutrinas propostas nas palavras da igreja. Seja qual for o que ela faz, ela não pode, nesse caso, fugir da acusação criminal de ter arrogado um poder para si mesma e de abusar além de toda lei, direito e equidade.

COROLÁRIO

É uma das histórias fabulosas dos papistas que o Espírito Santo assiste a igreja de tal maneira, ao formar seu julgamento sobre as Escrituras autênticas e na interpretação correta dos significados divinos, que ela não pode errar.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: