As discussões privadas de Armínio - XII

Sobre o poder da igreja em realizar leis
Sobre o poder da igreja na justiça e disciplina eclesiástica
Sobre concílios
Sobre as ministrações do Novo Testamento
Sobre sacramentos em geral


DISCUSSÃO LVI. SOBRE O PODER DA IGREJA EM REALIZAR LEIS

I. As leis que podem ser prescritas para a igreja, ou que podem ser consideradas prescritas, são de dois tipos, extintas entre si por uma diferença notável e por uma doutrina notável - de acordo com o assunto, ou seja, os atos que são prescritos - de acordo com o fim, para os quais são prescritos, e, finalmente, de acordo com a força e a necessidade da obrigação.

II.

(1.) Pois algumas leis dizem respeito à própria essência de ordenar a vida segundo a piedade e o cristianismo, e os atos necessários de fé, esperança e caridade; e essas podem ser chamadas leis necessárias e primárias ou principais, e são as leis fundamentais do próprio reino de Deus.

(2) Mas outros têm respeito a certos atos secundários e substituídos, e as circunstâncias dos atos principais, os quais conduzem à observância mais cômoda e fácil desses primeiros atos. Por esse motivo, eles merecem ser chamados de leis positivas e correspondentes.

III. A igreja não tem o direito, nem está obrigada por nenhuma necessidade, a promulgar leis necessárias, e aquelas que dizem respeito essencialmente aos atos de fé em si, da esperança e da caridade. Pois isso pertence mais apropriadamente a Deus e a Cristo; e foi tão plenamente exercitado por Cristo que nada pode pertencer essencialmente aos atos de fé, esperança e caridade, que não foram prescritos por ele da maneira mais copiosa.

IV Todo o poder, portanto, da igreja é colocado na promulgação de leis do segundo tipo; sobre a criação e observação da qual devemos agora fazer algumas observações.

V. Ao prescrever leis desse tipo, a igreja deve desviar os olhos e mantê-los fixos nos seguintes detalhes: Primeiro. Que os atos que ela ordenará ou proibirá sejam de tipo intermediário ou indiferente e, em sua própria natureza, nem bons nem maus; e ainda que possam ser úteis, para a observância cômoda dos atos [divinamente] prescritos, de acordo com a circunstância de pessoas, tempos e lugares.

VI. Em segundo lugar. Que as leis desta descrição não sejam adversas à palavra de Deus, mas que sejam conformes a ela, sejam deduzidas daquelas coisas que são, de maneira geral, prescritas na palavra de Deus, de acordo com as circunstâncias já enumerados ou se são considerados meios adequados para executar as coisas que foram prescritas na palavra de Deus.

VII. Em terceiro lugar. Que essas leis sejam principalmente referidas à boa ordem e à administração decorosa da comunidade externa da igreja. Pois Deus não é o autor da confusão; mas ele é o autor e o amante da ordem; e deve-se prestar atenção em todo lugar ao decoro, mas principalmente na igreja, que é "a casa de Deus" e na qual é extremamente impróprio ter alguma coisa ou fazer qualquer coisa que seja indecorosa ou indecorosa. fora de serviço.

VIII. Em quarto lugar. Que ela não assume para si a autoridade de vincular, por suas leis, a consciência dos homens a atos prescritos por ela mesma; pois ela assim invadirá o direito de Cristo, ao prescrever as coisas necessárias, e infringirá a liberdade cristã, que deve estar livre de armadilhas dessa descrição.

IX. Em quinto lugar. Que, por qualquer ato de sua autoria, por uma simples promessa ou juramento, oralmente ou mediante a assinatura da mão, ela não tira de si o poder de revogar, ampliar, diminuir ou alterar as próprias leis. Não seria um trabalho inútil se a igreja participasse de seu protesto, no final das leis, sobre a duração perpétua desse poder, em uma cláusula subordinada, como o magistrado civil está acostumado a empregar em leis políticas positivas.

X. Mas no que diz respeito à observância dessas leis; como eles já foram promulgados, todos e todos aqueles que estão na igreja estão vinculados por eles até agora, que não é lícito transgredi-los por desprezo e pelo escândalo de outros; e a própria igreja não estimará a observância deles em um valor tão baixo que permita que sejam violados pelo desprezo e pelo escândalo dos outros; mas ela marcará, admoestará, reprovará e culpará os transgressores, como se comportando de maneira desordenada e indecorosa, e fará de tudo para trazê-los de volta a uma mente melhor.

COROLÁRIO: Não é útil, com o objetivo de prestar testemunho do poder e da liberdade da igreja, ocasionalmente fazer algumas mudanças nas leis eclesiásticas, para que a observância delas se tornem perpétuas, e sem nenhuma mudança, produza uma opinião sobre a necessidade [absoluta] de serem observadas?



DISCUSSÃO LVII. SOBRE O PODER DA IGREJA NA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA OU NA DISCIPLINA ECLESIÁSTICA

I. Como nenhuma sociedade, por mais que seja corretamente constituída e dotada de boas leis, pode manter-se unida por muito tempo, a menos que aqueles que pertencem a ela sejam restringidos a seus deveres por um certo método de jurisdição ou disciplina, ou sejam compelidos ao desempenho de seus deveres, portanto a igreja, que é a casa, a cidade e o reino de Deus, disciplina do mesmo tipo deve florescer e ser exercida.

II. Mas é apropriado que essa disciplina seja acomodada à vida espiritual, e não à natural; e que deve ser útil para edificar, confirmar, ampliar e adornar a igreja como tal, e para direcionar as consciências, sem [empregar] qualquer força prejudicial em qualquer parte do corpo ou da substância e das condições da vida animal ; a menos que, talvez, seja um prazer do magistrado, em virtude do poder concedido a Deus por Deus, forçar um ofensor ao arrependimento por algum outro método. Tal processo, no entanto, não prejudicamos.

III. Mas a disciplina eclesiástica é um ato da igreja, pelo qual, de acordo com o poder instituído por Deus e Cristo e concedido a ela, e para ser empregado através da consciência do ofício imposto, ela repreende todos e todos aqueles que pertencem para a igreja, se eles caíram em pecado aberto, e os aconselha a se arrependerem; ou, se eles perseverarem pertinentemente em seus pecados, ela os excomunga, para o benefício de toda a igreja, a salvação do próprio pecador, para o benefício daqueles que estão sem e para a glória do próprio Deus e de Cristo.

IV O objetivo desta disciplina é todos e cada um daqueles que, tendo sido enxertados na igreja pelo batismo, são capazes dessa disciplina para a correção de si mesmos. A causa ou condição formal pela qual a disciplina deve ser exercida sobre eles são as ofensas cometidas por eles, se dizem respeito à doutrina da fé e são heresias perniciosas e destrutivas, ou se têm respeito pela moral e pelo resto dos atos de a vida cristã.

V. Mas é necessário que esses pecados sejam externos e manifestos, isto é, conhecidos e corretamente conhecidos, por aqueles pelos quais a disciplina será administrada; e que seja evidente que eles são pecados de acordo com as leis impostas por Cristo à igreja e que eles foram realmente cometidos. Somente para Deus, os juízes dizem respeito aos pecados interiores.

VI Que a forma de administrar as leis seja com toda bondade e discrição, também com zelo e, ocasionalmente, com severidade e algum grau de rigor, se a ocasião exigir que ela seja empregada. Mas a intenção é, a salvação daquele que pecou, ​​e o de todo o corpo da igreja, para a glória de Deus e de Cristo.

VII A execução desta disciplina reside tanto na advertência quanto na punição ou punição, ou na censura, que é transmitida apenas em palavras, através de repreensão, exortação e comunicação, ou que é dada pela privação de algumas daquelas coisas que pertencem externamente à sociedade. comunhão dos santos e para a edificação salvadora ou edificação de todo crente no corpo de Cristo.

VIII As advertências são feitas, primeiro, às pessoas que pecaram, nas quais deve ser observada a diferença de idade, sexo e condição, com toda prudência e discrição. Em segundo lugar. Eles são acomodados aos pecados que foram cometidos; porque alguns são mais graves que outros. Em terceiro lugar. Para o modo em que os pecados foram cometidos, qual modo está agora sob nossa consideração especial.

IX Pois alguns pecados são clandestinos, outros são públicos, sejam ofensas somente contra Deus ou se, em união com tal ofensa, prejudicam o próximo do homem. De acordo com esse último aspecto, é chamado de "pecado privado", isto é, uma ofensa cometida por um indivíduo em particular contra outro - como é sugerido pela palavra de Cristo, em Mateus 18. 7-18, em que a passagem é igualmente prescrita o modo de reprovar uma ofensa.

X. Um pecado clandestino é aquele que é secretamente perpetrado, e com a comissão de que pouquíssimas pessoas estão familiarizadas; a isso pertence uma repreensão secreta, a ser infligida por aqueles que a conhecem. Um dos principais ministros da igreja, no entanto, será capaz de dar autoridade à repreensão; no entanto, ele não pode, de maneira alguma, encaminhá-lo a seus colegas; mas será seu dever entregar essa reprovação em segredo.

XI. Um pecado público é aquele cometido quando várias pessoas o conhecem. Permitimos que se torne objeto de discussão, se um pecado deve receber a denominação de um público, quando foi secretamente cometido, mas se tornou conhecido por muitas pessoas, seja por culpa de quem o cometeu ou por ofensa daqueles que a divulgaram sem necessidade.

XII. Mas ainda há alguma diferença nos pecados públicos; pois eles são conhecidos por alguma parte da igreja, ou pelo todo, ou quase pelo todo; de acordo com essa diferença, a advertência a ser dada deve variar. Se o pecado é conhecido por parte da igreja, é suficiente que o pecador seja advertido e reprovado antes do consistório, ou na presença de mais pessoas a quem ele era conhecido. Se for conhecido por toda a igreja, o pecador deve ser repreendido diante de todos os membros; pois essa prática conduz tanto à vergonha de quem pecou, ​​como a impedir que outros peçam segundo seu exemplo. Alguma consideração, no entanto, pode ser dada à vergonha de qualquer infrator, e um certo grau de moderação pode ser demonstrado; isto é, se ele não é profundamente versado em práticas pecaminosas, mas se um pecado o pegou de surpresa, ou "ele é dominado por uma falta".

XIII. Como essa repreensão tem a tendência de induzir o ofensor a desistir de pecar, se esse fim não é obtido pela primeira advertência, é necessário repeti-la ocasionalmente, até que o pecador seja corrigido ou faça uma declaração aberta de sua contumação. Mas existe alguma diferença de opinião sobre esse ponto entre os teólogos: "É útil levar um ofensor à punição, quando, depois de ter dado esperanças de emenda, ele não cumpre essas esperanças de acordo com o julgamento e os desejos da igreja?" Mas não parece possível determinar isso tanto por regras estabelecidas, como deixando o assunto ao critério dos governadores da igreja.

XIV. Mas se o ofensor desprezar todas as advertências e persuadir contumavelmente em seus pecados, depois que a igreja tiver exercido a paciência necessária para com ele, ela deve proceder à punição; que é excomunhão, isto é, a exclusão da pessoa contagiosa da sagrada comunhão e até da própria igreja. Essa exclusão pública será acompanhada pela evitação de todas as relações sexuais e familiaridade com a pessoa excomungada, à [observância de] que cada membro da igreja deve prestar atenção na medida do permitido pelos deveres relativos necessários que todos os membros devo a ele de acordo com sua vocação geral, ou alguns deles devem de acordo com sua obrigação particular. [Pois um sujeito não está livre de sua obrigação para com seu príncipe, por causa da excomunhão do príncipe; nem, nessas circunstâncias, a esposa é libertada do dever que é obrigado a cumprir com o marido; nem os filhos são libertados de seu dever para com os pais; e, portanto, em outros casos semelhantes.]

XV. Algumas pessoas supõem que essa excomunhão é unicamente do privilégio de celebrar a ceia do Senhor. Outros supõem que seja de dois tipos, quanto menor e maior - sendo menos uma exclusão parcial da participação em alguns dos ofícios sagrados da igreja -, maior uma exclusão de todos eles juntos e totalmente do comunhão de crentes. Mas outros, rejeitando a excomunhão menor, não reconhecem outro senão o maior; porque lhes parece que não há motivo para que um pecador contumaz deva ser rejeitado dessa comunhão mais do que disso, pois ele se tornou indigno de obter qualquer lugar na igreja e na assembléia dos santos. Não interpomos nossa opinião; mas deixamos esse assunto para ser discutido pelo julgamento de homens eruditos e piedosos, para que, de comum acordo, possa ser concluído nas Escrituras o que é mais agradável para eles e mais adequado para a edificação da igreja.

COROLÁRIOS

Excomunhão deve ser evitada, onde existe um medo manifesto de um cisma. "Isso também não deveria ser feito, onde existe um medo de perseguição, provavelmente devido a excomunhão?" Pensamos que, nesse caso, da mesma forma, a excomunhão deve ser evitada.


DISCUSSÃO LVIII. SOBRE CONCÍLIOS

I. Um conselho eclesiástico é uma assembléia de homens reunidos em nome de Deus, consultando e definindo ou estabelecendo, de acordo com a palavra de Deus, sobre as coisas que pertencem à religião e ao bem da igreja, para a glória de Deus e os salvação da igreja.

II. O poder de nomear uma assembléia desse tipo reside na própria igreja. Se ela está sob o domínio de um magistrado cristão, que faz uma profissão aberta de religião, ou que tolera publicamente, então transferimos esse poder a esse magistrado, sem cuja convocação, as pessoas que protestaram à igreja a respeito da nulidade de o Conselho de Trento sustentou que um conselho é ilegítimo. Mas se o magistrado não é um crente, nem tolera publicamente a religião, mas é um inimigo e um perseguidor, então aqueles que presidem a igreja desempenharão esse cargo.

III. Será oferecida uma ocasião para convocar uma assembléia desse tipo, seja por alguns homens maus que incomodam a igreja, estejam eles na igreja ou fora dela, ou mesmo a constituição perpétua da igreja enquanto ela continuar na terra. Pois, como ela é suscetível a erros, corrupção e deserção da verdade da doutrina, da pureza da adoração divina, da probidade moral e da concordância cristã, às heresias, idolatria, corrupção de maneiras e cismas, é útil para as assembleias. desse tipo a ser instituído. No entanto, eles podem ser instituídos, não apenas para corrigir qualquer corrupção, se parece manifestamente que ela entrou, mas também para perguntar se algo desse tipo não entrou; porque o inimigo semeia joio enquanto os homens dormem, a quem é confiada a custódia segura do campo do Senhor.

IV. Dizemos que esta é uma assembléia de homens; pois: "Que uma mulher. mantenha silêncio na igreja, a menos que tenha um chamado extraordinário e divino; e dizemos que esses homens devem ser distinguidos pelas seguintes marcas: Primeiro. Que sejam poderosos nas Escrituras e tenham suas Em segundo lugar, que eles sejam piedosos, graves, prudentes, moderados e amantes da verdade divina e da paz da igreja, e que sejam livres e não se limitem a nenhuma pessoa, igreja ou confissão. escritos por homens, mas apenas a Deus e a Cristo e à sua palavra

V. Eles são homens, seja da classe eclesiástica ou da classe política - em primeiro lugar, o próprio magistrado supremo e as pessoas que dispensam qualquer cargo público na igreja e na república.Então, também, indivíduos particulares, mesmo as pessoas não excluídas, que mantêm alguma outra [doutrina] além da que é a opinião atual, desde que sejam providas das investiduras que eu descrevi. (Tese 4.) E somos de opinião que tais pessoas possam proferir não apenas uma sentença deliberativa, mas igualmente decisiva.

VI. O objetivo sobre o qual o conselho será engajado é o que pertence à religião e ao bem da igreja como tal. Estes são compostos por duas cabeças principais - a primária, compreendendo a própria doutrina da fé, esperança e caridade, e a secundária, a ordem e política da igreja.

VII. A regra, segundo a qual a deliberação deve ser instituída e a decisão deve ser formada, é a única e única - a palavra de Deus, que detém domínio absoluto na igreja. Mas nas coisas que pertencem à boa ordem e eutaxiana da disciplina da igreja, é permitido que os membros considerem atentamente o estado atual da comunidade e da igreja e exerçam deliberação e tomem decisões de acordo com as circunstâncias dos lugares. tempos e pessoas, desde que uma coisa seja protegida contra - para determinar nada contrário à palavra de Deus.

VIII. Mas, como todas as coisas em assembleias desse tipo devem ser feitas em ordem, é necessário que alguém presida o conselho inteiro. Se o magistrado-chefe estiver presente, esse cargo lhe pertence; mas ele pode devolver essa acusação a outra pessoa, seja eclesiástica ou leiga; antes, ele poderá submeter esse assunto ao próprio conselho, desde que se esforce para que todos e cada um dos membros sejam contidos dentro dos limites de seu dever, para que seus julgamentos não sejam concluídos de maneira tumultuada. Mas é útil que algum bispo seja nomeado, que possa desempenhar os ofícios de oração e de ação de graças, proponha que o negócio seja tratado e indague e colete opiniões e votos; de fato, até agora, ele, como eclesiástico, é o mais adequado para cumprir esses deveres.

IX. Um lugar deve ser designado para assembleias desse tipo, para que sejam mais convenientes para todos os que vierem ao sínodo, a menos que seja o prazer do chefe dos magistrados escolher o lugar que lhe seja mais conveniente. Deveria ser um lugar seguro de emboscada ou surpresa hostil; e é necessária uma conduta segura para todas as pessoas, para que possam chegar e partir novamente, sem prejuízo pessoal, na medida do permitido pela lei de Deus, contra a qual a autoridade de nenhum conselho, por maior que seja, é de menor proveito.

X. A autoridade dos conselhos não é absoluta, mas depende da autoridade de Deus; por esta razão, ninguém é simplesmente obrigado a concordar com as coisas que foram decretadas em um conselho, a menos que essas pessoas estejam presentes, como membros, que não podem errar e que tenham as marcas e testemunhos indubitáveis ​​do Espírito Santo nesse fato. . Mas todo mundo pode, antes, ser obrigado a examinar, pela palavra de Deus, as coisas que foram concluídas no conselho; e se ele acha que eles são agradáveis ​​à palavra divina, então ele pode aprová-los; mas se não estiverem, ele poderá expressar sua desaprovação. No entanto, ele deve ser cauteloso e não facilmente rejeitar aquilo que foi determinado pelo consentimento unânime de tantos homens piedosos e instruídos; mas ele deve considerar diligentemente se as Escrituras se pronunciam a seu favor com suficiente clareza; e quando for esse o caso, ele pode concordar, no Senhor, com o acordo unânime deles.

XI. A necessidade de conselhos não é absoluta, porque a igreja pode ser instruída a respeitar as coisas necessárias sem elas. No entanto, sua utilidade é muito grande, se, instituídos em nome do Senhor, eles examinam todas as coisas de acordo com a palavra dele, e designam aquilo que, de comum acordo, de acordo com essa regra, os membros consideram apropriado pronunciar como decisão. Pois, como muitos olhos vêem mais de um olho, e como o Senhor está acostumado a ouvir as orações de um número que concorda juntos na terra, é mais provável que a verdade seja descoberta e confirmada pelas Escrituras por alguns conselho constituído por muitos homens instruídos e piedosos, do que pelos esforços de um único indivíduo, realizando o mesmo negócio em particular por ele.

XII. A partir dessas premissas, também dizemos que a autoridade de qualquer concílio é maior do que a de qualquer homem que esteja presente nesse concílio, mesmo o do pontífice romano, a quem não atribuímos nenhum outro direito em nenhum concílio além daquele que damos a qualquer bispo, mesmo no momento em que ele executou com fidelidade os deveres de um verdadeiro bispo. Até agora, estamos inclinados a acreditar que nenhum conselho pode ser convocado e mantido sem seu comando, presidência e direção.

XIII. Nenhum conselho pode prescrever a seus sucessores que eles não possam mais deliberar sobre o que foi transacionado e determinado nos conselhos anteriores; porque a questão da religião não se encontra sob a denominação de algo que é prejudicado; nem pode um conselho se vincular, por juramento, à observância de qualquer outra palavra que não seja a de Deus; muito menos pode fazer leis positivas, às quais pode se ligar, ou a qualquer homem, por um juramento.

XIV. Também é permitido que um conselho geral ou ecumênico posterior ponha em dúvida o que foi decretado por um conselho geral anterior, porque é possível até que os conselhos gerais erram; nem ainda segue dessas premissas que a igreja católica erra; isto é, que todos os fiéis erram universalmente.


DISCUSSÃO LIX. SOBRE AS MINISTRAÇÕES ECLESIÁSTICAS DO NOVO TESTAMENTO E SUA VOCAÇÃO

I. Pela palavra "ministério", designamos um ofício ou dever público público, subordinado a um superior que, neste caso, é Deus e Cristo como ele é o Senhor e Chefe da igreja. Ele recebe a denominação de "eclesiástico" de seu objeto, que é a igreja; e o distinguimos de um ministério político, que se exerce nos assuntos civis da comunidade.

II Mas é o dever público que Deus comprometeu certos homens, coletar uma igreja, atender a ela quando coletada e trazê-la a Cristo, sua Cabeça, e através dele a Deus, que [os membros dela] possam alcançar uma vida de felicidade, para a glória de Deus e Cristo.

III Mas como uma igreja consiste em homens que vivem uma vida natural e são chamados a viver enquanto estão no corpo, uma vida espiritual que é superior e deve ser o fim da outra, há um escritório duplo a ser realizada na igreja de acordo com as exigências da vida natural e da vida espiritual: a primeira é aquela que é propriamente, por si só, e imediatamente ocupada sobre a vida espiritual, seu início, progresso e confirmação; o segundo é aquele pelo qual a vida natural é sustentada e, portanto, pertence apenas por acidente e medialmente à igreja. O Primeiro é sempre necessário per se. O segundo não é necessário [na igreja], exceto por hipótese; porque existem aqueles que precisam de manutenção de outras pessoas, e eles não conseguem isso através de alguma ordem estabelecida na comunidade; nesse caso, deve sempre durar; mas onde essa ordem é estabelecida, é desnecessária. No primeiro deles, estamos tratando agora; sobre este último, não temos mais comentários a fazer.

IV O ofício acomodado à vida espiritual consiste nestes três atos: O Primeiro é o ensino da verdade que é segundo a piedade; o segundo é intercessão diante de Deus; o terceiro é regime ou governo acomodado a esta instituição ou ensino.

V. A instituição ou o ensino consiste na proposição, explicação e confirmação da verdade, que contém as coisas em que se deve acreditar, esperar e realizar, na refutação da falsidade, na exortação, repreensão, consolação e ameaça. das quais é cumprida pela palavra tanto da lei como do evangelho. A essa função, adicionamos a administração dos sacramentos, que servem para o mesmo propósito.

VI. A intercessão consiste em orações e ações de graças oferecidas a Deus pela igreja e por cada um de seus membros, por meio de Cristo, nosso único advogado e intercessor.

VII. O governo da igreja é usado para esse fim, para que, em toda a igreja, todas as coisas possam ser feitas decentemente, em ordem e edificação; e que cada um de seus membros possa ser mantido em seu dever, os vadios podem ser incitados, os fracos confirmados, aqueles que se afastaram do caminho trazidos de volta, os contumazes punidos e os penitentes recebidos.

VIII. Esses escritórios nem sempre são impostos no mesmo modo, nem administrados pelos mesmos métodos. Pois, no início da igreja cristã em ascensão, eles foram impostos a alguns homens imediatamente por Deus e Cristo e administrados por aqueles a quem haviam sido impostos, sem vinculá-los a certas igrejas; portanto, também, os apóstolos foram chamados de "ministros", como embaixadores de Cristo em todas as criaturas do mundo. A estes foram adicionados os evangelistas, como companheiros de trabalho. Posteriormente [os mesmos ofícios foram impostos] imediatamente àqueles que foram chamados pastores e mestres, bispos e padres, e que foram colocados sobre certas igrejas. O primeiro deles [os apóstolos e evangelistas] continuou apenas por uma temporada e não teve sucessores. Os últimos [pastores, etc.] permanecerão em sucessão perpétua até o fim do mundo, embora não neguemos que, quando uma igreja for a primeira a ser coletada para alguém, um homem possa percorrer toda a terra no ensino.

IX. Esses escritórios são tão ordenados que uma pessoa pode descarregar todos eles ao mesmo tempo; no entanto, se a utilidade da igreja e a diversidade de dons o exigirem, eles podem ser distribuídos de várias maneiras entre homens diferentes.

X. A vocação para esses ofícios eclesiásticos é imediata ou mediada. Vocação imediata que não discutiremos agora. Mas o que é mediado é um ato divino, administrado por Deus e Cristo através da igreja, pelo qual ele consagra a si mesmo um homem separado das ocupações da vida natural e daquelas que são comuns, e o remove para os deveres dos pastoral, para a salvação dos homens e sua própria glória. Nesta vocação, devemos considerar a própria vocação, sua eficiência e seu objetivo.

XI. O ato vocacional consiste em exame, eleição e confirmação anteriores. (1.) O exame é um inquérito e julgamento diligentes, se a pessoa sobre a qual ele está ocupado é adequada para o cumprimento dos deveres do cargo. Essa aptidão consiste no conhecimento e na aprovação das coisas verdadeiras e necessárias, na probidade da vida, e na facilidade de comunicar aos outros as coisas que ele conhece a si mesmo (que facilidade contém linguagem e liberdade ao falar), em prudência, moderação da mente. , resistência paciente de trabalhos, enfermidades, lesões, etc.

XII. Eleição, ou escolha, é a ordenação de uma pessoa que é legitimamente examinada e considerada boa e adequada, pela qual lhe é imposto o cargo a ser dispensado. Para isso, não é incomum acrescentar alguma inauguração pública, por orações e imposição de mãos, e também por jejum prévio e é como uma admissão à administração do próprio escritório, que é comumente denominada "confirmação".

XIII. O principal eficiente é Deus e Cristo, e o Espírito de ambos como conduzindo a causa de Cristo na igreja, da qual causa toda a autoridade da vocação. O administrador é a própria igreja, na qual contamos o magistrado cristão, os professores, o restante dos presbíteros e o próprio povo. Mas naqueles lugares em que nenhum magistrado reside e que está disposto a cuidar desse assunto, lá, bispos ou presbíteros, com o povo, podem e devem realizar esse negócio.

XIV. O objeto é a pessoa a ser chamada, em quem é exigido, para o bem da igreja, a aptidão ou adequação sobre a qual já falamos e, por causa disso, o testemunho de uma boa consciência, pela qual ele modestamente aprova o julgamento da igreja, e está consciente de que ele entra neste ofício no sincero temor de Deus, e com um intenso desejo apenas de edificar a igreja.

XV A forma essencial da vocação é que todas as coisas possam ser feitas de acordo com a regra prescrita na palavra de Deus. O acidental é que todos eles podem ser feitos de maneira decente e adequada, de acordo com as relações particulares de pessoas, lugares, horários e outras circunstâncias.

XVI Onde quer que todas essas condições sejam observadas, a chamada é legítima e aprovada em todas as partes; mas se alguém é deficiente, o ato vocacional é imperfeito; contudo, o chamado deve ser considerado ratificado e firme, enquanto a vocação de Deus está unida por algum testemunho externo dele, que, por ser variado, não podemos definir.

COROLÁRIO

As vocações ou chamados na igreja papal não foram nulos, embora contaminado e imperfeito; e os primeiros reformadores tiveram um chamado comum e mediado.


DISCUSSÃO LX. SOBRE SACRAMENTOS EM GERAL

Até agora, tratamos a igreja, seu poder e o ministério da palavra; segue-se que agora discutimos os sinais ou marcas que Deus acrescenta à sua palavra, e pelos quais Ele sela e confirma a fé que foi produzida nas mentes de seu povo da aliança. Pois esses sinais são comumente chamados de "sacramentos" - um termo, de fato, que não é empregado nas Escrituras, mas que, devido ao acordo sobre isso na igreja, não deve ser rejeitado.

I. Mas essa palavra "sacramento" é transferida do uso militar para o das coisas sagradas; pois, como os soldados eram devotados ao seu general por um juramento, como por um atestado solene, da mesma forma, aqueles em aliança são obrigados a Cristo pela recepção desses sinais, como por um juramento público. Mas porque a mesma palavra é aceita em uma aceitação relativa (e isso é propriamente um sinal, ou por metonímia na coisa significada) ou em uma aceitação absoluta (e isso por sinédoque para ambos), trataremos sobre sua significação adequada.

II. Um sacramento, portanto, é um sinal ou símbolo e selo sagrado e visível instituído por Deus, pelo qual ele ratifica ao povo da aliança a graciosa promessa proposta em sua palavra e os vincula, por outro lado, ao desempenho de seu dever. . Portanto, nenhuma outra promessa nos é proposta por esses sinais além daqueles que são manifestados na palavra.

III. Nós o chamamos de "sinal ou símbolo, e selo, tanto do uso das Escrituras em Gênesis 17. 11 e Romanos 4. 11, quanto da natureza da coisa em si, porque esses símbolos, além da aparência externa que eles apresentam aos nossos sentidos, fazem com que algo mais ocorra nos pensamentos.Também não são apenas símbolos significativos nus, mas selos e promessas, que afetam não apenas a mente, mas também o próprio coração.

IV. Em um duplo aspecto:

(1) porque foi dado por Deus; e

(2) porque é dado a um uso sagrado. Nós o chamamos de "visível", porque é da natureza de um sinal que é perceptível aos sentidos, pois aquilo que não é assim não pode ser chamado de sinal

V. O autor desses sinais é Deus, que é o único senhor e legislador da igreja e cuja província é prescrever leis. , fazer promessas e selá-las com aqueles símbolos que pareciam bons para si mesmo; contudo, são tão acomodados à graça de serem selados, como, por uma certa analogia, ser significativo disso. Portanto, eles não são sinais naturais, os quais, por sua própria natureza, significam tudo aquilo de que são significativos; mas são sinais voluntários, cuja significação inteira depende da vontade ou opção daquele que os institui.

VI O assunto é o próprio elemento externo criado por Deus e, portanto, sujeito ao seu poder, e tornado adequado para selar aquilo que, de acordo com sua sabedoria, Deus deseja ser selado por ele.

VII Como a forma interna do sacramento é ektwn prova das coisas para sua relação, ela consiste em relação, e é aquela analogia e semelhança adequadas entre o sinal e a coisa significada que tem respeito tanto à representação quanto ao selamento ou testemunhar e exibir a coisa significada através da autoridade e da vontade daquele que a institui. A partir dessa analogia mais próxima do sinal com a coisa significada, várias expressões figurativas são empregadas nas Escrituras e nos sacramentos: como quando o nome da coisa significada é atribuído ao sinal, assim: "E minha aliança estará em sua carne "; (Gênesis 17. 13;) e, pelo contrário, em 1 Coríntios 5. 7, "Cristo, nossa páscoa, é sacrificado por nós". Ou, quando a propriedade da coisa é atribuída ao sinal, como "Todo aquele que bebe da água que eu lhe der, nunca terá sede". (João 4. 14.) E, pelo contrário, "Pegue, coma: este é o meu corpo". (Mateus 26. 26.)

VIII. O fim dos sacramentos é duplo, próximo e remoto. O fim próximo é o selamento da promessa feita na aliança. O fim remoto é:

(1) a confirmação da fé daqueles que estão no convênio e, consequentemente, a salvação da igreja que consiste nesses membros do convênio; e

(2) a glória de Deus.

IX Aqueles para quem os sacramentos foram instituídos por Deus e por quem eles devem ser usados ​​são aqueles com quem Deus entrou em convênio, todos eles, e somente eles. Para eles, o uso dos sacramentos deve ser concedido, desde que sejam contados por Deus no número daqueles que estão em aliança; embora por seus pecados eles merecessem ser rejeitados e divorciados.

X. Mas esses sacramentos devem ser considerados de acordo com as variadas condições dos homens; pois eles foram instituídos antes da queda e fazem parte da aliança de obras; ou, depois da queda, e são da aliança da graça. Havia apenas um único sacramento da aliança de obras, e a árvore da vida.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: