As discussões privadas de Armínio - XIII

Os sacramentos do Antigo Testamento
Os sacramentos do Novo Testamento
Sobre batismo e pedo-batismo
Sobre a ceia do Senhor
Sobre a missa papista


DISCUSSÃO LXI. SOBRE OS SACRAMENTOS DO ANTIGO TESTAMENTO, A ÁRVORE DE VIDA, A CIRCUNCISÃO E O CORDEIRO PASCAL

I. A árvore da vida foi criada e instituída por Deus para esse fim - para que o homem, enquanto permanecesse obediente à lei divina, pudesse comer de seus frutos, tanto pela preservação quanto pela continuidade dessa vida natural contra todos os defeitos que pudessem acontecer com a velhice, ou qualquer outra causa, e designar ou apontar a promessa de uma vida melhor e mais feliz. Respondeu ao propósito anterior, como um elemento criado por Deus; e o último, como sacramento instituído por Deus. Foi adaptado para cumprir o objetivo anterior pela força e capacidade naturais que lhe eram conferidas; foi adequado para o último, devido à semelhança e analogia que subsistem entre a vida natural e a espiritual.

II. A circuncisão é o sinal da aliança na qual Deus entrou com Abraão para selar ou testemunhar a promessa sobre a semente abençoada que deveria nascer dele, sobre todas as nações que deveriam ser abençoadas nele e sobre constituí-lo o pai de muitas nações e o herdeiro do mundo pela justiça da fé; e que Deus estava disposto a ser seu Deus e o Deus de sua descendência depois dele. Esse signo deveria ser administrado naquele membro que é o instrumento ordenado de geração no sexo masculino, por uma analogia adequada entre o signo e a coisa significada.

III. Por esse sinal, todos os homens descendentes de Abraão deveriam, sob o comando expresso de Deus, ser marcados, no oitavo dia após a sua natividade; e acrescentou-se uma ameaça: que a alma daquele que não foi circuncidado naquele dia fosse separada do seu povo.

IV. Mas, embora as fêmeas não fossem circuncidadas em seus corpos, ainda assim elas participavam da mesma aliança e obrigação, porque eram consideradas entre os homens e eram consideradas por Deus como circuncidadas. Portanto, não era necessário que Deus instituísse qualquer outro remédio para tirar das mulheres a corrupção nativa do pecado, pois os papistas têm a audácia de afirmar, além e contrariamente às Escrituras.

V. E esta é a primeira relação da circuncisão pertencente à promessa. A outra é que as pessoas circuncidadas estavam sujeitas à observância de toda a lei, entregue por Deus, e especialmente da lei cerimonial. Pois estava no poder de Deus prescrever, para aqueles que estavam em aliança com ele, uma lei a seu gosto, e selar a obrigação de sua observância por um sinal da aliança que havia sido instituído e empregado anteriormente; e, a esse respeito, a circuncisão pertence ao Antigo Testamento.

VI. O cordeiro pascal era um sacramento instituído por Deus para apontar a libertação do Egito e renovar a lembrança dela em um tempo determinado em cada ano.

VII. Além desse uso, serviu tipicamente para confundir Cristo, o verdadeiro Cordeiro, que deveria suportar e tirar os pecados do mundo; por esse motivo, também, seu uso foi revogado pelos sofrimentos e [o sacrifício de Cristo na cruz, no que se refere ao direito; mas depois, de fato e realidade, foi revogada com a destruição da cidade e do templo.

VIII. O sacramento da árvore da vida era sem sangue; nos outros dois, houve derramamento de sangue - ambos adequados à diversidade do estado daqueles que estavam em aliança com Deus. Pois o primeiro foi instituído antes da entrada do pecado no mundo; mas os dois últimos, após a entrada do pecado, que, de acordo com o decreto de Deus, não é expiado senão pelo sangue; porque o salário do pecado é a morte, e a vida natural, de acordo com as Escrituras, tem seu assento no sangue.

IX. A passagem sob a nuvem e através do mar, maná e a água que jorrava da rocha eram sinais sacramentais; mas eram extraordinários e como uma espécie de prelúdio para os sacramentos do Novo Testamento, embora de uma significação e testemunha a mais obscura, uma vez que as coisas significadas e testemunhadas por elas não foram declaradas em palavras expressas.

COROLÁRIOS

I. É provável que a igreja, desde a promessa e reparação primitivas após a queda, até os tempos de Abraão, tenha seus sacramentos, embora nenhuma menção expressa seja feita nas Escrituras.

II. Seria um ato de muita ousadia afirmar o que eram esses sacramentos; todavia, se alguém dissesse, que o primeiro deles foi a oferta do bebê recém-nascido diante do Senhor, no mesmo dia em que a mãe foi purificada de ter filhos, e o outro foi o sacrifício e a aspersão de o sangue das vítimas; sua afirmação não seria totalmente desprovida de probabilidade.


DISCUSSÃO LXII. SOBRE OS SACRAMENTOS DO NOVO TESTAMENTO EM GERAL

I. Os sacramentos do Novo Testamento são aqueles que foram instituídos para dar testemunho da aliança, ou o Novo Testamento confirmado pela morte e sangue de seu mediador e testador.

II. Portanto, era necessário que fossem adaptados para dar significado e testemunho à confirmação já feita; isto é, eles devem declarar e testemunhar que o sangue foi derramado e que a morte do mediador interveio.

III. Portanto, não deve haver derramamento de sangue nos sacramentos do Novo Testamento; nem devem consistir em algo que seja ou tenha participado da vida que está no sangue; pois como o pecado já foi expiado e a remissão foi totalmente obtida através do sangue e da morte do mediador, não foi necessário mais derramamento de sangue.

IV. Mas eles deveriam ser instituídos antes que a confirmação da nova aliança fosse feita pelo sangue do mediador e pela morte do próprio testador; tanto porque a instituição quanto a vedação! o testamento deve preceder até a morte do testador; e porque o próprio mediador deve ser um participante desses sacramentos, consagrá-los em sua própria pessoa e mais fortemente selar a aliança que está entre nós e ele.

V. Mas como a comunhão de um sacrifício até a morte, oferecida pelos pecados, é significada e testemunhada por nada mais apropriadamente do que pela aspersão do sangue e pela ingestão do próprio sacrifício e pelo consumo do sangue (se é que realmente era permitido beber sangue); portanto, da mesma forma, nenhum sinal era mais apropriado do que água, pão e vinho, já que a aspersão de seu próprio sangue e a ingestão de seu corpo não podiam ser feitos e, além disso, o consumo de seu sangue não deveria ser feito. para não ser feito.

VI. A virtude e a eficácia dos sacramentos do Novo Testamento não vão além do ato de significar e testemunhar. Na verdade, não pode haver, nem se pode imaginar, qualquer exibição da coisa significada através deles, exceto a que é completada por esses atos intermediários.

VII. E, portanto, os sacramentos do Novo Testamento não diferem dos usados ​​no Antigo Testamento; porque o primeiro exibe graça, mas o último o tipifica ou prefigura.

VIII. Os sacramentos do Novo Testamento não têm a proporção de sacramentos além do próprio uso pelo bem do qual foram instituídos, nem beneficiam aqueles que os usam sem fé e arrependimento; isto é, aquelas pessoas maiores de idade e de quem é necessária fé e arrependimento. Respeitando as crianças, o julgamento é diferente, para quem basta que elas sejam descendentes de pais crentes, para que possam ser contadas na aliança.

IX. Os sacramentos do Novo Testamento foram instituídos, para que possam perdurar até o fim dos tempos; e eles perseverarão até o fim de todas as coisas.

COROLÁRIO

A diversidade de seitas na religião cristã não desculpa a omissão do uso dos sacramentos, embora a veemência dos líderes de qualquer seita possa proporcionar uma causa legítima e suficiente ao povo para abster-se de maneira justa e sem pecado do uso de os sacramentos dos quais esses homens devem se tornar participantes deles.


DISCUSSÃO LXIII. SOBRE BATISMO E PEDO-BATISMO

I. O batismo é o sacramento inicial do Novo Testamento, pelo qual as pessoas do convênio de Deus são aspergidas com água, por um ministro da igreja, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo - para significar e testemunhar a ablução espiritual que é efetuada pelo sangue e pelo Espírito de Cristo. Por esse sacramento, aqueles que são batizados por Deus Pai e são consagrados a seu Filho pelo Espírito Santo como um tesouro peculiar, podem ter comunhão com ambos e servir a Deus todos os dias de sua vida.

II. O autor da instituição é Deus Pai, em seu Filho, o mediador do Novo Testamento, pelo eterno Espírito de ambos. O primeiro administrador disso foi John; mas Cristo foi o confirmador, recebendo-o de João e depois administrando-o por meio de seus discípulos.

III. Mas como o batismo é duplo em relação ao sinal e à coisa significada - um sendo da água, o outro do sangue e do Espírito - o primeiro externo, o segundo interno; assim, o assunto e a forma também devem ser duplos - o externo e terreno do batismo externo, o interno e celestial daquilo que é interno.

IV. A questão do batismo externo é a água elementar, adequada, de acordo com a natureza, para purificar o que é impuro. Por isso, também é adequado para o serviço de Deus tipificar e testemunhar o sangue e o Espírito de Cristo; e este sangue e o Espírito de Cristo é a coisa significada no batismo externo, e a questão daquilo que é interior. Mas a aplicação do sangue e do Espírito de Cristo, e o efeito de ambos, são a coisa significada pela aplicação dessa água e o efeito da aplicação.

V. A forma do batismo externo é a administração ordenada, de acordo com a instituição de Deus, que consiste nessas duas coisas:

(1) que aquele que é batizado seja aspergido com esta água.

(2.) Que essa aspersão seja feita em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Análoga a isso, é a aspersão e a comunicação internas, tanto do sangue quanto do Espírito de Cristo, que são feitas somente por Cristo e que podem ser chamadas de "a forma interna do batismo interior".

VI. O fim principal do batismo é que possa ser uma confirmação e selamento da comunicação da graça em Cristo, de acordo com a nova aliança, na qual Deus o Pai entrou conosco em e por causa de Cristo. O fim secundário é que ele possa ser o símbolo de nossa iniciação na igreja visível e uma marca expressa da obrigação pela qual fomos vinculados a Deus Pai e a Cristo nosso Senhor.

VII. O objetivo deste batismo não é real, mas apenas pessoal; isto é, todo o povo convencionado de Deus, sejam adultos ou bebês, desde que os bebês nasçam de pais que são eles mesmos no convênio, ou se um de seus pais estiver entre o povo convocado de Deus, ambos por ablução no o sangue de Cristo lhes foi prometido; e porque pelo Espírito de Cristo eles são enxertados no corpo de Cristo.

VIII. Como esse batismo é um sacramento iniciático, deve ser repetido com frequência; por ser um sacramento do Novo Testamento, não deve ser mudado, mas continuará até o fim do mundo; e por ser um sinal que confirma a promessa e a fecha, é imprudentemente afirmado que, através dela, a graça é conferida; isto é, por algum outro ato de conferir que não o que é feito através da tipificação e selagem: Pois a graça não pode ser conferida imediatamente pela água.


DISCUSSÃO LXIV. SOBRE A CEIA DO SENHOR

I. Como na disputa anterior, tratamos sobre o batismo, o sacramento da iniciação, segue-se que agora discutimos a ceia do Senhor, que é o sacramento da confirmação.

II. Nós a definimos assim: A ceia do Senhor é um sacramento do Novo Testamento imediatamente instituído por Cristo para o uso da igreja até o fim dos tempos, no qual, pela distribuição externa legítima, ingestão e desfrute de pão e vinho, a A morte do Senhor é anunciada, e o recebimento e desfrute interior do corpo e sangue de Cristo são significados; e que a união ou comunhão mais íntima e íntima, pela qual nos unimos a Cristo, nossa Cabeça, é selada e confirmada por conta da instituição de Cristo, e a relação analógica do sinal com a coisa significada. Mas, com isso, os crentes professam sua gratidão e obrigação para com Deus, comunhão entre si e uma diferença marcante de todas as outras pessoas.

III. Nós constituímos Cristo o autor deste sacramento; pois somente ele é constituído pelo Pai, o Senhor e o Chefe da igreja, possuindo o direito de instituir sacramentos e de realizar eficazmente exatamente aquilo que é significado e selado pelos sacramentos.

IV. A questão é pão e vinho; que, no que diz respeito à sua essência, não são alterados, mas permanecem o que eram anteriormente; nem eles, no que diz respeito ao lugar, se juntam ao corpo ou ao sangue, de modo que o corpo está dentro, embaixo ou com o pão, etc. nem no uso da Ceia do Senhor se pode separar o pão e o vinho, para que, quando o pão for estendido aos leigos, o cálice não lhes seja negado.

V. Estabelecemos a forma na relação e a união mais estrita que existe entre os sinais e a coisa significada, e a referência de ambos aos crentes que se comunicam, e pela qual são feitos por analogia e semelhança, algo unido. A partir dessa conjunção de relação, surge um uso duplo de sinais neste sacramento da ceia do Senhor - o primeiro, que esses sinais são representativos - o segundo, que, enquanto representam, nos selam Cristo com seus benefícios.

VI. O fim é duplo: O primeiro é que nossa fé seja cada vez mais fortalecida em relação à promessa de graça que foi dada por Deus, e com respeito à verdade e certeza de que somos enxertados em Cristo. A segunda é:

(1) que os crentes podem, pela lembrança da morte de Cristo, testemunhar sua gratidão e obrigação para com Deus;

(2) que eles possam cultivar caridade entre si; e

(3) que por essa marca eles possam ser distinguidos dos incrédulos.


DISCUSSÃO LXV. SOBRE A MISSA PAPISTA

I. Omitindo os vários significados da palavra "Missa" que pode ser aduzida, consideramos, nesta ocasião, aquilo que os papistas declaram ser o externo e propriamente chamado "sacrifício expiatório", no qual os sacrificadores oferecem Cristo a seu Pai em favor dos vivos e dos mortos, e que eles afirmam ter sido celebrados e instituídos pelo próprio Cristo quando ele celebrou e instituiu sua última ceia.

II. Primeiro. Dizemos que esse sacrifício é falsamente atribuído à instituição da ceia do Senhor; pois Cristo não instituiu um sacrifício, mas um sacramento, que é aparente na própria instituição, na qual não somos ordenados a oferecer nada a Deus, pelo menos nada externo. Contudo, admitimos que na ceia do Senhor, como em todos os atos, é ordenado, ou deveria existir, o sacrifício interno pelo qual os crentes oferecem a Deus orações, louvores e ações de graças. Nesta visão, a ceia do Senhor é chamada "a eucaristia".

III. Em segundo lugar. A este sacrifício se opõem à natureza, verdade e excelência do sacrifício de Cristo. Pois, como o sacrifício de Cristo é único, expiatório, perfeito e de valor infinito; e como Cristo já foi oferecido, e "por essa única oblação aperfeiçoou para sempre os que foram santificados", como testemunham as Escrituras, sem dúvida nenhum lugar foi deixado para qualquer outro sacrifício ou para a repetição deste sacrifício de Cristo.

IV. Em terceiro lugar. Além disso, é errado supor que Cristo possa ser ou deva ser oferecido por homens ou por qualquer outra pessoa que não seja ele mesmo; pois ele, sozinho, é tanto a vítima quanto o sacerdote, como sendo o único que é verdadeiramente "santo, inofensivo, imaculado e separado dos pecadores".

V. De todas essas particularidades, é suficientemente aparente que não é necessário, mais ainda, que é ímpio que qualquer sacrifício expiatório agora seja oferecido pelos homens pelos vivos e pelos mortos. Além disso, é um pedaço de ignorância tola, supor que os mortos exijam alguma oblação; ou que eles podem obter remissão dos pecados que não obtiveram perdão antes da morte.

VI. Além desses três enormes erros cometidos na missa, com respeito ao sacrifício, ao sacerdote e àqueles por quem o sacrifício é oferecido, há um quarto, que é uma das maiores tormentas de todas, e é cometido em conjunto com a idolatria - que esse mesmo sacrifício é adorado por quem o oferece, e por aqueles a quem é oferecido, e é realizado com pompa solene.

COROLÁRIO

Nessas palavras, "a massa é um sacrifício expiatório, representativo e comemorativo", há uma oposição na aposição e uma contradição manifesta.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: