As discussões privadas de Armínio - XIV

Sobre os cinco falsos sacramentos
Sobre a adoração de Deus em geral
Sobre os preceitos da adoração divina em geral
Sobre a obediência, objeto formal divino
Sobre obediência, os comandos de Deus

DISCUSSÃO LXVI. SOBRE OS CINCO FALSOS SACRAMENTOS

I. Como três coisas são necessariamente necessárias para constituir a essência de um sacramento - isto é, instituição divina, um sinal externo e visível, e uma promessa da graça invisível que pertence à salvação eterna - segue-se que a coisa que é deficiente em um desses requisitos, ou no qual um deles está querendo, não pode estar sob a denominação de sacramento.

II. Portanto, a confirmação do papa não é um sacramento, embora a assinatura externa da cruz na testa do cristão e a unção do crisma sejam empregadas; pois esses sinais não foram instituídos por Cristo; nem foram santificados para tipificar ou selar qualquer coisa da graça salvadora; nem a graça prometida é anexada ao uso ou à recepção desses sinais.

III. A penitência, de fato, é um ato prescrito pelo Senhor a todos os que caíram no pecado e tem a promessa de remissão de pecados. Mas como não existe nele, por meio do comando divino, nenhum sinal externo, pelo qual a graça seja intimada e selada, não pode, por esse motivo, receber a denominação de "sacramento". Pois o ato de um padre, absolvendo um penitente, pertence ao anúncio do evangelho; da mesma forma que a injunção daquelas obras que são imprecisamente denominadas pelos papistas é satisfatória, isto é, jejum, orações, esmolas, afligindo a alma, etc.

IV. Isso é chamado de extrema unção, pelos papistas, que não são concedidos a ninguém, exceto àqueles que estão em seus últimos momentos; mas, então, não tem o mínimo poder ou virtude; nem jamais foi instituído por Cristo para significar a premissa da graça espiritual. Não pode, portanto, obter a denominação de "sacramento".

V. Nem a ordem ou instituição, confirmação ou inauguração de qualquer pessoa para o cumprimento oficial de alguns deveres eclesiásticos, pode estar sob a denominação de sacramento - tanto porque pertence à vocação particular e pública de algumas pessoas na igreja, e não à vocação geral de todos; e porque, embora possa ter sido instituído por Cristo, quaisquer sinais externos possam ser empregados nele, eles não pertencem ao selamento daquela graça que torna um homem agradável [a Deus] ou que está salvando, mas apenas para aquilo que é dado livremente, como se costuma dizer por meio de distinção.

VI. Embora o matrimônio entre marido e mulher concorde, de certa maneira, com os esposos espirituais que subsistem entre Cristo e a igreja; todavia, não foi instituído pelo Senhor para significar isso, nem nenhuma promessa de graça espiritual anexa a ele.


DISCUSSÃO LXVII. SOBRE A ADORAÇÃO DE DEUS EM GERAL

I. A primeira parte do nosso dever para com Deus e com Cristo foi o verdadeiro significado a respeito de Deus e com Cristo, ou a verdadeira fé em Deus e em Cristo; a segunda parte é a adoração correta a ser prestada a ambos.

II Esta parte recebe várias apelações. Entre os hebreus, chama-se h r w k [e µ y h w l a d a honra ou adoração e o temor de Deus. Entre os gregos, chama-se piedade de Eusebeia; Piedade Qesebeia, ou uma adoração a Deus; Religião Qrhskeia; Serviço Latreia prestado a Deus; Homenagem religiosa douleia; Culto divino em Qerapeia; Honra Timh; Medo de Fobov; Agaph tou Qeou, o amor de Deus. Entre os romanos, chama-se pietas, cultus ou cultura dei, veneratio, honos, observantia.

III Pode ser geralmente definido como uma observância que deve ser rendida a Deus e a Cristo a partir de uma verdadeira fé, uma boa consciência e de uma caridade não fingida, de acordo com a vontade de Deus que foi manifestada e conhecida por nós, para a glória de ambos, para a salvação do adorador e a edificação de outros.

IV. Expressamos o gênero pela palavra "observância", porque contém a intenção expressa de nossa mente e de nossa vontade de Deus e de Sua vontade, cuja intenção inspira parcialmente a vida nessa parte de nosso dever para com Deus. V. O objetivo é o mesmo que o de toda a religião e a primeira parte dela, que é a fé; e esse objeto é Deus e Cristo, nos quais as mesmas razões formais são consideradas, como aquelas que explicamos quando tratamos geralmente sobre religião.

VI No eficiente ou adorador, a quem declaramos ser um homem cristão, exigimos verdadeira fé em Deus e em Cristo, uma boa consciência, como tendo sido santificados e purificados pela fé pelo sangue e Espírito de Cristo, e uma caridade sincera; pois, sem estes, nenhum culto prestado a Deus pode ser grato e aceitável por ele.

VII. A questão é: aqueles atos particulares nos quais a adoração a Deus consiste; mas a própria vontade e mandamento de Deus lhe dá forma; pois não é a vontade de Deus ser adorada por opção de uma criatura, mas de acordo com o prazer e a prescrição de sua própria vontade.

VIII. O fim principal é a glória de Deus e Cristo. O menos principal é a salvação do adorador e a edificação de outros, para que sejam conquistados para Cristo e que, tendo sido trazidos para Cristo, possam aumentar e crescer em devoção.

IX. A forma é a própria observância, que é moldada do acordo adequado de todas essas coisas à dignidade, excelência e méritos do objeto a ser adorado - a partir de tal disposição do adorador de acordo com tal prescrito e da intenção deste fim. Se um deles está querendo, a observância fica viciada e, portanto, é desagradável para Deus.

X. No entanto, a adoração prescrita por Deus não deve, por esse motivo, ser omitida, embora o homem a quem é prescrita ainda não possa executá-la, a partir de tal mente, para esse fim.


DISCUSSÃO LXVIII. SOBRE OS PRECEITOS DA ADORAÇÃO DIVINA EM GERAL

I. Para aqueles que estão prestes a tratar da adoração a Deus, a maneira e o método mais cômodos parecem ser os seguintes: seguir a ordem dos mandamentos de Deus nos quais essa adoração é prescrita e considerar todos e cada um deles. Pois eles instruem e informam o adorador, e prescrevem o assunto, a forma e o fim do culto.

II Nos preceitos que prescrevem a adoração a Deus, três coisas geralmente são levadas em consideração:

(1) Seu fundamento, sobre o qual repousa o direito e a autoridade daquele que comanda, e a equidade de seu comando.

(2.) O próprio comando.

(3) A sanção, através de promessas e ameaças. O primeiro deles pode ser chamado de "o prefácio do comando"; o terceiro ", o apêndice a ele"; e o segundo é a própria essência do preceito.

III. O fundamento ou prefácio, contendo a autoridade d'Aquele que ordena e, por meio disso, a equidade do preceito, é o fundamento comum de toda religião e, por isso, também é o fundamento da fé; por exemplo, "Eu sou o Senhor teu Deus", & c. "Eu, o Deus onipotente ou o suficiente, serei a tua grande recompensa." "Eu sou o teu Deus e o Deus da tua descendência." A partir dessas expressões, não apenas é possível tirar essa conclusão - "Portanto, amarás o Senhor teu Deus", "Portanto, andará diante de mim e seja perfeito" - mas também o seguinte: "Portanto, acredite em mim". Mas não devemos tratar sobre esse assunto nesta ocasião, como foi discutido nas páginas anteriores.

IV. Eu digo que os outros dois são, o preceito, e a sanção ou apêndice do preceito. Pois devemos supor que existem duas partes de um preceito, a primeira das quais requer a execução ou a omissão de um ato, e a segunda exige punição. Mas devemos considerar que a última parte, chamada "apêndice", serve para esse propósito: que, na primeira, Deus desfruta da coisa que ele desejava, distribuindo bênçãos se obtiver seu desejo e infligindo punições, se o fizer. não obtê-lo.

V. Com relação aos preceitos, antes de chegarmos a cada um deles, devemos primeiro olhar geralmente para o que está sendo considerado em todos os preceitos.

VI. Em primeiro lugar, o objeto de todo preceito é duplo, o formal, o outro material; ou o primeiro formalmente exigido, o segundo materialmente. Destes, o primeiro é uniforme em todas as circunstâncias e em todos os preceitos, mas o segundo é diferente ou distinguível.

VII. O objeto formal, ou aquilo que é formalmente exigido, é pura obediência em si, sem respeito pela coisa ou ato em particular em que, ou sobre a qual, a obediência deve ser realizada. E podemos nos permitir chamar essa obediência de "cega", com essa exceção, que é precedida apenas pelo conhecimento pelo qual um homem sabe que essa mesma coisa havia sido prescrita por Deus.

VIII. O objeto material, ou aquele que é materialmente necessário, é o ato especial ou particular em si, cuja execução ou omissão está na obediência.

IX. Do objeto formal, deduz-se que o ato em que é a vontade de Deus que a obediência seja concedida a ele por sua atuação, é de tal natureza que existe algo no homem que é abominável por sua atuação; e que o ato, cuja omissão é ordenada por Deus, é de tal natureza que há algo no homem que está inclinado a realizá-lo. Caso contrário, nem o desempenho do primeiro, nem a omissão do último, poderiam ser chamados de "obediência".

X. A partir dessas premissas, segue-se que o desempenho e a omissão deste ato procedem de uma causa que supera e restringe a natureza do homem, inclinada ao ato proibido, e abominável ao prescrito.


DISCUSSÃO LXIX. SOBRE OBEDIÊNCIA, O OBJETO FORMAL DE TODOS OS PRECEITOS DIVINOS

I. A obediência, que é o objeto formal de todos os preceitos divinos, e que é prescrita em todos eles, é adequada e adequadamente prescrita à vontade que se conduz de acordo com o modo da liberdade; isto é, como é livre, que pode regular a vontade que se conduz de acordo com o modo da natureza, isto é, que pode regular a inclinação de acordo com a obediência prescrita.

II. Essa liberdade é a da contradição ou do exercício, ou a da contrariedade ou da especificação. De acordo com a liberdade do exercício, a vontade regula a inclinação, para que ela realize algum ato em vez de se abster dele, ou pelo contrário. De acordo com a liberdade da especificação, a vontade regula a inclinação de que, por tal ato, ela possa tender mais a isso do que a esse objeto.

III. Deste objeto formal de todos os preceitos, e sua relação assim considerada, surge a primeira distribuição e a formal, de todos os preceitos, naqueles que comandam e naqueles que proíbem; isto é, aqueles em que a comissão ou a omissão [de um ato] é prescrita.

IV. Um preceito que proíbe é tão obrigatório, para não permitir que um homem cometa o que é proibido. Pois não devemos perpetrar a iniquidade para que o bem venha; no entanto, essa é a única razão pela qual ocasionalmente podemos ter permissão para executar o que foi proibido.

V. Um preceito que comanda não é igualmente rigidamente vinculativo, de modo a exigir a cada momento do tempo o desempenho do que é ordenado; pois isso não pode ser feito, embora o período em que o homem o realize ou não, não seja deixado à sua escolha; mas seu desempenho deve ser administrado de acordo com as ocasiões e exigências que oferecem. Portanto, não era lícito que Daniel se abstivesse por três dias de invocar seu Deus.

VI Quando um preceito que proíbe, e um que ordena, são diretamente contrários - seja de acordo com o ato: "Amarás a Deus, e não odeio a ele"; "Odiarão o mundo e não o amarão"; ou, seja de acordo com o objeto, "Amarás a Deus, e não amarás o mundo"; "Odiarás o mundo, mas não odiarás a Deus;" então a transgressão da lei que proíbe é mais grave do que a que ordena, porque ela se afasta ainda mais da obediência e porque a prática de um mal que foi proibido inclui nela a omissão de um bem que foi ordenado.


DISCUSSÃO LXX. SOBRE A OBEDIÊNCIA DOS COMANDOS DE DEUS EM GERAL

I. Como a submissão da obediência é dever de um inferior, portanto, para a realização dela, a humildade é necessária. Essa, geralmente considerada, é uma qualidade pela qual alguém se prepara para se submeter a outro, para executar seus comandos e executá-los; e, neste caso, submeter-se a Deus.

II. A obediência tem respeito em parte a um ato interno e em parte a um ato externo. O desempenho de ambos é necessário para obediência completa, verdadeira e sincera. Pois Deus é um Espírito, e o inspetor dos corações, que exige a obediência de todo o homem, tanto do interior como do exterior - obediência das afeições do coração e dos membros do corpo. O ato externo sem o interno é hipocrisia; o interno, sem o externo, é incompleto, a menos que o homem seja impedido de realizar o ato externo sem sua própria falha imediata.


III. Com isso, quase coincide a expressão dos teólogos escolásticos "para executar um comando de acordo apenas com a substância do ato ou também com a qualidade e o modo exigidos", em que sentido, da mesma forma, Lutero parece ter proferido essa expressão - "Os advérbios salvam e caramba."

IV. A graça e a concordância especial de Deus são necessárias para o cumprimento de toda, verdadeira e sincera obediência, mesmo para a do homem interior, das afeições do coração e de um modo lícito. Mas permitimos que seja objeto de discussão, se a revelação e a assistência de Deus que é chamada "geral" e que se opõe a essa ajuda especial, e se distingue dela, são suficientes apenas para realizar o ato externo do corpo e da substância do ato.

V. Embora a graça especial que move, excita, impele e impele a obedecer, mova fisicamente o entendimento e a inclinação do homem, de modo que ele não possa ser senão afetado pela percepção dela, mas não efetua nem provoca o consentimento. exceto moralmente, isto é, pelo modo de persuasão e pela intervenção da livre vontade do homem, que a livre vontade não apenas exclui a cooperação, mas também toda necessidade e determinação antecedentes.

VI. Mas essa simultaneidade ou assistência especial da graça, que também é chamada de "graça cooperativa e acompanhante", não difere em espécie nem eficácia daquela graça emocionante e comovente que é chamada de prevenção e operação, mas é a mesma graça continuada. É denominado "cooperar" ou "concomitante", apenas devido à concordância da vontade humana que a operação e a prevenção da graça suscitaram na vontade do homem. Essa simultaneidade não é negada àquele a quem a graça excitante é aplicada, a menos que o homem ofereça resistência à graça excitante.

VII. A partir dessas premissas, concluímos que um homem regenerado é capaz de realizar mais bem do que realmente executa e pode omitir mais mal do que ele; e, portanto, que nem no sentido em que é recebido por Santo Agostinho, nem no que alguns de nossos teólogos o entendem, é a graça eficaz necessária para a realização da obediência - uma circunstância que é altamente aceitável com a doutrina de Santo Agostinho.

COROLÁRIO

A cooperação apenas circunscreve a liberdade de um agente, não a destrói ou tira; e tal circunscrição não é feita, exceto através do meio ou intervenção da inclinação natural; a inclinação natural, portanto, é mais oposta à liberdade do que à cooperação.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: