Autoridade e aventureiro

O último capítulo preocupa-se com a afirmação de que a ortodoxia não é apenas (como costuma ser solicitado) o único guardião seguro da moralidade ou da ordem, mas também é o único guardião lógico da liberdade, inovação e avanço. Se desejamos derrubar o próspero opressor, não podemos fazê-lo com a nova doutrina da perfectibilidade humana; podemos fazer isso com a velha doutrina do pecado original. Se queremos arrancar crueldades inerentes ou elevar populações perdidas, não podemos fazê-lo com a teoria científica de que a matéria precede a mente; podemos fazê-lo com a teoria sobrenatural de que a mente precede a matéria. Se desejamos especialmente despertar as pessoas para a vigilância social e a incansável busca pela prática, não podemos ajudar muito insistindo no Deus Imanente e na Luz Interior: pois essas são as melhores razões para o contentamento; podemos ajudar muito insistindo no Deus transcendente e no brilho voador e fugitivo; pois isso significa descontentamento divino. Se desejamos, em particular, afirmar a ideia de um equilíbrio generoso contra o de uma terrível autocracia, seremos instintivamente trinitários e não unitários. Se desejamos que a civilização européia seja uma incursão e um resgate, insistiremos antes que as almas estão em perigo real do que em perigo final. E se desejamos exaltar os excluídos e os crucificados, preferimos pensar que um Deus verdadeiro foi crucificado, em vez de um mero sábio ou herói. Acima de tudo, se desejamos proteger os pobres, seremos a favor de regras fixas e dogmas claros. As REGRAS de um clube são ocasionalmente a favor do sócio pobre. A tendência de um clube é sempre a favor do rico.

E agora chegamos à questão crucial que realmente conclui toda a questão. Um agnóstico razoável, se ele concordou comigo até agora, pode se virar justamente e dizer: "Você encontrou uma filosofia prática na doutrina da queda; muito bem. Você encontrou um lado da democracia agora perigosamente negligenciado sabiamente. afirmado no pecado original; tudo bem. Você encontrou uma verdade na doutrina do inferno; eu o parabenizo. Você está convencido de que os adoradores de um Deus pessoal olham para o exterior e são progressivos; eu os parabenizo. Mas mesmo supondo que essas doutrinas incluam Essas verdades, por que você não pode aceitar as verdades e abandonar as doutrinas? Concedido que toda a sociedade moderna confia demais nos ricos porque não permite a fraqueza humana; desde que as eras ortodoxas tenham tido uma grande vantagem porque (acreditando no outono) eles permitiram a fraqueza humana, por que você não pode simplesmente permitir a fraqueza humana sem acreditar na queda? Se você descobriu que a idéia de condenação representa uma idéia saudável de perigo, por que você não pode simplesmente aceitar e a ideia de perigo e deixa a ideia de condenação? Se você vê claramente o núcleo do senso comum na porca da ortodoxia cristã, por que você não pode simplesmente pegá-lo e deixá-lo? Por que você não (para usar essa frase insana dos jornais que eu, como um agnóstico altamente acadêmico, tenho um pouco de vergonha de usar) por que você não pode simplesmente aceitar o que é bom no cristianismo, o que você pode definir como valioso, o que você pode compreender , e deixar todo o resto, todos os dogmas absolutos que são de natureza incompreensível? "Esta é a verdadeira questão; esta é a última pergunta; e é um prazer tentar respondê-la.

A primeira resposta é simplesmente dizer que sou racionalista. Eu gosto de ter alguma justificativa intelectual para minhas intuições. Se estou tratando o homem como um ser caído, é uma conveniência intelectual para mim acreditar que ele caiu; e acho, por alguma estranha razão psicológica, que posso lidar melhor com o exercício do livre-arbítrio de um homem se acreditar que ele o entendeu. Mas estou nesse assunto ainda mais definitivamente racionalista. Não proponho transformar este livro em uma das apologéticas cristãs comuns; Eu ficaria feliz em encontrar a qualquer momento os inimigos do cristianismo naquela arena mais óbvia. Aqui, estou apenas relatando meu próprio crescimento na certeza espiritual. Mas posso fazer uma pausa para observar que, quanto mais via os argumentos meramente abstratos contra a cosmologia cristã, menos pensava neles. Quero dizer que, tendo achado a atmosfera moral da Encarnação um senso comum, então olhei para os argumentos intelectuais estabelecidos contra a Encarnação e os achei um absurdo comum. Caso se pense que o argumento sofra da ausência do apologético comum, resumirei aqui brevemente meus próprios argumentos e conclusões sobre a verdade puramente objetiva ou científica do assunto.

Se me perguntam, como uma questão puramente intelectual, por que acredito no cristianismo, só posso responder: "Pela mesma razão que um agnóstico inteligente não acredita no cristianismo". Eu acredito nisso de maneira bastante racional sobre as evidências. Mas a evidência no meu caso, como a do agnóstico inteligente, não está realmente nesta ou naquela suposta demonstração; está em uma enorme acumulação de fatos pequenos, mas unânimes. O secularista não deve ser responsabilizado, porque suas objeções ao cristianismo são diversas e até desagradáveis; é precisamente essa evidência desprezível que convence a mente. Quero dizer que um homem pode estar menos convencido de uma filosofia de quatro livros, do que de um livro, uma batalha, uma paisagem e um velho amigo. O próprio fato de as coisas serem de tipos diferentes aumenta a importância do fato de todas elas apontarem para uma conclusão. Agora, o não-cristianismo do homem educado comum hoje em dia é quase sempre, para fazer justiça a ele, feito dessas experiências frouxas, mas vivas. Só posso dizer que minhas evidências para o cristianismo são do mesmo tipo vívido, mas variado, que suas evidências contra ele. Pois quando olho para essas várias verdades anticristãs, simplesmente descubro que nenhuma delas é verdadeira. Descobri que a verdadeira maré e força de todos os fatos fluem para o outro lado. Vamos pegar casos. Muitos homens modernos sensíveis devem ter abandonado o cristianismo sob a pressão de três convicções convergentes como estas: primeiro, que os homens, com sua forma, estrutura e sexualidade, são, afinal, muito parecidos com animais, uma mera variedade de animais. reino; segundo, que a religião primitiva surgiu na ignorância e no medo; terceiro, que os padres arruinaram as sociedades com amargura e melancolia. Esses três argumentos anticristãos são muito diferentes; mas todos eles são bastante lógicos e legítimos; e todos eles convergem. A única objeção a eles (eu descubro) é que eles são todos falsos. Se você parar de olhar para livros sobre bestas e homens, se começar a olhar para bestas e homens (se tiver algum humor ou imaginação, algum senso de frenético ou ridículo), observará que a coisa mais surpreendente não é como o homem é para os animais, mas quão diferente ele é. É a escala monstruosa de sua divergência que requer uma explicação. Que homem e bruto são como, em certo sentido, um truísmo; mas que, sendo assim, eles deveriam ser tão insanamente diferentes, esse é o choque e o enigma. O fato de um macaco ter mãos é muito menos interessante para o filósofo do que o fato de ter mãos ele quase nada faz com eles; não toca knuckle-bones [1] ou violino; não esculpe mármore ou esculpe carne de carneiro. As pessoas falam de arquitetura bárbara e arte degradada. Mas os elefantes não constroem templos colossais de marfim, mesmo em estilo rococó; os camelos não pintam nem imagens ruins, embora equipados com o material de muitas escovas de pelos de camelo. Certos sonhadores modernos dizem que formigas e abelhas têm uma sociedade superior à nossa. Eles têm, de fato, uma civilização; mas essa mesma verdade apenas nos lembra que é uma civilização inferior. Quem já encontrou um formigueiro decorado com as estátuas de formigas célebres? Quem viu uma colmeia esculpida com imagens de lindas rainhas da antiguidade? Não; o abismo entre o homem e outras criaturas pode ter uma explicação natural, mas é um abismo. Nós falamos de animais selvagens; mas o homem é o único animal selvagem. É o homem que eclodiu. Todos os outros animais são animais mansos; seguindo a respeitabilidade robusta da tribo ou tipo. Todos os outros animais são animais domésticos; somente o homem é sempre desagradável, seja como desleixado ou monge. De modo que esta primeira razão superficial do materialismo é, se é que existe alguma, uma razão para o seu oposto; é exatamente onde a biologia termina que toda religião começa.

Seria o mesmo se eu examinasse o segundo dos três argumentos racionalistas do acaso; o argumento de que tudo o que chamamos de divino começou em algumas trevas e terror. Quando tentei examinar os fundamentos dessa ideia moderna, simplesmente descobri que não havia. A ciência nada sabe sobre o homem pré-histórico; pela excelente razão de que ele é pré-histórico. Alguns professores optam por conjeturar que coisas como sacrifício humano já foram inocentes e gerais e que diminuíram gradualmente; mas não há evidência direta disso, e a pequena quantidade de evidência indireta é muito diferente. Nas primeiras lendas que temos, como os contos de Isaac e Ifigênia, o sacrifício humano não é introduzido como algo antigo, mas como algo novo; como uma exceção estranha e assustadora exigida pelos deuses. A história não diz nada; e todas as lendas dizem que a terra era mais gentil em seus primeiros tempos. Não há tradição de progresso; mas toda a raça humana tem uma tradição da queda. Curiosamente, de fato, a própria disseminação dessa ideia é usada contra sua autenticidade. Homens instruídos dizem literalmente que essa calamidade pré-histórica não pode ser verdadeira porque toda raça da humanidade se lembra dela. Não consigo acompanhar esse paradoxo.

E se pegássemos a terceira oportunidade, seria a mesma; a visão de que os sacerdotes escurecem e amarguram o mundo. Olho o mundo e simplesmente descubro que não. Os países da Europa que ainda são influenciados pelos padres são exatamente os países onde ainda há cantos e danças e vestidos e arte coloridos ao ar livre. A doutrina e a disciplina católicas podem ser muros; mas eles são as paredes de um playground. O cristianismo é a única estrutura que preservou o prazer do paganismo. Podemos imaginar algumas crianças brincando no topo plano e gramado de uma ilha alta no mar. Enquanto houvesse um muro em volta da beira do penhasco, eles poderiam se arremessar em todos os jogos frenéticos e tornar o lugar o berçário mais barulhento. Mas as paredes foram derrubadas, deixando o perigo nu do precipício. Eles não caíram; mas quando seus amigos voltaram para eles, todos estavam amontoados de terror no centro da ilha; e a música deles havia cessado.

Assim, esses três fatos da experiência, fatos que tornam agnósticos, são, nessa visão, totalmente invertidos. Fico dizendo: "Dê-me uma explicação, primeiro, da altíssima excentricidade do homem entre os brutos; segundo, da vasta tradição humana de alguma felicidade antiga; terceiro, da perpetuação parcial de tanta alegria pagã nos países da Igreja Católica." Uma explicação, de qualquer forma, abrange todas as três: a teoria de que duas vezes foi a ordem natural interrompida por alguma explosão ou revelação, como as pessoas agora chamam de "psíquica". Uma vez que o Céu veio à Terra com um poder ou selo chamado imagem de Deus, pela qual o homem assumiu o comando da Natureza; e mais uma vez (quando, no império após império, os homens haviam sido considerados desejosos), o Céu veio para salvar a humanidade na terrível forma de um homem. Isso explicaria por que a massa de homens sempre olha para trás; e por que o único canto em que eles, de alguma maneira, olham para a frente é o pequeno continente onde Cristo tem Sua Igreja. Eu sei que se dirá que o Japão se tornou progressivo. Mas como isso pode ser uma resposta quando, mesmo ao dizer "o Japão se tornou progressivo", queremos apenas dizer "o Japão se tornou europeu"? Mas não desejo aqui insistir tanto na minha própria explicação quanto insistir na minha observação original. Eu concordo com o homem incrédulo comum na rua sendo guiado por três ou quatro fatos estranhos, todos apontando para algo; somente quando cheguei a olhar para os fatos, sempre achei que eles apontavam para outra coisa.

Eu dei uma tríade imaginária de argumentos anticristãos comuns; se isso for uma base muito estreita, darei no calor do momento outro. Estes são os tipos de pensamentos que, em conjunto, criam a impressão de que o cristianismo é algo fraco e doente. Primeiro, por exemplo, que Jesus era uma criatura gentil, tímida e não-mundana, um mero apelo ineficaz ao mundo; segundo, que o cristianismo surgiu e floresceu na idade das trevas da ignorância, e que para esses a Igreja nos arrastaria de volta; terceiro, que as pessoas ainda fortemente religiosas ou (se você quiser) supersticiosas - pessoas como os irlandeses - são fracas, pouco práticas e estão atrasadas. Menciono apenas essas idéias para afirmar a mesma coisa: quando as examinei independentemente, descobri que as conclusões não eram filosóficas, mas simplesmente que os fatos não eram fatos. Em vez de olhar para livros e gravuras sobre o Novo Testamento, olhei para o Novo Testamento. Lá encontrei um relato, não de uma pessoa com os cabelos separados no meio ou com as mãos entrelaçadas em apelo, mas de um ser extraordinário com lábios de trovão e atos de decisão lúgubre, jogando mesas, expulsando demônios, passando com o selvagem segredo do vento do isolamento das montanhas para uma espécie de demagogia terrível; um ser que frequentemente agia como um deus zangado - e sempre como um deus. Cristo tinha até um estilo literário próprio, que não se encontra, creio, em outro lugar; consiste em um uso quase furioso do A FORTIORI. [2] Seu "quanto mais" é empilhado um sobre o outro como castelo sobre castelo nas nuvens. A dicção usada sobre Cristo tem sido, e talvez sabiamente, doce e submissa. Mas a dicção usada por Cristo é curiosamente gigantesca; está cheio de camelos pulando através de agulhas e montanhas lançadas ao mar. Moralmente, é igualmente fantástico; chamou a si mesmo de espada de matança e disse aos homens que comprassem espadas se vendessem seus casacos por eles. O fato de ele ter usado outras palavras ainda mais loucas do lado da não resistência aumenta muito o mistério; mas também aumenta a violência. Não podemos nem explicar isso chamando esse ser de insano; pois a insanidade é geralmente ao longo de um canal consistente. O maníaco é geralmente um monomaníaco. Aqui devemos lembrar a difícil definição de cristianismo já dada; O cristianismo é um paradoxo sobre-humano, pelo qual duas paixões opostas podem brilhar uma ao lado da outra. A única explicação da linguagem do evangelho que a explica é que é a pesquisa de quem, de alguma altura sobrenatural, contempla uma síntese mais surpreendente.

Tomo por ordem o próximo exemplo oferecido: a ideia de que o cristianismo pertence à Idade das Trevas. Aqui não me satisfazi com a leitura de generalizações modernas; Eu li um pouco de história. E na história descobri que o cristianismo, longe de pertencer à Idade das Trevas, era o único caminho através da Idade das Trevas que não era escuro. Era uma ponte brilhante conectando duas civilizações brilhantes. Se alguém diz que a fé surgiu na ignorância e na selvageria, a resposta é simples: não. Surgiu na civilização mediterrânea durante todo o verão do Império Romano. O mundo estava cheio de céticos, e o panteísmo era tão claro quanto o sol, quando Constantino pregou a cruz no mastro. É perfeitamente verdade que depois o navio afundou; mas é muito mais extraordinário que o navio tenha subido novamente: repintado e cintilante, com a cruz ainda no topo. Foi isso que a religião fez: transformou um navio afundado em um submarino. A arca vivia sob a carga das águas; depois de enterrados sob os escombros de dinastias e clãs, nos levantamos e nos lembramos de Roma. Se nossa fé tivesse sido uma mera moda passageira do império desaparecendo, a moda teria seguido a moda no crepúsculo, e se a civilização alguma vez ressurgisse (e muitas delas nunca ressurgiram), estaria sob alguma nova bandeira bárbara. Mas a igreja cristã foi a última vida da sociedade antiga e também a primeira vida da nova. Ela pegou as pessoas que estavam esquecendo como fazer um arco e as ensinou a inventar o arco gótico. Em uma palavra, a coisa mais absurda que se pode dizer da Igreja é a que todos ouvimos falar dela. Como podemos dizer que a Igreja deseja nos trazer de volta à Idade das Trevas? A Igreja foi a única coisa que nos tirou deles.

Acrescentei nesta segunda trindade de objeções uma instância ociosa tirada daqueles que consideram pessoas como os irlandeses enfraquecidas ou estagnadas pela superstição. Eu apenas o adicionei porque este é um caso peculiar de uma declaração de fato que acaba sendo uma declaração de falsidade. Diz-se constantemente dos irlandeses que eles são impraticáveis. Mas se nos abstermos por um momento de olhar o que é dito sobre eles e o que é FEITO sobre eles, veremos que os irlandeses não são apenas práticos, mas muito bem-sucedidos. A pobreza de seu país, a minoria de seus membros, são simplesmente as condições sob as quais eles foram convidados a trabalhar; mas nenhum outro grupo no Império Britânico fez muito com essas condições. Os nacionalistas foram a única minoria que conseguiu desviar todo o Parlamento britânico do seu caminho. Os camponeses irlandeses são os únicos homens pobres nessas ilhas que forçaram seus senhores a abandonar. Essas pessoas, a quem chamamos de cavalgadas, são os únicos bretões que não serão cavalgadas. E quando cheguei a olhar para o verdadeiro personagem irlandês, o caso era o mesmo. Os irlandeses são melhores nas profissões especialmente DIFÍCEIS - os negócios de ferro, o advogado e o soldado. Em todos esses casos, portanto, voltei à mesma conclusão: o cético estava certo em seguir os fatos, só que ele não os examinara. O cético é crédulo demais; ele acredita em jornais ou mesmo em enciclopédias. Mais uma vez, as três perguntas me deixaram com três perguntas muito antagônicas. O cético comum queria saber como expliquei a nota de namby-pamby no Evangelho, a conexão do credo com as trevas medievais e a impraticabilidade política dos cristãos celtas. Mas eu queria perguntar, e perguntar com seriedade, que é urgente: "O que é essa energia incomparável que aparece primeiro em quem anda na Terra como um julgamento vivo e essa energia que pode morrer com uma civilização moribunda e ainda forçá-la a ressurreição dos mortos; essa energia que por último pode inflamar um camponês falido com uma fé tão firme na justiça que eles conseguem o que pedem, enquanto outros se esvaziam; para que a ilha mais impotente do Império possa realmente se ajudar? "

Há uma resposta: é uma resposta para dizer que a energia é verdadeiramente de fora do mundo; que é psíquico, ou pelo menos um dos resultados de um distúrbio psíquico real. A maior gratidão e respeito são devidos às grandes civilizações humanas, como o antigo egípcio ou o chinês existente. Não obstante, não é injustiça para eles dizerem que apenas a Europa moderna exibiu incessantemente um poder de auto-renovação recorrente frequentemente nos intervalos mais curtos e descendo aos menores fatos de construção ou vestuário. Todas as outras sociedades morrem finalmente e com dignidade. Nós morremos diariamente. Estamos sempre nascendo de novo com obstetrícia quase indecente. Não é exagero dizer que na cristandade histórica existe uma espécie de vida não natural: poderia ser explicada como uma vida sobrenatural. Poderia ser explicado como uma terrível vida galvânica trabalhando no que teria sido um cadáver. A nossa civilização DEVE ter morrido, por todos os paralelos, por todas as probabilidades sociológicas, no Ragnorak do fim de Roma. Essa é a estranha inspiração de nossa propriedade: você e eu não temos nenhum negócio de estar aqui. Somos todos REVENANTES; todos os cristãos vivos são pagãos mortos andando. No momento em que a Europa estava prestes a se reunir em silêncio para a Assíria e a Babilônia, algo entrou em seu corpo. E a Europa teve uma vida estranha - não é exagero dizer que teve os SALTOS - desde então.

Eu lidei longamente com essas tríades de dúvida típicas, a fim de transmitir a principal afirmação - que meu próprio argumento para o cristianismo é racional; mas não é simples. É um acúmulo de fatos variados, como a atitude do agnóstico comum. Mas o agnóstico comum entendeu tudo errado. Ele é um não crente por uma infinidade de razões; mas são razões falsas. Ele duvida porque a Idade Média era bárbara, mas não era; porque o darwinismo é demonstrado, mas não é; porque milagres não acontecem, mas acontecem; porque os monges eram preguiçosos, mas eram muito diligentes; porque as freiras são infelizes, mas são particularmente alegres; porque a arte cristã era triste e pálida, mas era escolhida em cores particularmente brilhantes e alegres com ouro; porque a ciência moderna está se afastando do sobrenatural, mas não está, está se movendo em direção ao sobrenatural com a rapidez de um trem ferroviário.

Mas entre esses milhões de fatos, todos fluindo de uma maneira, há, é claro, uma pergunta suficientemente sólida e separada para ser tratada brevemente, mas por si só; Quero dizer a ocorrência objetiva do sobrenatural. Em outro capítulo, indiquei a falácia da suposição comum de que o mundo deve ser impessoal porque é ordenado. Uma pessoa tem a mesma probabilidade de desejar algo ordenado do que desordenado. Mas minha própria convicção positiva de que a criação pessoal é mais concebível que o destino material é, admito, de certo modo, indiscutível. Não chamarei isso de fé ou intuição, pois essas palavras se confundem com mera emoção, é estritamente uma convicção intelectual; mas é uma convicção intelectual PRIMÁRIA como a certeza de si do bem da vida. Qualquer pessoa que goste, portanto, pode chamar minha crença em Deus de mística; não vale a pena brigar com a frase. Mas minha crença de que milagres aconteceram na história humana não é uma crença mística; Eu acredito neles nas evidências humanas, como na descoberta da América. Sobre esse ponto, existe um fato lógico simples que apenas precisa ser declarado e esclarecido. De uma maneira ou de outra, surgiu uma ideia extraordinária de que os descrentes em milagres os consideram frios e justos, enquanto os que acreditam em milagres os aceitam apenas em conexão com algum dogma. O fato é bem diferente. Os crentes em milagres os aceitam (com ou sem razão) porque eles têm evidências para eles. Os descrentes em milagres os negam (com ou sem razão) porque eles têm uma doutrina contra eles. A coisa aberta, óbvia e democrática é acreditar em uma velha maçã quando ela presta testemunho de um milagre, assim como você acredita em uma velha maçã quando ela presta testemunho de um assassinato. O curso comum e popular é confiar na palavra do camponês sobre o fantasma exatamente na medida em que você confia na palavra do camponês sobre o proprietário. Sendo um camponês, ele provavelmente terá muito agnosticismo saudável sobre ambos. Ainda assim, você poderia encher o Museu Britânico com evidências proferidas pelo camponês e dadas em favor do fantasma. Se se trata de testemunho humano, há uma catarata sufocante de testemunho humano em favor do sobrenatural. Se você o rejeitar, poderá significar apenas uma de duas coisas. Você rejeita a história do camponês sobre o fantasma ou porque o homem é um camponês ou porque a história é uma história de fantasma. Ou seja, você nega o princípio principal da democracia ou afirma o principal princípio do materialismo - a impossibilidade abstrata de milagre. Você tem o direito perfeito de fazê-lo; mas nesse caso você é o dogmatista. Somos nós os cristãos que aceitamos todas as evidências reais - são vocês racionalistas que recusam que as evidências reais sejam constrangidas a fazê-lo por seu credo. Mas não sou constrangido por nenhum credo no assunto e, olhando imparcialmente para certos milagres dos tempos medievais e modernos, cheguei à conclusão de que eles ocorreram. Todo argumento contra esses fatos simples é sempre argumento em círculo. Se eu digo: "Os documentos medievais atestam certos milagres tanto quanto atestam certas batalhas", eles respondem: "Mas os medievais eram supersticiosos"; se eu quero saber o que eles eram supersticiosos, a única resposta final é que eles acreditavam nos milagres. Se eu digo "um camponês viu um fantasma", me disseram: "Mas os camponeses são tão crédulos". Se eu perguntar: "Por que crédulo?" a única resposta é que eles vêem fantasmas. A Islândia é impossível porque apenas marinheiros estúpidos a viram; e os marinheiros são apenas estúpidos porque dizem que viram a Islândia. É justo acrescentar que há outro argumento que o incrédulo pode racionalmente usar contra milagres, embora ele próprio geralmente se esqueça de usá-lo.

Ele pode dizer que em muitas histórias milagrosas houve uma noção de preparação e aceitação espiritual: em suma, que o milagre só poderia acontecer com quem acreditasse nele. Pode ser assim, e se é assim, como devemos testá-lo? Se estamos perguntando se certos resultados seguem a fé, é inútil repetir cansadamente que (se acontecerem) eles seguem a fé. Se a fé é uma das condições, aqueles que não têm fé têm o direito mais saudável de rir. Mas eles não têm o direito de julgar. Ser crente pode ser, se você quiser, tão ruim quanto estar bêbado; ainda assim, se extraíssemos fatos psicológicos de bêbados, seria absurdo estar sempre provocando-os por estarem bêbados. Suponha que estivéssemos investigando se homens raivosos realmente viram uma névoa vermelha diante de seus olhos. Suponha que sessenta excelentes chefes de família jurassem que, quando zangados, haviam visto essa nuvem carmesim: certamente seria absurdo responder "Ah, mas você admite que estava zangado na época". Eles podem se reunir razoavelmente (em um coro de mentor): "Como as chamas poderíamos descobrir, sem ficar bravos, se as pessoas bravas veem vermelho?" Portanto, os santos e ascetas podem responder racionalmente: "Suponha que a questão é se os crentes podem ter visões - mesmo assim, se você estiver interessado em visões, não faz sentido objetar aos crentes". Você ainda está discutindo em um círculo - naquele velho círculo louco com o qual este livro começou.

A questão de saber se ocorrerão milagres é uma questão de bom senso e imaginação histórica comum: não de um experimento físico final. Pode-se aqui, com certeza, descartar o pedestal sem cérebro que fala sobre a necessidade de "condições científicas" em conexão com supostos fenômenos espirituais. Se estamos perguntando se uma alma morta pode se comunicar com um ser vivo, é ridículo insistir em que ele esteja sob condições nas quais duas almas vivas em seus sentidos se comuniquem seriamente. O fato de os fantasmas preferirem as trevas não refuta mais a existência de fantasmas do que o fato de que os amantes preferem as trevas refuta a existência do amor. Se você optar por dizer: "Acredito que a senhorita Brown tenha chamado seu noivo de pervinca ou qualquer outro termo agradável, se ela repetir a palavra diante de dezessete psicólogos", então responderei: "Muito bem, se essas são suas condições. , você nunca obterá a verdade, pois ela certamente não dirá isso. " É tão não-científico quanto não-filosófico se surpreender que em uma atmosfera antipática algumas simpatias extraordinárias não surjam. É como se eu dissesse que não sabia dizer se havia neblina porque o ar não estava suficientemente claro; ou como se eu insistisse na luz solar perfeita para ver um eclipse solar.

Como conclusão do senso comum, como aquelas a que chegamos ao sexo ou à meia-noite (sabendo muito bem que muitos detalhes devem, por sua própria natureza, ser ocultados), concluo que milagres acontecem. Sou forçado a isso por uma conspiração de fatos: o fato de que os homens que encontram elfos ou anjos não são místicos e sonhadores mórbidos, mas pescadores, fazendeiros e todos os homens ao mesmo tempo grosseiros e cautelosos; o fato de todos conhecermos homens que testemunham incidentes espiritualistas, mas não são espiritualistas, o fato de a própria ciência admitir essas coisas cada vez mais a cada dia. A ciência até admitirá a Ascensão se você a chamar de Levitação, e muito provavelmente admitirá a Ressurreição quando pensar em outra palavra para ela. Eu sugiro a regalvanização. Mas o mais forte de todos é o dilema acima mencionado, de que essas coisas sobrenaturais nunca são negadas, exceto com base na antidemocracia ou no dogmatismo materialista - posso dizer misticismo materialista. O cético sempre assume uma das duas posições; ou um homem comum não precisa ser acreditado, ou um evento extraordinário não deve ser acreditado. Pois espero que possamos descartar o argumento contra as maravilhas tentadas na mera recapitulação de fraudes, de médiuns fraudulentos ou de milagres enganosos. Isso não é um argumento, bom ou ruim. Um fantasma falso desaprova a realidade dos fantasmas exatamente como uma nota falsificada desaprova a existência do Banco da Inglaterra - se é que isso prova a sua existência.

Dada essa convicção de que os fenômenos espirituais ocorrem (minhas evidências são complexas, porém racionais), colidimos com um dos piores males mentais da época. O maior desastre do século XIX foi o seguinte: os homens começaram a usar a palavra "espiritual" como a mesma palavra "bom". Eles pensaram que crescer em refinamento e falta de corporalidade era crescer em virtude. Quando a evolução científica foi anunciada, alguns temiam que isso encorajasse a mera animalidade. Foi pior: encorajou a mera espiritualidade. Ensinou os homens a pensar que, enquanto passavam do macaco, estavam indo para o anjo. Mas você pode passar do macaco e ir para o diabo. Um homem de gênio, muito típico daquele período de perplexidade, expressou-o perfeitamente. Benjamin Disraeli estava certo quando disse que estava do lado dos anjos. Ele era de fato; ele estava do lado dos anjos caídos. Ele não estava do lado de nenhum mero apetite ou brutalidade animal; mas ele estava do lado de todo o imperialismo dos príncipes do abismo; ele estava do lado da arrogância e do mistério, e desprezava todo bem óbvio. Entre esse orgulho afundado e as imensas humildades do céu, devemos supor espíritos de formas e tamanhos. O homem, ao encontrá-los, deve cometer os mesmos erros que comete ao encontrar outros tipos variados em qualquer outro continente distante. A princípio, deve ser difícil saber quem é supremo e quem é subordinado. Se surgisse uma sombra do mundo subterrâneo e olhasse para Piccadilly, essa sombra não entenderia bem a idéia de uma carruagem fechada comum. Ele suporia que o cocheiro na caixa era um conquistador triunfante, arrastando para trás um cativo chutado e preso. Portanto, se vemos fatos espirituais pela primeira vez, podemos confundir quem está no topo. Não basta encontrar os deuses; eles são óbvios; precisamos encontrar Deus, o verdadeiro chefe dos deuses. Precisamos ter uma longa experiência histórica em fenômenos sobrenaturais - para descobrir quais são realmente naturais. Sob essa luz, acho a história do cristianismo, e até de suas origens hebraicas, bastante prática e clara. Não me incomoda saber que o deus hebreu era um entre muitos. Eu sei que ele estava, sem nenhuma pesquisa para me dizer isso. Jeová e Baal pareciam igualmente importantes, assim como o sol e a lua pareciam do mesmo tamanho. É apenas lentamente que aprendemos que o sol é incomensuravelmente nosso mestre, e a pequena lua apenas nosso satélite. Acreditando que existe um mundo de espíritos, eu andarei nele, como faço no mundo dos homens, procurando o que eu gosto e penso bem. Assim como eu deveria procurar água limpa no deserto, ou trabalhar no Pólo Norte para fazer um fogo confortável, procurarei a terra do vazio e da visão até encontrar algo fresco como a água e confortante como o fogo; até encontrar algum lugar na eternidade, onde estou literalmente em casa. E só existe um desses lugares.

Eu já disse o suficiente para mostrar (a qualquer pessoa para quem essa explicação é essencial) que eu tenho na arena comum da apologética, uma base de crença. Em registros puros de experimentos (se estes forem tomados democraticamente sem desprezo ou favor), há evidências primeiro de que milagres acontecem e segundo de que os milagres mais nobres pertencem à nossa tradição. Mas não vou fingir que essa discussão brusca é minha verdadeira razão para aceitar o cristianismo, em vez de tomar o bem moral do cristianismo, como devo retirá-lo do confucionismo.

Tenho outro fundamento muito mais sólido e central para submeter-me a ela como uma fé, em vez de simplesmente pegar dicas dele como um esquema. E é isso: que a Igreja Cristã em sua relação prática com a minha alma é um professor vivo, não um morto. Não só certamente me ensinou ontem, mas quase certamente me ensinará amanhã. Uma vez vi de repente o significado da forma da cruz; algum dia eu posso ver de repente o significado da forma da mitra. Uma bela manhã, vi por que as janelas estavam apontadas; Em uma bela manhã, posso ver por que os padres foram barbeados. Platão lhe disse uma verdade; mas Platão está morto. Shakespeare surpreendeu você com uma imagem; mas Shakespeare não vai mais assustá-lo. Mas imagine o que seria viver com esses homens ainda vivos, saber que Platão poderia começar com uma palestra original amanhã, ou que a qualquer momento Shakespeare poderia quebrar tudo com uma única música. O homem que vive em contato com o que ele acredita ser uma Igreja viva é um homem sempre esperando conhecer Platão e Shakespeare amanhã no café da manhã. Ele está sempre esperando ver alguma verdade que ele nunca viu antes. Há apenas um outro paralelo a essa posição; e esse é o paralelo da vida em que todos começamos. Quando seu pai lhe disse, andando pelo jardim, que abelhas picavam ou que rosas cheiravam doces, você não falou em tirar o melhor proveito de sua filosofia. Quando as abelhas o picaram, você não a chamou de coincidência divertida. Quando a rosa cheirava doce, você não dizia "Meu pai é um símbolo rude e bárbaro, consagrando (talvez inconscientemente) as verdades delicadas e profundas que as flores cheiram". Não: você acreditou em seu pai, porque o achou uma fonte viva de fatos, algo que realmente sabia mais do que você; algo que diria a verdade amanhã e hoje. E se isso era verdade para seu pai, era ainda mais verdadeiro para sua mãe; pelo menos era o meu, a quem este livro é dedicado. Agora, quando a sociedade está em uma confusão bastante fútil sobre a sujeição das mulheres, ninguém dirá quanto todo homem deve à tirania e privilégio das mulheres, ao fato de que elas sozinhas governam a educação até que a educação se torne fútil: para um menino é só é enviado para ser ensinado na escola quando é tarde demais para lhe ensinar alguma coisa. O verdadeiro já foi feito e, graças a Deus, quase sempre é feito pelas mulheres. Todo homem é mulherengo, apenas nascendo. Eles falam da mulher masculina; mas todo homem é um homem feminizado. E se algum dia homens caminharem até Westminster para protestar contra esse privilégio feminino, eu não entrarei na procissão deles.

Pois lembro com certeza esse fato psicológico fixo; que no exato momento em que eu estava mais sob a autoridade de uma mulher, eu estava mais cheio de chamas e aventura. Exatamente porque quando minha mãe disse que as formigas morderam, elas morderam e porque a neve chegou no inverno (como ela disse); portanto, o mundo inteiro era para mim um país de fadas de maravilhosas realizações, e era como viver em uma era hebraica, quando profecias após profecias se tornaram realidade. Eu saí quando criança no jardim, e era um lugar terrível para mim, justamente porque eu tinha uma pista: se eu não tivesse uma pista, não teria sido terrível, mas manso. Um mero deserto selvagem não é impressionante. Mas o jardim da infância era fascinante, exatamente porque tudo tinha um significado fixo que poderia ser descoberto por sua vez. Polegada por polegada, pude descobrir qual era o objeto da forma feia chamada ancinho; ou formar alguma conjectura sombria sobre por que meus pais mantiveram um gato.

Assim, desde que aceitei a cristandade como mãe e não apenas como um exemplo casual, encontrei a Europa e o mundo mais uma vez como o pequeno jardim onde encarava as formas simbólicas de gato e ancinho; Olho para tudo com a velha ignorância e expectativa élfica. Este ou aquele rito ou doutrina pode parecer tão feio e extraordinário quanto um ancinho; mas descobri por experiência que tais coisas terminam de alguma forma em grama e flores. Um clérigo pode ser aparentemente tão inútil quanto um gato, mas também é tão fascinante, pois deve haver alguma razão estranha para sua existência. Eu dou um exemplo em cem; Não tenho nenhum parentesco instintivo com esse entusiasmo pela virgindade física, que certamente foi uma nota do cristianismo histórico. Mas quando não olho para mim, mas para o mundo, percebo que esse entusiasmo não é apenas uma nota do cristianismo, mas uma nota do paganismo, uma nota da alta natureza humana em muitas esferas. Os gregos sentiram virgindade quando esculpiram Ártemis, os romanos quando vestiram as vestais, o pior e mais selvagem dos grandes dramaturgos elisabetanos agarrados à pureza literal de uma mulher e ao pilar central do mundo. Acima de tudo, o mundo moderno (mesmo que zombando da inocência sexual) se lançou em uma idolatria generosa da inocência sexual - o grande culto moderno das crianças. Pois qualquer homem que ama crianças concorda que sua beleza peculiar é prejudicada por uma pitada de sexo físico. Com toda essa experiência humana, aliada à autoridade cristã, simplesmente concluo que estou errado e que a igreja está certa; ou melhor, que eu estou com defeito, enquanto a igreja é universal. São necessários todos os tipos para fazer uma igreja; ela não me pede para ser celibatário. Mas o fato de eu não gostar dos celibatários, aceito como o fato de não ter ouvido música. A melhor experiência humana é contra mim, como é sobre o assunto de Bach. O celibato é uma flor no jardim de meu pai, da qual não me disseram o nome doce ou terrível. Mas posso me dizer isso qualquer dia.

Portanto, essa é, em conclusão, minha razão de aceitar a religião e não meramente as verdades dispersas e seculares da religião. Faço isso porque a coisa não apenas disse essa verdade ou essa verdade, mas se revelou como algo que diz a verdade. Todas as outras filosofias dizem as coisas que parecem claramente verdadeiras; somente essa filosofia disse repetidas vezes o que não parece ser verdade, mas é verdade. Sozinho em todos os credos, é convincente onde não é atraente; acaba por estar certo, como meu pai no jardim. Teosofistas, por exemplo, pregarão uma ideia obviamente atraente como reencarnação; mas se esperarmos por seus resultados lógicos, eles são a arrogância espiritual e a crueldade da casta. Pois se um homem é um mendigo por seus próprios pecados pré-natais, as pessoas tendem a desprezar o mendigo. Mas o cristianismo prega uma ideia obviamente pouco atraente, como o pecado original; mas quando esperamos por seus resultados, eles são pathos [3]e fraternos, e um trovão de risadas e piedade; pois somente com o pecado original podemos ter pena do mendigo e desconfiar do rei. Os homens da ciência nos oferecem saúde, um benefício óbvio; é somente depois que descobrimos que, por saúde, elas significam escravidão corporal e tédio espiritual. A ortodoxia nos faz pular à beira repentina do inferno; somente depois percebemos que o salto foi um exercício atlético altamente benéfico para a saúde. Só depois percebemos que esse perigo é a raiz de todo drama e romance. O argumento mais forte para a graça divina é simplesmente a falta de graça. As partes impopulares do cristianismo acabam sendo examinadas como sendo os próprios objetos do povo. O anel externo do cristianismo é uma guarda rígida de abnegações éticas e padres profissionais; mas dentro dessa guarda desumana você encontrará a velha vida humana dançando como crianças e bebendo vinho como homens; porque o cristianismo é a única estrutura para a liberdade pagã. Mas, na filosofia moderna, o caso é oposto; é seu anel externo que é obviamente artístico e emancipado; seu desespero está dentro.

E seu desespero é este, que ele realmente não acredita que exista algum significado no universo; portanto, não pode esperar encontrar nenhum romance; seus romances não terão tramas. Um homem não pode esperar nenhuma aventura na terra da anarquia. Mas um homem pode esperar inúmeras aventuras se viajar na terra da autoridade. Não se pode encontrar significados em uma selva de ceticismo; mas o homem encontrará cada vez mais significados que atravessam uma floresta de doutrina e design. Aqui tudo tem uma história amarrada ao rabo, como as ferramentas ou figuras na casa de meu pai; pois é a casa do meu pai. Termino onde comecei - no extremo certo. Finalmente entrei no portão de toda boa filosofia. Eu entrei na minha segunda infância.

Mas esse universo cristão maior e mais aventureiro tem uma nota final difícil de expressar; contudo, como conclusão de todo o assunto, tentarei expressá-lo. Todo o argumento real sobre religião gira em torno da questão de saber se um homem que nasceu de cabeça para baixo pode dizer quando ele chega bem. O paradoxo primário do cristianismo é que a condição comum do homem não é sua condição sã ou sensível; que o normal em si é uma anormalidade. Essa é a filosofia mais íntima da queda. No interessante novo catecismo de Sir Oliver Lodge, as duas primeiras perguntas foram: "O que você é?" e "Qual é, então, o significado da queda do homem?" Lembro-me de me divertir escrevendo minhas próprias respostas para as perguntas; mas logo descobri que elas eram respostas muito quebradas e agnósticas. Para a pergunta "O que você é?" Eu só consegui responder: "Deus sabe". E à pergunta: "O que se entende por queda?" Eu poderia responder com total sinceridade: "Que, seja o que for, não sou eu mesmo". Este é o principal paradoxo da nossa religião; algo que nunca conhecemos em todo o sentido não é apenas melhor que nós mesmos, mas ainda mais natural para nós do que nós. E realmente não há teste disso, exceto o meramente experimental com o qual essas páginas começaram, o teste da cela acolchoada e a porta aberta. É apenas desde que conheço a ortodoxia que conheço a emancipação mental. Mas, em conclusão, ele tem uma aplicação especial à idéia última de alegria.

Dizem que o paganismo é uma religião de alegria e cristianismo de tristeza; seria igualmente fácil provar que o paganismo é pura tristeza e o cristianismo pura alegria. Tais conflitos não significam nada e não levam a lugar algum. Tudo o que o ser humano deve ter é alegria e tristeza; a única questão de interesse é a maneira pela qual as duas coisas são equilibradas ou divididas. E o mais interessante é que o pagão estava (em geral) mais feliz e mais feliz ao se aproximar da terra, mas cada vez mais triste ao se aproximar dos céus. A alegria do melhor paganismo, como na brincadeira de Catulo ou Teócrito, é, de fato, uma alegria eterna que nunca será esquecida por uma humanidade agradecida. Mas é tudo uma alegria sobre os fatos da vida, não sobre sua origem. Para os pagãos, as pequenas coisas são tão doces quanto os pequenos riachos que saem da montanha; mas as coisas amplas são tão amargas quanto o mar. Quando o pagão olha para o cerne do cosmos, ele fica frio. Atrás dos deuses, que são meramente despóticos, estão os destinos, que são mortais. Não, o destino é pior que mortal; Eles estão mortos. E quando os racionalistas dizem que o mundo antigo era mais esclarecido que o cristão, do ponto de vista deles, eles estão certos. Pois quando dizem "iluminados", significam escurecidos com desespero incurável. É profundamente verdade que o mundo antigo era mais moderno que o cristão. O vínculo comum está no fato de que tanto os antigos quanto os modernos têm sido infelizes com a existência, com tudo, enquanto os medievais estavam felizes com isso, pelo menos. Concordo livremente que os pagãos, como os modernos, eram apenas miseráveis ​​com tudo - eles eram bastante alegres com todo o resto. Concordo que os cristãos da Idade Média estavam em paz apenas com tudo - estavam em guerra com tudo o mais. Mas se a questão se volta para o pivô primário do cosmos, havia mais contentamento cósmico nas ruas estreitas e sangrentas de Florença do que no teatro de Atenas ou no jardim aberto de Epicuro. Giotto morava em uma cidade mais sombria que Eurípides, mas morava em um universo mais alegre.

A massa de homens foi forçada a ser gay com relação às pequenas coisas, mas triste com as grandes. Não obstante (ofereço meu último dogma desafiadoramente), não é natural que o homem o seja. O homem é mais ele mesmo, o homem é mais parecido com o homem, quando a alegria é a coisa fundamental nele e a tristeza o superficial. A melancolia deve ser um interlúdio inocente, um estado de espírito terno e fugitivo; louvor deve ser a pulsação permanente da alma. O pessimismo é, na melhor das hipóteses, um meio feriado emocional; a alegria é o trabalho barulhento pelo qual todas as coisas vivem. No entanto, de acordo com o aparente estado do homem, visto pelos pagãos ou pelos agnósticos, essa necessidade primária da natureza humana nunca pode ser atendida. A alegria deve ser expansiva; mas, para o agnóstico, ele deve ser contraído, deve se apegar a um canto do mundo. O luto deve ser uma concentração; mas para o agnóstico, sua desolação se espalha por uma eternidade impensável. É o que chamo de nascer de cabeça para baixo. Pode-se dizer verdadeiramente que o cético é de pernas para o ar; pois seus pés estão dançando para cima em êxtase ocioso, enquanto seu cérebro está no abismo. Para o homem moderno, os céus estão realmente abaixo da terra. A explicação é simples; ele está de pé em sua cabeça; que é um pedestal muito fraco para se apoiar. Mas quando ele encontra os pés novamente, ele sabe disso. O cristianismo satisfaz repentina e perfeitamente o instinto ancestral do homem por ser o caminho certo; satisfaz isso de maneira suprema; que por seu credo a alegria se torna algo gigantesco e a tristeza algo especial e pequeno. O cofre acima de nós não é surdo porque o universo é um idiota; o silêncio não é o silêncio sem coração de um mundo sem fim e sem rumo. Pelo contrário, o silêncio à nossa volta é uma quietude pequena e lamentável, como a pronta quietude em um quarto de doente. Talvez nos seja permitida a tragédia como uma espécie de comédia misericordiosa: porque a energia frenética das coisas divinas nos derrubaria como uma farsa bêbada. Podemos tomar nossas próprias lágrimas mais levemente do que poderíamos suportar as tremendas levias dos anjos. Por isso, talvez nos sentemos em uma câmara estrelada de silêncio, enquanto o riso do céu é alto demais para que possamos ouvir.

A alegria, que era a pequena publicidade dos pagãos, é o gigantesco segredo do cristão. E ao encerrar este volume caótico, abro novamente o estranho pequeno livro de onde veio todo o cristianismo; e sou novamente assombrado por uma espécie de confirmação. A tremenda figura que preenche os evangelhos se eleva a esse respeito, como em todos os outros, acima de todos os pensadores que já se consideraram altos. Seu pathos era natural, quase casual. Os estoicos, antigos e modernos, tinham orgulho de esconder suas lágrimas. Ele nunca escondeu suas lágrimas; Ele os mostrou claramente em Seu rosto aberto a qualquer visão diária, como a visão distante de Sua cidade natal. No entanto, ele ocultou algo. Super-homens solenes e diplomatas imperiais têm orgulho de conter sua raiva. Ele nunca reprimiu sua ira. Ele jogou os móveis pelos degraus da frente do templo e perguntou aos homens como eles esperavam escapar da condenação do inferno. No entanto, ele restringiu algo. Eu digo isso com reverência; havia nessa personalidade destruidora um fio que devia ser chamado de timidez. Havia algo que Ele escondeu de todos os homens quando subiu uma montanha para orar. Havia algo que Ele cobria constantemente por silêncio abrupto ou isolamento impetuoso. Havia algo muito grande para Deus nos mostrar quando Ele andou sobre a nossa terra; e às vezes imaginei que era Sua alegria.

~

G. K. Chesterton

Do livro: Orthodoxy (Ortodoxia), 1908.

Disponível em Gutenberg (inglês).




Notas:
[1] knuckle-bones - "Jogo da bugalha" é um dos jogos mais antigos do mundo. É normalmente praticado por crianças e mulheres.
[2] A fortiori é o início de uma expressão latina — a fortiori ratione — que significa "por causa de uma razão mais forte", ou seja, "com muito mais razão".
[3] pathos - Uma qualidade que evoca pena ou tristeza.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: