A necessidade de Cristo se tornar homem para ser o mediador

A necessidade de Cristo se tornar homem para cumprir o ofício de mediador.


I. Era de grande importância para nossos interesses que ele, que deveria ser nosso Mediador, fosse ao mesmo tempo verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Se fosse feita uma investigação sobre a necessidade disso, não era de fato uma necessidade simples, ou, como costumamos dizer, uma necessidade absoluta, mas que surgiu do decreto celestial, do qual dependia a salvação dos homens. Mas nosso Pai mais misericordioso designou o que era melhor para nós. Pois desde que nossas iniquidades, como uma nuvem que intervinha entre nós e ele, nos alienaram totalmente do reino dos céus, ninguém que não pudesse se aproximar de Deus poderia ser um mediador para a restauração da paz. Mas quem poderia ter se aproximado dele? Qualquer um dos filhos de Adão? Todos eles, com seus pais, temiam a presença divina. Poderia algum dos anjos? Eles também precisavam de uma cabeça, por uma conexão com a qual pudessem ser confirmados em uma aderência perfeita e invariável ao seu Deus. O que, então, poderia ser feito? Nossa situação era verdadeiramente deplorável, a menos que a própria Divina Majestade descesse até nós; pois não conseguimos ascender a ele. Assim, era necessário que o Filho de Deus se tornasse Emanuel, isto é, Deus conosco; e isso para que possa haver uma união e coalizão mútuas entre sua divindade e a natureza do homem; pois, de outro modo, a proximidade não poderia estar suficientemente próxima, nem a afinidade, suficientemente forte, para autorizar-nos a esperar que Deus habitasse conosco. Tão grande foi a discordância entre nossa poluição e a perfeita pureza de Deus. Embora o homem tivesse permanecido imaculadamente inocente, sua condição teria sido muito má para ele se aproximar de Deus sem um mediador. O que, então, ele pode fazer, depois de ter sido mergulhado por sua queda fatal na morte e no inferno, contaminado com tantas manchas, apodrecendo em sua própria corrupção e, em uma palavra, sobrecarregado com toda maldição? Não é sem razão, portanto, que Paulo, quando prestes a exibir Cristo no caráter de um Mediador, fala expressamente dele como homem. "Existe um mediador", diz ele, "entre Deus e o homem, o homem Cristo Jesus". [1] Ele poderia ter chamado de Deus, ou de fato ter omitido a denominação do homem, assim como a de Deus; mas porque o Espírito, que falou por ele, conhecia nossa enfermidade, ele providenciou um remédio muito adequado, colocando o Filho de Deus familiarmente entre nós, como se ele fosse um de nós. Portanto, para que ninguém se aflija onde ele deve procurar o Mediador, ou de que maneira ele pode se aproximar dele, o apóstolo, chamando-o de homem, nos aprova que ele está perto e até perto de nós, uma vez que ele é nossa própria carne. Ele certamente pretende o mesmo que é declarado em outro lugar mais amplo - "que não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado com o sentimento de nossas enfermidades, mas que em todos os pontos foi tentado como nós, mas sem pecado". [2]

II. Isso parecerá ainda mais completo, se considerarmos, que não foi uma parte insignificante que o Mediador teve que realizar; ou seja, restaurar-nos ao favor divino, de modo que, dos filhos dos homens, nos tornar filhos de Deus; dos herdeiros do inferno, para nos tornar herdeiros do reino dos céus. Quem poderia fazer isso, a menos que o Filho de Deus se tornasse também o Filho do homem, e assim recebesse para si o que nos pertence, e transferisse para nós o que é dele, e tornasse o que é dele por natureza nosso por graça? Dependendo, portanto, dessa promessa, temos confiança de que somos filhos de Deus, porque ele, que é o Filho de Deus por natureza, proveu um corpo de nosso corpo, carne de nossa carne, ossos de nossos ossos, [3] para que ele fosse o mesmo conosco: ele se recusou a não assumir o que era peculiar a nós, para que também pudéssemos obter o que ele tinha de peculiar; e que assim, em comum conosco, ele pode ser o Filho de Deus e o Filho do homem. Daí surge a santa fraternidade, que ele menciona com a própria boca nas seguintes palavras: “Eu ascendo a meu Pai e a seu Pai; e ao meu Deus, e ao seu Deus. ”[4] Por essa razão, temos uma certeza da herança do reino dos céus, porque o único Filho de Deus, a quem ele pertencia exclusivamente, nos adotou como seus irmãos; e se somos irmãos dele, somos consequentemente co-herdeiros da herança. [5] Além disso, era altamente necessário também por esse motivo, que quem seria nosso Redentor fosse verdadeiramente Deus e homem. Era seu escritório engolir a morte; quem poderia fazer isso, mas ele que era a própria vida? Era dele vencer o pecado; quem poderia fazer isso, senão a própria justiça? Era dele pôr em fuga os poderes do mundo e do ar; quem poderia fazer isso, senão um poder superior ao mundo e ao ar? Agora, quem possui vida ou justiça, ou o império e poder do céu, mas somente Deus? Portanto, o Deus mais misericordioso, quando determinou nossa redenção, tornou-se nosso Redentor na pessoa de seu único Filho!

III. Outro ramo de nossa reconciliação com Deus era esse - que o homem, que se arruinara por sua própria desobediência, deveria remediar sua condição por obediência, deveria satisfazer a justiça de Deus e sofrer a punição de seus pecados. Nosso Senhor então apareceu como um homem de verdade; ele assumiu o caráter de Adão, e assumiu seu nome, para atuar como seu substituto em sua obediência ao Pai, para estabelecer nossa carne como preço de satisfação para a justiça de Deus; e sofrer o castigo que tínhamos merecido, na mesma natureza em que o crime foi cometido. Como seria impossível, portanto, para alguém que era apenas Deus sofrer a morte, ou para quem era um mero homem para superá-la, ele associou a natureza humana ao Divino, a fim de submeter a fraqueza do primeiro a a morte como expiação pelos pecados; e que, com o poder deste último, ele poderia enfrentar a morte e obter uma vitória em nosso favor. Aqueles que despojam Cristo, portanto, tanto de sua divindade quanto de sua humanidade, diminuem sua majestade e glória, ou obscurecem sua bondade. Por outro lado, também não são menos prejudiciais para os homens, cuja fé enfraquecem e subvertem; uma vez que não aguenta mais do que repousa sobre esse fundamento. Além disso, o Redentor que se esperava era aquele Filho de Abraão e Davi, a quem Deus havia prometido na lei e nos profetas. Portanto, as mentes dos fiéis obtêm outra vantagem, porque, devido à circunstância de seus antepassados ​​serem atribuídos a Davi e Abraão, eles têm uma garantia adicional de que este é o Cristo, que foi celebrado em tantas profecias. Mas devemos lembrar particularmente o que acabei de afirmar - que nossa natureza comum é uma promessa de nossa comunhão com o Filho de Deus; que, vestido em nossa carne, ele venceu o pecado e a morte, para que a vitória e o triunfo sejam nossos; que a carne que ele recebeu de nós ofereceu como sacrifício, a fim de expiar e obliterar nossa culpa e apaziguar a justa ira do Pai.

IV. As pessoas que consideram essas coisas, com a atenção diligente que merecem, facilmente desconsideram vagas especulações que atraem mentes inconstantes e que gostam de novidades. Essa é a noção de que Cristo teria se tornado homem, mesmo que a raça humana não precisasse de redenção. Concordo, de fato, que na criação original, e no estado de integridade, ele foi exaltado como cabeça sobre anjos e homens; por essa razão, Paulo o chama de "o primogênito de toda criatura"; [6] mas, como todas as Escrituras proclamam que ele estava vestido de carne para se tornar um Redentor, argumenta uma excessiva temeridade de imaginar outra causa ou outro fim. por isso. O fim pelo qual Cristo foi prometido desde o princípio é suficientemente conhecido; era restaurar um mundo caído e socorrer homens arruinados. Portanto, sob a lei, sua imagem era exibida em sacrifícios, para inspirar os fiéis com a esperança de que Deus seria propício a eles, depois que ele fosse reconciliado pela expiação de seus pecados. E como em todas as épocas, mesmo antes da promulgação da lei, o Mediador nunca foi prometido sem sangue, concluímos que ele estava destinado pelo eterno decreto de Deus para purificar a poluição dos homens; porque a efusão de sangue é um emblema de expiação. Os profetas o proclamaram e o anunciaram como o futuro reconciliador de Deus e dos homens. Como amostra suficiente de todos, nos referimos ao testemunho muito celebrado de Isaías, onde ele prediz, que ele deveria ser ferido por Deus pelas transgressões do povo, para que o castigo de sua paz pudesse estar sobre ele; e que ele deveria ser um sacerdote para se oferecer como vítima; que por suas pisadas outros sejam curados; e que, como todos os homens se perderam e se dispersaram como ovelhas, agradou ao Senhor afligi-lo e impor-lhe as iniquidades de todos. [7] Como somos informados de que Cristo é particularmente designado por Deus para o alívio de pecadores miseráveis, todos os que passam por esses limites são culpados de satisfazer uma curiosidade tola. Quando ele próprio apareceu no mundo, declarou que era o desígnio de seu advento, para apaziguar a Deus e restaurar-nos da morte para a vida. Os apóstolos testemunharam o mesmo. Assim, João, antes de nos informar que a Palavra foi feita carne, menciona a deserção do homem. [8] Mas nossa principal atenção é devida ao próprio Cristo falando de seu próprio ofício. Ele diz: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” [9] Novamente: “Está chegando a hora, e agora é, quando o os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que ouvem viverão.” [10] “Eu sou a ressurreição e a vida; aquele que crê em mim, mesmo estando morto, viverá.” [11] Novamente:“ O Filho do homem veio salvar o que estava perdido.” [12] Novamente: “Os que são inteiros não precisam médico.” [13] Não haveria fim, se eu quisesse citar todas as passagens. Os apóstolos com um consentimento nos chamam de volta a esse princípio; pois certamente, se ele não tivesse vindo reconciliar Deus, a honra de seu sacerdócio teria sido perdida, pois um sacerdote é designado como mediador para interceder entre Deus e os homens: [14] ele não poderia ter sido nossa justiça, porque ele foi feito um sacrifício por nós, para que Deus não nos imputasse pecados. [15] Finalmente, ele teria sido espoliado de todos os personagens nobres sob os quais é celebrado nas Escrituras. Essa afirmação de Paulo não teria fundamento: “O que a lei não poderia fazer, Deus, enviando seu próprio Filho à semelhança de carne pecaminosa, e pelo pecado, condenou o pecado na carne.” [16] Tampouco haveria verdade. no que ele ensina em outro lugar, que “a bondade e o amor de Deus nosso Salvador para com o homem apareceram” [17] no dom de Cristo como Redentor. Para concluir, as Escrituras não atribuem nenhum outro fim, para o qual o Filho de Deus deve escolher encarnar, e também deve receber esse mandamento do Pai, para que ele possa ser sacrificado para apaziguar o Pai por nossa conta. “Assim está escrito e, portanto, cabia a Cristo sofrer; e esse arrependimento deve ser pregado em seu nome.” [18] “Portanto, meu Pai me ama, porque eu dou a minha vida. Este mandamento recebi de meu Pai.” [19] “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também o Filho do homem deve ser levantado. ”[20] Novamente: “Pai, salva-me desta hora; mas por esta causa cheguei a esta hora.” [21] “Pai, glorifique teu Filho.” [22] Onde ele claramente designa, como o fim de sua suposição da natureza humana, que deveria ser um sacrifício expiatório para os abolição dos pecados. Pela mesma razão, Zacarias declara que ele veio, de acordo com a promessa feita aos pais, "para iluminar os que estão na sombra da morte". [23] Lembremos que todas essas coisas são ditas Filho de Deus, "em quem", de acordo com o testemunho de Paulo, "estão ocultos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento" [24] e além de quem ele se gloria por não saber nada. [25]

V. Se algum objeto, que não é evidenciado por nenhuma dessas coisas, que o mesmo Cristo, que redimiu os homens da condenação, não poderia ter testemunhado seu amor por eles assumindo sua natureza, se eles tivessem permanecido em um estado de integridade e segurança - respondemos brevemente que, uma vez que o Espírito declara essas duas coisas, Cristo está se tornando nosso Redentor e sua participação da mesma natureza, ligados ao eterno decreto de Deus, não é correto fazer inquérito adicional. Pois quem sente um desejo ansioso de saber algo mais, não se contentando com a imutável nomeação de Deus, mostra-se também não se contentar com este Cristo, que nos foi dado como o preço de nossa redenção. Paulo não apenas nos diz o fim de sua missão, mas ascende ao sublime mistério da predestinação, reprime muito adequadamente toda a licenciosidade e perspicácia da mente humana, declarando que “o Pai nos escolheu em Cristo antes da fundação da Igreja. mundo, e nos predestinou à adoção de filhos de acordo com o bom prazer de sua vontade, e nos fez aceitos em seu Filho amado, em quem temos a redenção pelo seu sangue.” [26] Aqui, certamente, a queda de Adão não é pressuposta. , a partir da data anterior; mas temos uma descoberta do que foi decretado por Deus antes de todas as épocas, quando ele decidiu remediar a miséria da humanidade. Se algum adversário objeta novamente, que esse desígnio de Deus dependa da queda do homem, que ele previu, é abundantemente suficiente para mim, que todo homem esteja procedendo com presunção ímpia de imaginar para si mesmo um novo Cristo, quem quer que ele permita. ele mesmo perguntar, ou deseja saber, a respeito de Cristo, assim como Deus não predestinou em seu decreto secreto. E justamente Paulo, depois de ter tratado assim o ofício peculiar de Cristo, implora, em nome dos efésios, o espírito de entendimento, “para que eles possam compreender qual é a largura, comprimento e profundidade, e altura; e conhecer o amor de Cristo, que ultrapassa o conhecimento;” [27] como se ele trabalhasse para cercar nossa mente com barreiras, de que onde quer que seja feita menção a Cristo, eles não podem declinar em menor grau da graça da reconciliação. Portanto, uma vez que "isto é" testemunhado por Paulo como "um ditado fiel, que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar pecadores" [28], de bom grado o concordo. E como o mesmo apóstolo em outro lugar nos informa que “a graça, que agora é manifestada pelo evangelho, nos foi dada em Cristo Jesus antes do início do mundo” [29] concluo que devo perseverar no mesmo doutrina com constância até o fim. Essa modéstia é irracionalmente censurada por Osiander [30], que na época atual infelizmente agitou esta questão, que algumas pessoas haviam tocado um pouco antes. Ele alega uma acusação de presunção contra aqueles que negam que o Filho de Deus teria aparecido em carne, se Adão nunca tivesse caído, porque esse princípio é contradito por nenhum testemunho das Escrituras; como se Paulo não contivesse essa curiosidade perversa, quando, depois de ter falado da realização de nossa redenção por Cristo, ele imediatamente acrescenta esta liminar: "Evite perguntas tolas". [31] O frenesi de alguns, que têm sido desejosos de parecendo prodigiosamente agudo, procedeu a tal extensão que questionou se o Filho de Deus poderia assumir a natureza de um asno. Essa suposição monstruosa, que todas as pessoas piedosas detestam e detestam com justiça, Osiander desculpa com esse pretexto, que não está expressamente condenado em nenhum lugar das Escrituras; como se, quando Paulo não considera nada valioso ou digno de ser conhecido, mas Cristo crucificado, ele admitiria que o burro era o autor da salvação! Portanto, aquele que em outro lugar declara que Cristo foi designado pelo decreto eterno do Pai como “a cabeça sobre todos” [32] nunca reconheceria nenhum outro que não tivesse sido designado para o cargo de Redentor.

VI. Mas o princípio que ele possui é totalmente frívolo. Ele sustenta que o homem foi criado à imagem de Deus, porque foi formado à semelhança do futuro Messias, para que ele se assemelhe àquele a quem o Pai já havia decretado vestir com carne. Daí ele conclui que, se Adão nunca tivesse caído de sua integridade primitiva, Cristo teria se tornado homem. Quão nugativo e forçado isso é, todos os que possuem um bom julgamento prontamente percebem. Mas ele supõe que ele foi o primeiro a descobrir em que consistia a imagem divina; a saber, que a glória de Deus não apenas brilhou nos talentos eminentes com que o homem era dotado, mas que o próprio Deus residia essencialmente nele. Agora, embora eu admita que Adão exibia a imagem Divina, na medida em que estava unido a Deus, que é a verdadeira e consumada perfeição da dignidade, mas afirmo que a semelhança de Deus deve ser buscada apenas nos personagens de excelência, com que Deus distinguiu Adão acima das outras criaturas. E que Cristo era mesmo então a imagem de Deus, é universalmente permitido; e, portanto, qualquer que fosse a excelência impressa em Adão, procedia dessa circunstância, que ele se aproximou da glória de seu Criador por meio de seu único Filho. O homem, portanto, foi feito à imagem de Deus e foi projetado para ser um espelho para exibir a glória de seu Criador. Ele foi exaltado a esse grau de honra pelo favor do Filho unigênito; mas acrescento que esse Filho era uma cabeça comum tanto aos anjos quanto aos homens; de modo que os anjos também tiveram direito à mesma dignidade que foi conferida ao homem. E quando os ouvimos chamados de “filhos de Deus” [33], seria irracional negar que eles tenham alguma semelhança com seu Pai. Mas se ele projetou sua glória para ser representada tanto nos anjos quanto nos homens, e ser igualmente notável na natureza angelical e na humana, Osiander trai sua ignorância e loucura ao dizer que os homens eram preferidos aos anjos, porque os últimos eram não carregue a imagem de Cristo. Pois eles não podiam desfrutar constantemente da presente contemplação de Deus, a menos que fossem como ele. E Paulo nos ensina que os homens não são renovados de outra maneira à imagem de Deus, do que se forem associados a anjos, poderão estar unidos sob uma cabeça. [34] Finalmente, se dermos crédito a Cristo, nossa felicidade última, quando seremos recebidos no céu, consistirá em ser conformada com os anjos. Mas se Osiander pode inferir, que o exemplo principal da imagem Divina foi tirado da natureza humana de Cristo, com a mesma justiça que qualquer outra pessoa pode argumentar, que Cristo deve ter participado da natureza dos anjos, porque eles também possuem a imagem de Deus.

VII Osiander, portanto, não tem motivos para temer, que Deus possa se provar um mentiroso, a menos que o decreto relativo à encarnação de seu Filho tenha sido previamente e de forma imutável fixado em sua mente. Porque, embora Adão não tivesse caído de sua integridade, ele teria se parecido com Deus, assim como os anjos; e, no entanto, não seria necessário, por esse motivo, que o Filho de Deus se tornasse homem ou anjo. Ele também não tem nenhum motivo para temer esse absurdo, que se Deus não tivesse imutável decretado, antes da criação do homem, que Cristo nascesse, não como um Redentor, mas como o primeiro homem, ele poderia perder sua prerrogativa; considerando que agora ele não teria se encarnado senão por uma causa acidental, isto é, para restaurar a humanidade da ruína; para que ele possa deduzir que Cristo foi criado à imagem de Adão. Pois por que ele deveria temer, o que a Escritura ensina tão claramente, que ele foi feito como nós em todas as coisas, exceto pelo pecado? [35] de onde Lucas também não hesita em sua genealogia em chamá-lo de “filho de Adão”. [36] Gostaria também de saber por que Paulo denomina Cristo “o segundo Adão” [37], mas porque ele estava destinado a se tornar homem, a fim de livrar a posteridade de Adão da ruína. Se ele mantinha essa capacidade antes da criação, deveria ter sido chamado de “o primeiro Adão”. Osiander afirma corajosamente que, porque Cristo já era conhecido como homem na mente divina, os homens eram formados à sua semelhança. Mas Paulo, denominando-o “o segundo Adão”, coloca a queda, de onde surge a necessidade de restaurar nossa natureza à sua condição primitiva, em um ponto intermediário entre o primeiro original da humanidade e a restituição que obtemos por meio de Cristo; daí resulta que a queda foi a causa da encarnação do Filho de Deus. Agora, Osiander argumenta irracional e impertinentemente que, embora Adão retivesse sua integridade, ele seria a imagem de si mesmo, e não de Cristo. Pelo contrário, respondo que, embora o Filho de Deus nunca tivesse sido encarnado, tanto o corpo quanto a alma do homem teriam igualmente exibido a imagem de Deus; em cujo brilho sempre aparecia, que Cristo era verdadeiramente a cabeça, possuindo a supremacia sobre todos. E assim destruímos a sutileza fútil criada por Osiander, que os anjos teriam sido destituídos dessa cabeça, a menos que Deus tivesse decretado vestir seu Filho com carne, mesmo sem nenhuma transgressão de Adão. Pois ele também considera imprudentemente, o que nenhum homem sábio concederá, que Cristo não tem supremacia sobre os anjos e que ele não é o príncipe deles, exceto em sua natureza humana. Mas podemos concluir facilmente, a partir da linguagem de Paulo, que, como a eterna Palavra de Deus, ele é "o primogênito de toda criatura"; [38] não que ele tenha sido criado ou deva ser numerado entre criaturas, mas porque o estado sagrado do mundo, adornado como era no início com uma beleza consumada, não tinha outro autor; e que depois, como homem, ele foi “o primeiro gerado dentre os mortos”. Pois em uma passagem curta ele propõe à nossa consideração esses dois pontos - que todas as coisas foram criadas pelo Filho, para que ele pudesse ter domínio sobre os anjos; e que ele foi feito homem, para que ele se tornasse nosso Redentor. [39] Outra prova da ignorância de Osiander é sua afirmação de que os homens não teriam tido Cristo por seu rei, se ele não estivesse encarnado; como se o reino de Deus não pudesse subsistir, se o eterno Filho de Deus, sem ser investido com a humanidade, unindo anjos e homens na participação de sua vida gloriosa, tivesse ele próprio o domínio supremo! Mas ele é sempre enganado, ou melhor, confunde-se, nesse falso princípio, de que a Igreja teria sido destituída de cabeça, se Cristo não tivesse se manifestado na carne; como se, enquanto estivesse de cabeça por anjos, ele também não pudesse, por seu poder Divino, presidir os homens, e pela energia secreta de seu Espírito, animar e apoiá-los, como seu próprio corpo, até que fossem exaltados para o céu e gozassem. a vida dos anjos! Essas impertinências, que até agora refutei, Osiander estima como oráculos incontestáveis. Inebriado pelos encantos de suas próprias especulações, ele está acostumado a se expressar na linguagem do triunfo ridículo, sem causa suficiente. Mas ele cita mais uma passagem, que afirma ser conclusiva além de todo o resto; isto é, a profecia de Adão, que, quando viu sua esposa, disse: “Agora isso é osso do meu osso e carne da minha carne.” [40] Mas como ele prova que isso é uma profecia? Porque Cristo, de acordo com Mateus, atribui a mesma linguagem a Deus; como se tudo que Deus tivesse falado pelos homens contivesse alguma profecia! Então Osiander pode procurar profecias em cada um dos preceitos da lei, dos quais é evidente que Deus foi o autor. Além disso, Cristo teria sido um expositor baixo e severo, se ele tivesse se limitado ao sentido literal. Porque ele está tratando, não da união mística, com a qual ele honrou sua Igreja, mas apenas da fidelidade conjugal; ele nos informa que Deus havia declarado marido e mulher como uma só carne, para que ninguém pudesse, por divórcio, violar esse vínculo indissolúvel. Se Osiander ficar descontente com essa simplicidade, censure Cristo, porque ele não conduziu seus discípulos a um mistério, por uma interpretação mais sutil da linguagem do Pai. Sua imaginação delirante também não recebe apoio de Paulo, que, depois de dizer que "somos membros da carne de Cristo", acrescenta imediatamente, "este é um grande mistério". [41] Pois o desígnio do apóstolo era não explicar o sentido em que Adão falou, mas, sob a figura e semelhança do casamento, exibir a união sagrada que nos torna um com Cristo. E isso está implícito em suas próprias palavras; pois quando ele nos aprova que está falando de Cristo e da Igreja, introduz um tipo de correção para distinguir entre a lei do casamento e a união espiritual de Cristo e da Igreja. Portanto, essa noção fútil parece destituída de qualquer fundamento sólido. Também não acho que seja necessário discutir sutilezas semelhantes; uma vez que a vaidade de todos eles será descoberta a partir da breve refutação anterior. Mas essa sóbria declaração será amplamente suficiente para a sólida satisfação dos filhos de Deus; que “quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, feito de mulher, feita sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei.” [42]

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] 1 Timóteo 2. 5.
[2] Hebreus 4. 15.
[3] Efésios 5. 30.
[4] João 20. 17.
[5] Romanos 8. 17.
[6] Colossenses 1. 15.
[7] Isaías 53. 4, etc.
[8] João 1. 9, etc.
[9] João 3. 16.
[10] João 5. 25.
[11] João 11. 25.
[12] Mateus 18. 11.
[13] Mateus 9. 12.
[14] Hebreus 5. 1.
[15] 2 Coríntios 5. 19.
[16] Romanos 8. 3.
[17] Tito 3. 4.
[18] Lucas 24. 46, 47.
[19] João 10. 17, 18.
[20] João 3. 14.
[21] João 12. 27.
[22] João 17. 1.
[23] Lucas 1. 72, 79.
[24] Colossenses 2. 3.
[25] 1 Coríntios 2. 2.
[26] Efésios 1. 4, etc.
[27] Efésios 3. 18, 19.
[28] 1 Timóteo 1. 15.
[29] 2 Timóteo 1. 9.
[30] Andreas Osiander (1498 - 1552) foi um teólogo luterano alemão e reformador protestante.
[31] Tito 3. 9.
[32] Efésios 1. 22.
[33] Salmo 82. 6.
[34] Colossenses 2. 10.
[35] Hebreus 4. 15.
[36] Lucas 3. 38.
[37] 1 Coríntios 15. 45, 47.
[38] Colossenses 1. 15.
[39] Colossenses 1. 16, 18.
[40] Gênesis 2. 23.
[41] Efésios 5. 30, 32.
[42] Gálatas 4. 4.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: