As discussões privadas de Armínio - XV

Sobre o objeto material dos preceitos da lei.
Sobre atributos que são devidos do homem a Deus.
Sobre atos específicos de obediência.
Sobre o primeiro comando no decálogo.
Sobre o segundo comando no decálogo.


DISCUSSÃO LXXI. SOBRE O OBJETO MATERIAL DOS PRECEITOS DA LEI EM GERAL

I. Como a mera obediência, considerada em abstrato, é o objeto formal de todos os preceitos da lei divina, de modo que os atos em que a obediência que deve ser realizada é prescrita são os objetos materiais dos mesmos preceitos.

II. Por esse motivo, será dito que esses atos são conformes à lei e executados de acordo com a lei, quando a obediência lhes der forma; que quando eles foram realizados por obediência, ou através da intenção e desejo de obedecer. Esse desejo de obedecer é necessariamente precedido por um certo conhecimento de que esses atos foram prescritos por Deus, de acordo com essa expressão do apóstolo: "Tudo o que não é de fé, é pecado".

III. Portanto, é evidente que uma boa intenção não é suficiente para justificar um ato, a menos que seja precedida por um mandamento de Deus e pelo conhecimento desse mandamento; embora, sem uma boa intenção, nenhum ato, mesmo quando ordenado por Deus, possa por si só ser agradável a ele. Mas é nosso desejo que, sob o termo "ações", a omissão também seja entendida como compreendida.

IV. Uma boa obra, portanto, exige universalmente essas condições:

(1) Que seja prescrita por Deus.

(2.) Esse homem certamente sabe que foi ordenado por Deus.

(3.) Que seja realizado com a intenção e o desejo de obedecer a Deus, o que não pode ser feito sem a fé em Deus. A estes deve ser acrescentada uma condição especial, que pertence a Cristo e ao seu evangelho - que seja feita pela fé em Cristo, porque nenhuma obra é agradável a Deus após a comissão do pecado em estado de graça, exceto em Cristo , e pela fé nele.

V. Mas os atos prescritos na lei são por si mesmos e, por natureza, indiferentes; ou eles têm neles. algo por que eles são agradáveis ​​ou desagradáveis ​​a Deus - por que são prescritos por ele ou proibidos. A lei, que prescreve a primeira delas, [os atos indiferentes], é chamada de "positiva", "simbólica" e "cerimonial". O que prescreve o último é denominado "a lei moral" e "o decálogo"; também é chamado "a lei da natureza". Nestes últimos, trataremos posteriormente com maior extensão.

VI. Os atos materiais, nos quais a obediência é prescrita para ser executada pela lei moral, são gerais e pertencem à observância de toda a lei e de todos e de cada um de seus preceitos; ou são especiais e peculiarmente prescritos em cada um dos preceitos do decálogo.

VII. Os atos gerais são o amor, a honra e o temor de Deus, e confiam nele. Os atos especiais serão tratados na explicação particular de cada um dos preceitos.


DISCUSSÃO LXXII. SOBRE O AMOR, O MEDO, A CONFIANÇA E A HONRA QUE SÃO DEVIDOS DO HOMEM A DEUS.

I. Esses atos gerais podem ser considerados no primeiro ato ou no segundo. No primeiro, eles vêm sob a denominação de afetos; no segundo, eles retêm para si o nome apropriado dos atos. Em conseqüência da estreita união e acordo da natureza entre um afeto e um segundo ato, amor, medo, confiança e honra recebem a mesma denominação de "um afeto" e "um ato".

II. O amor de Deus é um ato obediente do homem, pelo qual, consciente e voluntariamente, prefere, antes de todas as outras coisas, a união de si mesmo com Deus e a obediência à lei divina, à qual está subordinado um ódio à separação e à desobediência.

III. O temor de Deus é um ato obediente do homem, pelo qual, consciente e voluntariamente, teme diante de todas as coisas e evita o desagrado de Deus (que é colocado na transgressão de seus mandamentos), sua ira e repreensão e qualquer [sinistro] inauspicioso estimativa dele para que ele não seja separado de Deus.

IV. Confiar em Deus é um ato obediente do homem, pelo qual ele, consciente e voluntariamente, repousa somente em Deus, esperando e esperando com segurança todas as coisas que são salutares ou que salvam para si; em que também compreendemos a remoção de males.

V. A honra de Deus é um ato obediente do homem, pelo qual ele conscientemente e voluntariamente retribui a Deus a recompensa devida por suas excelentes virtudes e atos.

VI. O objetivo principal de todos esses atos, conforme prescritos por lei e como dever do homem, é o próprio Deus; porque, para quaisquer outras coisas que esses atos devem ser realizados, eles devem ser realizados por conta de Deus e por seu comando, caso contrário, ninguém pode realmente chamá-los de "bons".

VII. A razão formal do objeto, isto é, por que esses atos podem e devem ser realizados para Deus, é a sabedoria, bondade, justiça e poder de Deus, e os atos realizados por ele de acordo com e através deles. Mas permitimos que isso seja objeto de uma discussão piedosa. Quais destes, ao exigir atos simples, obtêm a precedência e quais deles seguem?

VIII. A causa imediata desses atos é o homem, de acordo com sua compreensão e inclinação, e a liberdade de sua vontade, não como o homem é, natural, mas como ele é espiritual, e formado novamente após a vida de Deus.

IX. A causa principal é o Espírito Santo, que infunde no homem, pelo ato da regeneração, os afetos do amor, medo, confiança e honra; por graça emocionante, excita, move e incita-o a segundos atos, e pela graça cooperativa, concorda com o próprio homem para produzir esses segundos atos.

X. A forma desses atos é que sejam realizados pela fé e de acordo com a lei de Deus. O fim deles é que sejam realizados para a salvação dos próprios obreiros, para a glória de Deus e para o benefício e confirmação de outros.


DISCUSSÃO LXXIII. SOBRE ATOS ESPECÍFICOS DE OBEDIÊNCIA, OU AQUELES PRESCRITOS EM CADA PRECEITO, OU RELATIVOS AO DECÁLOGO EM GERAL

I. Os atos especiais de obediência são prescritos no decálogo e em cada um dos mandamentos. O decálogo, portanto, deve ser considerado por nós em ordem.

II Uma distribuição conveniente do decálogo é aquela em prefácio e preceitos. O prefácio é encontrado nestas palavras: "Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão". Pois somos de opinião que esse prefácio pertence a todo o decálogo, e não ao primeiro mandamento; embora não consideremos aconselhável discutir sobre um assunto tão pequeno e sem importância.

III. O prefácio contém um argumento geral de persuasão, por que os filhos de Israel devem obedecer a Jeová - e este duplo - o primeiro extraído do direito de confederação ou convênio - o segundo, de um benefício particular e sinal recentemente conferido a ele. O primeiro destes está contido nas palavras "o Senhor teu Deus"; o último, na expressão "que te tirou da terra do Egito", dos quais se beneficia de uma alta recomendação na descrição que é adicionada - que o Egito era para os israelitas "a casa da servidão" que, por ampliando a miséria dessa servidão, eles poderiam recordar as coisas que lhes haviam acontecido.

IV. Embora esse argumento, "teu Deus", possa igualmente ter respeito à criação e abranger esse benefício, é mais provável que ele tenha uma referência especial à conclusão de uma aliança com esse povo.

V. Desse prefácio, podem ser deduzidos convenientemente os atos gerais sobre os quais tratamos na disputa anterior - o amor, o medo, a confiança e a honra de Deus; pois, como Jeová é o Deus deles, que os livrou do Egito, portanto, de maneira mais justa e lucrativa, ele deve ser amado, temido e honrado, e a confiança deve ser depositada nele.

VI Mas algumas coisas geralmente devem ser observadas para o desempenho correto de todos os preceitos juntos. Tais são,

VII. A lei de Deus exige toda a obediência da boca, coração e trabalho, isto é, obediência interna e externa - pois Deus é o Deus de todo o homem, da alma e do corpo, e olha principalmente para o coração.

VIII. A explicação dos preceitos do decálogo deve ser buscada a Moisés e aos profetas, a Cristo e seus apóstolos; e pode ser adquirido em abundância suficiente, para que nada necessário possa ser imaginado, o que não pode ser extraído dos escritos do Antigo e do Novo Testamento.

IX. O significado de cada preceito deve ser retirado do final, por conta do qual foi dado; e todas essas coisas devem ser consideradas como incluídas nela, sem as quais o preceito não pode ser executado. Portanto, um e o mesmo trabalho pode ser referido a diferentes preceitos, na medida em que diz respeito a diferentes fins.

X. Em afirmação, seu negativo oposto parece estar compreendido; e, negativamente, a afirmação que se lhe opõe; porque Deus não apenas exige a abstenção do mal, mas também a realização do bem, embora possa ser dada uma razão pela qual Deus declarou algumas coisas negativamente e outras afirmativamente.

XI. Atos homogêneos e cognatos são comandados ou proibidos no mesmo preceito; e um gênero compreende sua espécie; e uma espécie compreende, no mesmo comando, outras espécies aliadas a ela, a menos que exista uma lei justa por que ela deve ser determinada de outra forma.

XII. Um efeito em sua causa, ou uma causa em seu efeito (se a conversão for necessária e de acordo com a natureza) não é comandado e proibido por acidente.

XIII. Quando daquelas coisas que têm uma relação entre si, uma é prescrita ou proibida, a outra também é ordenada ou proibida, porque elas se deitam e se retiram mutuamente.

XIV. Se acontecer que a observância de dois preceitos não possa ser prestada ao mesmo tempo a ambos, deve-se considerar o que é do momento maior e o desempenho de que existem causas mais e justas.


DISCUSSÃO LXXIV. SOBRE O PRIMEIRO COMANDO DO DECÁLOGO

I. Os dez preceitos do decálogo são convenientemente distribuídos entre os da primeira e os da segunda tabela. À primeira mesa são atribuídos os preceitos que imediatamente prescrevem nosso dever para com o próprio Deus; desse tipo, existem quatro. A segunda tabela afirma os preceitos que contêm os deveres dos homens em relação aos seus semelhantes; e a ele são atribuídos os últimos seis.

II. Essa é a relação que subsiste entre os mandamentos de cada mesa - que, do amor a Deus e em referência a ele, manifestamos amor e os ofícios do amor para com o próximo; e se acontecer que devemos necessariamente renunciar a nosso dever para com Deus ou com nosso próximo, Deus deve ser preferido para com nosso próximo. Que essa relação, no entanto, seja entendida apenas com relação aos preceitos que não são do culto cerimonial; caso contrário, [respeitando as cerimônias], esta declaração é válida: "Terei misericórdia e não sacrifício".

III. O primeiro mandamento é: "Não terás outro deus diante do meu rosto" ou "contra o meu rosto".

IV. É muito certo que, nesse preceito negativo, o afirmativo subordinado é incluído ou pressuposto como algo precedente e pré-requisito: "Você me terá, que sou Jeová, por seu Deus". Da mesma forma, isso é imediatamente conseqüência do prefácio: "Eu sou o Senhor, teu Deus". portanto, "seja eu o Senhor teu Deus"; ou, que é o mesmo: "Portanto, você me tem, o Senhor, para o seu Deus".

V. Mas "ter o Senhor para o nosso Deus é a parte do entendimento e da inclinação ou da vontade; e, finalmente, um efeito que procede de ambos ou de cada um deles.

VI." Outro deus "é o que quer que a mente humana invente, à qual ela atribui a divindade que é adequada e apropriada somente ao Deus verdadeiro - se essa divindade é essência e vida, ou propriedades, obras ou glória. divindade seja algo existente ou criado, ou seja algo inexistente e meramente imaginário e uma invenção do cérebro, é igualmente "outro deus", pois toda a divindade desse outro deus reside radicalmente, essencialmente e virtualmente na atribuição humana, e de modo algum naquilo a que tal divindade é atribuída. Daí a origem desta frase, nas Escrituras: "Ir prostituir-se segundo o próprio coração".

VIII. Mas esse "outro Deus" pode ser concebido sob um diferença de vezes, de acordo com as Escrituras. Para aqueles que o têm,

(1) foram eles mesmos os primeiros inventores dele,

(2) o receberam de seus pais ou

(3) de outras nações, quando nem eles nem seus pais o conheceram; e este último é feito pela força, pela persuasão ou pela escolha livre e espontânea da vontade.

IX. Por esse motivo, esse "outro deus" é realmente chamado de "ídolo"; e o ato pelo qual ele é considerado outro deus é a idolatria; seja isso cometido na mente, por estimativa, reconhecimento e crença, ou pelos afetos, amor, medo, confiança e esperança, ou por algum efeito externo de honra, adoração, adoração e invocação.

X. A enormidade desse pecado é aparente pelo fato de ser chamado de "uma deserção de Deus", "um abandono da fonte viva" e "uma escavação de cisternas quebradas que não retêm água", "uma deserção perfidiosa de Deus". matrimônio sagrado "e" uma violação do pacto conubial ". Dizem que os gentios sacrificam aos demônios tudo o que supõem oferecer a Deus, nessa ignorância de Deus e alienação da vida de Deus.

XI. A causa pela qual se diz que os homens prestam serviço aos demônios, embora tenham outros pensamentos, é esta: porque Satanás é a cabeça da fonte e a origem de toda idolatria; e é o autor, persuasor, impulsor, aprovador e defensor de toda a adoração que é gasta em outro deus. Da mesma forma, é o mais alto grau de idolatria quando alguém considera divino ou atribui divindade a Satanás como Satanás, mostrando-se como Satanás e se vangloriando de Deus.

XII. Mas, embora os gentios adorassem anjos ou demônios, não como o Deus supremo, mas como divindades menores e seus ministros, por cuja intervenção eles poderiam ter comunicação com o Deus supremo; contudo, a adoração que lhes pagavam era idolatria, porque essa adoração não era devida a ninguém, exceto ao Deus verdadeiro. Mas não pertence à definição de idolatria, que alguém pague a outro, como a Deus, aquele culto que é devido somente ao verdadeiro Deus; pois é suficiente que ele o considere como Deus, atribuindo-lhe adoração divina, embora, em sua mente, ele possa considerá-lo como o Deus supremo. Não é paliação do crime, mas um agravamento, se alguém conscientemente realiza adoração divina àquele a quem ele sabe que não é Deus.

XIII. E desde que Cristo deve ser honrado como o Pai é, porque ele foi constituído por seu Pai, REI e SENHOR, e recebeu todo o julgamento, uma vez que todos os joelhos devem se curvar a ele e uma vez que ele deve ser invocado como Mediador e Chefe de sua igreja, para que a igreja não possa prestar essa honra a ninguém, exceto a ele, sem incorrer no crime de idolatria; portanto, os papistas, que adoram Maria, os anjos ou homens santos, e que os invocam como doadores e administradores de presentes, ou como intercessores por seus próprios méritos, são culpados do crime de idolatria.

XIV. Além disso, quando adoram o pão na ceia do Senhor, e recebem e prestam contas ao papa pela personagem que ele se orgulha de ser, cometem o pecado da idolatria.


DISCUSSÃO LXXV. SOBRE O SEGUNDO COMANDO NO DECÁLOGO

I. O segundo preceito consiste em uma ordem e sua sanção, a partir de uma descrição de Deus, que é rápido e poderoso para punir o transgressor e que é muito inclinado a abençoar aquele que é obediente. Nisto estão, conseqüentemente, uma ameaça de punição e uma promessa de recompensa.

II. Esta ordem é negativa: é proibido um ato que agrada a Deus com estas palavras: "Não farás para ti imagem esculpida ou semelhança com alguma coisa que esteja na terra embaixo, ou que esteja na água embaixo da água. terra; não te encurvarás a eles nem os servirás."

III. A soma do preceito é que ninguém deve adorar ou oferecer adoração divina a qualquer imagem esculpida, derretida ou pintada, ou feita de qualquer outra maneira, se tem para seu arquétipo algo realmente existente ou algo fictício, Deus ou Deus. criatura, ou se assemelha ao seu arquétipo de acordo com alguma conformidade real, ou apenas por instituição e opinião, ou, o que é a mesma coisa, que ele não adora ou adora ou adora qualquer imagem que considere no lugar de uma imagem divindade e adoração como tal, seja verdadeira ou falsamente.

IV. Como, a partir da comparação desse preceito, com outras passagens das Escrituras nas quais Deus ordena que certas imagens sejam feitas, parece que a mera formação de todo tipo de imagem não é proibida, desde que não sejam prostituídas para adorar; assim, a partir da comparação desse mesmo preceito com outros que são análogos ou colaterais, é evidente que nenhuma imagem deve ser feita para representar Deus, porque esse mesmo ato nada mais é do que uma mudança da glória do Deus incorruptível na imagem ou semelhança de uma coisa corruptível. Pois tudo o que pode ser formado ou emoldurado é visível, portanto, corruptível. Não temos medo de fazer essa afirmação geral sob a sanção das Escrituras, embora com eles e com eles saibamos que agora, de acordo com o corpo, Cristo é incorruptível.

V. Uma dupla distinção é empregada aqui pelos papistas, de um arquétipo e sua imagem; e também de uma imagem propriamente dita, como é formada por tais materiais, e como é uma imagem, isto é, calculada e ajustada para representar o arquétipo. Destas, deduzem ainda mais a distinção da intenção no culto; pelo qual o adorador olha apenas para o arquétipo, não para sua imagem; ou, se ele olha a imagem, não a vê como é feita com esses materiais, nem principalmente sobre ela, mas em referência ao seu arquétipo. Não tentamos negar que a mente do homem possa traçar uma distinção desse tipo.

VI. Mas quando aqueles que caem diante de uma imagem tentam, com tal distinção, se desculpar da transgressão desse preceito, acusam o próprio Deus de uma falsidade e zombam de seu comando.

(1) Eles o acusam de falsidade; porque quando Deus declara que quem cai diante de uma imagem diz à madeira e à pedra: "Tu és meu Pai!" eles afirmam que a pessoa prostrada não diz isso à madeira e à pedra, mas ao seu arquétipo, isto é, a Deus.

(2.) Eles zombam de Deus e da sua ordem; porque por essa distinção acontece que nenhum homem, a qualquer momento, apesar de adorar qualquer tipo de imagem, pode ser culpado de ter violado esse preceito, a menos que, de acordo com sua própria opinião, ele tenha julgado que a madeira realmente ser Deus, e, portanto, que ele próprio, de fato e de fato, formou um deus, que não pode possivelmente entrar na concepção de quem usa sua razão.

VII. Mas, em parte, aniquilam sua própria desculpa, que se baseia nessa distinção, quando dizem que a mesma honra e adoração (seja a de latria, de dulia ou de hiperdulia) deve ser dada a uma imagem quanto ao seu arquétipo. Isso também não prolonga sua existência por essa distinção, quando eles representam o próprio Deus por uma imagem, porque isso é simplesmente proibido de ser feito.

VIII. Afirmamos, portanto, que, de acordo com o julgamento de Deus, e expressam passagens das Escrituras, os papistas são corretamente encarregados de retratar a essência de Deus, quando o representam na forma de um homem velho, agraciado com um ampla barba grisalha e assentada em um trono - embora em palavras expressas eles digam que sabem que Deus não tem corpo e que protestam por terem formado essa forma, não com a finalidade de representar sua essência, mas que eles instituíra essa semelhança para representar a aparência que ele ocasionalmente fazia aos profetas e para significar sua presença. Pois o protesto é contrário aos fatos; uma vez que os fatos não são, por natureza, o que pretendemos que sejam, mas o que Deus, o legislador, os declara. Mas ele diz que esses fatos são: que ele foi assimilado, que uma [suposta] semelhança de si mesmo foi formada e que ele foi [falsamente] criado em uma imagem de ouro ou prata esculpida.

IX. Afirmamos que todas as imagens das quais falamos - tanto de Deus, colocadas apenas para representação, quanto de outras coisas (verdadeiras ou fictícias) expostas à adoração - são corretamente chamadas de "ídolos", não apenas de acordo com à etimologia da palavra, mas igualmente de acordo com o uso das Escrituras, e que a distinção empregada pelos papistas entre ídolos e semelhanças ou imagens foi produzida a partir da caverna escura da idolatria horrível.

X. No mesmo preceito em que é proibido modelar ou fazer imagens para o culto divino, é igualmente ordenado remover outros, se eles foram feitos e expostos anteriormente para o culto, sendo essas duas precauções sempre observadas

(1.) Que seja feito, quando precedido de um ensino adequado e suficiente.

(2.) Que seja o trabalho daqueles que estão de posse da autoridade suprema na comunidade e na igreja.

XI. Embora a honra exibida para tais imagens, ou para a divindade através de tais imagens, seja reprovadora para o verdadeiro Deus; no entanto, ele também, que derrama contumemente as imagens que considera corretamente formadas e propostas legalmente para adoração, derrama continuamente a própria divindade, a quem ele presume adorar, e se declara ateu.

XII. A afirmação parece aqui ser estrita e diretamente oposta a todo o preceito negativo, para que possamos adorar a Deus, porque ele é um Espírito, com uma pura cogitação de mente e abstraído de toda imaginação.

XIII. A sanção do preceito, que inclui a ameaça, é a seguinte: "Pois eu, o Senhor teu Deus, sou um Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam; " isto é, a menos que você obedeça a isso, meu preceito, você sentirá que tenho ciúmes da minha honra e que, por impunidade, não permitirei que ela seja dada a outro, ou que minha glória seja comunicada a imagens esculpidas.

XIV. A outra parte da sanção contém uma promessa com estas palavras: "Eu sou o Senhor teu Deus, mostrando misericórdia a milhares daqueles que me amam e guardam meus mandamentos;" [Isto é, se você obedecer a esse meu preceito, sentirá que eu demonstrarei misericórdia por você e por seus filhos até a milésima geração, desde que eles também me amem.]

XV. Mas é feita menção à posteridade, para que os homens sejam, portanto, os mais incitados à obediência, uma vez que sua futura conformidade com o preceito será benéfica, não apenas para si mesmos, mas para a posteridade ou sua futura transgressão será prejudicial para eles e seus descendência.

XVI. De uma comparação do comando anterior com isso, parece que há uma dupla idolatria - pela qual uma divindade falsa e fictícia é adorada; outro, pelo qual uma divindade verdadeira ou falsa é adorada em uma imagem, por uma imagem ou em uma imagem. No entanto, essa mesma imagem às vezes é chamada de "um deus falso e outro deus", que o Senhor Deus também parece íntimo neste lugar, quando ele tenta impedir os homens de violar esse preceito por meio de um argumento retirado de seu ciúme.

COROLÁRIO

Sem exagero, a idolatria dos papistas pode ser colocada em igualdade com a dos judeus e gentios. Como exceção, eles não fizeram seus filhos passarem pelo fogo, nem ofereceram homens vivos em sacrifício - respondemos: A horrível tirania que os papistas exerceram no assassinato de tantos milhares de mártires, com o projeto de confirmar a idolatria que floresce entre eles pode ser equitativamente comparado a fazer seus filhos passarem pelo fogo, e a oblação de homens vivos em sacrifício, se não de acordo com a aparência da ação, pelo menos de acordo com a natureza grave do crime.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: