Cristo, para os judeus sob a lei, mas revelado apenas no evangelho

Cristo, embora conhecido pelos judeus sob a lei, mas claramente revelado apenas no evangelho


I. Como não foi sem razão, ou sem efeito, que Deus se agradou, nos tempos antigos, de se manifestar como Pai por meio de expiações e sacrifícios, e que ele se consagrou a um povo escolhido, não há dúvida de que ele era conhecido, mesmo então, na mesma imagem em que ele agora nos aparece com esplendor meridiano. Portanto, Malaquias, depois de ter ordenado aos judeus que observassem a lei de Moisés e perseverassem em observá-la (porque depois de sua morte haveria uma interrupção do ofício profético), anuncia imediatamente que “o Sol de a justiça surgirá.” [1] Nessa linguagem, ele sugere que a lei tendia a excitar no piedoso uma expectativa do Messias que estava por vir, e que em seu advento havia razões para esperar um grau de luz muito maior. . Por essa razão, Pedro diz que “os Profetas inquiriram e pesquisaram diligentemente a respeito da salvação”, que agora se manifesta no evangelho; e que “foi revelado a eles que não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam as coisas que agora são relatadas a você por aqueles que lhe pregaram o evangelho.” [2] Não que suas instruções sejam inúteis para os povos antigos, ou inúteis para si mesmos, mas porque não desfrutavam do tesouro que Deus por suas mãos nos transmitiu. Pois nos dias atuais, a graça, que foi o tema de seu testemunho, é familiarmente exibida diante de nossos olhos; e, embora tivessem apenas um gostinho, oferecemos-nos uma fruição mais abundante disso. Portanto, Cristo, que afirma que "Moisés escreveu sobre ele" [3], no entanto exalta a medida da graça na qual superamos os judeus. Dirigindo-se a seus discípulos, ele diz: “Bem-aventurados os seus olhos, pois eles vêem; e vossos ouvidos, porque eles ouvem.” [4] “Pois eu vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver as coisas que vocês vêem e não as viram; e ouvir as coisas que ouvistes, e não as ouviste.” [5] Esta não é uma recomendação pequena da revelação evangélica, que Deus nos preferiu aos santos pais que eram eminentes pela piedade singular. A esta declaração de que outra passagem não é de todo repugnante, onde Cristo diz: "Abraão viu o meu dia e se alegrou". [6] Porque, embora sua perspectiva de algo tão remoto fosse atendida com muita obscuridade, ainda não havia nada querendo a certeza de uma esperança bem fundamentada; e daí a alegria que acompanhou o santo patriarca até sua morte. Nem esta afirmação de João Batista: “Ninguém jamais viu Deus; o único Filho gerado, que está no seio do Pai, ele o declarou” [7] exclui os piedosos, que haviam morrido antes de seu tempo, de uma participação da compreensão e da luz que brilha na pessoa de Cristo; mas, comparando sua condição com a nossa, ensina-nos que temos uma clara manifestação desses mistérios, dos quais eles tinham apenas uma perspectiva obscura no meio das sombras; como o autor da Epístola aos Hebreus mostra de maneira mais copiosa e excelente, que “Deus, que em diversas ocasiões, e de diversas maneiras, falou no passado pelos pais pelos profetas, nos últimos dias nos falou por seus profetas. Filho.” [8] Portanto, embora o Filho unigênito, que agora é para nós“ o brilho da glória e a imagem expressa da pessoa” [9] de Deus Pai, era anteriormente conhecido pelos judeus, como mostramos em outra parte por uma citação de Paulo, que ele era o líder de sua antiga libertação do Egito; todavia, isso também é uma verdade, afirmada pelo mesmo Paulo em outro lugar, que “Deus, que ordenou que a luz brilhasse das trevas, brilhou em nossos corações, para iluminar o conhecimento da glória de Deus diante de Jesus Cristo.” [10] Porque, quando ele apareceu nisso, sua imagem, tornou-se visível, por assim dizer, em comparação com a representação obscura e sombria daquele que fora dado anteriormente. Isso torna a ingratidão e a obstinação daqueles que fecham os olhos em meio a essa chama meridiana, tanto mais vis e detestáveis. E, portanto, Paulo diz que Satanás, “o deus deste mundo, cegou a mente deles, para que a luz do glorioso evangelho de Cristo não lhes brilhasse”. [11]

II Agora, entendo o evangelho como uma clara manifestação do mistério de Cristo. De fato, concordo que, uma vez que Paulo denomina o evangelho a doutrina da fé, [12] todas as promessas que encontramos na lei sobre a graciosa remissão de pecados, pelas quais Deus reconcilia os homens consigo mesmo, são partes dele contadas. Pois ele opõe a fé aos terrores que atormentam e atormentam a consciência, se a salvação deve ser buscada pelas obras. Daí resulta que, tomando a palavra evangelho em um sentido amplo, ela compreende todos os testemunhos que Deus anteriormente deu aos pais, por sua misericórdia e favor paterno; mas é mais eminentemente aplicável à promulgação da graça exibida em Cristo. Essa aceitação não é apenas sancionada pelo uso comum, mas é apoiada pela autoridade de Cristo e dos apóstolos. De onde é adequadamente dito dele, que ele “pregou o evangelho do reino”. [13] E Marcos se apresenta com esse prefácio: “O começo do evangelho de Jesus Cristo”. Mas é desnecessário coletar mais passagens para provar uma coisa suficientemente conhecida. Cristo, então, em seu advento, “trouxe vida e imortalidade à luz através do evangelho.” [14] Por essas expressões Paulo quer dizer, não que os pais estivessem imersos nas sombras da morte, até que o Filho de Deus se encarnasse; mas, reivindicando para o evangelho essa prerrogativa honrosa, ele ensina que é um tipo novo e incomum de legação, na qual Deus realizou as coisas que havia prometido, para que a verdade das promessas aparecesse na pessoa de seu Filho. Pois, embora os fiéis sempre tenham experimentado a verdade da afirmação de Paulo, que "todas as promessas de Deus nele são Sim e nele Amém" [14], porque ainda foram seladas em seus corações, desde que ele completada em seu corpo todas as partes de nossa salvação, a exibição animada dessas coisas obteve justamente novos e singulares elogios. Daí a seguinte declaração de Cristo: “A partir de agora vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.” [16] Pois, embora ele pareça aludir à escada que o patriarca Jacó viu em uma visão, no entanto, ele mostra a excelência superior de seu advento por esse personagem - que ele abriu o portão do céu para nos dar entrada gratuita nele.

III Não obstante, devemos tomar cuidado com a imaginação diabólica de Serveto, que, embora ele pretenda exaltar a magnitude da graça de Cristo, ou pelo menos professar tal desígnio, abole totalmente todas as promessas, como se fossem rescindidas juntamente com a lei. . Ele finge que, pela fé no evangelho, recebemos o cumprimento de todas as promessas; como se não houvesse distinção entre nós e Cristo. Acabei de observar que Cristo não deixou nada incompleto de tudo o que era essencial para a nossa salvação; mas não é uma inferência justa que já desfrutamos dos benefícios adquiridos por ele; pois isso contradiz a declaração de Paulo de que “a esperança é depositada em nós”. [17] Concordo, de fato, que quando cremos em Cristo, ao mesmo tempo passamos da morte para a vida; mas também devemos lembrar a observação de João, que embora “agora somos filhos de Deus, ainda não apareça o que seremos; mas sabemos que, quando ele aparecer, seremos como ele; porque o veremos como ele é. ”[18] Embora Cristo, portanto, nos ofereça no evangelho uma presente plenitude de bênçãos espirituais, ainda assim a fruição delas está oculta sob a custódia da esperança, até que sejamos despojados de nossos corruptíveis. corpo, e transfigurado na glória daquele que nos precedeu. Nesse meio tempo, o Espírito Santo nos ordena a confiar nas promessas; e sua autoridade devemos considerar suficientes para silenciar todos os clamores de Serveto. Pois, de acordo com o testemunho de Paulo, "a piedade promete a vida que agora é e a que está por vir"; [19] e, portanto, ele se orgulha de ser um apóstolo de Cristo; “De acordo com a promessa de vida que está em Cristo Jesus.” [20] Em outro lugar, ele nos aprova que temos as mesmas promessas que foram dadas aos santos nos tempos antigos. [21] Finalmente, ele representa como o cume da felicidade, que somos selados com o Espírito Santo da promessa. [22] Também, de fato, não temos outro desfrute de Cristo, além do que o abraçamos investido de suas promessas. Por isso, é que ele habita em nossos corações, e ainda assim vivemos como peregrinos a uma distância dele; porque "andamos pela fé, e não pela vista". Tampouco há contrariedade nessas duas posições que possuímos em Cristo tudo o que pertence à perfeição da vida do céu, e ainda assim essa fé é uma visão de bênçãos invisíveis. . Somente há uma diferença a ser observada na natureza ou qualidade das promessas; porque o evangelho permite uma clara descoberta daquilo que a lei representou em sombras e tipos.

IV Da mesma forma, evidencia-se o erro daqueles que nunca fazem outra comparação entre a Lei e o Evangelho, do que entre o mérito das obras e a imputação gratuita da justiça. Esta antítese, admito, não deve ser de modo algum rejeitada; porque Paulo, pela palavra lei, freqüentemente pretende o governo de uma vida justa, na qual Deus exige de nós o que devemos a ele, não nos dando esperança de vida, a menos que cumpramos cada parte dela e, pelo contrário, anexando um maldição se somos culpados da menor transgressão. Este é o sentido em que ele o usa nessas passagens, onde ele argumenta que somos aceitos por Deus pela graça e são considerados justos pelo perdão de nossos pecados, porque a observância da lei, à qual a recompensa é prometida, não pode ser encontrado em nenhum homem. Paulo, portanto, representa justamente a justiça da lei e a do evangelho em oposição uma à outra. Mas o evangelho não conseguiu toda a lei, de modo a introduzir um caminho diferente de salvação; mas antes para confirmar e ratificar as promessas da lei e conectar o corpo às sombras. Pois quando Cristo diz que "a lei e os profetas existiram até João", ele não abandona os pais na maldição da qual os escravos da lei não podem escapar; ele implica que eles foram iniciados apenas nos rudimentos da religião, de modo que permaneceram muito abaixo da sublimidade da doutrina evangélica. Portanto, quando Paulo chama o evangelho de "o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê", ele acrescenta que é "testemunhado pela lei e pelos profetas". [23] Mas no final da mesma epístola, embora ele afirma que a pregação de Jesus Cristo é “a revelação do mistério que foi mantido em segredo desde que o mundo começou”, ele qualifica esse sentimento com a seguinte explicação - que “agora é manifestada e pelas escrituras dos profetas conhecido por todas as nações.” [24] Por conseguinte, concluímos que, quando é feita menção de toda a lei, o evangelho difere dela somente com relação a uma manifestação clara; mas, devido à inestimável plenitude da graça, que nos foi exibida em Cristo, diz-se que o reino celestial de Deus foi erigido na terra em seu advento.

V. Agora, João foi colocado entre a Lei e o Evangelho, mantendo um ofício intermediário conectado com ambos. Pois, ao chamar Cristo de “o Cordeiro de Deus” e “vítima da expiação dos pecados” [25], ele pregou a substância do evangelho; contudo, porque ele não expressou claramente aquele poder e glória incomparáveis ​​que depois apareceram em sua ressurreição, Cristo afirma que ele não é igual aos apóstolos. Este é o seu significado nas seguintes palavras: “Entre os que nascem de mulheres, não se elevou maior que João Batista: não obstante, aquele que é menos no reino dos céus é maior que ele.” [26] ele não está lá elogiando as pessoas dos homens, mas depois de ter preferido João a todos os profetas, ele atribui o mais alto grau de honra à pregação do evangelho, que já vimos em outros lugares é significada pelo “reino dos céus”. Quando O próprio João disse que ele era apenas uma "voz", [27] como se fosse inferior aos profetas, essa declaração não procede de uma pretensa humildade; ele pretendia significar que não era confiado a uma embaixada adequada, mas agia meramente na qualidade de um arauto, de acordo com a previsão de Malaquias: “Eis que enviarei a Elias o profeta antes da chegada do grande e terrível dia do Senhor.” [28] Tampouco, durante todo o curso de seu ministério, ele visou algo além de procurar discípulos para Cristo, o que ele também prova de Isaías como sendo a comissão dada por Deus. Nesse sentido, ele foi chamado por Cristo "uma luz ardente e brilhante" [29] porque o dia inteiro ainda não havia chegado. Contudo, não é por isso que ele não deve ser contado entre os pregadores do evangelho, pois ele usou o mesmo batismo que depois foi entregue aos apóstolos. Mas foi somente depois que Cristo foi recebido na glória celestial que o progresso mais livre e rápido dos apóstolos completou o que João havia começado.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Malaquias 4. 2
[2] 1 Pedro 1. 10-12.
[3] João 5. 46.
[4] Mateus 13. 16
[5] Lucas 10. 24
[6] João 8. 56
[7] João 1. 18
[8] Hebreus 1. 1, 2.
[9] Hebreus 1. 3
[10] 2 Coríntios 4. 6
[11] 2 Coríntios 4. 4
[12] 1 Timóteo  4. 6
[13] Mateus 9. 35
[14] 2 Timóteo 1. 10
[15] 2 Coríntios 1. 20
[16] João 1. 51
[17] Colossenses 1. 5
[18] 1 João 3. 2
[19] 1 Timóteo 4. 8
[20] 2 Timóteo 1. 1
[21] 2 Coríntios 7. 1
[22] Efésios 1. 13
[23] Romanos 1. 16; 3. 21
[24] Romanos 16. 25, 26
[25] João 1. 29
[26] Mateus 1. 11
[27] João 1. 23
[28] Malaquias 4. 5
[29] João 5. 35

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: