A Assunção de Cristo da Humanidade Real

I. Os argumentos a favor da Divindade de Cristo, que já foram comprovados por testemunhos claros e irrefragáveis, seria, creio eu, desnecessário reiterar. Resta, então, examinarmos como, depois de ter sido investido em nossa carne, ele exerceu o cargo de mediador. Agora, a realidade de sua humanidade era antigamente oposta pelos maniqueus e pelos marcionitas. De quem este último imaginou para si um fantasma visionário em vez do corpo de Cristo; e o primeiro sonhava que ele tinha um corpo celeste. Mas ambas essas noções são contrárias a numerosos e poderosos testemunhos das Escrituras. Pois a bênção é prometida, nem na semente celestial, nem no fantasma de um homem, mas na semente de Abraão e Jacó; nem é prometido o trono eterno a um homem eterno, mas ao Filho de Davi e ao fruto de seus lombos. [1] Portanto, em sua manifestação na carne, ele é chamado o Filho de Davi e de Abraão, não porque ele nasceu apenas da virgem depois de ter sido formado por alguma substância aérea; mas porque, de acordo com Paulo, ele foi “feito da semente de Davi segundo a carne”; como o mesmo apóstolo em outro lugar nos informa, que “segundo a carne” ele descendia dos judeus. [2] Portanto, o próprio Senhor, não contente com a denominação do homem, freqüentemente se chama também Filho do Homem - um termo que ele pretendia como uma declaração mais expressa de sua verdadeira humanidade. Como o Espírito Santo, em tantas ocasiões, por tantos instrumentos, e com tanta diligência e simplicidade, declarou um fato de modo algum obscuro, que poderia supor que qualquer mortal teria tal imprudência consumada que ousaria obscurecer com sutilezas? Mas mais testemunhos se oferecem, se quisermos multiplicá-los; como este de Paulo, que “Deus enviou seu Filho feito de mulher” [3] e inúmeros outros, dos quais ele parece estar sujeito a fome, sede, frio e outras enfermidades de nossa natureza. Mas da multidão devemos selecionar principalmente aqueles que podem conduzir à edificação de nossas mentes na verdadeira fé; como quando é dito, que “ele não tomou sobre si a natureza dos anjos, mas sobre ele a semente de Abraão”; que ele tomou carne e sangue ”, que através da morte ele poderia destruir aquele que tinha o poder da morte. ; ”Por qual causa ele não tem vergonha de chamá-los irmãos; que “em todas as coisas cabia a ele ser semelhante a seus irmãos, para que ele pudesse ser um sumo sacerdote misericordioso e fiel”; que “não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado com o sentimento de nossas enfermidades;” [4] e similar. Com o mesmo objetivo é o que mencionamos anteriormente, que era necessário que os pecados do mundo fossem expiados em nossa carne; o que é claramente afirmado por Paulo. [5] E certamente tudo o que o Pai conferiu a Cristo pertence a nós, porque ele “é a cabeça, da qual todo o corpo está adequadamente unido e compactado com o que toda articulação fornece”. [6] caso contrário, não haverá propriedade na declaração: "que Deus não lhe dê o Espírito por medida, para que todos possamos receber sua plenitude"; [7] porque nada seria mais absurdo do que Deus deveria ser enriquecido em sua essência por qualquer presente adventício. Por essa razão, também o próprio Cristo diz em outro lugar: "Por eles eu me santifico." [8]

II. As passagens que eles acrescentam para confirmar esse erro, eles tolamente pervertem; nem suas sutilezas frívolas de nenhum modo os beneficiam em seus esforços para obviar os argumentos que propus em defesa de nossos sentimentos. Marcion imagina que Cristo se investiu de um fantasma em vez de um corpo real; porque se diz que ele foi "feito à semelhança dos homens" e que foi "encontrado na moda como homem". [9] Mas, ao tirar essa conclusão, ele ignora totalmente o escopo de Paulo nessa passagem. Pois seu objetivo é não descrever a natureza do corpo que Cristo assumiu, mas afirmar que, embora ele possa ter mostrado sua Divindade, ele se manifestou na condição de um homem abjeto e desprezado. Pois, para nos exortar à humildade pelo exemplo de Cristo, ele mostra que, sendo Deus, ele pode instantaneamente ter feito uma exibição conspícua de sua glória ao mundo; contudo, ele recuou de seu direito, e voluntariamente se degradou, pois assumiu a forma de um servo, e satisfeito com aquela humilde posição, fez com que sua divindade estivesse oculta por trás do véu da humanidade. O assunto desta declaração, sem dúvida, não é a natureza de Cristo, mas sua conduta. Também é fácil deduzir de todo o contexto que Cristo se humilhou assumindo uma natureza humana real. Pois qual é o significado dessa cláusula, “que ele foi encontrado na moda como homem”, mas que por um tempo sua glória Divina ficou invisível e nada apareceu além da forma humana, em uma condição média e abjeta? Pois, caso contrário, não haveria fundamento para essa afirmação de Pedro, de que ele "foi morto na carne, mas vivificado pelo Espírito" [10] se o Filho de Deus não estivesse sujeito às enfermidades da natureza humana. Isso é mais claramente expresso por Paulo, quando ele diz, que "ele foi crucificado pela fraqueza". [11] O mesmo é confirmado por sua exaltação, porque ele afirma positivamente que obteve uma nova glória após sua humilhação; que só poderia ser aplicável a um homem real composto de corpo e alma. Maniqueus fabrica para Cristo um corpo aéreo; porque ele é chamado de “o segundo Adão, o Senhor do céu”. [12] Mas o apóstolo naquele lugar não está falando de uma essência corporal celestial, mas de uma energia espiritual que, difundida de Cristo, nos leva à vida. Essa energia já vimos que Pedro e Paulo se distinguem de seu corpo. A doutrina ortodoxa, portanto, a respeito do corpo de Cristo, é firmemente estabelecida por essa mesma passagem. Pois, a menos que Cristo tivesse a mesma natureza corporal conosco, não haveria força no argumento que Paulo tão veementemente exorta, que, se Cristo ressuscitou dos mortos, também ressuscitaremos; que, se não ressuscitarmos, Cristo também não ressuscitou. [13] De qualquer coisa que os maniqueus antigos, ou seus discípulos modernos, se esforcem para aproveitar, eles não podem ter sucesso. A pretensão nugatória de que Cristo é chamado "o Filho do homem", porque foi prometido aos homens, é um subterfúgio vã; pois é evidente que no idioma hebraico, o Filho do homem é uma frase expressiva de um homem real. E Cristo, sem dúvida, manteve a fraseologia de sua própria língua. Não há espaço para contestar o significado dos filhos de Adão. E para não ir mais longe, será totalmente suficiente citar uma passagem no oitavo salmo que os apóstolos aplicam a Cristo: “O que é o homem, que você se importa com ele, ou o filho do homem, que o visita? Esta frase expressa a verdadeira humanidade de Cristo; porque, embora ele não tenha sido gerado imediatamente por um pai mortal, sua descendência foi derivada de Adão. Tampouco haveria outra verdade no que acabamos de citar, que Cristo se tornou um participante de carne e sangue, para que ele pudesse trazer muitos filhos para a glória - linguagem que claramente o denomina um participante da mesma natureza comum conosco. No mesmo sentido, o apóstolo diz que “tanto aquele que santifica como os que são santificados são todos um.” Pois o contexto prova que isso se refere a uma comunidade da natureza; porque ele imediatamente acrescenta: “por qual causa ele não se envergonha de chamá-los de irmãos”. [14] Porque, se ele já havia dito que os fiéis são de Deus, que razão Jesus Cristo poderia ter para se envergonhar de tão grande dignidade? Mas porque Cristo, de sua infinita graça, associa-se àqueles que são vis e desprezíveis, é dito que ele não tem vergonha. É uma objeção vã que eles fazem, que por esse princípio os ímpios se tornarão irmãos de Cristo; porque sabemos que os filhos de Deus nascem, não de carne e sangue, mas do Espírito pela fé; portanto, apenas uma comunidade da natureza não é suficiente para constituir uma união fraterna. Mas embora seja apenas para os fiéis que o apóstolo designe a honra de ser um com Cristo, ainda assim não se segue que os incrédulos não sejam, segundo a carne, nascidos do mesmo original; como, quando dizemos que Cristo foi feito homem, para nos tornar filhos de Deus, essa expressão não se estende a todos os homens; porque a fé é o meio pelo qual somos espiritualmente enxertados no corpo de Cristo. Da mesma forma, eles levantam uma disputa tola a respeito da denominação de primogênito. Eles alegam que Cristo deveria ter nascido no começo, imediatamente de Adão, para "que ele pudesse ser o primogênito entre muitos irmãos". [15] Mas a primogenitura atribuída a ele não se refere à idade, mas à grau de honra e eminência de poder que ele desfruta. Também não há mais plausibilidade em sua noção de que se diz que Cristo assumiu a natureza do homem, e não dos anjos, porque ele recebeu a raça humana a seu favor. Para o apóstolo, engrandecer a honra com a qual Cristo nos favoreceu, compara-nos aos anjos, diante de quem, a esse respeito, somos preferidos. [16] E se o testemunho de Moisés for devidamente considerado, onde ele diz que a Semente da mulher machucará a cabeça da serpente, [17] decidirá toda a controvérsia. Pois essa previsão não se refere apenas a Cristo, mas a toda a raça humana. Como a vitória deveria ser conquistada para nós por Cristo, Deus declara, em geral, que a posteridade da mulher deve ser superior ao diabo. Daí se segue que Cristo desceu da raça humana; porque o desígnio de Deus, naquela promessa a Eva, era confortá-la com uma boa esperança, para que ela não fosse vencida pela tristeza.

III. Essas passagens, onde Cristo é chamado "a semente de Abraão" e "o fruto do corpo de Davi", elas com igual tolice e iniquidade envolvem alegorias. Pois se a palavra semente tivesse sido usada em sentido alegórico, Paulo certamente não teria ficado em silêncio respeitando-a, onde, sem nenhuma figura, ele afirma explicitamente, que não há muitos filhos de Abraão que são Redentores, mas apenas Cristo. [18] Igualmente infundada é a noção deles, de que Cristo é chamado de Filho de Davi em nenhum outro sentido, mas porque ele havia sido prometido e que finalmente se manifestou no devido tempo. Pois depois que Paulo declarou que ele havia sido "feito da semente de Davi", a adição imediata dessa frase "segundo a carne" [19] é certamente uma designação da natureza. Assim, também em outro lugar, ele o chama de "Deus abençoado para sempre" e afirma distintamente que ele desceu dos judeus "no que diz respeito à carne". [20] Agora, se ele realmente não foi gerado da semente de Davi, o que é o significado desta expressão, “o fruto de seus lombos?” [21] O que acontece com esta promessa: “Do fruto do teu corpo colocarei sobre o teu trono?” [22] Eles também brincam de maneira sofistica com o genealogia de Cristo, como é dada por Mateus. Pois, embora ele mencione os pais de José, e não de Maria, mas como ele tratava de uma coisa geralmente conhecida, ele achou suficiente mostrar que José desceu da semente de Davi, enquanto não havia dúvida de que Maria estava da mesma família. Mas Lucas vai além, com o objetivo de significar que a salvação obtida por Cristo é comum a toda a humanidade; desde que Cristo, o autor da salvação, descende de Adão, o pai comum de todos. Concordo, de fato, que pela genealogia não se pode inferir que Cristo é o Filho de Davi, a não ser como ele nasceu da Virgem. Mas os marcionitas modernos, para dar plausibilidade ao erro deles, que Cristo derivou seu corpo do nada, sustentam que as mulheres não têm sêmen generativo; e assim eles subvertem os elementos da natureza. Mas como essa não é uma questão teológica, e os argumentos que eles aduzem são tão fúteis que não haverá dificuldade em repulsá-los, não vou me intrometer em questões pertencentes à filosofia e à arte médica. Será suficiente para mim evitar a objeção que eles alegam nas Escrituras, a saber, que Arão e Jeoiada se casaram com esposas da tribo de Judá; e assim, se as mulheres contêm sêmen generativo, a distinção de tribos foi confundida. Mas é suficientemente conhecido que, para os propósitos da regulação política, a posteridade é sempre contada pelo pai; ainda que a superioridade do sexo masculino não faça objeção à cooperação do sêmen feminino no processo de geração. Esta solução se estende a todas as genealogias. Freqüentemente, quando a Escritura exibe um catálogo de nomes, ela menciona apenas homens; portanto, deve-se concluir que as mulheres não são nada? Até as próprias crianças sabem que as mulheres são compreendidas por seus maridos. Por esse motivo, diz-se que as mulheres dão filhos aos maridos, porque o nome da família sempre permanece com os homens. Agora, como é um privilégio concedido à superioridade do sexo masculino, que os filhos sejam considerados nobres ou ignóbeis, de acordo com a condição de seus pais, de modo que, por outro lado, os advogados consideram que estado de escravidão, a prole segue a condição da mãe. De onde podemos inferir que a prole é produzida em parte a partir da semente da mãe; e a linguagem comum de todas as nações implica que as mães têm alguma participação na geração de filhos. Isso está em harmonia com a lei divina, que de outra forma não teria fundamento para a proibição do casamento de um tio com a filha de sua irmã; porque nesse caso não haveria consanguinidade. Também seria lícito que um homem se casasse com sua irmã uterina, desde que ela fosse gerada por outro pai. Mas, embora eu admita que um poder passivo seja atribuído às mulheres, também mantenho que o mesmo que é afirmado pelos homens é indiscriminadamente predicado delas. Nem se diz que o próprio Cristo foi "feito" por uma mulher, mas "de uma mulher". [23] Algumas dessas pessoas, rejeitando toda a modéstia, indagam impudentemente, se escolhemos dizer que Cristo foi procriado a partir da semente menstrual da Virgem. Por outro lado, perguntarei se ele não estava unido com o sangue de sua mãe; e isso eles devem ser constrangidos a confessar. Portanto, deduz-se adequadamente da linguagem de Mateus que, na medida em que Cristo foi gerado por Maria, [24] ele foi procriado a partir de sua semente; como quando se diz que Booz foi gerado por Raabe, [25] denota uma geração semelhante. Tampouco o objetivo de Mateus aqui é descrever a Virgem como um tubo pelo qual Cristo passou, mas discriminar essa concepção milagrosa da geração comum, na medida em que Jesus Cristo foi gerado da semente de Davi por meio de uma Virgem. No mesmo sentido, e pela mesma razão que Isaque é dito ter sido gerado por Abraão, Salomão de Davi e José de Jacó, então Cristo é dito ter sido gerado por sua mãe. Pois o evangelista escreveu todo o seu relato sobre esse princípio; e para provar que Cristo desceu de Davi, ele se contentou com este fato, que ele foi gerado por Maria. Daí se segue que ele assumiu como certa a consanguinidade de Maria e José.

IV Os absurdos, com os quais esses oponentes desejam nos pressionar, estão repletos de críticas pueris. Eles estimam que é desonroso e desonroso para Cristo que ele derivar sua descendência dos homens; porque ele não poderia estar isento da lei universal, que conclui toda a posteridade de Adão, sem exceção, sob o pecado. [26] Mas a antítese que encontramos em Paulo resolve facilmente essa dificuldade: "Como um homem entrou no mundo pelo pecado, e a morte pelo pecado, assim mesmo pela justiça de um, a graça de Deus abundou". [27] A isto corresponde a seguinte passagem: “O primeiro homem é da terra, terreno; o segundo homem é o Senhor do céu.” [28] Portanto, o mesmo apóstolo, em outro lugar, ensinando-nos que Cristo foi“ enviado à semelhança de carne pecaminosa” [29] para satisfazer a lei, o distingue expressamente do condição comum da humanidade; para que ele seja um homem de verdade, e ainda livre de todas as falhas e corrupção. Eles traem sua ignorância ao argumentar que, se Cristo é perfeitamente imaculado e foi gerado da semente de Maria, pela operação secreta do Espírito, segue-se que não há impureza na semente das mulheres, mas somente na de homens. Pois não representamos Cristo como perfeitamente imaculado, apenas porque ele nasceu da semente de uma mulher não conectada a qualquer homem, mas porque ele foi santificado pelo Espírito, de modo que sua geração era pura e santa, como teria sido. antes da queda de Adão. E é uma máxima fixa conosco, que sempre que a Escritura menciona a pureza de Cristo, ela se relaciona com uma humanidade real; porque afirmar a pureza da Deidade seria bastante desnecessário. A santificação, também, da qual ele fala no décimo sétimo capítulo de João, [30] não poderia ter referência à natureza divina. Nem, como pretendem, imaginamos dois tipos de sementes em Adão, apesar de Cristo estar livre de todo contágio. Pois a geração do homem não é natural e originalmente impura e corrupta, mas apenas acidentalmente, em conseqüência da queda. Portanto, não precisamos nos perguntar que Cristo, que deveria restaurar nossa integridade, estava isento da corrupção geral. Mas o que eles insistem em nós como um absurdo, é que, se a Palavra de Deus foi revestida de carne, ela estava confinada na prisão estreita de um corpo terreno, é mera imprudência; porque, embora a essência infinita da Palavra esteja unida em uma pessoa à natureza do homem, ainda não temos ideia de seu encarceramento ou confinamento.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Gênesis 12. 3; 18. 18; 22. 18; 26. 4. Atos 3. 25; 2. 30. Salmo 132. 11. Mateus. 1. 1.
[2] Romanos 1. 3; 9. 5.
[3] Gálatas 4. 4.
[4] Hebreus 2. 14, 16, 17; 4. 15.
[5] Romanos 8. 3.
[6] Efésios 4. 15, 16.
[7] João 3. 34; i. 16.
[8] João 17. 19.
[9] Filipenses 2. 7, 8.
[10] 1 Pedro 3. 18.
[11] 2 Coríntios 13. 4.
[12] 1 Coríntios 15. 47.
[13] 1 Coríntios 15. 13, 14.
[14] Hebreus 2. 10, 11, 14.
[15] Romanos 8. 29.
[16] Hebreus 2. 16.
[17] Gênesis 3. 15.
[18] Gálatas 3. 16.
[19] Romanos 1. 3.
[20] Romanos 9. 5.
[21] Atos 2. 30.
[22] Salmo 132. 11.
[23] Gálatas 4. 4.
[24] Mateus 1. 16. εξ ἦς εγεννηθη Ἰησους. (desde o nascimento de jesus)
[25] Mateus 1. 5. Σαλμων δε εγεννησεν τον βοες εκ της Ῥαχαβ. (Salmão não deu à luz as vacas de Jahab)
[26] Gálatas 3. 22.
[27] Romanos 5. 12, 15, 18.
[28] 1 Coríntios 15. 47.
[29] Romanos 8. 3.
[30] João 17. 19.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: