Sobre diferença entre o antigo e o novo testamento

Para a palavra "testamento", a língua hebraica usa essa palavra "aliança" ou "promessa" ou "obrigação"; e o Antigo Testamento, ou a Antiga Aliança, propriamente falando, é a promessa de acordo com a qual Deus deu um determinado país a descendência de Israel. Ele estabeleceu um governo mundano, vinculou-o às suas próprias leis e cerimônias e prometeu ajuda e proteção ao povo, tudo para que este país e governo possam ser um local de acolhimento para as promessas divinas do Salvador Cristo, da verdadeira Igreja de Deus , e depois do próprio Senhor Cristo, após seu nascimento através da Virgem Maria.

E o estabelecimento e manutenção desta terra e governo é um presente especial de Deus e uma testemunha de que o próprio Deus está reunindo uma Igreja entre a humanidade; ele próprio a protege e preserva.

Após o dilúvio, mesmo que o povo disperso e reis poderosos tenham travado grandes guerras, causando muita destruição, Deus gentilmente levou Abraão para fora da Caldeia e prometeu um Messias aos seus filhos. Deus prometeu a eles terras e um governo que duraria dois mil anos, até que o Messias aparecesse, pregasse e visivelmente cumprisse seu ofício, um governo no qual a promessa divina do Messias seria sustentada e explicada, na qual profetas seriam levantados e obras poderosas ocorrem como testemunho do ensino, no qual sempre haveria uma pequena companhia daqueles predestinados à bênção eterna, na qual haveria uma Igreja verdadeira até que o Messias Salvador visivelmente cumprisse seu ofício.

Com esse governo estava o dom especial da lei, os Dez Mandamentos, ou legern moralem, que Deus renovou abertamente com testemunhos, porque a cegueira do mundo furioso era tão grande que a doutrina da lei se extinguiu. Portanto, Deus, em seu conselho especial, colocou diante de todo o mundo sua lei, para que possamos conhecê-la e saber que é a eterna sabedoria imutável de Deus.

Que cada um pondere quão grandes e gloriosos foram os dons e testemunhos de Deus, que ainda podem ser testemunhos para todos os homens. Os profetas e seus sucessores instruíram o povo a respeito da lei e das cerimônias, dizendo que os homens obtêm perdão dos pecados, são agradáveis ​​a Deus e são salvos pela fé no Messias, e não antes da lei; eles explicaram as promessas, como pode ser visto nos Salmos e nos profetas, e ensinaram por que o governo foi estabelecido e mantido.

Contudo, o Novo Testamento é a promessa na qual Deus disse que enviaria seu Filho unigênito e, por meio dele, por causa de sua obediência, sem mérito de nossa parte, daria aos crentes perdão dos pecados, graça, o Espírito Santo, justiça eterna e bênção.

A palavra "testamento" implica uma promessa relacionada à morte, e essa promessa de graça é exatamente esse testamento. Pois o Salvador confirmou isso com sua morte, conforme declarado detalhadamente em Hebreus 9.

Embora essa promessa de graça tenha sido revelada logo após a queda de Adão, e depois foi pregada, ela é chamada de nova. Devemos manter o velho e o novo de acordo com os tempos de ambos os reinos, o temporal e o eterno. O mundano foi ordenado para esta vida temporal, no final do qual o Salvador deveria aparecer visivelmente. O reino eterno começou através da Ressurreição, e o novo reino deve estar cheio de esplendor, pois esta vida temporal cessará completamente e, após a ressurreição dos mortos, toda a Igreja viverá em eterna sabedoria, justiça e alegria com Deus.

O reino do mundo é chamado de antiga promessa porque envelhece e cessa, mas a promessa da graça é eterna. Também é chamado de testamento eterno, porque permanece conosco, mesmo que perdamos todos os nossos bens físicos. Como Jó diz: "Mesmo que ele me mate, eu confiarei nele" [13: 15].

Aqui, mais uma vez, é necessário conhecer a diferença entre lei e evangelho; e, igualmente, a distinção na própria lei, como afirmado acima.

Certamente é verdade que os homens sempre foram voltados para Deus e salvos; Adão, Eva, Sete, Enoque, Noé, Abraão, Moisés, Samuel, Davi, Elias e Daniel receberam perdão dos pecados e foram justificados; isto é, eles agradaram a Deus, receberam o Espírito Santo e foram feitos herdeiros da bênção eterna por causa do Salvador prometido, pela fé no Salvador prometido, sem mérito da parte deles, não por causa da lei, ou sua maravilhosa moral na lei, nos dez mandamentos, nas cerimônias da igreja e nas ordens civis. Isto é claramente afirmado em Romanos 4 e Atos 15, e em todos os profetas. O Filho de Deus produziu vida neles através da promessa e deu a eles seu Espírito Santo.

A que propósito, então, a lei serviu? Resposta: Deus queria dar esse grande presente aos homens, para que houvesse uma escola de sua doutrina e promessa em um povo e terra específicos. Ele próprio ordenou um governo elaborado para esse povo ao qual pertencem a lei, os Dez Mandamentos, as cerimônias da igreja e a ordem civil; e a obediência serviu para manter esse governo físico.

Além disso, tudo isso serviu como um lembrete de Deus, pois nos Dez Mandamentos é uma sabedoria muito maior e mais necessária do que nas leis transitórias. Eles se aplicam em todos os tempos, para que se possa conhecer a natureza de Deus, o que é o pecado e quais obras sempre constituem serviço divino.

No entanto, os sacerdotes indoutos e muitos não inteligentes entre o povo sempre sonharam que o sacrifício e a moralidade eterna merecem o perdão dos pecados e a bênção eterna; eles não tiveram o verdadeiro conhecimento do Messias. Como os pagãos cegos, eles inventaram seus sacrifícios. Os maometanos, judeus sem Deus, papistas e monges ainda estão presos nessa cegueira. Papa e monges exaltam o sacrifício da missa e as ordens como mérito pelo perdão dos pecados. Essa cegueira assustadora e o pecado idólatra são muitas vezes repreendidos pelos profetas. Jeremias 7: 22 e seg., "Eu não falei com seus pais ou os ordenei sobre ofertas queimadas e sacrifícios. Mas este comando lhes dei: 'Obedeçam à minha voz, e eu serei o seu Deus, e você será o meu povo. " "Da mesma forma, Salmos 50 e Zacarias 7-8.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: