Justus Jonas

Justus Jonas, o Ancião (5 de junho de 1493 - 9 de outubro de 1555), reformador protestante alemão, nasceu em Nordhausen, na Turíngia, no dia 5 de junho de 1493. Seu nome verdadeiro era Jodokus (Jobst) Koch, que ele mudou de acordo com o costume comum dos estudiosos alemães no Século 16, quando na universidade de Erfurt. Ele ingressou nessa universidade em 1506, estudou direito e humanidades e tornou-se mestre em artes em 1510. Em 1511 foi para Wittenberg, onde se graduou em direito. Ele retornou a Erfurt em 1514 ou 1515, foi ordenado sacerdote e, em 1518, foi promovido a doutor em ambas as faculdades e nomeado para um canonário bem dotado na igreja de São Severo, à qual foi anexada uma cátedra de direito. 

Sua grande admiração por Erasmo o levou aos estudos gregos e bíblicos, e sua eleição em maio de 1519 como reitor da universidade foi considerada um triunfo para os partidários do Novo Conhecimento. Só depois da disputa de Leipzig com Eck que Lutero conquistou sua lealdade. Ele acompanhou Lutero a Worms em 1521, e lá foi nomeado pelo eleitor da Saxônia, professor de direito canônico em Wittenberg. Durante a estada de Lutero em Wartburg, Jonas foi um dos mais ativos dos reformadores de Wittenberg. Entregando-se à pregação e à polêmica, ele ajudou a Reforma com seu dom como tradutor, transformando as obras de Lutero e Melanchthon em alemão ou latim, conforme o caso, tornando-se assim uma espécie de duplo de ambos. Ele esteve ocupado em conferências e visitas durante os próximos vinte anos, e no trabalho diplomático com os príncipes. Em 1541, ele iniciou uma cruzada de pregação bem-sucedida em Halle; ele se tornou superintendente de suas igrejas em 1542. 

Em 1546 ele esteve presente no leito de morte de Lutero em Eisleben, e pregou o sermão fúnebre; mas no mesmo ano foi banido do ducado por Maurice, duque (mais tarde eleitor) da Saxônia. Desde então, até sua morte, Jonas foi incapaz de garantir uma vida satisfatória. Ele vagou de um lugar para outro pregando e, finalmente, foi para Eisfeld (1553), onde morreu. Ele havia se casado três vezes.

Fonte: Britannica, em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: