Membresia

Cristão e, na verdade, nenhum historiador poderia aceitar o epigrama que define a religião como “o que o homem faz com a sua solidão”. Foi um dos Wesleys, eu acho, que disse que o Novo Testamento nada sabe sobre religião solitária. Estamos proibidos de negligenciar a reunião de nós mesmos. O Cristianismo já é institucional nos primeiros documentos. A Igreja é a Noiva de Cristo. Somos membros um do outro.

Em nossa época, a ideia de que a religião pertence à nossa vida privada - que é, na verdade, uma ocupação para as horas de lazer do indivíduo - é ao mesmo tempo paradoxal, perigosa e natural. É paradoxal porque essa exaltação do indivíduo no campo religioso surge em uma época em que o coletivismo está derrotando implacavelmente o indivíduo em todos os outros campos. Eu vejo isso até em uma universidade. Quando fui pela primeira vez a Oxford, a sociedade universitária típica consistia de uma dúzia de homens que se conheciam intimamente, ouvindo um trabalho de um deles em uma pequena sala de estar e resolvendo seu problema até uma ou duas da manhã. Antes da guerra, a sociedade universitária típica tinha se tornado uma audiência mista de cem ou duzentos alunos reunidos em um salão público para ouvir uma palestra de alguma celebridade visitante. Mesmo nas raras ocasiões em que um moderno estudante de graduação não frequenta alguma dessas sociedades, ele raramente se dedica a essas caminhadas solitárias ou com um único companheiro, que edificaram as mentes das gerações anteriores. Ele vive em uma multidão; as facções políticas substituíram a amizade. E essa tendência não existe apenas dentro e fora da Universidade, mas muitas vezes é aprovada. Há uma multidão de intrometidos, auto-nomeados mestres de cerimônias, cuja vida é dedicada a destruir a solidão onde quer que a solidão ainda exista. Eles chamam isso de ‘‘tirar os jovens de si mesmos”, ou “acordá-los” ou “superar sua apatia”. Se um Agostinho, um Vaughan, um Traherne ou um Wordsworth nascesse no mundo moderno, os líderes de uma Organização da Juventude logo o curariam. Se um lar realmente bom, como a casa de Alcínoo e Arete de "Odisseia", ou os Rostovs de "Guerra e Paz", ou qualquer uma das famílias de Charlotte M. Yonge existisse hoje, seria denunciado como burguês e todo motor de destruição seria ser nivelado contra ele. E mesmo quando os planejadores falham e alguém é deixado fisicamente sozinho, o rádio providenciou para que ele ficasse - em um sentido não pretendido por Cipião - nunca menos sozinho do que quando sozinho. Vivemos, de fato, em um mundo faminto por solidão, silêncio e privacidade: e, portanto, faminto por meditação e amizade verdadeira.

O fato de a religião ser relegada à solidão em tal época é, então, paradoxal. Mas também é perigoso por dois motivos. Em primeiro lugar, quando o mundo moderno nos diz em voz alta: "Você pode ser religioso quando está sozinho", acrescenta baixinho, "e cuidarei para que você nunca esteja sozinho". Tornar o cristianismo um assunto privado e ao mesmo tempo banir toda a privacidade é relegá-lo ao fim do arco-íris ou aos calendários gregos. Esse é um dos estratagemas do inimigo. Em segundo lugar, existe o perigo de que os verdadeiros cristãos que sabem que o Cristianismo não é um assunto solitário possam reagir contra esse erro simplesmente transportando para a nossa vida espiritual aquele mesmo coletivismo que já conquistou a nossa vida secular. Esse é o outro estratagema do inimigo. Como um bom jogador de xadrez, ele está sempre tentando manobrá-lo para uma posição onde você possa salvar seu castelo apenas perdendo seu bispo. A fim de evitar a armadilha, devemos insistir que, embora a concepção privada do Cristianismo seja um erro, é profundamente natural e tenta desajeitadamente guardar uma grande verdade. Por trás disso está o sentimento óbvio de que nosso coletivismo moderno é um ultraje à natureza humana e que a partir disso, como de todos os outros males, Deus será nosso escudo e broquel.

Esse sentimento é justo. Como a vida pessoal e privada é inferior à participação no Corpo de Cristo, também a vida coletiva é inferior à vida pessoal e privada e não tem valor senão no seu serviço. A comunidade secular, visto que existe para o nosso bem natural e não para o nosso sobrenatural, não tem fim maior do que facilitar e salvaguardar a família, a amizade e a solidão. Ser feliz em casa, disse Johnson, é o fim de todo esforço humano. Enquanto estivermos pensando apenas em valores naturais, devemos dizer que o sol não olha para nada tão bom quanto uma família rindo juntos durante uma refeição, ou dois amigos conversando tomando um copo de cerveja, ou um homem sozinho lendo um livro que interessa a ele; e que toda economia, política, leis, exércitos e instituições, exceto na medida em que prolongam e multiplicam tais cenas, são um mero arar a areia e semear o oceano, uma vaidade sem sentido e vexação de espírito. As atividades coletivas são, obviamente, necessárias; mas este é o fim para o qual eles são necessários. Grandes sacrifícios dessa felicidade privada por aqueles que a possuem podem ser necessários para que seja mais amplamente distribuída. Todos podem ter que estar um pouco famintos para que ninguém passe fome. Mas não vamos confundir os males necessários com o bem. O erro é facilmente cometido. A fruta tem de ser enlatada para ser transportada e, com isso, tem de perder algumas das suas boas qualidades. Mas encontramos pessoas que realmente aprenderam a preferir as frutas enlatadas às frescas. Uma sociedade doente deve pensar muito na política, como um doente deve pensar muito na sua digestão: ignorar o assunto pode ser uma covardia fatal para um como para o outro. Mas se um deles vier a considerá-lo como o alimento natural da mente - se algum deles se esquecer de que pensamos nessas coisas apenas para sermos capazes de pensar em outra coisa - então o que foi empreendido em prol da saúde tornou-se em si mesmo um novo e doenças mortais.

Há, de fato, uma tendência fatal em todas as atividades humanas de os meios invadirem os próprios fins aos quais se destinam. Assim, o dinheiro acaba atrapalhando a troca de mercadorias e as regras da arte atrapalham o gênio e os exames impedem que os jovens se tornem instruídos. Infelizmente, isso nem sempre significa que os meios de invasão podem ser dispensados. Acho provável que o coletivismo de nossa vida seja necessário e aumentará; e acho que nossa única salvaguarda contra suas propriedades mortais é uma vida cristã; pois nos foi prometido que poderíamos lidar com serpentes e beber coisas mortais e ainda assim viver. Essa é a verdade por trás da definição errônea de religião com a qual começamos. Onde deu errado foi opor-se à mera solidão coletiva. O cristão é chamado, não ao individualismo, mas à adesão ao corpo místico. Uma consideração das diferenças entre o coletivo secular e o corpo místico é, portanto, o primeiro passo para entender como o Cristianismo, sem ser individualista, pode ainda neutralizar o coletivismo.

No início, somos prejudicados por uma dificuldade de linguagem. A própria palavra membresia é de origem cristã, mas foi assumida pelo mundo e esvaziada de todo significado. Em qualquer livro de lógica você pode ver a expressão “membros de uma classe”. Deve ser mais enfaticamente declarado que os itens ou particulares incluídos em uma classe homogênea são quase o oposto do que São Paulo quis dizer com membros. Por membros ele queria dizer o que deveríamos chamar de órgãos, coisas essencialmente diferentes e complementares umas das outras: coisas que diferem não apenas em estrutura e função, mas também em dignidade.

Assim, em um clube, a comissão como um todo e os servos como um todo podem ser considerados apropriadamente como “sócios”; o que devemos chamar de membros do clube são apenas unidades. Uma fileira de soldados vestidos e treinados de maneira idêntica colocados lado a lado, ou vários cidadãos listados como eleitores em um distrito eleitoral, não são membros de nada no sentido paulino. Receio que, quando descrevemos um homem como “membro da Igreja”, geralmente não queremos dizer nada Paulino: queremos dizer apenas que ele é uma unidade - que ele é mais um espécime do mesmo tipo de coisa que X, Y e Z. Pode-se ver como a verdadeira participação em um corpo difere da inclusão em um coletivo na estrutura de uma família. O avô, os pais, o filho adulto, a criança, o cachorro e o gato são membros verdadeiros (no sentido orgânico) precisamente porque não são membros ou unidades de uma classe homogênea. Eles não são intercambiáveis. Cada pessoa é quase uma espécie em si mesma. A mãe não é simplesmente uma pessoa diferente da filha, ela é um tipo de pessoa diferente. O irmão adulto não é simplesmente uma unidade entre os filhos da classe, ele é um estado separado do reino. O pai e o avô são quase tão diferentes quanto o gato e o cachorro. Se você subtrair qualquer membro, não terá simplesmente reduzido o número da família, você infligiu um dano à estrutura dela. Sua unidade é uma unidade de desiguais, quase incomensuráveis.

Uma vaga percepção da riqueza inerente a esse tipo de unidade é uma das razões pelas quais gostamos de um livro como O Vento nos Salgueiros; um trio como Rat, Mole e Badger simboliza a extrema diferenciação de pessoas em união harmoniosa, que sabemos intuitivamente ser nosso verdadeiro refúgio tanto da solidão quanto do coletivo. A afeição entre casais estranhamente combinados como Dick Swiveller e a marquesa, ou o Sr. Pickwick e Sam Weller, agrada da mesma forma. É por isso que a noção moderna de que os filhos devem chamar os pais pelo nome de batismo é tão perversa. Pois este é um esforço para ignorar a diferença de espécie que contribui para a verdadeira unidade orgânica. Eles estão tentando inocular a criança com a visão absurda de que a mãe de alguém é simplesmente uma concidadã como qualquer outra pessoa, para torná-la ignorante do que todos os homens sabem e insensível ao que todos os homens sentem. Eles estão tentando arrastar as repetições inexpressivas do coletivo para o mundo mais completo e concreto da família.

Um condenado tem um número em vez de um nome. Essa é a ideia coletiva levada ao seu extremo. Mas um homem em sua própria casa também pode perder seu nome, porque ele é chamado simplesmente de “Pai”. Isso é pertencer a um corpo. A perda do nome em ambos os casos nos lembra que existem duas maneiras opostas de sair do isolamento.

A sociedade para a qual o cristão é chamado no batismo não é coletiva, mas um Corpo. É de fato esse Corpo do qual a família é uma imagem no nível natural. Se alguém chegasse a ele com o equívoco de que ser membro da Igreja era membro em um sentido moderno degradado - uma massa de pessoas como se fossem centavos ou contadores - ele seria corrigido no limiar pela descoberta de que o Chefe deste Corpo é tão diferente dos membros inferiores que eles não compartilham nenhum predicado com Ele, exceto por analogia. Somos chamados desde o início a nos unirmos como criaturas com nosso Criador, como mortais com imortais, como pecadores redimidos com Redentor sem pecado. Sua presença, a interação entre Ele e nós, deve sempre ser o fator predominantemente dominante na vida que devemos levar dentro do Corpo; e qualquer concepção de comunhão cristã que não signifique basicamente comunhão com Ele está fora do tribunal. Depois disso, parece quase trivial rastrear ainda mais a diversidade de operações até a unidade do Espírito. Mas está claramente aí. Existem padres separados dos leigos, catecúmenos separados daqueles que estão em plena comunhão. Existe autoridade dos maridos sobre as esposas e dos pais sobre os filhos. Há, em formas sutis demais para a incorporação oficial, um intercâmbio contínuo de ministrações complementares. Todos nós estamos constantemente ensinando e aprendendo, perdoando e sendo perdoados, representando Cristo ao homem quando intercedemos, e o homem a Cristo quando outros intercedem por nós. O sacrifício da privacidade egoísta que diariamente se exige de nós é diariamente recompensado cem vezes mais no verdadeiro crescimento da personalidade que a vida do Corpo encoraja. Aqueles que são membros uns dos outros tornam-se tão diversos quanto a mão e o ouvido. É por isso que os mundanos são tão monotonamente parecidos em comparação com a variedade quase fantástica dos santos. Obediência é o caminho para a liberdade, a humildade é o caminho para o prazer, a unidade é o caminho para a personalidade.

E agora devo dizer algo que pode parecer um paradoxo para você. Você já deve ter ouvido que, embora ocupemos posições diferentes no mundo, somos todos iguais aos olhos de Deus. É claro que existem aspectos em que isso é verdade. Deus não aceita pessoas: Seu amor por nós não é medido por nossa posição social ou nossos talentos intelectuais. Mas acredito que há um sentido em que essa máxima é o reverso da verdade. Atrevo-me a dizer que a igualdade artificial é necessária na vida do Estado, mas que na Igreja tiramos este disfarce, recuperamos as nossas verdadeiras desigualdades e somos assim revigorados e vivificados.

Eu acredito na igualdade política. Mas existem duas razões opostas para ser um democrata. Você pode achar que todos os homens são tão bons que merecem uma parte no governo da comunidade, e tão sábios que a comunidade precisa de seus conselhos. Essa é, em minha opinião, a falsa doutrina romântica da democracia. Por outro lado, você pode acreditar que os homens decaídos são tão perversos que não se pode confiar a nenhum deles qualquer poder irresponsável sobre seus semelhantes.

Que eu acredito ser a verdadeira base da democracia. Não acredito que Deus criou um mundo igualitário. Acredito que a autoridade do pai sobre o filho, do marido sobre a esposa, aprendida sobre o simples, fez parte do plano original tanto quanto a autoridade do homem sobre a besta. Acredito que, se não tivéssemos caído, Filmer estaria certo e a monarquia patriarcal seria o único governo legítimo. Mas desde que aprendemos o pecado, descobrimos, como diz Lord Acton, que “todo poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente”. O único remédio foi tirar os poderes e substituí-los por uma ficção jurídica de igualdade. A autoridade do Pai e do Marido foi corretamente abolida no plano legal, não porque essa autoridade seja em si mesma ruim (pelo contrário, é, acredito, de origem divina), mas porque os Pais e Maridos são maus. A teocracia foi corretamente abolida não porque seja ruim que padres eruditos governem leigos ignorantes, mas porque os padres são homens maus como o resto de nós. Até mesmo a autoridade do homem sobre a besta teve que sofrer interferência porque é constantemente abusada.

A igualdade está para mim na mesma posição que as roupas. É o resultado da Queda e o remédio para ela. Qualquer tentativa de refazer os passos pelos quais chegamos ao igualitarismo e reintroduzir as velhas autoridades no plano político é para mim tão tola quanto seria tirar a roupa. O nazista e o nudista cometem o mesmo erro. Mas é o corpo nu, ainda lá embaixo das roupas de cada um de nós, que realmente vive. É o mundo hierárquico, ainda vivo e (muito apropriadamente) escondido atrás de uma fachada de igual cidadania, que é a nossa real preocupação.

Não me entenda mal. Não estou menosprezando o valor dessa ficção igualitária que é nossa única defesa contra a crueldade uns dos outros. Devo ver com a mais forte desaprovação qualquer proposta para abolir o sufrágio masculino, ou a Lei de Propriedade de Mulheres Casadas. Mas a função da igualdade é puramente protetora. É remédio, não comida. Tratando as pessoas humanas (em desafio judicioso aos fatos observados) como se fossem todas da mesma espécie, evitamos inúmeros males. Mas não foi assim que fomos feitos para viver. É inútil dizer que os homens têm o mesmo valor. Se o valor é tomado em um sentido mundano - se queremos dizer que todos os homens são igualmente úteis ou bonitos ou bons ou divertidos - então é um absurdo. Se isso significa que todos têm o mesmo valor como almas imortais, então acho que esconde um erro perigoso. O valor infinito de cada alma humana não é uma doutrina cristã. Deus não morreu pelo homem por causa de algum valor que percebeu nele. O valor de cada alma humana considerada simplesmente em si mesma, fora de relação com Deus, é zero. Como escreve São Paulo, morrer por homens valiosos não seria divino, mas meramente heroico; mas Deus morreu pelos pecadores. Ele nos amou não porque éramos amáveis, mas porque Ele é Amor. Pode ser que Ele ame a todos igualmente - Ele certamente amou a todos até a morte - e eu não tenho certeza do que a expressão significa. Se existe igualdade, é no Seu amor, não em nós.

Igualdade é um termo quantitativo e, portanto, o amor muitas vezes não sabe nada sobre isso. Autoridade exercida com humildade e obediência aceita com deleite são as próprias linhas em que vive nosso espírito. Mesmo na vida das afeições, muito mais no Corpo de Cristo, saímos desse mundo que diz "Sou tão bom quanto você". É como passar de uma marcha a uma dança. É como tirar nossas roupas. Tornamo-nos, como disse Chesterton, mais altos quando nos curvamos; tornamo-nos mais humildes quando instruímos. Alegra-me que haja momentos nos serviços da minha própria Igreja em que o padre se levanta e eu me ajoelho. À medida que a democracia se torna mais completa no mundo exterior e as oportunidades de reverência são sucessivamente removidas, o refresco, a purificação e o revigorante retorno à desigualdade que a Igreja nos oferece tornam-se cada vez mais necessários.

Assim, a vida cristã defende a personalidade única da coletiva, não isolando-a, mas dando-lhe a condição de órgão do Corpo místico. Como diz o livro do Apocalipse, ele foi feito “uma coluna no templo de Deus”; e acrescenta: "ele não deve mais sair." Isso introduz um novo lado do nosso assunto. Essa posição estrutural na Igreja que o mais humilde cristão ocupa é eterna e até cósmica. A Igreja sobreviverá ao universo; nele a pessoa individual sobreviverá ao universo. Tudo o que está unido à Cabeça imortal compartilhará de Sua imortalidade. Ouvimos pouco sobre isso do púlpito cristão hoje. O que aconteceu com o nosso silêncio pode ser julgado pelo fato de que, recentemente, falando às Forças sobre este assunto, descobri que um de meus ouvintes considerava esta doutrina como “teosófica”. Se não acreditarmos, sejamos honestos e releguemos a fé cristã aos museus. Se o fizermos, desistamos de fingir que não faz diferença. Pois esta é a verdadeira resposta a todas as reivindicações excessivas feitas pelo coletivo. É mortal; nós viveremos para sempre. Chegará um tempo em que cada cultura, cada instituição, cada nação, a raça humana, toda a vida biológica, estará extinta e cada um de nós ainda estará vivo. A imortalidade é prometida a nós, não a essas generalidades. Não foi por sociedades ou estados que Cristo morreu, mas pelos homens. Nesse sentido, o cristianismo deve parecer para os coletivistas seculares envolver uma afirmação quase frenética de individualidade. Mas então não é o indivíduo como tal que vai compartilhar a vitória de Cristo sobre a morte. Devemos compartilhar a vitória estando no Victor. Uma rejeição, ou na linguagem forte das Escrituras, uma crucificação do eu natural é o passaporte para a vida eterna. Nada que não morreu será ressuscitado. É exatamente assim que o Cristianismo atravessa a antítese entre individualismo e coletivismo. Aí reside a enlouquecedora ambiguidade de nossa fé, como deve parecer aos de fora. Ele se opõe implacavelmente ao nosso individualismo natural; por outro lado, devolve àqueles que abandonam o individualismo uma posse eterna do próprio ser pessoal, até mesmo do corpo. Como meras entidades biológicas, cada uma com sua vontade separada de viver e se expandir, aparentemente não temos nenhuma importância; nós somos uma forragem cruzada. Mas como órgãos no Corpo de Cristo, como pedras e pilares no templo, temos a certeza de nossa identidade eterna e viveremos para lembrar as galáxias como um conto antigo.

Isso pode ser colocado de outra maneira. A personalidade é eterna e inviolável. Mas então, a personalidade não é um dado do qual partimos. O individualismo em que todos começamos é apenas uma paródia ou sombra dele. A verdadeira personalidade está à frente - quão longe, para a maioria de nós, não me atrevo a dizer. E a chave para isso não está em nós mesmos. Não será alcançado pelo desenvolvimento de dentro para fora. Ele chegará a nós quando ocuparmos aqueles lugares na estrutura do cosmos eterno para os quais fomos projetados ou inventados. Como uma cor revela pela primeira vez sua verdadeira qualidade quando colocada por um excelente artista em seu lugar pré-eleito entre outras, como uma especiaria revela seu verdadeiro sabor quando inserida exatamente onde e quando um bom cozinheiro deseja entre os outros ingredientes, como o cão se torna realmente cachorrinho apenas quando ele toma seu lugar na casa do homem, então seremos primeiro pessoas verdadeiras quando nos permitirmos ser ajustados em nossos lugares. Somos mármore esperando para ser moldado, metal esperando para ser executado em um molde. Sem dúvida, já existem, mesmo no eu não regenerado, indícios de para que molde cada um foi projetado, ou que tipo de pilar ele será. Mas é, penso eu, um grande exagero imaginar a salvação de uma alma como sendo, normalmente, algo semelhante ao desenvolvimento da semente à flor. As próprias palavras arrependimento, regeneração, o Novo Homem, sugerem algo muito diferente. Algumas tendências em cada homem natural podem ter que ser simplesmente rejeitadas. Nosso Senhor fala de olhos sendo arrancados e mãos cortadas - um método francamente procusto [1] de adaptação.

A razão pela qual recuamos disso é que em nossos dias começamos colocando a imagem toda de cabeça para baixo. Começando com a doutrina de que toda individualidade é "de valor infinito", então imaginamos Deus como uma espécie de comitê de empregos cujo negócio é encontrar carreiras adequadas para as almas ^ buracos quadrados para pinos quadrados. Na verdade, porém, o valor do indivíduo não reside nele. Ele é capaz de receber valor. Ele o recebe pela união com Cristo. Não se trata de encontrar para ele um lugar no templo vivo que faça justiça ao seu valor inerente e dê espaço à sua idiossincrasia natural. O lugar estava lá primeiro. O homem foi criado para isso. Ele não será ele mesmo até que ele esteja lá. Seremos pessoas verdadeiras, eternas e realmente divinas apenas no Céu, assim como somos, mesmo agora, corpos coloridos apenas na luz.

Dizer isso é repetir o que todos aqui já admitem - que somos salvos pela graça, que em nossa carne não habita nada de bom, que somos, por completo, criaturas não criadores, seres derivados, vivendo não de nós mesmos, mas de Cristo. Se pareço ter complicado um assunto simples, espero que me perdoe. Estou ansioso para destacar dois pontos. Eu quis tentar expulsar aquela adoração nada cristã do indivíduo humano simplesmente como tal, que é tão desenfreada no pensamento moderno lado a lado com nosso coletivismo; pois um erro gera o erro oposto e, longe de neutralizar, eles se agravam. Refiro-me à noção pestilenta (pode-se ver na crítica literária) de que cada um de nós começa com um tesouro chamado “Personalidade” encerrado dentro dele, e que para expandir e expressar isso, para protegê-lo de interferências, para ser “original”, é o principal fim da vida. Isto é Pelagiano, ou pior, e derrota até a si mesmo. Nenhum homem que valoriza a originalidade jamais será original. Mas tente dizer a verdade como você a vê, tente fazer qualquer parte do trabalho tão bem quanto possível pelo bem do trabalho, e o que os homens chamam de originalidade não será procurado. Mesmo nesse nível, a submissão do indivíduo à função já está começando a trazer a verdadeira Personalidade ao nascimento. E, em segundo lugar, queria mostrar que o Cristianismo não se preocupa, a longo prazo, nem com indivíduos nem com comunidades. Nem o indivíduo nem a comunidade como o pensamento popular os entende podem herdar a vida eterna: nem o eu natural, nem a massa coletiva, mas uma nova criatura.

~

C. S. Lewis

The Weight Of Glory And Other Addresses (1949).

Disponível em Archive.


Notas:

[1] - Procusto, também conhecido como "Procrustes", "Procrusto", "Damastes" ou "Polipémon", é um personagem da mitologia grega que faz parte da história de Teseu.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: