Sobre ofensa (escândalo)

A palavra Aegerniss significa uma ofensa no coração de outra pessoa que o desvia do evangelho, faz com que ele se esforce contra isso ou o faz seguir a doutrina ou o exemplo falso de alguém. A palavra scandalunt, estritamente falando, significa um golpe na armadilha [ein Schlag in der Falle], como quando um animal é capturado em uma ratoeira ou poço de lobo. A Igreja usa a palavra escândalo para indicar algo que atinge um homem e depois o agarra.

Existem dois tipos de ofensa. O primeiro é uma ofensa farisaica, ou ira e fúria, sem motivo razoável, que se segue quando alguém prega a verdadeira doutrina e abole a idolatria conhecida. Existem muitos inimigos da palavra divina que, por lucro, poder ou prestígio, não querem que seus costumes errôneos sejam repreendidos. E, conseqüentemente, eles lutam e perseguem a palavra e os servos de Deus. A essa fúria chamamos de ofensa farisaica, para que possamos dizer quais ofensas os verdadeiros servos de Deus devem evitar, e quais não devem.

E embora toda a história do povo de Deus forneça exemplos, precisamos apenas ver o exemplo de Cristo e os apóstolos e exemplos em nosso tempo para obter instruções e conforto úteis.

Desde que os apóstolos pregaram a obra salvadora através da qual Deus se revelou ao mundo, ou seja, a ressurreição de Cristo e o santo evangelho, que diz que somos salvos da graça por causa de Cristo, e podemos abandonar as cerimônias de Moisés, os sacerdotes e filósofos mundanos entre o povo judeu ficaram com muita raiva. Como a ira de pessoas tão importantes e sinceras deve ter uma aparência honrosa, os sacerdotes acima mencionados fingiram boas razões.

Antes de tudo, eles viram que grandes dissensões se seguiram à pregação dos apóstolos e disseram que nenhuma pessoa lógica poderia contemplar tais desassociações sem grande dor.

Segundo, eles sabiam que a lei de Moisés havia sido dada por Deus e, portanto, sustentavam que ela deveria permanecer até o fim do mundo, de modo que reclamaram severamente que os belos serviços divinos foram abandonados.

Terceiro, eles disseram que era muito doloroso e miserável esperar a destruição de governos e estações bem ordenados, como diziam os apóstolos.

Quarto, que os sacerdotes eram o poder ordenado e tinham muitos seguidores, enquanto os apóstolos e seus ouvintes eram pequenas pessoas sem importância que pareciam estar em uma rebelião desnecessária contra o poder ordenado. Tudo isso prestou prestígio aos sacerdotes e fariseus e opressão aos apóstolos.

Embora os apóstolos não quisessem ser destruídos, eles consideravam a ordem e a honra de Deus superiores à paz, contentamento, pompa e circunstância dos sacerdotes, apesar da ira irracional dos sacerdotes e fariseus. No espírito dos primeiro e segundo mandamentos, com respeito a todos os conselhos humanos e bens físicos, eles disseram: "É preciso obedecer a Deus em vez de aos homens!".

Com essas palavras, a primeira regra pode ser adotada. Somos obrigados a confessar a verdade divina, evitar a idolatria e realizar obras ordenadas; e não devemos ser dissuadidos, mesmo que os oponentes se tornem mais violentos, escandalosos e furiosos, e as divergências ocorram por causa de sua dureza irracional.

Em nossos tempos, como o Deus eterno, por sua grande e indescritível misericórdia, novamente fez com que a luz de seu santo evangelho brilhasse claramente entre nós, e causou muitos erros e idolatias dos papistas serem repreendidos, os grandes prelados ficaram irritados , pois eles não desejam ser repreendidos por pessoas sem importância e estão ansiosos para que a verdadeira doutrina cause uma diminuição de sua alta patente ou perda de bens. Eles ocultam seus erros com desculpas coloridas e clamam que causamos dissensões que se afastaram do poder ordenado da Igreja e abandonamos a Igreja Católica.

Embora tais blasfêmias incomodem um pouco os homens razoáveis, devemos, no entanto, sustentar que não devemos agir de maneira contrária ou permitir que a verdadeira doutrina diminua, mesmo que os oponentes estejam muito irritados e causem dissensão e perseguição.

Aqui devemos estar armados com essa passagem clara, 1 Coríntios 10: 14, "Evite a idolatria!" Não devemos concordar com a idolatria, seja paz ou discórdia, morte ou perseguição. Mateus 10:35 diz: "Quem me negar diante dos homens, também negarei diante de meu Pai, que está no céu ... Pois vim pôr um homem contra seu pai e uma filha contra sua mãe! ..."

É muito necessário para nós protegermos a doutrina verdadeira, bem fundamentada e pura. e não confundir a consciência com falsidade ou sofisma.

Até agora, falamos sobre ofensa farisaica. Mas há um segundo tipo de ofensa da qual Cristo falou em Mateus 18: 6: "Ai do homem que causa ofensa!" Isso se refere a uma ofensa punível, que devemos sinceramente procurar evitar.

Uma ofensa punível centra-se em doutrina falsa, ou mau exemplo, que transforma outras pessoas no mal ou as afasta do evangelho. Tais ofensas sempre foram e sempre serão. Eles abrangem toda doutrina falsa, heresia e idolatria; todos os preceitos dos homens que não podem ser mantidos sem pecado; e as más ações que atraem outras pessoas para pecar ou as assustam do evangelho. Agora considere quantos homens e pecados pertencem a essa categoria!

O primeiro causador de ofensa foi o diabo, quando ele enganou Eva; seu homem astuto e preso. A queda deu ao diabo uma base para novos pecados. Ele se vangloriava da vitória sobre Deus, arrancou cruelmente essas criaturas de Deus e causou blasfêmia. Muitos pecados terríveis entre toda a humanidade se seguiram a isso e, para uma panela grande, a condenação eterna.

Aqui, deixe todo e qualquer homem piedoso a Deus refletir que em um pecado, tantos pecados, ofensas e ferimentos sempre ficam ocultos. Quando Davi cometeu adultério, seguiu-se um tumulto; Absalão violou as esposas legítimas de seu pai e muitas pessoas foram mortas. Quem pode relacionar a ofensa? Antes de tudo, o diabo teve seu triunfo contra Deus, porque, através do tumulto de Absalão, ele levou muitos homens à condenação eterna. Ele violou as esposas santas e, sem dúvida, trouxe tristeza de coração. Todos os piedosos súditos de Davi sofreram aflição e, sem dúvida, os jovens nobres que eram companheiros de Absalão praticaram com muita devoção o seu prazer.

Dei esses exemplos para nos lembrar de viver em piedade e lembrar que uma grande ofensa e muitos pecados geralmente vêm de um único pecado.

Isso ainda é para falar apenas de más ações. A falsa doutrina também causa muitos ferimentos graves, como os que se seguiram aos erros de Ario, Mani e Maomé. Além disso, a doutrina papal causou muitos danos. Que grande invocação idolatria dos mortos! Que pecado e dano a proibição do casamento produziu! Como a massa idólatra foi comprada e vendida! Em nossos tempos: que grande dano o erro dos anabatistas causou; em Münster, eles teriam preparado seu próprio reino! O diabo, que antes de tudo derrotou Eva, continuamente pressiona sua carroça para ferir a Igreja Cristã; ele continuará a fazê-lo até que o Filho de Deus, em julgamento público, o lance em punição e dor eternas. Devemos refletir sobre esses exemplos e observar a advertência de Cristo quando ele diz: "Ai do homem que causa ofensa!" Essas palavras são faladas dos terríveis ferimentos no mundo inteiro.


Ofensa em coisas indiferentes

O precedente é dito sobre ofensa farisaica, para que as pessoas tementes a Deus não hesitem em ensinar e fazer as obras necessárias, mesmo que os fariseus venenosos gritem que é ofensivo. Um sacerdote piedoso deve se casar se for sua necessidade, mesmo que os fariseus se enfureçam.

E os trabalhos que não são necessários, como comer carne em um dia em que é proibido? Resposta: A verdadeira doutrina sobre adoração genuína deve sempre ser pregada primeiro. Onde as pessoas ainda não têm instruções, é correto não romper imediatamente o costume em coisas indiferentes, pois podemos desviar o evangelho daquelas pessoas inteligentes que estão ansiosas para que o evangelho torne as pessoas selvagens e também possam dar ocasião. para algumas pessoas devassas esticarem demais a liberdade. Portanto, São Paulo diz que devemos tratar os fracos com consideração e ajudá-los, para que eles cresçam na fé. É muito mais louvável e melhor promover o evangelho com conduta modesta e sensível do que impedi-lo com audácia desnecessária e inútil.

No entanto, onde as pessoas são razoavelmente bem instruídas, ainda existem pessoas obstinadas que admitem que sua doutrina está errada e, no entanto, não permitirão que as cerimônias inúteis sejam abolidas.

Isso causa todo tipo de ofensa, pois seu exemplo fortalece os inimigos da verdadeira doutrina cristã e torna duvidosos os que não aprendem; pois eles dizem que, se essa doutrina fosse verdadeira, as pessoas instruídas que entenderiam comeriam o que nós, outros, Gatos. Assim, eles deprimem o Espírito do Buraco em pessoas simples piedosas. Isso não é uma questão trivial. Euschius, em seu quinto gancho, fala sobre uma severa perseguição aos cristãos em Lyon. Um homem piedoso de Adel, chamado Attains, e sua esposa, Balbina, foram torturados porque confessaram a fé cristã. Eles eram freqüentemente retirados da prisão e punidos na praça da cidade para obrigá-los a abandonar sua fé. Naquela época, havia um marido entre os cristãos que praticavam jejum estrito e não comiam carne nem bebiam vinho. As auditorias tinham a visão de que ele deveria dizer ao homem para parar seu jejum e comer alimentos naturais comuns como os outros, porque estava ofendendo ao fazer com que pessoas simples pensassem que uma distinção de comida é necessária para a santidade. Quando Attains apontou isso, o homem obedeceu à revelação.

... Se as pessoas não querem entender a verdadeira doutrina, e manter seus falsos costumes fora do ódio pela doutrina, elas se revelam inimigas e devem ser consideradas inimigas, como perseguidoras, que Deus no tempo julgará.

Também há muitos que, entendendo a verdadeira doutrina, mantêm firmemente seu costume anterior, buscando nela a glória de Deus, mas um status elevado para si; ou que fingem ser grandes senhores e não querem parecer instáveis ​​ao aceitar algo novo. Em resumo, o mundo procura por muitos, mas encontra poucos que realmente conquistam a glória de Deus.

Podemos entender facilmente por que aqueles que não buscam a glória de Deus nesse assunto, mas apenas um status para si, agem com tanto mal. Pelo exemplo deles, eles fortalecem os inimigos do evangelho e apenas fingem buscar a glória de Deus. Que cada um examine seu próprio coração e lembre-se de que não age contra Deus, pois ele ordenou que todos nós honrássemos seu evangelho e ajudássemos na extensão da verdadeira doutrina.

Existem alguns que não buscam um status para si mesmos e não são desprezadores de Deus. Eles gostariam de promover a glória de Deus, pois consideraram quão ofensivo é ofender os inimigos do evangelho, dificultar o curso da verdadeira doutrina, oprimir os pregadores da verdadeira doutrina, criar dúvidas nas mentes dos simples. pessoas e abater o Espírito Santo.

Se lermos os sinais corretamente, veremos que as próprias pessoas anseiam por práticas e maneiras louváveis, e as mantêm com coragem e firmeza...

Todos nós devemos realmente procurar promover a glória de Deus e a extensão do evangelho. E, embora se possa dizer muito mais sobre ofensa, isso deve ser lembrado: ...Todos os pecados produzem ofensas cruéis e difíceis, todos os pecados violam o segundo mandamento. Falar coisas más sobre Deus ou doutrina piedosa, zombar ou zombar da mesma coisa, é particularmente uma ofensa ao segundo mandamento.

Mas todos os pecados dão ocasião a tanta zombaria de Deus. Primeiro, o diabo zomba, pois ele obteve uma vitória contra a vontade de Deus e contra Cristo, seja o pecado secreto ou público; e seja secreto ou público, mais pecados e punições seguem, criando ofensa pública e insulto à Igreja, e tribulação para os piedosos.

É uma ninharia medonha quando a verdadeira Igreja é desonrada, os piedosos aflitos e as doutrinas consideradas muito insignificantes. Por exemplo, quando o adultério de Davi foi relatado, os ímpios zombaram e disseram: "Este é o homem que fingiu ter tanta santidade?" Muitos chegaram a duvidar de sua doutrina.

Tudo isso é facilmente entendido em nossos dias, pois, infelizmente, temos muitos exemplos. Muitos em locais públicos, grandes e pequenos, dão ocasião ao seu vício aberto pela blasfêmia de nossa Igreja, trazendo a todos os homens piedosos uma grande tribulação e fazendo com que outros questionem ficar conosco. E há muitas pessoas venenosas que abrem essas feridas com grande exultação, de modo que não nossa pessoa, mas a doutrina confessada em nossas igrejas, isto é, o santo evangelho de Deus, é ferida.

Agora, o segundo mandamento de Deus diz: "Quem tomar o nome de Deus em vão será punido". Da mesma forma, Deus diz, 1 Samuel 2:30: "Para aqueles que me honram, eu honrarei, e aqueles que me desprezam serão levemente estimados".

Muitos homens se perguntam por que pessoas refinadas e discretas freqüentemente caem na miséria e na desgraça, e nesta passagem encontramos a razão; eles anteriormente desonraram o nome de Deus e produziram ofensa.

Nós, que confessamos o evangelho, devemos considerar especialmente quão severamente Deus se enfurece se dermos ao evangelho um nome maligno. Por esse pecado, Deus deixou de lado o sumo sacerdote Eli e seus filhos, como diz o texto: 1 Samuel 2: 17: "Assim, o pecado dos jovens era muito grande aos olhos do Senhor; pois os homens tratavam a oferta de o Senhor com desprezo "

Como Deus ficou zangado com aqueles que deram motivo para falar mal do sacrifício, você não deve duvidar que Deus está seriamente zangado com aqueles que dão motivos ou apoiam a blasfêmia ou o desprezo do evangelho. Devemos, portanto, ter cuidado na doutrina e nos costumes, para não incorrermos na ira de Deus com doutrina ofensiva ou exemplos prejudiciais.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes


Ano: 1555
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: