ad

Sobre autoridade mundana


A vida física tem ordens [Stande] e obras [Werke] que servem para prender a raça humana e são ordenadas por Deus, com certos limites e meios. Por essa ordem, devemos saber que essa natureza humana não é criada sem o conselho distinto de Deus, e que Deus dessa maneira deixa sua bondade brilhar sobre nós para nos sustentar e prover.

O matrimônio é o primeiro, pois Deus não quer que a natureza humana siga seu curso como o gado. Portanto, Deus ordenou o casamento, Gênesis 2 e Mateus 19 e Coríntios 7, como uma comunhão eterna e inseparável de um marido e uma esposa.

Além disso, Levítico 18 decretou quais pessoas podem ser casadas e quais não. Nesses lugares, encontramos especialmente a doutrina essencial sobre o matrimônio, que é uma comunhão da igreja de Deus muito amável e bonita, se duas pessoas com verdadeira fé e obediência a Deus vivem alegremente juntas, invocam Deus e criar filhos no conhecimento de Deus e da virtude.

Que essa ordem foi criada por Deus, estabelecida e louvada por sua palavra divina, e que naqueles que realmente acreditam que é um santo serviço divino, é certo em muitos testemunhos na palavra de Deus, como Mateus 19, 1 Coríntios 7, 1 Timóteo. 2, e Hebreus 13 mostram.

Por outro lado, quem destrói o matrimônio ordenado por Deus, como os turcos, ou o proíbe, como alguns fizeram, inclusive os papas, certamente age contra o mandamento de Deus, e sua proibição deve ser considerada e evitada como uma doutrina do diabo. Além disso, é óbvio que a imoralidade contra Deus e os danos a toda a raça humana se seguiram à proibição do casamento. Isto é dito sobre a primeira ordem na vida física.

Ainda mais ordens e obras são decretadas para a proteção e manutenção desta vida; autoridade, justiça, punição, guerras justas, divisão de propriedades, troca justa de compra e venda, empréstimo e pagamento; e também muitas artes úteis, números, medidas, distinções de tempo com o curso do sol, que tornam nosso ano, agricultura, medicina, arquitetura e assim por diante.

Se essas belas ordens fossem mantidas em todos os lugares, se todos os governantes buscassem a glória de Deus e o aperfeiçoamento e proteção do povo, se os julgamentos fossem verdadeiros e justos, se nenhuma falsidade fosse usada na compra e venda, dificilmente poderíamos reclamar sobre essa ordem útil e saudável, tudo funcionaria.

No entanto, o diabo e o mal humano introduziram tanta sujeira neles que houve inúmeros tiranos diabólicos prejudiciais, como Calígula e Nero. E a mente humana começa a se perguntar se os governos são de Deus ou não.

Por esse motivo, tem havido muitas almas frenéticas e confusas, como Marcion, os maniqueus e os anabatistas, que repudiaram e blasfemaram a autoridade, o governo mundano, o julgamento e a punição como nada além de pecado contra Deus, e argumentaram que quem quer que seja tem uma ocupação, como rei, príncipe, juiz, soldado ou servidor da corte, não pode ser salvo.

Muitos outros, como Celso, Juliano e Marcelino, blasfemaram o evangelho por se oporem aos governos. No evangelho está escrito que não devemos exercer nossa própria vingança; essas palavras foram falsamente interpretadas como aplicadas ao castigo que Deus recomendou às autoridades.

Como as brigas freqüentemente se desenvolvem a partir deste artigo e causam muitos danos, as pessoas devem ser instruídas corretamente. Um entendimento verdadeiro deste artigo também servirá para mostrar que esses dons de Deus, governo e julgamento, são dados por Deus para serem benéficos à humanidade, assim como a luz do sol, inverno e verão; e também que possamos agradecer a Deus por uma ordem tão bela e, vendo nela a vontade e a recomendação de Deus, que ele lhe seja obediente! Tudo isso serve para a paz e o respeito pelas leis e governos.

Primeiro, no entanto, devemos observar que a pessoa e a ordem devem ser separadas. As pessoas poderiam se unir em matrimônio por algo diferente do bem de Deus - por dinheiro, por exemplo. Embora a pessoa abuse da ordem, ainda assim a condição está correta. Por conseguinte, ao falar de autoridade e governo, a pessoa deve ser distinguida do cargo.

Diligentemente, considere que as ordens unem todos os grupos humanos e que estão organizadas para o conhecimento de Deus, bons costumes, paz e unidade, lei, julgamento e punição. Pessoas como senhores e ocupantes de cargos devem manter tais leis, julgamentos e punições; e os sujeitos que, por sua obediência, exercem a moralidade, não devem destruir a paz. Isso é chamado de politica social ou política.

Essa ordem é o que os profetas e apóstolos consideram como criação de Deus, que eles honrem, obedeçam e sirvam, para ajudar a manter a paz, como Daniel fez na Babilônia, embora possam amaldiçoar e repreender brutalmente o governo de uma pessoa como o rei Belsazar ou o tirano Nero. É essencial, antes de tudo, observar diligentemente essa distinção.

Em segundo lugar, depois de refletir brevemente sobre qual é a ordem, mostrarei que a mesma ordem é obra e criação de Deus para toda a raça humana, assim como a luz do dia e o curso do sol, verão e inverno. Deus não apenas deu aos homens luz, ou seja, entendimento da lei natural através da qual sabemos que devemos fazer e manter a ordem nos governos, e somos obrigados a obedecer à lei natural como a vontade de Deus; ele também deu e mantém soberania, governo, julgamento e punição. Eles são obra de Deus, assim como tornar a terra frutífera é a sua obra. Embora tenha havido e haverá muitos tiranos imundos, no entanto, em seu tempo, Deus ressuscitará um homem para regular os governos desfeitos. Tais foram Nabucodonosor, Ciro, Sólon, Temístocles, Fabius, Scipio, Augustus, Constantino e Theodosius.

Da mesma forma, como se vê, obviamente, os assassinos não podem finalmente escapar do castigo e, embora continuem fugindo por um longo tempo, eles finalmente caem através de uma maravilhosa providência de Deus em seu merecido castigo, para que todos os homens possam ver que o próprio Deus aceita sinceramente e apoia o governo.

Sim, quem sabe algo sobre governar e considera todas as grandes mudanças no mundo deve confessar que governar é cheio de maravilhosas obras de Deus, que testemunham abertamente que ele mantém governos. Muitos governantes sábios entre os pagãos confessaram, disseram e escreveram o mesmo.

Mas, por outro lado, o diabo, desde o início um assassino, prepara todo tipo de desordem e assassinato através do orgulho, ódio e avareza, impulsos à imoralidade, e assim por diante. E a natureza humana é, em parte, iludida e cheia de maldade; de fato, o diabo é tão poderoso que até o Filho de Deus o chama de "o príncipe deste mundo". E Deus inflige punições, como no caso de Absalão, que em terrível insurreição se levantou contra seu pai, Davi, e os turcos, que agora se enfurecem e causam assassinatos em grande parte da terra.

Mas enquanto Deus mantiver a raça humana, ele também manterá alguma soberania, leis, julgamento, justiça e punição, ocasionalmente graciosa e silenciosamente, ocasionalmente mais severa e perturbadora, mesmo que em um ano a Terra seja mais frutífera do que em outro.

A razão humana não pode entender adequadamente o grande conflito de Deus e do diabo nisso. No entanto, devemos distinguir vida e morte, bem e mal, e saber que a boa ordem é obra de Deus e, na medida em que a ordem é mantida, ela é mantida diariamente por Deus. Deus sempre dá juízes e governantes sábios, justos e verdadeiros, para que o diabo não arruíne o mundo inteiro de uma só vez, pois Deus deseja sustentar este mundo por um certo tempo, por causa da Igreja escolhida, e por nenhuma outra razão.

Observe ainda que quando dizemos que a autoridade, o governo e a política são de Deus, isso não significa que Deus permite que o pecado aconteça, que ele o inflige e nada faz através de suas próprias obras poderosas para evitá-lo. Não devemos pensar que Deus apenas inflige o ofício do juiz, pois a verdade é que é uma ordem criada por Deus, assim como a ordem do verão e do inverno, e é sustentada diariamente por Deus, pois muito bem permanece nele. Claramente, a palavra de Deus ordena e estabelece como uma boa obra, e falaremos mais sobre isso mais tarde.

Tendo dito que o ofício [da autoridade mundana] é criação e obra de Deus, vou agora indicar algumas passagens nos profetas e apóstolos que confirmam claramente este artigo. Deus não revelou este artigo em vão; ele quer que saibamos e honremos isso, seu trabalho e atividade, para que nossos corações sejam obedientes nessa ordem, não apenas aos homens, mas a Deus.

Em Provérbios 16: 11, Salomão diz: "Um equilíbrio e balança justos são a ordem e a obra do Senhor". Esta é uma passagem muito boa, que fala significativamente sobre a ordem estabelecida nesta vida, ou política, como obra de Deus. Quando se fala em comprar e vender, ele inclui outros itens também, como julgamento e autoridade, pois eles caminham juntos.

Em Provérbios 8:16, Salomão fala sobre a sabedoria divina, que fala de si mesma assim: "Por mim reis reinam, e os governantes decretam o que é justo". Aqui Salomão ensina claramente que os governos são uma obra da sabedoria divina. Daniel 2: 21: "Deus remove reis e estabelece reis". Salmo 144: 9 e seguintes: "Ó Deus, que dá vitória aos reis!" Essas palavras são bem claras. Na medida em que Deus ajuda os reis, governar é uma obra divina, e essa ordem não é um pecado, mas boa e agradável a Deus.

Salmo 82: 6: "Eu disse: vocês são deuses"... isto é, eu, Deus, te estabeleci em governos, te ordenei através da minha palavra e vocês devem ser deuses, isto é, agir como meus representantes divinos, manter o povo no conhecimento de Deus, manter a paz, manter a disciplina, julgar corretamente, proteger os piedosos e punir os malfeitores. Todos esses são titulares de cargos divinos com poder de comando, e por essa razão Deus lhes concede seu próprio nome, como seus representantes.

Segunda Crônicas 19: 6: "Considere o que você faz, pois você julga não pelo homem, mas pelo Senhor; ele está com você no julgamento." Romanos 13: 1 e seguintes: "Porque não há autoridade, exceto de Deus, e os que existem foram instituídos por Deus. Portanto, quem resiste às autoridades resiste ao que Deus designou."

Verdadeiramente, essas são palavras e sentenças importantes, referentes a grandes coisas, particularmente e fundamentalmente ao governo. E a autoridade é altamente elogiada pelo Espírito Santo na excelente pregação de São Paulo. Sem dúvida, o Espírito Santo punirá os pensamentos errôneos de todos os homens que não reconhecerão que o governo é dom e obra de Deus. No entanto, juntamente com a verdadeira ordem, julgamentos e leis razoáveis, os homens costumam ver desordem, opressão, devassidão, imoralidade e outros vícios de governantes; e pensam que essa regra chega apenas aos orgulhosos e ousados, àqueles que são mais fortes que os outros e capazes de subjugá-los, e que a justiça de Deus não tem influência sobre isso. Mas nos dizem que o Espírito Santo pune tais pensamentos epicuristas errôneos, detém os espíritos absurdos dos monges e fortalece e conforta a autoridade sagrada; a consideração e ponderação dessa palavra serão muito benéficas.

Acima de tudo, ele diz, a autoridade é de Deus. Não devemos pensar que isso é apenas uma parte do destino, que é uma ordem fixa de Deus, assim chamada, para que possamos saber que é uma criação e obra de Deus, como dia e noite. Ele também indica que o governo é uma ordem, e essa ordem é obra de Deus, enquanto desordem, imoralidade, assassinato e opressão são obras do diabo e tiranos, de membros do diabo, procurando destruir a ordem de Deus.

Muita doutrina útil está incluída nessas palavras de São Paulo, que tratar apenas agora seria muito longo, pois existem outras ... [coisas sobre os governos a serem consideradas].

Primeiro Timóteo 1: 8: "A lei é boa; e foi dada para os injustos". Essas palavras não são sobre as cerimônias de Moisés, mas sobre o direito comum, que preocupa todo o mundo, pois todos estão preocupados com o alcance da virtude e a punição do vício. "A lei foi estabelecida para profanos, assassinos, fornicadores, (...) restringirem e punirem" [cf. 1 Timóteo 1: 9]. Obviamente, aqui a autoridade é incluída como parte essencial da lei, pois a cabeça ou o braço fazem parte do corpo do homem. se a lei é a vontade e a obra de Deus, também o são a autoridade e o governo.

Esses testemunhos relacionados são definidos e claros ... mas irei estabelecer uma passagem final para indicar especificamente que Deus estabeleceu autoridade. Em Gênesis 9: 6, Deus renovou a proibição do assassinato e disse: "Quem derramar o sangue do homem, pelo homem será derramado seu sangue". Aqui, o próprio Deus decreta que um homem tem esse cargo para matar o assassino. E não há dúvida de que com as mesmas palavras Deus estabeleceu a autoridade mundana, que ele começou novamente por Noé; pois suas palavras a Noé não foram em vão.

Tudo isso mostra claramente que autoridade e governo são uma boa obra, criada e mantida por Deus, estabelecida e confirmada em sua palavra, e agradável a ele.

Agora eu falei sobre o ofício, e distingui o ofício da pessoa. No entanto, devemos aprender que nem todas as pessoas são virtuosas, e tendo em mente qual é a ordem de Deus, também devemos observar o propósito para o qual Deus concede a algumas pessoas virtuosas, pois algumas pessoas virtuosas são especialmente elevadas, dotadas e inspiradas por Deus . Deus enviou Sansão, Davi, Ciro, Cipião [o Velho] e outros que foram chamados de heróis, para estabelecer justiça e lei, punir a tirania e alterar reinos. Quando os persas se tornaram tirânicos e devoraram a pequena nação de Judá, a Igreja de Deus, Deus levantou Alexandre. Depois, quando os gregos no Egito e na Síria se tornaram devassos demais, o reino caiu ao poder dos romanos.

E em governantes exaltados e louváveis, podemos ver que os governos são obra de Deus, pois ele concedeu a esses homens dons particularmente divinos. Quando as monarquias seguem uma certa ordem, devemos observar que essas mudanças no governo não estão isentas do conselho e julgamento de Deus.

Para combater isso, no entanto, Mateus 5 e Romanos 3 são citados para provar que o evangelho proibiu a vingança. "Não te vingarás, mas abrirás espaço para a ira" (cf. Mateus 5: 22, 39, 44) Resposta: Há uma grande diferença entre a própria vingança e o ofício que Deus ordenou.

Agora está claro pelas passagens indicadas que Deus ordenou, decretou e estabeleceu o ofício. Além disso, é inteiramente certo que Mateus 5 e passagens em outros lugares proíbem vingança, ódio e vingança individuais. Mas lá o evangelho não é sobre regra externa; apresenta um sermão penitencial que não se aplica ao governo, mas a todas as pessoas; mostra que nossos corações estão cheios de desobediência para com Deus, que a obediência que deveria estar em nós não está lá.

"Você caiu pelo pecado na morte, e ficará triste" [cf. Romanos 3: 9 - 9]. Se o companheiro espionar você, como Júlio e Pompeu, se ele fizer algo que enche seu coração de amargura e ódio, para que você queira apagá-lo, você deve ser paciente. Se ele lhe fez uma injustiça, seja vingada por quem Deus ordenou.

A desobediência da vingança pessoal que Cristo repreende como desordem e, por causa disso, ele não abolirá a punição ordenada da autoridade. De fato, Deus fala do ofício de autoridade quando diz: "A vingança é minha; eu retribuirei" [Romanos 12: 19]. A autoridade é a mão de Deus, ordenada neste ofício. Portanto, o castigo via julgamento e guerra justa é uma obra ordenada de Deus. Mais se fala disso em outros lugares.

Em terceiro lugar, na base indicada, a saber, que autoridade e governo são boas obras decretadas, ordenadas e estabelecidas por Deus, podemos estabelecer uma doutrina muito útil. E que essa seja a primeira regra:

Como um verdadeiro santo [Heiliger], um membro de Cristo pode usar outras ordens de Deus, como comida, bebida, aritmética, medidas e matrimônio para exercer em tais obras sua obediência a Deus; ele também pode usar a autoridade do governo, tribunais, a lei da herança e punições sem sentir que tais obras são contra Deus. Um santo, um membro de Cristo, pode ser um príncipe, um juiz ou um servidor da corte; ele pode procurar reparação nos tribunais, processar e responder; e ele pode servir em guerras justas de acordo com seu chamado.

O fato de os membros de Cristo agirem é indicado pelo que São Paulo diz. "Todas as criaturas de Deus são boas e com ação de graças a serem recebidas" [1 Timóteo 4: 4]. O governo mundano faz parte da boa ordem dada por Deus, e podemos usá-lo quando fazemos comida e bebida.

O sermão de João aos soldados em Lucas 3: 14 também mostra o seguinte: "Não roube ninguém por violência ou acusação falsa, e se contente com o seu salário". Aqui é dito ao soldado, se ele se converter, como ele pode cumprir seu ofício com uma boa consciência, ou seja, fazendo o que for necessário.

Assim, os Salmos e os profetas costumam dizer que os reis realmente invocam e glorificam a Deus, dos quais é bastante claro que reis e governos também podem ser santos e membros de Cristo. Salmo 102: 21 e seguintes: "Para que os homens declarem em Sião o nome do Senhor, e em Jerusalém o seu louvor, quando os povos se reúnem. Da mesma forma. Salmo 47: 9 e seguintes: "Os príncipes dos povos se reúnem como povo do Deus de Abraão. Pois os escudos da terra pertencem a Deus; ele é altamente exaltado!".

Aqui o Salmo fala especialmente sobre soberania, dizendo que muito bem se segue se os príncipes reconhecerem corretamente a Deus e servi-lo. Quando Jeosafá, Ezequias e Josias reinaram, o povo tinha verdadeira religião, boa proteção e justiça; eles viram os milagres de Deus que deram a esses reis vitória e paz. Os príncipes eram piedosos e Deus foi honrado, isto é, o povo chegou ao conhecimento de Deus e viu que grandes benefícios lhes eram concedidos por Deus por causa dos príncipes tementes a Deus; e eles elogiaram esses presentes com ação de graças.

Exemplos também suportam essa regra. Os bons governantes não estavam apenas em Israel, mas também nos reinos pagãos. José estava no Egito, Daniel e outros santos, na Babilônia. Cristo louvou o capitão em Mateus 8 e Cornélio foi elogiado no Livro de Atos. Deus mostrou a ele e a seus servos um grande milagre - o visível envio do Espírito Santo, declarando que os pagãos e os governantes do mundo também seriam herdeiros da vida eterna e membros de Cristo.

Temos muitas histórias de soldados que aceitaram o evangelho e permaneceram em seu chamado, experimentando maravilhas pelo Espírito Santo neles: Attalus, na época do imperador Severo; e Asterius, um nobre romano, na época do imperador Valerian; Mauricius na época de Maximiano; e muitos outros?

E marque bem que as obras dessas ordens, isto é, obras no governo, tribunais e guerras, são verdadeiros serviços de Deus se o conhecimento de Cristo e a fé estiverem presentes. Se o coração acredita que Deus nos recebeu por causa de seu Filho, então podemos cumprir o chamado de nosso ofício, para louvor a Deus e ao bem do próximo.

Como essas obras mundanas não têm o glamour das cerimônias e do monge, ocorre muita desordem no governo: aqueles que não entendem ficam confusos e não mantêm essas obras como um serviço divino. Antes, consideram o monge muito mais alto e mais santo; geralmente, governantes bons e úteis são atingidos por esse erro.

Esses erros são muitas vezes repreendidos pelos profetas, pois os israelitas esperavam que seus sacrifícios os tornassem santos, e deixaram de fazer as outras obras necessárias de justiça, disciplina, punição etc. Portanto, Isaías anuncia em seu primeiro capítulo que Deus não tem prazer em sacrifícios; ele exige, em vez disso, melhoria de vida, justiça nos tribunais e proteção de viúvas e órfãos. Então ele será novamente gentil com eles.

Em Zacarias 7, o profeta repreende as pessoas que fingem grande santidade através de jejuns, e lhes diz que Deus não tem prazer nisso; antes, julguem com justiça e deixem de oprimir viúvas e órfãos.

Existem muitas passagens desse tipo, pois muitas vezes se repete a regra de que as cerimônias inventadas pelos homens não são serviços divinos. Deus quer ser honrado com as obras que ele ordenou e santificou com sua palavra. Essa regra é freqüentemente mencionada neste livro, como um lembrete de que devemos diligentemente tentar viver de acordo com a palavra de Deus e cumprir a verdadeira obediência.

No entanto, porque isso significa temor a Deus, paciência e labuta, abandonamos as obras necessárias e o verdadeiro serviço divino, e buscamos obras mais brandas. Viver como um monge ocioso é muito mais calmo do que viver como pai de uma família, um burgomestre ou um soldado. No entanto, as pessoas inteligentes devem saber que as obras do serviço divino são aquelas que Deus decretou e que Deus uniu a raça humana com vários vínculos nos quais seu conhecimento brilha, e nos quais Ele deseja que exercitemos fé e amor.

O soldado deve manifestar sua fé lutando pela manutenção da verdadeira doutrina cristã e pelo conhecimento do Salvador Cristo; em perigo, ele deveria invocar a Deus e fortalecer outros com sua confissão e invocação. Ele deve mostrar amor por sua disposição de arriscar sua vida pela proteção de bons governos, paz, todas as mulheres virtuosas e todas as crianças. Em todos os chamados, em todos os atos para com os vizinhos, a confissão e a invocação de Deus, bem como o amor e a fidelidade, devem brilhar.

Assim, quando Abraão foi necessário como médico para grandes senhores, falou-lhes do verdadeiro conhecimento de Deus, orou por eles e serviu-os com seu remédio. Nabucodonosor, Dario dos Medos e Ciro, ao ouvir Daniel falar do verdadeiro serviço divino, foram convocados para Deus. A esposa cristã Helena, assim, moveu seu senhor, Constantino [Flavius ​​Valerius], para proteger os cristãos, e seu filho Constantino abraçou o evangelho.

Tais exemplos são muitos. Devemos considerá-los e regular nossas vidas, para que a confissão da verdadeira doutrina e invocação possa se refletir em nosso chamado e nossa obediência a Deus, comprovada nas obras em que somos obrigados a servir nossos semelhantes. Isso pode ser feito na ocupação de cada pessoa como pai, burgomestre, professor da escola, comerciante e vizinho em relação ao próximo.

A segunda regra: os cristãos não estão vinculados às leis de Moisés, exceto quando são iguais às leis naturais. Os cristãos podem usar leis razoáveis, romanas ou qualquer outra. E todo cidadão deve manter a lei razoável de seu governo, pois cada um é obrigado a estar sujeito à sua própria autoridade governante, não a um governo estrangeiro.

A França tem suas próprias leis de herança; A Alemanha mantém o direito romano. Qualquer diferença aqui deve ser considerada por um cristão, pois ele consideraria que no verão Roma tem um dia mais curto que a Dinamarca. Tais elementos externos não devem ser misturados com a essência eterna espiritual do coração, pois eles não têm absolutamente nada a ver com isso.

Esta regra é, portanto, estabelecida, pois muitas vezes tem sido relatado que algumas pessoas que erram quiseram levar Moisés aos tribunais e causaram um alvoroço com isso. Strauss e Thomas Münzer queriam libertar o povo da usura. Sei que essa pergunta tem atormentado muitas consciências: um ladrão deve ser enforcado? Se sim, por que Moisés fez uma distinção entre roubar à noite e roubar de dia?

Para que as pessoas piedosas não fiquem na incerteza, essa regra deve ser lembrada; cada pessoa deve manter as leis razoáveis ​​de sua autoridade governante e ninguém deve fabricar uma autoridade a partir de sua própria fantasia, ou ressuscitar Moisés ou as antigas leis mortas de Esparta ou Creta. Essa intromissão é prejudicial e frequentemente inflamatória.

Por "leis razoáveis", quero dizer aquelas que estão de acordo com o [senso de] direito natural [Recht] que Deus criou nos homens, a fim de honrarmos a virtude e punirmos o vício. Esta regra São Paulo também estabelece em Romanos 2. Se as leis honram e protegem o vício, de modo a manter os usuários públicos injustos, eles estão errados; no entanto, se as leis punem o vício, elas têm razão, mesmo que a medida de punição de acordo com os costumes da terra seja aguçada ou atenuada. Os alemães são um povo selvagem e as punições são poucas, mas também são fortes...

O fato de o juiz manter as leis razoáveis ​​atuais se baseia na obrigação de cada pessoa estar sujeita à autoridade. A lei em particular é a autoridade e, como dito acima, há uma distinção entre a pessoa e o cargo. Nos reinos dos pagãos, José e Daniel dividiram a herança não de acordo com a lei de Moisés, mas de acordo com o que foi aceito como certo nesses reinos.

Que tais variações na lei não têm nada a ver com o evangelho, qualquer um pode concluir que entende que o evangelho não estabelece um novo reino ou sociedade política mundana, mas traz graça e nova luz [Licht] de Deus ao coração que crê, e começa na alma uma nova obediência, vida eterna, temor a Deus, confiança em Deus e paciência. Deveríamos servir o bem geral no governo em que estamos. Mas já se diz o suficiente sobre tudo isso nos artigos sobre o reino de Cristo e a liberdade cristã.

A terceira regra: a desobediência deliberada contra a autoridade mundana e contra as leis verdadeiras ou razoáveis ​​é pecado mortal, pecado que Deus pune com condenação eterna, se continuarmos nela obstinadamente. A fé em Deus não pode estar presente no coração de alguém ao mesmo tempo que um desígnio de agir contrariamente ao mandamento aberto de Deus.

Estabeleci essa terceira regra porque muitos sonhadores escreveram que os mandamentos do mundo não nos vinculam ao castigo eterno, pois o homem não pode punir ninguém eternamente! Tal fantasia é encontrada entre os sentenciosos. Deus submeteu o mundo a governos e pune a desobediência eterna, porque sua lei divina é violentamente violada e desprezada, que diz: "Você deve ser obediente à sua autoridade".

E essa terceira regra está claramente expressa em São Paulo, Romanos 13: 5: "Portanto, é preciso estar sujeito, não apenas para evitar a ira de Deus, mas também por uma questão de consciência". São palavras claras, mostrando que a obediência é necessária, que a desobediência machuca a consciência e que Deus a condena.

Esta afirmação de São Paulo é o baluarte [Mauer] de todos os governos, pois todas as pessoas sensatas entendem que por esse mandamento sincero Deus as vincula à obediência em todas as coisas razoáveis. Nenhuma dessas passagens é encontrada entre os pagãos. Por essa razão, os governos são mais altamente honrados e preservados por meio da doutrina divina do que por todos os escritos pagãos, embora, neste último, muita discussão sobre isso possa ser encontrada. No entanto, aqui em São Paulo está a principal declaração que fixa obediência a todas as pessoas sensíveis em relação aos governos.

Nestas regras, no entanto, tenho falado sobre leis certas ou razoáveis, pois São Paulo fala sobre ofícios, não sobre pessoas. O cargo, ou seja, leis certas ou razoáveis, é a ordem de Deus. São Paulo não está falando de um Nero que pode comandar a idolatria. Tais leis injustas não são o ofício, não são a ordem de Deus; são confusão e desordem que a pessoa e o diabo estão pressionando para blasfêmia, falta de castidade e assassinato.

Aqui se aplica uma regra inalterável: "Devemos obedecer a Deus, e não aos homens". Por esse motivo, se uma autoridade nos ordena a agir contra Deus, não devemos obedecer, mas devemos agir como os três homens na Babilônia que se recusaram a adorar os ídolos ou aceitar a idolatria, mesmo que o rei Nabucodonosor tivesse proclamado um comando terrível a respeito [Daniel 3].

Como os soldados dignos ligados à tirania de Saul, 1 Samuel 22, não matariam o inocente padre Aimeleque, os outros sacerdotes, e suas esposas e filhos piedosos, mesmo que Saul lhes tivesse ordenado que o fizessem, assim devemos agir agora . Se os grandes senhores nos mandam guardar doutrina e idolatria falsas, não devemos obedecer a esses mandamentos. Não devemos ajudar no assassinato de inocentes ou de cristãos por causa de sua confissão do evangelho, como muitos dos eruditos fazem ao permanecer calados por causa do medo. Tal assassinato, juntamente com tanta hipocrisia, receberá o terrível castigo de que Cristo fala em Mateus 23: 35, "para que sobre você venha todo o sangue justo derramado na terra, do sangue do inocente Abel em ...", por o Filho de Deus julgará e lançará todos os ímpios em castigo eterno.

A quarta regra: Até agora, eu disse em geral que o ofício é de Deus e que somos obrigados a obedecer. Agora, a pergunta é: o que é distintamente o ofício ou o que é um trabalho justamente decretado? O que os governantes precisam fazer?

Aristóteles deixou uma frase muito clara que deveria estar gravada no coração de todo governante: Magistratus est autos legis, "a autoridade é a mão e a defensora da lei". A partir disso, podemos entender prontamente que o trabalho e o cargo da autoridade mundana são o uso de punição física para manter a disciplina externa, a justiça [Gericht] e a paz, de acordo com os mandamentos divinos e as leis razoáveis ​​da terra.

Isso geralmente é entendido com relação ao ofício. Quando pensamos em autoridade, príncipes ou senhores, freqüentemente imaginamos um homem segurando em uma mão uma tábua dos Dez Mandamentos e na outra uma espada. Os mandamentos são acima de todas as obras que ele [o governante] deve proteger e manter pela disciplina externa. De fato, elas são a orientação decretada por Deus, como a frente da fonte que flui toda doutrina e justiça bem escrita, e todas as leis devem ser reguladas por isso.

Livros especiais sobre jurisprudência e filosofia foram escritos sobre outros aspectos da decisão, como a constituição e manutenção da justiça, divisões de propriedades, métodos de punição e assim por diante. Como os governantes podem e devem estudá-los, não falarei mais sobre isso.

Vou considerar apenas duas perguntas, porque elas estão sendo discutidas no momento. Primeiro: o poder mundano é obrigado a proibir, abolir e punir a idolatria externa, a blasfêmia e o falso serviço divino, ou a estabelecer a verdadeira doutrina e os verdadeiros serviços divinos, conforme são dados à Igreja de Deus por meio de Sua palavra?

Essa resposta fundamental deve ser observada. O poder mundano não serve apenas para satisfazer os estômagos dos homens, como um pastor que leva seu gado para o campo, pensando apenas em comida para os animais; a autoridade mundana serve acima de tudo para impor os dois mandamentos para manter a moralidade e a paz. É obrigado, com toda a seriedade, zelo e determinação, a punir o adultério, o incesto e a impureza contrários à natureza, mesmo que essas depravações não digam respeito à paz. A autoridade mundana é obrigada a manter a disciplina externa de acordo com todos os mandamentos. Idolatria externa, blasfêmia. juramentos falsos, doutrina falsa e heresia são contrários à primeira tabela. Por esse motivo, a autoridade mundana é obrigada a proibir, abolir e punir essas depravações, idolatrias e blasfêmias. Isso fica claro na passagem em 1 Timóteo 1: 9: "A lei é estabelecida para os sem lei, os desobedientes, os que desprezam a Deus..." litro, o apóstolo está dizendo que somos obrigados a proibir e punir o discurso epicuriano e todo tipo de blasfêmia. Salmo 2: 10: "Agora, pois, ó reis, sê sábio; sê avisado, ó governantes da terra." Salmo 24: 7: "Vocês, príncipes, levantem suas portas; levantem as portas do mundo, para que o Rei da glória entre!" Ou seja, "Vós, príncipes, abram seus reinos ao Senhor Cristo e fazem com que seu evangelho seja pregado nele, para que Deus seja verdadeiramente conhecido e para que as pessoas obtenham a vida eterna". Mateus 10: 33: "Quem me negar diante dos homens, eu também negarei diante de meu Pai, que está no céu." Mateus 17: 5: "Este é o meu Filho amado, com quem me comprazo; ouça-o."

Essas e outras passagens semelhantes mostram claramente que a própria autoridade mundana é obrigada a aceitar o santo evangelho, a acreditar, confessar e direcionar outras pessoas ao verdadeiro serviço divino. Portanto, ele deve proibir a idolatria externa e a doutrina falsa e punir a teimosia. É realmente deplorável que tenhamos alguma dúvida sobre se as autoridades mundanas devem buscar a glória de Deus ou sua própria felicidade geral! Este ofício antes de tudo deve servir a Deus, e deve regular e direcionar tudo para a glória de Deus.

Portanto, embora poucos reis e príncipes pensem em Deus, no entanto, Deus sempre deu algumas grandes ou pequenas regências para o avanço do evangelho. Como Deus estabeleceu essa ordem, ele não permitirá que ela caia completamente na condenação eterna. Ele chamará algumas pessoas que o reconhecerão e promoverão o evangelho.

O Espírito Santo, falando da verdadeira Igreja em Isaías 49: 23, ordenou a todos os reis, príncipes e regências que promovessem o evangelho. "Reis serão seus pais adotivos, e suas rainhas, suas mães que amamentam." Ou seja, os reis e os soberanos fornecerão alimento para os pregadores e não exercerão fúria contra os membros de Cristo.

No entanto, desde o início tais regências que ajudam a verdadeira Igreja são poucas. No entanto, Deus chamou e estabeleceu alguns cujo exemplo e recompensa devem ser diligentemente considerados - Davi, Jeosafá, Ezequias, Josias e Judas Macabeus eram príncipes louváveis ​​de Israel. Assim também nos reinos pagãos estavam Nabucodonosor e seu filho Evilmerodach, e mais tarde Dario dos Medos, Ciro, Longimatite, Constantino, Teodósio, Carlos Magno, Ludwig, o Piedoso, e Ludwig, o Landgrave, na Turíngia. No entanto, uma vez teve uma doutrina mais pura que outra. Note que Nabucodonosor e Dario dos Medos proclamaram publicamente os mandamentos, proibindo a blasfêmia e a perseguição das pessoas que invocavam o Deus de Israel.

Tais testemunhos mostram claramente que, em nosso tempo, os príncipes e domínios mundanos que aboliram a idolatria e a doutrina falsa e estabeleceram a doutrina pura do evangelho e a verdadeira adoração a Deus agiram corretamente. Todas as regências são obrigadas a fazer isso, de acordo com a passagem que eu indiquei: Aperite porter, principes, vestras [Vós príncipes, levantem seus portões]!

Segue-se também que as regências são obrigadas a proibir toda doutrina errada, como os erros dos anabatistas, e a punir os obstinados, pois os próprios regentes, como membros da Igreja, são obrigados a ter conhecimento da doutrina cristã, e para julgar a falsa doutrina. Para fazer isso, devem se aproximar dos outros cristãos tementes a Deus, razoáveis ​​e habilidosos, para julgar a respeito da doutrina, pois Cristo diz: "Onde dois ou três forem reunidos em meu nome, eu estarei com eles". Essa afirmação é falada pelos tementes a Deus que se reúnem para a manutenção e busca da verdade divina, não daqueles que, sob o título e o nome da Igreja, buscam sua própria tirania, bem-estar, pompa, prazer sensual. e supressão da verdade, como afirmam o Papa e seus apêndices, os conselhos.

Segue-se ainda que os soberanos tementes a Deus são obrigados, pelo bem da Igreja, a suprir ofícios, pastores, escolas, igrejas, tribunais e hospitais necessários; e não é correto permitir que esses bens sejam desperdiçados por monges e cânones idólatras, ociosos e imorais. Não é certo que os soberanos do mundo tomem posse dessas propriedades, a menos que decretem assistência adequada para os pastores, escolas e tribunais. Os soberanos devem observar atentamente o sermão de Cristo em Mateus 25: 42: "Eu estava com fome e você não me deu comida, eu estava com sede e você não me deu nenhuma bebida ..."

Por outro lado, o Filho de Deus prometeu uma recompensa rica para todos os que ajudam na manutenção e no avanço da doutrina. Mateus 10: 42: "E quem der a um desses pequeninos um copo de água fria, porque ele é discípulo, em verdade vos digo que ele não perderá sua recompensa". Davi e Jeosafá são bons exemplos. O senhor diz. "Quem me honra, eu também adornarei com honra e esplendor" [cf. João 5]. Isso é o suficiente neste momento sobre a primeira pergunta.

A segunda pergunta é a seguinte: os sujeitos também têm propriedades ou todos os bens pertencem à autoridade soberana? Os governantes podem levar tantos bens quanto com seus súditos?

João Batista respondeu a essa pergunta em Lucas 3: 4: "Não roube ninguém por violência ou acusação falsa, e se contente com o seu salário".

A autoridade soberana tem seu tributo e imposto decretados, os quais devem ser contribuídos fielmente. Seus bens e os assuntos deveriam ser separados. Os sujeitos têm propriedades de acordo com o mandamento divino e as leis naturais da terra. O mandamento divino diz: "Não furtarás!" Essas palavras sancionam propriedades obtidas por herança. trabalho honrado, compras e outros meios adequados.

Resumir a respeito da propriedade, aquilo que os sujeitos têm faz parte da ordem divina no governo e na sociedade política do mundo, assim como o julgamento ou a punição. Portanto, os príncipes não devem destruir essa ordem; eles devem saber que também estão sob o mandamento: "Não furtarás!" Eles não devem ilegalmente [sem discernimento] pegar mercadorias de seus súditos ou sobrecarregá-los muito severamente.

Um exemplo assustador disso é descrito em 1 Reis 21, a história de Nabote, de quem o rei Acabe desejava comprar uma vinha; e, como Nabote queria manter sua herança e não queria vender, Jezabel o matou. Então Acabe tomou posse da vinha. Deus puniu essa tirania primeiro através de Elias, para que pudéssemos saber que Deus se enfureceu por causa de tal assalto, e depois pela praga que se seguiu por causa do pecado. Mais tarde, Deus matou o assaltante Acabe e a assassina Jezabel.

Tenha este exemplo em mente, pois tais ações e punições ocorrem frequentemente, mesmo que o mundo pense que Deus dorme e nem saiba nem preste atenção a essas coisas. Porque existem alguns governantes tementes a Deus. essa doutrina é enfatizada para que eles se lembrem de que os bens dos sujeitos não devem ser apropriados pelo mestre, a menos que a necessidade comum do país exija isso.

Mas alguns citarão a passagem de Samuel 8: "Estes serão os caminhos do rei que reinará sobre você; ele tomará seus filhos, seus melhores campos ..." Essas palavras não fortalecem o poder soberano fazer qualquer coisa além de requisitar coisas para a proteção comum da terra. Por exemplo, se o país é invadido e o resgate é necessário por causa dos turcos ou de outros inimigos que iniciam guerras injustas, somos obrigados a sacrificar não apenas nossos bens, mas também nossas próprias vidas. A Primeira Carta de João afirma claramente que Cristo deu sua vida por nós e, portanto, somos obrigados a arriscar nossas vidas para proteger nossos irmãos que conosco invocam o mesmo Deus eterno e Pai de nosso Salvador Jesus Cristo, e confessam a Salvador Cristo.

A quinta regra: Tendo dito o que é a autoridade e indicado em geral qual deve ser o cargo e que os sujeitos devem ser submissos, devemos agora observar se a submissão e a obediência pertencem a todo o homem ou a cada homem de acordo com sua capacidade. A alma deve manifestar honra à autoridade, e o corpo deve fazer um trabalho razoável, como soldado. A propriedade também deve servir com um imposto e taxas similares.

E aqui devemos lembrar o respeito ou a honra e saber que ele consiste não apenas em um sinal externo, como se curvar para indicar que nossa cabeça está sujeita ao poder soberano, mas também na verdadeira honra que vem do coração, e dos quais existem três graus.

A maior honra é saber e acreditar verdadeiramente que a ordem dos governos é obra e dom de Deus, por meio do qual ele concede inúmeras coisas boas, como paz, leis necessárias para a proteção de esposas e filhos, salvaguardas para compra e venda. . e assim por diante. Essa ordem de governo também é o abrigo da Igreja ... O conhecimento disso e a fé devem levar-nos a amar e a ser obedientes às autoridades governamentais, não apenas aos homens que governam, mas a Deus que criou essa ordem.

O segundo grau de honra é agradecer a Deus por seus benefícios e implorá-lo para preservar e proteger o governo e os governantes contra os distúrbios do diabo. Que os senhores supremos precisam da ajuda de Deus é óbvio, pois somente a capacidade humana não é suficiente para o nilo. Quando o diabo balança o coração humano, como no caso de Calígula e Nero, a miséria humana segue.

Esses dois graus de honra não se limitam aos assuntos; os senhores superiores e os governantes também devem mostrar tal honra, pois devem entender que há uma diferença entre a ordem estabelecida e sua pessoa. A pessoa, ou o servo em tal ordem, deve reconhecer e amar a obra de Deus e estar sujeita à ordem. Ele não deve causar desordem, e deve procurar ajuda de Deus através da invocação.

Infelizmente, alguns soberanos honram sua ordem; muitos a desonram com más ações, imoralidade e tirania, e pensam que não serão punidos por serem senhores, que têm o direito de fazer o que desejam. Mas Deus os advertiu suficientemente contra isso em sua palavra; diante de seus olhos, ele coloca exemplos de como ele pune os vícios dos soberanos. Está escrito em Isaías 10: 1 e seguintes: "Ai daqueles que decretam decretos iníquos, e dos escritores que continuam escrevendo opressões para afastar os necessitados da justiça: a ira de Deus não se afasta disso". Da mesma forma, 1 Coríntios 6: 9 e seguintes: "Não se deixe enganar; fornicadores. Adúlteros, idólatras, ladrões e assaltantes não herdarão o reino de Deus". Quem teme a Deus, seja ele senhor ou sujeito, deve aprender que o governo é um dom divino e, como tal, deve honrar e amar essa ordem.

O terceiro grau de respeito, ou honra, é ser paciente com governantes razoáveis, mesmo que ocorram erros e defeitos. O diabo e a fraqueza humana se combinam para impedir grandes e pequenos governantes, de modo que muitas coisas são negligenciadas ou feitas erroneamente. E a sabedoria humana não deve pensar que sempre realiza tudo, pois o bom governo é obra do próprio Deus.

Como diz Salomão, "Ut oculus videat, et auris audiat, Deus but utrumque.". "O que os olhos veem e o que os ouvidos ouvem é obra de Deus" [cf. Provérbios 20: 12]; isto é, quando um governante vê e encontra bons conselhos, segue-os e não os impede - neste Deus é ativo. Por exemplo, que Augusto era um governante sábio e que um homem tão fraco pudesse manter sua autoridade e obediência era obra de Deus. Augusto costumava fazer o que estava errado; ele não ouviu todas as coisas ou não podia desistir de brigar. Então, uma vez foi mais suave que outra, e por essa razão, nós, súditos, devemos ter paciência e não nos rebelar contra governantes razoáveis, como Absalão fez contra seu pai, mesmo que algumas coisas não aconteçam justamente, porque somos obrigados a ouvir as e defeitos da mãe.

Isso é ilustrado na história dos filhos de Noé. Ham foi amaldiçoado porque zombou de seu pai, mas os outros dois, Sem e Jafé, que cobriram o pai, foram abençoados (cf. Gênesis 9: 20-27).

Muitas vezes somos ordenados a perdoar aos outros seus defeitos, a suportar os fracos, e isso é particularmente necessário no governo, para que revoltas e guerras não sejam instigadas sem grande causa, como aconteceu no passado. São Pedro fala precisamente sobre isso quando diz: "Alguém deve ser obediente aos senhores, mesmo que eles nem sempre ajam com bondade" [1 Pedro 2: 13-14, 20].

E São Paulo diz: "O amor é o vínculo que mantém as pessoas unidas" [cf. Efésios 5: 28-33; 1 Tessalonicenses 4: 9-10], o que não é possível, exceto através da virtude chamada Epükia, ou seja, a indulgência e paciência para carregar os costumes e defeitos de outrem, especialmente se eles estão perto de nós em nosso governo, como Ciro suportou os desconfiados. Ciaxares e Fabius, com seu companheiro Minutius, embora a paciência seja amarga, como descobrirão os entendidos.

Aqui estou falando de governantes razoáveis, não de tiranos. Deveríamos perdoar o governante razoável, ou seja, aquele que se dedica a fazer o que é certo e que geralmente o faz, mesmo que de vez em quando ele possa cair ou ser negligente, como Davi, Jeosafá e Josias. Nunca houve um governante que, mais cedo ou mais tarde, errou ou deu um passo falso; com isso devemos ter paciência. Por outro lado, existem tiranos como Nero que se dedicam a errar e a praticar devassidão incomum com imoralidade e assassinato; respeito e perdão não pertencem a esses cães de caça e manchadores de sangue. Outros governantes devem restringi-los de maneira ordenada, assim como fazemos com cães loucos.

Nesse ponto, algumas distinções necessárias devem ser observadas. Devemos procurar o objetivo principal de cada reino. Por exemplo, alguns reinos foram orientados acima de tudo para manter a glória, a palavra e o conhecimento de Deus; Deus usou o reino de Judá para esse propósito, e manifestou grandes maravilhas nele. Alguns, embora se esqueçam de Deus, não foram estabelecidos para continuar a palavra de Deus, mas para manter a paz. Algumas monarquias o serviram e promulgaram leis honrosas e mantiveram bons tribunais, como a história de Roma mostrou.

Tais reinos devem ser honrados e lembrados em oração; devemos orar não apenas pelo reino de Davi, mas também pelo reino de Augusto. Jeremias advertiu seu povo a orar pela Babilônia, pois esses reinos são obra e dons de Deus, e através deles ele concede benefícios aos homens.

Por outro lado, existem reinos estabelecidos para perseguir a palavra divina, para abolir o nome de nosso Salvador Cristo. O reino de Maomé foi iniciado para esse fim, particularmente para blasfêmia, imoralidade e assassinato, não como outras nações, para manter a paz e a justiça. Pois a lei maometana, na qual o reino sarraceno e turco se baseia, ordena não que a paz seja mantida, mas que a paz seja atacada e assassinada. Eles não são particularmente hostis às pessoas, mas às Escrituras divinas dadas nos profetas e apóstolos e no nome de nosso Salvador Jesus Cristo. Eles juraram abolir essas duas coisas. Por esse motivo, o reino maometano é uma tirania cruel e implacável, fundada na blasfêmia e no assassinato. Tem outras manchas, pois não mantém o casamento verdadeiro e permite uma imoralidade assustadora. Como esse reino é exatamente o oposto das monarquias que acabamos de mencionar, Deus nos alertou sobre isso nos profetas Daniel e Ezequiel, para que possamos saber que Deus o repudiou, que não devorará completamente a Igreja e que será punido. Este aviso é dado para que não nos desesperemos nem nos afastemos do evangelho, pois o poder e o domínio turcos são grandes e o coração humano é grandemente movido pela sorte e pelo infortúnio. Daniel diz claramente que após o quarto reino após a queda (a monarquia romana), o reino mais poderoso de todos virá (o maometano), que falará de blasfêmia, guerra triunfante contra os santos e, no entanto, finalmente será punido.

Visto que o próprio Deus condena o reino maometano e o chama de blasfêmia e assassinato, não devemos pensar de outra maneira. Blasfêmia e assassinato são desordens causadas pelo diabo, e devemos sinceramente implorar a Deus que acalme essa fúria ao acabar com ela. Observe que a palavra de Deus nos instrui, por meio do profeta Daniel, a não respeitar esse reino, que é fundado em blasfêmia, a não orar por ele como fazemos pelos outros, mas, pelo contrário, a orar contra todo o reino maometano.

Esta instrução em nosso tempo, devemos observar cuidadosamente, pois, na verdade, o reino turco não deve ser considerado uma punição insignificante ou uma simples mudança de regra, pois as monarquias mudaram frequentemente, do caldeu ao persa, do persa ao grego, e do grego para o romano. Embora essas mudanças tenham trazido grandes guerras e devastação, em cada monarquia, houve alguns governantes louváveis ​​que socorreram a terra. Mas os turcos têm um costume totalmente diferente. Como o nome "turco" significa "destruidor", ele também é; Gogue e Magogue significam aqueles que moram em tendas e não em locais fixos de residência, e assim habitam o turco. Quando ele apreende uma cidade, como fez toda a Ásia, ele deporta os ocupantes para outras terras e apresenta sua barbárie estrangeira. Desorganização e devastação prevalecem; maridos, esposas, mães, pais e filhos são separados.

Embora tudo isso seja assustador para ouvir e ouvir, as palavras de Daniel são ainda mais assustadoras, pois indicam uma raiva prolongada. No entanto, eles também mencionam o fim ", mas anteriormente ocorrerá um grande dano". Depois, diz Daniel, pouco antes da ressurreição, o grande príncipe, o Filho de Deus, virá lutar pelo povo de Deus.

Devemos reunir e considerar diligentemente todas essas passagens, para o bem de nossas vidas, para o fortalecimento da fé e para a exortação à oração para que Deus nos preserve e proteja contra a destruição de nossos países e igrejas pela barbárie dos turcos.

Toda pessoa razoável observará que este artigo abrange muitas coisas que são muito longas para serem tratadas aqui, mas para a maioria dos problemas essas regras gerais devem ser aplicadas E essa regra deve ser lembrada: O reino de Cristo traz benefícios eternos [Güter], a graça de Deus e atividade no coração do homem; seu reino não altera as leis razoáveis ​​e apropriadas do governo externo, dos tribunais, da compra e venda: ele nos permite usar as ordens que fazemos dia e noite.

As pessoas tementes a Deus devem saber que Deus deseja que a verdadeira fé e amor iluminem e irradiem dessa ordem. Por essa razão, Deus uniu a humanidade a vários apoios [Gegenhilf], e ele deseja que mantenhamos a igualdade nessas obras, de acordo com leis razoáveis ​​e adequadas. Ele proíbe fraudes, usura e outras impropriedades.

Estas são as regras que em geral devemos conhecer. Com esses papéis, esses assuntos não são difíceis para os tementes a Deus determinar se desejam obedecer ao Deus eterno e se buscam igualdade para seus vizinhos, um fim ao qual Deus nos perseguiu.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: