Sobre a Ceia de Cristo, o Senhor

 


Indicamos acima que Deus sempre vinculou a sua palavra e promete certos sinais externos que servem para sustentar o pensamento e a memória para que possamos reter e pensar sobre a palavra. Ao mesmo tempo, a fé é despertada por meio da palavra e de tais memoriais divinos.

Depois que o Filho de Deus apareceu, renovou seu evangelho e ordenou que fosse pregado em todo o mundo, ele ordenou essas duas cerimônias deliciosas para servirem como memoriais. O batismo nos lembra que somos batizados na morte de nosso Salvador Jesus Cristo, lavados de nossos pecados e ressuscitados para a vida eterna pura.

E esta cerimônia é mais agradável do que a circuncisão era em tempos anteriores, que por boas razões foi ordenada como uma obra especial. Porque Deus prometeu um descendente por meio do qual seríamos libertados e abençoados, o sinal sobre esse membro foi ordenado, embora os pagãos o vissem apenas como um espetáculo curioso. Mas, claramente, o batismo, se ocorrer com fervor e invocação de Deus, é uma bela cerimônia.

Este costume de manter a Ceia do Senhor no grupo reunido, junto com a pregação e a oração, é muito mais agradável do que era a matança de bois nos tempos anteriores.

Devemos ver que esta Ceia lembrada é mantida corretamente, como ordenado na palavra de Deus, e para o propósito designado. Quatro pontos tornam-se importantes. O primeiro: como deve ser mantida e administrada? O segundo: com que propósito o corpo e o sangue de Cristo são comidos? O terceiro: Quem é admitido para tal participação? O quarto: E quanto ao sacrifício da Missa e os abusos que minam sua instituição?


O primeiro ponto

A forma de observar a Ceia do Senhor é expressa em São Paulo. Os cristãos devem ter reuniões públicas honrosas. Deus teve isso para sua Igreja desde o início até agora; Adão, Noé, Abraão, Isaque, Jacó e depois os levitas pregaram no tabernáculo. Deus sempre apoiou tais reuniões para que sua doutrina e pregação não fossem de algum canto, mas fossem publicamente proclamadas perante todas as criaturas, reis e príncipes e publicamente atestadas e passadas aos sucessores.

E embora o mundo muitas vezes tente exterminar uma tão bela santa congregação, onde no ofício público do evangelho Deus é louvado e invocado e o povo instruído, no entanto, isso é maravilhosamente e continuamente defendido. Como um tempo é mais puro do que outro, por meio de dons especiais de Deus ele é frequentemente renovado, como a adoração era frequentemente renovada por meio dos profetas.

Em tal reunião, deve haver também uma cerimônia pública, por meio da qual a fé é exercida e reconhecida, e com a qual as promessas divinas podem ser lembradas e Deus invocado e agradecido. Esta obra foi instituída para que uma Ceia pudesse ser celebrada na qual pregamos sobre o Filho de Deus, seus sofrimentos e Ressurreição, sobre sua promessa, graça e governo, e na qual falamos sua palavra sobre o pão e o vinho, e distribuímos tal entre a congregação. Com este pão e vinho, ele nos dá seu corpo e seu sangue, e assim atesta que nos aceita, nos torna seus membros, nos concede o perdão dos pecados, que nos purificou com seu sangue e que habitará em nós.

E tal participação não é um memorial pagão, ou um espetáculo como se poderia guardar para Júlio, ou para aqueles que estão mortos e não têm nada a ver conosco. O Filho vivo de Deus, Jesus Cristo, nosso Salvador, está verdadeiramente presente e ativo nesta participação, atestando por meio dela que habitará em nós.

Como esta obra foi instituída e originalmente administrada é expressa extensamente em 1 Coríntios 11, onde São Paulo aponta que devemos ter reuniões públicas e honrosas para celebrarmos a Ceia.


O segundo ponto

Quanto aos frutos e utilizações desta participação, é muito necessário dizer que para aqueles que estão sem temor de Deus e sem conversão, que vivem conscientemente no mal e estão sem fé, isto é, sem verdadeira confiança em Cristo, tal Ceia não é útil; contribui para a punição deles, como São Paulo ensina seriamente.

A verdadeira fé deve acompanhar a participação, pois esta ordem de Cristo é um testemunho, anexado à sua promessa, como foi dito anteriormente sobre os sacramentos. O próprio Filho de Deus diz: "Este é o cálice da nova aliança" (1 Coríntios 11: 25), ou seja, a promessa sublime em que Deus jura tirar o pecado e a morte e começar a justificação eterna e a vida eterna por meio da Mediador, a quem enviou para o efeito.

Como frequentemente dito, devemos aceitar essa promessa com fé. Portanto, a fé deve estar presente no uso dos sacramentos para nos mostrar a promessa. Essa participação deve ocorrer para o despertar e o fortalecimento da fé daqueles que abandonaram o pecado e buscam consolação em Cristo. Devem participar acreditando que Cristo os aceita verdadeiramente, porque os faz membros do seu corpo e que realmente deseja perdoar-lhes os pecados, pelos quais morreu na cruz.

Portanto, a participação externa na Ceia aponta para a palavra e promessa, para o Filho de Deus, que morreu por nós e ressuscitou, e agora ouve a sua Igreja e os membros do seu corpo, a quem deseja abençoar. Nesta Ceia, o coração e a fé devem contemplar, na conversão e no aperfeiçoamento, buscar conforto em Cristo.

O principal benefício da participação é aquele de que Cristo fala quando diz: "Faça isto em memória de mim"; isto é, não como um pagão, mas como um crente, o que significa dizer que devemos lembrar de que o Filho de Deus morreu e ressuscitou por nós para tirar o pecado e a morte eterna, que ele dá a justiça eterna e a vida eterna, e atesta que ele habitará em nós, e que devemos aceitar tudo isso com fé. Este é certamente o significado das palavras de Cristo, que devemos considerar cuidadosamente para nos informar sobre por que essa participação deve acontecer, e porque o fruto principal deve ser um tal despertar e fortalecimento da fé.

Outros benefícios também se seguem, lembrando-nos de agradecer por tal graça. O costume necessário é mantido para reunir a Igreja em uma reunião pública honrosa onde a pregação, o ensino e a invocação de Deus devem ocorrer. Por meio dessa participação, os cristãos confessam sua fé.

Com essa participação comum, nos comprometemos a manifestar amizade, amor, fidelidade e ajuda uns aos outros como membros de um Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Sobre essa obrigação, Paulo também fala: "Porque todos participamos de um pão, somos um só corpo" (1 Coríntios 10: 17). Depois da participação, portanto, quem ofende a consciência do outro ofende o corpo e o sangue de Cristo.


O terceiro ponto

Quem é permitido nesta sagrada participação? Com as informações atuais sobre os usos, isso é facilmente compreendido. São Paulo diz: "Cada um deve examinar-se a si mesmo e, em conformidade, participar; e quem o toma indignamente, toma-o para sua própria condenação" (Coríntios 11: 28 e seguintes). Disto podemos concluir que não se deve participar aquele que vive conscientemente no mal, isto é, que não é convocado, que não tem remorso de seus pecados, que não deseja perdão, e que não tem fé e confiança em Cristo.

Os servos do evangelho que pecam abertamente, por perseguição à verdade divina, magia, adultério e assassinato, não são permitidos. Como a Igreja antiga mantinha a proibição, que era altamente necessária, ela deveria ser novamente aplicada com seriedade.

No entanto, aqueles que abandonaram o pecado, que têm remorso e terror, participam para fortalecer sua fé. Eles entendem que por meio dessa ordem a promessa de Cristo é realmente aplicada e atribuída a eles como membros do corpo do Senhor Cristo, pois Cristo atesta nisso que nos torna membros. As consciências aterrorizadas não devem participar confiando na própria pureza ou santidade; devem reconhecer sua fraqueza e confiar que Deus é misericordioso com eles por causa do Cristo Mediador.

São Paulo fala de preparação e dignidade quando diz: "Cada um deve examinar a si mesmo". Como esse exame faz parte da participação, não é costume trazer crianças que ainda não foram instruídas na palavra de Deus.


O quarto ponto

Contrariamente aos usos de que falei, infelizmente surgiram muitos abusos terríveis que devem ser evitados, como diz São Paulo: "Evite a idolatria" (cf. Efésios 5: 5).

Agora, esta regra deve ser observada cuidadosamente; os sacramentos, isto é, ordens divinas ou cerimônias divinas, são sacramentos e obras divinas somente se forem mantidos de acordo com a instituição e a intenção para as quais foram estabelecidos. Por exemplo, se alguém carregasse água batismal e fingisse que o Espírito Santo estava nela, isso seria idolatria. Da mesma forma, se alguém arranjasse o batismo com o propósito de ajudar contra a lepra, isso seria magia, não o batismo. Portanto, a atual circuncisão de judeus e turcos não é mais um sacramento; pelo contrário, eles zombam de Deus com isso.

Os servos do evangelho e os leigos devem participar ao mesmo tempo. Cristo não disse que algumas pessoas especiais, como sacerdotes, deveriam sacrificar pelos vivos e pelos mortos, ou que a Ceia merece perdão dos pecados por eles, ou que deveríamos fazer um espetáculo carregando o pão e colocando diante do povo para adoração.

Todas essas são obras inventadas, realizadas por clérigos em parte por erro e em parte como uma fraude deliberada. Nesse uso indevido, quando o sacramento é pervertido, não há sacramento, apenas horrível idolatria. E como Deus sempre puniu severamente a idolatria com grandes guerras e mudanças de reino, não há dúvida de que a fúria cruel dos turcos é infligida agora como uma punição pela idolatria na missa, a invocação dos mortos e toda a vergonhosa imoralidade que acompanha o celibato impuro. Que Deus, o eterno Pai de nosso Salvador, Jesus Cristo, elimine todos os erros e proteja e sustente sua Igreja abandonada!

Embora muitos outros escritos tenham contestado essas coisas, quero, no entanto, indicar brevemente por que a missa papal deve ser rejeitada e abolida.

Este erro, de que o sacrifício do sacerdote merece perdão dos pecados para si mesmo ou para outros, vivos ou mortos, obviamente contradiz o artigo de fé de que temos perdão somente pela fé e confiança em Cristo, como esta passagem diz claramente: "O justo vive pela fé "(cf. Romanos 1: 17). Porque este artigo é seguramente verdadeiro, e porque nenhuma obra humana em contrário deve ser estabelecida ou tolerada como se merecesse o perdão dos pecados, então é bastante certo que os sacrifícios da Missa são errados.

Em Hebreus está escrito que Cristo, por meio de seu sacrifício que ocorreu apenas uma vez, santificou perfeitamente os santos. Portanto, nenhum outro sacrifício é necessário para purificar os homens; os fiéis se tornam puros e santos por causa do único sacrifício já realizado que o próprio Cristo fez por sua morte (se eles aplicarem o mesmo sacrifício a si mesmos por meio de sua própria fé, isto é, se confiarem nele). O sacrifício do sacerdote nem mesmo deveria ter sido estabelecido.

Em segundo lugar, não há absolutamente nenhuma ordem de que homens miseráveis devem sacrificar o Filho de Deus; só ele é o Sumo Sacerdote, que se sacrificou, como diz a Carta aos Hebreus. Ninguém mais teve o poder, nem mesmo o mais santo, de vir diante de Deus sem o Mediador reconciliar a primeira ira contra o pecado.

Na verdade, nenhuma criatura pode compreender este maravilhoso conselho divino; Deus não queria ser reconciliado por meio de nenhuma outra pessoa a não ser seu único Filho, Cristo. Isso definitivamente indica que Deus guarda contra o pecado uma gravidade de ira que não pode ser aplacada por nenhum anjo ou homem. Mas também isso coloca diante de nós o grande amor de Deus pela humanidade.

Mesmo que essas questões sejam insondáveis, devemos contemplar o único sacrifício de Cristo, por meio do qual ele apaziguou a Deus, a fim de aprender sobre a ira de Deus contra o pecado e, por outro lado, aprender sobre a grande graça que é nossa em Cristo, se aceitarmos e confiar nele. O mérito do sacrifício de Cristo é comunicado a nós, por meio de nossa própria fé, e não por algum outro meio que Cristo não ordenou. Não há ordem para sacrificarmos o Filho de Deus. E é certamente errado produzir um sacrifício sem o comando expresso de Deus.

Por isso devemos guardar a Ceia de Cristo como foi instituída. Com o sermão ou exortação, devemos falar em oração as palavras de Cristo sobre a Ceia, lembrando-nos dos sofrimentos de Cristo, e depois todo o sacramento deve ser administrado àqueles que buscam conforto e manifestam melhora; com isso, devem fortalecer sua fé e concluir com firmeza que o Filho de Deus vivo os recebe e os torna membros de seu corpo. Este é o uso proclamado no evangelho, e esta obra foi originalmente assim mantida na Igreja. Ir além da participação, para fazer disso um espetáculo, é idolatria vã, pois um sacramento é apenas um sacramento em seu uso instituído.

Para quem quiser saber, até o século III não havia missas privadas na Igreja, e os cânones da missa não eram os mesmos (como agora). Embora os antigos estudiosos frequentemente usem a palavra "sacrifício", eles não querem dizer que os sacerdotes sacrificam o Filho de Deus e que essa obra dos sacerdotes merece o perdão dos pecados dos outros. Como qualquer pessoa racional pode determinar facilmente, o que eles chamam de sacrifício inclui tudo o que a oração, a fé, a participação e a ação de graças incluem. Um antigo costume era levar aos reunidos muito pão e vinho para o bem-estar dos pobres; isso também era chamado de sacrifício.

Especialmente é uma mentira aberta e idolatria oferecer o sacramento como sacrifício pelos mortos, pois ele foi instituído apenas para o exercício da fé nos vivos.

Como a palavra "sacrifício" é mencionada tantas vezes nas Escrituras Sagradas e por tantos estudiosos, quero fazer um breve relato dela.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Praecipui Theologici
Ano: 1559


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: