ad

O poder de Cristo para salvar

  

“Ele é capaz de salvar da melhor maneira aqueles que por meio d'Ele se aproximam de Deus, porque vive sempre para interceder por eles”. Hebreus 7. 25.

-------

Compre hoje mesmo o livro "Caminhos Antigos", de J. C. Ryle, clicando aqui!
-------

Existe um assunto na religião sobre o qual nunca podemos saber muito. Esse assunto é Jesus Cristo, o Senhor. Este é o assunto poderoso que o texto que encabeça esta página se desdobra, Jesus Cristo e a intercessão de Jesus Cristo. 

Já ouvi falar de um livro intitulado "A história sem fim". Não conheço nenhuma história que mereça esse título tão bem quanto o Evangelho eterno - este é de fato e na verdade a história sem fim. Existe uma "plenitude" infinita em Cristo. Existem n'Ele "riquezas insondáveis". Há n'Ele um "amor que excede todo o conhecimento". Ele é um "dom inexprimível" (Colossenses 1. 19; Efésios 3. 8; 3. 19; 2 Coríntios 9. 15). Não há fim para todas as riquezas que são entesouradas n'Ele - em Sua pessoa, em Sua obra, em Seus ofícios, em Suas palavras, em Seus atos, em Sua vida, em Sua morte, em Sua ressurreição. Abordo apenas um ramo do grande assunto neste dia. Vou considerar a intercessão e o ofício sacerdotal de nosso Senhor Jesus Cristo.

Há três pontos que pretendo examinar ao abrir o texto que encabeça este artigo.


I. Você tem aqui uma descrição de todos os verdadeiros cristãos: eles são um povo que "vem a Deus por Cristo".

II. Você tem a obra que Jesus Cristo está sempre realizando em favor dos verdadeiros cristãos: Ele "vive sempre para interceder por eles".

III. Você tem a confortável conclusão construída por Paulo sobre a obra de intercessão de Cristo. Diz ele: "Ele é capaz de salvar perfeitamente aqueles que por meio d'Ele se aproximam de Deus, porque vive sempre para interceder por eles".


I. Você tem, primeiro, uma descrição de todos os verdadeiros cristãos. É o mais simples, o mais belo e o mais verdadeiro. Grande é o contraste entre a descrição dada pelo Espírito Santo de um cristão, e a descrição que é dada pelo homem! Com o homem, muitas vezes basta dizer que tal "vai à igreja", ou que "pertence a este ou àquele corpo de cristãos". Não é assim quando o Espírito Santo desenha a imagem. O Espírito Santo descreve o cristão como um homem "que vem a Deus por Cristo".

Os verdadeiros cristãos vêm a Deus. Não são tantos os que lhe voltam as costas: os que "vão para uma terra longínqua", como o filho pródigo, "os que saem", como Caim, "da presença do Senhor"; que são "alienados, estranhos e inimigos em sua mente pelas obras más" (Colossenses 1. 21). Os verdadeiros cristãos são reconciliados com Deus e feitos amigos de Deus. Não são muitos aqueles que desprezam tudo que pertence a Deus - Sua palavra, Seu dia, Suas ordenanças, Seu povo, Sua casa. Os cristãos amam tudo o que pertence ao seu Mestre. As próprias pegadas de Seus passos são preciosas para eles. "Seu nome é como unguento derramado" (Cânticos 1. 3). Não são muitos aqueles que se contentam em ir à igreja, ou ir à capela, ou ir à mesa do Senhor. Eles vão além disso. Eles "vêm a Deus" e vivem em comunhão com Deus.

Mas, mais do que isso, os verdadeiros cristãos vêm a Deus de uma certa maneira peculiar. Eles vêm a Deus por Cristo - sem implorar de nenhuma outra forma, sem mencionar nenhum outro nome, sem confiar em nenhuma outra justiça, sem se apoiar em nenhum outro fundamento senão este - que Jesus viveu, Jesus morreu, Jesus ressuscitou por suas almas.

Eu, o chefe dos pecadores sou, 

Mas Jesus morreu por mim! [1]

É assim que o verdadeiro cristão se aproxima de Deus.

O caminho que estou falando é um caminho antigo. Tem quase 6000 anos. Todos os que já foram salvos se aproximaram de Deus dessa maneira. Desde Abel, o primeiro santo que entrou no Paraíso, até a última criança que morreu esta manhã, todos eles vieram a Deus somente por Jesus Cristo. “Ninguém vem ao Pai senão por Cristo” (João 14. 6).

É um bom caminho. É fácil para o sábio do mundo zombar e ridicularizar isso. Mas, com toda a inteligência e sabedoria do homem, nunca inventaram um meio mais perfeito, mais adequado às nossas necessidades e que suportasse mais completamente toda investigação justa e razoável. Tem sido para o judeu uma pedra de tropeço; foi tolice para o grego. Mas todos os que conheceram seus corações e compreenderam o que Deus exige, acharam o caminho feito por Jesus Cristo um caminho bom e um caminho que resiste ao exame mais completo que pode ser feito quanto à sua sabedoria. N'Ele, eles encontram justiça e misericórdia reunidas, retidão e paz se beijando; Deus um Deus santo, porém amoroso, bondoso e misericordioso; o homem se reconhece um pobre pecador fraco, mas se aproxima de Deus com ousadia, tendo acesso com confiança, olhando para o Seu rosto sem medo, e vendo-O em Cristo, seu Pai e seu Amigo.

Não menos importante, é um caminho experimentado. Milhares e dezenas de milhares já andaram nele, e nenhum de todos eles jamais perdeu o céu. Apóstolos, profetas, patriarcas, mártires, primeiros pais, reformadores, puritanos, povo de Deus em todas as épocas e de todos os povos e línguas - pessoas sagradas de nossos dias, pessoas como Simeon, Bickersteth, Havelock [2] - todos caminharam dessa maneira . Eles tiveram suas batalhas para lutar e seus inimigos para enfrentar. Eles tiveram que carregar a cruz e encontraram leões em seu caminho. Eles tiveram que caminhar pelo vale da sombra da morte e lutar com Apolion. Eles tiveram que atravessar finalmente o rio escuro e frio; mas eles caminharam com segurança para o outro lado e entraram com alegria na cidade celestial. E agora todos eles estão esperando que sigamos seus passos, os sigamos e compartilhemos de sua glória.

É assim que quero que cada leitor deste artigo se aproxime. Quero que você "achegue-se a Deus por Jesus Cristo". Que não haja engano quanto ao objetivo que os verdadeiros ministros do Evangelho têm em vista. Não somos designados meramente para realizar um certo ciclo de ordenanças - fazer orações, batizar os batizados, enterrar os enterrados, casar os casados. Somos designados com o grande propósito de proclamar o único caminho de vida verdadeiro e convidar você a segui-lo. Queremos persuadi-lo, pela bênção de Deus, a andar nesse caminho - o caminho experimentado, o bom caminho, o velho caminho - e a conhecer a "paz que ultrapassa todo o entendimento", que só dessa forma pode ser encontrada.


II. Passo agora ao segundo ponto que pretendo considerar. O texto que encabeça este documento fala da obra que o Senhor Jesus Cristo sempre está fazendo em favor dos verdadeiros cristãos. Peço atenção especial a este ponto. É de profunda importância para nossa paz e para o estabelecimento de nossas almas na fé cristã.

Há uma grande obra que o Senhor Jesus Cristo fez e terminou completamente. Essa obra é a obra de expiação, sacrifício e substituição. É a obra que Ele fez quando “padeceu pelo pecado, o justo pelos injustos, para nos levar a Deus” (1 Pedro 3. 18). Ele nos viu arruinados pela queda - um mundo de pecadores pobres, perdidos e naufragados. Ele viu e teve pena de nós; e, em conformidade com os conselhos eternos da Trindade Eterna, Ele desceu ao mundo para sofrer em nosso lugar e para nos salvar. Ele não se sentou no céu tendo pena de nós à distância. Ele não parou na praia e viu os destroços, e viu pobres pecadores se afogando lutando em vão para chegar à praia. Ele próprio mergulhou nas águas! Ele desceu aos destroços e participou conosco de nossas fraquezas e enfermidades, tornando-se um homem para salvar nossas almas. Como homem, Ele carregou nossos pecados e carregou nossas transgressões. Como homem, Ele suportou tudo o que o homem pode suportar, e passou por tudo na experiência do homem, exceto o pecado. Como homem Ele viveu; como homem Ele foi para a cruz; como homem Ele morreu. Como homem, Ele derramou Seu sangue, a fim de que pudesse nos salvar, pobres pecadores naufragados, e estabelecer uma comunicação entre a terra e o céu! Como homem, Ele se tornou uma maldição por nós, a fim de que pudesse transpor o abismo e abrir um caminho pelo qual você e eu possamos nos aproximar de Deus com ousadia e ter acesso a Deus sem medo. Em toda essa obra de Cristo, lembre-se, havia mérito infinito, porque Aquele que o fez não foi apenas o homem, mas Deus. Que isso nunca seja esquecido! Aquele que operou nossa redenção era um homem perfeito; mas Ele nunca deixou por um momento de ser o Deus perfeito.

Mas há outra grande obra que o Senhor Jesus Cristo ainda está fazendo. Essa obra é a obra de intercessão. A primeira obra de expiação Ele fez de uma vez por todas: nada pode ser adicionado a ela; nada pode ser tirado dela. Foi uma obra consumada e perfeita, quando Cristo ofereceu o sacrifício na cruz. Nenhum outro sacrifício precisa ser oferecido, além do sacrifício feito uma vez pelo Cordeiro de Deus, quando Ele derramou Seu próprio sangue no Calvário. Mas a segunda obra Ele está sempre realizando à destra de Deus, onde Ele intercede por Seu povo. A primeira obra que Ele fez na terra quando morreu na cruz: a segunda obra Ele realiza no céu, à direita de Deus Pai. A primeira obra Ele fez por toda a humanidade e oferece o benefício dela a todo o mundo. A segunda obra Ele continua e realiza única e inteiramente em favor de Seus próprios eleitos, Seu povo, Seus servos crentes e Seus filhos.

Como nosso Senhor Jesus Cristo realiza esta obra? Como devemos compreender e entender qual é o significado da intercessão de Cristo? Não devemos nos intrometer precipitadamente nas coisas invisíveis. Não devemos "precipitar-nos onde os anjos temem pisar". No entanto, podemos obter uma vaga ideia da natureza dessa intercessão contínua que Cristo vive para fazer em favor de Seu povo crente.

Nosso Senhor Jesus Cristo está fazendo por Seu povo a obra que o sumo sacerdote judeu da antiguidade fazia em favor dos israelitas. Ele está agindo como o gerenciador, o representante, o mediador em todas as coisas entre o Seu povo e Deus. Ele está sempre apresentando em nome deles Seu próprio sacrifício perfeito e Seu mérito todo-suficiente diante de Deus Pai. Ele está sempre obtendo suprimentos diários de nova misericórdia e de nova graça para Seus pobres e fracos servos, que precisam de misericórdia diária para os pecados diários, e de graça diária para as necessidades diárias. Ele sempre ora por eles. Assim como Ele orou por Simão Pedro na terra, então, em certo sentido misterioso, creio que Ele ora por Seu povo agora. Ele apresenta seus nomes diante de Deus Pai. Ele carrega seus nomes em Seu coração, o lugar de amor, e em Seu ombro, o lugar de poder - como o sumo sacerdote carregava os nomes de todas as tribos de Israel, da menor à maior, quando ele usava suas vestes do ofício. Ele apresenta suas orações diante de Deus. Eles sobem diante de Deus, o Pai, mesclados com a intercessão prevalecente de Cristo e, portanto, são aceitáveis ​​aos olhos de Deus. Ele vive, em uma palavra, para ser o amigo, o advogado, o sacerdote, o agente prevalecente de todos os que são Seus membros aqui na terra. Como seu irmão mais velho, Ele age por eles; e tudo o que suas almas requerem, Ele, na corte do céu, vive sempre a interceder por eles.

Algum leitor deste artigo precisa de um amigo? Em um mundo como este, quantos corações existem que deveriam responder a esse apelo! Quantos há que sentem: "Estou sozinho!". Quantos encontraram um ídolo quebrado após o outro, um cajado caindo após o outro, uma fonte secando após a outra, enquanto viajavam pelo deserto deste mundo. Se há alguém que deseja um amigo, que este veja à direita de Deus um amigo infalível, o Senhor Jesus Cristo. Que este alguém repouse sua cabeça dolorida e seu coração cansado no seio daquele amigo infalível, Jesus Cristo, o Senhor. Há alguém que vive à destra de Deus de ternura incomparável. Há alguém que nunca morre. Há alguém que nunca falha, nunca decepciona, nunca abandona, nunca muda de ideia, nunca termina uma amizade. Esse, o Senhor Jesus, recomendo a todos os que precisam de um amigo. Ninguém em um mundo como este, um mundo caído, um mundo que consideramos cada vez mais estéril a cada ano que vivemos - ninguém precisa ficar sem amigos enquanto o Senhor Jesus Cristo vive para interceder à direita de Deus.

Algum leitor deste artigo precisa de um sacerdote? Não pode haver religião verdadeira sem um sacerdote, e não pode haver salvação do Cristianismo sem um confessionário. Mas quem é o verdadeiro sacerdote? Onde está o verdadeiro confessionário? Só existe um verdadeiro sacerdote - e esse é Cristo Jesus, o Senhor. Há apenas um confessionário real - e esse é o trono da graça, onde o Senhor Jesus espera para receber aqueles que vêm a Ele para desafogar seus corações em Sua presença. Não podemos encontrar melhor sacerdote do que Cristo. Não precisamos de outro sacerdote. Por que precisamos recorrer a qualquer sacerdote na terra, enquanto Jesus é selado, ungido, nomeado, ordenado e comissionado por Deus Pai, e tem um ouvido sempre pronto para ouvir e um coração sempre pronto para sentir pelos pobres filhos pecadores de homens? O sacerdócio é sua prerrogativa legítima. Ele não atribuiu esse cargo a nenhum outro. Ai de todo aquele na terra que se atrever a roubar a Cristo de Sua prerrogativa! Ai do homem que assume o cargo que Cristo detém em Suas próprias mãos, o qual ele nunca transferiu a ninguém nascido de Adão, sobre a face do globo!

Jamais percamos de vista esta poderosa verdade do Evangelho - a intercessão e o ofício sacerdotal de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Creio que uma compreensão firme desta verdade é uma grande salvaguarda contra os erros da Igreja de Roma. Creio que perder de vista essa grande verdade é uma das principais razões pelas quais tantos se afastaram da fé em alguns lugares, abandonaram o credo de seus antepassados protestantes e voltaram para as trevas de Roma. Uma vez firmemente estabelecido nesta poderosa verdade - que temos um Sacerdote e altar, que temos um Intercessor infalível, que nunca morre, e que vive, e que não transferiu Seu ofício para ninguém - veremos que não precisamos nos desviar para nenhum outro lugar. Não precisamos cavar para nós mesmos cisternas rompidas que não retêm água, quando temos no Senhor Jesus Cristo uma fonte de águas vivas, sempre fluindo e livre para todos. Não precisamos buscar nenhum sacerdote humano na terra, quando temos um sacerdote divino vivendo por nós no céu.

Tenhamos cuidado de não considerar o Senhor Jesus Cristo, apenas como alguém que está morto. Aqui, eu creio, muitos erram grandemente. Eles pensam muito em Sua morte expiatória, e é certo que assim façam. Mas não devemos parar por aí. Devemos lembrar que Ele não apenas morreu e foi para a sepultura, mas que ressuscitou e subiu ao alto, levando cativo o cativeiro [3]. Devemos lembrar que Ele está agora sentado à destra de Deus, para fazer uma obra tão real, tão verdadeira, tão importante para nossas almas, como a obra que Ele fez quando derramou Seu sangue. Cristo vive e não está morto. Ele vive tão verdadeiramente quanto qualquer um de nós. Cristo nos vê, nos ouve, nos conhece e está agindo como um sacerdote no céu em nome de Seu povo crente. O pensamento de Sua vida deve ter um lugar tão grande e importante em nossa alma quanto o pensamento de Sua morte na cruz.


III. Considerarei agora, em terceiro lugar, as conclusões confortáveis que o apóstolo constrói sobre a intercessão eterna do Senhor Jesus Cristo. Precisamos de muito conforto e consolo em um mundo como este. Não é fácil para um homem carregar a cruz e alcançar o céu. Existem muitos inimigos a serem encontrados e vencidos. Frequentemente, temos que ficar sozinhos. Temos nos melhores momentos, poucos conosco e muitos contra nós. Precisamos de revigoramento e "forte consolo" para nos sustentar e nos animar, e para nos proteger de se esvair no caminho, enquanto viajamos do Egito para Canaã. O apóstolo parece profundamente consciente de tudo isso nas palavras que usa. Ele diz: "Ele é capaz de salvar ao máximo", salvar perfeitamente, salvar completamente, salvar eternamente, "todos os que por ele vêm a Deus, porque Ele vive para sempre para interceder por eles".

Eu poderia dizer muito sobre a expressão gloriosa que está diante de nós. Mas eu desisto. Vou apenas apontar alguns dos pensamentos que devem surgir em nossas mentes quando ouvimos sobre a capacidade de Cristo de "salvar ao máximo". Não tenho espaço para me alongar sobre eles. Prefiro ressaltá-los como sugestões, a fim de fornecer assunto para a meditação privada de todos que leem este artigo.

(1) Pensemos, por um lado, que Cristo é capaz de salvar completamente, não obstante os pecados anteriores de qualquer crente. Esses velhos pecados nunca mais aumentarão, nem se levantarão para condenar o filho de Deus. Pois o que diz a Escritura, "Cristo não entrou no santuário feito por mãos, mas no próprio céu, para agora comparecer por nós diante de Deus" (Hebreus 9. 24). Cristo, para usar uma frase legítima, está sempre "presente" no tribunal do céu em nome daqueles que creem n'Ele. Não há um ano, nem um mês, nem um dia, nem uma hora, nem um minuto em que Aquele que vive na presença de Deus não esteja presente ali em nome de todos os santos. Cristo está sempre presente diante de Deus Pai em nome dos homens e mulheres que creem n'Ele. Seu sangue e Seu sacrifício estão sempre à vista de Deus. Sua obra, Sua morte, Sua intercessão estão sempre ressoando nos ouvidos de Deus Pai.

Lembro-me de ter lido um relato da história antiga que pode ajudar a ilustrar a verdade sobre a qual estou me referindo agora. É a história de alguém que foi levado a julgamento por pena capital, em Atenas, logo após a grande batalha de Maratona. Naquela famosa batalha, os atenienses preservaram, com sua bravura, a liberdade para seu pequeno Estado, contra os poderosos exércitos dos persas. Entre os que se destacaram muito, o irmão do prisioneiro foi um deles e foi gravemente ferido na luta. O homem foi levado a julgamento. As provas contra ele eram fortes e irrespondíveis: parecia não haver chance do prisioneiro escapar da condenação. De repente, apareceu alguém que pediu para ser ouvido em seu nome. E quem era esse? Era seu próprio irmão. Quando ele foi questionado sobre quais provas ele tinha que dar, ou que razão ele tinha para mostrar por que o prisioneiro no tribunal não deveria ser considerado culpado, ele simplesmente levantou os braços mutilados - nada além de tocos - as mãos completamente cortadas, o restando apenas os tocos feridos. Foi reconhecido como o homem que, na batalha de Maratona, fez prodígios de valor e a serviço do Estado perdeu as mãos. Com essas feridas, ele ajudou a conquistar a vitória que ainda ressoava nos ouvidos atenienses. Essas feridas foram as únicas evidências que ele apresentou. Essas feridas foram o único argumento que ele apresentou, mostrando o motivo pelo qual seu irmão deveria ser solto e a sentença não deveria ser proferida sobre ele. E a história afirma que por causa dessas feridas - por causa de tudo o que seu irmão havia sofrido - o prisioneiro foi absolvido. O caso foi encerrado imediatamente e o prisioneiro obteve sua liberdade. Da mesma maneira, as feridas do Senhor Jesus Cristo estão sempre diante de Deus Pai. As marcas de pregos em Suas mãos e pés; as marcas da lança em Seu lado; as marcas de espinhos em Sua testa; as marcas de tudo o que Ele sofreu como um Cordeiro imolado, estão, em certo sentido, sempre diante de Deus o Pai no paraíso. Enquanto Cristo estiver no céu, os antigos pecados do crente nunca se levantarão em julgamento contra ele. Cristo vive, e esses velhos pecados não o condenarão. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(2) Pensemos, uma vez mais, que Cristo é capaz de salvar ao máximo, apesar de toda a fraqueza presente de Seu povo crente. O quão grande é essa fraqueza, o tempo me faltaria para mostrar. Há muitos filhos de Deus que conhecem a amargura de seu coração, que lamentam com forte clamor e lágrimas suas deficiências, sua falta de lucro e os escassos frutos que produzem. Mas vamos nos consolar nas palavras de João: "Se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai" - sempre presente com o Pai, "Jesus Cristo, o Justo - e Ele é o sacrifício expiatório pelos nossos pecados" (1 João 2. 1). Essas fraquezas podem muito bem nos humilhar. Essas enfermidades podem muito bem nos fazer andar suavemente diante de nosso Deus. Mas enquanto o Senhor Jesus Cristo vive, essas enfermidades não precisam nos deixar totalmente desesperados. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(3) Pensemos, também, que Jesus Cristo é capaz de salvar ao máximo, apesar de todas as provações que os crentes têm de passar. Ouça o que o apóstolo Paulo diz a Timóteo: "Eu sofro, mas não me envergonho, porque sei em quem cri e estou certo de que ele é capaz de guardar o que lhe cometi para aquele dia" (2 Timóteo 1. 12). Enquanto Jesus Cristo viver, o crente no Senhor Jesus Cristo pode ter a certeza de que nenhuma aflição poderá romper a união entre ele e sua Cabeça ressuscitada. O crente pode sofrer muito e ser severamente provado. Mas enquanto Cristo viver, ele nunca será abandonado. Nem pobreza, nem doença, nem luto, nem separações, jamais separarão Jesus e Seu povo crente. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(4) Pensemos, novamente, que Cristo é capaz de salvar ao máximo, não obstante todas as perseguições pelas quais os crentes têm de passar. Veja o que é dito de Paulo, quando ele encontrou muita oposição em Corinto. É-nos dito que o Senhor ficou com ele durante a noite, e disse: "Não tenha medo, mas fale e não se cale; porque Eu estou com você e ninguém vai o atacar para fazer mal a você, pois Eu tenho muita gente nesta cidade” (Atos 18. 9-10). Lembre-se do que Ele disse a Paulo no passado, antes de sua conversão, quando o encontrou no caminho para Damasco: "Saulo, Saulo, por que você me persegue?" (Atos 9. 4). Cada injúria feita ao crente é uma injúria feita à Cabeça viva no céu. Cada perseguição que caiu sobre a cabeça do pobre filho de Deus aqui é conhecida, sentida e, devo acrescentar com toda a reverência, ressentida por nosso Grande Irmão mais velho, que está sempre vivo para interceder por nós. Cristo vive e, portanto, os crentes, embora perseguidos, não serão destruídos. “Em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou” (Romanos 8. 37). Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(5) Pensemos, novamente, que Cristo é capaz de salvar completamente, não obstante todas as tentações do diabo. Lembre-se daquela famosa passagem do Evangelho de Lucas, onde nosso Senhor, falando com Pedro, diz: "Simão, Simão, na verdade, Satanás pediu por você, para que ele pudesse peneirar você como o trigo. Mas eu orei por você, para que sua fé não desfaleça; e quando você voltar para mim, fortaleça seus irmãos” (Lucas 22. 32). Certamente podemos crer que uma intercessão como essa ainda existe. Essas palavras foram ditas como um emblema do que o Senhor sempre está fazendo em favor de Seu povo crente. Satanás, o príncipe deste mundo, está sempre "andando ao redor como leão que ruge, procurando a quem possa devorar" (1 Pedro 5. 8). Mas Cristo vive; e, bendito seja Deus, enquanto Cristo viver, Satanás não poderá vencer a alma que n'Ele crê. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(6) Pensemos, novamente, que Cristo é capaz de salvar completamente, não obstante o aguilhão da morte e tudo o que a morte traz consigo. Até Davi poderia dizer: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal; porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam” (Salmo 23. 4). No entanto, Davi viu através de um vidro sombrio, em comparação com um cristão crente. Pode chegar a hora em que os amigos não poderão mais nos fazer bem; em que os servos fiéis não poderão mais atender às nossas necessidades; em que todo esse amor, bondade e afeição que alivia a dor e torna a última jornada o mais fácil possível, não poderá mais nos prestar qualquer serviço. Mas então o pensamento de que Cristo vive - Cristo intercedendo, Cristo cuidando de nós, Cristo à destra de Deus por nós - deve nos alegrar. O aguilhão da morte será tirado do homem que se apoia em um Salvador moribundo e também vivo. Cristo nunca morre. Por meio da fé naquele Salvador vivo, teremos uma vitória completa. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(7) Pensemos, novamente, que Cristo é capaz de salvar ao máximo, não obstante os terrores do dia do julgamento. Observe como Paulo repousa sobre isso no oitavo capítulo da Epístola aos Romanos - naquela maravilhosa conclusão daquele maravilhoso capítulo - um capítulo inigualável na Palavra de Deus com relação aos privilégios, começando com "nenhuma condenação" e concluindo com "nenhuma separação!". Observe como ele insiste na intercessão de Cristo em conexão com o julgamento do último dia. Depois de dizer: "Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem justifica", ele continua, "Quem é aquele que condena? É Cristo que morreu, sim, antes, que ressuscitou, que está à direita de Deus, que também intercede por nós" (Romanos 8. 33, 34). O pensamento da intercessão de Cristo, não menos do que Sua morte e ressurreição, foi uma base da confiança do apóstolo Paulo em esperar aquele grande dia. Seu forte consolo era a lembrança de um Cristo vivo. Esse consolo é para nós e também para Paulo. Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

(8) Pensemos, por último e acima de tudo, que Cristo pode salvar perfeitamente por toda a eternidade. "Eu sou Aquele", diz Ele, "que vive e estava morto; e eis que estou vivo para sempre" (Apocalipse 1. 18). Cristo, a raiz do crente, nunca morre, e os ramos, portanto, nunca morrerão. Cristo sendo "ressuscitado dos mortos, não morre mais; a morte não tem mais domínio sobre ele" (Romanos 6. 9). Ele vive para que todos os que nele confiam recebam honra e glória por toda a eternidade; e porque Ele vive, Seu povo crente nunca morrerá. “Porque eu vivo”, para usar suas próprias palavras, “vocês também viverão” (João 14. 19). Temos um Sacerdote sempre vivo e intercessor. Cristo não está morto, mas vivo.

Você saberia o segredo da segurança para a perseverança do próprio povo de Deus? Você saberia por que as ovelhas de Cristo nunca perecerão e ninguém jamais as arrancará de Suas mãos? É algo milagroso. Quando você olha para o coração do crente, ouve as orações do crente, percebe as confissões do crente - quando você vê como um homem justo pode cair, às vezes sete vezes - quando você vê, em tudo isso, a perseverança do crente, é realmente uma maravilha. Carregar uma vela em uma noite tempestuosa, quando ventos e rajadas sopram de todos os cantos - carregá-la ainda acesa, continuamente acesa ao longo da rua - é uma conquista maravilhosa. Atravessar um mar tempestuoso em um pequeno barco - subir onda após onda e não ver as ondas quebrando e derrubando o barco - isso é quase um milagre. Ver uma criança cambaleando pela rua movimentada, uma criança de cerca de três ou quatro anos - vê-la cambaleando e caminhando em segurança, de um extremo a outro da cidade - é uma grande maravilha. Mas, afinal, o que é isso senão a vida, a história e a experiência de todo verdadeiro cristão? Embora ele caia, ele se levanta novamente; embora ele seja abatido, ele não é destruído. Ele vai de uma posição para outra, como a lua em uma noite tempestuosa, mergulhando de uma nuvem para outra, mas aos poucos brilhando novamente e caminhando em seu esplendor. Qual é o segredo de tudo isso? É a intercessão contínua de um Amigo poderoso à destra de Deus - um Amigo que nunca dorme - um Amigo que cuida do crente, de manhã, ao meio-dia e à noite. A intercessão de Cristo é o segredo da perseverança do cristão.

Faremos bem em estudar as palavras do Apóstolo no capítulo 5 de Romanos: "Muito mais então", diz ele, "sendo agora justificados pelo Seu sangue, seremos salvos da ira por Ele. Pois se, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, sendo reconciliados, seremos salvos pela Sua vida”. Marque a conexão: "Sendo já justificados por Sua morte, seremos salvos" - e salvos por quê? “Pela Sua vida”, pelo Seu viver sempre para fazer intercessão por nós (Romanos 5. 10). Sábia e bela é a comparação feita por aquele mestre da alegoria, John Bunyan, em "O Peregrino". Ele nos conta como Cristão foi levado para a casa do Intérprete e como o Intérprete lhe mostrou muitas coisas maravilhosas e instrutivas. Neste lugar, ele o levou para uma sala onde havia um fogo aceso, e mostrou-lhe um vazamento que sempre derramava água sobre o fogo, mas a água não apagava o fogo. Por mais que despejasse água, o fogo continuava queimando continuamente! Então disse o Intérprete: "Você sabe o que isso significa?". Por Cristão não saber, ele o levou para trás do fogo e mostrou-lhe um vazamento derramando óleo de um vaso. Esse óleo alimentava o fogo e fazia com que ele queimasse com mais intensidade, apesar de toda a água que era derramada sobre ele. Então o Intérprete disse-lhe que esta era uma imagem da intercessão de Jesus Cristo. Esse fogo era o fogo da graça no coração do crente. Aquele que derramava a água era o inimigo das almas, era o diabo. Mas Aquele que derramava o óleo, estando atrás do fogo, era o Senhor Jesus Cristo, que por intercessão contínua e o suprimento de Seu Espírito, secretamente e invisível ao homem, manteve viva Sua própria obra no coração do crente, e não permitiu Satanás e todos os seus agentes obter uma vitória sobre ele.

Você saberia o segredo da ousadia do crente na oração? É uma maravilha como um homem que sente seu pecado tão profundamente quanto o crente, pode falar com a confiança que o crente frequentemente faz. Como alguém que reconhece que é "infeliz, miserável, pobre, cego, nu", arruinado, perdido; que muitas vezes faz o que não deveria fazer, deixa por fazer o que deveria fazer e não encontra saúde espiritual nele; como tal pessoa pode ir diante de Deus com confiança, abrir seu coração diante d'Ele livremente, pedir d'Ele o que ele requer dia após dia e não sentir medo - isso é realmente maravilhoso. Qual é o segredo disso? É a intercessão de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, por meio da qual o verdadeiro cristão sabe que suas orações são feitas aceitáveis ​​e recebidas no tribunal do céu. Qual é a oração do crente em si? Uma coisa pobre e fraca, incapaz de se erguer acima do solo. Não sei de nada que seja mais parecido do que uma nota de banco sem a assinatura no final. Qual é o valor daquela nota de banco sem a assinatura? Nada mesmo. Uma vez que algumas poucas letras sejam traçadas a tinta no final daquela nota, e aquilo que era um pedaço de papel desperdiçado alguns momentos antes, passa a valer, talvez, muitas centenas de libras, através da assinatura anexada a ela. Assim é com a intercessão de Cristo. Ele assina, endossa e apresenta as petições do crente; e por meio de Sua intercessão prevalecente, eles são ouvidos no alto e trazem bênçãos sobre a alma do cristão.

Você saberia o segredo do conforto diário em todas as labutas, negócios e distrações pelas quais temos que passar? Todos nós sabemos que aqueles que têm que fazer o trabalho em qualquer vocação secular, acham o trabalho muitas vezes um fardo dolorido para sua alma. Muitas vezes, pela manhã, eles pensam: "Como posso passar este dia sem uma consciência contaminada, sem ser dolorosamente perturbado e tentado a esquecer o meu Deus?". Como pode um homem passar o dia com conforto, preencher seu cargo no mundo, cumprir seu dever na posição para a qual Deus o chamou? Que ele se apodere da intercessão de Jesus Cristo. Deixe-o compreender o grande pensamento de que Cristo não apenas morreu por ele, mas ressuscitou e ainda vive para ele.

É registrado sobre um soldado cristão, que morreu nas guerras da Commonwealth, que uma oração comum dele antes de deixar sua tenda era algo desse tipo: "Senhor, vou hoje cumprir o dever para o qual fui chamado. Posso às vezes me esquecer de Ti. Não posso ter meus pensamentos em todos os momentos tão totalmente fixos em Ti como desejo. Mas, Senhor, se hoje me esquecer de Ti, que não se esqueças de mim". Este é o tipo de pensamento que todo crente deve adotar, pois tem muito o que fazer nos negócios deste mundo. Levantando-se da cama pela manhã, saindo do quarto todas as manhãs, saindo de casa todas as manhãs, que o homem tenha em mente: "Há Alguém que vive no céu que intercede por mim, enquanto eu estou seguindo meu chamado legítimo. Embora eu possa ser absorto nos negócios, e obrigado a desistir de todas as forças da minha pobre mente débil, ainda vive Aquele que nunca se esquece de mim". Ele pode dizer, como o velho soldado disse: "Senhor, se hoje eu te esquecer, não se esqueças de mim".

Por último, você saberia o segredo do conforto em esperar aquele céu para onde todo crente deseja ir? Eu creio que existem poucos filhos de Deus que, por vezes, se sentem ansiosos, incomodados e abatidos, quando pensam silenciosamente sobre a morada eterna para a qual estão viajando. A natureza, a maneira, as ocupações, sua aparente incapacidade para lidar com isso, às vezes deixam suas mentes perplexas. Esses pensamentos às vezes passam pela mente do crente, especialmente em tempos de doença, enchendo-o de peso e fazendo seu coração afundar. Agora, eu não conheço nenhum remédio contra esses pensamentos que possa ser comparado à lembrança da intercessão contínua do Senhor e Salvador Jesus Cristo. Cristo foi ao céu para ser o "precursor" de um povo que O seguirá. Ele partiu "para preparar um lugar para eles"; e o lugar para onde Ele vai é o lugar para onde Seu povo deverá passar. Quando lá forem, encontrarão todas as coisas prontas, um lugar para todos e um lugar conveniente e adequado também, por intercessão de seu Senhor e Salvador. Nunca haverá um tempo em que sua companhia não seja apreciada no céu. Nunca haverá um tempo em que seus antigos pecados - os pecados de sua juventude e suas apostasias, sua maldade antes da conversão, sua devassidão, ou seja, antes que a graça de Deus entrasse em seus corações - nunca haverá um dia em que todos esses pecados virão contra eles e os farão sentir-se embaraçados e envergonhados no céu. Cristo estará no centro. Cristo sempre intercederá por eles. Onde Cristo estiver, lá estará o Seu povo. Onde Ele mora, Seu mérito perfeito, Sua justiça imaculada, Sua intercessão, os tornará perfeitos aos olhos de Deus Pai. Eles estarão no céu, vistos em Cristo, vestidos em Cristo, membros de Cristo, parte de Cristo, e assim possuirão um título firme, sólido e eterno para as alegrias eternas que hão de vir.


Vou agora concluir este artigo com algumas palavras de aplicação a todos em cujas mãos ele possa cair. O desejo do meu coração e a oração a Deus é que as palavras que tenho escrito ainda possam dar frutos em algumas almas. Para que o façam, ofereço algumas palavras de exortação fiel e afetuosa.

(1) Gostaria de aconselhar, primeiro, a todos os que estão ansiosos e preocupados com a salvação de suas almas, mas não sabem o que fazer. Se você é tal pessoa, eu te ordeno e rogo, eu te suplico e te convido, a entrar no caminho de que tenho falado neste artigo. Eu imploro que você vá a Deus pelo velho e provado caminho - o caminho da fé em Jesus Cristo. Aproxime-se de Deus, suplicando em nome de Jesus. Comece hoje mesmo a clamar fortemente a Deus, em nome de Jesus, em nome de sua alma. Não diga que você tem algo a defender de si mesmo. Você não tem nada a exigir. Sua vida, seus pensamentos, seus caminhos - todos igualmente o condenam. Não diga nada sobre você, exceto isto - que você é um pecador, um grande pecador, um pecador culpado, um pecador condenado; mas por você ser um pecador, você se volta para Deus. Venha a Ele em nome de Jesus, dizendo que você já ouviu falar que por meio de Jesus um pecador pode chegar perto d'Ele. Diga a Ele que você é um pecador, um grande pecador e indigno. Mas diga a Ele que você vem pela fé em Suas promessas, na confiança de Seu próprio convite bíblico; e em nome de Jesus, e por causa e consideração de Jesus, você pede para ser recebido, ouvido, perdoado, redimido e aceito. Diga a Ele que deseja que o seu nome - mesmo aquele seu nome ligado até agora ao mundanismo, à negligência, ao descuido e ao pecado - seja adicionado à lista dos queridos filhos de Deus.

Você diz que tem medo de ir a Deus? Seu medo é desnecessário. Você não será expulso, se quiser, mas entrará no caminho da fé em Cristo. Nosso Deus não é "um homem austero". Nosso Pai Celestial é cheio de misericórdia, amor e graça. Não me rendo a ninguém no desejo de exaltar o amor, misericórdia e ternura de Deus Pai. Jamais concederei, por um momento, que o que é chamado de ministério evangélico não aumentará a misericórdia, o amor e a compaixão de Deus Pai tanto quanto qualquer ministério na terra. Sabemos que Deus é santo. Nós sabemos que Ele é justo. Cremos que Ele está zangado com aqueles que ainda continuam no pecado. Mas também cremos que para aqueles que se aproximam d'Ele em Cristo Jesus, Ele é muito misericordioso, amoroso, terno e compassivo. Nós dizemos a você que a cruz de Jesus Cristo foi o resultado e consequência desse amor. A cruz não foi a causa e razão da misericórdia de Deus, mas o resultado e consequência do amor eterno de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo por um mundo pobre, perdido e falido. Aproxime-se do Pai com fé, por esse caminho vivo, Cristo Jesus. Não pense por um momento - o pensamento indigno nunca se provará verdadeiro - que, ao aproximar-se de Deus Pai por Cristo, Deus Pai não o receberá. Ele o receberá de bom grado. Como o pai fez com o filho pródigo quando ele correu para encontrá-lo - caiu em seu pescoço e o beijou, o mesmo fará Deus Pai àquela alma que se aproxima d'Ele em nome de Cristo.

(2) Em seguida, gostaria de alegrar os leitores que andaram pelo caminho de Deus, mas têm medo de cair. Por que você deveria ter medo? O que deve fazer você temer? O que deve fazer você supor que algum dia poderá cair, enquanto Jesus Cristo vive à destra de Deus para interceder por você? Todo o poder do Senhor Jesus Cristo está empenhado em seu favor. Ele se comprometeu a cuidar de todo o rebanho que Deus Pai confiou em Suas mãos. Ele cuidará dele. Ele cuidou dele. Ele foi à cruz por ele. Ele morreu por ele. Ele está sempre à destra de Deus e não parou de cuidar dele. Cada membro desse rebanho - o mais débil, o mais fraco cordeiro ou ovelha - é igualmente querido pelo Senhor e Salvador, e ninguém deve arrancar a menor das ovelhas de Cristo da mão de Deus. Você pode parar as marés do mar e fazê-las não subir ao seu comando? Você pode fazer as águas pararem quando a maré começar a subir? Você pode impedir que o sol no céu se ponha no oeste, ou impedir que o mesmo sol nasça amanhã de manhã no leste? Você não pode fazer isso - essas coisas são impossíveis. E todo o poder dos demônios, todo o poder do mundo e todos os inimigos do cristão não serão capazes de arrancar da mão de Jesus Cristo uma única alma que foi trazida pelo ensino do Espírito à verdadeira união com Cristo, e por quem Jesus Cristo intercede. Os dias de fraqueza de Cristo já passaram. Ele foi "crucificado por fraqueza" e estava fraco por nossa causa quando foi para a cruz (2 Coríntios 13. 4). Os dias de Sua fraqueza acabaram - os dias de Seu poder começaram. Pilatos não mais O condenará - Ele virá para condenar Pilatos. Todo poder é Seu no céu e na terra, e todo esse poder está empenhado em favor de Seu povo crente.

(3) Finalmente, deixe-me alegrar todos os crentes que leem este artigo, lembrando-os de que Cristo ainda está para voltar. O Grande Sumo Sacerdote ainda está para sair do Santo dos Santos, para abençoar todas as pessoas que creem n'Ele. Uma parte de Sua obra Ele fez quando morreu na cruz; Ele ainda está fazendo outra parte de Sua obra - intercedendo por nós à destra de Deus. Mas a terceira parte do ofício do Sumo Sacerdote ainda precisa ser feita. Ele ainda tem que sair do Santo dos Santos, como o sumo sacerdote fez no dia da expiação - sair de dentro do véu para abençoar o povo. Essa parte da obra de Cristo ainda está por vir. Ele agora foi para o próprio céu - Ele está dentro do Santo dos Santos: Ele se foi para trás do véu. Mas nosso Grande Sumo Sacerdote - um maior do que Aarão - ainda aparecerá um dia. Ele virá com poder e grande glória. Ele virá da mesma forma que deixou o mundo, quando subiu nas nuvens do céu. Ele virá para reunir do norte e do sul, do leste e do oeste, todos os que amaram o seu nome e o confessaram diante dos povos, todos os que ouviram a sua voz e o seguiram. Ele os reunirá em um grupo feliz. Não haverá mais fraqueza, nem tristeza, nem despedidas, nem separação, nem doença, nem morte, nem disputa, nem controvérsia, nem luta contra o mundo, a carne e diabo. E, o melhor de tudo, chega de pecado. Esse dia será realmente um dia feliz, quando o Sumo Sacerdote vier para fazer a terceira, última e completa parte de Sua obra - abençoar Seu povo crente.

"Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Mesmo assim, vem, Senhor Jesus!" (Apocalipse 22. 20).


 ~

J. C. Ryle

Old Paths, 1877.


Notas:

[1] Trecho do hino "Let the world their virtue boast", de 1742, escrito por Charles Wesley - N.T.

[2] Charles Simeon (1759-1836), Edward Bickersteth (1786-1850) e, possivelmente, Henry Havelock (1795-1857) - N.T.

[3] Uma referência a Efésios 4. 8 - N.T.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: