ad

Homem, um agente moral

Sendo o sistema teológico das Sagradas Escrituras o assunto de nossas investigações, é essencial para nosso compromisso de estabelecer sua autoridade divina. Mas antes que a evidência direta que o caso admite seja aduzida, nossa atenção pode ser proveitosamente ocupada por várias considerações, que fornecem evidência presuntiva em favor das revelações do Antigo e Novo Testamentos. Estes são de tanto peso que não deveriam, com justiça, ser negligenciados; nem pode sua força ser facilmente resistida pelo investigador imparcial.

A agência moral do homem é um princípio do qual muito depende de tal investigação; e, por sua influência sobre a questão em questão, requer nosso primeiro aviso.

Ele é um agente moral capaz de realizar ações morais; e uma ação é tornada moral por duas circunstâncias, que é voluntária e que tem respeito a alguma regra que a determina como boa ou má. "Moral bom e mau", diz John Locke, "é a conformidade ou desacordo de nossas ações voluntárias com alguma lei, pela qual o bem ou o mal são atraídos sobre nós pela vontade ou poder do legislador".

Os termos encontrados em todas as línguas e as leis que foram promulgadas em todos os estados com as penalidades que as acompanham, bem como o elogio ou desaprovação que os homens em todas as épocas expressaram a respeito da conduta uns dos outros, mostram suficientemente que o homem sempre foi considerado como um agente realmente realizando, ou capaz de realizar ações morais, pois como tal ele foi tratado. Ninguém jamais pensou em fazer leis para regular a conduta dos animais inferiores; ou de submetê-los à censura ou aprovação pública.

As regras pelas quais a qualidade moral das ações foi determinada, entretanto, não são apenas aquelas que foram incorporadas à legislação das comunidades civis. Muitas ações seriam julgadas boas ou más, se todos os códigos civis fossem abolidos; e outros são diariamente condenados ou aprovados no julgamento da humanidade, os quais não são de natureza a ser reconhecida pelo direito público. Da natureza moral das ações humanas deve ter havido uma percepção nas mentes dos homens, antes da promulgação das leis. Sobre esta percepção comum toda lei é fundada e reclama o consentimento e apoio da sociedade; pois em todos os códigos legislativos humanos há um apelo expresso ou tácito a princípios previamente reconhecidos, como razões para sua promulgação.

Esta distinção na qualidade moral das ações anteriores ao estabelecimento dos regulamentos civis, e independente deles, pode em parte ser atribuída ao fato de ter sido observado, que certas ações são prejudiciais à sociedade, e que abster-se delas é essencial para sua bem estar. Assassinato e roubo podem ser dados como exemplos. Também foi percebido que tais ações resultam de certas afeições da mente; e a indulgência ou restrição de tais afeições também foi considerada um ato moral. Raiva, vingança e avareza foram considerados males como fontes de injúrias de vários tipos; e humanidade, governo próprio e integridade foram classificados entre as virtudes; e, assim, certas ações e os princípios dos quais elas surgem foram, a partir de seus efeitos sobre a sociedade, determinados como bons ou maus.

Mas também tem sido observado por todo homem que a felicidade individual, tão verdadeiramente quanto a ordem e os interesses sociais, é materialmente afetada por atos particulares e por aqueles sentimentos de coração de tempo que os originam; como, por exemplo, por raiva, malícia, inveja, impaciência, avareza, etc., e que tudo o que os homens civilizados em todos os lugares e em todas as idades concordaram em chamar de VÍCIO, é hostil à saúde do corpo, ou à paz de espírito, ou a ambos. Isso, é verdade, teve pouca influência sobre a conduta humana; mas foi reconhecido pelos poetas, sábios e satíricos de todos os países e é considerado um assunto de experiência universal. Conquanto haja, portanto, na condição moral e nos hábitos do homem algo que o impele ao vício, sem ser corrigido pelas misérias que nunca falha em infligir. Há também algo na constituição da alma humana que torna o vício subversivo de sua felicidade, e algo na lei estabelecida e na natureza das coisas, que torna o vício incompatível com os interesses coletivos dos homens no estado social.

Que seja concedido pelo TEÍSTA que ele não pode negar consistentemente, a existência de um Criador Supremo, de infinito poder, sabedoria, bondade e justiça, que fez os homens e continua a governá-los; e a presunção mais forte é proporcionada pela própria constituição da natureza do homem e pelas relações estabelecidas entre os assuntos humanos, que com tanta constância dissociam a felicidade das paixões viciosas, a saúde da intemperança, a paz, a segurança e a melhoria da sociedade da violência e injustiça, que o curso de ação que melhor assegura a felicidade humana tem a sanção de SUA vontade, ou em outras palavras que ELE, por essas circunstâncias, deu sua autoridade em favor da prática da virtude, e se opôs à prática do vício [1].

Mas embora essa percepção da diferença das ações morais que antecede as leis humanas deva ter sido fortemente confirmada por esses fatos da experiência e por tais observações, não temos razão para concluir que aquelas regras pelas quais a qualidade moral das ações tem, em todas as idades, foram determinados, foram formados apenas a partir de um curso de observação sobre sua tendência de promover ou obstruir a felicidade humana; porque não podemos coletar nem da história nem da tradição que o mundo jamais esteve sem tais regras, embora muitas vezes fossem distorcidas e corrompidas. A evidência de ambos, ao contrário, mostra que até agora essas regras se originaram da observação do que era prejudicial e benéfico para a humanidade, tem havido, entre quase todas as nações, uma referência constante a uma vontade declarada do Deus Supremo, ou de supostas divindades, como a regra que determina o bem ou o mal da conduta dos homens; que a vontade era considerada por eles como uma lei, prescrevendo uma e restringindo a outra sob a sanção, não apenas de sermos deixados às consequências prejudiciais naturais do hábito e prática viciosa na vida presente, ou de continuarmos a desfrutar dos benefícios de obediência na felicidade pessoal e social aqui; mas de recompensa positiva e punição positiva em uma vida futura.

Quem quer que tenha especulado sobre o assunto da moral e da obrigação moral em qualquer época, foi previamente fornecido com essas noções e distinções gerais. Eles estavam no mundo antes dele; e se toda tradição não for uma fábula, se o testemunho de toda a antiguidade, seja encontrado em poetas ou historiadores, não for ilusório, eles estavam no mundo naqueles primeiros períodos em que o grande corpo da raça humana permaneceu perto da residência original das famílias parentais de todas as nações modernas e agora extensas da terra; e naqueles primeiros períodos eles não eram considerados como distinções de mera opinião e consentimento humanos, mas eram investidos de uma autoridade divina.

Temos então diante de nós duas presunções, cada uma de grande peso. PRIMEIRO, que aquelas ações que entre os homens quase universalmente foram julgadas boas, têm a sanção implícita da vontade de nosso sábio e bom Criador sendo encontrada na experiência, e pela constituição de nossa natureza e da sociedade humana, mais conducentes à felicidade humana. E, SEGUNDO, que elas foram originalmente de algum modo ou outro prescritas e ordenadas como sua lei, e seus contrários proibidos.

Se, portanto, houver evidência presuntiva de apenas força comum, de que a regra pela qual nossas ações são determinadas como boas ou más é primariamente uma lei do Criador, todos nós estamos profundamente interessados ​​em determinar onde essa lei existe em sua manifestação mais clara. Pois a ignorância da lei, no todo ou em parte, não será desculpa para a desobediência, se tivermos a oportunidade de nos familiarizar com ela; e um conhecimento preciso da regra pode ajudar nossa prática em casos em que as leis humanas não tomam conhecimento e que o julgamento geral deliberadamente corrompido da humanidade pode ter obscurecido. E se parecer que em muitas coisas ofendemos mais profundamente do que suspeitamos, seja deliberadamente ou por uma ignorância evitável; ou que, por algum acidente comum que se abateu sobre a nossa natureza, perdemos o poder de obediência total sem o uso de meios novos e extraordinários, o conhecimento da regra é da maior consequência para nós, porque por ela podemos ser capacitados para verificar a relação precisa em que estamos com Deus, nosso Criador; os perigos em que incorremos; e os meios de fuga, se houver algum ao nosso alcance.

~

Richard Watson

Institutos Teológicos (1823).



Notas:

[1] "Como as múltiplas aparências do desígnio e das causas finais, na constituição do mundo, provam que ele é obra de uma mente inteligente; assim, as causas finais particulares de prazer e dor, distribuídas entre suas criaturas, provam que estão sob seu governo - o que pode ser chamado de governo natural de criaturas dotadas de bom senso e razão. Isso, no entanto, implica um pouco mais do que parece geralmente considerado quando falamos do governo natural de Deus do mundo. Implica governo do mesmo tipo com aquilo que um mestre exerce sobre seus servos, ou um magistrado civil sobre seus súditos” (Bispo Butler).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: