ad

1 Samuel 1

Elcana e suas esposas.

1Ora, havia um certo homem de Ramataim-Zofim, da região montanhosa de Efraim, cujo nome era Elcana, filho de Jeroão, filho de Eliú, filho de Toí, filho de Zufe, efraimita. 2E ele tinha duas esposas; o nome de um era Ana, e o nome da outra, Penina; e Penina teve filhos, mas Ana não teve filhos. 3E este homem subia da sua cidade anualmente para adorar e sacrificar ao Senhor dos exércitos em Siló. E os dois filhos de Eli, Hofni e Fineias, os sacerdotes do Senhor, estavam lá. 4Quando chegou a hora de Elcana, ele deu a Penina, sua esposa, e a todos os filhos e filhas dela, porções: 5mas a Ana deu uma porção digna; porque ele amava Ana; mas o Senhor calara o seu ventre. 6E a sua adversária também a provocou feridas, para a irritar, porque o Senhor tinha calado o seu ventre. 7E como ele fazia ano após ano, quando ela subia à casa do Senhor, ela a provocava; por isso, chorava e não comia. 8Então seu marido Elcana lhe disse: “Ana, por que chora? Por que você não come? E por que seu coração está triste? Não sou melhor para ti do que dez filhos?”.

 

A promessa de Ana.

9Então Ana se levantou depois de comerem em Siló e depois de beberem. Eli, o sacerdote, sentou-se em uma cadeira, junto a um posto do templo do Senhor. 10E ela estava com amargura de alma, e orou ao Senhor, e chorou abundantemente. 11E ela fez um voto, e disse: “Ó SENHOR dos Exércitos, se realmente olhares para a aflição de Tua serva, e se lembrar de mim, e não esquecer da Tua serva, mas dando à tua serva um filho homem, então eu O entregarei ao Senhor todos os dias da sua vida, e nenhuma navalha cairá sobre sua cabeça”.

12E, continuando a orar diante do Senhor, Eli marcou sua boca. 13No entanto Ana falava em seu coração; apenas seus lábios se moviam, mas sua voz não era ouvida; portanto, Eli pensou que estava bêbada. 14E Eli disse-lhe: “Até quando você ficará bêbada? Afaste o vinho de você”.

15E Ana respondeu e disse: “Não, meu senhor, sou uma mulher de espírito triste; não bebi vinho nem bebida forte, mas derramei a minha alma perante o Senhor. 16Não conte a sua serva como filha de Belial: pois da abundância da minha queixa e do meu pesar falei até agora”.

17Então Eli respondeu e disse: “Vá em paz; e que o Deus de Israel lhe conceda a petição que fez a Ele.

18E ela disse: “Que sua serva encontre graça aos seus olhos”. Então a mulher seguiu o seu caminho e comeu, e seu semblante não estava mais triste.

 

O nascimento de Samuel.

19Levantaram-se de manhã cedo, e adoraram diante do Senhor, e voltaram, e foram a sua casa em Ramá. Elcana conheceu Ana, sua esposa; e o Senhor se lembrou dela. 20Portanto aconteceu que, depois que Ana concebeu, ela deu à luz um filho, e chamou o seu nome Samuel, dizendo: “Pois eu o pedi ao Senhor”.

21E o homem Elcana, e toda a sua casa, subiu para oferecer ao Senhor o sacrifício anual e o seu voto. 22Mas Ana não subiu; porque ela disse a seu marido: “Não subirei até que o menino seja desmamado, e depois o trarei, para que ele apareça diante do Senhor, e fique ali para sempre”.

23Elcana, seu marido, lhe disse: “Faça o que bem lhe parecer; fique até que você o desmame; somente o SENHOR estabelece Sua palavra”. Então a mulher ficou e deu de mamar ao filho, até que ela o desmamou.

24Quando o desmamou, levou-o com ela, com três novilhos, um efa de farinha e uma garrafa de vinho, e o levou à casa do SENHOR em Siló; e o menino era jovem. 25Mataram um novilho e trouxeram o menino a Eli. 26E ela disse: “Ó meu senhor, como vive a sua alma, meu senhor, eu sou a mulher que estava ao seu lado aqui, orando ao Senhor. 27Por esta criança eu orei; e o Senhor me deu a minha petição, que lhe pedi: 28por isso eu também o concedi ao SENHOR; enquanto viver, será concedido ao SENHOR”. E ela adorou o Senhor ali.