ad

Atos 17

Pregando Cristo em Tessalônica.

1Ora, quando passaram por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga dos judeus. 2E Paulo, como era o seu costume, foi até eles, e três dias de sábado discutiu com eles sobre as escrituras, 3explicando e alegando que Cristo precisava ter sofrido e ressuscitado dentre os mortos; e que “Este Jesus, a quem, eu lhes declaro, é o Cristo”. 4E alguns deles foram persuadidos; e uma grande multidão de gregos devotos, e não poucas mulheres importantes, juntou-se a Paulo e Silas.

5Mas os judeus que não creram, moveram-se com inveja, tomaram para eles alguns companheiros lascivos do tipo mais baixo, e reuniram uma companhia, e assaltaram toda a cidade, assaltaram a casa de Jasom e procuraram trazer eles para o povo. 6E, quando não os acharam, atraíram Jasom e alguns irmãos para os governantes da cidade, clamando: “Estes que viraram o mundo de cabeça para baixo também vieram para cá; 7a quem Jason recebeu; e tudo isso contraria os decretos de César, dizendo que há outro rei, Jesus”. 8E perturbaram o povo e os príncipes da cidade, quando ouviram estas coisas. 9E, tendo eles tomado dinheiro de Jasom, e de outros, eles os deixaram ir.

 

Ministrando em Bereia.

10E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Bereia; quando eles chegaram, foram para a sinagoga dos judeus. 11Estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, na medida em que receberam a palavra com toda prontidão de mente e pesquisavam as Escrituras diariamente para atestar se, de fato, as coisas eram assim. 12Por isso muitos deles creram; e também não poucos dos gregos, tanto mulheres proeminentes quanto homens. 13Mas quando os judeus de Tessalônica souberam que a palavra de Deus foi pregada por Paulo em Bereia, também foram para lá e animaram o povo. 14E logo os irmãos mandaram Paulo para ir a região do mar; mas Silas e Timóteo permanecem ali ainda. 15E os que guiavam Paulo o levaram a Atenas; e, recebendo Silas e Timóteo um mandamento de que chegassem a ele com toda a velocidade, partiram.

 

Paulo em Atenas.

16Ora, enquanto Paulo os esperava em Atenas, seu espírito se agitou quando viu a cidade totalmente entregue à idolatria. 17Por isso disputou na sinagoga com os judeus, e com os devotos, e no mercado diariamente com os que estavam com ele. 18Então certos filósofos epicuristas e o estoicos encontraram. E alguns disseram: O que esse tagarela quer dizer?

Outros disseram, “parece ser um proclamador de deuses estranhos”; porque lhes pregou sobre Jesus e a ressurreição.

19E, tomando-o, o levaram a Areópago, dizendo: Podemos saber o que é essa nova doutrina, de que você fala? 20Pois você traz certas coisas estranhas aos nossos ouvidos; portanto, gostaríamos de saber o que essas coisas significam. 21(Pois todos os atenienses e estrangeiros que lá estavam despendia seu tempo em nada mais que contar ou ouvir alguma coisa nova.)

 

O discurso de Paulo no Areópago.

22Então Paulo ficou no meio da colina de Marte e disse: “Vocês, homens de Atenas, percebo que em todas as coisas vocês são supersticiosos demais. 23Porque, ao passar por mim e contemplar suas devoções, encontrei um altar com esta inscrição,

AO DEUS DESCONHECIDO.

A quem, portanto, vocês de forma ignorante adoram, Ele eu os declaro. 24Deus que fez o mundo e todas as coisas nele, visto que Ele é o Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos; 25nem é adorado pelas mãos dos homens, como se Ele precisasse de alguma coisa, visto que Ele dá a toda vida, e respiração, e todas as coisas; 26E fez de um só sangue todas as nações dos homens para habitarem em toda a face da terra, e determinaram os tempos antes marcados e os limites da sua habitação; 27para que buscassem ao Senhor, na esperança de que, tateando,  pudessem O encontrar, embora Ele não esteja longe de cada um de nós: 28porque n’Ele vivemos, nos movemos e temos o nosso ser; como também alguns de seus próprios poetas disseram: ‘Porque também somos filhos d’Ele’. 29Visto que, como somos filhos de Deus, não devemos pensar que a Deidade é semelhante ao ouro, ou prata, ou pedra, esculpida pela arte e pelo artifício do homem. 30Nos tempos dessa ignorância, Deus negligenciou; mas agora ordena a todos os homens em todos os lugares que se arrependam: 31porque designou um dia em que julgará o mundo em justiça por Aquele homem a quem Ele ordenou; Ele deu segurança a todos os homens, na medida em que O ressuscitou dentre os mortos”.

32Quando ouviram falar da ressurreição dos mortos, alguns zombaram; e outros disseram: “Nós te ouviremos novamente sobre este assunto”. 33Então Paulo partiu do meio deles. 34Contudo, alguns homens lhe clamaram e creram: entre os quais Dionísio, o areopagita, e uma mulher chamada Dâmaris, e outros com eles.