ad

Atos 4

Pedro e João diante do Sinédrio.

1E enquanto falavam ao povo, os sacerdotes e o capitão do templo e os saduceus vieram sobre eles, 2ficando muito perturbados porque ensinaram ao povo e proclamaram em Jesus a ressurreição dos mortos. 3E impuseram as mãos sobre eles e os levaram a prisão até o dia seguinte, pois já era tarde. 4Mas muitos dos que ouviram a palavra creram; e o número dos homens chegou a cerca de cinco mil. 

5Aconteceu no dia seguinte que os governantes, anciãos e escribas se reuniram em Jerusalém; 6e Anás, o sumo sacerdote, estava lá, e Caifás, e João, e Alexandre, e todos os que eram da família do sumo sacerdote. 7E, pondo-os no meio, perguntaram: “Com que poder, ou em que nome, fizeram isso?”. 

8Então Pedro, cheio do Espírito Santo, disse-lhes: “Vocês governantes do povo e anciãos, 9se hoje formos examinados a respeito de uma boa ação feita a um homem impotente, por que meio este homem foi curado; 10seja conhecido de todos vocês, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o nazareno, a quem vocês crucificaram, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, também n'Ele este está aqui diante de vocês, são. 11Ele é a pedra que foi desprezada por vocês, os construtores, a qual foi posta como pedra angular. 12E em nenhum outro há salvação: nem há nenhum outro nome debaixo do céu, que seja dado entre os homens, no qual devemos ser salvos”.

13Ora, quando viram a ousadia de Pedro e João e perceberam que eram homens iletrados e ignorantes, maravilharam-se; e reconheceram que haviam estado com Jesus. 14E vendo o homem que foi curado de pé com eles, não puderam dizer nada contra isto. 15Mas quando lhes ordenaram que saíssem do conselho, conferenciaram entre si, dizendo: 16“O que faremos a estes homens? Pois que, de fato, um notável milagre foi operado por meio deles, e é manifesto a todos os que habitam em Jerusalém; e não podemos negar isso. 17Mas para que não se espalhem mais entre o povo, vamos ameaçá-los, para que, daqui em diante, não falem a ninguém neste nome”.

18E chamaram-nos e ordenaram-lhes que absolutamente não falassem nem ensinassem em nome de Jesus. 19Mas Pedro e João, respondendo, disseram-lhes: “Se é reto aos olhos de Deus ouvir a vocês, em vez de a Deus, é vocês que julgam; 20porque não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos”. 21E eles, quando os ameaçaram ainda mais, os deixaram ir, não achando como podendo puni-los, por causa do povo; porque todos os homens glorificaram a Deus por aquilo que foi feito. 22Pois o homem tinha mais de quarenta anos, em quem este milagre de cura foi operado.

 

A oração dos apóstolos sob perseguição.

23E, sendo libertados, vieram para sua própria companhia e relataram tudo o que os principais sacerdotes e os anciãos lhes haviam falado. 24E eles, quando ouviram isso, levantaram a sua voz a Deus de comum acordo, e disseram: “Ó Senhor, Você que fez os céus, a terra e o mar, e tudo o que neles há”. 25Que pelo Espírito Santo, pela boca de nosso pai Davi, Seu servo, disse: 

“Por que se enfureceram os gentios, 

E os povos imaginaram coisas vãs? 

26Os reis da terra se puseram em ordem, 

E os príncipes se ajuntaram, 

Contra o Senhor e contra o Seu Ungido.”

27“Pois, nesta cidade, verdadeiramente, contra o Seu santo Servo Jesus, a quem ungiu, tanto Herodes como Pôncio Pilatos, juntamente com os gentios e os povos de Israel, 28se reuniram para fazer tudo o que a Sua mão e o Seu conselho predeterminaram que acontecesse. 29E agora, Senhor, olha para as ameaças deles: e concede aos Seus servos que falem a Sua palavra com toda a ousadia, 30enquanto estende a Sua mão para curar; e que sinais e maravilhas possam ser feitos por meio do nome do Seu santo Servo Jesus”.

31E depois de terem orado, estremeceu o lugar onde estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo e pregavam a palavra de Deus com ousadia.

 

Os primeiros cristãos compartilham seus bens.

32E a multidão dos que criam era um só coração e alma: e nenhum deles disse que alguma das coisas que possuía era sua; mas eles tinham todas as coisas em comum. 33E com grande poder deu aos apóstolos seu testemunho da ressurreição do Senhor Jesus: e grande graça estava sobre todos eles. 34Pois não havia entre eles quem estivesse em necessidade: pois todos os possuidores de terras ou casas as vendiam, e traziam os preços das coisas que se vendiam, 36e as depositavam aos pés dos apóstolos; e a distribuição era feita a cada um, de acordo com a necessidade de qualquer um.

37E José, que pelos apóstolos era conhecido como Barnabé (que é, sendo interpretado, filho da exortação), levita, homem do Chipre, 38que tinha um campo, vendeu-o, trouxe o dinheiro e o depositou aos pés dos apóstolos.