ad

Atos 7

O discurso de Estêvão.

1E o sumo sacerdote perguntou: “São essas coisas assim?”.

2E ele disse: “Irmãos e pais, ouçam: O Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão, quando ele estava na Mesopotâmia, antes de morar em Harã, 3e disse-lhe: ‘Sai da tua terra e da tua parentela, e entra na terra que eu te mostrarei’. 4Então, saiu da terra dos caldeus e habitou em Harã; e dali, depois da morte de seu pai, Deus o levou para esta terra em que agora habitam; 5e não lhe deu herança, não, nem tanto quanto para pôr o pé: e Ele prometeu que a daria a ele em posse, e à sua descendência depois dele, quando ainda não tinha filhos. 6E Deus disse assim, que sua semente peregrinaria em uma terra estranha, e que eles deveriam escravizá-los e suplicar-lhes o mal, quatrocentos anos. 7‘E eu julgarei a nação à qual eles estão em cativeiro’, disse Deus; e depois disso virão e me servirão neste lugar. 8E deu-lhe o pacto da circuncisão; e assim gerou Abraão a Isaque, e o circuncidou ao oitavo dia; e Isaque gerou Jacó, e Jacó, os doze patriarcas”.

9“E os patriarcas, movidos de ciúme contra José, venderam-no para o Egito; e Deus estava com ele, 10e o livrou de todas as suas aflições, e deu-lhe graça e sabedoria perante Faraó, rei do Egito; e ele o constituiu governador sobre o Egito e toda a sua casa. 11Sobreveio então uma fome a todo o Egito e Canaã, e grande tribulação; e nossos pais não acharam sustento. 12Mas quando Jacó soube que havia trigo no Egito, ele enviou nossos pais pela primeira vez. 13E na segunda vez José foi dado a conhecer a seus irmãos; e a raça de José tornou-se manifesta ao Faraó. 14E José mandou chamar-lhe Jacó, seu pai, e toda a sua parentela, setenta e cinco almas. 15E Jacó desceu ao Egito; e ele morreu, ele mesmo e nossos pais; 16e foram transportados para Siquém e depositados na sepultura que Abraão comprou por certo preço em prata aos filhos de Hamor, em Siquém.

17“Mas, ao se aproximar o tempo da promessa, que Deus havia concedido a Abraão, o povo cresceu e se multiplicou no Egito, 18até que surgiu outro rei sobre o Egito, que não conhecia a José. 19Este homem agiu traiçoeiramente com nosso povo e oprimiu nossos antepassados, fazendo-os expor seus bebês, para que não vivessem. 20Foi nessa época que nasceu Moisés, e era extremamente formoso; e ele foi alimentado três meses na casa de seu pai: 21e quando ele foi deixado, a filha de Faraó o tomou e alimentou como seu próprio filho. 22E Moisés foi instruído em toda a sabedoria dos egípcios; e ele era poderoso em suas palavras e obras”.

23“Mas quando ele estava com quase quarenta anos, veio-lhe ao coração visitar seus irmãos, os filhos de Israel. 24E vendo um deles sofrer injustiça, defendeu-o e vingou o oprimido, ferindo o egípcio; 25e supôs que seus irmãos entendiam que Deus por sua mão lhes dava a libertação; mas eles não entenderam. 26E no dia seguinte ele apareceu-lhes enquanto eles lutavam e queria tê-los posto à parte novamente, dizendo: ‘Senhores, vocês são irmãos; por que fazem mal um ao outro?’. 27Mas o que agia injustamente ao seu próximo o repeliu, dizendo: ‘Quem lhe constituiu senhor e juiz sobre nós? 28Quer me matar, como matou o egípcio ontem?’. 29E Moisés fugiu depois desta palavra, e tornou-se peregrino na terra de Midiã, onde gerou dois filhos”.

30E quando quarenta anos se passaram, um anjo apareceu-lhe no deserto do monte Sinai, em uma chama de fogo em uma sarça. 31Quando Moisés viu isso, ficou maravilhado com a visão; e quando ele se aproximou para contemplar, ouviu-se a voz do Senhor: 32‘Eu sou o Deus de seus pais, o Deus de Abraão, e de Isaque, e de Jacó’. E Moisés tremia, e não ousava olhar. 33E o Senhor lhe disse: ‘Tira os sapatos dos pés, porque o lugar em que está é terra santa. 34Certamente tenho visto a aflição do meu povo que está no Egito, e tenho ouvido o seu gemido, e desci para livrá-los; e agora vem, eu lhe enviarei ao Egito’ ”.

35“A este Moisés a quem eles rejeitaram, dizendo: ‘Quem lhe constituiu senhor e juiz?’, Deus o enviou para governar e libertar pela mão do anjo que lhe apareceu na sarça. 36Este homem os conduziu, fazendo prodígios e sinais no Egito, e no Mar Vermelho, e no deserto por quarenta anos”.

37“Este é aquele Moisés que disse aos filhos de Israel: ‘Deus levantará dentre seus irmãos um profeta semelhante a mim’ ”.

38“Este é o que estava na congregação no deserto com o anjo que lhe falava no monte Sinai, e com nossos pais; os quais receberam oráculos vivos para nos darem; 39e que nossos pais não quiseram obedecer, mas rejeitaram. Em seus corações eles voltaram para o Egito, 40dizendo a Arão: ‘Faça-nos deuses para irem em nossa frente’; quanto a este Moisés, que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que aconteceu dele. 41E eles fizeram um bezerro naqueles dias, e trouxeram um sacrifício ao ídolo e se alegraram nas obras de suas mãos. 42Mas Deus se voltou e os entregou para servir ao exército do céu; como está escrito no livro dos profetas:

‘Ofereceram-me animais e sacrifícios mortos por quarenta anos no deserto,

Ó casa de Israel?

43E vocês levantaram o tabernáculo de Moloque,

E a estrela do deus Renfã,

As figuras que fizeram para adorá-los:

E eu os levarei para além da Babilônia’ ”.

44“Nossos pais tinham o tabernáculo do testemunho no deserto, como designou Aquele que falou a Moisés que o fizesse conforme a figura que tinha visto. 45A qual também nossos pais, por sua vez, trouxeram com Josué, quando entraram na possessão das nações, que Deus lançou diante de nossos pais, até os dias de Davi; 46que achou graça aos olhos de Deus, e pediu para achar uma habitação para o Deus de Jacó. 47Mas foi Salomão que construiu uma casa para ele”.

48“Mas o Altíssimo não habita em casas feitas por mãos; como diz o profeta,

49‘O céu é o Meu trono,

 E a terra o escabelo dos Meus pés:

Que tipo de casa Me edificarão? Diz o Senhor:

Ou qual é o Meu lugar de descanso?

50Não foi Minha mão que fez todas essas coisas?’ ”.

51“Vocês, obstinados e incircuncisos de coração e ouvidos, sempre resistem ao Espírito Santo; como fizeram os seus pais, assim também vocês fazem. 52Qual dos profetas não foram perseguidos pelos seus pais? E mataram os que antes anunciavam a vinda do Justo; de quem agora vocês tornaram traidores e assassinos; 53vocês que receberam a lei como foi ordenada pelos anjos, e não a guardaram”.

 

O apedrejamento e martírio de Estêvão.

54Ora, quando eles ouviram essas coisas, ficaram com o coração partido, e rangeram os dentes contra ele. 55Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, olhou fixamente para o céu, e viu a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus, 56e disse: “Eis que vejo os céus abertos, e o Filho de homem de pé à direita de Deus”.

57Mas eles clamaram em alta voz, taparam os ouvidos e avançaram unanimemente sobre ele; 58e, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram; e as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo. 59E apedrejaram Estêvão, que invocando o Senhor, disse: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito”. 60E ele se ajoelhou e clamou em alta voz: “Senhor, não atribuí este pecado a eles”. E quando ele disse isso, adormeceu.