ad

Eclesiastes 1

“Tudo é vaidade”.

1Palavras do Pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém.

 

2“Vaidade das vaidades”, diz o Pregador;

“Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”.

 

3Que proveito tem o homem de todo o seu trabalho

Em que trabalha debaixo do sol?

4Uma geração vai, e outra geração vem;

E a terra permanece para sempre.

5O sol também nasce, e o sol se põe,

E se apressa para o seu lugar de onde ele nasceu.

6O vento vai para o sul

E faz o seu giro para o norte;

Ele gira continuamente em seu curso,

E o vento retorna novamente aos seus circuitos.

7Todos os rios vão para o mar,

Mas o mar não se enche;

Até o lugar para onde vão os rios,

Para lá eles vão novamente.

8Todas as coisas são muito cansativas;

O homem não consegue descrever:

O olho não se contenta em ver,

Nem o ouvido se enche de ouvir.

 

9O que foi é o que há de ser;

E o que tem sido feito é o que há de ser feito;

E nenhuma coisa nova há debaixo do sol.

10Existe alguma coisa da qual os homens dizem: “Veja, isso é novo”?

Já existiu nos tempos antes de nós.

11Não há lembrança das gerações anteriores;

Nem haverá qualquer lembrança das últimas gerações que estão por vir,

Entre aquelas que virão depois.

 

Com a sabedoria vem o sofrimento.

12Eu, o Pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém. 13E apliquei meu coração a buscar e investigar com sabedoria a respeito de tudo o que é feito debaixo do céu: é uma árdua labuta que Deus deu para os filhos dos homens exercerem. 14Eu vi todas as obras que são feitas sob o sol; e, eis que tudo é vaidade e luta pelo vento.

15O que está torto não pode ser endireitado;

E o que está faltando não pode ser contado.

16Falei com meu próprio coração, dizendo: Eis que adquiri grande sabedoria acima de tudo o que houve antes de mim em Jerusalém; sim, meu coração tem grande experiência de sabedoria e conhecimento. 17E apliquei meu coração para conhecer a sabedoria, e conhecer a loucura e a insensatez: percebi que isso também era uma luta pelo vento.

18Porque na muita sabedoria há muito sofrimento;

E o que aumenta o conhecimento aumenta a tristeza.