ad

Eclesiastes 12

Busque a Deus na sua juventude.

1Lembra-te também do seu Criador nos dias da sua juventude,

Ou quando os dias maus chegarem,

E os anos se aproximarem, quando você disser,

“Não tenho prazer neles”;

2Ou enquanto o sol e a luz,

E a lua e as estrelas,

Serem escurecidos,

E as nuvens voltarem depois da chuva:

3No dia em que os guardas da casa estremecerão,

E os homens fortes devem se curvar,

E os moedores pararem porque são poucos,

E aqueles que olham para fora das janelas serão escurecidos,

4E a porta será fechada na rua;

Quando o som da moagem for baixo,

E alguém se levantará com a voz de um pássaro,

E todas as filhas da música serão abatidas;

5Sim, terão medo do que é alto,

E terrores estarão no caminho;

E a amendoeira florescerá,

E o gafanhoto será um fardo,

E a alcaparra cairá:

Porque o homem vai para sua longa casa,

E os enlutados andam pelas ruas:

6Ou quando o cordão de prata for solto,

Ou quando a tigela de ouro for quebrada,

Ou o jarro quebrado na fonte,

Ou a roda quebrada na cisterna;

7E quando a poeira voltar para a terra como era,

E o espírito voltar para Deus que o deu.


8Vaidade das vaidades, diz o Pregador;

Tudo é vaidade.


Busque a Deus na sua juventude.

9E além disso, porque o Pregador era sábio, ele ainda ensinava conhecimento ao povo; sim, ele ponderou e pesquisou e estabeleceu muitos provérbios. 10O Pregador procurou encontrar palavras aceitáveis, e aquilo que foi escrito corretamente, mesmo palavras de verdade.

11As palavras dos sábios são como aguilhões e como cravos bem cravados são as palavras dos senhores das assembleias, que são dadas por um único pastor. 12E além disso, meu filho, esteja avisado: não há fim em fazer muitos livros; e muito estudo é um cansaço da carne.


13Este é o fim da questão;

Tudo foi ouvido: tema a Deus e guarde os seus mandamentos;

Pois este é todo o dever do homem.

14Pois Deus trará toda obra a julgamento,

Com cada coisa escondida,

Seja boa ou má.