ad

Eclesiastes 2

A vaidade dos prazeres.

1Disse em meu coração: “Vai agora, eu lhe provarei com alegria; portanto, desfrute do prazer”; e, eis que isso também era vaidade. 2Eu disse do riso, “Está louco”; e da alegria, “O que é isso?”. 3Eu busquei em meu coração como alegrar minha carne com vinho, meu coração ainda me guiando com sabedoria, de modo que me agarrei à loucura, até que eu pudesse ver o que era bom que os filhos dos homens fizessem sob o céu em todos os dias de sua vida.

4Fiz para mim grandes obras; construí casas para mim; plantei vinhas para mim; 5fiz para mim jardins e parques, e neles plantei árvores de todos os tipos de frutas: 6fiz tanques de água para regar a floresta onde as árvores eram cultivadas; 7comprei servos e donzelas, e tive servos nascidos em minha casa; também tive grandes posses de manadas e rebanhos, acima de tudo o que havia antes de mim em Jerusalém; 8também juntei para mim prata e ouro, e o tesouro peculiar dos reis e das províncias; adquiri homens cantores e mulheres cantoras e as delícias dos filhos dos homens, concubinas muitíssimas.

9Assim eu fui grande e cresci mais do que todos os que foram antes de mim em Jerusalém; também a minha sabedoria permaneceu comigo.

10E tudo o que meus olhos desejaram, eu não os neguei:

Não retive o meu coração de qualquer alegria,

Porque meu coração se alegrou por causa de todo o meu trabalho;

E esta foi a minha porção de todo o meu trabalho.

11Então olhei para todas as obras que minhas mãos haviam feito

E para o trabalho que me esforcei para fazer;

E eis que tudo era vaidade e luta pelo vento,

E debaixo do sol não havia lucro.

 

O sábio e o tolo.

12E voltei-me para contemplar a sabedoria, a loucura e a tolice;

Pois que pode fazer o homem que sucede o rei?

Apenas o que já foi feito.

13Então vi que a sabedoria é mais excelente do que a tolice,

Assim como a luz é mais excelente do que as trevas.

14Os olhos do sábio estão na sua cabeça,

E o tolo anda nas trevas;

Contudo, percebi

Que o mesmo acontece a todos eles.

 

15Então eu disse em meu coração:

“Assim como ao tolo,

Assim também acontecerá a mim;

E por que eu era então mais sábio?

Então eu disse em meu coração

Que isso também era vaidade.

16Pois do sábio, assim como do tolo, não há lembrança para sempre;

Visto que nos dias que virão tudo já terá sido esquecido.

E como morre o sábio,

Assim morre o tolo!

 

17Então eu odiava a vida; porque a obra que se faz debaixo do sol me foi difícil; porque tudo é vaidade e luta pelo vento.

 

A vaidade do trabalho.

18E odiei todo o meu trabalho que fiz debaixo do sol, visto que devo deixá-lo para o homem que há de me suceder. 19E quem sabe se ele será sábio ou tolo? Ainda assim, ele terá domínio sobre todo o meu trabalho que fiz e que demonstrei sabedoria sob o sol. Isso também é vaidade. 20Portanto, voltei-me a causar desespero em meu coração a respeito de todo o trabalho em que havia feito sob o sol. 21Porque há homem cujo trabalho é feito com sabedoria, e com conhecimento, e com habilidade; contudo, ao homem que não trabalhou nele, ele o deixará como sua porção. Isso também é vaidade e um grande mal. 22Pois, que alcança o homem com todo o seu trabalho e com o esforço de seu coração que trabalha debaixo do sol? 23Pois todos os seus dias são apenas dores, e seu trabalho é tristeza; sim, mesmo à noite seu coração não descansa. Isso também é vaidade.

24Não há nada melhor para o homem do que comer e beber, e fazer sua alma aproveitar o bem de seu trabalho. Também vi isto, que é da mão de Deus. 25Pois quem pode comer, ou quem pode se divertir, mais do que eu? 26Porque ao homem que lhe agrada, Deus dá sabedoria, e conhecimento, e alegria; mas ao pecador dá trabalho para colher e amontoar, a fim de dar àquele que agrada a Deus. Isso também é vaidade e uma luta pelo vento.