ad

Eclesiastes 5

O temor na casa de Deus.
1Caminhe com prudência quando for à casa de Deus; porque melhor é aproximar-se para ouvir do que oferecer sacrifícios de tolos; porque não sabem que praticam o mal.
2Não seja precipitado com a boca,
E não se precipite o seu coração para dizer qualquer coisa diante de Deus; 
Pois Deus está no céu e você na terra:
Portanto, sejam poucas as suas palavras.
3Pois um sonho vem com uma infinidade de assuntos;
E a voz de um tolo com uma infinidade de palavras. 

4Quando você fizer um voto a Deus, não se demore em pagá-lo;
Pois Ele não tem prazer nos tolos:
Pague o que prometeu.
5Melhor é que você não jure, do que fazer votos e não pagar.

6Não permita que a sua boca faça pecar a sua carne; nem diga na presença do anjo que foi um erro; por que razão se iraria Deus contra a sua voz, e destruiria a obra das suas mãos? 7Pois assim vem passar pela multidão de sonhos e vaidades e muitas palavras: mas teme a Deus. 

A vaidade da riqueza.
8Se você ver a opressão dos pobres e a violenta destruição do juízo e da justiça numa província, não se maravilhe do assunto: porque alguém mais elevado do que os grandes tem consideração; e há mais alto do que eles. 

9Além disso, o lucro da terra é para todos: o próprio rei é servido pelo campo.
10Quem ama a prata não se fartará de prata;
Nem aquele que ama a abundância com aumento:
Isso também é vaidade.

11Quando os bens aumentam,
São aumentados aqueles que os comem:
E que vantagem existe para o seu dono,
Exceto os ver com os seus olhos? 

12O sono de um trabalhador é doce,
Quer coma pouco ou muito:
Mas a plenitude do rico não o deixa dormir.

13Há um grave mal, que vi debaixo do sol, a saber,
Riquezas mantidas pelo dono para seu próprio prejuízo:
14E essas riquezas perecem por maus empreendimentos;
E se ele gerou um filho, nada há em sua mão.
15Quando ele saiu do ventre de sua mãe, nu ele irá
Novamente da forma como ele veio,
E não tomará nada por seu trabalho,
Que ele pode carregar na sua mão.

16E isso também é um mal grave,
Que em todos os pontos como ele veio, ele deve ir:
E que aproveita o trabalhar para o vento?
17Todos os seus dias ele come nas trevas,
Ele está muito aborrecido, e tem enfermidade e ira.

18Eis que o que tenho visto ser bom e aprazível é comer e beber, e desfrutar do bem em todo o seu trabalho, em que trabalha debaixo do sol, todos os dias da vida que Deus lhe deu: porque esta é a sua porção. 19Também todo homem a quem Deus deu riquezas e fortunas, e poder para comer delas, receber sua porção e se alegrar com seu trabalho; este é o presente de Deus. 20Pois ele não se lembrará muito dos dias de sua vida; porque Deus lhe responde com a alegria de seu coração.