ad

Eclesiastes 6

A Futilidade da Vida.

1Há um mal que vi debaixo do sol, e que pesa sobre os homens: 2um homem a quem Deus dá riquezas, prosperidade e honra, de modo que nada lhe falta para a alma de tudo o que deseja, contudo, Deus não lhe dá poder para usufruir disto, mas para o estranho; isso é vaidade e é uma doença maligna. 3Se um homem gerar cem filhos e viver muitos anos, de modo que os dias de seus anos sejam muitos, mas sua alma não se encher de bens e, além disso, ele não ter um sepultamento; digo que o nascimento prematuro é melhor do que ele: 4porque vem em vaidade e vai embora nas trevas, e seu nome está coberto de trevas; 5além disso, ele não viu o sol nem o conheceu; este tem mais descanso do que o outro: 6sim, embora ele viva mil anos contados duas vezes, e ainda assim não desfrute do bem; não vão todos para o mesmo lugar?

 

7Todo o trabalho do homem é para sua boca,

Mas o apetite não é satisfeito.

8Pois que vantagem tem o sábio mais do que o tolo?

Ou, o que tem o pobre que sabe andar diante dos vivos?

9Melhor é ver com os olhos do que vagar no desejo:

Isso também é vaidade e luta pelo vento.

 

10Tudo o que já foi, o seu nome foi dado há muito tempo,

E sabe-se que é homem;

Nem se pode contender com Aquele que é mais poderoso do que ele.

11Visto que há muitas coisas que aumentam a vaidade,

O que é, para o homem, melhor?

 

12Pois quem sabe o que é bom para o homem em sua vida, todos os dias de sua vida vã, que ele passa como uma sombra? Pois quem pode dizer a um homem o que será depois dele debaixo do sol?