ad

Esdras 9

O pecado do casamento com pagãos.

1Quando estas coisas foram feitas, os príncipes vieram a mim, dizendo: “Os filhos de Israel, e os sacerdotes, e os levitas, não se separaram dos povos das terras, fazendo conforme as suas abominações, dos cananeus, os heteus, os ferezeus, os jebuseus, os amonitas, os moabitas, os egípcios e os amorreus. 2Pois tomaram de suas filhas para si e para seus filhos; de modo que a santa semente se misturou com o povo daquelas terras”. 3E quando ouvi isso, rasguei minha roupa e meu manto, e arranquei os cabelos da minha cabeça e da minha barba, e sentei-me atônito. 4Então se ajuntaram a mim todos os que tremeram diante das palavras do Deus de Israel, por causa da transgressão dos que haviam sido levados; e fiquei atônito até o sacrifício da tarde.

5E no sacrifício da tarde me levantei do meu peso; e, rasgando a minha veste e o meu manto, pus-me de joelhos, e estendi as mãos ao Senhor meu Deus, 6e disse: “Deus meu, estou envergonhado e enrubesço ao levantar o meu rosto para Ti, meu Deus; porque as nossas iniquidades se multiplicam sobre a nossa cabeça, e a nossa transgressão se eleva até os céus. 7Desde os dias de nossos pais temos estado em grande transgressão até o dia de hoje; e por causa das nossas iniquidades fomos nós, nossos reis e nossos sacerdotes, entregues nas mãos dos reis das terras, à espada, ao cativeiro, e ao despojo, e à confusão de rosto, como é hoje. 8E agora, por um pouco de tempo, a graça do Senhor nosso Deus nos foi manifestada, para nos deixar um remanescente para escapar, e para nos dar uma estaca no seu lugar santo, para que o nosso Deus ilumine os nossos olhos e nos dê um pouco de vida em nossa escravidão. 9Pois éramos escravos; mas o nosso Deus não nos abandonou na nossa servidão, mas estendeu a sua misericórdia para conosco diante dos reis da Pérsia, para nos dar avivamento, para estabelecer a casa do nosso Deus, e para reparar as suas desolações, e para nos dar um muro em Judá e em Jerusalém. 10E agora, ó nosso Deus, o que diremos depois disso? 11Porque deixamos os Teus mandamentos, que ordenou por intermédio dos Teus servos, os profetas, dizendo: ‘A terra para a qual vão possuir é terra imunda, com a imundície dos povos das terras, com as suas abominações que a encheram de uma ponta a outra com a sua impureza. 12Agora, pois, não deem suas filhas a seus filhos, nem levem suas filhas a seus filhos, e nunca busque a paz ou a prosperidade deles, para que vocês sejam fortes e comam o bem da terra, e a deixem como herança para seus filhos para sempre’. 13E depois de tudo o que nos sobreveio por nossas más ações e por nossa grande transgressão, visto que Tu, nosso Deus, nos puniste menos do que nossas iniquidades merecem, e nos deu tal libertação como esta; 14deveríamos novamente quebrar Teus mandamentos e nos unir em afinidade com o povo dessas abominações? Tu não ficarias zangado conosco até que nos consumisse, para que não houvesse resto nem escapatória? 15Ó SENHOR Deus de Israel, Tu és justo, porque ainda escapamos, como hoje se vê; eis que estamos diante de Ti em nossas ofensas, porque não podemos resistir a Ti por causa disso”.