ad

Ezequiel 18

Um antigo provérbio sobre Israel.

1A palavra do SENHOR veio a mim novamente, dizendo: 2“O que você quer dizer com usar esse provérbio referente à terra de Israel, dizendo:

‘Os pais comeram uvas azedas

E os dentes dos filhos estão afiados’?”.

3“Enquanto vivo”, diz o Senhor Deus, “não tereis mais ocasião de usar este provérbio em Israel”.

 

4“Eis que todas as almas são minhas;

Como a alma do pai,

Também a alma do filho é minha;

A alma que pecar, essa morrerá.

5Mas se um homem é justo

E faz o que é lícito e correto,

6E não comeu nos montes,

Nem levantou os olhos para os ídolos da casa de Israel,

Nem profanou a mulher do seu próximo,

Nem se aproximou de uma mulher menstruada,

7E não oprimiu ninguém,

Mas restituiu ao devedor sua promessa,

Não prejudicou ninguém com violência,

Deu seu pão aos famintos

E cobriu os nus com uma roupa;

8Aquele que não praticou usura,

Nem tomou qualquer aumento,

Que retirou a mão da iniquidade,

Executou o verdadeiro juízo entre homem e homem,

9Andou nos Meus estatutos,

E guardou os Meus juízos, verdadeiramente;

Aquele que é justo,

Certamente viverá”,

Diz o Senhor DEUS.

 

10“Se ele gerar um filho ladrão,

Um derramador de sangue,

Que faça qualquer uma dessas coisas,

11Não cumprindo nenhum desses deveres,

Mas comendo sobre os montes

E contaminando a esposa de seu vizinho,

12Oprimindo os pobres e necessitados,

Prejudicando-se pela violência,

Não restaurando a promessa

E levantando os olhos para os ídolos,

E cometendo abominação,

13Praticando usura

E tomando com aumento:

Viverá então?

Ele não viverá;

Se ele fez todas essas abominações;

Ele certamente morrerá;

Seu sangue estará sobre ele”.

 

14”Agora, eis que, se ele gerar um filho,

Que vê todos os pecados de seu pai, que ele fez,

E considera, e não é semelhante,

15Que não comeu nos montes,

Nem ergueu os olhos para os ídolos da casa de Israel,

Nem contaminou a mulher do seu próximo,

16Nem oprimiu ninguém,

Nem reteve a promessa,

Nem se prejudicou pela violência,

Mas deu seu pão aos famintos

E cobriu os nus com uma roupa;

17Que tirou a mão dos pobres,

Que não recebeu usura nem aumento,

Executou os Meus juízos,

Andou nos Meus estatutos;

Este não morrerá pela iniquidade de seu pai;

Certamente viverá”.

 

18”Quanto ao pai,

Por ter cruelmente oprimido,

Prejudicado o irmão pela violência

E fazendo o que não é bom para o seu povo;

Eis que ele morrerá na sua iniquidade”.

 

“Volte-se e viva”.

19”Mas vocês dizem: ‘Por que o filho não deveria carregar a culpa do pai?’. Quando o filho fizer o que é lícito e correto, e guardar todos os Meus estatutos, e os cumprir, certamente viverá. 20A alma que pecar, morrerá. O filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho: a justiça dos justos estará sobre ele, e a iniquidade dos ímpios estará sobre ele”.

21“Mas, se o ímpio se afastar de todos os seus pecados que tenha cometido, e guardar todos os Meus estatutos, e fizer o que é lícito e correto, certamente viverá, não morrerá. 22Todas as transgressões que ele tenha cometido não lhe serão mencionadas: em sua própria justiça que praticou, ele viverá. 23Tenho algum prazer em que os iníquos morram?”, diz o Senhor DEUS: “e não teria prazer para que ele retorne dos seus caminhos e vivesse?”.

24“Mas, se o justo se desviar da sua justiça e cometer iniquidade, e fizer de acordo com todas as abominações que o ímpio faz, ele viverá? Toda a justiça que ele fez não será mencionada: na sua transgressão que praticou, e no pecado que cometeu, ​​neles morrerá”.

25“Mas vocês dizem: ‘O caminho do SENHOR não é justo’. Ouça agora, ó casa de Israel; o meu caminho não é igual? Não são seus caminhos desiguais? 26Quando o justo se afasta da sua justiça, e comete iniquidade, e morre neles; pela sua iniquidade que praticou, ele morrerá. 27Novamente, quando o ímpio se afastar da maldade que tenha cometido, e fizer o que é lícito e correto, ele preservará sua alma viva. 28Porque se ele considera e se desvia de todas as transgressões que tenha cometido, certamente viverá, não morrerá. 29No entanto, diz a casa de Israel: ‘O caminho do Senhor não é justo’. Ó casa de Israel, meus caminhos não são justos? Não são seus caminhos injustos?”.

30“Portanto eu lhe julgarei, ó casa de Israel, cada um segundo os seus caminhos”, diz o Senhor DEUS. “Arrependam-se e desviem-se de todas as suas transgressões; então a iniquidade não será a sua ruína. 31Afastem de vocês todas as transgressões que cometeram; e adquiram um novo coração e um novo espírito; porque teriam de morrer, ó casa de Israel? 32Pois não tenho prazer na morte daquele que morre”, diz o Senhor Deus; “portanto, volte-se e viva”.