Hebreus 6

1. Portanto, deixemos de falar dos primeiros princípios de Cristo e continuemos à perfeição; não lançando novamente fundamento de arrependimento de obras mortas e de fé em Deus,

2. Do ensino dos batismos, da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do julgamento eterno.

3. E faremos isso, se Deus permitir.

4. Pois é impossível para aqueles que já foram iluminados e provaram o dom celestial e foram feitos participantes do Espírito Santo,

5. E provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro,

6. Se eles caírem, é impossível renová-los novamente ao arrependimento; vendo que eles crucificam para si mesmos o Filho de Deus novamente, e o envergonham.

7. Porque a terra que bebe na chuva que cai sobre ela, e produz ervas para aquele a quem a havia lavrada, recebe bênção de Deus:

8. Mas a que dá espinhos e sarça é rejeitada, quase amaldiçoada; cujo fim é ser queimada.

9. Mas, amados, somos persuadidos de melhores coisas e de coisas que acompanham a salvação, embora assim falemos.

10. Pois Deus não é injusto para esquecer a sua obra e o amor que demonstrou em seu nome, por ministrar aos santos e ainda ministrar.

11. E desejamos que cada um de vocês mostre a mesma diligência para a plena certeza da esperança até o fim:

12. Para que não sejais preguiçosos, mas seguidores daqueles que pela fé e paciência herdam as promessas.

13. Pois quando Deus fez promessa a Abraão, porque não podia jurar por alguém maior, jurou por si mesmo,

14. Dizendo: Certamente te abençoarei, e te multiplicarei.

15. E assim, depois de ter pacientemente suportado, ele obteve a promessa.

16. Pois os homens juram em verdade pelo maior; e um juramento de confirmação é para eles o fim de todo conflito.

17. Onde Deus, desejando mais abundantemente mostrar aos herdeiros da promessa a imutabilidade de seus conselhos, confirmou-o por um juramento:

18. Para que, por duas coisas imutáveis, nas quais era impossível Deus mentir, pudéssemos ter um forte consolo, fugindo para nos refugiarmos, a fim de se apossar da esperança que se coloca diante de nós:

19. Que temos como âncora da alma, uma esperança segura e firme e que adentra no interior do véu;

20. Por onde Jesus, como precursor, entrou em nosso lugar, tornando-se sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.