Hebreus 9

1. Então, em verdade, a primeira aliança também tinha ordenanças de serviço divino e um santuário mundano.

2. Porque havia um tabernáculo feito; o primeiro, em que estavam o castiçal, a mesa e os pães da proposição; que é chamado de santuário.

3. E depois do segundo véu, o tabernáculo, que é chamado o Santo dos Santos;

4. O qual tinha o incensário de ouro e a arca do pacto revestidos de ouro, onde estava o pote de ouro que tinha maná, e a vara de Arão, que brotara, e as tábuas do pacto;

5. E sobre ela os querubins da glória sombreavam o propiciatório; dos quais agora não podemos falar particularmente.

6. Agora, quando essas coisas eram ordenadas, os sacerdotes sempre iam ao primeiro tabernáculo, cumprindo o serviço de Deus.

7. Mas no segundo, o sumo sacerdote sozinho, uma vez por ano, não sem sangue, oferecendo para si mesmo e pelos erros do povo:

8. O Espírito Santo mostrou que o caminho para o mais santo de todos ainda não havia sido manifestado, enquanto o primeiro tabernáculo ainda estava de pé:

9. Que é uma parábola para o tempo agora presente; segundo a qual são oferecidos dons e sacrifícios que não podem, ao tocar a consciência, aperfeiçoar o que fazia o serviço,

10. Que consistia apenas em carnes e bebidas, e diversas lavagens e ordenanças carnais, impostas a eles até o tempo da reforma.

11. Mas Cristo veio como sumo sacerdote das coisas boas que virão, por um tabernáculo maior e mais perfeito, não feito por mãos, ou seja, não por esta construção;

12. Nem pelo sangue de bodes e bezerros, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou uma vez no lugar santo, tendo obtido eterna redenção para nós.

13. Porque, se o sangue de touros e de bodes e as cinzas de uma novilha, que é aspirado ao impuro, santifica para a purificação da carne:

14. Quanto mais o sangue de Cristo, que através do Espírito eterno se ofereceu sem mancha a Deus, limpa sua consciência de obras mortas para servir ao Deus vivo?

15. E por essa causa ele é o mediador do novo testamento, que por meio da morte, para a redenção das transgressões que estavam sob o primeiro testamento, os que são chamados podem receber a promessa de herança eterna.

16. Pois onde está um testamento, também deve haver necessidade da morte do testador.

17. Porque um testamento é vigoroso depois da morte dos homens; caso contrário, não tem vigor algum enquanto o testador vive.

18. Então, nem o primeiro testamento foi dedicado sem sangue.

19. Porque, quando Moisés falou todos os preceitos a todo o povo de acordo com a lei, tomou o sangue de bezerros e de bodes, com água e lã escarlate e hissopo, e aspergiu o livro e todo o povo,

20. Dizendo: Este é o sangue do testamento que Deus vos ordenou.

21. Além disso, ele aspergiu com sangue o tabernáculo e todos os vasos do ministério.

22. E quase todas as coisas são pela lei limpas com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.

23. Era, portanto, necessário que os padrões das coisas no céu fossem purificados com os sacrifícios; mas as coisas celestiais se oferecem com sacrifícios melhores que estes.

24. Pois Cristo não entrou em um lugar santo feito por mãos, como um padrão para a verdade; mas no próprio céu, agora para aparecer na presença de Deus por nós:

25. Ainda assim, ele deveria se oferecer com frequência; como o sumo sacerdote entra no lugar santo ano após ano com sangue não próprio;

26. Caso contrário, ele deveria ter sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo: mas agora uma vez no fim dos tempos ele se manifestou para afastar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.

27. E na medida em que é designado aos homens, uma vez que morrem, vindo depois disso o julgamento;

28. Assim, Cristo já foi oferecido para levar os pecados de muitos; e aos que o procuram, ele aparecerá pela segunda vez sem pecado para a salvação.