Jeremias 18

1. A palavra que veio do SENHOR a Jeremias, dizendo:

2. Levante-se e desça à casa do oleiro, e ali farei com que você ouça minhas palavras.

3. Fui até a casa do oleiro e eis que ele fez um trabalho sobre as rodas.

4. E o vaso que ele fez de argila estragou na sua mão; assim ele fez de novo outro vaso, como parecia bom ao oleiro fazê-lo.

5. Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:

6. Ó casa de Israel, não posso fazer contigo como este oleiro? Diz o Senhor. Eis que como o barro está na mão do oleiro, assim estais na minha mão, ó casa de Israel.

7. Em que momento falarei a respeito de uma nação e de um reino, para arrancar, derrubar e destruí-lo;

8. Se aquela nação, contra a qual eu pronunciei, abandonar o mal deles, eu me arrependeria do mal que eu pensava fazer com eles.

9. E em que momento falarei sobre uma nação e sobre um reino, para edificá-la e plantá-la;

10. Se fizer mal à minha vista, e não obedecer à minha voz, arrepender-me-ei do bem, com o qual disse que os beneficiaria.

11. Agora, pois, vai falar aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém, dizendo: Assim diz o Senhor: Eis que armo o mal contra vós, e planejo um artifício contra vós; voltai agora cada um do seu mau caminho. E modifique seus caminhos e suas ações.

12. Mas eles dizem: Não há esperança: pois andaremos segundo nossos próprios artifícios, e faremos todos a obstinação de seu próprio coração maligno.

13. Portanto, assim diz o Senhor: Perguntai agora entre as nações que ouviram tais coisas; a virgem de Israel fez uma coisa muito horrível.

14. Um homem deixará a neve do Líbano, que vem da rocha do campo? As águas frias que correm serão abandonadas por águas estranhas?

15. Porque o meu povo se esqueceu de mim, queimou incenso à vaidade; e os ídolos os fizeram tropeçar nos seus caminhos, nos caminhos antigos, para andar em caminhos e não em estradas;

16. Para tornar sua terra desolada, e um ruído perpétuo; todo aquele que passa por ele ficará surpreso e sacudirá a cabeça.

17. Eu os espalharei como com um vento oriental diante do inimigo; Olharei para as costas deles, e não para o rosto deles, no dia de sua calamidade.

18. Então disseram: Vinde, e maquinemos projetos contra Jeremias; porque a lei não perecerá do sacerdote, nem o conselho dos sábios, nem a palavra do profeta. Venha, e vamos feri-lo com a língua, e não vamos dar atenção a nenhuma de suas palavras.

19. Guarda-me, SENHOR, e ouve a voz dos que lutam contra mim.

20. O mal será recompensado pelo bem? Porque cavaram uma cova para a minha alma. Lembre-se de que eu estava diante de ti para falar bem por eles e afastar deles a sua ira.

21. Portanto, entreguem seus filhos à fome e derramem seu sangue pela força da espada; e suas mulheres sejam enlutadas de seus filhos e sejam viúvas; e que seus homens sejam mortos; que seus jovens sejam mortos à espada em batalha.

22. Ouve-se um clamor de suas casas, quando de repente trouxeres tropas sobre eles; porque cavaram uma cova para me levar, e esconderam armadilhas para os meus pés.

23. Contudo, SENHOR, tu sabes todos os conselhos deles contra mim para me matar; não perdoes a sua iniquidade, nem apagues o pecado da tua vista; antes sejam derrotados diante de ti; lide com eles no tempo da sua ira.